História Teen Wolf - Season 8: Responsabilities - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Alan Deaton, Bobby Finstock, Chris Argent, Cora Hale, Corey Bryant, Danny Mahealani, Derek Hale, Ethan, Hayden Romero, Isaac Lahey, Jackson Whittemore, Jordan Parrish, Kira Yukimura, Liam Dunbar, Lydia Martin, Malia Tate, Mason Hewitt, Melissa McCall, Natalie Martin, Personagens Originais, Peter Hale, Rafael McCall, Scott McCall, Sheriff Noah Stilinski, Stiles Stilinski, Theo Raeken
Tags Chrissa, Jethan, Kora !, Layden, Maleo, Malisaac, Malydia, Morey, Scalia, Sciles, Scisaac, Stalia, Stydia, Teen Wolf, Thiam
Visualizações 264
Palavras 2.073
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Ficção Adolescente, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, amores!
O capítulo era pra ter saído um pouquinho mais cedo, mas tive que resolver algumas coisas e não deu pra postar. Sorry!
De toda forma, aqui está ele!
Prontos?

PLAYLIST DO CAPÍTULO

1. Black Honey - Midnight
2. Birdy - Deep End
3. Bishop Briggs - Wild Horses

Capítulo 5 - On The Rocks


Fanfic / Fanfiction Teen Wolf - Season 8: Responsabilities - Capítulo 5 - On The Rocks

(Now Playing: Black Honey - Midnight)

- Tudo bem? - Cora perguntou caminhando devagar pela floresta enquanto Kira iluminava o caminho. 

- Humrum! - a outra respondeu um pouco trêmula.

- Basta seguirmos o plano do Scott e manter a coisa dentro da floresta nos perseguindo, certo? 

- Certo. - Kira concordou virando-se para a amiga e suspirando. 

Por que ela tinha que ser tão linda? 

Queria abraçá-la e protegê-la do que quer que fosse. 

- Ei, eu tô aqui, tá bem? - ela falou segurando suavemente na mão da kitsune. 

Kira retribuiu o toque e sorriu.

Era impressionante o efeito que aquele sorriso causava nela. Já tinha namorado algumas garotas e garotos mas nenhum deles havia chegado perto de fazê-la se sentir daquele jeito. Chegou a conclusão de que era o jeito inocente de Kira que a atraía e encantava. 

E inocência era praticamente o segundo nome da outra garota! 

Droga, precisava dar um jeito de conquistá-la ou esquecê-la de vez. 

- Você ouviu isso? - a amiga falou parando abruptamente. 

- O que? Não ouvi nada.

- Espera. - Kira falou novamente. Desta vez a garota se ajoelhou e colocou a mão esquerda no chão como se estivesse sentindo algo nele.

- O que você tá fazendo? - Cora perguntou ajoelhando-se também. 

- Sente isso?- Kira perguntou colocando a mão de Cora no chão também. 

- Não estou sentindo nada. - Cora respondeu confusa. 

- Coloca a sua mão sobre a minha. 

Cora a obedeceu e assim que tocou na mâo da amiga, sentiu os dedos formigarem e uma energia estranha passar pelo seu corpo. 

- O que...?

- Ele está próximo daqui! - Kira falou se concentrando.

-Onde você aprendeu isso? 

- As Skinwalkers. 

- Entendi. 

As duas se levantaram e olharam ao redor. 

Silêncio. 

De repente, o grunhido agourento da besta invadiu a pequena clareira e as garotas visualizaram pela primeira vez a figura bizarra que era o Nuckelavee. 

Os cascos de cavalo pisavam forte no chão e os braços enormes se ergueram prontos para atacar a kitsune. A garota por sua vez ergueu sua katana e contra-atacou. A lâmina da arma atingiu um dos braços da criatura, porém a pele grossa não sofreu qualquer ferimento. 

- Acho que essa é a hora que temos que correr até o rio! - Cora falou com urgência já se tranformando e puxando a amiga.

As duas correram pela floresta enquanto o Nuckelavee as perseguia. O bafo tóxico dele ia danificando toda a vegetação pelo caminho e Cora já estava começando a sentir a respiração falhar quando finalmente ouviu o barulho da água corrente. 

- Prepara pra pular! - ela gritou pra Kira e as duas impulsionaram os pés assim que chegaram às margens dando um salto enorme e pousando com os joelhos flexionados do outro lado do rio. 

O Nuckelavee parou diante da correnteza e soltou um rugido raivoso, virando-se novamente para a floresta atrás de si  desaparecendo na escuridão em seguida. 

- Temos que ir atrás dele de novo? - Kira perguntou resmungando. 

- Nosso dever é mantê-lo longe da cidade, então a resposta é sim. Infelizmente. - Cora respondeu levantando-se e oferecendo a mão para ajudar Kira a se levantar. 

A garota aceitou a mão da amiga e sorriu. 

- Então vamos lá!


***

(Now Playing: Birdy - Deep End) 

- Elas ficarão bem. - Scott falou sentando-se no sofá. 

- Eu espero. - Malia respondeu sentindo o coração pulsar um pouco mais rápido. 

Ele sorriu e olhou ao redor. 

- Gostei do seu apartamento. 

- Não é grande coisa, mas o aluguel é barato. - ela respondeu sentando-semao lado dele. 

- Eu falei sério quando disse que senti sua falta. - ele falou abruptamente. 

- Por isso me ligou todos os dias e se preocupou em responder minhas mensagens? - ela retrucou ironicamente. 

O alfa respirou profundamente e segurou as mãos dela carinhosamente. 

Ela tinha que resistir. Tinha que...

- Eu fui um idiota. - ele falou colocando uma das mãos no rosto dela fazendo-a se virar lentamente até olhá-lo nos olhos.   

- Você foi um idiota. - ela sussurrou tentando mentalmente resistir aquele toque. 

- Muito idiota. - ele se aproximou ainda mais diminuindo a distância entre suas bocas. 

Ela o amava. Amava tanto que doía. E se ele soubesse o quanto ela o desejava naquele momento... O seu corpo praticamente gritava implorando para que se amassem ali mesmo e matassem toda a saudade acumulada. 

Mas então, algo dentro dela a trouxe de volta à racionalidade. 

- Qual é o nome dela? - ela perguntou com a voz cortante. 

Scott piscou confuso e se afastou um pouco. 

- O que? 

- Você me entendeu. Qual é o nome dela? 

- N-Não tem ...- ele gaguejou. 

- Você acha que eu sou idiota? É claro que tem alguém! Eu sei! Assim como sei que a sua repentina atenção e saudade por mim só despertou depois que você me viu conversando com o Theo! 

O rapaz se levantou irritado e andou em círculos pela sala. 

- Malia, eu-eu não... - ele tentava falar mas parecia não encontrar palavras. 

Ela riu sarcasticamente. 

- Vai embora, Scott. Quando você estiver pronto pra me falar a verdade a gente conversa! - a garota falou levantando-se e abrindo a porta do apartamento. 

- Malia. - ele a chamou suavemente mas ela estava irredutível.

O jovem passou por ela lançando-lhe ainda um último olhar suplicante antes que ela batesse a porta atrás de si. 

Assim que se viu sozinha, o peso em seu peito se tornou insuportável. 

Ele não negara. Não conseguira negar a existência de outra garota!

Ela sentiu seus olhos arderem e as pernas enfraquecerem levando-a até o chão enquanto soluçava. 

O que seria deles a partir daquela noite?


***


Eram 10 horas da manhã e Lydia olhava o quadro de evidência que Stiles havia montado na noite anterior sem de fato vê-lo. Sua mente estava distante, revivendo todos os sonhos que tivera naquela madrugada. 


- Um sacríficio é muito mais forte na noite de hoje e ainda mais forte quando de bom grado. - a mulher falou colocando a adaga sobre a garganta da banshee. 

- Apenas salve os meus amigos!

Lydia pode ouví-la sussurrando algo e logo após um relâmpago cortou o céu. 

- Está feito! Ao mar ele retornou.

- Ótimo! - a banshee respondeu. 

- Agora, vamos ao que me interessa. Seu sangue! 

A lâmina afiada passou pela sua garganta e ela sentia o líquido quente saindo do ferimento. A mulher colocou a mão sobre o local e a ruiva sentiu seu sangue sendo drenado para fora do corpo.


Lembrou-se do primeiro sonho. O sonho que lhe mostrava sua própria morte. 

Olhou novamente as fotos das quatro garotas desaparecidas e lembrou-se da capela macabra onde vira uma delas suplicar por ajuda. 

Aquilo era um ritual de sangue. 

E era assim que também morreria. 

Sua mente vagou novamente.


Estava diante do espelho tentando digerir o que havia visto quando a figura de uma velha senhora negra surgiu atrás dela. 

- Fique longe da minha neta. - a mulher falou em sua mente. 

- O que? - Lydia perguntou confusa virando-se para a senhora. 

- AFASTE-SE DA MINHA NETA! - a figura gritou furiosa lançando as duas mãos para o pescoço da banshee. 


Não havia dúvidas de que aquela senhora era o espiríto da avó de sua amiga Anna. 

Por que ela queria que as garotas se afastassem?

Lydia engoliu a seco tentando afastar de si a ideia de que a velha, ou a própria Anna tivesse algo a ver com o primeiro sonho.  

Bakançou a cabeça e mais uma vez, deixou-se levar pela lembrança dos sonhos.


- Judy? - Judith ouviu a voz calma e rouca que por tanto tempo fora seu refúgio. A voz do seu amado irmão. 

- Julian? - ela virou-se à procura do irmão pelo quarto. 

Ele estava em pé ao lado da sua cama. Suas roupas estavam molhadas e a expressão de dor em seu rosto a assustou.

- Julian! Oh, Julian! - a dor em seu peito tomou força quando compreendeu a visão que estava tendo. Ela sentiu seu peito rasgar como se tivesse sido atacada pelas garras de um felino selvagem. - Não! Não, não, não! - era tudo o que conseguia dizer. Suas pernas vacilaram e ela se viu curvada sobre o chão sentindo as lágrimas molharem seu rosto.

- Houve uma tempestade. O navio não suportou as ondas e...

Aquela era a maldição em ser uma banshee.

Ela sabia quando as pessoas morriam.

Porém, jamais imaginaria que veria o seu próprio irmão.

- Judy, eu preciso que me ajude. Digo, não a mim exatamente, mas Izabel. - ele falou se aproximando da irmã.

Ela levantou o rosto para encará-lo.

- Como assim?

- Izabel espera um filho meu, estou certo?

A garota assentiu afirmativamente.

- Ela virá atrás dele, Judy. Se ela souber que ele carrega meu sangue, ela virá atrás dele.

- Ela? A rainha das Banshees? 

- Sim!

Judith olhou para o irmão e pensou no futuro sobrinho que jamais conheceria com tristeza. Mas sabia que precisava mantê-lo longe da banshee louca.  

- O que devo fazer, Julian? 

- Izabel deve ir com seu amigo e a família dele para a América. - ele falou. 


E por fim, a imagem do último sonho se dissipou. Aquele em que ela vivera a realidade de Judith McCall. 

Ela sentira. 

Sentira toda a dor que assombrara a garota ao perder todos que amava.

O namorado que iria embora por conta da Grande Fome, a melhor amiga que carregava em seu ventre o sobrinho e por fim, seu irmão, morto em um naufrágio. 

A ideia de ver seus amigos e famikiares morrerem a aterrorizava. 

Estava disposta a se sacrificar por eles. 

- Amor, meu pai está perguntando se você irá comer algo antes da viagem. - Stiles falou entrando no quarto subitamente a assustando. - Você está bem? - ele perguntou fechando a porta atrás de si. 

- Hã? Claro! Estou bem! Só estava pensando... - só então se deu conta de que ele estava muito gostoso nas suas antigas calças de moletom e camiseta desbotada. - Estava pensando que nem aproveitamos a sua cama direito! 

(Now Playing: Bishop Briggs- Wild Horses) 

Ela levantou-se aproximando dele com um sorriso sedutor tentando disfarçar o desconforto dos pensamentos anteriores.

 - Você sabe, ficamos na casa da minha mãe, e aí depois aconteceu o que aconteceu e quando viemos pra cá...- ela continuou.  

Stiles não esperou que ela terminasse de falar. Imediatamente o rapaz a puxou pela cintura e colou seus lábios finos nos carnudos dela. 

O beijo era urgente, apaixonado e quente. 

As mãos dele deslizaram sobre o seu corpo até pararem apertando vigorosamente seu bumbum. 

Ela não havia planejado aquilo mas por algum motivo sentira-se bem por estar acontecendo. Ficaria longe dele por pelo menos um mês e sentiria falta daqueles braços, daquelas mãos a apertando, daqueles beijos, daquele corpo magro e ao mesmo tempo definido se encaixando perfeitamente no seu. 

Ele a segurou pelos quadris e a sentou na escrivaninha. 

- Ainda bem que você está de vestido! - ele falou sorrindo maliciosamente. 

- Ainda bem! - ela respondeu puxando a calça dele para baixo. 

Ela sentiu o corpo estremecer completamente quando ele se impulsionou para dentro dela e teve que morder o lábio inferior para controlar o volume dos gemidos que dava. 

Poderia passar o dia ali. Aliás, o dia, a semana, o resto de sua vida. 

O resto de sua vida... 

Talvez isso não estivesse tão longe afinal... 

Bem, pensaria naquilo depois. Aquele não era o momento. Não mesmo.


***


"Passageiros do vôo BA8704 com destino a Edinburgh, o embarque será efetuado no portão 9". 

- É o nosso! - Ethan falou jogando a mochila sobre o ombro. 

- Acha que a gente vai encontrar a tal "Mãe"? - Jackson perguntou sem muita emoção. 

- Honestamente? Eu nem sei por onde começar! 

O rapaz pensou no pedido que Lydia havia feito. Ao que tudo indicava, uma criatura conhecida nas lendas escocesas estava à solta em Beacon Hills e como ele e Jackson estavam mais próximos do local de onde ela saía, a banshee havia pedido que tentassem localizar a pessoa, divindade, ou o que quer que fosse, responsável por manter a besta presa. 

- Ótimo! - Jackson respondeu seguindo o namorado pelas escadas rolantes. - Se não fosse a Lydia pedindo, eu nem me daria ao trabalho de sair de casa! 

Ethan sorriu e assentiu com a cabeça. 

- Se a gente pretende mesmo chamá-la pra ser nossa madrinha, isso é o mínimo que podemos tentar fazer.



Notas Finais


Gostaram de saber que o Jackson e o Ethan terão um papel relativamente recorrente na história?
E qto a atitude da Malia? Ela fez certo?
E essas visões da Lydia? Será que aquela primeira irá se concretizar msm?
E Cora x Kira? Será q rola algo?
Nos vemos em breve! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...