História Telephone - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camren, Drama, Larry, Norminah, Romance
Visualizações 268
Palavras 1.768
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, FemmeSlash, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Amigas contam tudo


Lauren Pov.

O caminho para o hotel naquela tarde foi em total silêncio. Dinah estava séria, coisa que é raro de se ver, e eu não sabia o motivo.

- O que você tem Dinah? - Perguntei impaciente com o seu comportamento.

- Eu não tenho nada. - Respondeu olhando para a estrada. - Quer saber, eu tenho sim, tenho muita coisa.

Eu arregalei os olhos com a sua explosão e me encolhi no banco.

- O que eu fiz?

- Eu escutei Angel contando para a Gina que você foi amiga da Camila Cabello e que ela veio procurar você e vocês passaram vários minutos conversando no quarto. - Disparou magoada.

- E por que você está irritada? - Perguntei ainda sem entender.

- Minha melhor amiga já foi amiga de uma cantora super famosa. Mas o pior é que ela nunca contou isso para ninguém e se ela não contou é porque tem algo muito errado na história, algo que ela não me contou.

Respirei fundo e firei em sua direção.

- Eu apenas não queria contar nada sobre Camila, eu e ela não tivemos um final de amizade muito bom. - Falei.

Eu guardei Camila em um baú bem trancado e prometi nunca destrancar, lembrar daquela latina seria o meu fim. Pena que tudo foi para o ralo por culpa minha, maldita hora que eu peguei aquele telefone.

Dinah parou o carro em frente ao hotel e antes de descer virou para mim.

- Não precisa me ajudar a procurar o Luke hoje a noite. - Falou e saiu.

Eu fiquei um tempo em choque e depois respirei fundo. Dinah nunca ficou magoada de verdade comigo, a gente nem de quer tinha discutido antes. Até quando Camila iria bagunçar a minha vida?
Depois de um tempo eu deixei o carro e caminhei até a parte dos funcionários. Dinah já não estava nos armários e eu murchei, ela sempre me esperava. Depois de guardar tudo eu caminhei até as planilhas para ver a área em que eu estava escalada, meu celular apitou e eu o tirei do bolso.

"Amigas contam tudo"

Merda Dinah, eu não podia contar.

"Eu sinto muito, conversa comigo?"

"Agora você quer conversar? Estou magoada e sensível, me dê um tempo."

Larguei meu celular de bolso e comecei o meu trabalho. Dinah me perdoaria em algum momento, eu espero que sim.

Camila Pov.

As lágrimas molhavam o travesseiro e eu não me importava. Talvez estar longe fosse a coisa certa a se fazer, desde que eu voltei minha vida se tornou triste e solitária.

Eu odeio você... Eu odeio você... Aquelas palavras rolavam em minha mente a todo momento. A briga de ontem havia me deixado muito machucada.

Entrei na cozinha irritada e avistei quem eu queria.

- Qual é o seu problema comigo? - Perguntei irritada.

- Camila acalme-se. - Pediu Mani que correu atrás de mim.

Meus pais me olhavam assustados e minha querida irmã apenas me olhava debochada.

- O que foi Camila? - Perguntou cínica.

- Eu sei porquê você deu meu número para a Lauren, você queria que ela me xingasse, me humilhasse. Você queria que ela fizesse comigo o que você quer fazer mas não faz. - Disparei.

- Eu não sei do que você está falando. - Respondeu e me deu as costas.

Irritada eu puxei o seu braço e a fiz olhar para mim.

- Camila o que está havendo? - Perguntou minha mãe preocupada.

- Me solte. - Falou Sofia se debatendo.

- Eu só vou te dar um aviso, não esqueça que eu posso ser tão vaca quanto você está sendo. - Falei e a larguei.

- Disso eu sei. - Falou me encarando.

- CHEGA, VOCÊS SÃO IRMÃS. - Gritou meu pai levantando-se.

- Pai, mãe, eu amo vocês e agradeço esses poucos dias que passei aqui. Mas estou indo para um hotel hoje. - Falei e me virei para deixar a cozinha.

- Isso, vai embora, você sempre vai. Eu odeio você Karla. - Falou Sofia.

Ignorei e continuei andando.

No momento eu fingi que nada havia acontecido, deixei a casa dos meus pais e me hospedei em um hotel. Mas foi ao ficar sozinha que tudo me veio a tona, como se eu estivesse levando uma sequência de socos sem tentar me defender. Todos me odiavam.

Meu celular tocou e eu destravei a tela  e vi uma mensagem de Mani.

"Você está bem?"

"Sim, estou apenas com dor de cabeça."

"Qualquer coisa estou no quarto ao lado."

"eu sei. Eu amo você Manibu."

"Eu te amo mais."

Larguei o celular na cama e levantei para tomar um banho. A água quente relaxou o meu corpo. Eu estava apenas de toalha quando deixei o banheiro e me assustei ao ver uma mulher loira debruçada sobre a cama.

- Quem é você? - Perguntei arrumando a toalha em meu corpo.

A loira deu um pulo e virou-se rapidamente em minha direção, só então percebi seu uniforme.

- Oh meu Deus! Me... Mee desculpe. Não havia nenhuma placa na porta de não pertube, achei que não havia ninguém. - Disparou rapidamente.

Respira aliviada e sorri amigável.

- Está tudo bem moça, eu sempre esqueço de por a placa. - Falei indo até a minha mala e pegando minhas roupas. - Vou me trocar no closet, pode arrumar o quarto tranquila.

Como foi dito eu me troquei no closet e ao sair peguei meu celular e sentei em uma poltrona deixando os espaço livre para a moça arrumar.

- Eu posso arrumar sua roupa no closet? - Perguntou.

- Pode sim, por favor. - Falei enquanto curtia fotos do instagram.

- Tem alguma preferência? Ordens de cores ou roupas. - Perguntou arrastando a mala.

- Não, sou tão bagunçada. - Falei rindo.

Cansei das redes sociais e levantei indo até o closet.

- Qual o seu nome? - Perguntei.

- Dinah. - Falou concentrada em sua arrumação.

- Prazer Dinah, sou Camila, mas acho que você já sabe. - Falei sem graça.

A moça não me respondeu. Ela parecia irritada comigo? Todos estão irritados comigo, até os que não me conhecem?

- Você trabalha aqui há muitos anos?

- Sim, cinco anos. - Respondeu ainda não me dando muita bola.

- Hum. - Falei e virei para sair.

- Vai ficar muito tempo aqui? - Perguntou do nada.

- Eu ainda não sei. Estava na casa dos meus pais mas houve uns problemas. Poderia voltar para a minha casa mas ainda tenho coisas para resolver aqui. - Falei.

Eu queria desabafar com alguém, alguém que não me conhecia e que não conhecia a minha história. Aquela moça parecia uma opção.

- Espero que não seja nada sério. - Falou.

Eu entrei no closet e sentei no chão perto dela.

- Tem uma garota, ela é a garota da minha vida mas eu errei com ela. Agora descobri que ela tem uma filha e que me odeia. Na verdade todos me odeiam, menos os meus pais e a Manibu.

Eu estava mesmo desabafando com  uma estranha? Em que ponto eu cheguei.

- Vocês já tiveram algo? - Perguntou parecendo interessada.

- Fomos namoradas há muitos anos. Mas eu tive que ir embora e deixá-la. - Contei.

- Você foi obrigada? - Perguntou virando-se para mim.

- Não, mas eu tinha um sonho entende? Eu a amava muito e ainda amo, mas eu queria ser uma grande cantora e um dia a proposta surgiu.

- Então você escolheu a sua carreira em vez do seu seu amor? Você deixou ela para trás, agora eu entendo tudo. - Falou levantando-se.

Sem entender eu também levantei e a olhei  de cenho franzido.

- Do que você está falando? Eu não  entendi muito bem o rumo que você tomou. - Falei confusa.

- Você a ama? - Perguntou Dinah.

- Sim, eu a amo muito.  - Falei.

- Olha Camila eu sou bem ligada nessas paradas de destino e tals, talvez a vida tenha te dado a chance de fazer uma nova  escolha, isso é bem louco eu sei.

- Não, eu concordo com você. Mas eu não sei pelo o que eu devo lutar agora. - Admiti. Mas eu estava começando a ficar assustada com aquela mulher.

- Ou talvez agora a escolha seja da Lauren. - Falou dando de ombros.

A olhei de olhos arregalados e a puxei para mais perto.

- Como sabe o nome dela?

- Você falou. - Respondeu de olhos arregalados.

- Não falei não. Eu tenho certeza que não.

- Falou sim. Eu não saberia se não tivesse falado. - Rebateu nervosa.

- Eu sei cada palavra dita por mim. Como você sabe que o nome dela é  Lauren?

- Talvez eu a conheça. - Admitiu se encolhendo.

- Você conhece a Lauren? Ai meu Deus! Obrigada universo. - Falei andando de um lado para o outro. - Não conte nada do que eu disse para ela.

- Relaxa, eu não vou contar. - Falou voltando a arrumar minhas roupas.

- Promete de mindinho? - Perguntei indo até ela.

- O quê?

- Mindinho. Promete?

Ela me olhou como se eu tivesse três cabeças mas depois deu de ombros.

- Prometo de mindinho. - Falou.

- Não, temos que unir os mindinhos. - Falei levantando meu dedo mindinho.

Dinah revirou os olhos e levantou o mindinho.

- Eu prometo. - Falou com os nossos dedos unidos.

- Se você quebrar vai ter dez anos de azar. - Falei mais calma.

- Quantos anos você tem mesmo? - Perguntou rindo.

- De onde você conhece a Lauren? - Perguntei curiosa.

- Lauren é minha melhor amiga, moramos no mesmo prédio e trabalhamos juntas aqui. - Respondeu voltando a arrumar minhas roupas.

- E o que Lauren faz aqui? 

- Ela é camareira. - Respondeu naturalmente.

- Camareira? - Perguntei em choque.

Lauren havia se tornado camareira? E os seus sonhos? Ela sonhava em estudar moda, ter sua própria linha de roupas, ter o seu nome assinado em desfiles de moda. 

- Não fale com desdem, Lauren é forte e nunca se deixou abater pelos tapas da vida. - Falou Dinah levantando-se do chão e fechando minha mala.

- Eu sinto muito. - Me desculpei.

- Não é a mim que você deve pedir. Bom, qualquer coisa você pode ligar para a recepção. Prazer em conhecer você Camila. - Falou Dinah e partiu logo em seguida.

Me arrastei pela porta do quarto e cai sentada no chão. De repente tudo ao meu redor virou uma bagunça e eu não sabia mais quem eu era.

 


Notas Finais


Beijinhos doce seus lindos!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...