História Tell Me You Love Me (Camila and You) - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Charlie Hunnam, Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Charlie Hunnam, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Personagens Originais
Tags Camila Cabello, Camila/you, Camren
Visualizações 40
Palavras 11.436
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


"welcome to the final show" (or chapter)

Eu tô muito feliz e resolvi deixar o cansaço de lado pra terminar de corrigir e então vir postar esse capítulo. Queria comentar que passei na caralha do meu curso técnico, apresentei o tcc, quase morri de ansiedade, mas tudo correu bem e eu tirei nove e sim, o motivo de achar ânimo pra aparecer aqui hj foi justamente eu ter passado, mas enfim, chegamos ao fim dessa história e eu já tenho uma outra completa. Mas vamos focar aqui. Esse capítulo é longo e o final talvez não seja o esperado mas é o que temos. De verdade, espero que gostem e aproveitem pq eu tô morta (porém feliz) e já aproveitem que estão na vibes camila/you e vão dar uma lida na nova fanfic (também adaptação) "The New Girl". O link tá lá no final.

obs: erros, caso tenha relevem que depois eu releio e acerto tudo.

Capítulo 23 - And maybe I fell in love when you woke me up


Carol POV

Vou matar essas duas, a tia (NomeDaSuaMãe) vai subir e pegar as duas fazendo sei lá o que, quero nem ver, estou enrolando ela na sala a um tempão e nada dessas loucas aparecerem.
- Acho melhor ir ver se elas estão bem. - Ela disse se levantando do sofá.
- Não tia, deixa que eu vejo. - Falei me adiantando.
Subi as escadas com medo do que iria encontrar no quarto, ou era cena de guerra ou era cena de muito amor. Felizmente a porta estava trancada, bati algumas vezes, mas ninguém respondeu.
- (SeuNome), sua mãe vai subir. - Ouvi algumas risadas.
- Okay, Carol, já estamos saindo. - A Camila falou com uma voz toda alegrinha, em seguida o interfone tocou.
- Tia, atende por favor. - Falei em voz alta pra que ela escutasse, um tempo depois ela apareceu na ponta da escada.
- Carol, era a mãe da Camila, mandei ela subir 
- Ah, que legal mundo!
- Tudo bem, elas já estão terminando aqui. - Comecei a bater na porta desesperadamente - Meninas, andem, a Sinu tá subindo!
- Como é!? - Ouvi de dentro do quarto.
- Vai logo amor! - A Camila disse e em seguida escutei um barulho, como se algo tivesse caído.
Resolvi descer para ir resolvendo as coisas.

(SeuNome) POV

Tão perfeita minha namorada, ela me leva a loucura. Eu estava totalmente entorpecida sobre ela quando a maluca da Carol começou a bater na porta e me assustou, foi a primeira vez que abri o olho depois do sexo. Camila me olhava sorrindo.
- Acho que está na hora de descer. - Ela disse baixinho pra mim e me beijou.
- Okay, Carol, já estamos saindo - O interfone tocou e a Camila me olhou curiosa. - Estava esperando alguém?
- Não, quem deve ser? - Ela levantou os ombros.
- Meninas, andem, a Sinu tá subindo! 
- Como é!? - Perguntei olhando pra Camila.
- Vai logo amor! - Ela me empurrou no chão.
- Cami!
- Desculpa, bebê, foi sem querer, coloquei muita força.
- Você é doida. - Falei rindo e me levantando, Camila colocava sua roupa com presa - Calma, pequena. - Disse abraçando ela.
- Amor, não é calma, minha mãe tá vindo e a sua deve estar querendo me matar lá em baixo.
- Ela nunca mataria o amor da minha vida. - Beijei seu pescoço e ela riu - Quer ajuda?
- Fecha meu sutiã. - Ela virou de costas  - Obrigada. - Ela me deu um selinho rápido como agradecimento e começou a procurar alguma coisa  - Onde você jogou minha camisa?
- Sei lá, acha que eu pensei nisso?
- Achei! - Parecia que ela tinha achado petróleo - E você? Vai ficar pelada?
- Não, mas não vou sair correndo feito uma louca.
- Tá me chamando de louca? - Ela fechava os botões da camisa.
- Não, bobinha - Me sentei na cama e comecei a me vestir - Mas está parecendo uma.
- Depois vou tirar isso a limpo, agora termina de se trocar logo. - Ela foi ao banheiro.

Camila POV

O que minha mãe tá fazendo aqui? A mulher me aparece assim, sem aviso. Eu hein, credo.
- Cami, o que tá fazendo aí?
- Tô arrumando meu cabelo.
- Pra que mesmo?
- Tô toda descabelada, se me verem assim vão achar que você me espancou - Fui ao quarto e a lerda só tinha colocada a calça e estava brigando com o sutiã - Amor, para, deixa eu te ajudar  - Me aproximei dela.
- Não! Eu consigo sozinha! - ela revirou os olhos.
- Tem certeza? - sorri.
- Nãaaaao. - Ela disse chorosa.
- Meu Deus, que coisa mais fofa. Coisinha mais linda da minha vida, o sutiã está todo enrolado, como quer colocar - Lhe ajudei a colocar e destranquei a porta enquanto ela colocava a blusa - Vamos? - Estendi minha mão.
- Sim, senhora, hora de encarar as feras.
- Pior que uma sogra, são duas sogras juntas, que não se conhecem.

...

Eu descia a escada toda envergonhada pela presença da minha sogra, que eu ainda nem conhecia.
- Pelo visto se resolveram. - Minha mãe disse enquanto abraçava a Carol, só pra me deixar ainda mais envergonhada.
- A que devemos a honra da vossa ilustre presença? - Minha namorada é tão tonta.
- A preocupação de uma mãe para com uma filha que não atende as ligações. 
- Oh, desculpa, mãe - sorri culpada. Terminamos de descer as escadas, não estava muito a vontade com essa situação.
- Te desculpo, por enquanto. E a que devemos toda essa sua educação (SeuApelido)?
- A presença da minha bela mãe. Mãe essa é a tia Sinu, mãe da Cami, e essa é a Cami - Ela respirou fundo, acho que pra tomar coragem - Minha namorada - Ela se levantou e eu fui ficando mais apreensiva.
- Olá, prazer. - Ela disse sorrindo, enquanto cumprimentava minha mãe.
- Oi! - minha mãe sorriu disse animada.
- Camila, quem diria que eu iria te conhecer!? - Confesso que fiquei um pouco surpresa e assustada com isso.

(SeuNome) POV

- Amor, não fica com essa cara de interrogação - disse baixo.
- É um prazer finalmente te conhecer - Camila sorriu nervosa.
- Eu sou a Carol e é um enorme prazer conhecer todas vocês, mas tenho que ir - a louca da Carol amenizou o clima.
- Onde vai? 
- Mãe! Toma conta da sua vida.
- Karla, fala direito com a sua mãe!
- Filha, não se intrometa!
- Não se intrometa e não me chame de Karla!
- Karla, não fale assim com a (SeuNome)!
- Por que sua mãe pode te chamar de Karla e eu não?
- Porque ela é minha mãe!?
-  Vou ao shopping! - Carol respondeu pondo fim a discussão.
- Eu iria lhe oferecer uma carona, se a minha filha não se incomodar - Camila mostrou a língua pra mãe.
- Criança. - Apertei sua bochecha e ela se virou de frente pra mim.
- Não sou criança.
- É sim.
- Não sou não.
- É.
- Não.
- Sim, você é.
- Não, não sou.
- Ah, e é teimosa também.
- E você é uma chata.
- Teimosa.
- Chata!
- Teimosa!
- Chata. - Ela ficou me olhando fixamente, sem falar mais nada, soltei uma risadinha e ela continuava séria.
- Teimosinha mais linda... - ela beliscou meu braço - Ouch, doeu!
- Mãe, olha a (SeuNome) me chamando de teimosa - Só aí percebi que havíamos nos desconectado do mundo, mas às vezes eu realmente acho que quando estou com a Camila entro em transe, como se estivéssemos em uma dimensão só nossa.

Enquanto o casal maravilha discutia...

- Eu tenho que ir ao shopping pegar a Sofia e o Alejandro, se quiser posso te deixar lá.
- Sofia é sua outra filha?
- Sim,  ela e o pai foram comprar um presente pra (SeuApelido), para se desculparem por ontem. Mas então Carol, quer a carona?
- Não precisa tia, vou nesse shopping aqui perto, chego em 10 minutos.
- É nesse que eles estão, deixei os dois lá e vim procurar pela Camila.
- Ah, então eu aceito, vai ir junto tia?
- Não, eu vou ficar e terminar de arrumar a bagunça de ontem.

(SeuNome) POV

- Quer que eu faça o que? Não posso brigar com uma pessoa por ela ser sincera. - amo minha sogra. Lindíssima.
- Mas... Mas... Aff - Ela revirou os olhos, todas nós rimos, menos a criança ao meu lado.
- Um bebê mesmo - Lhe abracei e mordi sua bochecha.
- Não toca mais na minha bochecha! E também não toca mais em mim. - Ela se livrou dos meus braços e sentou emburrada no sofá. 
- Amor, para com isso. - Eu estava rindo. A cena era hilária, a criança estava sentada de braços cruzados e com um bico gigantesco - Para de ser boba. - Sentei em suas pernas.
- Sai! - Ela balançava as pernas.
- Assim eu caio, me segura.
- Não, essa é a intenção.
- Ui, que malvada. 
- Meninas, - Olhamos pra Sinu - Eu e a Carol estamos indo.
- Eu vou junto. 
- Não mesmo! - Me sentei de uma forma que prendesse mais ela no sofá.
- Me deixe ir! - Ela me empurrava.
- Filha, se ela quer ir, a deixe ir, pare de ser chata.
- Mãe!
- Ela tem toda razão - Camila me olhou com um sorriso vitorioso.
- Não, não tem não, você vai ficar. 
Carol se despediu e minha sogra começou a se despedir também, por fim ela disse: 
- Tchau filha, ah, e se comporte.
- Mas mã... - Carol fechou a porta e as duas se foram.
- Tarde demais, agora você é só minha - Comecei a fazer cocegas nela, a criança gargalhava e se contorcia.
- Amor, para, por favor. Amor! Não...
- Ok, parei, mas temos que ajudar minha mãe com a limpeza.
- Tudo bem, vamos lá! - Ela se levantou e ajeitou a roupa - Mas onde ela está?
- Mãe?
- Na cozinha.

Camila POV

Caramba! Essa tarde está sendo maravilhosa, estava um pouco apreensiva por causa da sogra, mas ela está sendo tão gentil e amigável, acho que isso pode funcionar, só devo mostrar pra ela o quanto amo sua filha. Nós três estávamos nos divertindo muito, ela é super engraçada, mas do que a palhaça da minha namorada, fora que ela sem querer acaba me dando razão quando eu e a (SeuApelido) temos alguma discussão.
- Bom, tenho que ir, foi um prazer te conhecer, você é uma ótima pessoa, sou grata por ter ajudado minha filha.
- Eu... eu... eu nem ser o que dizer, ela é maravilhosa e na verdade ela quem me ajuda todos os dias. Sei que deve estar sendo difícil acei... - ela sorriu no entanto acabou me interrompendo.
- Eu realmente tenho que ir - Acho que vai ser mais difícil do que imaginava.
- Sabe, eu estava pensando em marcar algo, para as famílias se conhecerem...
- Mãe, o uber chegou - (SeuNome) reapareceu na sala.
- Ótimo, tchau filha - Elas se abraçaram - e tchau Camila. - ela me deu um beijo no rosto.
- Mas e sobre o encontro entre...? 
- Babe, melhor irmos com mais calma. - (SeuApelido) deu certa ênfase no mais. A mãe dela se foi e eu fiquei olhando pra ela - Okay, o que foi, bebê? Que cara é essa?
- O que eu fiz de errado? Achei que estávamos nos dando bem.
- Você não fez nada de errado princesa, não mesmo, o problema é minha mãe, ela não vai aceitar a gente tão fácil assim. Ela tem tentando não pirar e eu sei disso, ela só precisa de um tempo amor, e hey, não fica assim - Ela me abraçou com força e eu apoiei minha cabeça no seu ombro - Nada vai nos impedir. Ficaremos juntas, pra sempre.
- Eu te amo.
- Eu te amo muuuuuuuuuito mais. - Ela me pegou no colo e me girou no ar, meio clichê, mas amei.
- AAAAAAAAAAAAAAAAA, sua maluca. - Empurrei de leve o ombro quando ela me colocou no chão.
- Maluca por você meu amor. - Ela piscou "sensualmente".
- Você é tão boba. - Disse rindo.
- Só um pouquinho. Hm, hey, vamos ver um filme?
- Pode ser. 
- Comédia?
- Vamos ver se não está passando nada na tv.
- Vai vendo aí, eu vou pegar uns travesseiros e cobertor e coisas pra beliscar.
- Já tem o que beliscar bem aqui. - apontei pra mim.
Ela sorriu maliciosa.
- Hm, sua ideia é bem melhor.
- Eu sei que é, agora vai logo lá pegar as coisas. - Me sentei no sofá e comecei a zapear os canais.

...

Camila POV

Depois que saio da casa do meu amor e chego na minha sinto uma ausência, um vazio. Quero ela ao meu lado em todos os momentos, a cada segundo, mas também sei que temos nossas vidas, nossas casas... E agora nossas famílias. Não acho que a mãe dela me odeia, mas também não acho que ela goste de mim. Sei que preciso conquistá-la, pois ao contrário não terei um futuro ao lado da (SeuNome) e isso é algo que com toda certeza eu quero ter.
Senti meu celular vibrar debaixo do travesseiro e fui ver o que era.
- Amor, chegou em casa? - Tão perfeita e preocupada comigo.
- Cheguei, bebê.
- Que bom... - Alguma coisa tem.
- Que foi?
- Nada não... - depois eu sou difícil.
- Me diga de uma vez.
- Nada, Camila.
- Amor, fala.
- Não é nada. - Só pra me deixar mais curiosa.
- Me fala logo, sabe que vai acabar dizendo.
- Ok...nunca mais me deixe na mão.
- Ai meu Deus - ri de leve - Sério isso?
- Para de rir!
- Desculpa.
- Não tem graça.
- Tem sim.
- Chata!
- Te amo!
- Também - ela disse baixo.
- Foi mal.
- Tudo bem.
- Entenda, não ia transar no seu carro novo e no estacionamento do seu prédio - Sim, a louca queria isso.
- Por que não?!
- Maluca!
- Sério, por que não.
- Amor, e se nos vissem?
- Tá... tem razão.
- Sempre tenho.
- De vez em quando.
- Sempre!
- Tão teimosa...
- Tão minha...
- Tá, mas que achou de conhecer a sogra?
- Achei aterrorizante e que fosse morrer.
- Nossa, exagerada.
- Sério.
- Você sabe que já podemos casar né - ok, onde ela queria chegar com isso?
- Como assim? - Achei melhor perguntar logo.
- Ué, já conhece minha mãe, só me pedir em casamento - E agora? Não que eu não quisesse, mas e se ela estiver apenas brincando.
- Ah, sim, claro. Pedido feito.
- Pedido aceito.
- Escolha a data.
- Quando é seu próximo show?
- Por que? Quer se casar em um show?
- Não boba, é que desde que nos conhecemos não fui em nenhum show seu.
- Verdade, e hm...sei lá, é que você é minha namorada, achei que se quisesse ir me diria. Mas é na quinta.
- Posso ir? 
- Como se precisasse pedir. Vai ser uma honra te ter lá e provavelmente irei morrer de nervosismo e vergonha.
- Babe, não tem que ter vergonha de mim.
- Tá, mas leve sua família, se eles ainda forem estar aqui.
- Ok, vou falar com eles.
- Amor, vou dormir, ontem foi difícil dormir.
- Ok, também não dormi direito.
- Boa noite, te amo muitooooo.
- Boa noite princesa, te amo mais.

(SeuNome) POV

Eu e a Cami estamos sem nos ver há uns dias. Eu estou tentando lidar com a minha mãe, que já encara melhor a situação, claro que não aceita 100%, mas está caminhando pra isso. Na terça a Camila veio aqui em casa, só pra convidar oficialmente todos para o show, até parece que é tão atenciosa assim. A minha irmã já tá adorando o fato de eu namorar a Cami, meu pai já aceitou, ele sabe que é o melhor pra mim e quer me ver feliz, já a Luísa parece ser mais difícil de dobrar que minha mãe. Logo ela. Sei lá, acho que esperava mais compreensão de uma das minhas melhores amigas.
- Gente, falei pra Camila que estaria lá antes do show, então por favor, vamos logo! - Disse começando a perder a paciência - Pai, você não vai mesmo?
- Filha, você sabe que eu não gosto muito desse tipo de música, mas fale pra sua namorada que desejei boa sorte - além do meu pai a mãe da Carol também não vai, ela iria até o local do show com a gente, mas depois vai fazer compras e aproveitar pra conhecer Miami melhor.
- Ok. Todos prontos?
- Sim, e (SeuNome) para de ser chata - A Carol disse descendo as escadas, só faltava ela. Enrolada do caramba, parece até eu.

Camila POV

- Ai gente, pelo amor de Deus, isso é serio, parem de brincadeira, tudo tem que ser perfeito hoje! - Parece que quanto mais eu preciso da banda mais eles decidem me deixar na mão. Tudo estava um caos no ensaio de hoje, sorte que não seria aberto ao público.
- Camila, estamos tentando, mas o problema é que você está mais nervosa que o normal. - Disse Ash tentando me acalmar.
- É, Mila. Relaxa um pouco, tá muito tensa, nunca tivemos um ensaio tão entediante. - o baterista quem disse isso. 
- Ok, galera, me perdoem, é que a minha namorada vai estar aqui hoje e tudo tem que sair perfeito pra ela.
- Não deve ser o primeiro show que ela vai seu - ele continuou. O encarei sentado lá da bateria - Ela já deve ter visto cantando no Fifth Harmony.
- Provavelmente, mas esse é o primeiro que ela vêm como minha namorada, e além do mais ela disse que teria uma surpresa pra mim, estou curiosa e nervosa, e se a família dela achartudoumagrandemerda?
- Que? - Todos disseram rindo.
- Ai que coisa, me deixem! - Falei acompanhando eles nas risadas - Olha, vou pegar mais leve, mas por favor, se concentrem mais. 
O restante do ensaio foi mais tranquilo, ainda restavam três horas até o show, tive uma breve coletiva e o restante do tempo era pra eu descansar, me arrumar e me concentrar. Meu bebê disse que chegaria mais cedo para poder me desejar sorte e me dar uns amassos antes do show, e sim ela disse amassos, parecendo uma velha mesmo. Nesse momento foi que eu parei para pensar o que eu via nela, e a resposta era exatamente o fato dela ser como ela é. Ela e esse jeito maluco.
Eu esperava por ela ansiosa, que deveria ter chega...
- VAI MEU AMOR, TÁ ATRASADA!!! - Uma louca entra no meu camarim me dando um susto imenso. Claro, a louca só podia ser minha namorada. Tinha que ser.
- Assustou? Tava aprontando né, aposto - Me levantei e me aproximei dela.
- Boba, me assustou. - Dei uns tapinhas nela - Quem devia estar aprontando era você que demorou pra chegar - Disse colocando meus braços ao redor do seu pescoço.
- Desculpa a demo...
- Cadê todo mundo? - Perguntei ansiosa.
- Nossa, mal educada, nem deixou eu terminar. - Ela fez bico, dei um selinho rápido - Até que fim um beijinho, chatinho, mais é um beijinho, não o que eu esperava após dias sem me ver, mas foi, não tão quente quanto eu...
- Tá bom amor, onde estão todos? 
- Que todos? Achei que só a presença da sua amada namorada, morta de saudades e cheia de carinho pra dar era o suficiente. Achei que eu fosse o seu "todo mundo".
- Ai amor, claro que é meu tudo, o que eu mais amo nesse mundo, eu também estava morta de saudade, mas estou nervosa e apreensiva, para de brincar um pouquinho. - Pedi meio nervosa.
- Amor, primeiro, para de tremer. Agora se acalme, estão todos lá fora, pedi que me deixassem entrar primeiro porque imaginei que estaria assim, quer dizer não assim, gelada e pálida, cosplay de Edward do crepúsculo, mas nervosa e ansiosa.
- Chata - revirei os olhos - Mas é que... e se der algo errado?
- Tipo?
- Eu esquecer alguma música, ou cair no palco, falar besteira...
- Eu vou achar a coisa mais fofa desse mundo.
- Tá, não tô falando de você, tô falando do pessoal.
- Amor, para! Dá pra pensar um pouquinho assim em nós? - Ela mostrou um tamanho entre o polegar e o indicador, apenas assenti - Você está linda. - Sorri envergonhada e tímida, só com isso ela já me tranquilizou, eu tava meio que sem palavras pra ela, sorriso perfeito, roupa perfeita, mas o mais importante, garota perfeita! - Essa é a roupa do show?
- (SeuNome), eu estou de roupão - Eu ri.
- É, eu sei, tá ótima assim, quando nos casarmos, na nossa casa, você pode ficar assim no inverno - Continuei rindo, mas de novo essa história de casamento...
- E no verão?
- Aí você tira o roupão né. - Ela disse toda óbvia. Sorri.
- Tá, e no outono?
- Sabe as folhas que caem das arvores? - Assenti - Pode usar uma daquelas, tipo Adão e Eva.
- Claro meu amor, como não pensei nisso, mas tem a primavera.
- Essa é bem simples - Ela me colou ao seu corpo - eu irei pegar uma das belas flores que teremos em nosso jardim e colocarei em seu belo cabelo - Ela disse toda sorridente e depois me deu um beijo.
- Você é linda! 
- Você que é. Mais tranquila agora?
- Você faz tudo parecer tão simples.
- Agora que encontrei a pessoa certa não quero complicar, só quero acertar.
- Nossa! Você tá tão carinhosa, amorosa, fofa, estou até desconfiada.
- Desconfiada de que? - Ela perguntou de uma maneira descontraída.
- De...
- Ei, vai demorar muito aí? - Escutamos a voz da Carol do lado de fora. Dei uma risadinha contida e a respondi em seguida:
- Não Carol, só um minuto.
- Já amor? vamos ficar um pouquinho mais aqui, só eu e você - Parecia uma criança.

 Então... Eu não sei o que dizer para as pessoas que me aguardam, a (SeuNome) disse para eu ser eu mesma, mas eu sou uma toda estranha      a, falo coisa sem pensar, vou estragar tudo.
- Oi - Eu disse tímida olhando para as pessoas fora do meu camarim.
- Meu Deus Camila, isso aqui é muito legal, jamais me cansaria de trabalhar em um lugar assim. - A irmã da minha garota me lembrou a primeira vez que eu entrei nos estúdios da Disney para o meu primeiro teste. 
- Acredite, uma hora cansa. - Disse tentando não estragar a empolgação da criança que sorria feito... criança. Tá, enfim, só não queria que ela achasse que era uma merda trabalhar nos bastidores de um show - Mas podemos combinar um dia e aí você chega comigo e posso te mostrar como funciona tudo, que tal?
- Posso mãe? - Ela disse esperançosa.
- Sim, se não for atrapalhar o trabalho da Camila. - Minha sogrinha havia sido simpática, gostei disso.
- Claro que não vai... - Fui interrompida.
- Quem tem que dizer se pode ou não sou eu! Ela é minha namorada e você é minha irmã.
- Tudo isso é ciumes? - A Carol perguntou e eu ri baixo.
- Tá rindo do que? Acha que eu vou perder as duas garotas que mais amo no mundo de uma vez só? - Dei uma cotovelada de leve na (SeuNome), toda palhaça a senhorita.
A Luísa revirou os olhos e disse alguma coisa, mas ela insistia falar em português, parecia de proposito, na verdade tenho certeza que é, e porque ela tem que ser tão seca e fria? 
- Vamos entrar. - Disse abrindo a porta do camarim - Aqui é bem mais confortável do que os corredores. Sintam-se a vontade -  Todos foram se sentando e logo se acomodaram.
- Camila, preparou alguma coisa especial para hoje à noite? - Estou me apaixonando pela minha sogra interessada no meu show. Lindíssima ela.
- Na verdade eu vou cantar algumas músicas novas e testar alguns cenários, dançarinos e passos também. Quase que um gostinho de como vai ser minha primeira turnê.
- Então vai testar com a gente, fazer algo que nunca fez? - Luísa perguntou, dessa vez em inglês, claro, agora ela queria que eu entendesse perfeitamente e me deixou mais nervosa do que eu já estava, (S/n) lhe lançou um olhar de repreensão.
- Na verdade vou sim. - Não poderia deixar que ela me intimidasse daquela maneira - Todos nós ensaiamos bastante e estamos prontos pra isso, minha equipe apesar de ser bem nova, ela se dedica muito para sempre termos uma apresentação melhor que a outra, sei que vou surpreender vocês, terão uma experiência maravilhosa.
- Aposto que sim meu amor. - (SeuNome) me deu um beijo suave e encorajador na bochecha.
- Quanto tempo pro show? - Carol perguntou - Estou ansiosa.
- Camila, meia hora pra você começar a se arrumar. - Disse uma das assistentes colocando a cabeça dentro do camarim e em seguida se foi.
- Acho que ainda deve ter um pouco mais de uma hora e meia para começar.
- Então melhor já irmos para nossos lugares. - Resmungou a Luísa.
- Não vão assistir do palco? - Perguntei.
- As meninas acham que vai ser mais legal e emocionante assistir junto com o resto do publico. - Minha bebê me abraçou e disse apoiando a cabeça no meu ombro. - Mas eu e minha mãe iremos assistir do palco.
- Podemos ir ao banheiro antes do show? - A irmãzinha da (SeuNome) perguntou super fofa e disse mais alguma coisa, só que foi em português.
- Graças a Deus kid, tava super apertada também! - A Carol é sempre louquinha, já até me acostumei.
- Vou chamar alguém para levar vocês até lá, vocês até poderiam usar o banheiro daqui, mas está uma zona com todos os produtos que eu uso então...

(SeuNome) POV

- Ah, ótimo, desorganizada - sério, não aguento mais a Luísa falando merda da minha namorada ou tentando deixar ela constrangida. O pior é ela usar esse tom "achando" que ninguém vai ouvir.
- Amor, pode ir lá chamar a pessoa para levar elas, vou ter uma conversa com aqui, é rápido - sabia que ela entenderia.

- Ok. - Cami deu de ombros e deixou o camarim.
- Luísa, já chega, achei que queria vir pra se divertir e não para encher o saco, não vou mais tolerar qualquer tipo de brincadeira com a Camila! Entendeu? - Perguntei não tão exaltada quanto imaginei que seria.
- Tá, tanto faz, se prefere seu casinho lésbico de adolescente do que sua amiga que sempre esteve ao seu lado, o azar é seu, só não venha chorar no meu ombro quando essa ilusão acabar! - Ela disse se levantando.
- Sempre ao meu lado? Que eu saiba você não está dele agora.
- Meninas... 
- Não mãe! Já chega! Uma coisa é ser cabeça dura e não aceitar, outra é ser preconceituosa, faltar com respeito e ser sem educação.
- Foda-se, pra mim já deu! - ela deu as costas e saiu.

Camila POV

Eu fui procurar alguém pra levar as garotas ao banheiro e quando volto pro camarim começo escutar uma espécie de briga vindo de dentro do mesmo, mas era em português, consegui entender boa parte das palavras faladas por isso decido esperar do lado de fora. Luísa falou alguma coisa em tom irritado, logo passou por mim e disse algo como: Satisfeita?! Roubou minha única amiga. Eu hein...

(SeuNome) POV

Camila entrou no camarim com uma cara de assustada, ela percebeu o clima tenso que nos rodeava.
- Logo alguém vai levar vocês ao banheiro e em seguida para o local onde vão ficar - Ela disse sem muita animação.
- Tá tudo bem amor? - Perguntei.
- Eu que pergunto, aconteceu alguma coisa aqui? A culpa é minha não é?

Camila POV

- Não é nada, e muito menos culpa sua amor - (SeuNome) disse sorrindo, ela sabe que o sorriso dela me tranquiliza.
- Quem vai ao banheiro? - a irmã da (SeuNome) se levantou tão rápido que eu achei que iria pular no colo da assistente que havia chegado toda alegre no camarim.
- Vou ir com elas, depois volto pra ficar com você filha.
- Okay mãe. - Acompanhei todas até a porta do camarim, a fechei e olhei para minha boba. 
- Enfim... - Me aproximei dela e coloquei um dedo em sua boca.- 
... A sós. - Completei sua frase e a beijei. Enquanto a beijava começamos a andar em direção a um sofá, mas eu acabei tropeçando e caímos com força nele.
- Ai, Camila! - Eu tive que rir da cara de pobre coitada dela - Se um caminhão tivesse caído sobre mim teria sido mais delicado.
- Que dramática! - Disse rindo - Desculpa bebê, eu tropecei - Falei acariciando seu rosto, ela se ajeitou no sofá.
- Vem cá. - Ela me puxou com força e sem muita elegância pra cima dela de modo que cada perna minha ficasse de um lado do seu corpo. Nossos lábios sentiam desejo recíproco um pelo outro, era como se não nos beijássemos a séculos. Minhas mãos tomavam conta do seu pescoço e cabelo, acho que arranhei seu pescoço forte de mais, porque ela reclamou um pouquinho e mordeu meu lábio inferior.  Aquela posição estava nos causando uma certa dificuldade e desconforto, pois o sofá não era muito largo, então ela se levantou comigo no colo e literalmente me jogou no sofá, caindo logo em seguida, sobre mim, com a mesma delicadeza que havia me colocado. Nós tínhamos pressa, aquilo tinha que acontecer e logo. Ela afastou um dos lados do meu roupão e colocou a mão embaixo da outra parte. 
- Você quer isso amor? - com certeza eu queria.
- Sim babe, eu quero - falei de modo quase desesperado. Ela tocou o tecido da minha calcinha e fez um breve carinho, colocou as pontas do dedo dentro da calcinha

Ela tocou o tecido da minha calcinha e fez um breve carinho, colocou as pontas do dedo dentro da calcinha e ameaçou descer, mas se levantou bruscamente do sofá, a principio achei que alguém tivesse entrado, mas quando olhei pra porta notei que ela estava fechada, então encarei a louca que estava de pé.
- O que está fazendo? - A questionei incrédula.
- Não achou mesmo que eu faria isso aqui, não é?
- Oi!? - Me sentei e ela começou a rir - Não estou achando a menor graça, sabia?!
- Se visse sua cara com certeza estaria rindo.
- Porque parou? - Perguntei esperando obter uma resposta decente.
- Primeiro porque eu não iria fazer isso com o pouco tempo que temos e segundo, bem... - ela deu uma pausa - Vingança - Revirei os olhos. 
- Vingança pelo que?
- Pelo carro, não sabe como eu queria fazer amor com você aquele dia.
- Então... Você não queria fazer amor comigo agora?
- Queria, mas não com a mesma vontade que você queria que eu fizesse amor com você, ou seja, oportunidade perfeita para minha vingança.
- Você planejou isso? - Ela me olhou e ficou calada, com um sorrisinho sínico - Você planejou isso! - okay, eu dei um berro, ela até se assustou - Vou te matar garota!!!

(SeuNome) POV

Camila me olhou como uma psicopata, achei que fosse morrer, então corri em direção a porta que magicamente se abriu, me escondi atrás da pessoa sem nem ver quem era.
- Meninas, se controlem, vocês são muito selvagens. - Ana!
- Saía daí, deixe o caminho livre para que eu possa matar ela!!
- Não saí não Ana - Falei me agarrando ao meu escudo humano que apenas ria, achei que ela fosse explodir de tanto rir, mas a cena não estava mais parecendo tão engraça para mim.
- Ok, se não saí mato as duas com um ataque só! 
Camila saiu correndo e se jogou contra nós, pensei em puxar a Ana e sair dali, mas achei que a Cami se machucaria feio se eu fizesse isso. Então apenas me preparei para o impacto. Fechei os olhos e algo amorteceu a que... Nem chegamos a cair, só foi um desequilíbrio. Senti braços me segurando.
- Quantos anos vocês têm? - Me virei e o tio Ale estava nos impedindo de cair, acabou que todos caímos na gargalhada. - Ana, não falei pra você avisar a Camila pra colocar a roupa que já iriam vim fazer o cabelo dela?
- Eu sei, mas eu mal cheguei e já me atacaram.

Camila POV

Eu estava me arrumando, todos haviam saído do camarim, inclusive minha namorada malvada, alegando que estava com medo de ficar a sós comigo. Estava tudo em silêncio quando alguém bateu na porta
- Ah, oi, achei que fosse a cabeleireira. - Falei surpresa. 
- Oi, a (S/n) ta aí? - (Nome da sua mãe) perguntou meio envergonhada.
- Não, ela foi falar com a minha mãe, mas logo ela volta, pode espera-lá aqui.
- Não quero atrapalhar.
- Não atrapalha não, tava me sentindo sozinha. - O que é verdade. - Pode sentar. - Disse tirando do sofá as roupas que eu trocaria.
- Bom, se você diz. Obrigada.
- Se você quiser...
- Camila - Ela me interrompeu. - eu queria pedir desculpas caso eu tenha te ofendido de alguma maneira, por algo que disse...
- Eu realmente entendo a posição da senhora, acho que deve estar sendo difícil pra você, mas só de estar aqui hoje fico muito feliz e sei que a (S/a) também está. - De onde surgiu toda essa coragem?
- Entenda, eu nunca pensei que ela fosse... - Ela exitou em dizer.
- Ficar com uma garota.
- Isso. Ela nunca demonstrou qualquer indicio, quer dizer, ela é muito brincalhona...
- Concordo plenamente! - Dei uma risada e pra minha surpresa minha sogra me acompanhou.
- As vezes fazia alguma brincadeira a respeito, até mesmo a seu respeito, mas eu não poderia imaginar, você consegue me entender? - Como assim a meu respeito, que tipo de brincadeiras?? - Sabe, é realmente difícil ver sua filha se envolvendo com uma mulher, ainda mais uma pessoa da mídia, tenho medo do preconceito que ela vai passar e do sofrimento que isso irá causar nela. Ela sempre foi a filha com a qual mais me preocupei, talvez por parecer ser a mais sensível.  Foi um choque e tanto quando descobri sobre esse relacionamento, quer dizer e quando for exposto isso tudo para o mundo? Ela irá perder a privacidade, logo ela que é tão tímida e reservada. Mas nos últimos dias vim reparando em como a (S/n) fica feliz quando fala com você e de você. Vejo o cuidado que você tem com ela, e digo que vocês duas parecem ser feitas uma pra outra e não serei eu que vai impedir a felicidade da minha filha. Mesmo porque tudo que eu sempre quis para a (S/a) foi alguém bom, que a amasse e cuidasse dela. E a Camila, você parece ser essa pessoa.
- Eu entendo o lado da senhora - disse com um leve sorriso no canto dos lábios.
- Eu imagino que só queira a felicidade da minha filha, assim como eu, e acho que a felicidade dela no momento é você, acho também que pra ela ficar mais feliz ainda nós deveríamos ser, hum, como amigas.

É isso mesmo? Amigas? Juro que fiquei emocionada, sabe, me entender com ela significa ter um futuro mais feliz com o meu amor.
- Ai, eu posso te dar um abraço? - Ela riu, se levantou e abriu os braços. - Obrigada, prometo fazer a (S/a) muito feliz. - Disse em um tom mais baixo por conta da nossa proximidade.
- Você é uma boa pessoa Camila, cuide dela. - Ela usou o mesmo tom.
- Mas o que é isso? Perdi alguns capítulos dessa história encantadora.
- Por que sempre tão boba meu amor? - A (S/n) estava toda sorridente olhando pra gente.
- Nada, é que não é sempre que vejo as mulheres da minha vida se abraçando.
- Ai, filha, assim você me deixa envergonhada.
- Relaxa mãe, mas posso saber o que aconteceu enquanto eu estava fora?
- Nós duas conversamos e... - minha sogra (isso soa tá bem) começou a falar.
- E agora somos bff. - Eu falei dando pulinhos.
- Criança! 
- Olha o respeito (S/n)! - Awwwuuun minha sogra não é linda?
- É, olha o respeito!
- Mas... - Ela tentou questionar, mas foi interrompida pela cabeleireira e maquiadora e o resto da equipe que iria terminar de me produzir.

(SeuNome) POV

A melhor coisa que poeria acontecer, minha mãe e a Cami se juntarem contra mim, amei isso. Okay, nem tanto, elas podiam se entender, mas não implicar comigo. Logo comigo, que sou apenas um bebê. Brincadeiras a parte, era o que eu mais queria, esse entendimento entre as duas.
Estávamos no camarim quando varias pessoa começaram adentrar ele, nos cumprimentando, fiquei um pouco perdida mas logo a Camila estava sentada e deveria ter umas quatro pessoas ao seu redor e outras três arrumando o local, ela me olhava sorrindo pelo espelho, acho que sabia que eu estava confusa, eu lhe lancei um olhar de desespero e ela me respondeu com um sinal que significavo que eu podia sair por agora.
Levei minha mãe até onde a banda estava concentrada para que eles se conhecessem. Lembrei que minha mãe ainda não conhecia a família da Camila, tirando a Sinu, então fui até onde eles estavam. Eles se deram bem, minha mãe e o Alejandro pareciam se conhecer desde pequenos. Ficamos um tempo ali, conversando e nos conhecendo melhor:
- Oi família! - Olhei para trás. Toda vez que vejo esse sorriso me apaixono mais. Camila disse atrás de mim me abraçando.
- Camila, está pronta? - um dos caras do staff disse sem se aproximar muito.
- Aham! Vamos? 
- Onde? - Perguntei sem entender.
- Pra oração. - A Sinu disse indo em direção onde a roda já estava se formando.
Em seguida nos juntamos a roda, algumas pessoas da equipe falaram algumas coisas e o tio Alejandro também, em seguida ele passou a palavra para Cami. Ela falou coisas maravilhosas, me emocionei muito, mas a parte que mais gostei e que não saía da minha cabeça foi quando ela disse "E além dessa noite ser especial por estarmos com um novo projeto, minha namorada e sua família vão estar presentes, e fico muito feliz e confesso, um pouco nervosa. Hoje tenho as pessoas que mais amo aqui comigo, por isso peço a Deus que nos abençoe com um belo espetáculo e que tudo de certo." 
Todos se dispersaram depois disso, a banda foi pro palco e a família da Cami foi para o espaço na lateral do palco com a minha mãe enquanto eu fiquei com a minha princesa.
- Espero que goste.
- Impossível que eu não goste, é você! - Falei brincando com seu cabelo que estava levemente ondulado.
- Boba! Eu tô nervosa.
- Achei que isso fosse normal.
- E é, mas estou um pouco mais que o normal e você sabe o porque.
- Porque sua namorada gostosa vai estar assistindo - brinquei.
- Sim! - Ela disse rindo de uma forma encantadora. - Amor, acho que tenho que ir. - Ela disse olhando para um cara da equipe que estava esperando por ela com um microfone na mão.
- Ok - Ela ameaçou andar e eu a puxei para um abraço. - Mas hey, olha, eu não sei muito o que desejar antes de um show, mas boa sorte meu amor, eu te amo muito, e independente do que aconteça esse será o melhor show da minha vida okay.
- Fica tranquila, vai dar tudo certo. - Soltei ela.
- Eu te amo, amo muito mesmo. Obrigada por estar comigo. E me desculpe caso eu faça algo que te deixe envergonhada.
- O que você que dizer com... - Tarde de mais, ela depositou um rápido beijo no meu rosto e saiu correndo, quase que caiu. Ri da cena, mas o que ela queria dizer com me deixar envergonhada, ela iria aprontar.

Ela subiu no palco, acho que eu estava começando a babar. Amo essa garota mulher, ela é tão linda e gostosa, fora que é a pessoa mais doce desse mundo. Sem duvida alguma é a pessoa que quero pelo resto da minha vida ao meu lado.

Camila POV

O local estava lotado, e me deu aquele friozinho na barriga, que logo passou quando vi o sorriso no rosto de todos. Consegui encontrar as meninas, que estavam logo a frente do palco. Olhei rapidamente para lateral do palco e a (S/n) estava me olhando feito a boba que ela é. No início eu estava com dificuldade no retorno, mas isso logo se resolveu. Já havia cantado algumas musicas, era hora de this is why i need you, a música nova. Olhei pra minha bebê, que sorria perfeitamente, e em seguida para meus fãs, eu não poderia encontrar oportunidade melhor.
- Gente, vocês são incríveis, amo cada um de vocês que está aqui hoje. - Eles até que estavam tranquilos, mas quando eu falei isso começaram a gritar, quando se acalmaram eu retomei. - Essa noite é muito especial pra mim, gosto de ser sincera com vocês sobre meus sentimentos, porque são vocês que estão sempre ao meu lado e fazem com que meu sonho se torne realidade, sem vocês nada disso seria possível. - Eles gritavam muito, eu mal conseguia me ouvir - A inspiração da próxima musica está aqui hoje, mas não acho que ela queira vir aqui na frente, então nem vou insistir, mas quero que saibam que estou apaixonada - Nem preciso dizer que a gritaria aumentou, fico imaginando se isso fosse no Brasil, eu nunca mais ia conseguia voltar ao show - e nesse momento sou a pessoa mais feliz do mundo!

(SeuNome) POV

Eu não acredito que a Cami disse essas coisas, então era disso que ela estava falando, acho que vou matar ela! Mentira, porque eu simplesmente amei e já achava que estava na hora dela começar a preparar as pessoas para o nosso relacionamento. Uma hora teríamos que falar sobre. Enquanto ela cantava this is why i need you desviava o olhar para mim, depois de algumas outras musicas começou um novo discurso.
- Eu acredito que o amor existe em todas as formas, tamanhos e cores, então não importa a pessoa a quem seu amor é destinado, seu amor é válido, bonito e um incrível presente, então vamos proteger isso.

(SeuNome) POV

Sinceramente, está na hora dos meus fãs saberem que namoro uma garota, pra que esconder uma coisa tão linda como o nosso amor? Havia chego a hora de um pequeno cover, Wake me up, do Ed Sheeran, e o meu violão do por algum motivo não estava no palco ainda, já estava me batendo um desespero, mas um dos ajudantes do staff foi atrás do violão, a surpresa foi que quem voltou para o palco foi a (SeuNome). Eu não acreditei naquilo, ela me abraçou e disse no meu ouvido.
- Posso tocar pra você? - Fiquei um pouco arrepiada, mas logo assenti.
- Essa era minha surpresa? - Perguntei só pra ela, que me respondeu com uma cara de "não sei" erguendo os ombros.

(SeuNome) POV

O cara do staff tinha ido pegar o violão, então eu decidi surpreender a Camila, da mesma forma que ela fez comigo. Perguntei se eu podia entrar no palco nessa música e o responsável pelo andamento do show e da continuidade da setlist concordou.

Camila POV

- Gente essa é a (SeuNome), mas costumo chamar ela de amor - falei um pouco nervosa e logo não conseguia ouvir mais nada com os gritos. Minha garota estava com as bochechas coradas, um amor! Eu olhei para ela, que entendeu o recado e logo começou a tocar. Meu Deus, raras foram as vezes que ela tocou na minha frente, e normalmente eram musicas bobas, tipo "Twinkle Twinkle Little Star". Eu quis beijar ela na mesma hora que ouvi os primeiros acordes, mas me controlei. Quando terminamos a musica ela se despediu com um abraço, mas eu corri até ela e lhe dei um selinho, foi bem rápido, só queria que todos soubessem de uma vez que eu tinha encontrado a pessoa certa. Voltar ao show seria muito difícil agora, já que ninguém ficava em silencio depois do meu pequeno momento, a sorte era que faltavam apenas duas músicas. Então assim que tive a oportunidade comecei a cantar e logo emendei a última musica. Me despedi rapidamente, agradeci a presença de todos e brinquei dizendo que o que havia acontecido essa noite seria nosso segredinho.

(SeuNome) POV

Sinceramente não acreditei que a Camila tinha me beijado na frente de todos. Eu estava muito feliz, mas ao mesmo tempo em choque, as pessoas falavam comigo, mas eu não conseguia entender o que falavam. Percebi que a Cami terminou o show e em seguida veio ao nosso encontro.
- Eu não acredito que você fez isso! - Nós dissemos juntas.
- Amor, você subiu no palco e tocou na frente de todos!
- Amor, você subiu no palco, tocou na frente de todos, disse que estava apaixonada, defendeu o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo, correu um risco enorme ao permitir que eu tocasse pra você, me chamou de amor na frente de todo mundo e me beijou! - Eu disse isso mais rápido do que imaginei, e tentando imita-la, o que foi motivo de muitas risadas.
- Eu te amo. - Ela disse se jogando nos meus braços.
- Eu te amo. - Eu disse rindo.

Camila POV

Estava tudo tão perfeito, hoje tinha dado tudo certo, o show, a mãe da (SeuNome), meus fãs surtando de uma maneira positiva sobre meu relacionamento.
Meu celular não para de apitar com mensagens no twitter, emails, ligações e tudo mais, achei melhor desligar, não estava afim de me explicar, não hoje. A minha gestão quis me matar por ter feito aquilo no palco, o celular dela também já tinha começado a receber ligações a respeito de entrevistas, mas eu não iria comentar tão cedo sobre isso para imprensa.
Já não tinha muita gente no local do show, na verdade só estavam alguns integrantes da banda, minha família e algumas poucas pessoas da equipe, a família do amor da minha vida já tinha ido embora com a mãe da Carol, mas ela tinha ficado. Estávamos nos preparando para ir quando a banda me chamou para jantar, eu queria ficar com a (SeuNome), mas quando perguntei pra ela se queria ir, ela apenas disse que aquela não havia sido a surpresa, logo entendi que essa noite especial não iria acabar tão cedo. - Vamos amor? - ela cochichou em meu ouvido.
- Claro, só deixa eu me despedir. - Nós nos despedimos de todos e fomos para o carro da minha namorada maluca - Então, pra onde vamos? - Perguntei quando ela entrou no veiculo.
- Surpresa. - Ela falou me dando um selinho.
- Vamos demorar? 
- Não, porque? - Ela perguntou rindo.
- Estou cansada, preciso de um banho, e estou morrendo de fome.
- Quanto drama, vamos passar em algum lugar pra você comer, pode ser?
- Olha meu estado amor.
- O que que tem? Está linda.
- Embora tenha sido fofa, eu não acho que todos vão ser assim como você.
- Drive-thru?
- Tá, pode ser. Mas me diz onde vamos.
- Para de ser curiosa Cami.
- Não sou curiosa. 
- Não, é teimosa - brincou - Já disse, é uma surpresa, agora espere.

(SeuNome) POV

Passamos no primeiro In n' Out que apareceu no nosso caminho. A Cami pediu tanta coisa que parecia estar comprando pra 5 meses.
- Amor, vai dar conta de tudo isso? - Ri quando olhei pra ela que já estava atacando uma das sacolas.
- Vou sim e ainda de quebra como você de sobremesa - brincou.
- Essa é a intenção - Pisquei pra ela - Já vai comer?
- Estou com muita fome.
- Me espera poxa.
- Ai que biquinho lindo! - Ela se aproximou pra morder minha bochecha.
- Saí daqui com essa boca cheia de molho.
- Ah, é assim? - Ela limpou a boca com a própria mão e passou em mim.
- Ai Camila... Que nojo! - Disse tentando me limpar.
- Meu Deus, você tá com nojo do meu molho? - Ela perguntou incrédula.
- Depois disso você deveria ficar surpresa se eu não tivesse.
- Ok! - Ela disse emburrada afundando no banco do carro.
- Ei, para de ser boba... - Apertei sua coxa.
- Você é boba e idiota, te odeio. 
- Odeia mesmo? - Aproximei minha mão da sua virilha.
- Se concentre no transito! 
- Estou concentrada - falei - E perguntei se me odeia Cami.
- Para com isso e coloque a mão no volante.
- Não estou precisando dela. Me odeia ou não?.
- Não! Não odeio! Agora para!! - Ela disse retirado minha mão.
- Olha amor, eu estava brincando. Tenho nojo desse molho todo espalhado na sua cara ? Tenho. Mas você continua linda, linda.
- Tá - resmungou.
- Me passa um guardanapo - Ela me entregou com certa raiva. 
- Rebelde.
- Sou mesmo! - Limpei o rosto dela, tentando não tirar a atenção do trânsito.
- Agora dá batatinha na minha boca.
- Não sou sua empregada. 
- Mas é minha namorada. - Falei sorrindo.
- Boba. Abre a boca! - Assim fiz e ela enfiou a batata na mesma.
- Tão delicada... - Ela riu. - Já sabe onde vamos?
- Não, você não me conta.
- Achei que reconheceria o caminho.
- Mas esse caminho pode nos levar a tantos lugares.
- Não que eu conheça tantos lugares pra te levar, né?
- Não vou discordar.

Camila POV

-  Amor, coloca essa venda no olho. - Ela abriu o porta luvas.
- Isso é mesmo necessário? - A verdade é que eu já imaginava pra onde estávamos indo, mas não queria estragar as coisas.
- Vai princesa, por favor. No dia da praia você descobriu facilmente onde estávamos.
- Amor, essa venda me deu algumas ideias pra essa noite. - Ela riu maliciosa.
- Tenho muitas ideias pra hoje a noite.
- Mesmo? - Meu sorriso se abriu só de pensar.
- Siiiiiiim. - Comecei a colocar a venda.
- Que criança! - Demoramos um pouco pra chegar no lugar.
- Chegamos, amor - Ouvi a porta do carro se abrir, em seguida ela abriu a porta do meu lado, me ajudando a descer. - Devagar, você não é a pessoa com mais equilíbrio no mundo.
- Vai se foder!
- Mais tarde linda. - Ela disse toda meiga. - Vamos entrar.
- Isso, estou louca pra saber onde estamos. - Me segurei para não rir.
- Você já sabe onde estamos, não é? - Ela parou de andar e ficou na minha frente.
- Aham. - Disse com um sorriso.
- Ai eu sou uma anta! Nunca consigo te levar pra um lugar surpresa. - Ela tirou minha venda.
- É mesmo, mas é linda, minha linda, pra todo sempre.
- Hm. 
- Ei, não seja boba, não agora pelo menos, - eu ri. - Achei incrível a ideia e a intenção.
- Ta né. Vamos pegar as coisas no carro. 
- Que coisas?
- O resto da comida que você não comeu e a mala que eu fiz pra gente.
- Vamos passar a noite aqui?
- Claro né Cami.

(SeuNome) POV

A Camila sem graça já sabia onde estávamos, mais uma vez ela descobre, tô achando que a lenta da história sou eu. Estávamos vivendo um momento maravilhoso, então achei que seria incrível levá-la onde tivemos uma das noites mais maravilhosas, onde tivemos nossa primeira noite juntas.
- Awwwnnnn meu amooooor como eu te amooooo!! - A Cami me abraçou com força - Eu acho esse lugar tão lindo e foi aqui que seu copo foi meu pela primeira vez.
- Você vai me deixar com vergonha.
- Ai que bobinha. - Ela segurou meu rosto e o puxou pra perto do seu - Eu te amo. - A Cami me beijou de uma forma apaixonante.
- Eu também.
Fomos até o carro e pegamos as coisas, entramos na casa e logo minha mente foi invadida com as lembranças daquela noite, foi tudo tão especial, a Cami fez tudo de uma forma tão doce. Queria proporcionar a mesma felicidade para ela. Achei que deveríamos comemorar o fato de estarmos tão bem.
- Cami, prepara a mesa pra gente comer que eu vou lá em cima preparar seu banho.
- Nossa, que linda. Pode deixar.
Subi até o quarto onde eu estive mais cedo, pra preparar parte da surpresa, dei uma ultima organizada nas coisas. Fui ao banheiro, liguei a torneira e a água começou a subir, coloquei sais de banho, acho que até mais que o necessário, pois já tinha muita espuma, joguei algumas pétalas de rosa e acendi algumas velas, que eu já tinha colocado ali antes, quando a água atingiu o nível que eu desejava desliguei a toneira, .

Camila POV

- Tudo pronto, vamos comer? - Perguntei a (S/a).
- Claro. - Ela puxou uma cadeira para que eu me sentasse.
- Eu estou com tanta fome - Ela riu - Está rindo da minha cara?
- Claro que não, nunca faço isso! 
- Aham, sei. Comemos com um certo silêncio, eu por estar morrendo de fome e a (S/n) estava me olhando, embora eu fique envergonhada amo quando ela me olha assim, com admiração, com amor.
- Amor, por que seu pai não foi ao show? - Perguntei dando um gole no meu refrigerante.
- Ele não gosta muito dessas coisas e nem do seu tipo de música, ele pediu desculpas, ele também estava com preguiça, mas disse que outro dia ele vai te prestigiar.
- Foi só isso mesmo?
- Sim, achou que fosse por que?
- Não sei, pensei que talvez ele não fosse se sentir a vontade.
- Não, ele tá bem com tudo, eu acho que foi isso mesmo, princesa. Vamos subir? - Ela disse se levantando.
- Sim, preciso de um banho. - Me levantei - Vai, vamos subir.

Chegamos na frente do quarto e a (SeuNome) colocou as mãos em meus olhos. 
- Pronta?
- Aham. - Dei mais alguns passos. 
-  Gostou? - Eu demorei um pouco pra responder porque estava tentado absorver as coisas fofas que minha bebê tinha feito pra mim. - Responde Cami.
- Desculpa. Eu amei, está tudo lindo meu amor. - Virei para ela e a beijei, me aproximei da mesa que continha - Isso parece tão bom. - Mergulhei a ponta do meu dedo no chocolate e passei na boca dela - Deixa eu provar... - Chupei seus lábios, foi com tanta força que fez até um estalinho quando eu os soltei - Como imaginei, uma delicia. - Ela sorriu abobalhada.
- Ai Camila, você não presta.
- Descobriu isso agora? - Perguntei maliciosa - Ai, tá tudo tão bonito, pena que vamos bagunçar o quarto - Ela gargalhou alto.
- Vem, vamos tomar banho.
- Vamos?
- Sim, eu pretendo te dar esse banho e vou aproveitar para tomar com você.
- Ai (SeuNome), você não presta também. - Empurrei ela na cama. 
- O que está fazendo?
- Vou tirar minha roupa ué, não é o que se faz para tomar banho?
- Sim, mas por que me empurrou na cama?
- Quero que assista.

(SeuNome) POV

Camila começou a tirar sua roupa de uma forma sensual, ela mordia os lábios e passava a mão sobre seu corpo. Ela já estava só de lingerie, que era preta, não muito ousada, era algo casual, mas bem, estava no corpo da mulher mais gostosa desse mundo, então se tornava extremamente sexy. Ela ficou de costas para mim e puxou as alças do sutiã, entendi que era para eu abri-lo, assim fiz, mas fiz.
- Está gostando amor? Só não babe. - Ela ficou de frente.
- Engraçadinha, você provoca e agora quer colocar limites? 
- Tipo isso. - Ela deixou que o sutiã deslizasse sobre seus braços, fazendo com que, aos poucos, seus seios ficassem a mostra - Quer experimentar? - Ela se inclinou e me beijou. 
- Juro que achei que estava falando sobre seus peitos.
- E eu estava. - Ela riu.
- Isso é maldade e falta a calcinha, amor.
- Tem razão. - Ela ficou de costas novamente, posicionou cada uma de suas mãos nas laterais da calcinha e começou abaixa-la lentamente, mas antes de terminar ela voltou a vestir e foi em direção ao banheiro.
- Não demore muito, estou aguardando meu banho - falou de lá.
Fiquei descalça, tirei minha calça e fui para o banheiro. A Cami já se encontrava dentro da banheira, ela puxava a espuma para perto do seu corpo.
- Por que não está nua? - Ela parecia indignada.
- Vou te dar banho e não tomar banho. - Me aproximei da banheira.
- Ok, fique de joelhos!
- Pra que? - Perguntei sem entender.
- Para começar com o banho. - Não a questionei, quando estava me abaixando ela me puxou para dentro da banheira com ela.
- Maluca! - Disse me ajeitando na frente da doida.
- Agora podemos começar! - Ela começou se aproximar de mim. - Deixa eu tirar essa sua blusa. - Ela se deparou com um pouco de dificuldade para tirá-la por estar molhada e grudada ao meu corpo, quando tirou jogou para fora da banheira, me deu um selinho e passou suas mãos pra trás de mim, desabotoou o sutiã e repetiu o ato que havia feito com a blusa - Melhor assim.
- Ela sorriu maliciosa e sentou entre minhas pernas de frente pra mim, eu estava achando graça daquela situação, fiz um coque no meu cabelo, enquanto ela abraçou minha cintura e com um braço a puxei para um .
- Deixa eu lavar suas costas. - Ela continuou entre minhas pernas, mas agora de costas pra mim. 
Comecei massagear seus ombros, apertava sem muita força, distribui alguns beijos ali, depois deslizei minhas mãos sobre suas costas. Abracei ela puxando para mais perto, com as minhas mãos ainda na sua barriga desci para suas pernas, acariciando suas coxas. Passei meus dedos brevemente sobre sua intimidade e fiz o caminho de volta com uma das mãos, passando por sua barriga e parando em seu seio, mordisquei seu pescoço. Minha outra mão subiu pelo seu braço e entrelacei meus dedos em seu cabelo, puxei um pouco para o lado, deixando seu pescoço livre.
A Cami estava entregue, permitia que eu fizesse minha parte sem interrupções, o que é um grande feito para ela que quer sempre estar no controle, pensei isso muito rápido.
- Está muito gostoso, mas chega de delongas! - Ela se virou bruscamente para mim.

Camila POV

(SeuNome) tomou um banho rápido e disse que me esperava na cama, pois se continuássemos ali não iriamos mais sair. Tentei tomar meu banho o mais rápido possível, mas sou eu, então meu rápido deve ter sido umas duas vezes mais longo que o da (SeuNome). Peguei uma das toalhas que estavam no banheiro e fui para o quarto, devo ter ficado um bom tempo observando a minha namorada quase nua e distraída com o celular em cima da cama.
- Ai Camila, que susto, o que tá fazendo aí?
- Tava observando toda essa gostosura que me espera.
- Eu tava pensando em ficar te esperando em uma pose sensual, mas você demorou muito, me desculpa.

(SeuNome) POV

- Boba - ela falou.
- Que toalha é essa?
- Você não usa toalhas após o banho? - Ela disse se direcionando aos morangos, pegou um deles, mergulhou no chocolate e comeu - Uma delícia! - Eu só a observava.
- Sabe o que é uma delícia? - Ela me incentivou a concluir. - O que está debaixo dessa toalha!
- Não seja por isso. - Ela soltou a toalha e eu pude ver seu corpo que ainda tinha algumas gotas de água. - Amorzinho, você parece hipnotizada.
- E estou! E a culpa é sua.
- Sua mãe, sem querer, deixou escapar que você fazia brincadeiras ao meu respeito, que tipo brincadeiras? - Ela disse com tom sexy e provocante.
- As brincadeiras que falava pra ela nem se comparam com as coisas que eu imaginava.
- E o que imaginava bebê?
- Não vou falar, é vergonhoso. - Disse rindo de desespero.
- Fala baby. - Camila mordeu os lábios.
- Não!
- Anda, me fala, quem sabe eu não faça. - Pensando por esse lado...
- Ok! Imaginava você dançando Suga Mama - Falei tudo bem rápido para que ela não entendesse, mas a Camilla só é lenta quando é vantajoso pra ela.
- OMFG!! Mentira? Não vou fazer isso! De jeito algum! - Ela estava vermelha e ria de uma forma desesperada, sua gargalhada tinha invadido o espaço, comecei a sentir vergonha da minha fantasia.
- Para tá! Nunca teve uma fantasia?
- Hey, você está brava?.
- Quer saber, estou! Não precisava rir disso tanto, além do mais, não entendo por que não faria isso, afinal sou sua namorada.
- Desculpa. - Ela riu, mas eu a repreendi e ela se desculpou novamente. - Você é mais que isso meu amor, você é minha vida, a pessoa que eu amo, - Ela andou até a cama e veio na minha direção engatinhando. - é quem me faz feliz, quem eu quero pra sempre ao meu lado...
- E por que não dança pra mim? - A Cami estava andando sobre mim e sua mão subia pelo meu corpo na medida que ela avançava.
- Porque tenho vergonha. - Sou boca estava próxima a minha e ela falou de uma maneira fofa e sexy.
- Aaaahh, mas não tinha vergonha de ficar rebolando pro dançarino pra todos verem né - Apertei sua bunda e colei nossos lábios.
- Pretendo abusar de você essa noite! - Ela sussurrou em meu ouvido e o mordiscou, eu me arrepiei. 
- Como quiser! - Ela beijava meu pescoço e apertava meus seios. Camila desceu os beijos para o meu peito direito e ela estava com pressa, não ficou muito tempo ali, passou sua língua na minha barriga e eu comecei a gemer - Só deixa eu...

(SeuNome) POV

Eu e a Camila estávamos aproveitando aquela noite ao máximo. Agora tínhamos feito amor, piegas, mas foi o que fizemos, não apenas uma coisa carnal. O corpo da minha namorada aquecia o meu, então imaginei que talvez ela estivesse com frio.
- Não ta com frio?
- Um pouco. - Ela respondeu colocando sua cabeça quase que embaixo da minha.
- Criança!
- Ha ha! - Cami falou e sua respiração bateu em meu pescoço, me fazendo arrepiar.
- Vai pegar um cobertor pra gente.
- Não, folgada. - Ela se levantou - Vou pega-lo pra mim - Assim fez, pegou e se jogou em cima de mim.
- Ai! 
- Nem doeu, sua fresca.
- Achei que ia pegar o cobertor para você.
- Mas quero ficar em cima de você, então vou ter que dividi-lo, tenho que me acostumar com isso de qualquer maneira. - Fiquei em silencio apenas absorvendo a informação, isso poderia dizer que ela quer se casar, ou pelo menos que ela pretende - Dormiu? - Ela perguntou levantando o rosto para me ver.
-  Não. - Apertei a cintura dela.
Ficamos em um silêncio, mas estava gostoso, ficar ali com ela, com a mulher que eu sonhei durante anos. Eu já estava quase dormindo, quando a Camila começou a fazer um barulhinho e balançar os dedos dos pés, isso causava cócegas nos meus pés.
- Tá fazendo cócegas, amor! - Disse rindo, ela nada fez, continuou com a cabeça no meu pescoço e continuou o que fazia.
- O que tá fazendo? - Eu ainda ria.
- Nada, tô tentando lembrar de uma música. - Pelo menos agora sabia que era uma música não um barulho do aleatório.
- Posso ajudar? - Passei a mão no seu cabelo.
- NÃO! - quase me assustei com sua resposta desesperada.
- Ok. - O silêncio agora era substituído pelo som que a Camila emitia, depois de um tempo acho que ela lembrou a letra.
- Don't say no, no, no, no, no. Just say yeah, yeah, yeah, yeah, yeah. And we'll go, go, go, go, go. If you're ready like I'm ready. 'Cause it's a beautiful night. We're looking for something dumb to do. Hey, baby, I think I wanna marry you. - Ela cantou com sua voz doce em meu ouvido.
- Gosto dessa música, se tivesse me dito eu te ajudaria rapidamente. É do ... - Ela me interrompeu.
- O que acha disso amor?
- Disso o que?
- Sim ou não?
- Sim ou não para o que? - Perguntei ainda sem entender.
- Hey, baby, I think I wanna marry you. - Ela mais uma vez fez eu me arrepiar com sua voz suave - Agora me responde! - Ela levantou o rosto para me olhar.
- Teve uma pergunta? - Agora eu já tinha entendido, mas vai que... Acho que deixei ela irritada, porque ela se levantou abruptamente e me encarou brava.
- Ah, puta que pariu amor! E eu que sou lenta.
- Se for mesmo um pedido de casamento pode ser registrado como o menos amoroso do mundo - falei brincando.
- Casa comigo? Olha, eu te amo como nunca achei que fosse possível amar. Você me faz a pessoa mais feliz do mundo e quero me sentir assim pra sempre - Me sentei também, de frente pra ela. - Também quero fazer você sentir o mesmo. Quero estar sempre ao seu lado e que você esteja ao meu. Com você... - Camila falava tudo muito rápido e estava meio agitada, acho que era nervosismo, eu meio que deduzia o que ela dizia, achei que fosse a hora de interrompe-la antes que sua cabeça fosse a mil.
- Sim. - Disse tranquilamente e teve efeito, pois no mesmo mesmo instante Camila se calou e me fitou.
- Sim? - Ela perguntou depois de refletir sobre o que eu tinha dito.

Camila POV

Demorei um pouco pra processar a resposta da (SeuNome), eu estava muito nervosa e não era a situação mais confortável, eu estava com medo.
- É! - Ela estava com um sorriso encantador nos lábios, uma boba, mas parecia estar tão feliz e querer isso tanto quanto eu.
- Então você aceita? - Perguntei sem mais dúvidas, agora era apenas pelo prazer que me causava.
- É meu amor! - Ela ria da minha cara.
- Ai meu Deus, eu te amo tanto! - A abracei como se nunca mais fosse ter essa oportunidade, apesar de saber que de agora em diante poderia abraça-la pra sempre.
- Então, vamos?
- Pra onde? - Sem soltá-la olhei em seus olhos.
- Nos casar! - Ela ainda tinha um sorriso enorme no rosto.
- Boba! 
- E eu aqui, achando que estava falando sério.
- Mas é serio bebê. Só não vamos casar essa noite. Só de pensar que vai ser definitivamente minha mulher...
- Você é terrivelmente encantadora e sexy. - Ela mordeu minha orelha de leve.
- Amo você Camila. Amo você com todas suas qualidades e defeitos, que são muitos... - ela brincou.
- Ridícula!
- Como eu dizia... Eu sonho em me casar com você desde antes de você saber da minha existência e agora isso é mais real do que nunca. Você é linda, possui o sorriso mais perfeito do universo e quando ele é direcionado a mim quase me mata, eu trocaria todos os momentos bons da minha vida por apenas um sorriso seu. Meu coração acelera toda vez que penso em você, meu corpo todo se arrepia quando você me toca. Meu Deus, eu não faço a minima ideia de como demonstrar o que sinto... 
- Shiiiiiiii. - Depositei um selinho em sua boca e encostamos nossas testas, ficamos ali, nos encarando por um bom tempo - Eu te amo... Eu te amo também (SeuNome).

 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...