História Tempo de Mudanças - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Mitologia Grega, Saint Seiya
Personagens Afrodite de Peixes, Aiolia de Leão, Aioros de Sagitário, Aldebaran de Touro, Camus de Aquário, Dohko de Libra, Hyoga de Cisne, Ikki de Fênix, Julian Solo, June de Camaleão, Kanon de Gêmeos, Marin de Águia, Mascára da Morte de Câncer, Miro de Escorpião, Mu de Áries, Saga de Gêmeos, Saori Kido (Athena), Seiya de Pégaso, Shaina de Ofiúco, Shaka de Virgem, Shiryu de Dragão (Shiryu de Libra), Shun de Andrômeda, Shura de Capricórnio, Sorento de Sirene
Tags Saint Seiya
Visualizações 50
Palavras 728
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Obrigada a todos que acompanham essa história.

Capítulo 9 - Submundo



Shun


Chego no submundo com a deusa Hecate, ele está todo em ruínas, não sei se conseguirei colocar esse lugar em ordem e nem tenho idéia de como começar a reergue-lo.

A maioria das almas conseguiram irem para a terra, antes eu não conseguia as sentir, mas agora eu tenho esse dom, que para mim é uma maldição.

Hecate, tem certeza que posso fazer algo por esse lugar? (Pergunto nervoso, só de entrar aqui já me sinto estranho, é como se ao mesmo tempo em que me sinto em casa também sinto que estou em um pesadelo).

Hecate: O submundo reage com o seu cosmo, basta o elevar o máximo possível que todo o submundo voltará a ser como era antes da última guerra contra Atena. 

Faço como ela falou, meu cosmo aumenta de um jeito que eu nunca o tinha sentido antes.

A medida que o cosmo negro sai do meu corpo e atinge as paredes, o chão e o teto, eles vão se refazendo, o buraco no muro das lamentações deixa de existir, até o cerberos que é o cão do inferno, volta a vida, a parte do inferno em que é possível nascer flores, elas surgem muito bonitas.

O Elísieos também é atingido pelo meu cosmo e volta a ser lindo e cheio de flores.

Hecate: É incrível como em poucos minutos o submundo voltou a sempre foi, agora é necessário trazer todas as almas de volta e julga-las novamente.

Ao ouvir aquele frase, eu fico assustado, inúmeras almas se encontram espalhadas pelo mundo.

Como poderia as trazer ao submundo de onde nunca deveriam terem saído?

Me viro de frente para a deusa e olho fixamente em seus olhos pretos.

Não tenho a menor idéia de como farei isso, são muitas almas e estão em vários lugares diferentes e sou apenas um, sinto que na terra não poderia usar meu cosmo ao máximo para atrai-las ao meu encontro.

Hecate: Está correto, mas pode reviver seus espectros e lhes dá essa ordem que será imediatamente realizada.

Eu posso reviver alguém?

Pode reviver quem desejar, mas precisa descansar, para a reconstrução do submundo foi utilizado muito cosmo.

Tem toda razão Hecate.

Fui para a sala onde tem um trono e sentei-me nele enquanto ouvia da deusa qual era a função de cada espectro no submundo.

Nunca imaginei que as funções eram tão divididas, com o tempo terei que entender sobre todas elas e o mais importante, preciso que os espectros confiem em mim.

No dia seguinte, elevo o meu cosmo e faço reviver todos os espectros, revivo também Pandora, os 13 cavaleiros de ouro e os marinas de Poseidon, ao terminar isso, caio exausto nos braços de Hecate.

Reviver todas essas pessoas foi exaustivo, agora o melhor a fazer é dormir ( Falo enquanto acaricio os seus cabelos castanhos que agora estão mais escuros, ele adorme no meu colo, o levo para o seu quarto e com cuidado o coloco na cama).

Shun ainda tem muito para aprender sobre esse mundo, sei que não está feliz vivendo aqui, mas com o tempo ele acostumara com esse lugar, o amará e o protegerá com todas as suas forças.

Ele ainda possui a alma pura e isso me atrai, nunca senti tanta bondade em um deus como sinto nesse humano que aos poucos está tornando-se um deus.

Prometo que sempre estarei ao seu lado, não é possível reviver os deuses que morrem nessa maldita guerra, então decido que viverei ao lado do meu adorado Shun e farei a função de deusa da morte.

É necessário que haja um deus da morte e nesse momento sou a única que pode realizar essa função, por causa do meu cosmo ser das trevas e por ser uma deusa primordial.

Nesse pouco tempo de convívio, aprendi a respeitar e adorar esse ser tão bondoso, que não pensa duas vezes antes de ajudar os outros mesmo que coloque sua vida em risco.

Todos que foram revividos encontram-se dormindo, com o meu poder, mando os espectros para os seus quartos para que possam descansar, levo os marinas para a mansão Solo e deixo os cavaleiros no santuário aos cuidados da deusa Nemesis.

Shun queria reviver os cavaleiros de prata, mas não conseguiu por ter muito tempo que eles morreram e como ele já tinha revivido outras pessoas, já estava exausto,  então deixaria que eles fossem reencarnados e o mesmo aconteceu com o antigo mestre do santuário, quanto ao cavaleiro de sagitário foi possível o reviver porque lhe deu uma vida temporária.



Notas Finais


Como será a volta dos golds ao santuário?
Abraços a todos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...