História Tempo, tempo. - Capítulo 49


Escrita por:

Postado
Categorias Malhação
Tags Augusto, Benê, Benedita, Gune, Guto, Malhação, Novela, Viva A Diferença
Visualizações 542
Palavras 1.313
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura! ❤🌷

Capítulo 49 - Amigos. Irmãos.


Fanfic / Fanfiction Tempo, tempo. - Capítulo 49 - Amigos. Irmãos.

O relógio marcava 18:48h, quando Keyla, Lica e Felipe saíram do elevador e deram de cara com Guto lhes esperando escorado no portal, com a porta escancarada.

Carregados com algumas pastas e sacolas, o pianista não perdeu tempo e logo indagou:

— Vocês não estão de mudança pra cá, não né?!

— Ora, ora... – Reclamou Lica entregando a ele uma caixa enorme de papelão.

Já casa adentro, Keyla falou num alto tom de voz:

— O Tato e o Jota estão subindo com os comes e bebes pelo elevador de serviço!!

— E o resto do pessoal?! – Perguntou Guto.

— Presos no engarrafamento. A Ellen acabou de enviar uma mensagem! – Avisou Benê enquanto descia as escadas na companhia de Estela.

— Dona Estela... Aí desculpa! Entrei gritando... - Se envergonhou Keyla.

— Benezinha, gatíssima! – Observou Lica. — Dona Estela. Tudo bem?! – Cumprimentou.

— Estou bem e vocês?! – Estela.

— Bem! – Responderam as duas juntas.

— O que é que tem nessa caixa, hein Lica?! – Indagou Guto.

— Fotos... Um monte delas!

— Tem coisa da época da escola, aí! - Completou Felipe.

— Sério?! - Guto.

Vindos da cozinha, Tato e Jota chegam cumprimentado todos os presentes:

— Boa Noite. – Disse Jota.

— Salve família!! – Saldou Tato.

— Isso aí é o bordão do Anderson, Tato! – Observou Benê.

— É verdade né?! – Concordou Tato.

Enquanto isso, Guto tentava abrir a tal caixa com as fotos, mas foi impedido por Lica.

— Guto... Não! É surpresa. Estou com uma ideia sensacional.

— Hum... Tá certo Heloísa! Bora para o Terraço?! – Guto.

— Vão indo vocês... Eu vou voltar pra cozinha, ajeitar as coisas por lá. - Avisou Tato.

— Credo Tato! Nunca vi gostar de uma cozinha assim. – Reclamou Keyla.

— Ela quer você pertinho dela... – Provocou Tina que entrava porta adentro junto de Ellen e Anderson.

Os cumprimentos se misturavam e se encontravam... Com todos juntos, os amigos seguiram até o terraço. Tato, voltou para a cozinha e com a ajuda de Viviana, montou os pratos.

— Essa cozinha da senhora é um sonho! Tem de tudo. - Observou ele.

— Ah... Imagino que você tenha uma maravilhosa também, em casa. - Viviana.

— É boa, mas com esse dinamismo, não! – Sorriu ele enquanto finalizava um dos pratos.

De volta ao terraço, Ellen estava encantada com o espaço!

— Isso aqui ficou lindo demais!!

— Ôh... Pensa num negócio chique!? - Observou Keyla.

— Tudo idealizado pela Estela... Elogiem ela! - Disse Benê.

— Quisera eu ter uma sogra dessas... - Disse Lica enquanto Felipe o olhava feio.

— Pois é?! - Concordou Keyla.

— Que bobagem, gente. Não foi nada. Só que minha nora e meu filho, merecem tudo de melhor. - Justificou-se Estela.

— No dia que a general Mitsuco me disser isso, eu danço ‘Axé Music' no meio Avenida Paulista, mano! – Avisou Anderson.

— E porque você faria uma tolice dessas?! - Indagou Benê.

— Tô zoando Benê. - Anderson.

— É, tá zoando?! Mas eu estou me lembrando muito bem da promessa, tá anotado! - Afirmou Jota.

— Êh... Cunhadinho folgado.

— Dona Estela...

— Estela, querida! Pode me chamar de Estela. - Disse Estela interrompendo Lica.

— A senhora, assim, não quer nos dar umas idéias pra festa. - Sugeriu Lica.

— Bom, se eu puder ajudar...

— E pode! – Exclamou Lica colocando a famigerada caixa de papelão encima da mesa de centro.

— Ih... - Chiaram os meninos.

— Tá bom! Então vamos as sugestões. – Falou Benê enquanto apanhava em mãos, um bloco de notas e caneta.

— Sim senhora, Benedita! - Disse Tina.

— É... Vocês, moças, fiquem aqui... Que nós, vamos para o estúdio! - Avisou Guto.

Assim fizeram. Guto levou Jota, Anderson, Felipe e Tato para o estúdio. Afinal, os rapazes precisavam fechar a parte musical da festa. Além da bonita surpresa que preparavam.

No terraço, Estela participava das ideais das meninas. E na verdade, a mãe de Guto se encantava com aquela amizade. Assistir aquelas cinco moças, unidas e numa só sintonia era bonito demais.

— Quero fazer uma projeção de fotos... Que estejamos espelhadas por todos os cantos, sabe?! – Sugeriu Lica.

— Tá, mas como Lica?! - Perguntou Tina.

— Hum! Dá pra fazer um projetor com caixas de sapato e lupa. - Exemplificou Ellen.

— Sim, mas queria as nossas fotos espalhadas sabe?! Eu queria que estivéssemos entre essas projeções... - Continuou Lica.

— Entendi Lica! Amanhã eu agito isso, vamos selecionar as fotos então?! - Ellen.

— Entendeu mesmo?! - Insistiu a filha de Marta.

— Ela entendeu, alias, entendemos... – Disse Tina, enquanto abria a famigerada caixa. — GENTE... Tem coisa dos tempos do Grupo, aqui!! - Seguiu ela.

— Claro! - Lica.

— E do Cora, olha Benê!! - Exclamou Keyla.

— O TONICO BEBÊ!! - Tina.

— CADÊ?! - Ellen.

— AÍ... Ai gente, que saudade do meu bebê, bebê!! - Disse Keyla saudosa.

— Que saudade mesmo... Saudade da Nina neném! Olha quem não tem criança, arrumem, eu recomendo! - Disse Tina.

No segundos em que elas babavam a foto de Tonico, Benê afirmou:

— Eu já arrumei!

— O que?! - Perguntaram as cinco ao mesmo instante.

— Mano do Céu... Não vai me dizer que você tá grávida, Benê!! - Exclamou Ellen.

Nesse instante, Estela que ouvia tudo, gargalhou.

— O Guto já sabe?! Porque se não sabe ele vai desmaiar! - Constatou Lica.

— Que fofo!! Baby Gunê a caminho... Imagina?! - Tina derreteu-se.

— Dá pra parar!! Eu não estou grávida. – Disse Benê de forma enfática. — Eu não sei porque, mas toda vez que eu vou contar alguma coisa, para as pessoas, elas tendem a achar, que é pra dizer que estou grávida... Que coisa! – Reclamou ela cruzando os braços emburrada.

— Ah... Mas deve ser porque um baby Gunê seria a coisa mais fofis do mundo! - Disse Lica.

— Gente, visualiza: O olhos do pai, o cabelo da mãe, a boca do pai, o narizinho da mãe... - Detalhava Keyla.

— E a fofura dos dois! Eu não iria aguentar essa criança. - Afirmou Tina.

— Chega!

— É... A gente tá irritando a Benê! - Ellen.

— Mas o que você ia nos contar?! - Keyla.

— É sobre uma menina! Ela tem cinco anos, vive num orfanato, tem TEA, como eu e nós, decidimos acolhê-la aqui, conosco. - Explicou Benê.

— Jura?! Tipo adoção?! - Lica.

— Não! Não é adoção. É só um acolhimento. Enquanto não aparece um lugar legal para Maria poder ficar.

— Maria?! Eu quero conhecer! Deve ser uma graça. - Tina.

— É, é mesmo. Vocês vão conhecê-la.

— Benezinha?! E se ela não tiver pra onde ir... ?! – Sondou Ellen.

— Eu não estou cogitando está possibilidade, Ellen.

— Mas é uma possibilidade! Real, não?! – Indagou Lica seguindo na sondagem.

— O que vocês querem dizer?!

— Nada Benê! Essas duas aí, são duas curiosas. - Desconversou Keyla.

— É!! Vamos seguir com as fotos!! - Tina.

Enquanto as meninas davam sequência aos arreglos da festança que estava por vir. Guto e os rapazes, finalizavam a parte musical no estúdio. Anderson, o produtor deles, ouvia a música que Felipe fez especialmente para as garotas... Porém, este se distraiu quando encontrou rascunhado nas últimas folhas de um caderno, um verso que começava indagando sobre o amor.

•••

Quem disse que o amor é assim, tão rarefeito?!

Efeito nuvem, perfeito sentido.

Falta o ar. Amor e amar

Gostar é um feito, sentimento perfeito.”

•••

Ao ler isso, Anderson logo provocou:

— Já temos o refrão de uma canção.

— É o refrão de uma canção sim. Mas travei, não consegui terminar! - Explicou Guto.

— Porque?! - Anderson.

— Não sei! Eu escrevi pensando no tanto que eu gosto da Benê, aí, do nada fugiram as palavras. - Seguiu Guto explicando.

— E se completássemos a letra?! - Sugeriu Felipe. 

A ideia de Felipe foi fazer uma música a dez mãos, para as fives. E assim fizeram!

Passados os dias, no grande dia, música pronta e coração acelerado, eles fizeram o último ensaio pela manhã.

A tarde já trazia a atmosfera de um dia especial... E de fato, seria!




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...