História Temporada de férias - Capítulo 46


Escrita por:

Postado
Categorias Carrossel
Personagens Adriano Ramos, Alícia Gusman, Bibi Smith, Carmen Carrilho, Cirilo Rivera, Clementina Soares, Daniel Zapata, Davi Rabinovich, Jaime Palillo, Jorge Cavalieri, Kokimoto Mishima, Laura Gianolli, Marcelina Guerra, Margarida Garcia, Maria Joaquina Medsen, Mário Ayala, Paulo Guerra, Valéria Ferreira
Tags Ciriquina, Daléria, Jaimentina, Jorgerida, Kobi, Laudriano, Marilina, Paulicia
Visualizações 252
Palavras 3.113
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E nos 45 do segundo tempo, lá estou eu! Disse que ia postar na quarta, viram? Skks tecnicamente onde eu moro, ainda é quarta-feira então relevem. Sem mais delongas, espero que gostem! OBS: O próximo sai domingo ou segunda, então fiquem ligados!
Boa leituraa!

Capítulo 46 - Capítulo 46


POV ALY

Aly- Onde será que ela foi?- pergunto olhando pra todo canto. Termino de olhar por aquele quarto e parto pro outro, vendo a porta trancada. Olho pra Marce que acente.


Marce- Marga... Tá tudo bem? Quer conversar?


Marga- Não... Quero ficar sozinha!- disse chorando. Suspiro e puxo Marce pelo braço.


Aly- Acho que ela não tá nada bem. Mas vamos respeitá-la e deixar ela sozinha.


Marce- Claro, claro. Só não entendo o por quê do Jorge ter feito isso!


Aly- Eu também não sei, amiga. Mas depois vou falar com ele.- já estávamos descendo as escadas quando ouvimos risadas. Marce ia falar alguma coisa, mas eu peço silêncio. Fomos seguindo as risadas e paramos em frente ao quarto da Bibi e do Koki.


Aly- Não sei se é uma boa ideia espionar, vamos embora!


Marce- Não vamos não! Agora me deixou curiosa!- sorriu e começou a ouvir por trás da porta, que estava meio aberta.


Bibi- Eulália, Kokimoto? Tá maluco?- ria


Koki- Ué? O que tem de errado? Minha tia tinha esse nome, e podia ser muito bem o nome da nossa filha!


Bibi- Ou filho, né japonês. Nem sabemos o que é direito. Quer saber, nem sei o por quê de estarmos tendo essa conversa.


Koki- Qual o problema ruiva?


Bibi- Você sabe que eu tenho medo, Koki. Muito medo mesmo!


Koki- Medo de que?!


Bibi- I don't now!- começou a chorar. Olho pra Marce e vejo que ela estava com a mesma expressão que eu. Começamos a conversar por meio de sussuros:


Marce- É sério isso?!


Aly- Eu não sei!


Marce- Por que ela não contou?!


Aly- Eu não sei!


Marce- Como isso pôde acontecer?!


Aly- MAS QUE PORRA, MARCELINA! EU NÃO SEI, CARALHO!- explodi e sinto a mão de Marce na minha boca. A porta do quarto se abre por completo e revela Koki assustado


~quebra de tempo~


Bibi- Vocês entendem, né meninas?


Marce- Claro, nós entendemos. Deve ser difícil mesmo, contar pra todo mundo que você tem um serzinho aí dentro de você.- esboçou um sorriso sincero e a ruiva retribuiu


Koki- Vocês não vão contar pra ninguém, não é?


Aly- Nós não...- ele suspirou- mas vocês sim!


Bibi- What?!


Koki- Você tá louca?!


Aly- Isso eu sempre fui!


Marce- Isso é sério gente, até quando acharam que iria essa mentira?


Koki- Primeiro que não é bem uma mentira, nós só não dissemos nada! E segundo, já imaginaram a reação das outras pessoas?


Bibi- Elas iam ficar nos julgando, minha mãe passou por isso, e não parece ter sido a melhor das ideias!- baixou a cabeça


Aly- Gente, aqui vocês estão em amigos! Nós somos seus amigos!


Marce- Nós nunca iriamos julgar ou falar mal de vocês, podem ficar tranquilos!


Bibi- Thanks, girls!- sorriu derramando uma lágrima


Aly- Nós vamos sempre estar com vocês, sempre! Podem contar conosco pra qualquer coisa!- aperto a mão dela sorrindo e Marce a abraça


Marce- Mas o que ainda não entendi, foi o por quê de estarem rindo!- saiu do abraço e Bibi riu relembrando


Bibi- O Koki tava falando uns nomes estranhos pro bebê, como Jucrécio e Aldemira kkkkk- rimos todas, menos Koki


Koki- Ei! Não tem graça nenhuma! Esses são nomes ótimos, tá legal?!


Aly- É japa, dessa vez você perdeu!- rimos.


Depois de um tempo, eu e a Marce voltamos pra festa. Me sentei em um banco e Nathan veio pra perto de nós.


Nathan- Boa noite donzelas! Querem um drink?


Marce- Não obrigada, já estamos bem!


Aly- Agora pode saindo que a sua presença aqui, não está favorecendo a noite!- sorrio sarcástica e ele levanta as mãos em forma de rendição. Como o esperado, Paulo surge de Nárnia e para ao meu lado.


Paulo- Tudo bem com vocês, meninas? Ele tá atrapalhando?


Aly- Tá tudo ok sim, Paulo. Ele já tava indo embora, né?- ele acente e sai, sem antes dar um beijo na bochecha de Marcelina e uma piscada pra mim


Paulo- MAS QUE FILHO DE UMA P...- corto ele


Aly- Paulo... Deixa pra lá, sem brigas.


Marce- A Aly tem razão, deixa quieto. Também não quero rolo pro meu lado!- bebe o resto do suco- Vou lá com o Mário, beijinhos casal!- pula da cadeira e vai até ele do outro lado da pista. Começo a rir da expressão do Paulo, que parecia posseso.


Paulo- Tá rindo de que, maluca?


Aly- Dessa tua cara de sanguinário!- continuo rindo- Que bater na árvore? Sinta-se à vontade!- bebo o drink


Paulo- Haha, engraçada. Cheia de piadinhas hoje.- diz irônico- Posso saber onde a senhorita foi antes, que saiu correndo?


Aly- Ah, nada de mais. Só vi o Cauã Reimond e fui dar uns amassos nele!- sorrio bebendo mais um gole


Paulo- Vai abrir um stand up hoje, só pode.


Aly- Ai Lito, fui ajudar a Marga. Não viu ela saindo correndo da festa?


Paulo- Pior que não vi mesmo. Mas o que ouve? Ela tá bem?


Aly- Fisicamente bem, emocionalmente derrotada. O Jorge aprontou alguma.


Paulo- Esse engomadinho tá voltando as origens? Só o que faltava.

POV JORGE


(Alguns minutos antes...)

Que tédio. Com toda a certeza, era muito melhor ter ficado na pousada. Paro perto do som e fico bebericando meu drink, quando sinto duas mãos nos meus olhos.


Xxx- Adivinha quem é?


Jorge- Eu nunca vou adivinhar se você não dizer.


Xxx- Nossa, sem graça!- solta as mãos e para em minha frente. Vizualizo aquela menina loira de hoje no almoço- Lembra de mim?


Jorge- Ah, lembro sim. Você foi no restaurante hoje com a gente.


Jéssica- Sim, eu mesma, Jéssica!- sorriu- O que está fazendo?


Jorge- No momento, só ouvindo as músicas ultrapassadas e bebendo esse drink.


Jéssica- Legal. Posso beber um gole?


Jorge- Claro.- ela bebe e arregala os olhos


Jéssica- É forte, né?


Jorge- Acho que sim. Nem parei pra perceber.


Jéssica- Já bebeu quantos desse aí?


Jorge- Acho que uns seis... Ou sete...- começo a ficar meio zonzo e ouço risadas


Jéssica- Você tá bem?- ouço ao fundo. As imagens estão embaçadas e vejo tudo diferente. Fecho os olhos por um instante e vejo a imagem mais linda. Não sei o que senti, o que vi, o que aconteceu, depois disso não lembro de mais nada. Senti seus lábios nos meus e nossas línguas se encostando. Depois de um tempo, nos separamos.


Jorge- Marga...?- digo meio confuso


Jéssica- Quem é Marga? Meu nome é Jéssica.


Jorge- M-m desculpa...- saio meio zonzo e paro perto de uma árvore.


~quebra de tempo~


Não sei quanto tempo passou, e nem sei SE o tempo passou, mas estou desde aquele momento sentado à beira de uma árvore. Não estou 100% melhor, mas diria que 25% pelo menos. Ouço alguns barulhos próximos e começo a ficar com medo. Esfrego meus olhos e tento enxergar na escuridão, me levanto apoiado na árvore.


Jorge- Quem está aí?- grito


Ouço mais alguns barulhos e depois o silêncio. Se eu não fosse eu, provavelmente estaria morrendo de medo.


Jorge- Tem alguém aí?- perguntei aos gritos


Xxx2- JORGE?!


Jorge- Aqui! Eu...- tropecei e caí. Ouço passos e vozes


Xxx1- Gente! Achamos ele!- é uma voz conhecida...


Xxx2- Nossa cara, tá cheio de arreia!


Xxx1- E com cheiro de cerveja!- me pegam pelos braços e me ajudam a levantar- precisa de um belo banho!


Xxx2- Boa sorte à quem tiver coragem de fazer tal ato!- riram


Xxx1- O Cirilo, ajuda aqui, da última vez que eu fiz isso, deu merda!


Cirilo- Nossa Mário, ele tá bem mal! Para de fazer piada do coitado e ajuda também!- riram.

Me apoiaram e com um pouco dificuldade, chegamos perto da turma.


Majo- Que susto que nos deu, Jorge! Pensei que tivesse sido sequestrado!


Aly- Ou estuprado!- ironizou


Adriano- Ou capturado por etes!- colocou a mão no queixo e Laura revirou os olhos


Dan- Bom gente, acho que já tivemos confusão demais por hoje. Vamos voltar, fazer o sorteio do quarto principal, e ir dormir.- todos concordaram e fomos caminhando, já que era perto.


Chegamos, e fui direto para o banheiro tomar um banho, e os sortudos a me ajudarem foram justamente Cirilo e Mário.


Mário- Ótimo. A gente que paga o pato ainda.


Cirilo- Não era bem assim que eu pretendia terminar minha noite.


Mário- Aaaaah safadinho!- cutucou o amigo que riu fraco


Jorge- Dá pra vocês pararem com isso? Já tá constrangedor demais aqui!


~quebra de tempo~


Termino de tomar banho e nos reunimos na cozinha uma última vez antes de dormir.


Cleme- Olha, o importante pra mim, é que o quarto tenha cama. De resto tá tudo ok, porque só quero dormir.


Paulo- Iiih gorducho! Se deu mal hoje!- cutucou o amigo


Aly- Paulo, para de atiçar!- esfregou os olhos


Car- Voltando a atenção aqui... Vamos fazer o sorteio.- ela balança o pote e Daniel pega um papel


Dan- Os sortudos de hoje são... Valéria e Davi!


Davi- Uhul!- comemora


Val- Sinto cheiro que hoje a noite vai ser boa!- sorriu maliciosa


Débora- Eieiei, aqui é uma casa de respeito! Por favor se comportem!


Majo- Você fala isso porque não foi naquele quarto ainda!- riu


Aly- É então! O papo tá bem interessante, mas tô querendo dormir, boa noite!- sai do banco e sobe as escadas seguindo Paulo. De pouco em pouco, todos já estavam em seus quartos.

POV ALY


(Autora: Você de novo por aqui?/Aly: Sim, porque eu posso, os outros não!)

Terceiro, outra manhã quente, e acho que hoje ninguém tá com muita moral de ir pra praia (muito menos eu). Aí vocês se perguntam: "Mas por que, Alicia? Você sempre acorda bem humorada e sorridente!" Poisé. Hoje não foi um desses dias, pelo simples fato de eu acordar praticamente no chão. Levanto meio desengonçada em meio às cobertas, e pego meu travesseiro dando na cara do marginal.


Paulo- Aau! Que isso Alicia?- acordou resmungando


Aly- Que isso, que eu dormi praticamente no chão, Guerra! E de quem é a culpa disso?


Paulo- Hã... Minha?


Aly- Parabéns! Ganhou na loteira!- digo irônica, batendo palma. Me deito ao lado dele e bufo. Fecho os olhos tentando me controlar e ele me abraça.


Paulo- Bom dia, senhorita de TPM!- diz sorrindo


Aly- Bom dia, meu marrento!


~quebra de tempo~


Como o previsto, poucas pessoas quiseram ir à praia, a não ser Erick, Luana. Débora e Nathan, o resto ficou na casa ou saiu pra dar uma volta. De almoço, eu e Jaime fizemos uma galinhada (sim, eu linda, maravilhosa Alicia, vossa suprema, também sou culta baby). À tarde, nos reunimos em volta da piscina. Me sento em uma cadeira branca para deitar, e Bibi fica ao meu lado. Reparo em cada canto do pátio: Daniel passando (a contra gosto) protetor solar nas costas de Aline, Carmem lendo um livro ao lado dele, Jaime, Mário e Dan conversando (ou melhor, bebendo) perto da churrasqueira, Paulo, Koki, Cirilo e Adriano jogando vôlei na água, e Marga e Laura conversando na beira da piscina.


Bibi- Aly...- olho pra ela- Acho que é uma boa hora. Sabe, pra contar.


Aly- Tem certeza? Não quer esperar?


Bibi- Na verdade não. Depois de ouvir tudo o que ouvi do meu pai, acho que nada mais me afeta...- disse de cabeça baixa- E agora sei que vocês todos estão comigo!


Aly- Claro que sim, é pra isso que servem os amigos!- sorrio


Bibi- Me ajuda?


Aly- Claro!- me levanto


Bibi- Mas bem... Quero fazer isso de um jeito diferente!- sorri


Depois de um tempo, arrumamos tudo lá dentro, e demos a desculpa que estávamos fazendo um bolo. Chamamos todo mundo e foi realmente incrível a reação deles: entraram pela porta de trás, e viram vários copos de plástico coloridos, formando uma passarela. Ao terminar os copos, chegavam em frente à mesa onde colocamos os sapatinhos de bebê meus e de meu irmão, quando bebês.


Cleme- Que coisa mais fofaaa!


Val- AI MEU SANTO SANTINHO DE TODOS OS SANTOS, NÃO ME DIGA QUE É O QUE EU TÔ ACHANDO?!- gritou e Bibi só acentiu sorridente e a abraça, seguida por outras meninas


Jai- Peraí peraí, só eu que não entendi nada?


Mário- Nossa Jaime, você é burro ou se faz de desentendido? Ela comprou sapatos novos, né?- riu


Marce- Nossa, eu mereço!- revirou os olhos rindo


Cirilo- É lógico que ela tá grávida, né?!


Todos ficaram felizes e prometeram comemorar o resto do dia. Estranhei que não encontrei a Bibi depois, mas logo ela mandou uma mensagem avisando que sai com a Majo pra fazer "umas comprinhas" kkkkk aham, sei. Então, é um bom momento pra procurar o vacilão. Vou pro lado externo da casa e vejo ele sentado em um balanço, um pouco enferrujado alí perto. Me sento ao seu lado.


Jorge- Eu sei. Eu sou um idiota.- gargalho


Aly- Só idiota? Você é a metade de adjetivos ruins e mais um poquinho ainda.


Jorge- Tão ruim assim?


Aly- Péssimo, Jorge. Péssimo. Você acabou com o coração da menina. Poxa, ela é tão legal! O que tá acontecendo, cara?


Jorge- Eu não sei! Desde aquele dia que brigamos, aconteceram tantas coisas... Eu fiquei confuso!


Aly- E tinha que piorar tudo, né?


Jorge- É minha especialidade, esqueceu?


Aly- Não vem com piadinhas pra cima de mim, engomadinho, que você não tá com moral.- ele acente de cabeça baixa- Por que você beijou a Jéssica ontem?


Jorge- Eu... Não lembro... Tava tudo girando, e tudo torto... Confundi as coisas, foi mal...


Aly- Ela me disse que ficou muito envergonhada, nem sabia o que falar.- rio fraco- Jorge Jorge... O que eu faço com você?


Jorge- Me joga da ponte, vê se adianta alguma coisa!


Aly- Não seja dramático, riquinho! Isso não combina com você!


Jorge- Coloca pedras no meu bolso, então. E me joga no mar!


Aly- Nossa, vai abrir uma companhia de teatro.


Jorge- Eu amo ela...- sussurou e finjo me engasgar


Aly- É-é-é o que?! O que você disse?!


Jorge- Que eu amo ela.


Aly- Meu senhor, eu vivi pra ouvir isso. Peraí, deixa eu gravar!- pego meu celular


Jorge- Para de graça, Gusman! Tô falando sério!- levantou a cabeça


Aly- Okok!- guardo o celular- Se você não tivesse feito o que fez, quem sabe nesse momento eu falaria algo como: nossa, a Marga é uma garota da sorte!-sorrio


Jorge- Isso não tá ajudando.


Aly- Olha pra minha cara e vê se aqui tá escrito "psicóloga" ou "Google" por acaso, porque não tô sabendo de nada não!- cruzo os braços


Jorge- Se não vai ajudar, não atrapalha!


Aly- Parece que nem me conhece!- rio- Ok então, só vou dar minha última dica: as coisas nem sempre são como você espera, engomadinho. Nem sempre você estará certo e nem sempre ela vai estar te esperando! Meu conselho, se você realmente gosta dela, pede desculpas! Eu sei que você nem sabe o que isso significa, mas pesquisa no dicionário!- pisco pra ele, que só ri fraco- Eu tô falando sério, eu sei que ela ainda gosta de você, e você gosta dela! Dá uma chance pra vocês dois, e vejam no que vai dar!- sorrio

Jorge- Valeu Aly... Vou resolver as coisas!


Aly- Isso aí! Além do mais, acho que ela é a única pessoa que eu conheço, que aguentaria ficar todo dia perto de você sem querer te esganar!- rio e ele me cutuca com o cotovelo, dou um tapinha nas costas dele- Vou lá falar com o Paulo, você vêm?


Jorge- Não... Vou ficar por aqui.


Aly- Então tá! Boa sorte!- saio andando calmamente e avisto Paulo parado ao lado da porta.


Paulo- Você não existe, Gusman!


Aly- Diz que eu sou a melhor amiga de todas, hein?- sorrio e o beijo. Nos sentamos no sofá pra olhar TV.

POV BIBI

Majo- Nossa amiga, você não tá nada emotiva hoje!- pegou mais uma das inúmeras peças na mão


Laura- Olha isso aqui, gente! Que coisinha mais fofa!- mostrou um vestidinho rosa com tons degradê e borados embaixo


Bibi- Majo, não é isso. Só não sei se é uma boa ideia. Ainda é muito cedo pra saber qual o sexo do bebê.


Laura- Eu também acho amiga, só que essas roupinhas são UMA FOFURA!- aperta o vestido contra o peito


Majo- Verdade! Olha só aquele casaco alí!- correu pro outro lado da loja e reviro os olhos


Koki- Amor, aqui tá muito cansativo, vou ir no mercado. Quer alguma coisa?- desencosta do balcão


Bibi- Não quero não, mas não demora e volta logo!- dou um selinho nele e me sento no sofá da loja. Bufo sem nada pra fazer e resolvo ir com ele.


Bibi- Buh!- assuto ele que dá um pulinho. Acabamos rindo


Koki- Mudou de ideia?


Bibi- Obvio né japonês, tá a maior chatice lá. Elas que escolham roupas e mais roupas. Nem sei se é menino ou menina!- olho pra minha pequena barriga e a ouço roncar- Koki...


Koki- O que foi? Tá tudo bem?- parou de caminhar- Quer ir no médico, tá com dlr?


Bibi- Não não, não é isso! Só tô com fome!


Koki- Ah tá! Vamos comprar alguma coisa pra comer então!


Bibi- Mad eu quero sushi!


Koki- Sushi? A essa hora da tarde? Nem sei se tem por aqui!


Bibi- Não custa nada ver!


Chegamos no mercado e procuramos ppr todo o setor de peixes, lá se foi o estoque de sushi.


Koki- Moço, o senhor sabe onde tem algum lugar por aqui onde venda sushi?


Atendente- Até mais cedo, tinha algumas tendas na frente da igreja com esses barcos de peixe frio!


Bibi- Thanks!- sorrio e fomos até a igreja mais próxima, onde a ultima barca fora levada a menos de dez minutos. O vendedor nos disse de um restaurante japonês recém aberto e fomos até lá, porém, era longinho. No meio do caminho, pedi pra ser levada nas costas e depois de vários beijinhos, ele deixou. Chegamos lá e vimos uma placa bem em frente à porta: nosso estabelecimento só é aberto aos sábados e domingos. Caímos sentados na calçada.


Koki- Desculpa ruiva, mas não achei não!- tomou fôlego


Bibi- Têm problema não, japonês. Você fez o seu melhor!- dou um beijo calmo nele- Thanks, meu samurai!- o abraço- Quer saber, nem preciso mais de sushi, pode ser qualquer coisa mesmo.


Koki- Sério? Mas o bebê não vai nascer com cara de sushi?


Bibi- Kkkk claro que não, isso não foi um desejo, samurai. Só queria sushi porque é meu prato predileto e estou com fome. Mas podia ser qualquer outra coisa!- ele me olha metade irritado e metade confuso e sua expressão muda para conforto


Koki- Eu não consigo ficar bravo com você minha ruiva!- rimos- Que tal irmos alí comer um Xis?


Bibi- Humm! Adoro, vamos!- seguro sua mão e fomos até o local mais próximo.


Notas Finais


Perdoem se ficou muito longo, mas tinha que colocar tudo isso em um capítulo só!
Espero que tenham gostado seus lindoss! Até!
BJOSS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...