1. Spirit Fanfics >
  2. Tempus >
  3. Dr. Jane Hopper

História Tempus - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


a capa do capítulo é o convite de inauguração da festinha haaha (fiz em 5 minutos, ta zoado, eu sei). enfim, leiam as notas finais!! <3

Capítulo 19 - Dr. Jane Hopper


Fanfic / Fanfiction Tempus - Capítulo 19 - Dr. Jane Hopper

- Uau! – me viro pra encontra-lo na porta do nosso quarto com um sorriso doce. Não sei há quanto tempo ele está ali me observando. – Você está linda. Mesmo.

Nós vamos celebrar a inauguração do meu novo consultório hoje a noite e Mike está completamente elétrico, ele não parou de falar sobre a festa nos últimos dias e eu sou grata por isso. Não sei o que seria de mim sem ele por perto.  

Vai ser algo simples, apenas nossos amigos, Kali, alguns colegas de trabalho e meu chefe, que me apoiou e ajudou com a construção do projeto. Comemorar isso é como recomeçar minha vida depois de tudo o que aconteceu nos últimos cinco anos.

- Exagero... – respondo Mike porque, sinceramente, não há nada de especial em mim hoje, apenas um vestido branco e uma maquiagem leve, mas desde ontem ele fala sobre esse vestido.

- Você precisa de óculos, então. Sério, você está linda. Espero estar a altura para entrar com você na festa e tal... – lhe dou um tapinha no ombro. Ele está lindo com uma camisa social cinza claro, que combina com a calça azul escura. Ele queria usar gravata mais cedo, mas achei que não precisava. – A propósito, as pessoas que irão lá hoje sabem que você é comprometida, né?

- Não, falei pra todo mundo que estou solteira e procura de um velho rico. – não há a menor chance de Mike acreditar nisso porque eu não consigo parar de rir.

- Ah, que bom! Estou à procura de uma velha rica também... – ele diz rindo enquanto me abraça por trás, passando seus braços pela minha cintura. – Você está incrível. E esse decote aqui... – ele passa o dedo indicador pela fenda do meu vestido, que vai até o início da minha barriga e eu preciso de muita concentração e força de vontade pra afastar sua mão de lá. Já estamos meio atrasados porque aproveitamos o banho por mais tempo do que deveríamos.

- Ei, tira a mão daí! A gente vai se atrasar... – ele se afasta e faz um pouco de birra, mas se senta na ponta da nossa cama, me olhando por um tempo, de um jeito estranho... como se estivesse tentando me falar alguma coisa.

Mike, então, se ajoelha na minha frente e eu começo a ficar nervosa. Ele vai me pedir em casamento? Agora? Meu Deus... Estou quase desmaiando quando ele amarra o cadarço do sapato e começa a rir. Idiota.

- Vá se foder, Mike! – uso meu pé pra empurra-lo, mas ele segura a minha perna com força suficiente pra eu não conseguir me afastar e ele poder se dividir entre rir da minha cara, beijar minha perna e fazer cócegas ao mesmo tempo.

- Você pensou que eu ia fazer o que? – me solto, finalmente, e lhe mostro o dedo do meio enquanto ele continua rindo. Eu não consigo manter uma expressão séria, então começo a rir também.

- Você me prometeu que eu poderia te pedir em casamento, então eu vou pedir quando eu quiser. Não se atreva, ou você vai passar um mês sem sexo.

- Duvido... – ele pega meus sapatos de salto e calça meus pés pra que a gente possa sair logo. – Te amo, sabia?

- Eu sei, te amo também.

---------

Quase todos já chegaram à confraternização hoje a noite. Mark, meu chefe, ficou encantado com o espaço, especialmente com o trabalho cuidadoso que Will teve com o projeto arquitetônico e decorativo.

Dustin trouxe Megan, sua namorada, para a confraternização. Eles formam um casal lindo e ela até insistiu em me entrevistar e publicar uma matéria do jornal local sobre o consultório. Aceitei de bom grado, mas não pude permitir uma foto minha ao lado de Mike, especificamente, só para o caso de alguém (Owens) venha a ter acesso a esse jornal.

Eu imagino que ele provavelmente acompanha todos os meus passos, mas achei melhor evitar exposição desnecessária. O foco precisa ser no meu trabalho, de qualquer forma.

Max vem até mim com uma taça de champanhe, revirando os olhos, e eu me preparo para ouvir o que ela vai reclamar dessa vez.

- Meu marido me trocou pelo seu namorado... – Oh, merda. Mike me deixou sozinha por alguns minutos e ficou grudado em Lucas, num lugar mais reservado do espaço. Não sei e nem quero imaginar o assunto da conversa. – Então eu vou ficar aqui e ocupar o lugar dele.

- Deve ser alguma besteira deles. – me concentro melhor e vejo que Dustin e Will também estão lá, todos rindo juntos. Mike me vê observando o grupinho e pisca pra mim, mas não tenho muito tempo para responde-lo porque minha professora de dança, Lucy, acaba de chegar e eu preciso cumprimenta-la.

Lucy é como uma mãe pra mim. Ela me incentivou a continuar na escola de dança e a recomeçar esse projeto. Então tudo isso é parte dela também.

- Meu amor! Estou tão orgulhosa de você! – eu a recebo com um abraço apertado e me sinto tão feliz por ter ela e todos que vieram aqui comigo.

Mike vem até nós cumprimentar Lucy. Eles se dão bem, talvez por ela se parecer tanto com Karen Wheeler. A proximidade dos dois é importante pra mim também, então os deixo conversar por um tempo e me concentro em receber algumas pessoas com Max ao meu lado.

A última convidada a chegar é Kali. Honestamente, eu não esperava que ela fosse vir aqui hoje, já que não a encontro pessoalmente desde a festa de boas vindas do Peter e eu lhe fiz o convite por mensagem no correio de voz.

Ela veio sozinha - o que não é uma surpresa – e deixou de lado a maquiagem pesada que costuma usar. É uma versão mais leve e suave dela mesma, o que me faz questionar o motivo dessa mudança.

- Ei, você veio! – eu digo, chamando sua atenção logo depois de vê-la entrar no consultório. Kali me dá um abraço e eu percebo agora que senti falta dela nos últimos dias, mas sei que precisava me distanciar um pouco. – Obrigada por vir.

- Claro que viria... Adorei sua foto ali na entrada.

- Oh, ideia do Mike. – digo, meio tímida. Mike colocou em mente que eu deveria ter uma série de fotos minhas, especialmente para a inauguração do consultório. – Ele passou um dia inteiro me fotografando... São mais de cinquenta fotos, se quiser ver algum dia.

- Ele parece animado... – Kali me diz, apontando pra Mike, que está entretido numa conversa com Lucy e Will. – Fico feliz por vocês.

- É, ele está muito animado... Obrigada. – percebo que ela ainda parece um pouco sem jeito aqui, então penso em como deixa-la menos desconfortável. – Quer conhecer o espaço?

Kali aceita de primeira e eu cruzo nossos braços enquanto vou apresentando o consultório, a sala de atendimento às crianças, a sala de atendimento aos adolescentes, a sala de espera... Will fez um trabalho impecável. Penso, agora, que talvez a animação de Mike para essa inauguração tenho algo a ver com o resultado final ser praticamente como planejamos há alguns anos, antes de nos separarmos.

Ela escolhe ir para a sacada do prédio, que tem uma vista bonita para o centro de Chicago. Ficamos olhando o movimento das ruas enquanto toca Crash Into Me, de Dave Matthews Band (provavelmente Dustin colocou essa música).

Observo Kali por alguns instantes, tentando entender o que se passa na mente dela agora. Houve uma mudança e eu percebi isso na festinha de Peter, mas não consigo pensar no que aconteceu e nem quero me aprofundar nos pensamentos a ponto de chegar em uma pessoa, justamente a que não quero pensar durante essa noite.

- Estou orgulhosa de você, El. Sempre estive, na verdade. – sua voz é baixa e ela fixa o olhar na sua taça de champanhe, que já está pela metade. – Parabéns por tudo o que conquistou... As vezes eu penso que quero ser um pouco como você.

- Não diga isso, Kali... Que loucura! – digo meio indignada. – Queria que você se visse como eu te vejo...

- Desculpe, eu me vejo bem, El. É só... Você me inspira a ser uma pessoa melhor. - ela me responde enquanto bebe um pouco de champanhe. – Eu cheguei muito antes, vocês só não puderam me ver. Não me leve a mal, por favor, só queria me sentir confortável com todas essas pessoas e-

- Se sentir confortável se escondendo deles? – estou irritada com a atitude dela, não vou mentir. – Você sabe que não precisa disso.

- Eu sei, pare de dar sermão... Olha, há alguns meses eu fiz uma merda e fui detida, coisa boba, infração no trânsito, mas já foi resolvido... Enfim, comecei a pensar melhor sobre o que faço da vida. Estou tentando mudar pra melhor...

Eu sei que essa “infração de trânsito” está relacionada à prisão dela em abril e Owens tirando-a da cadeia horas depois, mas prefiro não comentar sobre isso e espera-la terminar de falar.

- Quando cheguei aqui, vi você e Mike juntos e fiquei pensando sobre a conexão entre vocês dois... Pensei “Qual a sensação de ter alguém assim?”. Eu vi vocês e descobri hoje que eu estou apaixonada também e eu quero essa pessoa comigo, sabe? Alguém do meu lado. Talvez porque eu estou ficando velha? – ela sorri nessa parte, um sorriso largo. Não me lembro de ter visto esse sorriso alguma vez desde que nos conhecemos. Lhe dou um abraço de lado e um beijo no rosto.

- Você não está velha, pare com isso! Quarenta anos não é o fim do mundo e também não é tarde pra fazer o que quer que seja. Fico feliz por você, de verdade... Por quem você está apaixonada, hein? – guardo algumas mechas do seu cabelo atrás da orelha.

- Angela... – ela me diz com uma voz baixa, meio tímida. Espero que ela não se sinta estranha ou qualquer outra coisa do tipo por estar apaixonada por outra mulher. Eu meio que já imaginava que as duas eram mais que amigas que dividem um apartamento. Gostaria de conhecer Angela pessoalmente. – Já faz alguns meses que estamos namorando. Acho que a amo, mesmo. Você olha para o Mike do mesmo jeito que eu olho pra ela.

- Bom... então acho que você a ama muito. – ela sorri comigo e descansa a cabeça no meu ombro, enquanto eu beijo seu cabelo. – Quero conhece-la. Quer marcar um jantar ou algo assim? Eu, você, Angela... posso convidar Mike também?

- Me convidar pra onde? – Mike se aproxima de nós com alguns docinhos que estão sendo servidos na festa. Ele ainda está com um sorrisão estampado no rosto. – Oi, Kali.

- Oi, Mike. – penso por um instante que o clima pode ficar ruim entre os dois, mas isso não acontece, o que me surpreende. – Estávamos falando sobre te convidar para um jantar. Vocês dois e eu e minha namorada.

- Oh, você está namorando! – ele responde surpreso. - Legal. Parabéns! Adoraria conhece-la... Me avise o dia, estarei lá.

Eu fico entre eles, surpresa, mas feliz com o resultado. Sempre existiu uma tensão entre Mike e Kali, que só piorou depois de toda aquela merda há quase dois anos. Nunca achei que os veria em “paz” algum dia. Espero que continuem assim.

Max se junta a nós e jogamos um pouco de conversa fora até eu precisar deixa-los para discursar um pouco na inauguração. É tão estranho pra mim ser o centro das atenções, seja onde for. Pelo menos estou entre amigos. E Mike fez questão de ser o fotógrafo do evento (com certeza existem mais fotos minhas do que da festa em si).

Eu agradeço a todos que vieram aqui, todos que me ajudaram a construir esse espaço. Quando meu pai me adotou, pelo menos tive Owens para me ajudar a lidar com a mudança de ambiente e a compreender o que vivi naquele lugar. Acho que, mesmo tendo minhas suspeitas quanto a ele, sou grata pelo apoio que tive.

 Vivi meus piores momentos da vida adulta como quando perdi meu pai, minha autoconfiança, a pessoa que mais amo. Eu quase me permiti ser engolida pela dor de perder tudo o que tinha pra sempre, mas tive o privilégio de ter pessoas que me ajudaram a levantar.

Eu quero ajudar outras pessoas que viveram o que eu vivi também.

----------

Finalizamos a festa por volta das onze da noite, quando alguns dos meus colegas do trabalho e da escola de dança foram embora aos poucos, ficando apenas Kali, Mike e nossos amigos. Dustin se animou demais e colocou algumas músicas bobas, fazendo da sala principal uma pista de dança ou seja lá o que for. Mike está se divertindo muito com Max, Dustin e Will ao som de Dire Straits e uma música super velha, enquanto Lucas e Megan registram a cena num vídeo tosco.

Eu quase perco o fôlego de tanto rir da dancinha ridícula que Mike faz pra mim.

- Nunca pensei que Mike fosse divertido assim. – Kali diz ao meu lado e me dá um dos canapés que sobraram da festa. – Meu Deus...

Rimos juntas dos quatro tentando imitar os solos de guitarra de Sultans of Swing. Até eu estou surpresa com isso.

- Tivemos uma semana complicada... – Kali me olha preocupada, mas prefiro não explicar por completo o que aconteceu. Não hoje... – Algumas coisas – lembranças – do meu pai... E de Brenner, mas prefiro não comentar agora...

- Entendo... as vezes dá vontade de enterrar o passado, não é?

- O tempo todo... – concordo porque, se eu tivesse o poder de mudar meu passado inteiro, eu mudaria ou o apagaria tudo que antecede meu pai.

Kali não me responde porque Will vem até ela e a convida para dançar Careless Whisper, do George Michael. Ela tenta resistir, mas eu insisto que vá. De todos os meus amigos, o que mais se permitiu a ter uma possível amizade com Kali depois de 2006 foi Will. Mas entendo o motivo de Max, em especial, ainda se fechar para uma aproximação. Ela foi a primeira pessoa que Mike ligou quando me encontrou desacordada em casa, então ela nunca esqueceu o desespero dele naquele dia. Mike e Max são muito parecidos um com o outro.

Não escapei da dança quando Megan colocou Girls Just Wanna Have Fun. Tirei meus sapatos e fui até a pista improvisada, dancei com meus amigos, meu namorado e minha irmã por horas. Acho que não me sentia tão feliz assim há muitos anos, nunca sorri tanto.

É uma sensação avassaladora ver as pessoas que eu mais amo comigo agora, numa noite que representa meu recomeço depois de toda a merda que sucedeu da morte do meu pai. Claro, eu daria tudo pra tê-lo aqui também, mas sei que não posso.

Das grandes surpresas da minha vida, Mike e Kali se divertindo juntos ao som de Dancing With Myself foi o ápice da minha noite. Registro esse momento com minha câmera e meu coração.

Lembro dele me falando sobre pedi-lo em casamento quando nós dois estivermos felizes, pra que seja uma memória boa. Vou fazer o pedido essa noite, decido. Não tenho motivos esperar mais.

Canto pra ele o refrão de Time After Time em algum momento durante a festa, quando estamos abraçados e sozinhos na sacada, entre o calor dos lábios dele no meu pescoço e o vento frio de Chicago. A música é perfeita pra nós dois.

If you're lost, you can look and you will find me
Time after time
If you fall, I will catch you, I will be waiting
Time after time

A festa acaba bem tarde, em plena madrugada. Acho que o fato de termos todos passado dos trinta anos não nos permitiu virar a noite por aí em alguma festa ou barzinho da cidade, como fazíamos na época da faculdade. Mike e eu nos despedimos dos nossos amigos. E enquanto ele conversa algo com Will, aproveito para me despedir de Kali.

- Ei, você. – chamo sua atenção antes de deixa-la entrar em seu carro. – Você e Mike dançando juntos, quem diria...

- Eu estou bêbada e ele está menos insuportável hoje... – mentirosa, penso. Sei que ela está brincando e sorrio enquanto aceito seu abraço. – Parabéns, El. Amo você.

- Também te amo.

Ficamos juntas por alguns segundos e eu noto que há algo intrigante no olhar dela, como se ela estivesse tentando encontrar algo em mim.

- Lembre-se sempre de quem você é. Melhora um pouco quando você se aceita... O que temos é especial, não o deixe ser dono do que há de especial em você, irmã. Não há nada de errado conosco.

Aceito seu carinho antes de vê-la entrar em seu carro e partir. Aceito, também, seu conselho. Talvez eu consiga viva melhor se aceitar que meu sou e não deixar que ele seja dono de mim.

-----------------

Resolvo dirigir essa noite, mas não de volta pra casa. Prefiro levar Mike comigo para a praia.

Já é madrugada em Chicago, a praia está vazia e a única iluminação que temos vem das ruas e da lua cheia.

Mike ainda está animado e me puxa para um banho na água fria do mar de Chicago. Aproveitamos mais alguns minutos juntos, atirando areia um no outro como se fôssemos adolescentes, correndo pela praia, observando a lua...

- Mike... – ele para de limpar as conchas que encontrou e volta sua atenção pra mim. – É possível outros espaços coexistirem com o nosso?

- Talvez... Não foi comprovado ainda.

- Mas você acredita nisso?

- Acho que sim... Não somos tão especiais assim para sermos os únicos no universo. Por que pergunta?

- Besteira... Só pensei que se existirem outras realidades, espero ter pelo menos conhecido você em cada uma delas.

- Romântico... – ele faz graça do meu comentário apenas. – Também espero.

- Você está feliz hoje?

- Sim, muito. – nós dois estamos completamente encharcados por causa do banho de mar e ele carrega um olhar de curiosidade e inocência. Eu quero ver esse olhar pra sempre.

- Que bom... – digo, enquanto me aproximo dele o suficiente para sentar ao seu lado na areia da praia. – Faz um tempo que eu quero te perguntar uma coisa, acho que agora é hora, não é?

- Acho que agora é uma boa hora... – ele segura minha mão esquerda na sua e passa o dedo sobre o meu anel de compromisso, enquanto eu afasto um pouco do cabelo molhado que está em sua testa.

- Mike Wheeler... – ele finge uma cara de surpreso quando falo seu nome e nós dois rimos juntos. - você gostaria de casar e passar a sua vida inteira comigo?

- Sim. Em todas as realidades.


Notas Finais


opa, esse capítulo encerra a primeira fase. deixei várias dicas do que vai se desenrolar na estória daqui pra frente... quem pegar, pegou! :P

amadas, muuuuito obrigada por acompanharem essa loucura que eu inventei de fazer no início do ano. eu só queria exercitar a mente e finalmente colocar pra funcionar alguma ideia que tive. obrigadãããooo pelos comentários <3

bjks e nos vemos outras vezes :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...