1. Spirit Fanfics >
  2. Tenha-me, Agora e Sempre >
  3. Prólogo: Cross Academy

História Tenha-me, Agora e Sempre - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Fanfic reescrita com a ajuda da @SerenyUsagi 💞

Capítulo 1 - Prólogo: Cross Academy


Fanfic / Fanfiction Tenha-me, Agora e Sempre - Capítulo 1 - Prólogo: Cross Academy

De uma maneira discreta, pelo canto de seus olhos, o ancestral sangue puro encarou a sua suposta noiva – já que ambos ainda não tinham colocado a limpo se realmente se casariam ou não –, a princesa Kuran. Yuuki Kuran.

Sempre que se tratava dela, seu olhar era bobo e as vezes tinha que se conter para não sorrir na presença da princesa. A sua “noiva” tinha longos cabelos castanhos levemente avermelhados – num tom quase imperceptível – que chegavam até a sua cintura fina. Os olhos dela eram num tom castanho chocolate e viviam sempre com um brilho único que o encantava. Junto daquele sorriso enorme que mostrava os seus dentes perfeitamente brancos que era capaz de animar o seu dia.

Yuuki, desde que se tornara uma Kuran, usava sempre roupas mais elegantes e sofisticadas. Dessa vez, a mesma trajava um vestido branco soltinho um pouco acima do joelho com mangas longas de renda, nos pés, um par de botas cano curto da mesma cor que o vestido e saltos pequenos. Deixando-a um pouco mais alta do que apenas os seus 1,52 centímetros de altura. Também usava o anel delicado que um dia já fora de sua mãe e um colar que ganhara de presente do ancestral. Os lábios sorridentes estavam pintados num rosa claro, dando um ar mais adorável para a princesa cujo tinha as bochechas antes pálidas, coradas.

Tudo nela o encantava de uma forma indescritível. A amava mais que tudo nesse mundo e sentia dor e receio por estarem voltando para aquele lugar. Onde certamente encontrariam aquele ex-level E, o antigo rival amoroso de Kaname. O vampiro tinha receio que ela sentisse amor novamente pelo homem de madeixas prateadas assim que o visse. Afinal, faziam alguns anos que não tiveram nenhum contato depois que foram embora do colégio, Yuuki recém tinha completado 20 anos de idade e estava aproveitando bastante a vida de herdeira sangue puro da família Kuran, embora as vezes chorasse bastante por ter que beber sangue – já que as cápsulas não estavam surtindo muito efeito nela e, Kaname não queria que ela as bebesse enquanto ele estivesse a sua disposição – e ele sentia dor em ver toda a saudade que a sua amada sentia em ser humana. Ela queria voltar para aquela época sem preocupações, sem que fosse vampira para que pudesse aproveitar mais da liberdade que tinha, coisa que como vampira ela não tinha.

Até andar parecia ser diferente sendo vampira. Ela preferia ser humana, sem dúvidas. E Kaname sofria por ter tirado toda a liberdade que ela tinha, mesmo que não tivesse escolha na época. Ainda sim ele almejou ter a Yuuki Kuran de volta, mesmo que também amasse a Yuuki Kurosu.

— Kaname... – a voz doce da sua princesa ecoou pelos seus ouvidos, o fazendo parar de a admirar e voltar a prestar atenção. Onde Aidou e Ruka brigavam bravamente para ver quem levaria as malas de Yuuki, estavam fazendo isso há longas horas, chegando a ser irritante — Eu estou muito feliz de saber que eu vou ver o dire... Kaien novamente! – o sorriso, antes animado da menina, tornou-se doce e gentil. Sem mais mostrar os seus dentes brancos, todavia sem deixar de ser encantador — E também o Zero. Faz tempo que não nos vemos.

E era aquilo que ele mais temia.

Sabia que o Kiryuu era fraco quando se tratava da princesa Kuran, por mais que ele tente se manter afastado dela por ela ser uma vampira. Não adiantava muito, já que agora ele também era um deles, por mais que se recusasse a admitir e tentasse voltar a trabalhar como caçador. O que seria bastante irônico se não fosse trágico: um vampiro caçando e matando outros vampiros por beberem sangue, sendo que ele também necessita do mesmo alimento para sobreviver. Era tolo, Zero não passava de um tolo aos olhos do ancestral.

— Sim... – apenas concordou. Não era um homem de muitas palavras e não sabia muito como deveria responder ela. Sabia que se esforçasse um pouco mais, sairia num tom grosso pois o último lugar que ele queria estar, era ali. Na casa de Kaien, próxima ao colégio que um dia estudaram.

O casal se aproximou até a porta da casa do homem, que quando abriu Yuuki deu alguns passinhos para trás quando percebeu que seria abraçada. O Kuran revirou os olhos ao ver o caçador de vampiros – aposentado há alguns anos para que tivesse aquela escola, agora tinha voltado a trabalhar naquela associação, caçando apenas Level’s E agora– caiu no chão, choramingando o quanto que a filha adotiva dele era cruel. Quando ele se levantou, rápido, consegui finalmente abraçar o corpo pequeno da princesa com força, até lhe faltar ar nos pulmões.

— Dire... Papai! Estou ficando sem ar... – Yuuki reclamou enquanto tentava se afastar. Não negava que tinha sentido saudades do homem meloso a sua frente, que nem parecia ser o chefe da Vampire Hunters Association e com mais de 200 anos mesmo sendo um humano, a quantidade de genes de um vampiro em seu corpo era alta de uma maneira anormal, fazendo o homem parecer ter apenas os seus 20 anos de idade.

Logo, o homem de longos cabelos loiros – cujo estavam amarrados em um rabo de cavalo bagunçado com algumas mechas na frente – e com olhos castanhos claros, cobertos com um óculos de grau baixo e usando as suas costumeiras roupas esquisitas e um avental cor de rosa.

— Cuidou direito da minha filha, Kaname-kun? – indagou o caçador enquanto olhava para o sangue puro — Se não tiver cuidado... Ou a feito chorar... Nunca te perdoarei!

— Papai! – exclamou a princesa, constrangida. Agora ela não tinha apenas 15 anos e não era necessário tanta preocupação por parte dele.

— Por que nos chamou aqui? – Kaname perguntou, sendo direto como sempre e evitando aquela cena constrangedora cujo estava acostumado desde que entregou Yuuki nas mãos do caçador.

— Ah, vamos entrar, eu preparei um chá para a gente conversar. Zero-kun já estava quase me matando por ter que os esperar para iniciar o assunto... – fungou, enchendo os olhos claros com lágrimas e fazendo um bico — Que tipo de filhos eu fui ter? Um finge que eu nem existo desde que eu adorei e a outra desde que foi embora não manteve contato comigo! – dramatizou enquanto entrava na casa, fazendo o casal entrar logo depois dele. Kaname fechou a porta e continuou inexpressivo, embora sentisse um pouco de raiva ao ver a cabeleira platinada de outro homem, encostado na parede.

— Zero... – Yuuki o cumprimentou enquanto se sentava no sofá.

— Yuuki... – acenou de leve com a cabeça, sem olhar a vampira nos olhos enquanto o ancestral nem se deu o trabalho de encara-lo de volta.

Kaien deu uma xícara de chá que fumegava para a princesa, quando iria servir para os vampiros ali presentes, os mesmos recusaram. Tinham apenas um único interesse: saber o que faziam ali. Ruka e Aidou entraram logo depois, cada um segurando um lado da mala pequena de Yuuki. Os dois aceitaram beber um pouco de chá e então o caçador – antes aposentado – começou a falar:

— Vamos voltar com a Cross Academy. E eu preciso de vocês três. – olhou para Yuuki, Zero e Kaname, que não responderam de imediato, esperando que ele continue — A associação de caçadores descobriu recentemente que existe outros seres sobrenaturais além de vampiros e localizados em todas as partes do mundo. Como eles sabiam que nós... – olhou para o sangue puro – Construímos uma escola a pró da paz entre humanos em vampiros, querem que tentemos novamente com essas outras raças para ver se são um risco á humanidade e se devemos abrir outras associações para caça-los igual fizemos ao descobrirmos que vampiros são uma ameaça para os humanos.

— Outras raças? Que interessante, diretor! – Yuuki sorriu, animada.

— É “papai”, Yuuki... – choramingou.

— E o que nós três temos a ver com isso? – Zero indagou curioso.

— São os únicos em quem eu confio. Na turma noturna, tínhamos o Kaname que ficava de olho nos vampiros caso passassem da linha. Na turma diurna tínhamos você e a Yuuki para controlar os humanos para que não invadissem muito o espaço de um vampiro para que não pudessem se ferir. Vocês basicamente vão fazer a mesma coisa, já que facilmente se parecem adolescentes... – bebericou um pouco do chá que tinha em sua xícara de porcelana — E a Yuuki precisa terminar os estudos já que parou com eles aos 15 anos.

— Ei! Aidou-senpai me ajudou bastante! – reclamou a princesa.

— Verdade! – disse orgulhoso — Embora ela não seja inteligente, foi bastante complicado... – desviou o olhar, Kaname o encarou e no mesmo instante, o louro ficou pálido — Sinto muito, Yuuki-sama! – Ruka deu uma risadinha discreta pela situação que Aidou tinha se metido pela sinceridade. Não acreditava que mesmo após anos, ele não tinha aprendido que Yuuki agora não era mais aquela humana simples e sim a herdeira legítima da família Kuran.

— E eu também achei algo que seria bastante útil para Kaname-kun. – Kaien continuou, atraindo o olhar do ancestral novamente para si — Descobri que o seu tio, Rido Kuran, não está de fato morto mas não temos pistas exatas de onde procura-lo. – Yuuki abaixou a cabeça e tremeu um pouco, seu tio era uma pessoa horrível que tinha tentado sugar todo o seu sangue, igual fez com a sua mãe, para que tivesse mais poder. Saber que ele poderia voltar a qualquer momento, tirava a sua tranquilidade — Todavia, soube que ele tem uma herdeira.

— Sim, o nosso primo. Shiki, né? – Yuuki comentou, ainda de cabeça baixa.

— Não... – negou com a cabeça, suspirando baixo ao ver o estado que a sua filha ficou — Ele tem uma filha cujo nasceu na capital da Inglaterra.

— Que é onde mesmo...? – Yuuki questionou risonha, nervosa. Tremeu ao sentir a aura furiosa de Aidou atrás de si.

— Eu te ensinei... – reclamou o loiro.

— Acho que foi um péssimo professor – Ruka deu uma risadinha debochada. Aidou conteve a vontade de dizer que Yuuki quem era uma péssima aluna e péssima futura líder. Teria dito se ela não fosse a queridinha do seu líder.

— A suposta filha de Rido, nasceu em Londres – Zero revirou os olhos, falando como se fosse o óbvio.

— Por isso nunca soubemos dela... – Kaname murmurou mais para si mesmo e massageou as têmporas, prevendo a dor de cabeça que daria.

 — Acha que o nosso tio pode estar em Londres? – questionou a princesa, tentando ignorar o olhar matador de Aidou.

— Não é isso... – riu, nervoso. Temendo o que Kaname acharia — Convidei-a para a nossa escola, ela não é uma simples vampira e acho que seria interessante observar o que ela é capaz de fazer, Rido uma vez possuiu o corpo do próprio filho, temos que estar em alerta sabendo que ele está vivo e trazer a filha dele para o nosso lado. – Kaien suspirou e desviou o olhar — Ela vai chegar de viagem hoje e vai vir direto, como eu pedi... Inclusive... Sara Shirabuki também vira hoje... – bebeu mais um pouco do chá, tentando ignorar ao máximo o seu olhar com o do sangue puro, sabia que ele estava raivoso com a ideia de ver aquela loira novamente — Enfim, alguns alunos irão chegar hoje. Eu terminarei de organizar algumas papeladas a parte e verificar a ficha de alguns estudantes. Zero irá cuidar novamente da turma diurna enquanto a Yuuki e Kaname-kun cuidarão da turma noturna.

— Como vemos... Não temos muita escolha... – Zero arqueou uma sobrancelha.

— Se quiser... Eu te coloco na turma noturna com outros vampiros, Zero-kun – Kaien abriu um pequeno sorriso, recebendo como resposta apenas um “tsc” — Além das duas, outros alunos chegarão hoje para conhecer melhor a escola e as regras. Então, Zero pode ir para a ala da turma diurna e Kaname-kun e Yuuki para a ala noturna.

Os três concordaram e começaram a andar. Zero mudou o rumo para o dormitório diurno enquanto Aidou, Ruka, Yuuki e Kaname se dirigiam para o dormitório noturno. a princesa foi ajeitar o quarto que queria com a ajuda da vampira loira, enquanto Aidou ficou largado no sofá da sala – os dormitórios tinham uma sala, uma cozinha e vários quartos, cada um com um banheiro dentro. Kaname foi direto para o escritório que tinha antes de sair e já percebeu uma pequena pilha de papeladas com as fichas de cada aluno que iria comparecer na sua aula.

Ficou surpreso por ver alguns vampiros e lobos. Pensou que Kaien estivesse brincando, pois ele adorava ser diretor. Viu uma outra ficha, a última. Era de uma garota, mas na parte da raça tinha apenas pontos de interrogação. Pelo sobrenome ser “Kuran”, julgou que fosse a suposta filha do seu “tio”.

Guardou as fichas de cada aluno e voltou para sala, vendo Aidou jogando algum joguinho de celular. Se sentou ao lado dele com um livro em mãos, leu apenas um capítulo quando ouviram a porta da frente se abrir, atraindo a atenção dos dois vampiros que esperaram a pessoa passar pelo hall de entrada e chegar na sala. Quando entrou, perceberam que era uma vampira de longos cabelos negros um pouco abaixo do quadril, era pálida e tinha olhos azuis celestes. A mesma usava uma camiseta de mangas longas branca sem estampa e uma saia azul rodada, também usava botas cano curto brancas com salto. E segurava uma bolsa pequena bege. Era a garota da ficha, a filha de Kuran Rido.

































Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...