História Tentação - Gruvia - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Gray Fullbuster, Juvia Lockser
Tags Dirty Talking, Fairy Tail, Gray, Gruvia, Hentai
Visualizações 101
Palavras 4.139
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoas bonitas! Vcs sabem que dia é hoje? Sexta-feira! Dia de cair na farra! Bem, pelo menos é isso que muita gente queria fazer. Mas querer não é poder.
Pra os que estão sozinhos e não vão poder sair, eu trago algo pra se divertirem. ^^

Existem duas versões desse capitulo. Essencialmente as duas são as mesmas, mas existem pequenas diferenças.
Essa primeira é a versão "limpa". O que isso significa? Essa versão é mais normal, sem muito descrição de cenas ou termos muito chulos ou pornográficos.
Já a segunda versão é a versão "suja". Ela puxa mais pra o lado porno sem qualquer tipo de vergonha.

A razão de eu ter feito isso é que cada pessoa gosta de historias hentai de um jeito diferente. Uns gostam daquele pornozão e outros de uma coisa mais leve, por assim dizer.

Leia a que mais lhe agradar e se divirtam! Espero que gostem.^^

Capítulo 2 - Tentação - Fim. (Clean)


A mão que subiu suave e vagarosa pelo seu braço e chegou ao seu queixo, a fez suspirar. Ao ver o rosto dele se aproximar para um beijo, respirou fundo e fechou os olhos. Quando sentiu os lábios dele tocando os seus, derreteu-se completamente por dentro. Seu gosto era sem igual, melhor do que qualquer coisa que havia experimentado na vida.

Foi algo breve, curto demais na opinião dela. Ela queria mais. Queria um beijo mais profundo e longo, daqueles que a deixam ofegante.

— Juvia.

A voz suave do homem era o prenúncio de que algo mais estava por vir. A mulher só não esperava que fosse aquilo.

Gray a jogou de forma brusca contra a parede. Ele pegou seus dois braços da mulher, os levantou acima da cabeça dela e, com apenas uma das mãos, segurou os dois pulsos.

Juvia novamente ficou sem qualquer tipo de reação. Ela não esperava aquela atitude do seu Gray-sama. O olhar que antes era enigmático e atraente, agora exalava algo mais ardente e selvagem.

Ela o preferia daquele jeito ou do anterior? O pulsar que sentiu entre as pernas respondeu a pergunta. Não havia dúvidas de que queria essa Gray mais selvagem.

Uma das mãos do homem alisou sua coxa pela abertura do vestido. Os dedos subiram de forma lasciva pela lateral e, sem cerimônia alguma, agarrou seu seio. Ao mesmo tempo, o rosto dele desceu para beijar seu pescoço.

A azulada soltou uma longa arfada. tentava se segurar como podia. As pernas vacilavam e pareciam querer desabar ante as carícias deliciosas daquele homem. A mão grande apertava e massageava seu peito e o hálito gelado no seu pescoço fazia um friozinho gostoso correr seu corpo.

Ainda segurando os seus pulsos com uma das mãos, a mulher sentiu a outra mão largar a sua mama e ir até a gola de seu vestido.

O que aconteceu em seguida fez a azulada soltar um gritinho de susto. Os olhos se arregalaram e o coração acelerou como uma lamborghini tamanha foi a surpresa.

O moreno rasgou no meio o seu vestido de cima abaixo em um único e violento movimento, deixando a mulher apenas de calcinha, sutiã e botas.

Junto com um frio de ansiedade na barriga, Juvia sentiu algo mais. Era uma sensação em que não precisava ser um gênio pra entender. Ela estava com tesão!

E que tesão!

Não precisa nem encostar na calcinha pra perceber que ela estava molhada.

Gray tirou alguns segundos pra admirar aquela mulher com corpo de deusa a sua frente. A face estava corada, a boca entreaberta e os olhos brilhavam mesmo com a pouca luz. Ela não era o tipo atlética que tem os músculos definidos, ainda assim ele a achou maravilhosa. É claro que ele não deixou de notar os seios fartos que a enchiam o bojo do sutiã roxo.

Aquilo deixaria qualquer homem louco. E Gray não era exceção.

Quase que num extinto, o homem largou os pulsos da mulher e, agora com as mãos livres, as encheu com as mamas e apertou por cima do tecido. Com os polegares, passeou pela região do mamilos.

O jeito como a maga reagiu, soltando um gostoso gemido abafado, deixou Gray atiçado pra seguir em frente sem qualquer pudor.

Gray segurou pela lateral o pescoço de Juvia de forma possessiva com uma mão e, com a outra, agarrou a bunda da mulher. Ele deu um tapa nádega, leve o suficiente para não machucar, mas forte o bastante para fazê-la dar um pulo e soltar um gritinho.

O moreno então agarrou, levantou uma das coxas da mulher e a posicionou na cintura dele. Com habilidade, a beijou e começou a se insinuar na intimidade dela.

A maga controladora de água não demonstrou qualquer resistência e deixou a língua do homem invadir sua boca. A mão que a segurava pelo pescoço, foi para a nuca e o beijo ficou mais intenso. Quando Gray mexeu os quadris e começou a simular um movimento de penetração, Juvia não soube explicar como não enlouqueceu com o volume massivo sendo esfregando próximo a sua entrada. Ela adorou o fato de seu amado estar sendo tão passional daquele jeito. Parecia que Gray finalmente estava agindo como ela queria.

Juvia queria que Gray a dominasse. Completamente.

Os lábios se separam e a azulada imediatamente puxou uma lufada ar para os seus pulmões. Ela precisava de uns segundos para recuperar o fôlego.

Gray no entanto, tinha outros planos. Eles estava alucinado com aquela mulher gostosa a sua frente. Eles queria senti-la de todas as maneiras possíveis.

O mago do gelo primeiro largou a coxa da mulher. Agora com a mão livre, abaixou o bojo do sutiã e sem qualquer cerimônia abocanhou o seio volumoso da mulher e chupou. Primeiro encheu a boca com o monte macio e depois deu atenção somente mamilo intumescido.

Juvia soltou um gemido baixo e sentiu o corpo tremular assim que Gray tocou seu seio com sua boca quente. Afoito, ele continuou mamando a ponto de fazê-la virar o rosto para o alto.

No outro seio, ele se aproximou de uma forma diferente. Quando abaixou o bojo e começou a lentamente passar língua pelo monte, Juvia sentiu como se uma pedra de gelo estivesse tocando sua pele.

A língua fazia movimentos circulares, deixava uma trilha molhada em volta do mamilo rosado, que aquela altura do campeonato já estava ereto. Quando Gray deu uma lambida de cima pra baixo, Juvia tremeu e gemeu de prazer com o friozinho gostoso que sentiu no bico do peito.

Sem muita pressa, o moreno usou os lábios para estimular o ponto sensível no centro da mama. Ao mesmo tempo, sua mão desceu e passou pelo cós da calcinha em busca da intimidade da outra. Em seguida, deu uma mordida de leve no pontinho rosa no mesmo instante em que passava seus dedos pelos lábios inferiores da mulher.

Juvia soltou um longo suspiro e jogou a cabeça para trás.

Gray ficou fascinado com a reação da mulher. Ao encostar na entrada de Juvia e perceber o quão molhados ficaram seus dedos, sentiu a calça ficar mais apertada ainda na região da virilha e soltou um grunhido por causa disso.

Ele largou o seio, subiu o rosto e voltou a beijar a mulher da forma mais intensa que conseguiu. Enquanto isso os dedos continuavam a se mexer entre as pernas da azulada.

Juvia se deixou levar pelo tratamento divino que vinha recebendo. Gray parecia conhecer seu corpo como a palma da própria mão. Bastava ele lhe tocar, onde quer que fosse, e imediatamente começava a sentir um formigamento gostoso se espalhar pela pele.

E naquele momento, ele estava lhe tocando na melhor das partes.

Gray largou os lábios da maga e começou a beijar-lhe o rosto e o pescoço. Um perfume suave invadia suas narinas e o deixava louco, com uma necessidade incontrolável de sentir o gosto daquela diva. Cada gemido que ela soltava, sentia o membro latejar dentro das calças.

Aquela mulher era viciante e perigosa demais pra sua sanidade.

Sanidade? Que ela vá pra o inferno junto com o seu plano!

Gray voltou suas atenções para os gloriosos seios da azulada. Ele chupou o bico rosado com afinco ao mesmo tempo em que fez dois dedos entrarem na vagina da mulher.

— Hummmm - o Fullbuster ouviu o gemido acompanhado de um pequeno tremor.

Sem delongas, começou a fazer o indicador e o médio entrarem e saírem do buraco úmido. Já o polegar, começou a se esfregando de leve no clitóris.

Juvia mordeu o lábio inferior na tentativa de abafar o gemido.

Quando Gray trocou de seio e passou a morder seu mamilo como fizera anteriormente, e a botar mais pressão no seu clitóris, ela sabia que seria vão resistir por muito tempo.  Após algumas chupadas e uns esfregões a mais, sentiu um prazeroso e forte arrepio que chegou até mesmo fazer suas pernas trepidarem. De de sua boca saiu um longo choramingo de puro prazer.

— Oooooohhhhhhh!

Ela nem sabe mesmo o motivo de ter resistido. Talvez fosse porque queria que aquela sensação gostosa durasse mais. Nunca havia gozado com tamanho facilidade e rapidez.

Seu Gray era realmente um homem fantástico! E a melhor parte era que sabia que aquilo era só o começo.

Ver aquela mulher ter um orgasmo bem na sua frente, foi o suficiente para atiçar mais ainda o sexo do homem. Ela estava com uma cara de quem acabará de ter uma experiência maravilhoso. E de fato ela teve.

Mas foi então que ele se lembrou do seu plano.

Não era para ela estar aproveitando aquilo. Ele deveria ser o mais idiota e cuzão possível. Deveria ser um homem horrível que só se preocupa com próprio prazer. Assim sendo, Juvia veria que não valeria a pena se relacionar com ele.

O problema foi que ele não conseguiu resistir. Parecia que a maldita tinha colocado um feitiço nele. Ele queria sentir o gosto dela, qual a sensação de estar junto a ela em um momento de total plenitude.

"Que merda!"

Algo precisava ser feito por parte dele. Algo sério que imediato. Ele sabia o que deveria fazer, só achou que teria que chegar aquele ponto.

Respirando fundo, Gray se decidiu. Faria o que tinha que fazer!

O homem pegou a mulher pelo braço e a levou até a sala. Lá, ele a jogou de maneira rude no sofá do recinto.

— Gray-sama? - Perguntou confusa.

— Silêncio! - Exigiu com um trovejar - a partir de agora você só irá falar se eu lhe der permissão.

Por alguma razão, Juvia sentiu a intimidade piscar com aquela voz grave do mago.

Ô, ela ia gostar daquilo! Ô se ia!

Gray se ajoelhou aos pés do sofá, mais ou menos entre as pernas da mulher e, sem qualquer tipo de aviso, arrancou a calcinha dela.

Segurando-a pelos calcanhares, a puxou para fora do sofá, de modo a ficar com a cabeça no encosto, as costas no assento e cintura quase fora do móvel.

Sem largar a perna da mulher, Gray as abriu e a fez dobrar os joelhos contra o próprio corpo. Como resultado, Juvia ficou a intimidade em toda sua glória exposta bem na cara do mago; que não resistiu a tentação e caiu de boca nela.

Que o plano se foda novamente! Precisava sentir o gosto daquela mulher!

Ele deu uma lambida bem lenta nas dobras e sentiu até um arrepio ao provar o gosto dela.

— Gostosa… - disse baixinho.

Sua língua e lábios bailaram em uma dança erótica que pouco a pouco tirava a sanidade da mulher. Ele ia de lado para o outro, sorvia o líquido que não parava de escorrer, chupava, descia e subia pela vulva. Em determinado momento, enrijeceu a língua e fez leves movimentos de entra e sai na entrada da Lockser.

Aquilo foi tão intenso para a mulher que Gray conseguiu sentir os músculos dela se contraindo.

Juvia subia de elevador para o paraíso. A língua de Gray era mágica! Essa era a única explicação que tinha para ela ser tão deliciosa daquele jeito. Ela tinha um geladinho gostoso, fruto dos poderes dele, mas ao mesmo era também quente. Aquela disparidade criava uma sensação única e sublime.

Quando o homem tocou e lambeu seu clitóris com a ponta dessa língua maravilhosa, sentiu um o corpo sacudir de forma involuntária. E quando ele selou os lábios e começou a chupar o pontinho, um choque fez seu corpo ter espasmos insanamente deliciosos.

— Ahhhhhhhhhh! - Gemeu alto.

Novamente aquela sensação de derretimento por dentro tomou conta do seu ser. Depois de toda aquela euforia, era como se o corpo se transformasse em gelatina de tão molenga que ficava.

Gray largou as pernas da azulada e passou as costas das mãos na boca para limpar os lábios. Ele teve que admitir que ficou impressionado em como fez a azulada gozar. Novamente, aquele não foi seu objetivo, mas ele não conseguiu parar quando sentiu o gosto do mel daquela mulher maravilhosa.

Ele não estava pronto pra admitir, mas Lockser o estava deixando louco.

Louco de tesão! A ponto que sua ereção estava começando a ficar dolorida.

Com experiência de poucos, removeu todas as roupas em tempo recorde. Segurando a ainda mole Juvia pela cintura, ele a mudou de posição: pôs a jovem de joelhos no chão e cotovelos repousados no assento e sofá. Naquela posição o traseiro da mulher ficava virado na direção dele.

Gray começou tocar o membro ao ver aquela bela cena diante dele. A bundinha branca e maravilhosa empinada na sua direção. A intimidade estava aberta e convidativa, úmida e pingando, só esperando por pelo por ele.

E ele não tinha nenhum objetivo de deixá-la esperando.

Com uma das mãos Gray agarrou o bumbum da mulher e a outra usou para direcionar a cabeça do membro para a entrada de Juvia. Ele fez uma pequena encenação para deixa-la ansiosa. Fingia que ia entrar, mas nunca ia. A glande ficava só no começo, entrava alguns milímetros e depois voltava.

Foram longos segundos naquele chove, mas não molha. Juvia não sabia quanto mais poderia aguentar aquela tortura. Ela queria logo sentir o seu amado dentro dela.

— Graaayyy-sama. - Implorou.

O Fullbuster pareceu ter ouvido a suplica dela assim que sentiu as duas mãos másculas agarrem com firmeza suas nádegas. Finalmente ia acontecer. Porém, não foi do jeito que ela esperava.

Foi muito melhor!

— Hummmmmmm!

O membro entrou na sua gruta de uma só vez, em uma única e poderosa estocada que lhe deixou sem oxigênio. Ela deitou a cabeça no assento, cerrou os dentes e se tremeu toda. Se Gray não tivesse terminado o serviço e feito ela gozar com a língua instantes atrás, com toda certeza teria tido um orgasmo naquele momento. O mastro dele era avantajado, roliço, bem grosso. Ele a encheu completamente, preenchendo cada centímetro de sua intimidade.

Ela o sentiu sair por completo de dentro dela, somente para voltar instantes depois numa estocada parecida com a primeira. Um choque intenso pareceu atingir sua espinha dessa vez. Numa reação involuntária, ela agarrou e apertou a espuma do sofá.

Depois de da segunda, Gray passou a fazer um movimento de entra e sai bem lento, que era igualmente gostoso ao ato anterior.

Gray foi pegando mais confiança e aumentou o ritmo das estocadas. Suas mãos saíram da bunda da mulher e subiram pelas costas. Então as duas deslizaram e foram parar na parte frente do corpo da mulher, onde ele encontrou os seios fartos. O moreno não perdeu tempo e começou a massagea-los, ao mesmo tempo em que aproximava seus lábios do pé do ouvido da azulada.

— Fala meu nome que eu vou te fuder gostoso. - Sussurrou enquanto apertava e puxava levemente os mamilos da mulher.

— Ah! Oooh! Graaay-samaaaa... - Disse toda manhosa quando sentiu o hálito gelado gerar um calafrio.

Em determinado momento, o mago voltou a estocar na posição normal e, sem qualquer tipo de aviso, largou um sonoro tapa na bunda da mulher.

— Aaaaahhhhh!

Juvia gemeu, mas não reclamou, o que incentivou o homem a continuar.

O vai-e-vem continuou gostoso. Juvia adorou ficar de quatro e ter aquela pole entrando e saindo da região entre suas pernas. Gray metia com força, até o fundo. Ela sentia o mastro tocando-a em todas as partes e gerando um estímulo fantástico. E ela também não iria negar que estava adorando os tapas na bunda. Ardia era verdade, mas era gostoso.

A cada tapa desferido, Gray conseguia sentir a as paredes da mulher se contraindo e apertando sua ferramenta.

Ela estava gostando. E muito.

E ele também.

Aquela era a hora de fazer as coisas ficarem mais quentes e ousadas.

— Safada! - Gray deu outro tapa na nádega. — era isso que você queria, não era?

— Oooohhhh! - foi a única resposta da mulher.

— Eu lhe dei uma ordem. - O homem soltou mais dois tapas - Responda!

— Si-Si Ahhhh! Sim! Juvia- Ah! Ah! sempre quis isso!

Gray não parou. Ele pegou os fios azulados, os enrolou em uma das mãos como se fosse uma corda, e puxou contra o si. O mago ouviu a mulher soltar uma longa e prazerosa arfada.

— Sempre quis isso o que?

— Juvia -

— Responda! - deu outro puxão no cabelo da mulher enquanto a fodia e estapeava seu traseiro.

Juvia percebeu naquele momento que seu mais selvagem sonho estava se tornando realidade. Não bastava, ser fodida como um animal pelo seu amado, ele tinha que bater em seu bumbum, puxar seu cabelo até ficar com as costas arqueadas e toda tensa.

Ele tinha que domina-la. Era isso o que mais desejava.

— Juvia qu- Oh! Ooooh! Gr...Ah! Sama a foo- HUUMMM!

Gray ficou mais bruto ainda. Ele soltou as pontas do cabelo da mulher e decidiu agarra-los pela base. Ele encheu a mão com fios da nuca e forçou a mulher a ficar com rosto colado no assento do sofá.

— Eu não ouvi! - dessa vez ele agarrou e enterrou os dedos na carne da bunda.

— Hummmmm! Ahhhhh! Ah! - os gritos de Juvia saiam abafados por estar com a boca coberta.

Gray deu mais algumas estocadas como uma animal ensandecido, antes de puxar a cabeça da mulher para fora do assento.

— Responda, sua safada!

— Juvia Ah! Sempre quis ser Ah! Ah! Ah! fodida pelo Gray-sama!

— Então pede por mais! - O homem não ia negar o quanto estava gostando de ter Juvia completamente sob seu controle.

— Por fav- Ahhhh! Fod- ah! Juvia! Fode! Ohhh!

— Gostosa! Você agora é minha safada gostosa, Juvia. E eu vou te fuder todinha!

Deixar seu corpo totalmente a mercê do homem que amava foi uma experiência sem igual para a Juvia. Seu prazer maior estava em servir a ele. E sentir como ele tb estava gostando da experiência, fez ela se sentir realizada.

— Sim! Juvia é sua safadinha e de mais ninguém! Mete na Juvia! Fode a Juvia! Gray-sama! Fode a sua safadinha!

Algo forte foi crescendo no baixo ventre de Juvia. Era algo que não podia ser controlado. Algo que fazia seu corpo perder totalmente o controle, seu coração acelerar e a respiração ficar arrítmica.

Mais uma estocada em sua intimidade do seu homem maravilhoso e uma euforia começou tomou conta do seu corpo. Foi como uma explosão: rápida e devastadora. Por um momento seu corpo ficou tenso e então começou a tremer. Correntes elétricas de puro prazer carnal atravessavam seu corpo com violência. Ela gemia sem qualquer pudor. Era como se cada canto do seu corpo estivesse vibrando e isso a colocava em êxtase total. Parecia que aquilo nunca ia acabar. E sinceramente, se o mundo acabasse naquele momento, ela não ia ligar.

O homem teve que se segurar com todas as forças. Ver e sentir aquela mulher tendo um orgasmo fantástico daquele quase o fez ter o seu próprio. Ainda mais quando as paredes dela começaram a moer o seu membro.

A verdade, no entanto, é que ele queria ter chegado ao ápice junto com ela. Gray queria ter virado a mulher de frente, ter continuado a meter e a passar os dedos pelo seu clitóris até ouvir suas arfadas de puro êxtase. Ele queria vê-la tremendo, ver o prazer estampado no rosto enquanto a fazia ter um orgasmo arrebatador. E ele não ia parar, Ia continuar a penetração até ela arquear as costas e se desmanchar. Então ele iria urrar e chegar ao ápice junto com ela enquanto despejava todas suas sementes entre suas pernas.

Mas aquilo seria algo "normal." Ele precisava fazer algo que sabia que a Juvia não iria gostar e, assim sendo, nunca mais ia querer saber dele.

Foi com isso em mente que ele fez seu próximo ato.

Depois que puxou o membro para fora, Gray viu o traseiro da Lockser cair no chão. Ela estava com o rosto deitado no assento, toda mole, ainda sentindo os efeitos do orgasmo. Por isso ele conseguiu vira-la de frente com facilidade. Juvia estava com os olhos semicerrados, a face vermelha, descabelada e respirava pela boca, parecia estar em órbita.

Estava maravilhosa aos olhos de Gray.

Ele a pegou pelos cabelos que cobriam a testa e a fez inclinar a cabeça para trás.

— Abra a boca! - Ordenou e ela obedeceu.

O moreno começou a se masturbar de forma intensa.. A mão corria pela cabeça ainda banhada com os líquidos da mulher. Não demorou e ele sentiu ondas de prazer atravessarem seu membro sinalizando que seu orgasmo estava para irromper.

Apontando o mastro para o rosto da mulher, gozou fartamente em um urro primal.

O membro tremia, pulsava e expelia em abundância o líquido branco no rosto da mulher. Foram longos e prazeroso segundos até o homem terminar o seu ato.

Ofegante, Gray parou por alguns segundos para ver o que havia feito. Juvia agora estava com os olhos fechados, a boca aberta e língua pra fora como se esperasse por algo, mas o mais importante: com a cara com várias listras brancas.

"Pronto. Depois dessa acho que ela não vai querer mais saber de mim." Foi o que ele pensou.

Nunca esteve tão errado.

Juvia o surpreendeu avançado em direção ao seu mastro. Ela lambeu o líquido branco que escorreu pelo corpo cilíndrico. Em seguida subiu até a cabeça e então selou seus lábios nela. A mulher começou a mamar e chupar com vontade a glande rosada. em busca do gozo restante. Não satisfeita, fez todo o cilindro sumir na sua boca, até sentir a glande batendo na sua garganta.

Dessa vez foi Gray quem se tremeu todo. Ele rangeu os dentes e soltou um urro de incômodo e um pouco desespero. A glande ainda estava sensível por causa do gozo de instantes atrás. Quando Juvia deu uma chupada mais forte e começou a gemer com a boca cheia de seu membro, sentiu como se suas forças estivessem sendo sugadas juntas, tanto que suas pernas cambalearam.

E pelos deuses! Aquilo foi divino!

Com muito esforço, conseguiu separar Juvia do seu membro ou iria acabar tem um troço ali mesmo.

— Gray-samaaaa…

Com a respiração pesada, Gray viu Juvia de joelhos à sua frente, líquido viscoso escorrendo pelos cantos da boca e um olhar de quem está esperando algo mais.

"Pelos deuses! Essa mulher é maluca!" Ele pensou. Contudo, não ia negar que gostou da experiência.

Pra falar a verdade, gostou pra caralho!

— Juvia quer mais.

— O que?!

Gray não acreditou no que ouviu. Ele não foi nem um pouco gentil, bateu na bunda dela, meteu com força, puxou seus cabelos e no final gozou na sua cara. Certamente havia algum engano.

— O que você disse?

— Juvia quer mais.

— Como assim? - Gray ficou pasmo com a resposta — Você gostou do que eu fiz?

— Juvia amou cada segundo e mal pode esperar para repetir. Por favor, Gray-sama. Dê mais para Juvia.

O mago passou o palma da mão pelo rosto em sinal de frustração.

"Em que merda eu me meti. Não era assim que as coisas deveriam terminar."

Rapidamente procurando por uma solução, decidiu pela mais óbvia de todas pra fugir daquela situação.

— Eu tive um dia cansativo, Juvia. Preciso dormir. Não vai dar pra continuar. Você pode usar o banheiro para se lavar.

— Juvia não precisa.

Em um instante, água começou a correr pelo corpo da mulher. Todas as listras brancas, o suor e sujeira sumiram de seu corpo.

— Uma maga com domínio sobre a água. Gray rosnou.

Mesmo sob protestos, fez o mesmo com Gray. Assim que terminou, usou seus poderes para controlar, tirar e jogar pela janela o excesso de água da pele de ambos e do chão também.

— Você vai deixar Juvia dormir ao seu lado hoje, não vai? - Juvia envolveu os braços na cintura do homem, pousou a cabeça no peitoral largo e olhou pra cima.

Os olhos da mulher de repente ficaram grandes e transmitiam uma aura que pedia piedade. Era como se ela tivesse sido transformada em um cachorro de rua que implora para ser adotado.

Mas ao mesmo tempo, tinha algo mais. Um sentimento diferente que ele não soube identificar na hora.

O abraço de Juvia era caloroso e seu olhar, de alguma forma, depois de tudo que passaram naquela noite, pareceu ter derretido um pouco do gelo em volta do coração do mago.

Pela primeira vez não se sentiu desconfortável por sentir calor.

Talvez não fosse tão ruim ter aquela mulher ao seu lado.

— Venha. - ele a pegou pela mão. Vamos dormir juntos essa noite.

Juvia se encheu de uma alegria que era quase palpável.

— Mas só dessa vez. Não vá se acostumar.

Parecia que algumas coisas não iriam mudar nunca. Gray precisa manter sua pose de mal.

De qualquer forma, a felicidade da mulher não diminuiu. Aquela estava sendo a noite mais perfeita de sua vida até o momento. E Juvia aproveitaria cada segundo dela. Pois finalmente estava nos braços do seu amado.


Notas Finais


É isso pessoal! Espero que tenha gostando. Se gostaram, deixem aquele comentário. ^^
Existe um capitulo extra que será postado amanhã. Ele é bem curtinho e serve apenas pra completar essa fic.

Até a próxima e bjs! ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...