História Tentação (Fillie) - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Tags Caleb Mclaughlin, Fillie, Finn Wolfhard, Millie Bobby Brown, Romance, Sadie Sink
Visualizações 64
Palavras 2.006
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 24 - Vinte e dois


Capítulo vinte e dois...

Millie

Depois de deixar o vestido na casa de Sadie, colocamos roupas melhores e em seguida eu a levei para uma casa noturna como uma despedida de solteira. Perguntei se ela queria mais alguem lá, mas ela me disse que não e que, além de Caleb, eu era realmente a única pessoa que ela queria sair no momento. A discoteca não é tão chique como as que eu estou acostumada, escondido em um canto de um bairro degradado, mas a taxa de entrada era barata e eles têm por dois dólares tiros Jell-O. (tiros de gelatina)

— Você está bem? — Sadie fala sobre a crescente música alta cruzando as pernas enquanto ela gira para trás e para frente na banqueta. Ela tem em um vestido verde curto e seu cabelo é baixo e enrolado nas pontas. Ela continua recebendo textos de Caleb e cada um traz este olhar meloso para seus olhos que eu invejo e quero. — Você parece muito triste.

— Sim, eu estou bem. Por que não estaria? — Eu tenho um vestido branco e preto com as costas nua e que atinge acima dos meus joelhos, no meio. Parece muito chique, mas eu realmente comprei em uma loja de desconto.

Ela toma um gole de sua bebida, parecendo desconfortável. — Por causa de sua mãe?

Eu dou de ombros e tomo minha bebida frutada. Prometi a mim mesmo que não ia beber muito, mas eu estou andando em território perigoso agora, tendo o confronto com a minha mãe e para o fato de que eu não tenha ouvido falar de Finn desde que ocorreu a conversa estranha. — Sim, mas eu realmente não quero falar sobre isso se estiver tudo bem.

Sadie vira seu cabelo sobre os ombros e segura por causa dos ventiladores com a mão na frente do rosto. Não há ar condicionado dentro do clube e há muitas pessoas na área compacta. — Ok, o que você quer fazer, então? — Um sorriso diabólico aparece em seu rosto enquanto ela bate de volta o shot de Jell-O. —Falar sobre Finn? — Ela bate o copinho plástico para baixo em cima do balcão.

Eu balancei minha cabeça. Eu tenho tentado não pensar muito sobre Finn e o telefonema. Eu continuo a tentando dizer-me que ele, provavelmente, esta apenas tendo um momento difícil. Quero dizer, tem que ser difícil ver alguém que você gosta que não consiga lembrar-se de você em tudo.

— Eu não quero falar sobre ele também. — Eu digo a ela, mexendo minha bebida.

Sadie suga sua última bebida para baixo, engasga quando ela engole o álcool que se acumulou no fundo sob o gelo. — Por que não? Você não costumava ser tão fechada sobre caras. Na verdade, você me disse coisas sobre Romeo que eu realmente não queria ouvir.

— Finn é diferente de Romeo. — Eu dou de ombros, com lembranças do que aconteceu com Romeo, mas eu rapidamente afasto-as. — Além do mais... Eu não sei... Eu acho que talvez Finn e eu deveriamos ser apenas amigos.

Sua testa franze enquanto ela coloca o cotovelo no balcão. — Por quê?

— Eu não sei. — eu digo. — Eu me preocupo que ele pode não estar tão caido por mim como eu estou por ele.

Sadie reflete cuidadosamente sobre isso com um traço de um sorriso nos lábios e um olhar embriagado em seus olhos. — Você acha?

Eu inclino minha cabeça para o lado, estudando a expressão estranha em seu rosto. — Sabe de uma coisa, não é?

— Eu sei de um monte de coisas. — Ela gira em torno de seu banquinho então ela está de frente para a pista de dança lotada. — Como o fato de que Finn nunca falou sobre uma menina tão excessivamente até que você apareceu.

Eu giro em torno de meu banco, também, deixando o copo vazio sobre o balcão. — Quando ele já falou sobre mim?

Ela sorri, o brilho das luzes na pista de dança brilhando em seu rosto. — Pelo último mês. Caleb diz que não parou de falar sobre você.

— Ele provavelmente está dizendo que pé no saco que eu sou. — eu digo. — Eu tenho certeza que estou o deixando louco, vivendo com ele. — Além disso, todo o drama que eu trouxe para a sua vida.

— Ele tanto reclamou e se emocionou. — Ela comenta, fazendo um rosto exageradamente desmaiado e revira os olhos. — Quer parar de se preocupar? Jesus! Você nunca foi assim com os caras antes. Normalmente, você não dá à mínima.

— Eu não dou a mínima. — Eu minto, mas sai soando tão patético que eu desisto e digo a verdade. — Tudo bem, você sabe, você está certa. Eu me preocupo de como Finn se sente por mim, mas eu também não nunca me senti assim por um cara antes.

— Que jeito? — Ela pergunta com interesse, inclinando-se para que ela possa me ouvir sobre a música.

— Eu não posso dizer ainda, porque eu preciso dizer a ele em primeiro lugar. — Eu dou-lhe um sorriso indiferente. — Agora podemos, por favor, mudar de assunto talvez algo que não tem a ver comigo e com minha vida? — Eu bato minhas unhas no balcão. — Como talvez você pudesse me dizer por que você tinha os olhos marejados na minha casa.

Sua expressão cai quando ela respira fundo e, em seguida, balança a cabeça, ela pega a minha mão e me puxa para a pista de dança. —Vamos lá, vamos dançar e se divertir um pouco, — diz ela, dirigindo-nos no meio da multidão.

Sadie está agindo de forma estranha e eu me pergunto por que, mas eu decido deixar passar os nossos problemas e divertir. Eu rio quando eu tropeço nos meus saltos e empurro o meu caminho para o centro da pista de dança. Eu começei a balançar meus quadris e girando em círculos, aproveitando o momento, mas na parte de trás da minha cabeça tem algo que está em minha mente e continua crescendo que me enquieta. Finn. Eu não consigo parar de pensar nele. Nunca fui tão consumida por um cara antes. Nem mesmo com Jacob. Com Finn é muito diferente. Por um lado eu conheço ele mais do que qualquer outro cara que ja passou pela minha vida. Ele é um cara bom, doce, mesmo que ele finge ser o contrário. Ele esteve lá para mim, mais do que ninguém na minha vida. E se ele não me quer como eu quero que ele? Vou voltar para comprimidos? Eu não tenho certeza qual é a resposta para isso e é meio assustador. No entanto, há uma fina esperança. Eu não tenho que correr para os comprimidos de novo, mesmo quando eu estava na casa da minha mãe e sabia que tinha pleno acesso a eles.

Faz-me sentir uma espécie de forte e confiante. Sadie, de repente solta um grito ensurdecedor quando um cara corre atrás dela e envolve seus braços em volta de sua cintura. Quando ele balança em torno dela que eu vejo é Caleb, e ele está rindo enquanto ela tenta recuperar o fôlego. É a primeira vez que eu o vi desde que ele se mudou. Lembro-me de quão sexy eu pensei que Caleb era quando eu o conheci. Ele tinha esses olhos marcantes e pele negra. Seu lábio estava perfurado também e eu me lembro de pensar que eu nunca tinha beijado um cara com um anel de lábio antes e a idéia de fazê-lo, senti como se eu estaria fazendo algo impertinente, como se eu estivesse saido com um bad boy. Então eu vi como ele olhou para Sadie, o amor em ambos os olhos, embora Sadie não fosse admitir isso, e eu sabia que não havia nenhuma maneira de sair com Caleb e nunca seria capaz de fazer isso. Eu me lembro como eu estava chateada com isso, porque eu estava indo para casa e eu realmente senti a vontade de fazer alguma coisa com um cara que era diferente dos outros que sai. Então eu conheci Finn e eu me lembro de pensar o quão quente ele era e o quanto eu queria ficar com ele. Pensei em ficar bêbada, fazer sexo com ele e voltar para casa sentindo-me entorpecida e cheia. O problema era que Finn não era como os caras que eu normalmente saia e ele não iria dormir comigo. Ele insistiu que ele só estaria comigo como amigo.

— Olá, Millie. — Caleb sorri para mim e, em seguida, beija o pescoço de Sadie. — Como tem passado? — Ele pergunta entre salpicando Sadie com beijos.

Ela treme em seu toque. — Pare, faz cócegas! — Sadie protesta através de risos, mas posso dizer pela sua expressão que gosta.

Caleb dá mordidas em seu pescoço e ri quando seus olhos se fecham e ela protesta mais. Ele lhe dá um beijo suave, amoroso na bochecha e então seus olhos se concentrar em mim. — Você está bem, Millie, especialmente o cabelo. Eu gosto. — Caleb sempre teve esse jeito encantador sobre ele. Sadie disse que antes ele dormiu com um monte de meninas e eu posso ver o por que. Ainda assim, Finn também e ele não é nada encantador. Na verdade, ele é muito franco na maioria das vezes e eu acho que pode ser sexy, também, uma vez que funcionou comigo.

— Obrigada. — Eu grito para fora sobre a música quando eu toco as pontas dos meus cabelos. —Foi um corte de impulso.

Ele pisca para mim. —Um bom corte de impulso. Ele funciona em você.

Eu sorrio, olhando para Sadie enquanto fica com este olhar estranho em seu rosto, sem olhar para mim, mas por cima do meu ombro.

— Você poderia suavizar o seu charme, cara. — A voz de Finn, se levanta sobre o meu ombro e no segundo que o som toca meus ouvidos, calor, dúvida e emoção correm pelo meu corpo. — Sério, você não pode desligá-lo por uns dois segundos? É ridículo.

— Eu não estou fazendo nada. — Caleb responde em um tom inocente. — Além de dar-lhe um elogio.

— Tanto faz. — diz Finn e então suas mãos tocam minha cintura.

Eu praticamente morro de um ataque cardíaco. Meu coração está agindo insano, batendo contra o meu peito, como se quisesse fugir. Eu inclino minha cabeça para trás e olho por cima do ombro para Finn.

— Achei que você não viria aqui até amanhã? — Sua expressão é ilegível, seus olhos escuros, o cabelo todo bagunçado e ele está começando a ficar com olheiras. Eu amo o olhar para ele, mas a relutância em seus olhos me faz desconfiar. — Podemos ir a algum lugar e conversar? — Ele pergunta.

— Eu... — Eu olho para trás, Sadie, que acena com a cabeça e os movimentos para eu ir em frente. Eu volto para Finn, que está tentando suavizar as rugas de sua camisa cinza. — Eu acho que eu posso.

Ele sorri, mas há preocupação por trás dele, e de repente minha mente vira, correndo cerca de mil quilômetros por minuto. Ele acabou de ver sua ex-namorada. E se acontece que ele ainda a ama? E se ele veio me dizer isso? O que vou fazer? Quebrar? A ideia de voltar a pílulas parece tão fácil e ainda ao mesmo tempo tão difícil. A ideia de voltar para aquela garota que contou com a medicação e sexo para fazê-la se sentir melhor quase me deixam doente. Eu não quero ser ela. Eu quero ser a Millie que está se desenvolvendo ao longo do último mês; a sem pílula, lúcida, que pode viver sem dinheiro ou roupas extravagantes.

Aquela que sente cada parte da experiência com Finn e não sente vergonha ou sem valor.

Eu não quero morrer toda por dentro. Eu não quero beleza e dinheiro para me definir. Quero prosperar. E é isso que eu vou escolher para fazer.



Notas Finais


2/2
❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...