História Tenth District - Interativa - Capítulo 15


Escrita por:

Visualizações 52
Palavras 2.955
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, LGBT, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Pansexualidade, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá bolinhos do meu coração, estão todos bem? espero que sim! Bem, esse capítulo deve ser o mais curto até agora, eu acho, mas decidi postar assim mesmo do que deixá-los esperando mais tempo, confesso que me peguei um pouco desmotivada com a Tenth District. Mas como sempre aqui estou eu mais do que motivada novamente pois agora a fic começa uma "fase nova", muitas coisas vão começar a acontecer no próximo capítulo e já aviso que vocês não estarão preparados kkk só digo uma coisa: muita treta e muitos tiros então preparem um coletinho a prova de bala ai.

Façam uma boa leituraa <3

Capítulo 15 - 11. Sorria, você está sendo filmado


Fanfic / Fanfiction Tenth District - Interativa - Capítulo 15 - 11. Sorria, você está sendo filmado

Venha nadar no mar negro comigo
Mergulhe comigo
Se entregue comigo
Vamos fazer valer a pena

— Black Sea (Natasha Blume)

•───────⊹⊱✿⊰⊹───────•


 

Joon-Jae levava suas mãos aos cabelos os bagunçando de preocupação, enquanto mil e uma coisas se passavam em sua mente em relação a Soomi. Por mais que Hani tentasse fazê-lo manter a calma ela mesma também estava preocupada, como não a viu sumir? Cho-Hee também olhava ao redor em busca de qualquer pista que pudesse ajudar, mas nada existia além de uma floresta que cercava absolutamente tudo e todos.

— Como ela sumiu dessa forma?

— Eu não sei! Eu quero minha irmã aqui! A salva! — Joon-Jae respondeu Hani quase sem conseguir pronunciar as palavras certas.

— Tenha calma, não vamos conseguir fazer nada com você neste estado. — Choe tocou em seu ombro o fazendo assentir e respirar fundo. — Certo, Soomi estava bem aqui da ultima vez que a vi.

— E se ela foi atrás do Myung? — Woohyun opinou. — Ela sumiu logo após ele, pode ter ido atrás de…

— Não seja idiota! — Joon o respondeu grosso. — Por qual motivo Soomi iria atrás daquele delinquente?

— Joon se acalme. — Shin-Mok segurou em seus ombros o fazendo se sentar. — Vamos encontrá-la!

Joon-Jae respirou fundo novamente, desejava que nada de ruim tenha acontecido a sua irmã, foi tão rápido e repentino que mal houve tempo de sequer pensar se poderia ter evitado que ela desaparecesse, conhecia Soomi como a palma de sua mão, ela não faria algo do tipo de propósito e tentou usar isso como um meio para não se preocupar tanto, se ela teve que sair repentinamente muito provavelmente haveria algum motivo pelo qual ela teria o feito. Sabia que Soomi ia sempre ao ponto, não existia meio termo com ela.

Desviando sua atenção de Chanyeol Yewon observava todo o transtorno que acontecia, conseguia se pôr no lugar de Joon-Jae e não conseguia fazer ideia de como reagiria se fosse ela em seu lugar. Mergulhou o lenço na água novamente torcendo-o e o guardando de volta em seu bolso enquanto se punha de pé, ainda podia sentir o olhar do menor sobre si.

— Essa é a segunda vez. — Chanyeol disse levantando-se e ficando ao seu lado. Yewon franziu o cenho finalmente olhando para ele. — Que cortam o nosso clima.

Yewon revirou os olhos escutando sua famosa risada sarcástica, não o respondeu pois não havia o que responder, ou ela não sabia o que lhe dizer.

— Estou brincando, não precisa ficar tensa. — Chanyeol colocou as mãos no bolso piscando para a mesma. — Mas qualquer coisa, você sabe, eu não sou de ninguém e ao mesmo tempo sou de todo mundo.

— Me polpe. — Disse afastando-se do garoto que sorria.

Chanyeol nunca foi de se prender a alguém, mas por algum motivo ao mesmo tempo de sentia por Yewon o que sempre sentiu com outras pessoas, também sentia um leve nervosismo que conseguia esconder perfeitamente com seu sarcasmo e aquela sensação por algum motivo era sentida somente ao lado dela. Talvez fosse no dia em que a salvou dos soldados durante a rebelião,  já havia a visto pelo distrito algumas outras vezes, mas só naquele dia realmente havia reparado nela por inteiro.

— Se formos procurar por ela sugiro que não nos separamos. — Iniciou Eunki. — É perigoso e não sabemos o que aconteceu.

— Podemos nos dividir em dois grupos, então. — Cho-Hee sugeriu aumentando as chances de acharem Soomi.

— Certo, podemos seguir o rio em diferentes caminhos, qualquer coisa apenas damos meia volta e encontraremos o outro grupo.

— Não acho uma boa ideia, Rui. — Hana não concordava com a ideia, era melhor ficarem todos juntos, era mais seguro e confiável.

— E o que você sugere?

— Sugiro que ficamos juntos e façamos uma busca rápida antes que escureça e não tão distante para que não nos perdemos e possamos voltar aqui para caso Soomi voltar. Não sabemos o que mais podemos encontrar aqui e muito menos se vamos precisar de todos juntos ou não, de qualquer forma, juntos somos mais em praticamente tudo.

— Me convenceu. — Yewon concordou com a morena ao seu lado. — Também acho melhor ficarmos juntos.

— Okay. — Woohyun armava sua besta com uma flecha enquanto os outros também se preparavam para a busca. — Apenas tenham cautela, Seyoon tem câmeras aqui.

— Como é que é? — Chanyeol arqueou as sobrancelhas surpreso.

— Espere...Então ele sabe que estamos...vivos?

— Eu não sei, Jae-Hwa. Lembram quando eu costumava a ir no distrito? — Observou todos afirmarem a sua pergunta. — Bem, ele tem uma sala onde assiste praticamente tudo o que acontece no décimo e na floresta. Quando vi pela última vez consegui ver cameras apenas na entrada da floresta, mas não sei se tem outras espalhadas por aqui ou não.

Por sorte as câmeras eram somente na entrada, mas isso não tirava a razão do herdeiro, Seyoon era imprevisível e não podia saber se existiam mais câmeras espalhadas pela floresta ou não. Elas eram a maior diversão do governador e ele era super cauteloso e cuidadoso em relação a elas.

— Ele sempre nos vigiou. — Hani concluiu incrédula. — Ele sempre soube de tudo que fizemos.

— Isso explica muita coisa. — Hana lembrou-se de terem mencionado seu encontro com alguém de outro distrito, mesmo sem ela nunca ter mencionado a ninguém.

— Ele sempre soube de tudo, apenas esperando o momento para pegar cada um de vocês. Eu o via observando-os, a mais tempo do que possam imaginar.

 

⊱──✿──⊰

 

Seyoon caminhava inquieto de um lado para outro, ainda processava a conversa que havia tido com Yura lembrando-se da revelação mais surpreendente que já ouvira em sua vida, gostaria de apagar aquelas informações. WooHyun era seu filho e por dezessete anos aquela informação havia sido omitida de si, uma informação tão valiosa que poderia ter mudado o rumo que as coisas haviam tomado, seria mais fácil controlar o garoto e não iria precisar ter tanta cautela quanto sempre teve em sua presença, ele não seria uma ameaça caso Seyoon soubesse da autoridade que sempre teve para com ele. Ou que pelo menos pensava ter.

Em uma mão a taça com vinho era balançada fazendo o líquido escuro rodopiar, na mente pensamentos que o atormentavam sem parar, mas em meio a toda aquela imensidão de preocupações uma em questão lhe fez dar um rápido sorriso depositando a taça no balcão, caminhou por toda sua imensa casa no décimo e adentrou sua sala predileta, as telas com com a floresta lhe chamaram a atenção imediatamente enquanto jogava-se na poltrona confortavelmente e com o controle rebobinava horas e horas atrás. Via claramente o desespero e medo no rosto de cada jovem após estarem dentro da floresta negra, sorriu novamente apoiando os pés na mesa a sua frente, os viu escolherem as armas e tremerem de medo indicando que não estavam mais sozinhos. Aquela era sua parte favorita, o prazer doentio que tinha em ver os julgados sendo mortos pelo seu brinquedo.

Conforme corriam ia trocando as câmeras e ria com o desespero de cada um, Seyoon sabia que era uma corrida inútil contra a morte e mal podia esperar para finalmente ver com seus próprios olhos cada um deles ir de encontro a ela. Observou Sara cair e logo a criatura a alcançar fazendo com que um sorriso perverso surgisse em seus lábios, os gritos da garota lhe fizeram feliz mas não por muito tempo, não houve mais gritos apenas silêncio e uma criatura a farejar um rastro e correr para fora do alcance das câmeras. Rebobinou novamente. Apenas um único grito, o de Sara e após somente o silêncio.

Socou a mesa com raiva, lembrava-se da última vez que algo parecido aconteceu, aquela professora também era um mistério para ele que viu somente seu marido ser agarrado pela criatura e em seguida o mesmo silêncio pelo qual ele não esperava.

— Como isso é possível? — Indagou rebobinando mais uma vez. Observou as sombras sumirem das câmeras e em como a criatura os procuravam. Socou a mesa novamente, tinha algo errado.

— Jin-Sub! — Disse apressado ao conselheiro lhe atender. — Temos um problema, um enorme problema!

 

⊱──✿──⊰

 

Alguém incompreendido, incompleto e agora solitário, já havia perdido tantas coisas, tantas pessoas, era tão difícil para as pessoas ao seu redor entender o quanto ele também sofria? Aparentemente nem chegavam a imaginar tal opção. Estava decidido desde que entrou naquele trem, as palavras de Seyoon ecoavam em sua mente e não havia nada que ele quisesse tanto quanto ter a chance de ver Ellie novamente.

— Ellie… — Sussurrou encostando-se na árvore.

Podia ver o sol se pôr, a luz ia sumindo aos poucos como se lentamente fosse a única a ter compreensão com o rapaz. O silêncio tranquilizante foi quebrado por quem ele menos esperava, ou em outras palavras, pelo o que. Entre as inúmeras árvores que o cercavam a pequena criatura o observava atentamente, a boca coberta por dentes pontiagudos babava ao encará-lo enquanto se aproximava de Drake que rapidamente levou as mãos às costas puxando seu arco e flecha, não tinha muito o que fazer e Drake tinha uma excelente pontaria, mas a criatura também era esperta desviando da flecha surpreendendo o Myung enquanto corria veloz até ele, não havia tempo para outra flecha atacando a criatura com o próprio arco numa tentativa de defesa caindo ao chão.

Rolando no chão junto a criatura avistou um vulto que não soube e nem teve tempo para lhe dar atenção, o grunhido da criatura ecoou pela floresta o fazendo encarar as lâminas pontiagudas das adagas a centímetros de seu rosto cravadas na criatura. Tirou a coisa gosmenta de cima de si levantando-se apressado indo ao encontro da morena que não estava tão distante, não houve tempo para ela reagir, Drake agarrou seu braço olhando profundamente em seus olhos com raiva.

— Está louca, Soomi!? — Ele apertava seu braço o fazendo latejar. — Podia ter me acertado, sua estúpida!

Soomi puxou seu braço com força escapando das mãos do Myung que continuou a encará-la bravo. Ela era calma demais, porém Drake conseguiu abrir uma exceção em sua personalidade tranquila.

— Eu salvei a sua vida! Não seja ingrato!

Soomi massageava o lugar apertado pelo garoto enquanto gritou as palavras o pegando desprevenido, ele sabia que ela não era de se exaltar e vê-la irritada apenas lhe fazia ver o quanto conseguia realmente irritar as pessoas ao seu redor. Deu as costas a ela num suspiro irritado, porém sua irritação era consigo mesmo por sempre ser o “vilão”, mas ele era assim e não se importava com ninguém e muito menos com o que pensavam.

Soomi limpou a garganta se recompondo, suspirou pesadamente observando-o de costas enquanto se aproximava, não sabia de sua história e nem pelas coisas que Drake passou ou deixou de passar, mas para ela isso não importava, ele era um humano como os outros e ela sabia que em algum lugar, mesmo que escondido até dele mesmo, existiam sentimentos de um ser humano comum.

— Drake sei que sente falta de sua irmã, eu sentiria a de Johnny.

O escutou dar uma longa risada.

— Não você não sabe, é somente como os outros, eu não preciso de mais sermões por viver em encrenca.

Foi a vez dele ouvi-la rir, talvez fosse a primeira vez que ele a via sorrir.

— Não, Myung. Eu iria dizer que está tudo bem. Está tudo bem se preocupar com alguém importante para você. — Ele franziu o cenho a observando. — Está tudo bem sentir falta de Ellie.

— Não fale como se a conheces…

— Eu a vi correr até você no distrito. Eu não a conheço, tem razão. Mas naquele dia, qualquer um pode notar a forte ligação que existe entre vocês.

Drake ficou sem palavras, sentia que podia chorar lembrando de Ellie, a única que seria capaz de deixá-lo daquela forma, Soomi ainda massageava seu braço o que lhe fez pensar em pedir desculpas, mas não o fez, era orgulhoso demais para aquilo e não seria ele se pedisse desculpas, passando somente por ela caminhando de volta enquanto era seguido pela mais velha. O silêncio permaneceu durante todo o caminho, mas Soomi estava sempre com seus olhos cravados em Drake, ela observava cada movimento e cada expressão, estava sentindo-se mais confiante em poder começar a desvendá-lo.

— Você gosta das estrelas.

Drake parou olhando para trás fazendo-a quase chocar-se nele, parecia indiferente mas Soomi sabia que ele havia sido pego novamente desprevenido.

— O que está dizendo? — Voltou a caminhar sem se importar.

— Também é impaciente e rancoroso, como também é reclamão e grosso. — Drake virou-se para responder-lhe mas Soomi o impediu. — E orgulhoso demais para admitir. Mas também consegui encontrar algo bom em você, mesmo que não faça bom uso disso. — Disse sarcástica soltando outro sorriso. — Você é sincero.

Drake não retrucou, parou de andar a alguns metros da morena apenas imaginando como ela pode descrevê-lo tão bem sem nunca ter conversado de verdade com ele. Soomi o encarou percebendo que ele já não andava mais somente quando quase esbarrou-se nele novamente. O que há com você Soomi? pensou notando que pela primeira vez havia se distraído muito facilmente, isso não era de seu feitio. Por impulso deu um passo para trás pisando em uma pedra fazendo-a torcer o tornozelo e quase ir ao chão se não fosse pelo garoto que a segurou. Tentava se equilibrar somente em um pé enquanto sua mão foi ao encontro do outro dolorido, sua expressão não foi uma das melhores ao tocar o tornozelo que doía, fazendo Drake novamente reclamar.

— Aish, você só aparece para me botar em situações complicadas. — Indagou passando um dos braços de Soomi em volta de seu pescoço a equilibrando para que pudesse caminhar. — Isso não vai dar certo! Está quase tudo escuro e vamos demorar um século.

— O que está fazendo? — Soomi surpreendeu-se ao ser praticamente jogada em suas costas.

— O que você sugere? Que eu te deixe aqui e volte sozinho?

— Joon-Jae te mataria se me deixasse aqui.

— Ele me mataria por muitas coisas.

 

⊱──✿──⊰

 

— Eu desisto! Eu vou atrás dela de qualquer forma, não me importo com o escuro.

Joon-Jae exclamava impaciente, já haviam voltado de uma rápida busca ao redor de onde estavam e já se podia ver algumas estrelas no céu. Soomi ainda estava desaparecida assim como qualquer sanidade que pudesse existir em Joon-Jae estava quase desaparecendo também.

Joon-Jae sentiria-se culpado por qualquer coisa que acontecesse a Soomi, ele era o responsável por ela e um irmão que queria apenas protegê-la de tudo de ruim que pudesse existir naquele mundo, qualquer arranhão que a mesma tivesse ele sentiria-se culpado, gostava de estar sempre ao seu lado a protegendo sempre que pudesse. Mesmo que Soomi já fosse grande e soubesse cuidar de si mesma, ele sempre se lembrava daquela garotinha que conheceu ao lado de Hyuk, ou melhor… Jin-Sub, que necessitou de seus cuidados quando o mesmo quase destruiu tudo o que eles tinham: um ao outro.

— Parece nervosa. — Woohyun aproximou-se da loira que parecia impaciente.

— Porque eu estou. — Jae-Hwa cruzou os braços pensativa. — Sei que não a conheço direito, mas é preocupante qualquer pessoa sumir assim, você não acha?

Jae-Hwa sentia-se mais à vontade ao lado do herdeiro e havia notado isso recentemente, aos poucos conseguia criar um tipo de confiança nele e conversar mais naturalmente, mas por algum motivo também sentia-se cada vez mais nervosa.

— Normal vindo de você. — Ela o encarou vendo-o sorrir. — Você tem um bom coração, Jae-Hwa, pessoas como você conseguem pensar nos outros ao seu redor além de si mesmas.

— Pessoas como eu? — Semicerrou os olhos curiosa. — E que tipo de pessoa você seria?

— Acho que me encaixo no tipo que gosta de pessoas como você.

Ela novamente se viu pega pelos atos do herdeiro, não podia fazer nada além do que já estava acostumada, era facil corar com praticamente tudo sendo tão tímida como ela era, restando-lhe apenas impulsivamente desviar seu olhar e deixar que o clima entre os dois ficasse estranho outra vez.

— SOOMI!

Hani praticamente gritou chamando a atenção dos demais enquanto corria junto à Joon-Jae ao encontro da morena que era posta no chão pelo garoto de cabelos prateados. Joon-Jae rapidamente a abraçou desesperado verificando rapidamente se ela estava bem em seguida notando que mancava.

— O que aconteceu? Você se machucou?

— Eu estou bem Johnny, só torci meu tornozelo.

— Como assim? Porque suas adagas estão sujas de..isso é sangue? Soomi o que aconteceu!? — Joon não dava tempo da irmã lhe responder. — Myung! Por que estava com ele, Soomi? Ele te fez algo? — Virou-se para Drake irritado. — Se você encostou um dedo nela..

— Eu não fiz nada, quanto drama.

Drake deu uma ultima olhada em Soomi e caminhou até um tronco de árvore perto da fogueira já montada e agachou-se cansado. Soomi revirou os olhos para Joon-Jae e o segurou firme tentando fazê-lo escutá-la antes de qualquer outro pronunciamento.

— Joon-Jae! Eu estou bem! Fui atrás de Drake e tinha outra criatura, por isso minhas adagas estão sujas. — Suspirou antes de continuar. — Na volta eu tropecei em uma pedra e torci meu pé, só isso, foi um descuido meu.

— Descuido? Seu? — Cho-Hee franziu o cenho surpresa.

— Bem, para tudo tem uma primeira vez. — Soomi finalizou aquela conversa, ela não teria um fim se dependesse de seu irmão. — Estou cansada, vamos dormir Joon, por favor.

Soomi encostou-se na árvore sorrindo para Joon-Jae que fechava seus olhos, ajeitou-se passando a mão em seu braço, ainda estava um pouco dolorido pelo aperto do Myung e lembrando-se dele seus olhos foram diretamente para o garoto encontrando os dele que também a encarava, Soomi disfarçou seu incômodo no braço e o encarou pensativa, havia algo nele que ela não conseguia se desprender e por pior que fosse de alguma forma ela queria desvendar o que existia nele que tanto a intrigava. Mas por alguma razão que ela não gostava, algo dizia que ela iria se arrepender.


Notas Finais


Obrigada por lerem e espero que tenham gostado meu amores, desculpa o capítulo pequeno o próximo será grande :3

Até!! kisses ~<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...