1. Spirit Fanfics >
  2. Terminal Fire - SKZ - (Changlix, Woochan, Minsung, Seungjin) >
  3. .the only death;

História Terminal Fire - SKZ - (Changlix, Woochan, Minsung, Seungjin) - Capítulo 9


Escrita por: e jenoutz


Notas do Autor


Bom dia, é meu aniversário 😗✌️
Vou passar a noite comendo salgadinho e assistindo filme de terrork
Falando agora sobre o capítulo:
É o último, MAS eu e a @jenoutz faremos um epílogo, já que a fic tem um prólogo hehe
Todas as teorias de vocês eram ótimas! Mas por fim, o final é completamente diferente.
Perdoem qualquer erro e desejo uma boa leitura!

~bachtang

Capítulo 9 - .the only death;


Fanfic / Fanfiction Terminal Fire - SKZ - (Changlix, Woochan, Minsung, Seungjin) - Capítulo 9 - .the only death;

– Vocês têm remédio pra ressaca? – Lee se assustou um pouco pelo tremendo dejavu, o que na verdade não era exatamente um.

Minho se irritou, sentia vontade de vomitar, não conseguia acreditar que eles fingiam não ter acontecido nada, como se o incêndio não tivesse acontecido, como se eles não estivessem envolvidos.

– Por que está tremendo, amor? – Hyunjin perguntou ao namorado.

– Estou com frio. – Lee sinceramente não se lembrava daquele momento.

– Está doente, Minnie? 

– Você nunca foi bem para bebida, Seungmin. – Hyunjin dissera mais uma vez e de repente Minho se lembrou que naquele momento eles iriam embora.

– Seungmin! Hyunjin! – Chamou, impedindo o casal de se despedir dos outros amigos. – Eu preciso falar com vocês dois. 

Concordaram entre si. Mesmo estando um pouco nervosos pela noite anterior, eles acreditavam que Jeongin tinha morrido e sabiam que não iriam aguentar o peso na consciência. Serem forçados a fazer aquilo fora a pior coisa que acontecera em suas vidas. Não se perdoariam nunca.

O casal acompanhou o Lee até o quarto de Chan e Woojin.

– Tem como você falar rápido? O Minnie não está muito bem. – Disse Hyunjin assim que fecharam a porta do cômodo.

E o Hwang não estava mentindo, Seungmin estava pálido e fraco, tremia sem parar. Suas olheiras eram bem visíveis e ele se encolhia toda hora. Estava inseguro e com medo, não queria ser pego, mas também não aceitava que ele ficasse solto, sendo que foi o culpado de um incêndio e de uma morte. Queria justiça, mas também não queria passar anos atrás de uma cela.

– Seungmin você realmente não parece bem. – Minho dissera depois de reparar na situação do amigo. – É o sentimento da culpa, não é? 

Após a fala do Lee, Seungmin mudou totalmente de postura, antes estava apoiado no namorado, e agora se afastara de repente. 

– O que mais me incomoda é o fato de vocês fingirem que não aconteceu nada. Me pergunto como conseguem. – Minho continuou. Estava aflito, não queria nunca ter aquela conversa com os dois, não queria sequer que o incêndio tivesse acontecido.

– Do que está falando? – Seungmin abriu a boca para perguntar. O Kim tentava se manter em pé, mesmo sendo difícil naquele momento.

– O que vocês precisam saber é que o Jeongin está vivo e bem. Ainda está no hospital, mas tenho certeza que quando ele receber alta, irá denunciar o Senhor e a Senhora Yang. E você sabe que seus tios também vão abrir a boca se forem encontrados, não sabe, Seungmin? – Continuou com cautela. Qualquer um dos dois ali poderia surtar e isso não seria nada bom.

– Isso não é da sua conta, Minho! – Hyunjin defende. Ele encontrava-se calmo aparentemente, mas na verdade estava uma pilha de nervos por dentro. Saber que seu namorado e ele poderiam ser pegos só o fazia perder ainda mais a razão.

– Não se preocupem, não contei a polícia. E eu sinceramente não quero que vocês se deem mal. – Balbuciou.

– E o que você planeja fazer? – Perguntou Seungmin ríspido. – Hyunjin está certo. Você não faz ideia do que aconteceu. Não foi você que foi ameaçado para falar tal coisa, você nem ao menos sofreu com isso. 

A última frase fez com que o estômago de Lee se embrulhasse. Ele sofreu, passou dias sofrendo, querendo descobrir o que de fato tinha acontecido. Aqueles terríveis sonhos que tivera, além de ter que ver Yang quase todos os dias, foi terrível para ele, mesmo sendo apenas uma visão. 

– Se entreguem, mas faça o mesmo com seus tios, Seungmin. Acho que assim você ficará preso por pouco tempo. Você e o Hyunjin. – Minho disse sua proposta, mas não acreditava que eles iriam aceitá-la tão facilmente.

– Como você sabe do que aconteceu? – Hyunjin fez sua última pergunta.

– Voltei para a cidade mais cedo. Eu vi o incêndio, eu ouvi os gritos do Jeongin. E é claro que eu fui ajudar. – Respondeu. O casal sabia que Minho era vizinho do Yang, mas pensavam que o Lee iria voltar para Busan apenas na manhã daquele dia, junto do Han. – Jeongin confiou em mim e me contou tudo. Ele é esperto, pensavam mesmo que ele não desconfiaria que a própria vida estava em risco? Você o amarrou, Hyunjin. Você lotou a casa de gasolina e acendeu o fogo, Seungmin. Vocês dois, por mais que foram obrigados a fazer isso, são uns monstros.

– Você não sabe o que nós passamos! – Hyunjin gritou se aproximando de Seungmin e agarrando sua mão. Ele mantinha um olhar de fúria e ódio. – Vamos embora, amor.

O Hwang já ia saindo puxando o namorado. Minha só teve a oportunidade de gritar:

– Vocês não podem fugir! Serão pegos de qualquer maneira!

Minho respirou fundo e relaxou o corpo, um pouco cansado. Não adiantava o casal fugir e se esconder, Minho sabia que algo ruim iria acontecer e queria prevenir. Porém era impossível. 

O Lee não demorou muito e voltou para a sala da casa, se despediu dos amigos e puxou Jisung para ir embora consigo.

– O que está acontecendo? – o Han perguntou, não estava entendendo, Seungmin e Hyunjin tinham saído muito rápido, e ele tinha visto o olhar apavorado deles. Agora Minho o puxara para ir embora. 

A pergunta assustara um pouco o Lee, que o olhou mordendo os lábios.

– Nada – Respondeu simples. Não queria envolver Jisung naquilo. Sabia que a mãe deste adoeceria, então queria poupar a cabeça do outro. – Você pode pegar o carro e ir visitar sua mãe hoje, sei que sente saudade dela. Eu estou muito cansado, então eu infelizmente não poderei ir.

Han apenas concordou com a cabeça, finalmente ligando o carro para irem para casa.

__________________________________

– Não dá, Hyunjin! – Gritou Seungmin, se virando bruscamente para o namorado, que parou de andar.

– Você não vai se entregar e me deixar aqui! – Gritara de volta, seus olhos estavam marejados só de ouvir a ideia de Seungmin.

De noite, o Kim decidira que ia acabar com toda a confusão e se entregaria. Mas negou que Hyunjin se confessasse. O Hwang só estava naquilo porque quis ajudar o namorado.

– Hyunjin, já está decidido! – Disse autoritário. Mas o mais alto não aceitou.

– Eu também ajudei! Quantas vezes já te disse que estamos nessa juntos? Se você for preso, eu também vou! – Se aproximou do mais novo.

– Você sabe como é lá, eu não quero que você sofra. – Sussurrou olhando nos olhos do Hwang. 

– É por isso que eu quero ir junto. Eu não iria suportar saber que você está sendo espancado na prisão, sendo que eu também devo estar lá.

– Chega, Hyunjin. – Pediu e se afastou de novo. Sabia que a ideia era arriscada, mas era o certo a se fazer. – Eu vou ir dormir. Mas saiba que, se você continuar insistindo, eu sou capaz de impedir que você vá falar alguma coisa.

 __________________________________

Hyunjin acordou quando estava quase amanhecendo. Dormira no sofá por conta própria, queria deixar Seungmin pensar mais um pouco. Se levantou e foi para o quarto ver como estava o Kim. Quando percebeu a falta do namorado, estranhou, mas logo pensou que ele estivesse no banheiro.

Foi para o cômodo. Seu corpo estava mole por ter acabado de acordar, e seus olhos quase se fechando por conta do sono. Mas foi só ver Seungmin dentro da banheira todo ensanguentado que seus olhos arregalaram. 

Correu e se abaixou ao lado da banheira, quando suas mãos pousaram em seu rosto, percebeu algo que confirmou sua morte. Seungmin estava frio e não respirava.

– Seungmin. – Chamou, mas o namorado não respondia. – Seungmin! – Gritou dessa vez.

Hyunjin tirou o Kim da banheira e abraçou o corpo morto, chorando como nunca havia chorado antes. Pensara até em levar ele para o hospital, mas sabia que fazia tempo que ele havia feito os cortes. Kim Seungmin estava morto e ele não fez nada para impedir.

Passou horas abraçado ao corpo do namorado, não conseguia acreditar que o mesmo havia morrido, mas logo caiu a ficha. Ligou para Minho, o mesmo que saiu rapidamente de casa para ir ao encontro do Hwang.

Lee se sentia culpado. 

Os próximos meses não foram dos melhores, Hyunjin só tinha forças para ir até às sessões com o psicólogo que havia marcado, lutando a cada dia para continuar vivo, pois Kim tinha deixado uma carta e nela pedia para que o namorado continuasse vivo e assim ele fez.

A polícia encontrou os Yang depois de duas semanas de buscas, os prendendo, isso após Jeongin contar o que aconteceu para polícia, mas não falando sobre Hyunjin. Minho até tentara convencer o maknae a falar sobre o Hwang, mas ele negou com todas as forças.

Agora teriam um segredo para guardar.


Notas Finais


Olá, leitores!
Talvez o final não esteja tão bom, mas era o previsto desde o plot da fanfic.
Eu e a @bachtang- agradecemos por todos os favoritos, comentários e listas de leituras!
Também agradecemos a todos que acompanharam a fanfic até aqui! Amamos vocês!
Até o epílogo 👋
E fiquem em casa!

~jenoutz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...