1. Spirit Fanfics >
  2. Teto de Estrelas >
  3. Capítulo Único

História Teto de Estrelas - Capítulo 1


Escrita por: winnterboobear

Notas do Autor


vocês acharam mesmo que eu ia deixar vcs sem fic no dia do grande rei? pois chegaram perto pq eu quase deixei mesmo kkkkkk

é iwaoi kids e eu não especifiquei a idade deles na história, mas imaginei eles com uns 10 anos

boa leitura <3

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Teto de Estrelas - Capítulo 1 - Capítulo Único

 

— Hajime-chan, olha! — assim que ouviu a voz animada do amigo, o menino se virou para ver o que era. 

Tooru tinha soltado a mão da irmã e estava com o rosto praticamente colado na vitrine de uma loja, as mãozinhas espalmadas sobre o vidro, encarando alguma coisa lá dentro. 

Vencido pela curiosidade, Hajime soltou a outra mão de Aiko e se aproximou do amigo. A Oikawa mais velha apenas rolou os olhos e tirou o celular do bolso enquanto esperava os garotos. 

— O que é, Tooru? — Iwaizumi o puxou pela blusa, lembrando de todas as vezes que as mães de ambos tinham brigado com eles por ficarem encostando o rosto em vitrines. 

— Aquilo! Olha que bonito! — Ele seguiu a direção do dedo gorducho de Oikawa. 

Do outro lado do vidro, dentro de uma caixa alta e larga, havia luminária em formato de bola. O topo do objeto era estampado com pequenos desenhos de estrelas e planetas que se projetavam na parte interna da caixa, preenchendo cada espaço com pontos brilhantes. 

— É tão bonito, Hajime-chan! — a outra criança praticamente pulava de animação, os olhos brilhando enquanto ainda encarava a vitrine. 

Para Hajime aquela luminária não parecia grande coisa, mas pelo enorme sorriso banguela do melhor amigo, Tooru realmente tinha gostado daquilo. 

— A gente pode comprar, Oneechan? — os olhos cor de chocolate se voltaram para a irmã, que ainda mexia no celular. A garota não dispensou um olhar para onde o irmão apontava antes de balançar a cabeça e guardar o aparelho no bolso novamente. 

— Hoje não, Tooru. Vamos embora logo. 

Fazendo um beicinho triste e irritado, o menino seguiu a irmã novamente. Antes de alcançá-los, Iwaizumi olhou uma última vez para a luminária para conferir o preço. 

……

Quando Hajime chegou em casa, suas mães estavam na cozinha. Enquanto Kimiko terminava o jantar, Saori arrumava a mesa. 

— Mamãe, mamãe! — o menino correu para os braços de Saori que já tinha se abaixado para pegar o filho, dando-lhe um beijo estalado na bochecha quando as pernas do menino já estavam ao redor de sua cintura.

— Como foi o passeio com o Tooru-chan e a Aiko-chan? 

— Foi legal. — ele espiou para dentro das panelas enquanto Kimiko beijava o topo de sua cabeça. — Quando é o aniversário do Tooru-chan? 

— Semana que vem. — Kimiko respondeu enquanto desligava o fogão. 

— E quanto eu tenho no meu porquinho? 

— Hm… você gastou toda sua mesada naquele boneco do Godzilla, lembra? 

Hajime abriu a boca para protestar, mas lembrou que realmente tinha gastado até o último centavo naquela action figure de seu personagem favorito. Não que ele se arrependesse, tinha sido uma ótima aquisição, porém seu plano de comprar aquela luminária para Tooru acabara de ir por água abaixo. 

As mulheres notaram o súbito silêncio do filho e as sobrancelhas franzidas dele. 

— O que foi, amor? — Kimiko afagou o cabelo bagunçado dele. 

— Nada… eu… eu queria comprar uma coisa pro Tooru que ele viu numa loja hoje e gostou. 

— Ah, mas não tem problema. Amanhã a gente sai pra comprar. — O menino balançou a cabeça e olhou pras suas mães. 

— Eu queria comprar com meu dinheiro, com o de vocês não vale. — as duas mulheres riram, trocando olhares divertidos.

— Bem, ainda falta um pouco pra sua próxima mesada, mas a gente pode adiantar pra você comprar o presente pra ele. 

Hajime balançou a cabeça, ainda cabisbaixo. Por mais que fosse meio chato e irritante, Tooru era seu melhor amigo no mundo inteirinho e ele queria demonstrar aquilo sem precisar dizer em voz alta (Tooru ficaria exibido demais). 

— Ei, lembra quando você queria comprar o boneco do Godzilla, mas ainda não tinha dinheiro suficiente e os Yoshida te pagaram pra você passear com o cachorro deles? — Saori chamou a atenção do menino novamente. — Talvez você possa fazer isso de novo. Você se divertiu um monte daquela vez.

O menino arregalou os olhos e escancarou a boca. Tinha sido realmente divertido, principalmente quando o cachorro saltou numa poça e espalhou lama pra todo. Ele tinha gostado também de espalhar sabão pelo pêlo dele enquanto ajudava a dar banho no animal. Para Hajime, que há anos pedia um cachorro para suas mães, foi um ótimo dia.  

……..

Após exatamente uma semana, Hajime tinha mais que o suficiente para comprar o presente do amigo. 

Os Yoshida tinham dado dinheiro a ele para passear com o cachorro algumas vezes naquela semana. 

A Sra. Nakamura também tinha chamado Hajime para brincar com o bebê dela enquanto ela arrumava a casa para a festa de aniversário da criança (ele sempre tinha achado bebês assustadores, mas o dos Nakamura era até engraçadinho, e Hajime tinha gostado de fazer caretas e palhaçadas só pra ver o garotinho gargalhar). 

O pequeno Iwaizumi não sabia, mas suas mamães também colaboraram para engordar seu porquinho durante a semana. 

Um dia antes da festa de Tooru, Kimiko e Saori levaram o filho à loja para ele comprar a luminária. O menino também escolheu um papel de presente verde com estampa de alienígenas. 

— Olha só, querido, ainda sobrou pra você e Tooru-chan tomarem um sorvete. — o garotinho sorriu para a mãe enquanto saía da loja abraçado à sacola com o presente para o amigo. 

…….

A casa de Tooru estava lotada com seus parentes e as outras crianças da escola quando Hajime chegou à festa. Embora todos quisessem a atenção do aniversariante (principalmente as outras crianças), Tooru não desgrudava de Hajime e arrastava o menino consigo o tempo todo. 

O pequeno Iwaizumi rolava os olhos e dizia o quanto Oikawa era chato, mas secretamente se sentia especial. Quando viu a pilha de presentes, porém, sua determinação murchou e ele achou que talvez seu presente não fosse tão bom assim. 

Sentado ao lado do amigo enquanto ele rasgava os pacotes, Iwaizumi queria se enfiar num buraco quando Tooru ganhou um videogame novo, e mais ainda quando ganhou ingressos para o parque da Disney em Tóquio. Tooru certamente nem daria bola para aquela luminária ridícula.

— Iwa-chan, eu deixei o seu por último porque eu sei que vai ser o melhor presente de todos. 

Hajime olhou para o amigo, se dando conta que a pilha tinha acabado e só restava o seu pacote, no qual Oikawa estava abraçado, encarando Iwaizumi de volta com os olhos brilhando de animação. 

— Ah… n-nem é grande coisa… — Hajime disse encabulado, desejando poder pegar o presente das mãos de Tooru e fugir. 

— É sim! — Kimiko falou e contou a Tooru o que Hajime tinha feito durante a semana para comprar o presente a ele, deixando de fora que a maior parte do dinheiro tinha vindo dela e Saori. 

O menino sentiu o rosto pegar fogo enquanto ele passara a ser o centro das atenções, mais ainda quando Tooru o olhou como se ele tivesse ido ao céu e trazido a própria lua para lhe dar de presente. 

— Você fez tudo isso por mim, Hajime-chan? — a voz de Tooru estava embargada e os olhinhos marejados. 

Iwaizumi apenas assentiu, sem saber como lidar com todo o carinho e devoção no olhar do melhor amigo, e aceitou o abraço esmagador e os beijinhos molhados em sua bochecha. 

Diferente da maneira como tinha simplesmente rasgado os outros pacotes, Tooru abriu o papel de aliens cuidadosamente e mal conteve um ofego de surpresa quando viu seu presente. 

— Eu queria tanto isso! — o menino praticamente gritou, virando a luminária nas mãos e inspecionando-a. — Obrigado, Iwa-chan! — Iwaizumi aguentou sem reclamar a nova rodada de beijos e abraços. 

Como o bom melhor amigo que era, Hajime sabia quando Tooru estava sendo sincero e, para o alívio de seu coraçãozinho, o outro menino estava sendo mais que verdadeiro. 

Naquela noite, após todos os convidados terem ido embora, Iwaizumi deitou ao lado de Oikawa na cama dele enquanto o garoto acendia a luminária. 

O teto e as paredes do quarto se encheram de pontinhos brilhantes em formato de estrelas e planetas. Era muito melhor do que Hajime tinha imaginado e ele se sentiu orgulhoso novamente por ter escolhido aquele presente para Tooru. 

O sorriso banguela de Tooru se virou para o amigo, as estrelas e planetas desenhados nos rostos de ambos, e pegou a mão de Hajime, entrelaçando seus dedinhos juntos. Hajime o encarou de volta, sorrindo também. 

Sob aquele teto de estrelas, os meninos adormeceram juntos. 

Anos depois, enquanto Tooru fazia as malas para se mudar para o outro lado do mundo, ele colocou junto a sua luminária. Ela tinha permanecido em sua mesa de cabeceira desde o dia em que a tinha ganhado, mesmo após ter parado de funcionar. 

Para muitas pessoas podia parecer só uma coisa velha e quebrada. Para Tooru, era a primeira prova (de muitas que se sucederam àquela) do amor e dedicação inabaláveis de Hajime. 

 


Notas Finais


sim, eu tenho hc que o Iwa tem duas mamães e tava louca pra escrever isso hsuahsauhsau

obrigadaaaaa a @kjuzera_writes pela betagem. ela ta voltando a postar as histórias dela aqui, então vão dar uma conferida, recomendo principalmente a atsukagehina que tá 🔥🔥🔥

gostei muito de escrever eles pitiquinhos, espero que tenham gostado também, me digam nos comentários o que acharam prfv 👉👈


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...