História Thank You, Bangtan. - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Visualizações 4
Palavras 2.423
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, LGBT, Policial, Romance e Novela, Terror e Horror

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Aproximação


Fanfic / Fanfiction Thank You, Bangtan. - Capítulo 2 - Aproximação

 Acordei com uma dor gigante na cabeça, estava deitada em um gramado bem verde… eu morri?

Me sentei naquela grama e vi que estava com as mesmas roupas que estava usando no aeroporto, mas ela estava toda rasg…. Aah… o acidente.. mas.. como eu parei aqui??

Olhei em volta e vi várias casas, todas bem bonitas, todas de dois andares, bem casual, será que são aquelas casas dos famosos do Rio de Janeiro??… acho que não.. estamos na Coréia.. eles não são fluentes nas línguas asiáticas... nem eu..

Ouvi barulho de sirene vindo do outro lado do muro, será que a polícia veio agora?? Ou é a ambulância??… não sei… não sei nem como eu parei aqui… não posso esperar muito, minha cabeça está sangrando..

Comecei a andar para a casa mais próxima de onde eu estava e me deparei com o meu reflexo na janela... eu estou destruída, com marcas roxas pelo rosto, um corte na sobrancelha, um buraco pequeno perto do cabelo e a boca inchada, tirando o meu corpo, tinha marcas em toda parte, de sandálias, cintos, facas, vidros.... tudo quanto for coisa... não tem como chegar assim e pedir ajuda.. vão pensar que eu sou uma mendiga que quer comida.... aigoo.. e agora? Ah, eu já estou aqui.... não posso voltar atrás.

Me aproximei da porta da casa em que me vi e aproximo minha mão da campainha, mas eu não toquei ela.. eu não sei falar coreano, como é que vão me entender? Aish!

Desisto de tocar a campainha e me sento na calçada na frente da casa e fico ali, procurando algum movimento nessa ruazinha, deixando algumas lágrimas cair por não poder ter ajuda.. Minha cabeça está doendo muito.. Tô perdendo muito sangue….

Fiquei por longos minutos sentada ali até ouvir o barulho da porta atrás de mim, um garoto alto e de cabelos castanhos saiu da casa e ainda não tinha notado a minha presença, me levantei para não levantar suspeitas de que estava parada na frente da sua casa e comecei a sentir mais lágrimas querendo descer por meus olhos, o garoto finalmente notou a minha presença e levou um susto comigo.. e agora?.. o que eu faço meu Deus.. ele começou a falar comigo, mas eu não estou entendendo nada, o que eu faço??..

Olho para baixo e fico ali chorando, vi algumas gotas de sangue cair no chão, mas nada se compara com a dor que estou sentindo pelo corpo inteiro, eu não sabia o que fazer, o que eu posso fazer agora? Conversar com ele em português? Ele não vai entender nada assim como eu não entendo ele...

O moço se aproxima e me pega pelo pulso, me leva para dentro de sua casa, que era muito bonita por sinal, e me deixa sentada no sofá, ele faz uns sinais para eu ficar aqui e eu fico parada olhando para os meus pés.. nossa.. até nos meus pés eu tenho marcas!

Um garoto de cabelo verde entra na sala mas também não nota a minha presença, ele passa direto por mim e entra no que eu suponho ser a cozinha, ouço um barulhinho de água caindo e suponho que ele esteja bebendo água, então fico apenas olhando minha mão cheia de sangue enquanto derramo mais lágrimas, me encostando um pouco mais no sofá  quando ele vem novamente e quando ele finalmente me olha, ele leva um susto tão grande que eu estou falando sério, eu não sei de onde ele tirou uma frigideira dali..

O garoto que me trouxe para dentro voltou e viu a cena, meus olhos lagrimavam com a caixa branca e vermelha que ele trazia, ele falava algo com o de cabelo verde e parece que ele se acalmou, ele largou a frigideira e se aproximou, se sentando do meu lado enquanto uma lágrima solitária saia pelos meus olhos, fazendo assim com que outras também caíssem, ele passa seu dedo polegar pelo local das lágrimas, na intenção de enxugar, e senti uma dor leve quando ele me puxou um pouco para me abraçar, ele falava mas eu não entendia nada... como vou saber se ele não está falando que vai me estuprar??

Ele se afasta do abraço e o outro moço já se aproximava para passar um algodão no meu rosto, devia ser remédio, então apenas deixei ele passar, eles começaram uma conversa entre eles dois mesmo e o esverdeado se levanta, indo para o mesmo lugar de quando saiu pra ir a cozinha.

O moço que me trouxe para dentro passava o algodão pelo meu rosto e tirava todo o sangue das feridas e passava um remédio que ardia um pouco, ele passou o algodão no meu pescoço e eu acho que ele ia pedir alguma coisa, já que ele olhou meio estranho para a minha camiseta, ela tinha dois rasgos pequenos, um em cima do umbigo e outro entre os seios, que ainda são pequeninos.. Psé.. 13 anos com um peito pequeno... é bem normal..

O garoto do cabelo verde voltou com um garoto mais alto de todos e ele me olha com uma cara de "O que aconteceu contigo??" E se aproxima, nessa hora, mais 4 garotos aparecem na sala e todos olham a cena... quantas pessoas moram nessa casa?? São todos homens? Ah! Eles vão abusar de mim!

Comecei a sentir medo quando o moço acompanhando o de cabelo verde se ajoelhou na minha frente, ele fez uma pergunta em coreano... mas eu não sei falar coreano... eu também não entendi nada... O que eu faço?.... 

- você fala coreano? - ele perguntou em coreano, mas não respondi por não entender - hm.. você fala coreano? - perguntou em inglês dessa vez.. mas eu não sei responder em inglês.. -

- não.. - digo em inglês, já que era a única coisa que veio na minha cabeça -

- de onde você é? - perguntou em inglês pausadamente, para que eu pudesse entender -

- eu sou do Pará, no Brasil - digo em inglês, acho que disse tudo errado, ele fala para um garoto que tinha ali procurar onde ficava esse lugar e ele achou, logo trazendo uma tábua pequena para me certificar de que era aquele o lugar, olhei bem e vi que era o Pará, agora... como ele foi parar ali dentro? - como ele foi parar aqui dentro? - pergunto em português, na esperança de me entenderem assim mesmo - nunca mexi em um desses.. -

Ouço minha frase ser repetida por uma voz feminina e logo depois ouço uma voz grave falando em coreano, acho que estavam traduzindo o que eu falei, já que todos faziam uma cara de "agora eu entendi" e um único garoto fez uma cara de "oi? Você não sabe?", depois disso ele pegou a sua própria tabuazinha e fez a mesma coisa que o moço fez, falou sua frase, a frase foi repetida pela voz grossa e depois a frase começou a ser repetida na minha língua, e basicamente a pergunta era.

- você nunca teve um celular? - ele estendeu o que suponho ser o celular dele e ele mexe em umas coisinhas lá, fazendo com que a conversa fosse traduzida sem interrupções - digo, não conhece uma coisa dessas? - sua frase foi repetida na minha língua -

- não, meus pais nunca me deram nada…. Porque eles me dariam uma coisa dessas? - sou cincera logo, porque esconderia o que meus pais faziam? - Não quero ser culpada por algo que não fiz - acrescentei ao áudio, começando a ouvir minha voz ser reproduzida na língua deles -

- desculpa perguntar assim mas.. seus pais te batiam? - disse um garoto de cabelos laranjas, logo sendo traduzido pelo… celular? -

- sim.. mas agora eles não vão mais me b-bater... - gaguejei por começar a derramar lágrimas, é bom saber que estou livre, mas é ruim porque não sei se eles podem cuidar de mim.. eles estão sendo atenciosos.. nunca recebi atenção…. É tudo muito novo pra mim - meu pais sofreram um acidente de carro atrás desse muro, os meus pais morreram.. Eu acho.. e o motorista do caminhão que bateu na gente só ficou arranhado.. Eu desmaiei.. e não sei como parei aqui… - disse chorando muito, mas não chorava pelo que aconteceu, e sim pela dor que sentia no corpo -

- se acalme, vai ficar tudo bem ok? Vou cuidar de você.. agora preciso que venha comigo, vou te dar roupas novas até comprarmos do seu tamanho - disse o garoto que me trouxe aqui, ele me pegou pelo pulso delicadamente e me levou ao que suponho ser o seu quarto, ele tirou seu celular do bolso da sua calça e colocou no tradutor - poderia tirar sua camisa? - a voz foi repetida no meu idioma -

- o Que?! - fiz uma cara de desespero logo dando pequenos passos para trás -

- não vou fazer nada com você! É que ela está com rasgos e provavelmente tem cortes na sua pele! Eu não sou pervertido! - disse ele com as mãos para cima, ele parece ser uma pessoa boa.. mas confesso que as vezes sinto medo deles -

- t-ta b-bom - digo com medo e muito envergonhada, retiro a camisa com cuidado, porque realmente estava cortado, e entrego para ele, que logo deixa ela em uma cadeira que tinha ali, ele se aproxima e com delicadeza, passa o algodão no corte acima do umbigo, tirando todo o vestígio de sangue que tinha ali -

- Posso passar aqui? - diz ele apontando para o meio dos meus seios pequenos, fiz que sim com a cabeça  e ele aproximou o algodão, fazendo a mesma coisa que tinha feito no corte mais abaixo - tome um banho nesse banheiro, depois coloque a roupa que vou deixar aqui na cama, tá bom? - Ouço a tradução e digo que sim, logo sou levada ao banheiro onde fecho a porta e tiro a minha roupa -

Entro debaixo do chuveiro e vejo o quão acabada estava, o sangue que ficou pelo corpo saia todo, deixando a água em um tom laranjado,lavei o cabelo, depois passei o sabão com muito cuidado porque tudo doia e desliguei o chuveiro, logo me enrolando na toalha, abro a porta do banheiro e me aproximo da cama, vi que tinha uma camisa branca e uma cueca, pareciam ser novas, já que ainda tinham o cheirinho de lojas.

Coloquei a roupa e enrolei a toalha na cabeça, me olhei no espelho e reparei que a camisa ficava que nem um vestido longo em mim, já que passava dos joelhos.

Sai do quarto e voltei o caminho que tinha feito quando o garoto me levou pro quarto e me deparo com a sala em que estava antes, ela estava vazia, então fui aonde o moço do cabelo verde tinha ido e, como tinha deduzido, era a cozinha, o moço que tinha me levado estava lá, fazia algo no fogão, então apenas fiquei olhando ele, até ele olhar pra mim e me mandar um sorriso, como ele estava sem o celular dele, não tinha como agradecer, então me aproximei e abracei ele de lado fiquei ali até que ele passou sua mão na minha costa.

Como eu sou muito magra, extremamente magra, dá  pra ver o meus ossos de tou magra, ele desligou o fogo e me pegou no colo, dando um abraço confortável, ele me levou até a sala e me deixou sentada no sofá, pegou seu celular e colocou em uma coisa, acho que é pra aprender o coreano, porque tinha muitas letrinhas que não conhecia, e era muito parecido com o que vi nas casinhas que vendem coisas lá fora.. bonitinho.

Ele deixou o celular na minha mão e fez o sinal para ficar aqui, logo entendendo e ficando ali, olhando para o celular, tinha várias letrinhas nele, letras desconhecidas por mim, mas pareciam ser legais.. bom.. vou começar.. Ainda não sei o nome deles.. Ah.. vou aproveitar essas coisinhas novas!

Fiquei ali no celular por mais um tempo até o moço voltar da cozinha e me levar pra comer, tinha um problema pequeno, mas logo foi resolvido, não sabia pegar aqueles pauzinhos, o moço me ensinou a usar a coisa que não sei o nome, então vou chamar essa coisa de pauzinho.

Depois de comer, comecei a sentir sono, então me aproximei do moço que me alimentou e passei o dedo nos olhos, esfregando eles ali, indicando que estava com sono, logo ele deu um sorriso como se dizia que tinha entendido e me puxou para uma porta que tinha um nome escrito nela, não sei o que estava escrito, já que está em coreano, e minha cabeça está muito lenta para ver quais são as vogais nessas letras.

Ele abre a porta, logo mostrando o garoto dos fios verdes deitado na sua cama com o seu celular na mão, ele não dormia, então ele olha para o moço que me segurava e começou a falar com ele, não sabia de nada, então vou continuar sem saber, porque o sono me atingiu legal agora e eu nem me aguento em pé.

O moço viu que eu ia caindo, então ele me pegou no colo e se aproximou da cama do de madeixas verdes, logo me deitando ali do seu lado, ele puxa o celular do moço deitado e põe no tradutor, tudo no meu idioma.

- você dormirá com ele porque ele é a única pessoa que dorme sozinho e que tem uma cama de casal - disse o moço que estou quase chamando de pai, de tão carinhoso que ele é comigo - quando você acordar, terá uma surpresa esperando por você - ele deu um sorriso e deu um beijo na minha testa, logo devolvendo o celular do amigo que já lia o que estava no meu idioma - fique de olho nela e não faça nenhuma besteira, ouviu?! - ele fez uns sinais com os dedos, tipo assim, eu tô de olho hein, juízo! Mas não tenho certeza se é isso, já que ele estava falando coreano -

- tá bom omma - ele da um sorriso gengival lindo pelo meu ponto de vista, pena que não entendi o que ele falou, o garoto que já saia do quarto ia entrar de novo só pra dar um tapa no de cabelo verde, quando ele me abraça e me aconchega nele, mais me usando como escudo, confesso que dormi ali depois disso….. -

Não sei o que me espera.. Não sei o que ocorre, não sei o que pode acontecer… o que importa é que agora ninguém pode me bater mais…

Ou será que sim?


Notas Finais


Oi pessoal! Voltei com o segundo capítulo dessa fanfic que estou gostando muito de fazer ela, ainda não consegui fazer ~aquele~ capítulo, mas logo logo irei postar ele, me aguardem, terá muita coisa para ler hehehe..
Não consegui escrever nada nas notas iniciais, meu celular bugou, então vou escrever apenas aqui mesmo.
Uma curiosidade sobre a camisa que ela usa, é a macias do Jungkook, nessa imagem aqui... ou gif.. nuzei comu vai aparicê pra vuxeis aí!
- https://pin.it/kgmvakgzylwxia

Eu estou me baseando nesse vídeo aqui, que fala sobre a casa do BTS e tudo mais.... na fanfic eu coloquei casa... mas no vídeo são uns prédios de 5 andares.. fingem que está certo!!
- https://youtu.be/gInwFyzCeCc

Outra dúvida, o aplicativo que a menina usou pra ficar ali se distraindo iria ser um específico, mas depois achei melhor não, porque se não eu praticamente estaria dando uma aula do que iria ter ali e de como usar kkkkk.


Espero que gostem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...