1. Spirit Fanfics >
  2. Thanks, baby - Jon Bon Jovi Fanfiction >
  3. You say true love its suicide (parte 1)

História Thanks, baby - Jon Bon Jovi Fanfiction - Capítulo 32


Escrita por:


Notas do Autor


Eu sei. Demorei mais uma vez. Espero que todos estejam bem e se cuidando.

Danna mais confiante. Existe alguém insubstituível? O amor próprio vale mais?
*** nome do cap verso de I'll Be There For You.

Capítulo 32 - You say true love its suicide (parte 1)


Fanfic / Fanfiction Thanks, baby - Jon Bon Jovi Fanfiction - Capítulo 32 - You say true love its suicide (parte 1)


Cheguei no apartamento com Maya tristonha. Era pequeno demais e ela não tinha se adaptado ainda. Nem eu, Maya - pensei em voz alta.

Por mais que eu tenha decidido o certo, não ceder a Jon, eu estava triste. A verdade que desde o fim da turnê nós praticamente não ficamos juntos. E eu me sentia mal por ter alguma culpa em não esperar. Mas eu logo tirava isso da minha cabeça. Não posso ceder integralmente. Ser uma amante era algo que eu já sabia o que me esperava. Mas as promessas feitas, a casa, talvez eu tenha me iludido além do permitido.

O tempo foi passando. Jon me ligava constantemente. No escritório me abordava, querendo saber onde eu estava. Ele não aceitava que abandonei a sua casa. E quando me referia dessa maneira, ele ficava aborrecido. Já tinha um mês isso. E nesta data redonda, ele despejou na minha cara. No escritório, na sua sala, fechou a porta e começou. Eu estava tremendo:

- bom, você não tem paciência de esperar, eu conto, eu explico tudo para você. Sabe de cada aspecto da minha vida. Não escondo nada. Jogo aberto. E o que recebo? Sair escondida da nossa casa, levando a Maya. - disse num tom ríspido, nunca vi Jon assim antes e ele continuou

- então eu decidi que você não pode manipular assim nossa relação. Nosso mundo é outro. E nada, ninguém, está acima do meu casamento. Por mim tudo o que temos, tivemos, está acabado.

Eu olhei atônita, estava perplexa. Comecei a chorar, discretamente, mas era perceptível. Sai da sala e fui direto para casa. Mas no caminho já estava me sentindo estranhamente calma. Como se os sobressaltos dos últimos meses me moldaram a ferro. Senti que sim, eu poderia viver sem Jon. E andando e refletindo sobre isso, me senti cada vez melhor. Eu poderia continuar trabalhando com a banda. Não queria perder meu trabalho dos sonhos, o documentário que estava produzindo com Anton Corbjn.

Assim que entrei no pequeno apartamento, acariciei Maya, e tomei um longo banho. Não chorei mais. Não sentia peso algum. Só determinação.

E foi com essa determinação que peguei o telefone. 4 ligações perdidas e 1 mensagem. Todas de Jon. Aparentemente ele estava arrependido. Li a mensagem:

- pequena, eu estava muito bravo. Não quero acabar nada. Amo você. Me liga, por favor.

A velha montanha russa de sentimentos foi embora. Eu li com alívio? Não. A determinação estava na frente, assim como a auto estima. Não estsva jogando nenhum jogo mais. Nada de campo. Nada de bola. Liguei de volta, como pedido:

- ah baby, que bom que você ligou. Achei que demoraria falar comigp novamente e eu sinto...- eu logo interrompi.

- Jon, desculpe, o que tenho a falar é rápido e direto. Você tem razão. Tudo acabado. É impossível. Mas no terrenos das possibidades, podemos continuar trabalhando juntos?

- minha querida, pequena, me ouça, eu me arrependo de tudo que falei eu só...-interrompi novamente

- a nossa relação pode ser profissional? Posso continuar trabalhando com o Bon Jovi?

A voz de Jon falhava, sei que estava ferido. Mas não foi a minha intenção eu realmente o amava. Eu só queria viver sem sobressaltos. Queria uma relação de ir jantar fora, cinema, andar de mãos dadas. Eu apenas me amava mais. E tudo isso, toda a nossa história, nossa relação, me parecia suicídio assistido.

- claro, pequena, quero você aqui. - disse desanimado, num suspiro.

Desliguei. Olhei para Maya que balançava o rabinho. Passei as mãos pelo cabelo e rosto. Andei calmamente pelos poucos metros que me permitia aquele chão. Voltei ao telefone, com o número num guardanapo de restaurante. Sorri discando. Do outro lado, uma agradável voz com sotaque atendia:

- alô Claes, aqui é a Danna. O convite do jantar expirou a validade?


(Continua...)





Notas Finais


Parte 2 do capítulo vem logo.

Obrigada por acompanhar. Fiquem bem e se protejam. Muito amor


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...