1. Spirit Fanfics >
  2. Thanks for all >
  3. Seja meu amigo

História Thanks for all - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Antes de começar as notas iniciais...

*Momento Pedro Divulgações*
Voz de locutor: A Pedro divulgações entra na área para o seu serviço.

Queria aproveitar para recomendar a vocês uma fanfic super legal...

- É a do @squidbaka e se chama " Ash e as quíntuplas", que mostra a vida de Ash Ketchum sendo o professor particular de 5 irmãs ricas, mas a relação deles com elas vai além disso e lá ele passa pelas diversas situações. ( https://www.spiritfanfiction.com/historia/ash-e-as-quintuplas-19214613 )

essa história é muito legal,vão lá dar um conferida que eu garanto que vocês irão gostar muito.

Voz de Locutor: Se quiser ter o seu trabalho divulgado, entre em contato conosco. A Pedro divulgações agradece a preferência.
--------------------------------------------------------------------------------

Bom dia Brasil!

Trazendo mais um capítulo inédito pra vocês, e já agradecendo pelo ótimo feedback que eu recebi no capítulo passado. Muito obrigado mesmo, vocês não sabem o quanto eu fiquei feliz pelos comentários e favoritos de vocês, e isso me motivou demais a escrever mais ainda. Cada comentário que vocês deixam e favorito que vocês dão é uma motivação a mais pra mim.

Mas, é só isso mesmo meus caros, fiquem com o capítulo de hoje

Locutor: Desejamos um ótima leitura...

Capítulo 2 - Seja meu amigo



Eu não acreditei quando vi quem estava me chamando, eu simplesmente nao pude crer em quem estava na minha frente... Quatro anos sonhando em revê-lo, alimentando uma esperança de encontrá-lo novamente e, quando menos espero, ele aparece, de repente... É, o destino tem algumas coisas que nós, meros mortais, jamais iremos entender.


- Olá Ash, quanto tempo... - Eu digo com as mãos na cintura, demonstrando não estar surpresa e, porquê não dizer, feliz com a presença dele ali, mantendo uma postura neutra e séria.

- Digo o mesmo, fico feliz que lembre de mim após tanto tempo. - Ele diz, coçando a nuca e dando uma risadinha - Creio que tenha assistido minhas batalhas nas ligas, certo?

- Você é esperto... Desde a liga Kanto, eu tenho lhe visto nas ligas das outras regiões e, posso dizer que você é extremamente forte... - Eu falo, enaltecendo sua força, o que deixou ele um tanto orgulhoso, embora tentasse não demonstrar isso. Isso foi engraçado. - Mas, me responda, por que veio me desafiar novamente? - Eu o pergunto, já que ele disse isso quando veio até aqui.

- Eu estou desafiando os líderes de ginásio no qual eu não ganhei a insígnia por ter vencido a batalha, mas por alguma espécie de "agradecimento".- Ele fala essa última palavra fazendo um sinal de aspas com os dedos - Sinto que estou mais forte do que naquela época, e quero ganhar essa insígnia da forma que é pra ser, com uma batalha, e caso eu perca, devolverei a insignia e irei lhe pedir uma revanche. Você aceita minha proposta? - Ele me pergunta, e eu, prontamente, o respondo.

- Está bem... se é o seu desejo, farei como preferir... - Eu falo enquanto saco uma pokebola, e assim que tiro, a maximizo - Mas saiba que... não irei facilitar... principalmente para um recém campeão de região... - Eu falo enquanto lanço a pokebola, e dela sai o meu Alakazam.

- Não espero menos de uma líder de ginásio tão forte como você. - Ele me diz e eu coro levemente, não sendo percebido pelo mesmo, que estava sacando a sua pokébola e expandindo o seu tamanho - Então, pode vir com tudo. Saia Sceptile! - Ele diz e joga a sua pokébola, liberando o Pokémon Floresta.

Agradecimento... Ash falou sobre isso, mas em seu caso, segundo ele, foi uma espécie de premiação por alguma atitude nobre, eu digo pois ele ganhou a insígnia desse ginásio por conta disso, porém, no meu caso, o tal do agradecimento tem motivos maiores e mais profundos... isso está relacionado a gratidão, certo?! Tenho uma dívida de gratidão enorme com ele, pois ele mudou radicalmente a minha vida e, fez algo que nunca pensei que alguém faria... Me conquistou. 

Fiquei feliz quando ele me falou que eu era forte, mesmo depois de tantos anos, ele ainda tem memórias daquela batalha, e agora, tenho a oportunidade de enfrentá-lo novamente, e sendo assim, não vou decepcioná-lo. Mostrarei a ele toda a minha capacidade e todo o poder que meus Pokémons podem oferecer.

Meu pai se ofereceu para ser o juiz daquele duelo, e antes de começarmos, ele resolveu falar com Ash e o parabenizar pela vitória na liga de Alola, o que nos atrasou um pouco, mas não me incomodei, fiquei até feliz com isso, pois isso já mostra que ele será bem aceito pelos meus pais, caso um dia vire da família né?! Eu espero que isso aconteça, de verdade. 

Assim como eu, tanto minha mãe, como meu pai tem uma dívida de gratidão com ele, e tenho certeza que eles ficariam muito satisfeitos em tê-lo como genro, e essa também é a minha vontade. Torço pra que esse fato se suceda.

- A Revanche pela insígnia do pântano entre a líder de ginásio Sabrina, e o campeão da liga Alola Ash Ketchum irá começar. Cada treinador usará 3 Pokémons cada, podendo ambas as partes substituir ao longo da batalha, Sem limite de tempo. Como foi acordado, caso Ash vença, a insígnia permanecerá com ele, porém, se a líder Sabrina sair vitoriosa, ela terá o direito de recolher a insígnia, podendo ser desafiada novamente pela mesma. - Meu pai passa a limpo todas as regras e, após isso, me preparo para o comando inicial dele, sendo seguido por Ash - Dadas as regras, Podem começar!

Vou fazer um resumo da batalha para não tomar o tempo de vocês. Bom, na primeira batalha entre Alakazam e Sceptile, consegui sair em vantagem com o Psybeam, mas logo depois o Ash conseguiu conduzir bem, com suas estratégias imprevisiveis, me deixando encurralada na maior parte do tempo, o que me fez usar a mega evolução, e isso me fez ter um controle melhor da batalha, porém por alguns instantes, pois fomos derrotados com um Leaf Blade, após o Sceptile ter desviado do Confusion. É, ele é muito inteligente se tratando de batalhas.

Logo após, lancei a campo o Metagross, outro Pokémon que tinha acesso a mega evolução, e ele resolveu manter o Sceptile em campo, uma vez que a vantagem era minha por conta do tipo metálico. Uma coisa que notei vendo suas batalhas, é que ele, mesmo em uma situação desfavorável, confia 100% na força de seus pokémons, independentemente de estar sob desvantagem ou não, e isso faz com que a confiança entre ele e os pokémon aumente drasticamente, e isso é tão evidente que em algumas batalhas que presenciei dele, o mesmo conseguiu sair vitorioso mesmo com um cenário no qual qualquer treinador não conseguiria sair sem ser derrotado, portanto, não tomei a decisão de mantê-lo em campo mesmo com o favorecimento meu como um desdém, mas como um desafio para mim. Ele é incrível. 

Comecei atacando-o com um Signal Beam, logo de cara,um ataque do tipo inseto que tem vantagem sobre ele, o que acabou sendo super efetivo, e junto com o cansaço da batalha anterior o fizeram perder muita energia, entretanto, ele se mantinha de pé; Sua resistência era impressionante, pensei que conseguiria acabar com aquela batalha logo, mas me deparei com um Pokémon fantástico, que resistiu ao máximo, contudo, devido ao esgotamento físico, foi a lona com um Shadow Ball. Minha estratégia de enfraquecer o adversário nos primeiros movimentos surgiu efeito, afinal, embora ele estivesse cansado, me fez suar um pouco... Eu digo a vocês que, esse Pokémon mega evoluído, iria causar um estrago nas ligas.

Logo depois, Ash pôs em campo o seu Talonflame. Creio que ele tenha se precavido e trouxe a sua ave consigo, embora eu ainda possa vencer. Ele iniciou com um Razor Wind, o que foi estranho de início, mas logo vi que era mais uma de suas estratégias, na qual consistia em cobrir a visão do Metagross com a poeira formada pelas lâminas de vento e atacar de surpresa, só que percebi a tempo e o impedi de me atacar, ordenando que meu Pokémon metálico desviasse e usasse logo em seguida um Shadow Ball, que o atingiu em cheio. 

Durante o duelo, consegui me sair de várias armadilhas criadas por ele, mas não fiquei na defensiva e o ataquei diversas vezes, fazendo-o ficar, em determinados momentos, em desvantagem, porém, ele é bastante forte, e não vi outra alternativa a não ser mega evoluir o Metagross, e assim como na primeira batalha, a mega evolução me deu um controle maior, mas, lembra quando eu citei a resistência alta dos Pokémons do Ash? Pois é, isso pesou bastante durante a batalha, e quando o meu Metagross já estava no seu limite, o Talonflame de Ash ainda estava com energia para lutar, visto que ele usou Brave Bird em momentos estratégicos, e mesmo o Metagross tendo resistência, isso exigiu muito dele. Sendo assim, fomos derrotados com um Flame Charge. O que um bom STAB não pode fazer né...

Confesso a vocês que, de todas as batalhas que já enfrentei, nessa em específico, eu estava dando o melhor de mim, estava querendo mostrar a ele o quanto eu sou forte, e que as suas expectativas sobre mim estavam certas, tanto que usei dois pokémons que mega evoluem e, me vi na condição de usar essas mecânicas. E além disso, queria impressioná-lo, afinal de contas, sempre sonhei com isso, e quando esse dia chegou, não queria fazer feio. Bom, lancei a campo o Gengar, e assim que Ash o viu, ficou extremamente feliz.

- Vejo que cuidou bem do Haunter, Sabrina, fico muito feliz que ele tenha evoluído e esteja forte e saudável. Fez um ótimo trabalho. - Ele me diz e me deixa muito feliz. Ouvir elogios de quem você ama é extremamente gratificante.

- Obrigada... Mas prepare-se, pois você verá o quanto ele ficou forte... - Eu digo com convicção, e isso o deixou animado.

- Então... me surpreenda! - Ele diz com determinação.

Essa última palavra, foi o que me motivou de verdade... Realmente eu estava tentando fazer isso e, quando ouvi isso partindo dele, senti uma motivação na qual eu nunca havia sentido em nenhuma batalha... Pode parece clichê, mas eu estava determinada a deixá-lo impactado, e para isso, Saquei a minha arma secreta. 

Se não me engano, lembro que, em um dia que estava o treinando, disse a ele que, caso um dia estivéssemos em um duelo com o Ash, que ele usasse toda a sua força ali, e bom, esse dia chegou, e creio que ele não fará feio. Ele não retira seu pokémon da batalha, mas visivelmente ele está bem cansado devido ao embate anterior que exigiu dele muita força, afinal, lutar contra uma mega evolução, por mais vantagem que se possa ter, não é moleza. 

Tenho que admitir, ele é um pouco teimoso em determinados momentos, mas faz parte da personalidade dele. Com apenas Shadow Ball e um Lick, derrotei o seu Talonflame, uma vez que o pássaro estava com sua energia no limite, e com isso, a próxima batalha seria a que decisiva.

Ash, então, decide colocar em batalha o Pikachu. Eu sabia que aquele ratinho era incrível, já lutou contra um Latios, um Silvally e um Regice, e em âmbas oportunidades, os deixou fora de combate, então, pra mim, derrotá-lo sério algo extraordinário, embora o Gengar seja bem poderoso. 

Tentei usar umas das minhas estratégias, diminuindo a velocidade do meu oponente usando Curse por duas vezes, porém hábilmente, o Pikachu conseguiu desviar e nos atacou com o seu Thunderbolt. Em toda a batalha, tanto eu como Ash estávamos lutando de igual pra igual, sem sabermos quem estava na vantagem, pois devido a força e intensidade na qual nossos pokémons estavam duelando, ficava difícil de apontar quem estava a frente, e então, fui forçada a usar mais uma vez a mega evolução, e com isso, consegui tomar a frente do duelo, e quando pensei que sairia com a vitória, eis que o Ash me surpreende mais uma vez. 

Ele ordenou que o Pikachu usasse seu Iron Tail, e quando o ratinho amarelo atacou o Gengar, ele acabou ficando paralisado por conta da habilidade Static que o roedor elétrico possuia, e isso nos prejudicou muito, e assim, o meu oponente pôde tomar o controle da batalha, me deixando em um mato sem Houndoom.

- Pikachu, finalize com Thunderbolt! - Ele ordena e seu pokémon solta uma poderosa descarga no fantasma, que nao resiste e cai, derrotado.

- Gengar está fora de combate, Pikachu vence, o que significa que Ash Ketchum, da cidade de Pallet, é o vencedor desse duelo. - Meu pai anuncia o fim da batalha.

Acho que só por 3x que o Gengar fora derrotado, e todas elas por treinadores que viriam a ser os campeões da liga Kanto, mas com essa, já contabilizam 4 derrotas. 

Era muito raro alguém derrotá-lo, por esse motivo que não costumo utilizar ele nas batalhas do meu ginásio, mas nesse caso, era diferente, quis mostrar minha força e minha capacidade como líder, e bom, acho que consegui, pois em determinados momentos do nosso duelo, ele esteve encurralado. 

Não fiquei triste nem chateada pela minha derrota, mas fiquei orgulhosa, tanto por mim, como pelos meus pokémons que deram o máximo, especialmente o Gengar que estava batalhando com todas as suas forças. A batalha que eu sempre desejei havia saído melhor do que eu esperava.

Recolho o Gengar para dentro da pokébola e logo em seguida, vejo Ash fazendo um carinho na cabeça de seu Pikachu, e ao ver isso, dou um sorrisinho e resolvo ir o parabenizar.

- Parabéns pela vitória... Não é fácil derrotar o Gengar, somente os 3 últimos campeões da liga que conseguiram essa proeza... - Eu digo enquanto aperto sua mão.

- Sério?! Fico muito feliz em saber disso, isso me mostra que estou me fortalecendo a cada dia. Muito obrigado por ter me dito isso, me motivou mais ainda. - Ele fala com o seu inconfundível olhar determinado, o que me deixou satisfeita.

- Onde pretende ir agora? - Eu resolvi perguntar.

- Para Celadon, desafiar a Erika. Na época, um incêndio ocasionado pela equipe rocket interrompeu a nossa batalha, e como eu resgatei o Gloom dela, ela me presenteou com a insígnia do arco-íris. - Ele me fala e eu me surpreendo novamente. Ele encarou as chamas para salvar um Gloom? Que corajoso.

- Então, te desejo boa sorte lá... - Eu falo enquanto olho pro chão, não por questão de timidez, mas por conta do meu jeito mesmo.

- Obrigado, até mais ver Sabrina. - Ele fala enquanto se dirige até a saída.

Eu não poderia deixar essa oportunidade ir embora, sonhei tanto com esse momento, e quando a oportunidade chega, eu não ia jogá-la fora. Eu olhei para o meu pai que ainda se encontrava lá, ele acena com a cabeça e eu vou em direção ao Ash. Meu pai também sabia do que eu sentia, e assim como eu, ele deve ter sentido a mesma alegria quando o viu.

- Ei Ash! - Eu o chamo, consegui alcançá-lo antes que ele pudesse sair do ginásio.

- O que foi, Sabrina? - Ele pergunta, se virando em minha direção.

- Eu queria te agradecer... - Eu falo, novamente olhando para o chão e com o meu punho direito encostado em meu peito.

- Pelo que? - ele me questiona, visivelmente confuso.

- Por aquele dia... - Eu direciono meu olhar até ele - em que você me libertou... Sabe, talvez se você não tivesse aparecido, eu ainda estaria sob o controle daquela boneca, e me tornaria uma pessoa malvada e perversa, mas graças a sua coragem, me desprendi daquele domínio mal. Sou eternamente grata a você...

- Tá falando daquele dia em que a Misty e o Brock viraram bonecos? Ah sim, eu precisava tirá-los daquela situação. E que bom saber que eu pude te ajudar também, fico feliz que eu tenha feito isso por você. - Ele me fala e, meu rosto fica levemente ruborizado. Saber que ele ficou contente em ter me ajudado me deixou bem satisfeita.

- Muito obrigada, por tudo... - Eu falo e, tomada pelo impulso, lhe dou um abraço que foi correspondido em seguida, e como éramos do mesmo tamanho, não tive dificuldades.

Aquele momento era único, apesar de ser um simples abraço, fazer isso com a pessoa amada tem um gostinho especial, certo?! Pois bem, aquele momento estava sendo único pra mim, sonhei tanto com esse momento que, de repente, eu estava nos braços dele... Isso é simplesmente surreal, o destino é uma coisa que não vamos entender jamais. Eu realmente queria que aquele momento durasse mais tempo, porém, tive que me desfazer dele, mas logo após, tomei a palavra e lhe fiz um pedido.

- Por favor... Seja meu amigo... - Eu pergunto, olhando em seus olhos e, ele me dá uma resposta.

- É claro! Você me parece ser uma pessoa legal. - Ele me responde com essas palavras, o que me fez dar um sorriso fraco.

Eu nunca havia pedido a amizade de alguém antes, muito por conta de sempre estar isolada por conta da minha condição e pelo fato de, na infância eu ser um pouco antisocial. 

Os amigos que fiz, foram se desenrolando naturalmente, sem precisar que eu pedisse para ser amiga deles, mas com ele, foi diferente, eu queria muito ter um vínculo de amizade com o Ash, não poderia deixá-lo ir sem ao menos ter ele como amigo, pois isso já era um passo se eu quisesse ter alguma coisa a mais futuramente e, quando ele aceitou o meu pedido, fiquei tão feliz que seria capaz de pular de felicidade, porém não sou de demonstrar muitos sentimentos, então soltei apenas um sorrisinho.

- Estou indo até o centro pokémon, gostaria de me acompanhar? - Ele me propõe e, prontamente, lhe dou a resposta.

- Adoraria... - Eu o respondo e em seguida, caminhamos em direção ao local.

Fomos conversando até o local, e durante o caminho, descobri que ele possui a mesma idade que eu e, que após desafiar os líderes novamente, irá passar um tempo em sua cidade, para que assim, possa pensar em novas jornadas. Chegamos rapidamente e, nos dirigimos até o balcão onde a enfermeira Joy nos recepcionou.

- Olá Sabrina, Olá Ash, Sejam bem vindos ao centro pokémon. - Ela nos recebe com um simpático sorriso, sendo retribuído pelo moreno e por um aceno meu.

- Oi enfermeira Joy, me surpreende que você saiba quem sou. - Ele diz, acho que ele não tenha ciência ainda de que seja bem famoso.

- Como não saberei? Vi as finais das ligas de Kalos e Alola, você foi bem nas duas, se tornou bem famoso aqui em Kanto. Ah, meus parabéns pelo título. - ela o parabeniza e o deixa sem jeito.

- Obrigado... Geralmente as pessoas não lembram de mim, ou não sabem quem sou eu, já que participei de 7 ligas, por isso que demonstrei surpresa por você saber quem sou eu. Não sabia que era famoso por aqui. - Ele justifica e isso me deixa confusa. Como alguém não consegue reconhecé-lo? Ele participou das ligas de todas as regiões, venceu a batalha da fronteira daqui, ganhou outros mini-torneios, viajou de Kanto até Alola... Creio que alguma força maior esteja manipulando isso, será o Mewtwo ou o Celebi por trás disso?

--------------------------------------------------------------------------------

Enquanto nossos pokémons estavam se recuperando, continuamos a conversar e, ele me contava sobre as suas aventuras pelas regiões que passou, e fiquei impressionada a cada coisa que eu escutava. 

Vocês sabiam que ele já viajou no tempo com o Celebi? E que ele já deteu um Groundon? E o melhor, ele já teve contato com Arceus, o deus pokémon, e isso me deixou perplexa. Sem contar os seu envolvimento com míticos e outros lendários, as vezes que ele deteve equipes como a Flare, Plasma e a Rocket, a vez que capturou um Noctowl shiny e etc. 

Também me contou sobre suas participações em ligas, e pude notar que o mesmo falava sem tristeza ou ressentimentos, pois para ele, essas derrotas o fortaleceram ainda mais e o fizeram ser o treinador que é hoje, e convenhamos, que treinador. Dentre todas as jornadas que ele me relatou, uma em específico, o deixou com brilho nos olhos: a de Alola. Quis saber mais sobre a passagem dele por lá, percebi que aquela região o fez bem.

- Poderia me contar sua experiência por lá? Fiquei curiosa em saber... - Perguntei, querendo saber mais.

E ele me relatou, e finalmente pude entender o porque do brilho nos olhos quando ele me disse da região tropical, pois lá ele pode ter uma família de verdade. 

Em Alola, ele entrou na escola pokémon e lá conheceu 5 pessoas onde, conseguiu criar um vínculo enorme de amizade com elas. Falou sobre os ultra guardiões que consistia em mandar ultra beasts - que é como se fosse lendários, segundo o Ash - para uma espécie de espaço, e em umas dessas missões, ele acabou capturando um Poipole que evoluiu para Naganadel, e claro, fiquei pasma, não sabia que dava pra alguém capturar algum "lendário" da mesma dimensão do Deoxys. 

Bom, ele me contou também que fez o desafio das ilhas, onde ele enfrentou uns tais de kahunas - O Ash falou assim, não sei se está certo -, que é como se fosse uma espécie de elite four da região e, como eu pensei, ele conseguiu derrotá-los. Consegui descobrir também, por intermédio dele, que aquele Lycanrock não era um shiny alternativo, Mas sim uma nova forma de evolução que ele chamou de crepúsculo. Durante todo o relato dele, uma parte em específico, o fez ficar, um tanto quanto emocionado. A sua família.

- Sabe, em Alola pude viver, pela primeira vez, o que é ter uma família de verdade. O professor Kukui e a professora Burnet foram um pai e uma mãe pra mim, eu nunca vou esquecer dos momentos em que passamos juntos, e isso eu vou guardar comigo durante toda a minha vida. - Ele fala, não soltando lágrimas, mas visivelmente emocionado.

Família... Eu sempre tive a minha presente, com meus pais, apesar da minha condição, me dando amor e carinho sempre, nunca deixando nada a ser preenchido, faziam tudo na medida do possível para mim, mas com ele, era diferente... 

Sei que ele não teve a figura paterna presente em sua vida, porém não sei o que aconteceu com o pai dele, até pensei em perguntá-lo, mas vi que não era o momento para perguntar aquilo que era tão pessoal. Se caso algum dia nós viermos a sermos mais próximos, irei questioná-lo sobre isso a ele. 

A ideia de família é algo bom, é um símbolo de amor e união entre duas pessoas que se amam, correto?! Pelo menos na teoria é assim. Espero um dia formar uma família com o Ash.

O toque do centro pokémon soa, e logo a enfermeira Joy aparece com nossos pokémons em uma maca.

- Desculpe a espera, mas os pokémons de vocês estão com a saúde recuperada. - Ela nos diz de forma simpática e nós vamos até eles, recolhemos os mesmos e saímos de lá. Enquanto saíamos de lá, Ash resolve tomar a palavra.

- Bom, eu já falei de mim, agora me fale sobre você. - Ele me pede e isso me pegou um tanto de surpresa.

- Eu não tenho muita coisa relevante sobre mim... - Eu o respondo.

- Claro que tem, uma líder de ginásio tão forte como você deve ter várias histórias incríveis. Vamos, me fale. - Ele diz e eu coro um pouco com o elogio.

- Tá bom, já que insiste... - Eu digo e começo a falar sobre mim.

Falei sobre a minha vida, como adquiri os poderes e sobre minha liderança no ginásio, e eu não sabia que isso o deixaria tão impressionado, e é ate estranho, uma pessoa que já teve contato com lendários ficar entusiasmado assim com as coisas que lhe contava é um tanto peculiar.

- Então é por isso que você usava aquelas pulseiras. - Ele conclui e eu assinto com a cabeça.

- Sim... Eu usava elas frequentemente na infância, era uma forma de controle sobre mim, mas depois que consegui dominá-los por conta própria, não precisei mais delas... só uso nas batalhas de ginásio mesmo...

- Entendi, eu achei elas bem legais, te deixa até mais bonita. - Ele fala e eu, que até então corava levemente, agora coro mais visível, o que passou despercebido por ele.

- Obrigada... você também é bem bonito... - Eu o respondo e ele cora, e logo em seguida ele me olha e percebe meu rosto vermelho ainda, e assim, damos uma risada.

Eu estava adorando aquele momento, conversamos bastante, compartilhamos experiências, rimos e nos elogiamos. Eu não costumo conversar muito, mas com ele foi diferente, queria continuar dialogando sem parar, ele é muito animado e elétrico, não por menos o Pikachu foi o seu pokémon inicial, e fora isso, ele me deu um elogio. 

Muitos homens já me elogiaram, mas eu não dava muita importância, afinal, eu tenho convicção disso, mas como eu já disse, vindo da pessoa amada tem um gostinho especial, principalmente quando o elogio é sobre a sua beleza, e se, ele me acha bonita, já é mais um passo a mais em busca de um futuro relacionamento com ele.

- Esse momento está ótimo, mas eu preciso voltar a minha casa. - Ele fala, e logo o desânimo me bate, porém não podia prendê-lo ali comigo, embora vontade não me falte.

- Tudo bem... Assim que terminar sua batalha com a Érika, venha me ver... - Eu falo e ele assente, dando um sorriso.

- Eu já ia fazer isso, mas é sempre bom lembrar né?! - Ele me diz e eu fico muito feliz com o que tinha acabado de ouvir.

Ele saca uma pokébola e libera o seu Charizard, que ia servir de transporte até a sua casa. Demos um abraço de despedida e aproveito a deixa e depósito um beijo em sua bochecha, o que me faz perceber que a minha atitude o deixou levemente ruborizado, e isso me fez soltar um sorrisinho fraco. Após isso, ele sobe em cima de seu Charizard.

- Até mais ver, Ash... - Eu falo me despedindo dele.

- Até, Sabrina. - Ele se despede de volta e logo em seguida, vejo o pokémon chama levantar vôo e ir em direção a Pallet.

Esse dia de hoje foi maravilhoso, não queria que tivesse chegado ao fim, mas, ele irá retornar aqui, e isso me conforma bastante. Muito obrigada Arceus, por proporcionar esse momento para mim, sou grata a você por isso.


Notas Finais


Mais um capítulo finalizado com sucesso!

O que vocês acharam dessa descrição de batalha? Fez algum sentido pra vocês? Eu fiquei pensando isso enquanto estava fazendo ela...

vou tentar postar o próximo capítulo logo, então fiquem ligadinhos para mais emoções em "Thanks for all"!!!

No mais é só isso mesmo, até a próxima meu compadre :D #vaicorinthians #aquievozao


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...