História That Call - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, Kris Wu
Personagens Byun Baek-hyun (Baekhyun), Kim Jong-in (Kai), Park Chan-yeol (Chanyeol), Personagens Originais, Wu Yifan (Kris Wu)
Tags Galaxyfanproject, Imagine Kris Wu, Imagine Wu Yifan, Kris Wu, That Call, Wu Yifan, Wuniverse
Visualizações 48
Palavras 1.801
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Literatura Feminina, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom dia e olha o hot aí

Capítulo 18 - Eighteen


NARRADORA POV'S

S/N e Kris cruzavam a fronteira entre Missouri e Oklahoma. A garota tinha os braços pra cima enquanto Kris acelerava o Impala a todo vapor. O teto solar estava aberto e proporcionava uma circulação maior de vento dentro do veículo. 

A garota e o homem gritavam juntos ao chegar no terceiro estado. Eles estacionaram num posto de gasolina e aproveitaram para encher o tanque, que estava na reserva. Logo depois, foram passear pelo local onde tinham se hospedado, que não era a cidade grande e sim, rural.

Entraram numa loja de bugigangas. S/N estava cumprindo sua promessa de levar lembrancinhas de cada cidade para decorar sua casa.

— Amor, olha isso! — Mostrou um bonequinho do Elvis Presley que mexia a cabeça — Vou comprar um, você quer?

— É, pode ser. Você viu o anúncio pregado na entrada da loja? — Kris perguntou a abraçando por trás e beijando seu pescoço. — Parece que vai ter um show de rock na cidade. É uma banda cover que vai cantar uns clássicos. 

— Sério? — Ela arregalou os olhos, colocando o bonequinho na cesta de plástico.

— Tá afim de ir? 

— Você não tá cansado? 

— Que nada, a gente descansa agora a tarde e vai pro show à noite. 

— Então eu topo! — Ela pegou um ímã de geladeira com o ponto turístico mais conhecido de Oklahoma e colocou na cesta também. — Podemos ir pro motel depois que acabarmos aqui. 

— Okay. 

S/N continuou comprando coisas e depois de terminar, seguiu com Kris para o motel à beira da estrada. Eles precisavam tomar um banho e foi o que fizeram. Juntos. Ficaram mais se beijando do que tomando banho, mas valeu a pena. 

— Eu te amo. — Falou Kris enquanto a penetrava devagar.

— Eu também te amo, Kris. — Sorriu arranhando a parede com os dedos. Seus gemidos eram baixinhos. 

Depois de chegarem ao ápice, tiveram de ensaboar de novo. Quando acabaram, deitaram na cama para poderem dormir um pouco. 

×


BORN TO BE WILD!


S/N cantava e dançava junto de Kris. Ela nunca pensou que poderia se divertir tanto em um show. A banda cover era sensacional e estava tocando os clássicos mais fodas do mundo. Pelo menos era o que ela achava. 

— Vou comprar uma cerveja, você quer? — Kris falou um pouco alto no ouvido da namorada, já que o som estava muito alto. 

— Pode ser! — Ela concordou, continuando a dançar enquanto Kris saía até o bar. 

O show era numa pequena boate, tinha muitas pessoas se divertindo e S/N não pensava que aquilo um dia poderia acabar. Pra ela, podia durar para sempre. 

— E aí, gata? — Ouviu uma voz de homem perto de si e parou de dançar.

Ele tinha os cabelos curtos, aparentemente molhados, e se vestia todo de preto. Calça, blusa, jaqueta e tênis. Segurava uma lata de cerveja e sorria na direção de S/N, que tentava ao máximo buscar por Kris com o olhar, mas ele parecia estar bem longe. 

— Me desculpa, mas já tô acompanhada. — Respondeu simpática. 

— É, eu sei. Mas não sou ciumento, não. — O homem riu — Meu nome é Yixing. 

— E o meu é Kris. — S/N ouviu e deu graças por ele ter aparecido. Seu namorado tinha uma expressão brava e a puxou para perto dele. — E eu sou ciumento. 

— É, se eu tivesse uma gata dessas, também seria. — Yixing rebateu e piscou pra garota, saindo de perto deles. 

Kris ia atrás dele pra lhe dar umas boas porradas, mas S/N o segurou.

— Não faz isso. — Pediu — Não estrague a nossa noite. Deixa esse doido pra lá. 

— Ok. Mas só porque você tá pedindo. 

— Claro, eu sei que você faz tudo por mim, meu amor. — Ela pegou a cerveja da mão dele e o beijou — Você tá me dando o melhor momento de minha vida! 

Kris sorriu  e concordou, fazendo um   tintim com as latas em mãos. Se agarrou de novo a garota e continuou a dançar com ela. 

Yifan estava muito feliz. Ver o sorriso de S/N o deixava no paraíso, e saber que o motivo era ele, melhorava tudo.Ele havia esquecido  o que era tristeza desde quando iniciaram aquela viagem. Estavam se divertindo, se amando e ainda, noivaram. 

I wanna know

Have you ever seen the rain?


O show durou uma hora e meia. Quando Kris e S/N entraram no quarto do motel, estavam um pouco bêbados, mas ainda assim, excitados. 

A garota tirou a roupa do rapaz numa velocidade incrível, o deixando apenas de cueca. O empurrou na cama e ficou por cima, tirando o short e a camiseta. 

— Vem, gostosa. — Chamou Kris embriagado com o prazer - também. Seu membro dava sinais de vida e formava um volume grande na cueca.

— Vou te agradecer por tudo isso, amor. — S/N falou sensual e lambeu o peitoral de Kris — Vou te fazer gemer gostoso. 

— É? — Ele riu — Então começa.

Kris se sentou na cama e começou a beijar o pescoço da sua noiva. Ela gemia com as sensações proporcionadas por ele, sorria e ficava muito excitada. Sua intimidade estava muito molhada 

— Kris.

— Oi, princesa? — Falou sem parar de beijar e morder o pescoço dela.

— Qual a melhor posição pra fazer um meia nove?

E Kris parou no mesmo segundo quando ouviu aquela pergunta. Eles haviam bebido, mas nenhum dos dois estavam não aptos para fazer escolhas. S/N estava lúcida e se perguntava, era porque queria. E foi isso que o surpreendeu. 

— Com você em cima de mim. Mas você tá querendo fazer? — Perguntou com as sobrancelhas juntas e sorrindo.

— Sim. — Ela sorriu — Quero muito.

— Tudo bem. — Kris foi até sua mala e a abriu, pegando uma camisinha no bolso de dentro — Se você quer, você vai ter. 

S/N comemorou pulando na cama. Tirou o sutiã e a calcinha e jogou longe, ficando totalmente nua em cima da cama. 

— Vou me dedicar muito. — Falou encostando os lábios nos dele.

— Eu sei que vai. — Kris sorriu e voltou a se deitar na cama, chamando S/N com os dedos. 

Bem, a garota sabia que as DST's eram transmitidas tanto de homem pra mulher, quanto o inverso. E foi por isso que, quando esteve em uma farmácia durante a viagem, comprou camisinhas femininas também. 

— Espera. Eu… Eu vou colocar a camisinha também.

— Você comprou camisinha, senhorita S/N? — Kris estava muito surpreso. Até então a garota tinha muita vergonha de falar a palavra sexo e, de repente, passou a fazer e comprar

— É, eu comprei. Você sabe, as doenças não escolhem sexo nem cara.

— Tudo bem, mas vai rápido, porque olha só. — Ele apontou pro próprio membro, já ereto e duro. 

— Opa, não posso demorar! — Ela correu até o banheiro, levando a bolsinha de mãos com ela, onde jazia as camisinhas. — Mas que merda! — Gritou quando tentou colocar o látex, mas era complicado. 

— Amor, tá tudo bem? — Kris perguntou do outro lado da porta.

— Como que coloca essa coisa? — Perguntou S/N suspirando e tirando novamente a camisinha.

Kris sorriu e abriu a porta devagar. 

— Quer ajuda? — Ofereceu.

— Você não se importa? 

— Claro que não. 

— Bem, então… — S/N entregou o preservativo pra ele, que colocou o dedo indicador e do meio dentro e enfiou na intimidade da garota. Ela ficou confusa ao ver que uma parte ficou pra fora.  — Espera, isso fica assim?

— Sim. — Kris riu. — É bem feio de se ver, mas tenha certeza de que você não engravida e nem pega doença. 

— Desculpa por isso, Kris. Ainda vai querer transar comigo? 

— Agora mais ainda. — Kris riu e a pegou pela mão, puxando-a para a cama novamente. 

Ele deitou no colchão e S/N se deitou em cima dele, com a bunda pra cima. 

— Vamos lá. — Ela disse para si mesma pegando o membro de Kris e começando a masturbar.

Sentiu, de repente, a língua de Kris se mover em sua intimidade. Mesmo estando com o preservativo, ela sentia a quentura e textura dos lábios e da língua dele. Era delicioso. 

— Ah! — Ela gritou sorrindo.

Kris também sorriu e apertou a bunda dela com as duas mãos, passando a língua no clitóris inchadinho. Ver as reações mais inusitadas virem da garota fez Kris ficar feliz. Não era o primeiro oral que fazia nela, mas era especial. Muito especial. 

S/N também se dedicava muito para fazer um oral gostoso no noivo. Chupava tudo até a garganta, tomando cuidado pra não engasgar - o que era difícil - e fazia Kris gemer de um jeito que ela nunca viu antes. A voz rouca e baixinha deixava-a muito excitada. 

Kris estava no paraíso, a língua de S/N se movia na cabecinha, a boca chupava com gosto e a mão começou a acariciar as bolas, o deixando maluco. 

Kris movia sua boca muito rapidamente na vagina de S/N. Ele, literalmente, entrava de cabeça nela.

Em algum momento do 69, ambos começaram a investir no outro, S/N rebolava na cara de Yifan e ele movia a cintura até a boca dela. 

— Ah, porra! — Kris gemeu sentindo que logo iria gozar — Amor, eu… Eu to quase lá! 

— Eu… Eu também! — Ela rebolava desenfreadamente na cara dele, sentindo a língua entrar e sair de si. 

S/N chupava o membro de Kris mais rápido, ouvindo o gemido alto e claro atrás de si.

Cacete! — Ele gemeu enquanto apertava e batia forte nas nádegas dela. — Ah, caralho!!!! 

E S/N pôde ver o exato momento que Kris jorrou seu líquido na camisinha e gostou muito do que viu. Principalmente quando levou os tapas na bunda e uma linguada esperta, que a fez gozar na mesma hora. 

— Oooh! — Ela urrou rebolando na cara dele. — Meu Deus! 

— Gostosa. — Kris deu um último tapa e a virou na cama, a trazendo para seu colo e iniciando um beijo bem lento com ela.

Sua língua brincava com a dela, seus lábios chupavam o músculo e mordiam de leve os lábios inferiores. 

— Amor… Que delicia! — S/N riu. 

— Gostou é? — Ele riu e apertou a cintura dela. — Eu também gostei. Você fez bem gostoso. 

— Que bom. — Ela riu — Agora vamos dormir que amanhã temos que continuar a viagem! 

— Certo. — Kris tirou a camisinha e S/N também, percebendo que era uma coisa bem nojenta, mas necessária. 

Ambos jogaram no lixo devidamente e retornaram para a cama, preferindo por dormir de conchinha. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado ♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...