1. Spirit Fanfics >
  2. That sweet smile >
  3. Capítulo três

História That sweet smile - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Howdy pessoas, sim, dois capítulos em dias seguidos. Mesmo que sejam menores acho que é mais fácil para mim escrever mais capítulos curtinhos assim e entregar do que ficar dias tentando escrever caps imensos. Então é isso, espero que gostem do cap, desculpem quaisquer erros ortográficos ou temporais.

Capítulo 3 - Capítulo três


Shigeo acordou com uma forte dor de cabeça e o som estridente de seu despertador. Se levantou, escovou os dentes e vestiu uma roupa decente para sair.

Os três dias mencionados por Reigen finalmente haviam se passado, e Mob estava fazendo de tudo para não ligar para seu mestre, afinal, se ele precisasse de algo ele ligaria e visse versa. E nesse curto período o jovem havia se decidido, assim que ele revesse seu mestre ele contaria todos seus sentimentos! Não importava as circunstancias ele falaria. Afinal, nunca dá para saber o dia seguinte, tinha que apostar tudo nos seus sentimentos ou então poderia se arrepender futuramente.

 

—Shigeo, hoje você não tem faculdade não é filho?

—Sim mãe, não tenho por que?

—Eu queria que você fosse ao mercado e comprasse algumas coisinhas para casa, pode ser?

—Uhum, pode. Tem a lista?

—Sim, sim, só um momento.

 

A mulher foi em direção a uma estantezinha que ficava na sala e pegou um pequeno papel com uma lista de comidas e produtos. Juntamente entregou uma quantia de dinheiro que ela estipulava ser o suficiente. Ele saiu e andou rapidamente até o mercado mais próximo. Pegou um carrinho e começou a caminhar dentro do mercado pegando as coisas que estavam na lista feita por sua mãe.

Com sacolas em mãos o de cabelos pretos se preparava para ir embora. Porem, avistou seu mestre de longe. Havia sido mais rápido do que ele pensava e num piscar de olhos, toda a coragem para confessar seus sentimentos, que ele havia juntando em dois dias, havia sumido. Pensava se fugia ou não, seu olhar e do loiro se encontraram, um frio percorreu por sua barriga e um sorriso se formou no rosto de Reigen. Rapidamente com uma pequena quantia de coisas em uma cesta de mercado o loiro se aproximou.

 

—Mob! Oi, tudo bem?—Disse com um pouco de animação.

—M-Mestre! O-Oi! Eu.. Eu to bem e você?—Talvez não fosse o melhor lugar para confessar seus sentimentos.

 

É, com certeza, um caixa de mercado não era um bom lugar para confessar que ama outra pessoa.

 

—To bem, estou um pouco melhor. Consegui convencer meu pai a ir em um médico e descobrimos que não era nada muito grave—Riu sem graça—Ele está ficando cada vez mais teimoso com a idade.

—Com licença senhor, o senhor já vai passar suas compras? Se não for por favor se retire para que outros clientes possam passar.—A garota que estava no caixa disse em um tom um pouco impaciente.

—Ah, sim, vou sim—Reigen havia claramente ficado ainda mais sem graça.

—Mestre, preciso conversar algo com você. Lá fora eu digo.

—Tudo bem.

 

Mob saiu do estabelecimento e se sentou na guia da calçada.

Não podia acreditar, o momento havia realmente chegado e ele nem havia se preparado mentalmente para isso. Tinha uma leve vontade de sair correndo dali e desistir disso, porém não o faria. Ele já havia dito para Reigen que queria conversar, então conversaria.

Dois minutos se passaram e o loiro saiu pela porta do estabelecimento segurando algumas sacolas, foi em direção ao mais novo e Shigeo se levantou rapidamente ao ver tal aproximação.

O jovem suava frio e um nervosismo tomava conta de si, tinha um grande medo de falar algo errado ou não conseguir se expressar corretamente.

 

—E então? O que você queria me dizer Mob?

Em resposta Kageyama murmurou algumas coisas indecifráveis. O loiro o encarou confuso por alguns segundos antes de falar:

 

—Não entendi, você pode falar um pouco mais alto e devagar?

—Mestre eu a-a—Olhou seu mestre que o encarava com curiosidade e acabou travando e dizendo vários “a”s.

—Você a? Espera, você tá carregando muitas sacolas, isso deve estar pesando, não quer ir se sentar em algum lugar? Tem um parque com algumas mesas de cimento aqui perto.

—T-Ta.

 

Caminharam rapidamente até o tal parque citado pelo loiro, ao chegarem Mob deixou suas sacolas em cima de uma das mesas e viu Reigen fazer o mesmo.

 

—E então, o que você queria dizer? Desculpa ter interrompido, mas acho que é melhor para conversar sem ter que segurar nada pesado.—Viu o loiro se encostar em um das mesas e tirar um cigarro do bolso junto de um esqueiro.

—Você ainda fuma mestre?

—Sim, é um péssimo hábito que ainda estou tentando largar.

—Isso te faz mal.—Disse tirando o cigarro da mão do loiro.

—Eu sei.

—Bem, o que eu queria te dizer é que—Fez uma pausa e pensou em como poderia contar isso—bom, eu—E mais uma pausa—Eu, eu gosto muito de—Ele não entendia mas dizer a frase por inteira parecia tão difícil como dizer uma palavra quase impossível de se pronunciar—Eu estou, eu acho que. Não eu tenho certeza de que estou apaixonado por—Fechou os olhos e terminou a tão temida frase—Eu amo você mestre. Eu estou apaixonado por você—Disse em uma pronuncia frenética, quase difícil de se compreender, porém suficientemente compreensível.

 

Ao abrir os olhos viu seu mestre com o rosto levemente corado e olhando para baixo.

—É, eu realmente não sei o que dizer, isso foi tão repentino—Riu baixinho enquanto passava a mão na parte de trás da cabeça envergonhado—Mas, por que eu?

 

—Eu também não sei direito, mas só sei que é você a pessoa que gosto agora. Não sei se é pelo tempo que nos conhecemos, mas a cada dia que passa esse sentimento aumenta e eu sinto cada vez mais vontade de estar ao seu lado, te abraçar… Cuidar de você.

 

Ouviu o mais velho rir baixo e quando olhou diretamente para o seu rosto viu uma felicidade estampada em seu rosto com um lindo sorriso tão doce que fazia com que o coração de Shigeo disparasse.

 

—Eu não sei se isso seria uma boa ideia Mob, eu e você sabe? Eu não vejo problema mas, você sabe, tem a nossa diferença de idade, somos ambos homens e não sei sua família, mas a minha é totalmente contra relações homoafetivas. Bem, isso é meio normal, esse país inteiro vê de forma negativa as relações homoafetivas.

 

—Por favor mestre, só me dê uma chance. E eu acho que nos últimos anos a visão das pessoas tem melhorado um pouco em relação a pessoas LGBT. Mesmo que só um pouquinho.

 

—Aah Shigeo, como é difícil dizer não para você—Disse com as mãos em frente ao rosto—Tudo bem, mas se não der certo não vamos agir estranho um com o outro. Eu acho que você já é maduro ao ponto de não me odiar caso as coisas não saiam como você imagina.

—Eu nunca te odiaria.

—E então é isso. Estamos saindo então? É estamos saindo né.

—Sim, eu acho.

—Encontro, precisamos ir a um encontro certo? Geralmente é assim.

—Sim, sim. Sexta-feira as oito?

—Por mim está bem. Sexta-feira as oito então. Tem um local em mente?—O loiro senta na ponta da mesa em que suas compras estavam.

—Não, você está com vontade de comer algo?

—Hm, churrasco? Faz tempo que não vou em um daqueles restaurantes de churrasco.

—Então vamos em um desses.

—Ta bom.

—É. Então eu vou indo, minha mãe precisa dessas coisas.

—Ta, tchau.

—Tchau.

 

Se despediram mais algumas vezes sem ambos saberem ao certo o que fazer. Shigeo foi para sua casa e quando chegou deixou as compras na mesa e o troco entregou para sua mãe.

Ele não conseguia segurar um sorriso que se formava em seu rosto então apenas foi para o seu quarto e se jogou em seu futon ainda dobrado.

Estava dando baixos gritos abafados pelo tecido do futon quando Covinhas atravessou sua parede e veio conversar.

 

—Shigeo? Aconteceu algo?

O jovem levantou seu rosto por um momento e acenou positivamente com a cabeça se recompondo.

—E então, o que houve?

—Eu vou ter um encontro.

—Encontro? Então você disse a ele??—Ritsu que estava já entrando no quarto do irmão disse.

—Ele quem?—Covinhas perguntou confuso com a situação.

—Eu disse e ele reagiu até que bem Ritsu.

—Viva! Não é como se fosse algo difícil de se deduzir, mas, mesmo assim, viva!!

Após alguns minutos, o mais velho havia contado tudo o que havia acontecido no seu dia e inteirado um pouco Covinhas do assunto. Ritsu estava surpreso com a coragem de seu irmão para contar tudo o que sentia para seu amado do nada. E o mais novo também notou na felicidade extrema em que seu irmão se encontrava, isso o deixava feliz também, fazia um bom tempo que não via ele tão genuinamente assim.

Próximo posso seria se assumirem para seus pais, mas ambos estavam tão entretidos conversando sobre o encontro de Shigeo que ainda nem havia acontecido, que acabaram nem pensando sobre isso. A hora certa ainda viria.


Notas Finais


É isso, espero que tenha ficado bom ou pelo menos descente.
bjos
flws
fuis
e tchauu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...