História The 12 - Capítulo 47


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Astrologia, Poderes, Signos, The, The 12
Visualizações 43
Palavras 1.186
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Suspense, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 47 - Plano em ação


Pierre:

Leo resolveu ajudar no plano bizarro e totalmente psicótico de Rafael, este sugeriu que os signos não iria mais ser caçados pelo governo, bastasse que eles fossem a Washington para oferecer ajuda ao governo americano na luta contra a China, isso não parece no jornal pois se trata de uma luta secreta e sem mortes, digamos que os Estados Unidos não pretende deixar o posto de nação mais poderosa do mundo tão facilmente, e destruir um inimigo usando signos com super poderes sem chamar atenção para o pais era uma ideia genial.

- Mas no que certamente seremos úteis nisso tudo? - Perguntou Pierre para Rafael

- Bem no seu caso suas escolhas dirão o melhor caminho para a nação, a invisibilidade de Ágatha será útil em espionagem Laís nem se fala, Leo como assassino particular do governo e etc.

- E se sua ideia não funcionar e formos mortos antes de chegarmos a falar com o presidente, o que é bem mais provável de acontecer - Disse Ágatha

- Tem alguém que vai me ajudar, ela deve a vida a mim

- Quem? - Perguntou Leo

- Sua irmã Bianca, fora que ela pode muito bem já estar na mente do presidente

- Ah ótimo - Suspirou Babachi

- Vamos com o que? Washington fica muito longe mesmo - perguntou Laís

- De avião, mas antes vamos passar em Nova York para pegar algo muito importante para nossa jornada

Jéssica:

Jéssica acordou, ela olhou para todos os lados e percebeu que estava numa espécie de seleiro, ela estava com os braços amarrados em um gancho no teto, e seus pés estavam apoiados em um banquinho, um homem velho que provavelmente era marido daquela mulher de antes estava lavando uma faca, Jéssica olhou um pouco mais e viu corpos abertos pendurados da mesma forma que ela estava

- O-O que é isso? Me tira daqui!

- Sabe, todos que passam por aqui dizem a mesma coisa - Respondeu o velho

- Quem é você?

- Eu sou um simples pescador e comerciante de órgãos no mercado negro

- Me solte por favor!

Parece que não havia nada tecnológico naquele lugar sendo assim ela estaria sem poder usar seu poder, sim seu poder, algo em sua vaga memória a dizia que ela não era uma humana qualquer.

- Não se preocupe não vai doer por muito tempo

Mas qual era seu poder? Ela buscou no fundo de sua mente lutando contra sua própria falta de memória até conseguir se lembrar de feixes do massacre em Nova York.

- Você não tem nada tecnológico aqui?

- Por que a pergunta? Bem irei te responder com outra pergunta, o que é tecnologia?

- Modernidade, coisas de última geração

- Aí que você se engana, a tecnologia é, de uma forma geral, o encontro entre ciência e engenharia. Sendo um termo que inclui desde as ferramentas e processos simples, tais como uma colher de madeira e a fermentação da uva, até as ferramentas e processos mais complexos já criados pelo ser humano, tal como a Estação espacial internacional e a dessalinização da água do mar, tudo praticamente é tecnologia.

Jéssica refletiu por um tempo, se tudo que foi criado pelo homem é uma tecnologia, ela podia fazer muito mais do que estava acostumada a fazer, a ideia de tecnologia é a mesma para a maior parte da população: algo moderno.

- Obrigada pela informação, uma pena que ela venha resultar em sua morte

- O que vo...

Jéssica tentou fazer a faca pular da mão do homem e conseguiu, agora que ela realmente sabia o verdadeiro significado de seu poder ninguém mais a pararia, ela girou a faca no ar e a lançou contra o velho que caiu esfaqueado no chão, em seguida fez a faca cortas suas amarras e foi em direção a vadia que a drogou.

Ao sair do seleiro Jéssica se deparou com uma casinha, provavelmente a mesma onde estava, de longe dava pra ver a mulher lavava a louça pela janela, Jéssica fechou os punhos e a casa inteira caiu a baixo matando a mulher esmagada, Jé não sabia para onde ir sem suas memórias, ela simplesmente pegou o carro velho que estava próximo ao seleiro e começou a dirigir sem rumo.

Rafael:

Horas depois Rafael pousou no aeroporto de Nova York, ele e Leo desceram juntos, digamos que Leo não confiava nele e com razão, Rafa começou a explicar que Sienna estava na cidade e ele podia encontra-la

- Como você consegue?

- Depois que eu me tornei o cavaleiro da morte posso sentir melhor a vida e a morte, e também a energia de vocês, ela ficou mais perceptível

- Tem certeza?

- Sim veja, é ela ali!

Sienna estava do outro lado da rua andando com a cabeça baixa e com o semblante de raiva.

- Sienna!!

- Leo? - Falou ela baixinho

- Sienna!! - Leo continuava a chamar

Sienna então avistou os dois e correu para alcança-los

- O que você aqui Leo? E com ele!

- Olá pra você também Sienna - Ironizou Rafael

- Vamos ajudar Rafael em seu plano de matar um sétimo da população mundial, digamos que não tinhamos tantas escolhas

- O que? Você não pode!

- Sienna será o melhor para nós, confie em mim!

Sienna por um momento viu um reflexo do antigo Rafa, mas a morte de Suk a havia abalado de mais para cair no jogo sujo de morte.

- Eu não confio em você, mas ainda não sei de uma forma para parar você, e não podemos mata-lo

- Por que não? - perguntou Leo

- Quando ele matou Suk matou todos em Nova York, acredito que se um cavaleiro morto ou não tem que cumprir sua missão

- Mas e Alec?

- Antes de morrer ele liberou 3 mísseis nucleares e um deles resultou na destruição da metade dos EUA, ele cumpriu sua missão após sua morte

- Acredito que você esteja certa, minha morte ou a de peste resultará em mortes

- E quem é peste? - Perguntou Sienna

- Bianca, mas venha conosco vamos ir ao seu encontro, serpentário está impaciente.

Bianca:

Bianca adentrou a sala onde o presidente estava que mais parecia um escritório, havia alguns seguranças a sua volta e estava sentado em uma mesa grande e de aparência importante.

- Olá presidente

- Olá Bianca gostaria de falar comigo?

- Eu tenho idéias a sugerir ao senhor

- Idéia?

- A China está chegando muito perto de se tornar a primeira potência mundial, eu tenho um plano para impedir que isso ocorra

- Interessante - Ele se inclinou na direção de Bianca - Diga me mais

- Creio que só posso fazer isso as sós, peça para que os seguranças se retirem.

O presidente envolto pelo charme estalou os dedos e os seguranças saíram, os deixando a sós

- Diga me que plano é esse?

- Una-se a Rússia, e elimine a China do mapa!!

- Senhor presi... - De repente o presidente da Inglaterra entrou na sala

- Pode entrar, eu e Trump estávamos apenas conversando sobre planos, posso te contar um segredo?

- S-Sim - O presidente da Inglaterra tremia encantado

- Brigue com a França e a Alemanha, corte os acordos com eles e ah, que tal sair dessa porcaria de reinos unidos? Eles só te atrasam - Bianca cochichou em seu ouvido

- C-claro!

- Se continuar como um bom garoto, eu deixo vc tocar nos meus peitos.


Notas Finais


Eu vou demorar um pouco mais para postar capítulos, preciso deixar a cabeça ir pegando novas idéias sabe?
Não sei ao certo que futuro tomar kkk na vdd até sei mas n sei como chegar até lá


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...