História The Apocalypse - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Visualizações 91
Palavras 2.853
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoal,
Apareci antes né?! kkkk mas houve uma mudança de planos, os capitulos iriam ser postados apenas nas sextas, mas agora serão postados nas segundas E sextas, ou seja, dois dias na semana.
É isso, boa leitura.

Capítulo 2 - Sonhos Estranhos


Fanfic / Fanfiction The Apocalypse - Capítulo 2 - Sonhos Estranhos

As trevas vêm sobre eles
em pleno dia;
ao meio-dia eles tateiam
como se fosse noite. 

Jó 5:14
 

Sete pares de olhos me observavam e atrás deles um enorme par de asas negras, delas saia uma grande sombra que vinha em minha direção. Comecei a correr da sombra indo em direção a uma luz branca, mas a cada passo que eu dava a luz se afastava e a sombra se aproximava. Continuei correndo, mas a sombra começou a me envolver. Eu gritava por socorro, mas a única coisa que podia ouvir eram sete risadas que pareciam vir daqueles olhos que se aproximavam cada vez mais, até que fui totalmente emergida nas sombras.

Me sentei assustada ouvindo alguns toques na janela, olhei em sua direção e ainda estava escuro, havia um corvo do lado de fora batendo com seu bico no vidro. Assim que olhei em sua direção ele saiu voando deixando uma de suas penas negras para trás. Tentei controlar minha respiração descompensada. Eu suava frio, minhas roupas estavam encharcadas. Me levantei indo até o banheiro e lavei meu rosto, assim que levantei minha cabeça e olhei no espelho vi no reflexo aquelas asas negras atrás de mim. Me virei assustada, mas não encontrei nada, apenas a parede.

-Devo estar ficando louca.

Respirei fundo e tomei um banho tirando aquele suor e trocando de pijama. Voltei para cama e me enterrei nos cobertores assim voltando a dormir.

__________x__________

Assim que cheguei na escola vi Hanna e Nam Joo apoiados em uma parede conversando, o que estranhei muito, afinal eles não conseguiam ficar no mesmo ambiente sem brigar, mas eles pareciam estar tendo uma conversa civilizada. Me aproximei aos poucos tentando ouvir sobre o que falavam.

-Você sabe que não precisava me pedir isso, eu já faço naturalmente. – Nam Joo disse cruzando os braços.

-Eu sei, o que estou dizendo é para ficar alerta. Eles estão... – Hanna parou de falar olhando para trás e me vendo. – Eunseo, por que está parada ai?

-Estava com medo de que se eu chegasse vocês começassem a brigar. Afinal estavam tendo uma conversa civilizada. Sobre o que falavam? – Disse me aproximando.

-Hanna estava me pedindo para acompanhar você até em casa depois da escola.

Hanna olhou para Nam Joo como se quisesse arrancar sua língua.

-E por que? – Perguntei erguendo uma sobrancelha.

-Eu fiquei preocupada por causa de ontem, mas eu não posso te acompanhar sempre.

-Eu posso me cuidar Hanna.

-Eu sei, mas todo cuidado é pouco. Garotas tem desaparecido ultimamente, não custa se proteger um pouco.

Respirei fundo. Eu sabia que quanto mais eu negasse e mais eu questionasse, mais argumentos ela daria e no final eu acabaria aceitando.

-Tá bom! Não vai adiantar eu negar mesmo. Mas você não trabalha Nam Joo?

-Me demiti ontem.

-O que? – Perguntei arregalando os olhos.

-Eu recebi uma proposta de uma livraria. Vou ganhar a mesma coisa e só vou trabalhar de fim de semana. – Ele disse abrindo um sorriso.

-Fico feliz por... – Minha fala foi interrompida por um corvo que me observava em cima do muro.

Seus olhos pareciam penetrar minha alma e ler cada movimento meu. Ele abriu suas asas me lembrando de meu sonho. Senti um calafrio na espinha e engoli em seco. Ele continuava a me observar.

-EUNSEO! – Hanna gritou me sacudindo me fazendo olha-la. – Esta tudo bem? Estamos te chamando a tempos.

-Está eu só...

 Olhei para onde o corvo estava fazendo Hanna e Nam joo acompanharem meu olhar, mas o corvo havia desaparecido.

-Acho melhor entrarmos. – Nam Joo disse.

Hanna concordou com a cabeça e voltou a me olhar.

-Está mesmo tudo bem? – Ela me perguntou colocando uma mão em meu ombro.

Dei um leve sorriso e concordei com a cabeça fazendo-a sorrir de canto.

Juntos nos dirigimos para a sala de aula e as aulas do dia começaram. Já estávamos na terceira aula e desde que eu vi aquele corvo mais cedo sinto um pontada na minha nuca, mas agora parece ter se intensificado e passado pro resto de minha cabeça. Massageei minha têmporas tentando aliviar a dor que só aumentava. Deitei minha cabeça na mesa e comecei a grunhir de dor.

-Eunseo está tudo bem? – Hanna perguntou colocando a mão em meu ombro.

-Minha cabeça parece que vai explodir!

-Espere um pouco! – Ouvi Hanna se levantar ao meu lado – Professora Eunseo não está se sentindo bem, acho melhor a levarmos para a enfermaria.

-O que está sentindo Eunseo? – A professora de história perguntou me fazendo erguer a cabeça.

-Minha cabeça... – Antes que eu pudesse terminar de falar um grande zumbido agudo se fez dentro de minha cabeça fazendo a dor piorar e eu me contorcer.

-Levem ela para a enfermaria agora! – Consegui ouvir a voz da professora ao fundo do zumbido.

Comecei a levantar e Hanna e Nam Joo já vieram para o meu lado me ajudar. Olhei em volta e tudo estava embaralhado, minha visão estava embaçada e quando ela voltava eu via dois de tudo a minha volta. Assim que dei o primeiro passo minhas pernas fraquejaram, a ultima coisa que me lembro é de Hanna e Nam Joo chamando meu nome.

 

__________x__________

 

Abri meus olhos e estava em um lugar totalmente diferente. Era um campo aberto e tudo era muito claro, não muito longe havia um grupo de pessoas conversando e elas não pareceram notar minha presença, em volta de cada uma daquelas pessoas havia uma luz o que deixava o lugar mais claro do que já era. Fui me aproximando aos poucos, assim que cheguei perto o suficiente percebi que a luz em volta das pessoas não era uma simples luz, mas sim asas que emanavam uma luz branca.

-Ela está a ponto de despertar e eles cada vez mais perto! – Um homem de pele morena disse, mas suas asas eram diferente da de todos, ela era dourada, assim como sua luz. – Logo a batalha vai começar, comandantes preparem seus batalhões, entraremos em guerra.

Uma forte luz tomou conta de meus olhos me cegando e me forçando a fechar os olhos.

 

__________x__________

 

Abri os olhos lentamente tentando acostumar com a luz. Assim que meus olhos focaram vi o rosto de Hanna e Nam Joo.

-Graças a Deus você acordou. Estávamos preocupados! – Hanna disse me ajudando a sentar na maca.

Minha cabeça estava dolorida como se tivesse levado uma pancada. Olhei em volta e percebi que estava na enfermaria da escola. Não me lembrava como fui parar lá e nem o por que. A ultima coisa que me lembrava era de estar na sala assistindo a aula de história.

-O que aconteceu? – Perguntei massageando as têmporas e forçando minha memoria para tentar me recordar.

-Você passou mal na aula, disse estar com dor de cabeça, mas ela foi tão forte que você desmaiou. – Nam Joo disse.

Forcei mais um pouco minha memoria e me lembrei da dor e do som agudo que ficava cada vez mais alto e parecia se multiplicar em várias vozes, porém não conseguia identificar o que falavam.

-Eu me lembro agora!

-A Sra. Yoon disse que foi uma enxaqueca causada por estresse. Ela te deu um atestado para você ir embora mais cedo hoje e para você ficar em casa amanha. – Hanna disse me entregando um papel.

-Mas amanhã temos trabalho para apresentar e...

-Hanna já cuidou de tudo Eunseo. Ela conversou com o professor e ele concordou em nos deixar apresentar depois de amanhã. Apenas descanse.

-Agora levante que Nam Joo vai te levar pra casa! – Hanna disse se levantando.

-E você? – Perguntei enquanto me levantava.

-Eu vou voltar pra sala. As aulas ainda não terminaram e eu estou bem saudável. – Ela disse pegando suas coisas e saindo da sala.

-Vamos lá garotinha, pegue suas coisas e vamos.

 

Saímos da escola e seguimos o caminho de minha casa. Boa parte dele foi feita em silencio. Quando estávamos quase chegando eu resolvi falar.

-Nam Joo...

-Fala. – Ele disse olhando em minha direção.

-Você já teve sonhos estranhos, mas que mesmo assim parecessem reais?

-Como assim?

-Eu... Eu não sei explicar. É tipo você sonhar com uma conversa completamente estranha e sem sentindo e quando você acorda você sabe que é um sonho, mas que mesmo assim perece real, como se você tivesse realmente visto aquilo em carne e osso.

Nam Joo olhou para cima e colocou a mão no queixo, mostrando que ele estava pensando.

-Não nunca tive isso. Você está tendo algo assim?

-Não, não. Era só curiosidade. – Disse desviando o olhar.

-Sei. Bom chegamos. – Ele disse parando em frente a minha casa.

-Obrigada Nam Joo!

-Disponha. Mais tarde te mando mensagem. Tchau. – Ele disse e saiu correndo.

E esse é Nam joo sendo estranho como Nam Joo.

Entrei em casa e dei de cara com os sapatos de minha tia jogados na porta. Retirei os meus e peguei minhas pantufas e fui para a cozinha. Minha tia estava de costas para mim enquanto mexia em alguma coisa no fogão.

-Tia cheguei.

Ela se virou para mim e correu em minha direção me abraçando.

-Minha querida, a escola me ligou. Você está melhor? – Ela disse enquanto apertava minhas bochechas.

-Estou sim tia Sun!

-Ótimo! – Ela disse me largando. – Estou fazendo o almoço, vá tirar o uniforme e depois volte para comer. – Quando me virei para ir pro meu quarto minha tia me chamou de novo, porém sua voz estava séria. – Eunseo, sua mãe ligou.

Minha expressão logo se fechou e eu me virei indo pro meu quarto. Assim que cheguei no quarto larguei minhas coisas em um lugar qualquer e me sentei na cama pegando meu celular e vendo várias mensagens dela.

“Filha preciso falar com você. Me liga!”

“Eunseo é importante, me ligue rápido.”

“Liguei para sua tia e ela disse que você estava na escola, me ligue quando chegar.”

Ignorei as mensagens e joguei meu celular em qualquer lugar da cama. Eu tinha uma vida feliz com minha mãe e com meu pai, mas quando fiz cinco anos meu pai faleceu por conta do câncer que ele tinha. Depois disso minha mãe não foi mais a mesma. Ela começou a beber, fumar, por muito pouco eu não apanhava. Quando fiz sete anos ela conheceu um chinês rico e se casou com ele e como ele não gostava de mim ela me deu para a minha tia me criar, foi a melhor coisa que ela fez, porque amo minha tia, ela é a melhor pessoa que você vai conhecer. Sempre alegre, divertida e pronta para ajudar no que fosse possível.

Meu telefone começou a tocar, olhei para o lado e vi “Mãe” escrito, mostrando que ela me ligava. Peguei meu celular e atendi.

-O que foi? Não era pra eu te ligar?

“-Não custava eu tentar mais uma vez. Então filha, como você está?”

-Fala logo o que você quer que eu tenho coisas pra fazer.

“-Isso é jeito de você falar com sua mãe?”

-Se você tivesse sido uma mãe pra mim eu não estaria falando desse jeito. Fale logo antes que eu desligue.

“-Eu quero que você venha morar comigo aqui em Hong Kong.”

-O QUE?

“-Você ouviu Eunseo. Já comprei a passagem, você vem pra cá em dois dias.”

-Eu não vou.

“-Você não tem escolha.”

-Tenho sim, a de não ir!

“-Pare de frescura Eunseo. Você não percebe que só está sendo um fardo para sua tia? Arrume suas coisas.”

Antes que eu pudesse falar qualquer coisa ela desligou. Quem ela pensa que é? Depois de 10 anos que ela me abandonou agora ela quer ser minha mãe? Não mesmo. Não posso aceitar.

Peguei minhas coisas e sai do quarto. Assim que cheguei na sala vi minha tia parada no batente da porta da cozinha.

-Ela ligou de novo, não é?

-Ela quer que eu vá morar com ela em Hong Kong. Depois de 10 anos ela quer ter a ousadia de ser minha mãe, quem abandona um filho por 10 anos e depois pede pra ele voltar como se nada tivesse acontecido? Ela disse que sou um fardo pra você. Eu sou?

-Mas é claro que não minha querida! – Minha tia disse se aproximando e colocando as mãos em meus ombros. – Você é a filha que eu nunca pude ter, e eu te amo. Você nunca será um fardo. Se você quiser ir para Hong Kong vá eu não vou te impedir, mas se você quiser ficar eu vou te acolher de braços abertos e te amar como sempre te amei. Mas lembre-se, a decisão é sua e ninguém pode mudar isso. São suas escolhas que fazem você quem você é, não deixe ninguém faze-las por você.

-Obrigada tia! – Disse a abraçando.

-O almoço vai demorar um pouco, vá dar uma volta, respire um pouco e pense.

Concordei com a cabeça. Minha tia se aproximou e depositou um beijo em minha testa antes de voltar para a cozinha.

Coloquei meus sapatos e sai de casa indo até um parque pequeno que havia lá perto. Assim que cheguei me sentei em um dos bancos e fiquei observando as poucas crianças brincando com seus pais. Olhando aquilo a lembrança de meu pai surgiu e de como éramos felizes antes dele partir. Respirei fundo e tomei uma decisão, eu não irei para Hong Kong, minha mãe pode fazer o escândalo que for, mas da Coréia eu não saio.

Em meio a meus devaneios nem percebi que o parque havia esvaziado e que apenas eu permanecia lá. Assim que me levantei para ir embora a sensação de ser observada voltou. Comecei a andar de volta para casa, mas a sensação só aumentava. Assim que virei a rua um homem encapuzado apareceu na minha frente, antes que eu tivesse tempo de fazer qualquer coisa ele segurou meu pescoço e começou a apertar. Eu meu debatia, mas quanto mais me movia mais forte ele ficava a ponto de me erguer do chão. Aos poucos o ar foi faltando e minha força indo embora. Assim que minha visão começou a escurecer eu cai com tudo no chão e o ar voltou de uma única vez. Assim que minha visão se estabilizou o homem já não estava mais lá, no seu lugar estava Hanna de costas para mim e ela segurava uma faca toda prateada. Olhei em volta e havia pelo menos mais uns 20 caras, todos encapuzados e trajando roupas pretas.

Antes que eu pudesse fazer qualquer coisa Nam Joo surgiu a minha direita e com uma faca igual a de Hanna ele apunhalou um cara fazendo-o sumir em fumaça preta. Hanna e Nam Joo começaram a lutar. Tudo estava uma confusão e eu não estava entendendo nada. A única coisa que via era aqueles caras se transformando em fumaça. Não sei como aconteceu, mas chegou uma hora que Hanna e Nam joo estavam ao meu lado e estávamos totalmente cercados.

-Cuide de Eunseo. – Hanna disse.

-O que? – Antes que Hanna falasse algo Nam Joo arregalou os olhos. – Eunseo feche os olhos AGORA.

Olhei para eles confusa, antes que eu pudesse fazer qualquer coisa grandes asas brancas surgiram das costas de Hanna. Nam Joo se jogou em cima de mim me forçando a fechar os olhos, mas mesmo assim consegui enxergar um grande clarão. Assim que tudo parece ter voltado ao normal Nam Joo saiu de cima de mim e eu abri os olhos, os homens haviam sumido. A única coisa que restava era Hanna parada com grandes asas em suas costas.

-O qu... – Antes que eu terminasse de falar Hanna se aproximou de mim e colocou dois dedos em minha testa e tudo ficou preto.

 

_________x_________

 

Acordei em meu quarto com minhas memorias meio embaralhadas a ultima coisa que me lembrava era de ir para o parque depois disso era tudo meio vazio. Ouvi batidas na porta e logo mandei entrar. Minha tia entrou com uma bandeja de comida e deixou na cabeceira ao lado da cama.

-Está melhor? – Minha tia perguntou se sentando aos pés da cama.

-Acho que sim. O que aconteceu?

-Você teve outra crise de enxaqueca no parque. Por sorte Hanna e Nam Joo estavam passando por lá e te viram, então eles te trouxeram pra casa.

Tentei forçar minha memoria, mas nada vinha. No lugar dessas lembranças era só um vazio.

-Estranho, não me lembro de nada.

-Tudo bem querida. Agora coma e vá descansar.

Minha tia depositou um beijo em minha testa e saiu do quarto. Comi o que ela havia deixado e logo fui dormir.

 

__________x__________

 

Do lado de fora da casa um corvo que a tudo observava pousava no ombro de seu dono que não demorou a lhe depositar um carinho.

-Essa casa é muito bonita, não é meu amiguinho?!

-É só mais uma casa humana inveja.

-Eu já disse para não me chamar assim quando estivermos na terra Jin. Aqui meu nome é Taehyung.

-Como se isso muda-se o fato de você ser a Inveja e eu ser a Gula. Supera logo isso e vamos logo, temos trabalho a fazer.

-Tá tá, já estou indo.

Inveja, ou melhor, Taehyung olhou uma ultima vez a casa antes de seguir seu caminhos com outras seis pessoas.


Notas Finais


Então pessoal por hoje é isso, espero que tenham gostado...
Agora sim até sexta kkk

Trailer 1: https://www.youtube.com/watch?v=b0K19v8coBs&t=22s

Trailer 2: https://www.youtube.com/watch?v=jC6U2pm07XU&t=7s

[PLAYLIST] https://www.youtube.com/playlist?list=PL28FCQZeIC0_6oPUvBsaDm9JUGv0zWzWz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...