História The baby sitter - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Kakamiya, Sasusaku
Visualizações 268
Palavras 1.830
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Shoujo (Romântico), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey, estou de volta aqui!
Não quero enrolar muito, só agradeço a todos vocês que estão acompanhando ❤

Fiquem com o capítulo de hoje, boa leitura!

Capítulo 8 - Capítulo VIII


Sakura.


Senti minha cabeça arder, assim como meus olhos quando tentei os abrir. O lugar onde estava era muito bem iluminado, o que chegava a encomodar em certo ponto. 

Não sabia ao certo, mas ao abrir os olhos novamente, me acostumar com a claridade e me deparar com aquele local branco, deduzi que estava em um hospital. O motivo? Não lembrava. 

- Sakura! Finalmente acordou. - senti um corpo pular sobre mim, e segundos depois percebi que era Miyako. - Como se sente? - se afastou me olhando com preocupação. 

- Com dor de cabeça... O que estou fazendo aqui? - perguntei confusa, me ajeitando na cama de hospital. 

- Ah, você não se lembra do que aconteceu? 

- Eu estava assistindo filme com a Sayuri no quarto, e do nada a porta foi aberta de forma que me assustou... Depois disso eu não me recordo de nada. - suspirei. - Sayuri está bem? - perguntei preocupada, afinal, vai que aconteceu algo? 

- Ela está bem. Foi o Sasuke que quis assustar vocês duas. - esclareceu. - Você caiu da cama e bateu a cabeça, teve alucinações pelo que Sasuke e  Sayuri disseram, e depois desmaiou. 

Abri a boca sem conseguir me pronunciar, pois logo duas pessoas entraram no quarto. Um deles era Sasuke, e o outro... Kabuto? 

- Ora, vejo que acordou, Sakura. - se aproximou da cama, com uma prancheta em mãos. 

- Kabuto? Quanto tempo! - sorri abertamente. 

- Sim, muito tempo. - sorriu daquela jeito estranho dele, e em seguida ajeitou o óculos. - Você deu sorte que eu te vi quando eles te trouxeram desacordada. Se sua tia estivesse na recepção ou ao menos ficasse sabendo que você está aqui, seria capaz de fazer um escândalo e matar esses dois. - apontou de um Uchiha ao outro, sorrindo divertido dessa vez. 

-Ei! "Esses dois" - Miyako o imitou, fazendo aspas com as mãos. - não. Eu só vim visitá-la. - cruzou os braços, com sua expressão vazia. 

- Enfim... - Kabuto deu de ombros e voltou a atenção a mim. - Como se sente? 

Sasuke estava quieto e com um olhar bem estranho na nossa direção. Mandei um rápido sorriso pra ele, e respondi a pergunta do meu antigo amigo, Kabuto. 

- Um pouco de dor de cabeça, nada demais. Quando recebo alta? 

- Bem, você ficou desacordada a noite anterior toda, acordou apenas agora de manhã... Já vou dar sua alta, pode se ajeitar. - ajeitou novamente o óculos. 

- Ah, que bom. - sorri verdadeiramente feliz. - Titia está no hospital hoje? - perguntei mudando a expressão para uma assustada. 

- Sim, mas está no meio de uma cirurgia. - suspirei aliviada com a informação. 

- Sakurazinha, aqui está a roupa que te trouxe. - Miyako empurrou Kabuto para o lado, o olhando como se ele fosse a pessoa mais estranha do mundo. - Você parece ser doido. - maldita que não consegue controlar a língua! 

Kabuto arqueou uma sombrancelha, olhando para ela como se dissesse que ela era a doida ali. E ela realmente é... Kabuto também, mas vamos ignorar esse fato. 

- Você também. - eita, vai ter treta! Não acredito que ele fez isso! Irritar Miya é pior do que me irritar. 

- Eu sei. - riu, jogando a bolsa em cima de mim. 

Espera aí, cade a briga? Poxa, só porque eu queria ver ela socar ele! Não que eu não vá com a cara do Kabuto, ele era um excelente amigo antes de eu conhecer o demônio que destruiria a minha vida. Realmente uma pessoa boa, porém, ver uma briga da Miyako é espetacular - sorry, Kabuto! 

- Preciso que você assine os papéis da alta de Sakura, já que você a trouxe, senhor. - se direcionou a Sasuke. 

O moreno acenou, mandando um olhar para mim antes de sair do quarto acompanhado por Kabuto. Quando a porta foi fechada, levantei lentamente da cama de hospital, e Miyako fez questão de me ajudar - mesmo que eu estivesse me sentindo completamente bem. 

- Obrigada. - agradeci. 

- Por nada, querida. - por incrível que pareça, seu tom de voz foi dócil e sem um pingo de sarcasmo. - Você e Sasuke me deram um baita susto, sabia? - foi comigo até o banheiro do quarto. 

"Mas você vai trocar de roupa na frente dela?", e a resposta dessa pergunta é sim. Ela não sairia daqui nem se eu pedisse, por estar aparentemente preocupada comigo, achando que eu vou ter um treco. O que tem demais também, né? Ela é minha melhor amiga, não é como se nunca tivéssemos trocado de roupa uma na frente da outra. 

- Desculpa... - sorri envergonhada, tirando a bata hospitalar* e abrindo a bolsa. - Não queria te preocupar. - me vesti rapidamente e calcei as sapatilhas que ela também havia trazido na bolsa. 

Estava com um vestido um pouco acima do joelho, rodado e verde, com alguns detalhes em branco. A sapatilha era preta, e ela também trouxe uma tiara, o que deixou o visual bem mais "meigo". 

- A culpa não foi sua. - segurou meu braço e abriu a porta, passando por ela e a fechando novamente. - O Sasuke que é um babaca. - me sentei na cama que estava antes, junto a morena. 

- Ele não é babaca. - lancei um olhar repreendedor para ela. - Tenho certeza que não foi intenção dele causar isso tudo. 

- Você parece minha mãe falando assim. - fez careta e eu ri. 

- Ela deve ser muito legal então. - a abracei pelo ombro. - Sabe, acho que preciso ir visitar a mamãe. - falei mais para mim mesma, pensando no escândalo que ela faria por ficar quase quatro meses sem ir na casa dela. 

Não que eu não goste dela, longe disso. Eu a amo, assim como papai. Mas, esses tempos não tem dado, sabe? No início por pura preguiça e não querer levar bronca por estar procurando emprego, sendo que posso trabalhar aqui no hospital. Depois comecei a trabalhar na casa do Sasuke como babá, e não tive muito tempo para fazer outra coisa além de estudar e descansar no tempo vago. 

Dona Mebuki é meio doida, nunca sei do que ela é capaz - botar cartaz de sumida com a minha foto não seria exagero por parte dela -, por isso na minha próxima folga vou fazer questão de dar uma passadinha lá na casa dos meus pais - mesmo correndo sérios riscos de vida. 

Papai é mais tranquilo, mas com certeza não vou fugir de uma boa bronca dele, por esquecer a família e mandar apenas mensagens para dizer como estou indo. 

- Sua mãe é médica? - Miyako perguntou curiosa. - Sua família é dona de uma grande rede de hospitais pelo país, então, sua mãe decidiu seguir a mesma profissão que sua tia e alguns de seus outros parentes, né? 

- Pra falar a verdade, mamãe é veterinária. Vovô fez questão de ajudá-la a abrir seu próprio hospital veterinário assim que ela se formou. Ela ainda tá meio brava por eu não ter seguido na profissão de pediatra, mas que culpa tenho eu se esse não era meu sonho? - dei de ombros. - Vovô é meu orgulho. Ele que trabalhou duro para conseguir chegar até aqui, mas medicina não é pra mim. 

- É a primeira vez que você me fala sobre alguém da sua família. - apoiou a cabeça no meu ombro, enquanto eu fazia cafuné em si. - Você não tem irmãos, ou tem? 

Respirei profundamente, com certeza magoa. Não queria tocar no assunto, mas já estava na hora de eu ser mais verdadeira com Miyako, assim como ela estava sendo comigo desses tempos pra cá. 

- Tenho um irmão mais velho. - senti meu olho lacrimejar, enquanto tentava não demonstrar o quão o assunto me deixava triste. - Mas ele foi embora depois que tudo aquilo aconteceu comigo, sabe? Ele era meu protetor quando criança, sempre me defendeu e entrou em brigas por minha causa. Eu conheci aquele traste do meu ex, por causa do Sasori. Eles eram amigos. - a morena tirou a cabeça de meu ombro, me encarando intensamente. - Quando eu dei um fim naquele relacionamento infernal, fiz questão de contar tudo o que passei para ele e para nossos pais... Papai brigou com Sasori, dizendo que a culpa era dele por tudo que me aconteceu. Meu pai nunca apoiou meu relacionamento com ele, mas eu sempre ignorei, cega por um falso amor. - senti lágrimas descendo por meu rosto e Miyako as secou, me dando um forte abraço em seguida. 

- Se quiser não precisa falar sobre isso. Sei que deve doer tocar nesse assunto... - acariciou meu cabelo, enquanto eu soltava um soluço atrás do outro. 

Quando enfim voltei a ficar calma, me separei dela e lhe dei um sorriso confortante. Eu precisava me abrir para alguém. Seria a primeira vez que eu tocaria naquele assunto depois de anos. 

- Está tudo bem, eu preciso tirar esse peso de mim. - ela me puxou novamente para seus braços, e eu aceitei o carinho que ela me oferecia. - Papai brigou com Sasori e ele foi embora. Ele ficou um tempo aqui no país, mas depois foi embora pra Londres com o namorado... - sorri triste. - Não mantemos muito contato, mas sempre que damos um jeito de nos falar ele me diz que algum dia vai vir me sequestrar pra morar com ele e Deidara. - soltei um riso curto. - Eu sinto tanta falta dele, e sei que mamãe também e que papai se arrependeu de tudo que disse pra ele. 

- Olha, acho que nunca vou ser capaz de te entender cem porcento, até porque sempre tive Sasuke e Itachi ao meu lado, mas... Eu sempre vou estar aqui pra você, como uma irmã. - sorriu daquela forma que era unicamente dela. 

-Obrigada por tudo e me desculpe por nunca ter te falado mais sobre mim. - mordi o lábio. - Fui uma péssima amiga, meu Deus. - abaixei o olhar envergonhada. 

- Oras, não tem porque se desculpar se eu também nunca disse nada sobre minha família! - deu um peteleco na minha testa. - Teremos muito tempo pra conversar sobre assuntos desse tipo, mas o hospital não é um bom local pra isso. - se aproximou e beijou minha testa, gesto esse que me fez dar um largo sorriso. 

- Você está certa. - assim que nos levantamos para sair dali, Sasuke entrou no quarto. 

Seu olhar recaiu primeiramente em mim, e depois na irmã. Se aproximou e me observou mais intensamente, com certa preocupação em seus olhos negros. 

- Você está bem? - acenei que sim, com um sorriso doce. - Vamos embora então. Doutor Kabuto disse para tomarmos cuidado com a sua tia no caminho até a saída. 

Tia Tsuna é fogo! Parece que temos algo para nos preocuparmos por aqui...



Notas Finais


* para quem não sabe, bata é aquelas roupas que os pacientes usam nos hospitais.

O que acharam do capítulo? Uma balinha pra quem acertar quem é o ex da Sakura que estragou a vida dela, e o pediatra crush da Miyako... O da Miya é bem fácil.
Gostaram de saber um pouco mais sobre a Sakura? Preciso seriamente revisar os capítulos anteriores para ver se tem algum furo na estória, já que mudei um pouco o rumo dela...

Bom quero pedir para vocês, que gostam das minhas estórias, que dêem uma passadinha nessa nova short-fic que comecei.
Vou deixar a sinopse logo abaixo, ok?



[Xeque-mate.
Por: QuillS]

Sinopse:

"Xeque mate é uma jogada do xadrez que representa o final da partida. Nesta situação, o rei não pode ser coberto por nenhuma outra peça nem mover-se para nenhuma outra casa sem ser tomado por uma peça do adversário.

Quando acontece apenas o "xeque", o rei está ameaçado, mas ainda pode escapar. No entanto, quando ocorre o xeque mate, o rei está encurralado e por isso o jogo chegou ao fim."

_

Sou Sakura Haruno. Tenho vinte anos, cabelos roséos, olhos verdes e curso Artes.

Não tem nada de importante para que vocês saibam agora, apenas que sou uma garota apaixonada, e decida a tornar Sasuke Uchiha meu namorado.



Link: https://www.spiritfanfiction.com/historia/xeque-mate-13848632



Até o próximo cap, docinhos! 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...