História The Beast - Imagine Short - Kim Namjoon - BTS - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Kim Namjoon
Visualizações 11
Palavras 3.362
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Literatura Feminina, Magia, Mistério, Poesias, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oi meus Kookie's de chocolate tudo bom? Então trago a vocês uma short imagine!

O membro será Kim Namjoon.

Os capítulos serão grandes!
Então todo sábado irei postar certo?
A fic será composta por 5 capítulos oki?!
Então sem enrolação bora pra fic.

Capítulo 1 - ;; Capítulo 1 - Prólogo ;;


Fanfic / Fanfiction The Beast - Imagine Short - Kim Namjoon - BTS - Capítulo 1 - ;; Capítulo 1 - Prólogo ;;


Amor escondido, parece ser bom quando se tem sentimentos das duas partes. E quando é sentido apenas por um?

É algo que se torna viciante.

Quando nos apaixonamos e ficamos com aquele sentimento para nós, não conseguimos pensar, andar, comer ou até mesmo falar, algo que não esteja relacionado ao amor idealizado.

É aí onde começamos...

Estamos no século XIX, na antiga França,  belo país cheio de riqueza e muito amor, suas ruas frias e cobertas de gelo, deixam o lugar ainda mais bonito, seus pontos turísticos só fascinam os olhos de quem se vê. Agora vamos para o interior, um lugar distante das pequenas aldeias na cidade, um lugar escondido no meio de uma floresta, um castelo exuberante e muito luxuoso, onde por dentro é apenas quente e vazio. Sim, vazio, as pessoas que moram nele são brutas, cheias de orgulho e do próprio eu. Suas vidas são baseadas em banquetes e festa para a alta sociedade, na qual tentam esconder seu segredo.

A família tão rica e conhecida por todos, tem uma diferença, seu filho era para ser um belo príncipe, onde encontraria a dama certa e se casaria ou poderia ser alguém de grande importância, mas não, quando criança o menino de cabelo castanho e pele suave, teve sua vida marcada. A tão poderosa família, disse não a uma pobre senhora doente, a velhinha apareceu no meio de um dos bailes de gala, aquela noite era sombria e fria, todos dançavam e se alegravam, comemoravam o nascimento do pequeno Namjoon, sim esse era o nome dele. 

Visto a senhora que não iriam lhe ajudar, resolveu usar seus poderes, viu que aquele garoto poderia ser duro e possuído de ódio por conta dos pais, pensou consigo mesma e viu que precisaria usar seus poderes para que tudo pudesse ter um bom rumo. Mal sabia ela, que não seria assim, ou não.

Assustou a todos com os seus poderes, sim, se tratava de uma feiticeira, lançou um feitiço no bebê que estava deitado num berço no grande salão de festa daquele castelo. Ele teria seu rosto modificado, quem o visse não enxergaria beleza alguma, seria quase uma criatura. E só o amor, sim, o amor verdadeiro poderia salvá-lo, mas tem um porém, ele teria que se casar e a donzela teria que lhe amar. O menino ficou tão feio, que ninguém o olharia, se até os vinte e cinco anos não casasse, ficaria assim para sempre. Até que chegasse sua hora.

Isso foi um susto enorme para aquela família, juraram de matar aquela senhora, mas a mesma desapareceu antes que a pegassem. Os anos passaram e o menino cresceu, sofreu por toda a sua vida, tinha veias pelo rosto, um olho era praticamente cego, seus lábios tinham cortes, uma coisa terrível para quem vissem. Passou sua infância e adolescência trancado naquele castelo, o único momento na qual saia era para cavalgar, se sentia livre quando andava em seu cavalo, podia sentir sua liberdade e até mesmo a brisa fria rodear seu corpo. Odiava a luz do sol, era arrogante e teimoso por fora, por dentro, mesmo com todo sofrimento, guardava sua pureza e era um príncipe digno de um trono, era manso e calmo, escrevia poesias e tocava piano, sua alma se esvaziava de tudo de ruim e ele se acalmava. Se ele queria ser assim? Não, mas já que não tinha jeito, apenas aceitou e viveu.

Nunca teve amigos, e nunca nem teve seus lábios tocados ao de uma garota, sempre foi cercado por seus pais e criados, nem mesmo participava dos grandes bailes, tinha vergonha de sua aparência. Apenas seu rosto era assim, tinha um corpo bonito, os braços fortes e peitoral para frente, as roupas de tecidos finos sempre caiam bem em seu corpo.

Sempre imaginou como seria se não tivesse aquela aparência, talvez já estivesse casado. Era um jovem de vinte e quatro anos e nunca nem beijou uma garota. E o que mais se perguntava era: como em um ano faria alguém se apaixonar e se casar com ele? Isso seria impossível.

Seu coração estava preenchido, ela a dama dos seus sonhos, o anjo que o fazia flutuar pelas nuvens, uma verdadeira dama. Seu nome era S/n, filha única do antigo rei da França, seu pai foi morto por um ataque terrível que aconteceu quando era pequena, sempre foi criada ali pelos pais de Namjoon, recebeu todo amor que não lhe foi dado por seu pai, sua mãe também morreu anos depois devido a uma praga, era apenas uma criada. Nunca foi considerada como filha, mas tinha todo o luxo e conforto de uma princesa.

Sempre teve curiosidade sobre o filho do casal, nunca nem viu o rosto dele, mas sabia do que lhe tinha acontecido. Namjoon por outro lado, via de longe a bela moça, a admirava, escrevia canções e poemas relacionados a ela, sua vida girava em torno dela. Várias vezes perdeu seu sono por conta dela, aquele amor o sufocava. 

Seguia a jovem todas as vezes em que ela ia ao riacho, e ficava ali a observando. Parecia um caçador atrás de sua presa.

S/n não era qualquer uma, uma dama pura e muito bonita, tinha seus cabelos longos e lisos, sua pele era branca quase pálida, talvez até se remetia a neve. Todos os rapazes queriam tê-la, tinha apenas dezoito anos e já recebia pedidos e mais pedidos de casamento, mas nenhum era do seu gosto, eles a queriam pela beleza e ela tinha esperança que seu "príncipe encantado" a iria amar pelo que tinha dentro de si e não por fora.

Passava horas lendo na grande biblioteca do castelo, já chegou a virar a noite em suas leituras. Romeu e Julieta era o seu preferido, queria ter um romance assim, cheio de aventuras e de perigos, queria saber a emoção de como é amar, pois nunca havia despertado esse sentimento nela.

Os dois estavam tão perto, mas nem sabiam disso. Será que o amor realmente vence tudo?

Mais uma manhã se iniciava, as flores brotavam indicando que o inverno que dura quase o ano todo, havia chegado ao fim. A primavera estava a se iniciar, as encantadoras cerejeiras brotavam, as rosas vermelhas do jardim mostravam sua perfeição, tudo estava lindo, o jardim sempre bem cuidado, pairava bom perfume das flores. O castelo ficou um pouco coberto pela neve e ao mesmo tempo colorido pelas flores, ele ficava em um penhasco e em baixo havia um rio congelado, que já dava a sua forma de vida. O céu se abria e mostrava o pouco sol. Seria aquela uma ótima manhã para um passeio ou até mesmo para ler um livro.

Namjoon não pensou duas vezes, por mais que não gostasse muito da claridade, tratou em se levantar cedo por conta dos pássaros que cantavam, chamou seu criado para que lhe ajudasse com o banho e as roupas.

Arrumou seu cabelo como de costume, colocando pro lado, passou seu perfume feito com suas fragrâncias preferidas e nem se olhou no espelho. Passou reto pelo mesmo, não queria ver seu rosto. Isso não era de se esperar, para alguém que viveu a vida toda assim.

Ainda se lembrava da última vez que tentou se olhar, foi um desastre, passou quase uma semana trancado e sem comer, só conseguiu, pois sua mãe insistiu muito. Então não queria passar por isso de novo.

- Bom dia vossa alteza, quer que eu traga seu café? - se curvou em respeito uma das criadas. Naquele lugar haviam muitas pessoas trabalhando, principalmente depois da crise que só prejudicou os mais pobres, então para tentar resolver o problema, o atual rei, pai de Namjoon, escolheu alguns para trabalhar para ele. E como era um rei querido por todos, a maioria resolveu ir, pois também precisavam alimentar suas famílias.

- Não irei tomar café! - analisava suas vestimentas para ver se não faltava nada, terminou de se aprontar e pegou tudo o necessário para seu passeio. Iria cavalgar.

 - Diga a sua majestade, meu pai, que não terei hora para voltar. Me sinto entendiado aqui e preciso ficar sozinho. - caminhava de um lado para o outro, estava ansioso, pois nunca mais tinha saído e suas esperanças eram de encontrar a bela jovem perto do riacho. Seu coração palpitava e não conseguia se controlar.

- Sim, vossa alteza. - se curvou novamente e logo saiu do quarto. Caminhou em direção a sala do trono, para dar a notícia do príncipe ao rei.

- Prepare meu cavalo, que logo descerei. - disse a um dos seus criados de confiança. Olhou seu quarto pela última vez e logo saiu. Foi em direção ao estábulo e pegou seu melhor cavalo.

- Tome cuidado, vossa alteza, sabe que essa floresta é perigosa. - gritou seu criado, ele apenas virou lhe dando um aceno e sorriu. Sorriso, a única coisa bonita que tinha, era algo encantador. Disparou com seu cavalo e sumiu da vista de todos. Poucos eram os que vinham seu rosto.

Enquanto o jovem príncipe saia em sua aventura, seus pais estavam na sala de jantar real, onde faziam as suas refeições em família. A mesa era gigantesca, e estava toda preenchida por guloseimas de todos os tipos, era um digno café de um rei.

- Me diga, onde está Namjoon? - perguntou seu pai a uma criada que colocava seu café. A mesma se curvou e continuou a colocar tudo o que era de seu agrado.

- Ele saiu hoje cedo à cavalo, disse que não tem hora para voltar. - terminou de ajeitar a mesa e se retirou. O rei ficou preocupado, sabia o que se passava na vida do filho, sua vida era marcada pelo passado. Desde sempre foi um rei carrasco, era rude e só pensava em si próprio, mas desde que aquela tragédia aconteceu, e logo com o seu único filho homem, o único que poderia assumir o seu lugar, passou a mudar seu conceito. Se tornou um rei justo, pelo menos é o que ele tentava ser, sua esposa tentava lhe ajudar de todas as formas, juntos queriam da um jeito nisso tudo e ver o jovem príncipe com seu rosto limpo e sem aquelas marcas horríveis.

- Esse garoto acha que pode fazer o que quer. - fechou a cara e bufou. Queria que tudo pudesse ser diferente, talvez se pudesse voltar no tempo acharia uma maneira de mudar isso.

- Acalme-se meu rei, deixe que ele saia e se divirta um pouco. Você sabe o quanto ele se sente só. - sua esposa e rainha colocou a mão encima da sua, numa tentativa de lhe acalmar. Estava preocupada também, mas sabia que seu filho era responsável.

- Lisa minha rainha, a cada dia que passa me preocupo mais. Tenho medo dele não conseguir,  até pensei em arrumar um casamento para vê se essa situação muda. - estava com a mão no queixo e pensava alto até demais. Nem tocou em sua comida, o ano acabara de começar e sua preocupação era nítida, seu filho precisava se casar o quanto antes. 

- Você acha que dessa maneira seria mais fácil? - encarou o marido por um instante. As olheiras entregava seu cansaço e abatimento.

- Sim, talvez com o tempo ela se apaixonaria. - olhou brevemente sua esposa.

- E quem seria a dama capaz de se casar com Namjoon? - passou a olhá-lo incrédula. Não pensou que ele seria capaz mesmo de fazer isso.

- S/n! - disse com a voz firme e encarava sua esposa. - A criamos desde criança, ela é uma mulher e precisa de um marido. - estava certo de sua decisão e sua esposa sabia disso, não era do tipo que voltava atrás.

- Ela sempre teve curiosidade em conhecê-lo, mas nem sabe como ele é. - deixou que algumas lágrimas escapassem de seus olhos.

- Minha querida, não se preocupe, eu cuidarei de tudo. Você vai ver, vamos ter a alegria de ver nosso filho livre disso. - acalmou a esposa que agora chorava sem parar. A culpa consumia os dois, e o prevalecia cada vez mais naquela casa. Beijou a mão de sua amada e resolveram se distrair comentando daquele banquete de café da manhã.


 "O amor e suas contáveis armadilhas, não se sabe quando acontecerá, não se sabe o que lhe irá ser causado, só sabe sobre o que ele causa. Faz anos que a amo, toda vez que vejo algum rapaz se aproximar meu sangue ferve, a minha vontade é de dizer que ela é minha, mas por que faria isso? Ela nunca será minha. A qualquer momento poderá se apaixonar e será entregue em casamento. E eu ficarei aqui, o resto dos meus dias nessa forma, e jamais saberei realmente o que é o amor.''


O jovem príncipe estava sentando perto de uma das árvores, se mantia de frente para o rio, sabia que a qualquer momento ela apareceria e mostraria a sua beleza.

S/n todos os dias ia ao rio, conversava com as flores nos dias de primavera, se banhava com as águas cristalinas daquele lugar ou ficava ali apenas lendo seus livros e histórias românticas preferidas. E nem tinha ideia que estava sendo observada, que o coração só faltava explodir quando lhe via.

Correu, jogou água e brincou com as flores, Namjoon a olhava atento e sorria com as atitudes da jovem. Ele se escorou na árvore e passou a observá-la com mais atenção, olhava como ela se banhava e cantarolava alegremente. Mas seu disfarce foi descoberto, ele escorregou junto com uma pequena quantidade de terra que havia se soltado, o barulho foi estrondoso assustando a jovem donzela.

S/n olhou para todos os lados a procura de onde vinha aquilo, será que estava sendo perseguida? Ou alguém queria lhe fazer mal? Sabia que não era uma boa ideia ir até aquele rio sozinha, sabia o quanto aqueles homens eram cruéis e que algo poderia lhe acontecer.

- Quem está ai? - gritou de uma forma desesperada. Olhou e olhou mais algumas vezes, seu peito subia e descia, estava com medo.

Namjoon tratou de se levantar rapidamente, havia sido pego e precisava saí dali o quanto antes, tentou se esconder por de trás de uma árvore mas já era tarde demais. A jovem lhe alcançou e ficou olhando atenta para sua silhueta de costas.

- Quem é você? - perguntou curiosa. Nunca tinha visto aquele rapaz, percebeu suas roupas finas, então achou que ele fosse um nobre. Pensou consigo mesma que ele poderia está lhe olhando. Balançou a cabeça tentando não pensar o pior.

 - Me diga, o que faz aqui? - sua voz era autoritária e de certa forma rude. Queria que ele lhe respondesse, mas o mesmo só ficou ali parado.

- E-eu é, me d-desculpe bela moça. - procurou palavras para se desculpar e acabou gaguejando. Tinha medo de mostrar seu rosto e deixá-la ainda mais assustada.

 - Que horror. - caminhou com raiva em direção ao rapaz, estava indignada. - Sabe o que isso significa para uma moça como eu? - gritou descontroladamente. Queria de alguma forma uma explicação.

- Não era minha intenção. - Namjoon escondeu mais ainda seu rosto. - Estava a ler um livro qua me deparei com a sua presença. - tentou reparar sua atitude precipitada e escutou a jovem bufar de raiva.

- Se era só isso, já pode ir. Saia daqui, não quero me deparar com sua presença novamente. - ordenou. Ainda estava com raiva e queria o quanto antes acabar com a vergonha que sentira. - Mas antes, me mostre seu rosto.

- Acho que uma bela jovem como você, não gostaria de olhar para mim. Prefiro sair assim de costas, por favor me deixe ir. - exclamou com medo. Suas mãos estavam mais geladas do que aquele rio no inverno, seu coração com certeza sairia de sua boca ou ele teria algo ali mesmo.

 S/n pareceu pensar um pouco, não tinha motivos para ver o rosto dele, talvez tenha sido apenas um mal entendido, deixaria que dessa vez passasse.

- Tudo bem, mas não quero lhe ver outra vez. - ao ouvir isso Namjoon saiu apressado dali. Pegou seu cavalo que estava próximo e cavalgou de volta para o castelo.

Seu pai estava inquieto, o rei não parou um só minuto de andar de um lado para o outro em sua sala real, sua ideia era boa e iria executá-la o quanto antes. Queria ter seu filho casado, assim seria mais fácil o feitiço se quebrar.

- Você! - chamou a atenção de um dos seus criados de confiança. - Assim que Namjoon chegar, o chame imediatamente para vir aqui. - ordenou de forma rude. Não conseguia disfarçar o seu nervosismo.

 O criado prontamente obedeceu a ordem de seu rei, procurou por toda aquela dimensão o rapaz, se dirigiu até o estábulo onde o encontrou colocando seu cavalo de volta no lugar.

- Vossa alteza! - fez uma breve reverência.

 - Sim, o que deseja? - Namjoon lhe encarou e logo voltou sua atenção ao seu cavalo, estava alimentando o mesmo.

- O rei, vosso pai, está chamando na sala do trono. - avisou e Namjoon logo o seguiu. Caminharam em passos lentos, quase que não chegavam até a sala. O criado fechou as portas e os deixou a sós.

- Vossa majestade! - Namjoon fez reverência diante do pai. Sabia do que iria conversar ou pelo menos tinha uma noção.

- Então, você sabe que os anos passaram, desde o dia que aquela maldita lhe jogou o feitiço, seu pai anda preocupado com você. E principalmente porque chegamos no último ano, se você não se casar imediatamente irá ficar assim pro resto da vida. - falava calmamente, queria de alguma forma convencer o filho a aceitar seu plano.

 - Meu pai, eu sei muito bem o que se passa, mas onde encontrarei uma donzela que se case comigo por amor? - olhou seu pai com incredulidade. Sabia que isso seria impossível e já estava começando a aceitar o fato de ficar assim para sempre.

- Eu andei pensando, S/n... - quando ouviu o nome de sua amada, seu coração parou. Não, não podia ser isso. - Ela já é uma mulher, precisa logo se casar. Pensei que se os casasse, ela poderia amá-lo. - encarava o filho, viu a expressão do rapaz mudar absurdamente, ele parecia surpreso e ao mesmo tempo confuso.

 - S/n? - disse quase em um sussurro, sua voz não saia - Mas... - levou as mãos a cabeça ainda não acreditando.

- Não tem essa de mas. Se não for ela, não será ninguém e você ficará assim para sempre. - respondeu com desdém e dureza, queria que seu filho ao menos tivesse uma esperança.

- Eu preciso pensar. - continuava confuso e perdido.

- Não tem essa, eu já me decidi. Só o chamei para comunicá-lo. Darei um baile de máscaras, assim poderá cobrir seu rosto, e se aproximará da moça. - se ajeitou em seu trono e relaxou seus ombros.

 Eu não sei o que dizer. Se vossa majestade quer que seja assim, não tenho porque discordar. - se reverenciou em forma de agradecimento. Sentiu um misto de surpresa e alegria, isso poderia ser sua chance.

- Pode se retirar! - ordenou antes de ver seu filho soltar um sorriso, foi algo quase despercebido, mas imaginou o quanto seria bom.

 Enquanto Namjoon se sentia feliz, por talvez ter a oportunidade de finalmente expressar seus sentimentos a mulher que tanto amava, ela pelo contrário relutou para aceitar a proposta, não o conhecia e nem mesmo sabia como era seu rosto, como poderia se casar com alguém dessa forma? Mas se lembrou de tudo o que a família real fez por ela, não podia recusar uma proposta do rei assim, sabia que se dissesse não teria consequências.

O jeito seria aceitar?

- Sim vossa majestade, eu irei casar-me com o príncipe. - disse com um pouco de receio, pensou em voltar atrás mas já era tarde.



'Ás vezes o que nos falta, é uma oportunidade para nos declararmos, dizer o que sentimos da melhor forma possível, às vezes não se sabe o que dizer, mas as melhores e mais belas palavras são ditas pelo coração, é só deixar que ele se esvazie e deixar todo sentimento rolar.'


Notas Finais


Então meus amores foi isso o primeiro capítulo.. E podem ver é enorme! E digo a vocês, pode demorar 2 semanas para postar um capítulo, mas ele sairá no sábado pela tarde oki?

Contem nos comentários se gostaram! Ajuda muito!
É isso, fuui; ~fuuush


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...