História The Beast Girl - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Drama, Hibridos, Original, Romance
Visualizações 9
Palavras 2.564
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


estava tão empolgada que fiz esse cap em dois dias e nem revisei kkkkkkkkk
to ansiosa, espero que esteja bom...

Capítulo 22 - Eu tenho um plano!!!


Fanfic / Fanfiction The Beast Girl - Capítulo 22 - Eu tenho um plano!!!

Henry on

Estava na biblioteca fingindo procurar um livro enquanto a observava, sua cara de “não to entendendo nada” era nítida, mas papéis como aqueles realmente não eram de fácil compreensão... Como deixei que ela o pegasse?? Lembrei-me daquele dia que descobri.

“Estava andando naqueles corredores podres com minha lanterna de costume apesar de já acostumado com a pouca claridade que oferecia, verificando cada sala e cada arquivo, depois que tivemos uma invasão de alguns alunos tive receio de terem mexido em algo importante. Até então tinha duas salas que pareciam ter sido invadidas, uma foi a que encontrei a Rownny machucada no chão, até sorri quando sua fragilidade com uma carinha assustada e fofa, a segunda sala foi onde encontrei alguns frascos vazios quebrados no chão e pelo que deduzi vendo uma escrivaninha que estava com sua poeira de costume cheia de marcas de mão e outras que nem preciso comentar já que quem estava ali deve ter aproveitado bastante. continuei com minha caminhada por ali até que senti um calafrio quando vi uma das portas daquele corredor abertas, todas parecem iguais, porém eu sabia o que tinha em cada uma dela e no momento que a vi violada temi que tivessem encontrado.

Entrei com cautela observando cada recanto minuciosamente, dês da mobilha até os frascos, fui para as fichas e lá percebi certa diferença na organização apesar de parecer tudo nos seus devidos cantos, vasculhei cada pasta que encontrava até que meu sangue gelou quando notei a falta de um arquivo, de muitos ali os que eu mais temia ter desaparecido.

-Como pude deixar que levassem justo esses papéis!!! –Baguncei meus cabelos de frustação. –A única coisa para o que sou útil nesse lugar e ainda deixo que o levem, mais não vai ficar assim...”

Passei dias espionando os quatro alunos que invadiram as salas e passei a conhecê-los melhor:

●Rex Rottwer: Um cara animado e melhor atleta da instituição, não vou muito com a cara dele talvez por ser totalmente o contrário. Mesmo que não o conheça muito bem tenho uma leve impressão que ele tem algum dedo por trás daquela bagunça na sala que achei os frascos quebrados, vou dispensar ele por enquanto.

●Bunny Bel: Que garota mais metida, além ligar mais para a aparência do que para as outras coisas, não nego que é bem bonita e tem uma técnica de luta com os membros inferiores muito fortes, mas com certeza não tinha sido ela que pegou.

●Rownny Wolf: Essa eu queria passar a vida observando de perto, de longe foi a pessoa a quem mais me apeguei durante toda a minha vida e apesar de escutar muitas coisas negativas sobre o seu temperamento talvez ela seja mal compreendida, pois achei uma garota muito simpática e apesar de misteriosa me sentia a vontade perto dela. Quando conversava com ela as vezes me pegava a olhando sem que a mesma percebesse, suas orelhinhas se mexendo enquanto fala, suas pequenas presas que aparecem toda vez que a mesma ri e seus olhos de coloração bem peculiar. Lembro ter ido uma vez à enfermaria pela noite depois de escutar que a mesma tinha tido um surto de raiva a ponto de ser sedada, ela parecia tão indefesa ali naquela cama, seus lábios estavam pálidos e vi os cortes e as pancadas bem roxas por sua pele, me sentei no chão e refleti como seria viver junto dos outros alunos, talvez me tornasse um dos nerds isolados que ninguém conversa, será que ela seria minha amiga?? Não sei, mas a protegeria com todas as minhas forças. Só de pensar nela já tinha descartado ela de ter pegados os papéis pelo fato de estar com ela naquela noite e a mesma não andar com bolsa, só me restava uma pessoa...

Não sou um bom detetive, mas uma coisa que eu sei fazer bem é seguir meus instintos e sinto que fui certeiro quando desconfiei dela, a mesma parecia desconfiada quando limpava na biblioteca e depois foi em sua mochila e, BINGO lá estavam os meus protegidos papéis nas mãos dela. Esperei que aparecesse uma brecha para poder me aproximar, agora estávamos sozinhos e Karen se levantou arrumando os papeis na mesa, como era foi deixar algo tão importante ali de bandeja para pegarem!!! Deixei a mesma sair e peguei o que queria já chegando na porta até que um vulto passar por rapidamente fazendo uma rajada de vento me derrubar no chão e fechando a porta sozinha, a figura ficou de frente para mim tendo a luz da janela atrás de si como empecilho para ver o seu rosto.

-Vejo que não mudou muita coisa meu Smart Mouse, ainda consegue ser mais esperto que todos... Pena que não mais que eu. –Meu corpo tremeu ao escutar aquela voz, pedi a todos os deuses existentes para que nunca mais desse de cara com aquele ser, pois aquilo nunca seria um “humano” ou “normal” para mim. Levantei-me rapidamente com a pasta em mãos o segurando contra o meu corpo e prendendo por dentro da camisa. –Espero que ainda seja obediente e me entregue isso que está com você.

-Vai ter que me matar primeiro!!!. –Não era um dos melhores em luta corporal, mas em ser estrategista conseguia se superar. –E mesmo assim sei que não vai fazer isso por que posso lhe ser útil.

-Bem pensado, porém não irei medir esforços para pegar o que é meu.

-Vem monstro!!!

Ele correu em minha direção com aquela maldita bengala na mão tentando me golpear, mas me abaixei indo para debaixo de uma mesa e então levantar jogando na direção do mesmo que a quebrou com muita facilidade, novamente desferiu golpes com a bengala que dessa vez passou raspando em meu rosto deixando um filete d sangue sair, passei a mão tentando aliviar a ardência e fui pra cima dando um soco em seu estômago que fez cuspir um liquido preto no chão que parecia ácido por corroer o local que caiu. Nunca tinha visto aqui acontecer, ele deve ter aprendido a obter e potencializar componentes que não lhe pertenciam. Minha distração foi a oportunidade perfeita para que ele se recuperasse segurando o meu braço e jogando a mim contra algumas prateleiras derrubando uma por uma, me senti fraco entre aquele monte de livros jogados perto de mim, levantei a cabeça o fitando escrever algo em um papel deixando dentro da bolsa da garota e ao se aproximar de mim levantou minha camisa pegando a pasta já um pouco amassada e dando um pequeno sorriso ao folhear.

-Que bom, os guardou bem direitinho para mim.

-Devolve seu desgraçado. –Tentei falar autoritário, mas a dor que percorria em meu corpo naquele momento fez minha voz fraquejar.

-Calma, nos reencontraremos em breve e com as informações que acabei de conseguir, vamos voltar a ser como antes.

-Prefiro que acabe logo comigo.

-Ainda não. –Dando alguns passos para trás ele abriu asas negras enormes como a de um morcego e saiu voando pela janela, segundos depois o senhor Oogway entrou na biblioteca com cinco guardas consigo vindo em minha direção.

-Recebi seu recado, mas vejo que cheguei tarde demais. –Eu já não consegui respondê-lo, meu corpo doía bastante, ele então junto com três dos guardas começaram a voltar tudo aos seus devidos lugares em uma rapidez enorme, já os outros dois me carregaram apoiando meus braços nos seus ombros saindo de fininho para que ninguém nos visse e fiquei pensando comigo mesmo... “Então Cortez finalmente conseguiu se tornar um de nós”.

~

Meu rosto foi impulsionado para o lado com tamanha força recebida no maxilar, eu nem olhei para ele apenas limpei o canto da boca que sangrava pelo corte, contei a ele tudo o que tinha acontecido e não esperava menos do que essa reação.

-Como pode ter o deixado escapar com aquela pasta Hakun!!!

-Eu já te disse, lutamos e tudo, porém ele me pegou desprevenido.

-Não esperava isso de você, a única missão que tinha que fazer e FALHOU!!! –Não suportei os seus gritos e dei um soco em seu olho, minhas frustação por tanto tempo suportando tamanha responsabilidade sozinho só fez aquele ato se tornar um basta.

-ENTÃO FIQUE DEZ ANOS DA SUA VIDA TRANCADOS EM UM PORÃO ESCURO SEM TER NINGUEM CONTIGO MIGUEL!!!!

-EU NUNCA QUIS QUE VOCÊ FOSSE ESCOLHIDO!!! –Ficamos nos olhando demonstrando toda nossa raiva um pelo outro com apenas um olhar, sabia que após tantos anos ainda não nos daríamos muito bem, mas ele era minha única escolha, ainda era meu único amigo. –Sabe que foi o Oogway que quis assim, não queria te deixar lá, mas o que tinha lá em cima devia ser protegido por alguém mais capacitado.

-Sei que ainda não me perdoou Ben, paguei todos os meus pecados naquele lugar asqueroso, mas agora eu não vim me redimir e sim proteger a segunda coisa que Cortez mais deseja de volta. –Ben bufou frustrado tendo que concordar comigo, virou-se para pegar o seu arco e flecha posicionando em suas costas. –Ainda bem que você não vai usar isso comigo.

-E nem você vai jogar essas facas em mim. –Olhei para dentro do meu casaco vendo a fileira de facas que levava comigo, estava trajado como um  aluno normal, uma camisa social branca com uma gravata e a blusa preta por cima, calça preta assim como os sapatos para que assim não chamasse muita atenção, apenas o armamento que não fazia parte do uniforme.

-Quem disse que não vou?? –Ele riu debochando da minha ameaça.

-Vamos deixar de brincadeira, como sabe que ele vai aparecer hoje??

-Simples, durante a Lua Azul ele sabe que o instituto fica desprotegido já que metade dos guardiões é designada para agir em conflitos internos, muitos dos moradores daqui entram em estados críticos de descontrole se tornando ameaça para os outros e para si mesmos. Um momento de fraqueza desses em nossa segurança é o momento perfeito para ele agir. –Acenou com a cabeça agora entendendo minha lógica.

–Agora preciso que me diga onde ela está. –Ben ficou um pouco relutante em me responder, porém não foi preciso após escutar uma voz gritando com alguém nos corredores, nos encaramos e nada foi dito, apenas corremos em direção à confusão.

Corremos o máximo que conseguíamos por estarmos distantes demais do local, eu sabia que era ele ali e ao nos aproximar dos corredores já demos de cara com uma armadilha, tinha vários fios negros atravessando toda a extensão dali, não tinham como ser fios comuns e constatei isso ao jogar uma caneta que tinha no bolso ali no meio e ela foi queimada ao tocar naquelas linhas.

-E agora como faremos para atravessar?? –Ben olhava para mim querendo uma explicação, olhei detalhadamente a ordem que foram postas e consegui achar um jeito.

-Eu tenho um plano, com certeza ele fez isso como uma forma de distração, se conseguirmos desviar delas passando pelas janelas e passando o mais próximo do teto teremos uma chance de chegar lá.

-Vou ter que te carregar??

-Não mesmo, anos me esgueirando por passagens secretas me fizeram ser bem ágio quando quero. –Ele concordou e seguiu o meu plano, eu sai desviando por entre os fios, apesar de bem postos sempre tinham espaços entre si que possibilitavam a passagem, conseguir me livrar rápido chegando junto com o Ben, de repente vários morcegos desceram do teto nos atacando, eu me defendi jogando algumas facas ou até mesmo golpeando enquanto o outro atirava suas flechas, quando já estavam todos mortos paramos com os joguinhos fazendo nossa atenção se voltar para nosso destino, corri com as facas ainda em mãos quando me deparei com aquela cena que fez meu corpo gelar. Rownny estava seminua sendo esforçada por aquele crápula, vi que estava preste a mordê-la só que Miguel foi mais rápido lançando uma flecha que o acertou no ombro dele que largou ela.

-NÃO ENCOSTE NELA CORTEZ!!!! –Ben gritou enquanto preparava mais uma flecha.

Guardei minhas facas e corri em direção a garota quase desacordada, amparei ela em meus braços servindo de escudo e a abracei. -Rownny, meu Deus do céu o que ele fez com você?? –Seu corpo estava coberto de machucados e não duvidava que pudessem ter fraturas internas também, foi então que me toquei das vestimentas que ela usava, aliás que ela não usava, apesar das marcas ela tinha um corpo escultural com curvas bem acentuadas, senti meu rosto esquentar com aquela visão e retirei meu casaco rapidamente a cobrindo, Ben me dava cobertura o atacando enquanto eu a protegia.–Não se preocupe, nós estamos aqui. Olhei para aquele demônio sorridente que tinha um olhar curioso para nós.

-Olha só que bonitinhos, meus bebes juntos... aproposito projeto 00264 tenho que agradecer depois aquela sua amiga chifruda por achar e devolver meus papéis apesar de tentar me deter. –Meu sangue ferveu com tamanho deboche, aquele código era a única coisa que o fazia lembrar dos tempos de prisioneiro.

-Eu vou recuperar eles, você não botará suas mãos imundas nos outros.

-Não fique tão nervosinho, eu volto para levar vocês comigo e voltar aos velhos tem... –Gradeci internamente por Ben interromper sua fala, apesar de preferir que tivesse o atingido, mas além de ter desviado novamente ele mostrou suas assustadoras assas, qualquer coisa que ele falasse me dava ânsia de vômito. –O que é isso, são modos de se tratar seu senhor??

-Cala boca você não devia estar aqui!! –Benjamin devia estar se segurando para não enfiar uma flecha de garganta dentro dele, eu estava torcendo por isso.

-Que mal educados, bom, depois a gente termina nossa conversinha minha bonequinha. –Ao fugir pela janela foi que o clima começou a esfriar, Ben recuperou o foco que antes era consumido pelo ódio e largou suas armas para vir até Rownny, vi o seu desespero vendo o estado dela, aquela cena estava se repetindo, infelizmente.

-Por favor, me digam que isso foi só uma alucinação... –Meus olhos se encheram d’água pelas palavras da pequena, peguei em sua mão direita e ali eu só queria pegar toda a dor dela e passar para mim.

-Infelizmente não. –Não consegui suportar aquela cena já em prantos junto com Ben.

-Eu sabia que não devia ter te deixado sozinha lá... –Miguel socava o chão indignado. -Porque sempre tem que fugir assim?? Ele poderia ter te levado novamente de nós.

Foi então que meu mundo terminou de desmoronar, Rownny que com uma mão acariciava o rosto de Ben e com a outra segurava na minha senti suas forças se esvaindo enquanto fechava os olhos lentamente, entramos os dois em desespero.

-ROWNNY!!! NÃO, NÃO DURMA AGORA, TENTE FICAR ACORDADA POR FAVOR!!!! ROWNNY!!! –Nós gritávamos e a sacudimos tentando a manter consciente, porém ela ficou desacordada e fraca em meus braços, Ben a puxou pra si a abraçando e chorando em desespero, eu permaneci parado analisando a cena, tudo aquilo era culpa minha e agora minha amiga estava correndo risco de vida. Foi aí que Meu amigo se levantou com o corpo dela em seus braços, disse que a levaria imediatamente para a emergência, fiquei de cabeça baixa me culpando, era impotente a tudo aquilo, não conseguia ser forte o suficiente para proteger a quem mais gosta, então sentado ali no chão com manchas de sangue deixados pela garota fiz um juramento para mim mesmo.

-Eu nunca mais irei te abandonar novamente!

Henry off


Notas Finais


ain oq acharam, deu pra explicar algumas coisas que aconteceram no decorrer da história??
espero que sim!!!
até outro dia meu povo ;3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...