1. Spirit Fanfics >
  2. The beautiful foster sister - fillie >
  3. Ombro amigo

História The beautiful foster sister - fillie - Capítulo 33


Escrita por:


Notas do Autor


Então gente, eu nem ia postar mais cap hj, pq já postei dois, e por conta do horário tbm, mas... Não tô conseguindo dormir, estão vindo vários pensamentos na minha cabeça, estão acontecendo coisas na minha vida que não eram pra acontecer, basicamente eu tô me separando de todo mundo que eu amo, tô ficando sozinha pouco a pouco, as pessoas que mais me deram apoio quando precisei estão longe de mim, e agora, eu sou obrigada a ir pra um lugar onde me julgam, me olham torto, um lugar onde não me encaixo, tô escrevendo isso em meio a choros e soluços tentando sofrer baixo pra não acordar minha mãe, eu tô... Tentando achar uma motivação pra viver, revendo stranger things mais de 5 vezes, lendo, escutando Billie Eilish e ocupando minha cabeça com essa fic, mas nada adianta, eu... Tô perdida, desesperada, ano passado eu tinha tudo, tinha amigas, família, namorado, e agora eu não tenho nada! Tô sozinha no mundo em meio a críticas, olhares tortos e palavras ríspidas e eu sei que quem tá lendo isso talvez não se importe, talvez estejam lendo essas notas iniciais por ler, mas... EU NÃO SEI OQ FZR, SIMPLISMENTE NÃO SEI. Basicamente, meu pai bebe e não se importa comigo, minha mãe acha que minhas crises existenciais é drama, minha vó é uma religiosa louca e as únicas pessoas que eu podia chamar de amigas, estão a quilômetros de distância de mim, eu tô numa bolha, eu tô com pensamentos suicidas, tô solitária, magoada, em pedaços e... E eu não sei! Não sei como me expressar, são quase 5 da manhã e eu tô revendo vídeos com minhas amigas, vídeos de quando eu era feliz e sorria, de repente Deus me dá tudo, dinheiro, felicidade, companhias, mas de repente ele puxa meu tapete e tira tudo de mim de uma vez só, não sei porque tô falando todas essas coisas pra vocês, só sei que queria desabafar, mas como sou sozinha, tenho que desabafar com a tela de um celular né... Enfim, vamos pro capítulo, amo vocês de montão, e... Aproveitem cada momento da vida de vocês tá?

Boa leitura meus amores e me perdoem pelo desabafo idiota.

Capítulo 33 - Ombro amigo


(AS NOTAS INICIAS É UM DESABAFO, SE NÃO QUISEREM LER TUDO BEM)

Caleb e Sadie entraram no banheiro procurando Finn, Sadie não se importou nem um pouco em entrar no banheiro masculino, naquele momento ela só queria ajudar seu amigo, eles não são tão próximos, mas a garota se sentiu na obrigação de ajuda - lo.

— Finn? – Ela o chamou.

— cara? Tá tudo bem? – Caleb também o chamava.

Caleb e Sadie encontraram Finn no canto da parede, jogado no chão e desabando em lágrimas.

— Oooo Finn, não fique assim.

— Como n - n - não Sadie? Meu coração tá doendo, eu vi a pior cena que p - podia ter visto na minha vida, a única garota que eu amei e amo, beijando meu primo, isso tá doendo t - tanto. – Finn dizia em meio a soluços.

— Vem aqui. – Sadie se abaixou para ficar na mesma altura dele e o abraçou, acolhendo Finn em seu peito. 

— Ei Finn, quero que entenda que você é um cara incrível, você é cheio de vida, divertido, tem um coração de ouro, é simplismente uma pessoa maravilhosa, não se deixe abalar por isso. – Caleb disse abaixado também.

— A - a  M - Millie prefere o Noah. – O garoto agarrava cada vez mais a ruiva, ele estava desesperado.

— Não, ela não prefere. Foi o Noah que a beijou e mesmo que prefira, não te conheço a tanto tempo mas é notável o quão incrível você é! Finn você é lindo, talentoso, cheio de princípios, engraçado, amigo, companheiro! Vai encontrar alguém que ame suas qualidades e que ame mais ainda seus defeitos entendeu? – Sadie dizia abraçada a ele e fazendo carinho nos cabelos de Finn.

— S - se eu fosse tudo isso mesmo a Millie não iria me t - tratar assim. Eu sou um lixo, um riquinho mimado, que não sabe nem 1/3 da vida. 

— Paraa cara o que é isso? Você sabe que está errado Finn, você é maravilhoso, e saiba que não está sozinho, você pode não ter a Millie, mas tem a mim! Não só a mim, tem o Gaten, a Sadie, a Sophia, Jaeden, Jack... Todos somos seus amigos e queremos o seu bem. – Caleb dizia colocando a mão no ombro de Finn.

— O Caleb tá certo, a dor vem, e olha, quando a vida quiser machucar, e ela vai! Aprenda a lidar com a dor, você não precisa se reprimir diante dos problemas, não precisa desistir, nem abaixar a cabeça, você tem que fazer da dor sua amiga. A vida vai bater... Vai bater de novo, e de novo... E quando você achar que está no seu limite, a vida vai lá e vai te dar uma rasteira de novo, mas se aprendemos a lidar com a dor com o tempo vai parando de doer, vai doer muito, depois vai doer menos e com o passar dos dias vai doendo pouquinho, a dor e o sofrimento sempre estarão lá, mas se soubermos lidar como uma grande dança ela irá nos ajudar a ter força pra vencer. – Sadie dizia ainda acariciando os cabelos de Finn e ao terminar de falar ela deu um longo suspiro.

— Obrigada Sadie, tipo, muito obrigado mesmo. – O garoto dizia um pouco mais calmo.

— Eu te amo tá Finn? Não gosto de te ver assim, você é meu melhor amigo. – Caleb afirmou.

— Também amo você, e... Eu queria ser forte mas as vezes não dá. – Finn disse ainda nos braços de Sadie. 

— Eu sei, e não precisa segurar esse sentimento ruim, eu e a Sadie sempre estaremos aqui pra te ajudar seja lá no que for, não é Sadie?

— Claro. 

— Obrigada gente. 

O sino indicando a hora de voltar para a sala tocou, Millie e Noah no segundo ano, Sadie, Finn, Gaten e Caleb no terceiro. 

— Vamos pra sala? – McLaughlin chamou Finn e Sadie.

— Vamos. – Ela disse.

— Não. – Ele disse.

— Porquê não? – Caleb perguntou.

— É meio óbvio né Caleb, olha o estado do menino. – A ruiva disse óbvia.

— Verdade, Finn, eu tenho que ir porque agora é aula de física e você sabe como eu tenho dificuldade na matéria né, senão eu ficaria aqui contigo, tem problema se eu for? – Caleb perguntou preocupado.

— Não cara, quê isso, pode ir, eu seguro minha cruz sozinho. – Finn riu mas a expressão triste ainda permanecia. 

Sadie e Caleb se levantaram para saírem mas...

— Sadie? – Finn a chamou.

— Eu. – A menina disse animada como sempre fora.

— Você... Pode ficar comigo? – Ele disse receoso.

— Posso sim. Caleb pode ir, vou tentar ajuda - lo. 

— Claro. É até bom, tava preocupado em deixar o Finn sozinho. 

McLaughlin disse e saiu, subindo a escadaria do colégio para ir para sua sala.

— E aí, melhor? – A ruiva disse sentando - se no chão ao lado dele.

— Melhor. Na verdade nem tanto... Se eu lembrar o que aconteceu eu choro, mas tô tentando "dançar com a dor" como você sugeriu. – O garoto de cabelos cacheados disse fazendo aspas com os dedos. A menina riu.

— Tenta não pensar muito nisso, quanto mais você  se lembra, mais a ferida piora, tem que deixar ela quietinha aí, pra ir cicatrizando aos poucos. – Sadie disse colocando a mão no coração de Finn tentando explicar o que queria dizer.

Finn não disse nada, apenas pegou na mão de Sadie que estava no coração dele e segurou.

— Sadie?

— Hm. 

Os dois agora mantiveram contato visual.

— Obrigada. – Finn deu um selinho demorado na ruiva. 

A menina ficou paralisada, em estado de choque.

— Finn... Porque você fez isso? – A menina se levantou rapidamente.

— Foi a minha forma de agradecer. – O menino disse se levantando também.

— Então quer dizer que sempre quando você vai agradecer alguém a alguma coisa você tem que beijar a pessoa? – A ruiva perguntou incrédula.

— Não! Aí tá vendo, como eu causo má impressão nas pessoas... – O garoto bufou saindo do banheiro.

— Não, espera. – Sadie a impediu segurando a mão dele e a soltou assim que o menino ficou novamente a sua frente.

— Sabe o que é? Você tá confuso, tá muito abalado pelo o que vem acontecendo entre você e a Mills, você tá machucado Finn, acabou confundindo as coisas e me beijou ali no calor do momento. – Ela afirmou convicta.

— Confuso talvez eu realmente esteja, mas não te beijei pelo calor do momento, te beijei porque senti vontade. A Millie não fez questão nenhuma de vir ver se eu tava bem, no momento em que eu precisei foi você, a própria amiga dela, que me ajudou, você e o Caleb, Claro. – Finn disse naturalmente.

— Eu entendo mas é que...

— Você me deu um abraço, quando na verdade eu só precisava do abraço da Millie, eu a amo, tô mal com tudo, e se te beijei foi porque você me passa confiança, você é forte Sadie! É bonita, eu vi sua boca ali na minha frente e... Não resisti. Desculpa pelo impulso, desculpa se isso te incomodou. – O garoto de pele pálida disse sendo totalmente sincero.

— Tá tudo bem, não me incomodei. – Ela sorriu sendo simpática. 

— Eu sou meio retardado né? – Finn gargalhou.

— Sim, você é. – Ela gargalhou de volta.

— As vezes eu paro e penso: que porra eu tenho na cabeça? – Ele continuo gargalhando.

— Ah, eu também me pergunto. E olha, o bom é que agora você tá sorrindo e não chorando. – A ruiva riu.

— É... Mas isso não me faz menos bosta. – O garoto voltou a entristecer o olhar.

— Mas também não te faz mais bosta. – Ela disse.

— Você é boa com conselhos, deveria ser psicóloga. – Finn riu.

— Já passou pela minha cabeça mesmo. – Ela devolveu o sorriso. 

— Ruiva... – Finn foi se aproximando.

— O quê? – Sadie foi se assustando. 

— Você é uma boa amiga. – O garoto colocou uma mecha do cabelo de Sadie para trás da orelha da mesma, deu um sorriso para ela e juntou os lábios dos dois novamente, em mais um selinho, um selinho molhado.

— Finn... – A menina separou os lábios com dificuldade.

— Se você não gostar eu paro de beijar você. – Ele disse respeitando o espaço dela.

— Não. Eu... Gostei. – A menina o surpreendeu com um abraço, um abraço sincero e Finn sorriu ao abraça - la.

— Obrigada por estar comigo. – O garoto disse e deu um beijo no rosto dela. 

Algumas horas depois deu o horário do Elite Way liberar os alunos para irem para casa. 

— Tchau galera, até amanhã. – Gaten cumprimentou todos.

— Tchau Gaten, até. – Todos disseram em uníssomo. 

— Boneca, eu tô indo, beijo. – Noah deu um beijo no rosto de Millie. 

— Beijo, até amanhã. – Millie sorriu simpática. 

— Vou te ligar mais tarde tá? – Schnapp disse.

— Ok. Pode ser. – Millie disse. 

— Vamos Sadie. – Caleb chamou a irmã.

— Aham, Tchau meu brownie de chocolatee. – Sadie deu um abraço apertado em Millie.

— Tchau cabelo de cenoura. – Brown riu. 

— Tchau... Finn. – Ela disse envergonhada. 

— Tchau Sads. – Finn a surpreendeu com um abraço sincero, e a menina retribuiu de cara.

Millie olhou meio torto, pois eles nunca foram próximos, mas ela não disse nada, achou até fofo eles terem virado amigos. 

— Quer que eu te leve pra casa? – Ele se soltou do abraço.

— Não Finnie valeu, eu vou com o Caleb. – Ela agradeceu simpática. 

— Tem certeza?

— Tenho. Relaxa.

— Bom, tudo bem então a gente se vê amanhã? – Ele perguntou sorridente.

— Aham.

Ele ia saindo com Caleb.

— Eii espera. – Ele disse correndo até ela.

Millie olhava atentamente.

— Que foi? – A ruiva franziu o cenho. 

— Esqueci disso. – Ele pegou na cintura de Sadie e deu um beijo no rosto da menina. Sadie sorriu. 

Millie olhou aquilo tudo um tanto espantada, do nada eles se aproximam e o Finn dá um beijo no rosto da Sadie? Aquilo tudo estava estranho, mas Millie não questionou, apenas olhava incrédula e calada. Todos haviam ido para casa e Vargas chegara, o caminho até a mansão Wolfhard estava sendo silencioso até que Millie resolveu quebrar o silêncio.

— O dia tá bonito né? – A garota de cabelos curtos pergunta puxando assunto.

— Tá sim. – Ele responde naturalmente. 

— Você... Tá bem? Sabe, sobre o que aconteceu no refeitório... – Millie perguntou meio sem jeito.

— Ah, o beijo que seu namorado te deu? Ué, tô bem sim. – Finn disse sério.

— O Noah não é meu namorado. – A menina revirou os olhos. 

— É mesmo? Legal. – O garoto disse totalmente irônico. 

— Tá tudo bem pra você né? – Millie perguntou.

Vargas nunca se metia, ele sempre foi muito profissional, então fingia não escutar a conversa e apenas dirigia. 

— Tá Millie, tá tudo bem, olha... Faz o que você quiser ok? Eu sinceramente não ligo, bem, não mais... – O menino queria acreditar nisso, mas na verdade, estava em cacos.

Millie entristeceu o olhar mas não o retrucou, ele estava certo, Finn tentou voltar, mas ela não quis, e estava certa da decisão que tomou, ou pelo menos achava que estava não é?

— Você e a Sadie, estão bem amigos né? – A morena ousou perguntar.

— Sim. Ela é legal, é bem engraçada, doida, e sinceramente muito companheira. 

— É, ela é. Sabe que, no orfanato, quando eu tinha pesadelos eu corria pra cama da Sadie, ela me acalmava e fazia cafuné até que eu dormisse de novo, ela enfrentava a Spellman por mim, sempre cuidou de mim sabe? Ela me encoraja muito. – Millie sorri ao lembrar da infância.

— É... Ela, passa confiança, hoje ela me ajudou muito no banheiro. – Finn disse.

— Vocês estavam no banheiro? Fazendo o quê? – Millie levanta uma das sombrancelhas.

— Nada. Ela só tava me dando um colo, quando na verdade eu precisava do apoio de outra pessoa... Mas isso não importa muito agora. 

Millie suspira fundo e antes que ela possa dizer algo, o carro para em frente a mansão e Finn desce rapidamente dele.


Notas Finais


Amores, não me matem por esse momento da Sadie e do Finn, é que tipo, eu tô triste, aí achei que seria legal essa espécie de "ombro amigo" da Sads com o Finn. Porque eu gostaria de receber um apoio assim. E tipo, eu shippo eles dois sabe? Mas relaxem, eu NÃO VOU criar Fadie tá? Talvez eu crie alguma coisinha, mas a fic vai ser extremamente FILLIE ok? Até porque... Tenho outros planos pra Sadie e o Finn não tá incluso nesses planos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...