História The Beginning - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Chouji Akimichi, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Iruka Umino, Kakashi Hatake, Kankuro, Karui, Kiba Inuzuka, Konohamaru, Kurama (Kyuubi), Kurenai Yuuhi, Maito Gai, Matsuri, Moegi, Naruto Uzumaki, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Temari, TenTen Mitsashi
Tags Gaamatsu, Naruhina, Naruto, Romance, Saiino, Sasusaku, Shikatema
Visualizações 541
Palavras 5.770
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello people!!!

Voltei com mais um capítulo fresquinho para vocês! Espero que gostem! Obrigada a todos que comentaram no capítulo passado, eu amei as reações de vocês quanto ao nascimento do Boruto. Também estou tentando dar um jeito de acatar os pedidos que venho recebendo e espero que esteja agradando.

Boa leitura!

Capítulo 32 - Nova Rotina


Fanfic / Fanfiction The Beginning - Capítulo 32 - Nova Rotina

Hinata e Boruto foram liberados para voltar ao apartamento no dia seguinte após o almoço. Naruto acordou a cada duas ou três horas para ajudar a esposa com o filho, foram ensinados pelos médicos a trocar fraldas e fazer a higiene do bebê antes que voltassem ao lar. Antes que saíssem do hospital, Tsunade foi visitar o casal novamente, segurando Boruto no colo por um longo tempo, estava admirada com o pequeno Uzumaki.

- Essa aqui é sua casa, Boruto. – Naruto entrou junto com a esposa, que segurava Boruto no colo enquanto ele trazia as coisas nas mãos. Acompanhou Hinata até o quarto do bebê, vendo a mulher depositar o filho no berço com cuidado.

- Quer um chá? – Naruto perguntou à mulher que apenas assentiu. – Vá se deitar no quarto, eu fico de olho nele, Hinata. – Acrescentou e viu a mulher observar o filho de longe, ponderando.

- Não consigo. Vou ficar aqui. – Ela disse, se sentando na poltrona do quarto. Por mais que estivesse cansada, Hinata só se sentia relaxada quando escutava a respiração compassada de Boruto perto dela.

Naruto foi rapidamente até a cozinha e preparou um chá para a esposa. Fez um clone para buscar alguns rolinhos de canela no comércio mais próximo. Hinata precisava se alimentar bem durante o dia e beber bastante líquido. Ele entrou no quarto de Boruto e observou a mulher debruçada no berço, acarinhando o filho.

- Aqui está seu chá. Beba tudo. – Ele entregou a xícara à mulher, que sorriu agradecida.

- É estranho eu ficar checando se ele está respirando o tempo todo? – Ela perguntou e viu o marido rir baixo. – Ele é tão pequeno e indefeso, me sentia mais segura quando ele estava aqui dentro. – Apontou para o próprio ventre.

- Acho que é normal, é nosso primeiro filho. No segundo já seremos especialistas. – Naruto disse para tranquilizá-la.

- Segundo? – Hinata perguntou com um sorriso no rosto.

- Claro, Boruto precisa de um irmão ou uma irmã. – Ele respondeu e a abraçou, depositando um beijo no rosto. – Vamos fazer o seguinte: assim que ele acordar novamente, eu movo o berço para o nosso quarto. Quero que você descanse também.

Os dias foram se passando com o casal se adaptando aos poucos a uma rotina com o recém-nascido. Hinata usava todas as dicas que recebeu das amigas e de Tsunade para que Boruto se adaptasse bem. Passavam o dia interagindo com o filho e o colocando para descansar em lugares claros e a noite o levavam para o quarto para dormir, fazendo-o começar a perceber o dia e noite.

A Uzumaki alimentava o filho a cada três horas e logo o casal já vira o loirinho começar a ganhar peso e a morena perder o inchaço que sentia após o parto. Aos poucos, começaram a compreender quando o pequeno chorava por fome, cólicas ou simplesmente porque queria interagir com os pais. Naruto achava impressionante como já conseguiam compreendê-lo, mesmo sem usar palavras, em tão pouco tempo e o pavor que antes o assolava pelo medo de não ser um bom pai agora havia sumido.

Estabeleciam um trabalho em conjunto, Hinata cuidava da amamentação e Naruto pegava o filho para colocá-lo para arrotar, dava banhos e trocava as fraldas, tudo com uma animação que fazia a Uzumaki rir. Ele estava banhando o loirinho quando o casal ouviu a campainha tocar, riram quando perceberam que Boruto procurava a origem do som.

- Eu vou atender. – Hinata disse, andando até a porta e a abrindo com um sorriso. – Otousan, Hanabi! – Ela disse feliz e abraçando a família.

- Cadê o bebê mais bonito desse mundo? – Hanabi perguntou animada quando a morena os convidou a entrar.

- Naruto-kun está terminando de banhá-lo. Ele deve vir logo. – Ela disse e se sentiu abraçada pela irmã.

- Como vocês estão? – Ela perguntou e viu Hinata sorrir.

- Estamos bem, Boruto está se adaptando a nossa rotina e estamos nos revezando sempre. Kakashi-sensei concedeu uma licença para Naruto-kun ficar conosco. – A mulher disse e viu o pai sorrir satisfeito.

- Olha só ele! – Hanabi disse quando viu o Uzumaki entrar na sala com o filho no colo. Ele rapidamente passou o loirinho para os braços da Hyuuga que conversava com ele. Depois de alguns minutos, Hiashi se levantou e segurou o neto no colo, ele interagia com o bebê de forma fascinada.

- Estávamos nos preparando para levá-lo ao parque, Tsunade baa-chan disse que Boruto precisa tomar um pouco de sol. – Naruto disse. – Querem ir conosco? – Perguntou e viu Hanabi e o sogro assentirem. – Terminou o café, aisuru? – Perguntou à esposa que assentiu. Naruto cuidava da casa sempre que podia, lavando roupas e preparando ou buscando comidas para eles. Uma das vantagens de poder criar vários clones era que ele podia se dividir para fazer várias coisas ao mesmo tempo.

Hiashi observou como Hinata e Naruto se dividiam arrumando as coisas que precisavam para o passeio juntos. O casal tinha uma grande sintonia e pareciam tão felizes que mesmo o cansaço pela dificuldade de se ter um recém-nascido em casa não os assolava. Juntos, os quatro partiram para o parque que ficava próximo ao apartamento dos Uzumaki. Naruto arrumou uma toalha na grama para que seu sogro colocasse Boruto nela, assim poderia se mexer à vontade, como o pequeno loirinho andava fazendo nos últimos dias.

- Ele está ganhando peso, isso é muito bom. – Hiashi disse para a filha que sorriu.

- Ele está mesmo. Esse menino passa o dia mamando. – Ela disse rindo baixinho. – Ainda bem que ele está se adaptando à noite, ele está acordando bem menos à noite. – Acrescentou orgulhosa do trabalho em equipe com o Uzumaki. Ambos estavam conseguindo cuidar de tudo, mesmo com as dificuldades normais de pais de primeira viagem.

- Ver meu neto faz lembrar-me de quando você era bebê. Sua mãe tinha um instinto nato, enquanto eu apanhava para adivinhar tudo. – Ele viu a filha rir divertida. Hinata se sentia tão realizada com a nova faceta carinhosa do pai para com ela e o filho. Hiashi era completamente apaixonado por Boruto.

Ficaram pouco tempo com Boruto no sol, depois procuraram a sombra de uma árvore para ficar com ele. Hanabi e Naruto brincavam com o bebê, mexendo com os brinquedos que levaram e conversando com Boruto, arrancando pequenos sorrisos tímidos dele.

- Oh, olha só! – Ouviram uma voz ao longe e logo reconheceram a cabeleira rosada de Sakura. – Hinata, como está? – Ela abraçou a amiga e cumprimentou todos. Então pousou seus olhos em Boruto e sorriu. – Ele é tão fofo e já está crescendo! – Hinata sorriu para a amiga.

- Hai, e a Sarada? – Ela perguntou para a amiga, que apontou para o marido segurando a filha no braço e conversando com Naruto. A filha do casal já completava três meses e era um bebê fofinho e saudável, a cada dia mais parecida com o pai, exceto pela simpatia que provavelmente herdara de Sakura.

- Ela está bem, já começou a gargalhar. – Sakura disse com um sorriso bobo. – Mas você precisa mesmo ver quando ela fecha a cara, fica igual ao Sasuke-kun. – As duas riram juntas.

- Eles precisam herdar alguma coisa dos pais. – Hinata respondeu a amiga. As duas ouviram um resmungo e logo Naruto pegou o filho no colo, trazendo-o até Hinata.

- Acho que ele já está com fome. Estamos aqui há um tempo. – O Uzumaki disse, vendo Boruto já agitado e fazendo bico. Ela segurou o bebê no colo e ele logo abriu a boca, procurando por leite. Sakura riu.

- Se eu não soubesse o quanto você cuida bem dele, diria que você está fazendo esse bebê passar fome. – A rosada brincou e acompanhou Hinata que se sentou encostada na árvore e pegou uma toalha para se cobrir enquanto amamentava o filho.

- Acho que ele encara o leito como Naruto-kun toma rámen. – Hinata respondeu rindo também. As duas olharam e viram Naruto e Sasuke conversando. O loiro agora segurava Sarada no colo, brincando com ela para arrancar gostosas gargalhadas. Assim que a Uzumaki terminou e colocou o loirinho para arrotar, Sakura segurou Boruto no colo, conversando animadamente com ele e se aproximando do marido.

- Olha só, Boruto, essa é sua amiga Sarada. – A pequena Uchiha mirou os grandes olhos ônix no loirinho que estava no colo da mãe.

- Cuidado com ele, filha. Uzumakis são irritantes. – Sasuke provocou, vendo Naruto bufar.

- Teme. – O loiro resmungou. – Quero só ver quando sua filha cair de amores pelo Boruto. – Foi a vez de Sasuke fechar a cara. – Quer dizer, olha só esse rosto. Ele vai ser irresistível. – Naruto se gabou, apontando para o filho que era sua cara.

- Minha filha nunca vai olhar para o Boruto. Espero que não fiquem no mesmo time. – O Uchiha falou com ar de superioridade. – Além disso, ela é demais para qualquer um.

- Por que eles sempre têm que competir? – Hinata disse e Sakura concordou, revirando os olhos.

- Acho que nunca vão mudar. – Sakura acrescentou. – Naruto, minha filha não é um chocalho, pare de balançar assim. – Ela ameaçou e o loiro parou imediatamente, com medo da expressão assassina da rosada.

 

-- x --

 

Quando Boruto fez um mês de vida, Naruto voltou a realizar missões, sempre sendo enviado a lugares próximos para não ficar muito longe da família. Com o fim do primeiro mês, Hinata sentia que quase todo o inchaço da gravidez já havia sumido e a rotina com o filho se acertava cada vez mais.

Ela sempre recebia visitas de Hanabi, Konohamaru e Kurenai quando o marido estava fora. Mirai havia se apaixonado pelo loirinho e ajudava a cuidar dele com muito carinho, já que a pequena Sarutobi adorava o casal Uzumaki. Boruto se mostrava um bebê saudável, ganhando peso na medida certa e começando a interagir mais com as pessoas, ouvindo melhor os sons e até “falando” com as visitas.

A morena apreciava muito os momentos com o filho, principalmente nos momentos especiais que partilhava com Boruto quando o colocava para dormir, dava banho e amamentava. Ela adorava a conexão que criara com o filho nesse momento tão íntimo de mãe e bebê, principalmente quando Boruto passava um longo tempo observando a mãe antes de adormecer.

Quando o pequeno Uzumaki completou dois meses, começou a segurar mais os objetos, o que foi a perdição para os cabelos de Hinata e Hanabi, já que o loirinho adorava puxá-los e levá-los à boca. Cada pequena mudança do filho deixava Hinata derretida. Ela estava no apartamento, terminando o banho em Boruto quando ouviu a porta se abrir.

- Tadaima! – Ouviu a voz suave de Naruto.

- Okaerinasai! – Respondeu e logo ouviu os passos do marido até o quarto dos dois, Naruto surgiu na porta, sorrindo para os dois grandes amores de sua vida.

- Como foi o dia de vocês? – Ele perguntou e se aproximou para beijar os lábios de Hinata com suavidade. Ela sorriu, retribuindo o beijo com carinho e estendeu o corpo de Boruto enrolado na toalha para o loiro.

- Foi um bom dia, acho que as cólicas pararam de vez. – Hinata disse e viu o marido assentir com a expressão mais tranquila. Ambos ficavam angustiados com qualquer reação negativa do filho, mesmo que talvez certas experiências fossem normais, como as cólicas.

- Isso é bom. E você se comportou direito, filho? – Naruto enterrou o nariz na barriga do loirinho, sentindo o cheiro gostoso de perfume de bebê e leite. Boruto emitiu um grunhido que fez o Uzumaki sorrir.

- Como foi a reunião de hoje? – Hinata perguntou. Pegou o filho de volta no colo e o depositou no cômodo para colocar a fralda e o pijama. Naruto se debruçou junto a ela, mexendo nas mãos gordinhas de Boruto para distraí-lo.

- O de sempre. As coisas estão se desenvolvendo com rapidez aqui na vila, até me assusta um pouco, mas as pessoas estão trazendo boas ideias para melhorar a vida do povo. – O loiro disse e viu a esposa assentir. Ela trocou o bebê habilmente e aproximou o rosto para cheirá-lo. Quando afastou o rosto, viram Boruto soltar um sorriso banguela e ambos se olharam rindo.

- Naruto-kun, você viu isso? – Ela perguntou sorrindo e viu o marido assentir com a expressão apaixonada. – Você está feliz, Boruto? – Hinata pegou o bebê no colo, que logo se acomodou a ela e soltou outro sorriso banguela.

- Esse menino vai ser a perdição das garotas. – Brincou o loiro. Aproveitaram que o filho ainda não estava sonolento para deixá-lo brincar um pouco enquanto jantavam juntos. Eles o observavam e conversavam sobre os detalhes da reunião enquanto comiam. Quando terminaram, Naruto pegou os pratos e lavou tudo, enquanto Hinata guardava a comida. Antes de voltarem para o bebê, o loiro puxou a esposa pela cintura e lhe deu um beijo de tirar o fôlego.

- Isso tudo é saudade? – Ela brincou, um pouco ofegante quando se separaram. Naruto respeitara fielmente o período de resguardo da esposa, mas já estava ficando um pouco impaciente pela falta que sentia do corpo feminino junto ao dele.

- Com certeza. Não é justo que só o Boruto possa desfrutar disso aqui. – Ele falou, apontando para os seios avantajados da mulher. Hinata apenas riu.

- Então vamos colocar o bebê para dormir e podemos aproveitar o tempo juntos. – Ela disse sedutora. Também sentia falta do toque íntimo do marido. Andaram até Boruto e Hinata o pegou no colo. Juntos, voltaram ao quarto do casal e Naruto se sentou encostado na cabeceira da cama, acomodando Hinata entre suas pernas com o filho e observava a esposa alimentar o filho com amor. Para ele, a cena era a coisa mais bonita de presenciar.

Boruto mamou por meia hora antes de adormecer profundamente. Hinata ainda deixou o filho parado por alguns minutos antes de se mover para colocá-lo no berço no mesmo quarto do casal. Ter Boruto por perto permitia que Hinata dormisse tranquila a noite inteira, razão pela qual ainda não haviam movido o cômodo de volta ao quarto do bebê. Ela ligou a babá eletrônica e levou o aparelho à sala de estar, junto com o marido.

- Agora sim, somos eu e você. – Naruto disse satisfeito quando a esposa se sentou ao lado dele no sofá. Ele a puxou para um beijo apaixonado, que logo ficou urgente. A necessidade pelo outro de ambos era latente e não se importaram em ir devagar naquela vez. Queriam apenas matar as saudades se amando por um longo tempo. – Eu amo tanto você. – Ele sussurrava entre os beijos, extasiado pela felicidade que o tomava nos últimos tempos.

- Eu também te amo muito. – Hinata respondia sempre à mesma altura, coisa que o loiro aprecia muito. Terminaram o dia com os corpos enrolados no tapete da sala, explorando novamente seus corpos e enchendo a sala de gemidos e promessas apaixonadas.

 

-- x --

 

- Tudo ok! Malas prontas! – Naruto entrou no quarto com a bolsa preparada e viu a mulher sorrir.

- Tudo pronto aqui também. – Hinata respondeu, segurando o filho já trocado no colo. – Podemos ir. – Ela segurou a mão do marido e saíram do apartamento. Sakura havia convidado os amigos para um jantar em seu apartamento, a fim de comemorar o aniversário do marido.

Eles andaram devagar pelas ruas até chegar à casa de Sakura. Ao tocarem a campainha, foram recebidos por Sasuke e convidados a entrar. Ino e Sai já estavam lá com o pequeno Inojin, que já tinha três meses, enquanto Boruto tinha quatro, Shikadai cinco e Sarada sete meses.

- Naruto, Hinata! Obrigada por virem. – A rosada veio cumprimentá-los, segurando a filha no colo. – Boruto, como você está lindo! – Ela brincou com o loirinho, que logo deu um sorriso sem dentes e tentou tocar os cabelos da Uchiha.

- Parabéns, Sasuke. – Hinata disse ao homem e se virou para a amiga com alegria. – Obrigada pelo convite. Sarada está tão bonita! – Elogiou a pequena filha do casal, que segurava um mordedor na boca.

- Fazia algum tempo que não nos reuníamos e temos que aproveitar antes de Tenten e Karui terem os bebês. – Ela disse, vendo a amiga assentir. – Eu deixei um canto na casa para deixarmos as crianças. – Ela guiou a Uzumaki até o tapete macio de Sarada com várias almofadas em volta e alguns brinquedos da pequena. Sakura depositou a filha, que continuava mordendo ferozmente o objeto.

- Dentes? – Hinata perguntou à rosada.

- Sim, ela anda bem nervosa com eles. – Sakura disse, observando a filha. Ino se aproximou das amigas e as cumprimentou. Tinha deixado Inojin com Sai, que conversava com os amigos.

- Boruto começou a aprender a rolar, ele me prega cada susto em casa. – Disse a morena.

- Eu achava que fazer missões é difícil, mas depois desse menino repensei meus conceitos. – Ino disse e as amigas assentiram rindo. – Mas até que Inojin é tranquilo, ele tem dormido quase a noite inteira.

- Essa fase das mamadas da madrugada me acabavam, sorte que eu tinha a experiência dos plantões. – Sakura disse. A campainha tocou e logo Temari, Shikamaru, Shikadai, Chouji e Karui entraram no apartamento. A Nara colocou o filho junto de Sarada e Boruto no lugar preparado pela rosada e se juntou às amigas.

- Hinata, eu estou impressionada, acho que você está até mais magra de quando engravidou. – Ino disse à amiga que agradeceu envergonhada.

- Eu fiquei preocupada se meus tornozelos iam voltar ao normal. – Confessou para as amigas. Mais tarde, com todos os convidados no local, Sakura serviu o jantar a eles. Todos conversavam com animação. Tenten revelou às amigas o nome do filho, escolhido por Lee e Karui contou-lhes que estava esperando uma menina.

- Finalmente mais uma menina para compor essa vila, só vejo homens por aqui. – Sakura brincou, batendo as mãos com a Akimichi. Continuaram conversando animados. Os amigos ficavam felizes por saberem que futuramente seus filhos estudariam juntos e esperavam que eles também se tornassem bons amigos.

- E seus irmãos, Temari? – Ino perguntou à loira.

- Estão bem. Shikadai adora brincar com as marionetes de Kankuro e puxar os cabelos de Gaara. Acho que o vermelho chama muito a atenção dele. – Disse, se lembrando da última vez em que os irmãos a visitaram. – Meu irmão me disse que está tentando com a esposa, mas ainda não conseguiram. – Falou mais baixo.

- E como eles estão lidando com isso? – Tenten perguntou com empatia, sabia que a demora de um resultado positivo poderia ser um pouco frustrante.

- Matsuri está um pouco preocupada de que algo esteja errado com os dois. Gaara me disse que estão fazendo alguns exames para tranquilizá-la. Mas ele não a deixa desistir. – A Nara respondeu. Ouviram um choro e logo Hinata se levantou ao reconhecer a voz de Boruto. Andou até as crianças e viu que Shikadai puxava os cabelos do loirinho. Com delicadeza, a morena soltou os dedos do pequeno Nara e pegou o filho no colo.

- Já passou filho. Tem que ter paciência com Shikadai. – Ela disse com carinho e logo sentiu Boruto se aconchegar no colo da mãe, se acalmando.

- Está tudo bem? – Naruto se aproximou e perguntou.

- Hai, acho que Boruto se assustou quando Shikadai puxou os cabelos dele. A cor deve ter chamado a atenção dele. – Ela explicou e viu o marido assentir. Naruto estendeu os braços e pegou o filho no colo.

- Quando chegarmos em casa, vou te ensinar uns golpes para se defender. – Ele brincou com o pequeno Uzumaki, que deu um riso baixo e apertou o rosto do pai. Quando Naruto ia colocá-lo novamente no tapete, viu Boruto fechar a expressão e fazer cara de choro. Ele apenas voltou com o loirinho para a mesa, terminando de comer enquanto distraía o filho no colo.

- O que houve? – Perguntou Sasuke quando o amigo se sentou novamente.

- Shikadai puxou o cabelo do Boruto. – Naruto disse rindo baixo com a careta de Shikamaru.

- Desculpe, cara. Shikadai está na fase de puxar cabelos e colocar tudo na boca. – Ele disse e o loiro balançou as mãos.

- Sem problemas. Boruto gosta de puxar orelhas. É um perigo. – Disse tranquilamente.

- Fico até impressionado que ele é seu filho, o menino é tão quieto. – Chouji disse, analisando a forma como o pequeno Uzumaki se entretinha com os próprios pés.

- Vocês falam como se eu fosse um demônio. – Naruto resmungou e os amigos riram, o que levou o próprio filho a gargalhar com eles. – Até você vai rir do papai, Boruto? – O loiro levantou o bebê até ficar cara-a-cara com ele e Boruto resmungou algumas coisas, colocando a boca no nariz de Naruto em seguida.

- Isso é fome. – Shikamaru disse entediado e Sasuke e Sai assentiram. Chouji olhou de forma confusa para o moreno. – Paternidade muda um homem, amigo. – Shikamaru respondeu, o que faz os amigos rirem.

- Eu já volto. – Naruto disse, levantando-se da mesa e indo até a esposa que estava na cozinha com as amigas, terminavam de arrumar as comidas para servirem o bolo. Hinata virou-se para os homens de sua vida e segurou Boruto no colo, que logo começou a procurar seus seios com um bico.

- Calma, filho. Mamãe vai te dar comida. – Ela disse rindo e acariciou o rosto do loirinho.

- Quer usar o quarto, Hinata? – Sakura perguntou.

- Vamos cantar os parabéns primeiro. Não se preocupe. – A Uzumaki disse com simpatia e logo todos foram para a sala com o bolo, cantando parabéns ao Uchiha. Sakura pegou a filha no colo, assim como Temari e Ino, e ensinava Sarada a bater palmas para o pai. A Uzumaki se sentou no sofá com um pano para dar a última mamada do dia ao filho, logo Naruto se aproximou para oferecer algumas garfadas do bolo à esposa.

Assim que Boruto caiu no sono, Naruto e a esposa se despediram dos amigos e voltaram para casa. Finalizaram o dia como todos os outros anteriores: enrolados e abraçados na cama após uma noite se amando e ouvindo a respiração tranquila de Boruto ao lado.

 

-- x --

 

- Acredito que será uma reunião rápida para tratar dos acordos de exportação. Devo voltar em poucos dias. – Gaara disse, colocando a mochila nas costas.

- Tome cuidado e faça uma boa viagem! – Matsuri respondeu ao ruivo, depositando um beijo carinhoso em seus lábios. O homem deu um sorriso discreto e partiu.

Selecionou dois ninjas de confiança para acompanhá-lo na viagem, deixando Kankuro responsável por qualquer emergência em Suna. Eles viajaram tranquilamente por um dia inteiro até que chegassem à localidade das reuniões. Os ninjas foram alocados em uma boa pousada para descansarem.

Assim que o horário estipulado para as reuniões chegou, Gaara se sentou junto a líderes das cidades próximas para negociar e renovar os tratados de importação e exportação da vila. Com o local crescendo, as necessidades do povo de Suna aumentaram e, como Kazekage, Gaara precisava garantir suprimentos ao seu povo.

O ruivo passou o dia inteiro conversando com os outros líderes, demonstrou aos homens os ganhos que teriam com os contratos, convencendo-os, um a um, a firmarem uma parceria de longa data com Suna. Ao final daquele dia, o homem se sentia satisfeito pelo sucesso em sua missão. A vila teria alimentos, medicamentos e matéria prima para construção em abundância e poderia continuar a crescer mais e mais.

Quando saiu da reunião com os líderes, Gaara buscou uma pequena barraca nas proximidades para jantar. Queria dormir cedo, assim poderia partir nas primeiras horas da manhã e voltar para seu lar e sua mulher. Achou um bom local para jantar carne refogada com legumes e um pouco de gohan. Ele observava o movimento fraco do local, devido ao horário, nas proximidades.

Sem saber, naquela mesma noite, uma jovem chegava à entrada do vilarejo, procurando por abrigo e comida. Estava assustada, faminta e cheia de medo por sua vida e pelo bebê que carregava consigo no colo. Havia sido atacada por ladrões que antes chamava de companheiros no caminho e se encontrava gravemente ferida, mas não podia abandonar a criança que segurava contra seu corpo com tanta força.

Já era madrugada quando ela encontrou um beco deserto para se sentar e descansar. Ali o vento não batia mais tão forte e ela não tremia tanto. Olhou para o bebê, sentindo o coração pesar, não queria deixá-lo sozinho no mundo, mas sabia que não tinha como sobreviver ao ataque dos ladrões que sofrera, ela morreria lentamente com o veneno que já se apoderava de seu corpo, podia sentir a si mesma perdendo as forças.

Com a determinação que ainda lhe restara, tirou a manta que protegia seu próprio corpo e enrolou o bebê. Este dormia calmamente, sem imaginar o que estava acontecendo ao seu redor. A mulher fez uma prece silenciosa, precisava encontrar um local movimentado para depositá-lo e garantir que seu filho fosse achado, mesmo quando ela se fosse. E este momento estava perto, perto demais para ela.

- Meu filho, me perdoe. Eu não conseguirei acompanhá-lo, mas eu te amo, com todas as minhas forças. – Disse ao acariciar o rosto sereno. Apoiou-o em meio a sacos de areia no beco enquanto tentava se levantar, mas sua respiração apenas ficava mais difícil e mais pesada. Caiu no chão com um baque surdo, sem controle nenhum de seu corpo e sentindo a visão embaçar, despediu-se novamente do filho em pensamentos, mergulhando para um mar de calmaria eterno.

- O que foi isso? – Gaara acordou com um barulho ao longe naquela manhã. Era muito cedo, o sol começava a nascer no horizonte e o ruivo saiu do quarto com pressa. Saiu correndo da pousada, ouvindo o barulho cada vez mais perto, era um choro sofrido que angustiava o ruivo.

Gaara seguiu o choro até se deparar em um beco vazio. Olhou para o chão e viu um corpo desfalecido. Era uma mulher, conforme constatou quando se aproximou, e seu corpo já estava gelado e pálido. O choro recomeçou, ganhando a atenção do Kazekage novamente e ele viu o pequeno embrulho em meio aos sacos de areia, sentindo a vibração desta respondendo ao choro do bebê.

Gaara abriu a boca surpreso por ver a criança indefesa que chorava desesperada. Era tão pequeno que achava que ainda tinha meses de idade, provavelmente um pouco mais velho que seu sobrinho, Shikadai. Com cuidado, o ruivo pegou o embrulho, colocando o bebê em seus braços.

- Está tudo bem. Você não está mais sozinho. – Falou com o tom suave e o bebê mirou os olhos do ruivo, cessando seu choro imediatamente. Gaara observou os olhos verde-escuros que o estudavam com atenção, se conectando aos dele lentamente. O bebê estudou o homem por alguns minutos, até que se remexeu um pouco e fechou os olhos, parecia se sentir tão seguro naquele momento que o sono profundo logo se apoderou dele.

Gaara estava simplesmente impressionado com tantos sentimentos que o inundaram quando segurou o pequeno ser em seus braços. Um dos ninjas que o acompanhava observou a cena com curiosidade, sem interferir, até que o ruivo se virou, dando de cara com ele.

- Gaara-sama, parece que a moça foi atacada. – Ele disse, examinando o corpo da mulher no chão.

- Acredito que foi atacada na estrada, não a vi com bolsas ou qualquer objeto de valor. – Gaara concluiu e viu o ninja assentir. – Vá até o líder do vilarejo e relate o acontecido, devemos agir conforme as regras deles.

- E quanto ao bebê? – Olhou para a criança nos braços de seu líder.

- Não deixarei a criança sozinha, ele ficará comigo. – O Kazekage disse com firmeza. Não podia deixá-lo à deriva, sentia que seu destino havia sido selado no momento em que segurou-o nos braços, não poderia deixar a criança para trás.

- Sim, senhor. – Respondeu o homem, deixando o ruivo sozinho.

- Você não está mais sozinho, eu cuidarei de você. – Ele repetiu as palavras ao menino, segurando-o mais firme em seu colo. Caminhou com o bebê até a pousada e aguardou pelo líder do vilarejo. Enquanto isso, solicitou a uma das funcionárias para providenciar leite e sopa para alimentar o bebê.

- Gaara-sama, Hideoki deseja falar com o senhor. – O outro ninja disse ao líder. O ruivo assentiu e viu Hideoki, o líder do vilarejo, entrar junto ao ninja que o acompanhara quando descobriu a mulher e a criança no beco.

- Gaara-sama, seu companheiro acabou de me relatar o acontecido. – Hideoki disse, observando o líder de Suna.

- Acredito que a jovem tenha sido abordada no caminho. Diga-me, Hideoki, vocês têm tido problemas com ladrões? – Perguntou.

- Não ultimamente, senhor. Nossas estradas sempre foram tranquilas. – O homem lhe respondeu. – Um dos médicos examinou o corpo da mulher e achou uma marca de traidor. Creio que ela estava sendo perseguida por algum grupo criminoso. – Ele viu o ruivo refletir sobre as informações.

- Enviarei homens para investigar as proximidades e verificar as estradas para garantir a segurança do seu povo. – Gaara informou e viu o homem fazer uma reverência em agradecimento. - Levarei a criança comigo para Suna, ele estará mais protegido lá. – Novamente viu o líder do vilarejo assentir.

A verdade era que Gaara não partiria sem o menino, sentia que havia encontrado mais uma peça que podia completá-lo. Parando para refletir por mais algum tempo, percebeu que havia encontrado o filho que desejou por tanto tempo e não voltaria para sua casa sem ele. Depois de alimentá-lo e arrumar roupas limpas para o bebê, partiu de volta a Suna com sua escolta.

Olhou o menino novamente, encarando o olhar penetrante da criança e sorriu de leve. “Talvez aqui esteja a parte da felicidade que eu venho procurando por meses.”

- Seu nome será Shinki e você será meu filho de hoje em diante. – O ruivo disse ao menino enquanto caminhava decidido.

 

-- x --

 

- Olha só quem veio visitar o ojichan? – Hiashi segurou o loirinho no colo, abraçando-o com carinho quando a filha e o neto entraram em sua casa. – Olá filha, como estão? – Ele sorriu para Hinata, que retribuiu o pai.

- Está tudo bem, Otousan. – Ela respondeu feliz. O patriarca andou com o neto até a sala e o depositou no chão quando o loirinho resmungou enfezado. Hiashi logo riu quando viu Boruto engatinhando avidamente pelo cômodo.

- Está começando a ficar curioso, uh? – Ele disse e viu a filha assentir.

- Outro dia Boruto entrou no armário sem que eu notasse e eu quase chamei a polícia. – Disse ao se lembrar do desespero ao procurar o filho. Hiashi sorriu para o menino.

- Ele é travesso como o pai. – Brincou e ouviu a filha rir. – Ele está crescendo tão rápido, Hinata.

- Eu também acho. Ele já está começando a tentar ficar em pé. Naruto-kun tenta fazê-lo andar todas as noites, ele quer que Boruto ande no tempo mais curto que Sarada. – Hinata e Sakura já não se importavam mais com as competições dos maridos, eles pareciam de divertir quando se gabavam dos filhos.

- Ele vai andar em breve, olha só a força dessas pernas. – O Hyuuga disse, vendo o bebê se apoiar no sofá e se colocar em pé.

- Boruto, cuidado! – Hinata disse quando viu o menino tropeçando no tapete e caindo sentado no chão. Ele olhou a mãe e os pequenos olhinhos azuis começaram a marejar enquanto o menino estendia os braços para Hinata. Ela o pegou no colo, afagando-o com carinho. – Não foi nada filho, só foi um susto. Mamãe está aqui.

Hiashi apenas observava o carinho que a filha tinha com o neto e o cuidado. Boruto era uma criança tranquila, que não chorava por muito e era extremamente ligado aos pais. Hinata pegou um brinquedo na bolsa que trouxe e entregou ao loirinho, colocando-o sentado em seu colo enquanto brincava.

O Hyuuga começou a brincar com o bebê por algum tempo e Hinata preparou um pouco de chá a ambos. Trouxe também uma pera e uma colher para alimentar Boruto com a fruta raspada. O pequeno Uzumaki já estava comendo sopinhas, frutas amassadas e purês, mas ainda não dispensava a mamada da manhã e da noite, antes de dormir.

Passaram a tarde inteira com o pai de Hinata e com Hanabi, que chegou depois de algumas horas, brincando e interagindo com a família. Boruto era um bebê simpático e risonho e Hiashi se derretia brincando com o pequeno neto.

- Otousan, Hanabi, precisamos voltar. Obrigada por nos receberem. – Hinata disse quando terminou de arrumar as coisas do filho. Queria voltar para casa antes que escurecesse.

- Voltem mais vezes, por favor. – Hanabi pediu e viu o Hyuuga assentir concordando. Ela entregou o loirinho à mãe, que logo se jogou ao colo de Hinata.

- Vamos voltar pra casa, filho? Papai deve estar chegando! – Ela disse enterrando o nariz na barriga do filho, que logo explodiu em gargalhadas. Hinata caminhou de volta para casa tranquilamente. Ela era parada ocasionalmente por algumas pessoas da vila que a reconheciam ou por jovem que ainda eram parte do fã-clube do marido. Ela eram as que mais se derretiam por Boruto, principalmente quando o loirinho desatava a fazer gracinhas.

Chegou ao apartamento e colocou as coisas no sofá. Boruto logo começou a se remexer, desejando explorar o chão da casa. Hinata trouxe o tapete do filho até a cozinha, colocou alguns brinquedos no chão e deixou o filho brincando enquanto preparava o jantar. Ela descobriu que conseguia administrar bem a atenção entre a comida e o filho. Ela conversava com o filho enquanto cozinhava e eventualmente brincava um pouco com ele quando passava para buscar algum ingrediente.

- Tadaima! – Ouviram a voz de Naruto e logo o loirinho saiu engatinhando para a direção do pai. Ele pegou o filho no colo e deu um beijo demorado em seu rosto. – Mas que recepção maravilhosa! – Ele disse e viu Hinata se aproximar.

- Okaerinasai! – Disse beijando os lábios do marido, depois ambos beijaram as bochechas de Boruto, arrancando risadas do bebê. – Boruto estava com saudades do papai, não é filho? – Ela disse com carinho e o pequeno Uzumaki tocou o rosto de Naruto, apertando as marquinhas do pai.

- Papá! Papá! Papá! – Boruto repetia divertido enquanto se entretinha com o rosto do loiro. Hinata e Naruto se entreolharam com as expressões surpresas.

- Ele acabou... – Naruto começou a falar embasbacado.

- Ele falou papai. – Hinata balbuciou e sorriu. Então pegou o filho no colo e o encheu de beijos. – Esse é meu menino lindo! – Ela olhou para o marido que se aproximou dos dois com um sorriso largo. – Nosso menino lindo! – Acrescentou com o coração em festa.


Notas Finais


Então, o que acharam? Estou louca para ouvir a opinião de vocês! Não esqueçam do comentário, viu?

Até a próxima! Beijinhos! :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...