História The Best Bet - Jeon Jungkook - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Personagens Originais
Tags Jeon Jungkook, Jeongguk, Jungkook
Visualizações 164
Palavras 2.910
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu tive a idéia antes de dormir, e comecei a colocar em prática.
Estou um pouco receosa mas eu espero que gostem.

Boa leitura

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction The Best Bet - Jeon Jungkook - Capítulo 1 - Capítulo Único

- O que você quer?

Sua voz saiu dura e fria assim que me viu. Mas ela não era assim antes de eu estragar tudo. E eu já tinha estragado tudo antes mesmo de começar.

Eu sinto falta dele, e foi erro meu ter começado daquele jeito. Mas se eu não tivesse começado assim, eu nunca chegaria perto dele.

- O professor Lee me pediu pra pegar uma caixa de som. – Eu respondi a sua pergunta olhando para o instrumento que ele estava tocando até eu entrar. Eu sinto saudades de ouvir ele cantar, cantar pra mim.

Ele virou a cabeça mostrando onde fica a caixa de som, e eu a segui. A passos lentos eu fui em direção ao armário onde se encontrava as caixas menores, já que foi a que o professor pediu e eu não conseguia levar a maior.

Tentei demorar o máximo que eu podia naquela sala, queria poder ficar lá com ele o tempo todo. Mas ele não me queria lá e eu tinha que levar a caixa para o professor.

- Obrigada. – Foi a única coisa que eu consegui dizer ao sair da sala, mas não era nem a metade que eu queria falar pra ele desde o ano passado. Esse “diálogo” foi o primeiro desde o acontecimento. Desde o ano passado.

Eu me sinto uma burra desde que aceitei aquela proposta. Eu achei que conseguiria ir até o final. Mas me enganei. Aquele rosto, timidez, a voz, o jeito que ele me abraçava, o jeito que me tocava quando nós nos beijávamos e como ele ficava com as bochechas vermelhas quando eu o elogiava, ele me fez apaixonar por ele. Como eu sinto saudades!

Eu me afastei de todos. Fiquei sozinha, assim como ele quando entrou na escola.

Eu era popular, até ele sair de minha vida. Não consegui olhar pra nenhum dos meus “amigos" mais, me fechei pra tudo e todos. Até meus pais perceberam que eu estava muito cabisbaixa. Chegaram até me perguntar se eu me cortava, o que na época eu cheguei a cogitar, mas não o fiz.

- Por que a senhorita demorou? – Lee perguntou assim que entreguei a caixa de som pra ele. Eu não queria responder que foi porque eu vi os olhos daquele que sou apaixonada.

- Demorei achar a caixa, me desculpe. – Dito isso, segui para o fundo da sala. Alguns me seguiam com os olhos. Eu posso ter deixado de ser a popular, mas aos olhos de alguns meninos eu ainda era a mais bonita. Coisa que hoje em dia eu nem ligo, já que quem que eu quero que me ache bonita nem olha pra mim mais.

Assim que cheguei à minha carteira deitei o rosto e fechei os olhos, queria relembrar da voz dele, mesmo ela sendo rude comigo. Ainda era a voz dele.

Hoje meus pais tinha um jantar de negócios na casa de seu superior. E eu e meu irmão teríamos que ir também. Meus pais chegariam bem em cima da hora então eu tinha que arrumar meu pequeno.

Ele estava um homenzinho tão lindo, senti orgulho do meu trabalho de estilista por uma noite. Ele estava vestindo uma calça preta um pouco colada, um tênis totalmente preto e uma camisa social de botões azul escura e cabelos um pouco bagunçados do jeitinho que o mesmo gosta. Ele pode ter apenas dez anos mas tem um amor por seu cabelo que só ele pode tocá-lo.

Eu estava com um vestido azul escuro – pra combinar com meu irmão – que ia até um pouco depois dos joelhos, marcando meu corpo, por cima uma jaqueta preta e nos pés um salto preto fosco. Meu cabelo tinha cachos na ponta e fiz uma maquiagem fraca.

- Quando eu ficar mais velho quero namorar uma menina igual a você! – Oh Soo disse e eu ri.

- Não queira isso! – Eu não iria querer que ele namorasse alguém como eu, que destrói corações.

- Mas olha só pra você nonna, você está linda demais! – Eu baguncei seus cabelos rindo de seu comentário. Estendi minha mão para ele que pegou sem hesitar e fomos pra sala esperar nossos pais terminarem de se arrumar, já que quando eu estava me vestindo eles chegaram.

- Está linda filha! – Appa disse assim que entrou na sala, agora só faltava omma terminar de se arrumar.

- Eu disse que você estava linda. – Meu dongsaeng disse pra mim e fez nosso appa sorrir.

- Vamos? Já estamos atrasados. – Omma disse assim que entrou. Ela estava magnífica. Com os cabelos soltos, maquiagem fraca como a minha, vestido preto até os joelhos e salto da mesma cor.

Entramos no carro e fomos para o jantar na casa de seu superior. Ficava um pouco longe de nossa casa, na verdade ficava do outro lado da cidade, na área nobre de Busan.

Assim que chegamos na casa, eu e meu dongsaeng nos espantamos pelo tamanho da casa. Era enorme, muito diferente da nossa casa.

Fomos atendidos por um homem de aparência juvenil. Mas o tom de sua voz contradizia totalmente seu físico.

- Kim's! Já estava achando que nos deixaria sós hoje! – O homem disse enquanto abraçava de maneira calorosa meu appa e depois o mesmo com minha omma. – Wow! Essa é sua filha? – Meus pais assentiram. – Ela é linda! – Eu me envergonhei. Ele me estendeu a mão e eu levei a minha à sua e me curvei minimamente em sua direção por respeito.

- Obrigada. – Sussurrei envergonhada. Eu adquiri uma timidez assim que o garoto que sou apaixonada saiu de minha vida.

- E esse grandão? – Apontou para Oh Soo.

- Sou Oh Soo. É um prazer te conhecer!

- Seus filhos são bastante educados.

- Obrigada Senhor Jeon! -Appa respondeu e enquanto entrávamos pela casa, tentava associar esse sobrenome. Não seria possível esse Jeon ser da mesma família que o Jeon a qual sou apaixonada né?!

Essa pergunta foi respondida assim que vi ele descendo as escadas com toda a sua beleza.

Assim que ele me viu fechou a cara e depois sorriu forçado e foi para o lado de sua mãe.

- Esse é meu filho Jungkook. – Senhor Jeon disse.

- Ele é muito bonito! Não é filha? – Omma disse e eu apenas assenti olhando pros meus pés.

- Obrigada senhora Kim. – Ouvir sua voz doce me fez arrepiar. Tem um ano que meu sonho é ouvir ele sendo elogiado pela minha mãe ao dizer que era meu namorado e ele dizer essas mesmas palavras com as bochechas rosadas de vergonha.

O jantar ocorreu muito bem. Nós mais novos não falávamos nada, só quando eles se dirigiam a nós.

Estar no mesmo ambiente que Jungkook e não poder beijá-lo era uma tortura, e tortura maior ainda era não poder dizer como eu me sentia, e o porque de tudo o que eu fiz no passado.

- Jungkook, leva o garotão na sala de jogos, acredito que ele vai gostar. – Senhor Jeon disse e o mais novo assentiu, se levantando e meu irmão o seguindo. Mas antes de meu irmão ir, ele me olhou com aquele olho pidão não querendo ir sozinho.

- Posso ir também? Acredito que vão querer conversar à sós agora. – Eu disse e os mais velhos assentiram me deixando ir com os garotos.

Assim que entramos meu irmãozinho ficou maravilhado com a sala. E não era pra menos, aquilo parecia um fliperama de tantos jogos que tinha ali.

- Olha nonna! Tem um de dança também.

- Qual você quer jogar hm... – Jungkook disse.

- Meu nome é Oh Soo! E eu quero jogar esse! – Se não fosse um de corridas não seria meu irmão. Nós costumamos jogar esse sempre quando temos um tempinho. – Pronto pra perder Jungkook? – Meu irmão engrossou a voz e apontou o dedo em direção ao mais alto que riu.

- Vamos ver quem vai perder!

E assim foi... Eles jogando e eu assistindo. Oh Soo me perguntava as vezes se eu queria jogar, mas eu sempre respondia não, Jungkook não iria me querer por perto.

Me sentei no sofá que tinha na sala e quase dei glórias quando achei um fone no mesmo. Procurei a playlist que Jungkook tinha feito pra mim à um ano atrás e dei play na mesma. Fechei os olhos e me deixei levar.

Só percebi que dormi quando eu não estava mais no sofá da sala de jogos e sim numa cama muito fofa.

Tateei os arredores da cama e achei um abajur do lado direito e liguei o mesmo encontrando também meu celular. 02:27 era o que marcava.

Olhei em volta e percebi não estar no meu quarto. Não tinha minhas fotos em um mural em cima da escrivaninha e muito menos a cor cinza e branca do meu quarto. Eu não estava em casa. Então onde estou?

Me levantei e percebi ainda estar vestida com o vestido. E estava descalça também. Encontrei minha jaqueta em uma cadeira no canto do quarto e deixei ela lá.

Sai pra fora do quarto e reconheci uma porta. A porta da sala de jogos.

Entrei na mesma e procurei o interruptor, acendi as luzes e passei meu olho pelo lugar e parou na máquina de dança.

Essa máquina me lembra da primeira vez que saí com Jungkook. Nós nos divertimos muito, mesmo com toda aquela timidez do garoto.

Eu estava tão imersa em meus pensamentos olhando para a máquina que nem percebi que tinha outra pessoa na sala.

- O que você está fazendo? – Rude outra vez e eu não mereço outra coisa a não ser isso.

- Oh! Nada... Só estou me lembrando de uns tempos bons atrás.

- O tempo em que você me fazia de trouxa? – Riu sem humor, e era a verdade, naquela época era. Os meus sentimentos começaram a mudar quando ele se declarou pra mim. E quando eu ia fazer o mesmo ele descobriu a verdade pela boca de outra pessoa.

- Me desculpe. – Eu disse baixo num sussurro. Minhas lágrimas começaram a sair e eu nem sabia que estava com os olhos marejados. – Eu... No começo era sim uma brincadeira dos meus amigos, mas eu me apaixonei por você Jungkook e peço desculpas pelo que eu fiz.

- Você destruiu o meu coração Moon Ah! Você alguma vez sentiu isso? Alguma vez alguém destruiu seu coração? Creio que não.

- Sim... Eu mesma fiz isso, quando o seu coração se despedaçou. – Sentei no chão já que ele estava perto do sofá e eu não conseguiria chegar até ele. – Se eu soubesse que iria me apaixonar por você eu não teria entrado naquela aposta. Mas se eu não tivesse entrado eu nunca te conheceria...

- Teria sido melhor se não tivesse entrado. – Se sentou no sofá. – Eu não teria quebrado meu coração e você ainda seria a popular da escola. Todos sairiam ganhando.

- Eu seria uma farsa de pessoa. Eu nem ao menos era alguém antes de você Jungkook! Você me mostrou quem eu era de verdade. Você me ensinou viver de verdade. – Limpei as lágrimas do rosto.

- Pra quê você está chorando? Até parece que está arrependida. Se toca garota! Você não passa de uma Barbie!

- Eu tô chorando porque eu me sinto culpada de destruir o coração de quem eu amo! E eu era uma barbie mesmo... Era até você chegar! – Me levantei seguindo para a porta decidindo ir embora a pé pra casa. – Eu te amo Jungkook! E para seu bem eu vou embora...

Abri a porta e desci as escadas procurando a saída.

Ele não me queria aqui, eu não era bem-vinda na sua vida. Não mais.

A rua estava fria e silenciosa. Só se ouvia meus passos e minhas fungadas por causa do choro.

- Merda! – Me praguejei por ter esquecido meu celular, jaqueta e salto na casa do Jeon.

Mas eu não voltaria lá. Ele não abriria a porta pra mim. Talvez ele mandaria alguém pra levar minhas coisas para os meus pais na empresa.

- Espera!

Ouvi uma voz. A voz dele.

Olhei pra trás e lá estava ele correndo em minha direção.

Eu já estava quase saindo do bairro, então ele correu muito pra me alcançar mas o que ele queria comigo? Ele me odeia.

- Você não pode falar que me ama e sair sem mais nem menos! E eu nem sei se devo acreditar em suas palavras, você me machucou muito.

- Eu iria te falar a verdade Jungkook. No dia que você descobriu eu iria te contar e me declarar. Mas você estava tão irado que eu não consegui dizer nada. – Funguei outra vez. – Vou ficar gripada certeza. – Rimos juntos. Que saudade de ouvir ele rir.

- Porque você aceitou a aposta? – Estendeu as mãos pra mim e eu a encarei. – Me explica enquanto voltamos pra minha casa. Você vai passar mal se continuar aqui fora. – Assenti e seguimos de volta pra casa do Jeon.

- No começo era porque você era muito bonito. Minhas amigas apostaram que eu não conseguiria trazer você pra nossa turma, já que você é tímido. Elas me deram dois meses pra isso. No começo eu fazia isso só pra mostrar que eu era conquistadora. Mas foi você quem me conquistou. – Ele me olhou. – Toda vez que você sorria meu coração se esquentava. Toda vez que você cantava eu me sentia segura e toda vez que você me beijava, nem que fosse apenas um selinho, eu me sentia no céu. Eu estava apaixonada e mudada. Minhas amigas perceberam isso, e te contaram antes de eu te dizer a verdade. – Parei em frente a sua porta. – Eu juro Jungkook que eu não queria te fazer sofrer, eu te amava demais pra querer isso.

- Amava? Não ama mais?

- Amo. E já tentei de várias formas parar de te amar... Eu cheguei a decisão que com você por perto eu nunca vou deixar de te amar. Por isso vou morar nos Estados Unidos ano que vem. Vou te deixar e deixar tudo pra trás! Eu quero o seu bem! E o seu bem é longe de mim! – Me soltei de sua mão e ele pegou denovo.

- Cala a boca! Você não tem esse direito de decidir que eu vou ficar bem se você for ou não!

- Mas...

- Mas nada! Cala a porra da boca! Eu já sofri demais por causa das suas amigas, eu sabia que você estava numa aposta, eu estava esperando você me contar a verdade! Mas elas me falaram que você estava saindo com o Jisung ao mesmo tempo que estava comigo!

- Quem é Jisung? Eu nunca sai com outro enquanto estava com você!

- Porra! Eu não deveria ter acreditado naquelas meninas!

- Jungkook, me desc...

Ele me beijou.

Como eu senti falta desses lábios contra os meus, de sentir o gosto de menta que sai da boca dele. De senti suas mãos me segurando de forma possessa nas cinturas.

Eu voltei a sentir segurança nos braços daquele que eu amo. E eu faria de tudo pra aproveitar esse beijo.

- Vamos entrar. – Ele disse e eu apenas segui ele. Fomos em silêncio.

Ele parou em frente uma porta, acho que a do seu quarto.

- Entra. – Ele disse depois que abriu a porta. Eu o encarei achando seu pedido um pouco estranho. Ele pegou minha mão e me puxou para dentro de seu quarto.

Me deixei olhar o seu quarto, vendo o quanto ele era organizado. Diferente de mim.

Ele se sentou na cama e bateu no colchão ao seu lado me chamando pra sentar também.

- Quando você descobriu que gostava de mim também? -Perguntou.

- Depois de você ter me dito que estava apaixonado por mim. A cada beijo trocado, eu sentia meu coração querer sair do meu corpo e ir direto para ao lado do seu.

- Você sentiu isso lá em baixo?

- Não. – Me olhou confuso. – Ele já é seu a mais de um ano!

Me beijou outra vez. Mas feroz, com mais sentimentos.

Meu coração era dele com certeza. Eu já não tinha mais controle no meu coração. Era dele e eu não ligava.

Ele me puxou pra si e deitamos na cama. Com ele por cima de mim. Ele continuou me beijando, e quando o ar fez falta, desceu os beijos para meu pescoço me levando a loucura.

Quando um gemido saiu de minha boca ele apertou minha coxa com força e eu segurei seus fios de cabelo com força.

Quando ficamos nus, eu não me senti envergonhada, eu não era virgem, mas não foi por isso. Foi porque era com ele. Ele quem estava me deixando nua, ele quem iria me fazer sua. Ele quem me levaria ao êxtase.

Quando me tomou por completo, pude senti-lo como eu sempre quis. E ali eu tive mais certeza que não seria apenas uma transa. Seria um amor, mesmo sendo apenas de minha parte.

Cada gemido dele, me deixava feliz. E eu poderia me derramar só de ouvi-lo gemer meu nome. E quando isso aconteceu, me senti livre pra dizer assim que minha respiração voltou ao normal.

- Eu te amo Jungkook! – Falei de olhos fechados, porque se aquilo foi um sonho, não quero acordar.

Ele me puxou pra deitar no seu peito desnudo e suado. Nem liguei para isso. Estava tão feliz. Tão dele que não me importei. E me senti mais completa ainda quando ouvi ele dizer:

- Eu sempre te amei!


Notas Finais


Me digam o que acharam por favor!

Eu me envolvi tanto nessa escrita, queria passar tudo o que ela tava sentindo.

Eu sei que é um capítulo único mas me diga o que você achou. Foi a minha primeira vez escrevendo algo assim. Então me diga o que achou huh?!

Xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...