1. Spirit Fanfics >
  2. The best part of us (Camren) >
  3. O Que é o amor?

História The best part of us (Camren) - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Genteeee! Voltei! Não sei perceberam ( espero que sim) mas eu fiz outra capa pra fic, então porfavorzinho me falem se gostaram e se fica melhor essa ou a antiga mesmo.
Agora vamos de mais um cap
Simbó

Capítulo 10 - O Que é o amor?


A noite passou se arrastando não consegui dormir, quando cheguei da casa de vero subi logo pra o quarto ignorando meus pais que estavam na cozinha. Conversei com Camila e ela disse que ia falar com Hanna pra ajudar com a mentira de amanhã, conversamos até à noite e senti saudades assim que desliguei. Não dá mais pra esconder, ficar longe dela me machuca e tudo me faz lembrar dela, me faz querer falar com ela, seja sobre alguma música que gostei, um filme ou até mesmo algo engraçado que pensei.

Desabo em minha, estou confusa sobre o que eu sinto, eu sempre tive uma queda por ela e depois virou paixão e agora eu temo que talvez já esteja sentindo... amor, será? Não, não é amor está muito cedo pra isso ne? Mas como vou saber? Eu nunca amei antes apesar de falar que amo chocolate ou que amo desenhar, mas não acho que amar seja assim.

Levanto da cama e vou até o banheiro, tomo banho e me visto pra ir à escola, mas antes mando uma mensagem de bom dia pra camz, quero tanto sentir o cheiro dela de novo! Desço pra tomar café e encontro meus pais já na mesa.

Eu ainda não falei do meu pai pra vocês né? Pois bem, ele se chama Mike e é um ótimo pai, mas ultimamente ele está um pouco ausente por conta do trabalho, é que ele foi transferido por dois meses pra gerenciar uma filial na cidade vizinha e isso faz ele ficar mais longe de casa.

Assim que olho pra eles percebo a alegria da minha mãe por ter ele em casa, por ter a família realmente reunida, eu sei que parece que sou filha única, mas na verdade tenho um irmão mais velho, Cris, mas ele já é casado e só aparece em datas comemorativas.

Minha mãe coloca panquecas em meu prato e meu pai faz bico querendo também, eles são tão divertidos juntos.

— Amor, coloca mais uma vai, eu preciso ficar forte — minha mãe coloca e quando se vira ele dá um pequeno tapa em sua bunda fazendo ela corar imediatamente.

— Mike! Aqui não! — papai me olha risonho.

— Ela me ama— ele pisca e sorrio.

— Mãe, pai... — eles me olham — Como vocês souberam que o que sentiam um pelo outro era amor?

— Hmmmm nossa menina está apaixonada? É isso? — ela me encara e fico envergonhada.

— Desde o momento em que sua mãe me viu ela se apaixonou perdidamente por mim querida e... — nessa hora ele recebe um tapa no ombro e a panqueca cai do seu garfo, me fazendo rir da situação.

— Não acredite nele filha! Seu pai vivia correndo atrás de mim desde o fundamental e a verdade é que nós brigávamos o tempo todo. — ele faz cara de culpado e se encolhe na cadeira, fiquei com dó.

—Nossa amor, também não era assim vai— ele até tenta argumentar, mas para quando recebe o olhar repreensivo dela.

— Era sim! Lembra quando você bateu no Gustavo, só porque ele estava me abraçando!

— Ele disse que estava namorando você! Bati mesmo e não me arrependo!

— Mike! — ela ainda tenta argumentar, mas ele não deixa.

— Não Clara! Como acha que eu me senti? Você me ignorava e pra ele era cheia de abraços! — ele fala emburrado.

— Amor... Eu não aceitei namorar com ele — ela chega perto e beija sua bochecha— Aceitei namorar com você! Mesmo com toda as nossas brigas lembra? — ele sorrir vitorioso.

— Agora estou curiosa, como vocês saíram das brigas para os beijos? — indaguei.

— Simples! No final ela percebeu que sou irresistível! — ele fala confiante fazendo-a revirar os olhos.

— Teve uma festa e nos encontramos lá e a muito contragosto eu participei do jogo da garrafa. — ela sorrir como se estivesse revivendo o momento.

— Eu ficava irritado a cada vez que não parava nela para ser meu par, mas aí... — ele olha pra ela — a garrafa parou.

— Sim... e o desafio era passar 5min dentro da despensa. — ela puxa uma cadeira e se senta. — começamos a brigar e aí ele me beijou.

— Claro! Eu nunca iria perder aquela chance! — ele faz um carinho em sua bochecha e vejo minha mãe com um olhar apaixonado.

— Depois disso nós começamos a namorar e logo depois engravidei do seu irmão, meus pais não aceitaram no começo, foi um grande inferno, mas hoje estamos aqui e felizes— eles se beijam e depois ela me olha — Agora termina de comer se não vai se atrasar pra escola.

— Está bem, mas só mais uma coisa, como a gente sabe que está amando e não só apaixonada? — eles me encaram sorrindo.

— Amar é continuar junto mesmo não gostando dos defeitos do outro, é querer cuidar, respeitar acima de tudo. O amor ele é construído com o tempo querida, vem depois da paixão que é aquele fervor sabe, a onda de emoção por está perto, o desejo elevado, que aos poucos vai dando espaço para o carinho, a felicidade pelo simples fato de estarem juntos, é companheirismo, é valorizar os pequenos momentos. — eles se olham e entrelaçam os dedos, alii gente que lindo!— É desenvolver o dom de sentir o que o outro sente, é saber que pra buscar felicidade os dois precisam caminhar juntos e que amar é estar eternamente apaixonado. Respondemos sua pergunta?

— Sim... obrigada mamãe.

— Nada querida, agora pegue suas coisas que vou te deixar na escola.

— Mas eu sempre vou andando...

— Hoje não, estarei esperando na garagem, não demore. — olho pra o papai estranhando e ele apenas dá de ombro.

Ela se despede do papai e sai e eu vou até a sala pegar a mochila me despedindo dele também.

— Por que está me levando mãe? A senhora nunca fez isso desde que estudo nessa escola. — ela tira uma das mãos do volante e afasta meu cabelo puxando a gola do uniforme, ahhh mano qual é!

— Eu não quis falar na frente do seu pai você sabe como ele é e eu até posso ser meio lenta, mas não sou cega Lauren, isso são marcas de chupões e não estavam aí antes de você dormir fora. — engulo seco, eu deveria ter passado base, que droga! — Então? Não vai me explicar?

— É que...

— Você está namorando? É isso? — Relacionamento é namoro né? Ou não?

— Uhun — falo envergonhada.

— E por que não me contou? Você sabe que pode conversar comigo né? — ela vira no quarteirão e já consigo ver a escola daqui.

— É que é complicado — porque é outra menina mãe e não um garoto!

— Traga-o pra jantar que tal? Quero conhecê-lo e lhe dá uma bronca por ter te marcado dessa forma, você também deveria se cuidar mais Lauren, ficar com o pescoço desse jeito não é bonito. — ela para o carro.

— Não sei se seria uma boa ideia mãe é que ela quer dizer ele! Ele é muito tímido — desconversei, meu deus que ela não tenha notado por favor!

— Ela?! — Droga! — Você... quer dizer ele é ela? É isso mesmo que eu ouvi Lauren? — o que eu faço? Falo que foi sem querer ou jogo tudo no ventilador?

— Se fosse ela, seria muito ruim? — testei pra ver no que daria, céus! Que roubada! Até fecho os olhos por medo, mas ela rir, espera o que?

— Qual a graça?

— É que eu e seu pai já conversamos sobre isso e ele disse que preferia mil vezes você com outra mulher do que com algum marmanjo agarrado na filhinha dele. — Isso é sério? Espera aí que eu tô passada!

— E como chegaram a essa conversa?

— É que eu estava pensando em colocar camisinhas em seu quarto, você já vai fazer 17 anos, eu não sou idiota e sei como são os hormônios, mas seu pai me proibiu disse que você nunca transaria, que seria virgem pra sempre, claro tudo isso no mundo imaginário dele de pai protetor. Então ele disse, que seria melhor se você fosse que nem sua amiga Verônica.

— E a senhora não fica chateada com isso? De eu namorar uma garota?— seu olhar é cúmplice e isso me acalma.

— Sabe filha — ela pega minha mão e faz carinho nela — Nós queremos que você seja feliz, só isso importa pra nós, se você gosta dessa garota não será a gente que vai impedir, mas se controle com isso — ela aponta pra o meu pescoço — Está bem? Agora vai se não você não vai mais entrar.

Abraço-a forte e beijo sua bochecha — Obrigada mãe, de verdade, te amo tá?

— Também te amo meu amor, até mais tarde.

Saio do carro e não sei explicar sinto que nada, exatamente nada pode estragar meu humor hoje! Camila vai adorar saber que podemos ficar lá em casa sem ter que fingir, não vejo a hora de encontra -la.

Assim que passo pela entrada principal um sorriso enorme se forma em meu rosto, é ela, mais linda do que nunca pegando os livros no armário, ando até ela, mas alguém chega primeiro, fazendo meu enorme sorriso se transformar em uma carranca. Justin, seu encosto do inferno! Arg!

Me aproximo deles e vejo Camila se assustando quando nota a presença dele.

— Justin? O que faz aqui? — ela fala surpresa.

— Sentiu saudades né? — ele tenta fazer um carinho em seu rosto, mas ela se afasta.

— Na verdade não! Apenas pensei que tivesse sido expulso por causa da briga no refeitório. — ela fecha o armário e tenta passar, mas ele fica na frente. Que idiota! Eu vou acabar com ele!

— Expulso? Não! Apenas suspensão, mas eu já voltei — ele se aproxima dela e já estou bem perto deles — Vamos sair hoje a noite, topa? —

— Sinto muito Justin, mas já tenho compromisso — Camila me ver e sorrir, Justin olha pra mim e sua cara não é boa. Essa é a única coisa que temos em comum, repulsa um do outro.

— Vamos pra sala camz — pego em sua mão e ela concorda.

— Espera aí! Estamos conversando não está vendo?

Olho pra Camila — Você estava conversando com alguém camz? Não percebi. — falo e ele me fuzila com os olhos.

— Não lolo, não estava.

— Ótimo então — saímos dali e ainda pudemos escutar quando ele soca o armário, babaca.

Entramos na sala e ficamos juntas até a professora chegar, depois sentamos em nossos lugares de sempre. A aula foi de história e acabei dormindo, não me culpem tá, vocês sabem que não dormi bem.

— Ei dorminhoca, acorda hora do intervalo! — vero me cutuca e finalmente acordo, que soneca boa meu deus.

— Já? Eu dormi duas aulas inteiras? — falo enquanto tento ficar menos descabelada.

— Sim! Duas aulas perdidas sua ze droguinha. — ignoro sua ofensa e meus olhos procuram a minha garota, mas não acho.

— Onde está Camila?

— Ela saiu com Hanna, disse algo sobre ela ter que falar com a mãe dela por telefone, deve ser por causa da praia, você vai né? Trouxe suas coisas? — assim que ela fala bato em minha testa, droga! Sabia que estava esquecendo de alguma coisa.

— Não... Eu esqueci — vero suspira em negação e me dá um soco de leve.

— Trouxa. Vem vamos comer.

Nós saímos da sala indo até o refeitório, mas antes passamos no terceiro ano, pra buscar Lucy.

— Nossa, o que houve com você? — ela vê minha cara amassada e vero cai na gargalhada.

— Não foi nada, eu só dormi na aula. – ela me olha melhor e faz uma cara safada.

— Não sabia que dormir deixava chupões no pescoço. — arregalo os olhos e levanto a gola da blusa. Que droga! Isso vai ser notícia no mundo agora?

— Isso porque você não viu os peitos dela! — vero sua idiota!

— Ah eu quero ver também! Vem cá Lauren me mostra seus peitos! — saio correndo tentando me livrar dela, que doida!

Chego no refeitório e vejo Camila e Hanna sentadas, sigo até elas ainda olhando pra trás tentando não ser vista pela louca dos peitos.

— Lolo, acordou finalmente — beijo sua bochecha e sento ao seu lado.

— É que eu não dormi bem...

— Aconteceu alguma coisa? — ver essa carinha de preocupação dela me deixa com uma vontade enorme de beija-la!

— Tô morrendo de vontade de te beijar sabia? — sussurro em seu ouvido e percebo seus pelos arrepiarem.

— Ou! Eu tô aqui sabia? Dá pra se comerem depois? — Hanna corta o clima.

— Tudo certo pra hoje?

— Hanna falou com minha mãe e ela deixou, mas antes vai querer ver quem vai juro com a gente, ela quer se certificar de que você não vai estar lá — sei bem disso.

— Não se preocupem, eu esqueci o biquíni em casa vou ter que pegar de qualquer jeito então vocês podem ir e depois passar lá em casa, assim ela não vai me ver.

Falo meu plano e Camila sorrir empolgada me dando um selinho por reflexo, olho pra os lados vendo se alguém notou, pelo visto não.

— Desculpa... foi mais forte que eu.

— Tudo bem camz.

— Ahha aí está você! — Ah não, de novo não! — Anda Lauren deixa eu ver seus peitos!

Camila cospe o suco que tomava — Como é que é? Ver os peitos dela? Tá louca garota?!

— É Lucy tá louca?

— Nem vem Lauren você já me viu pelada! — dessa vez quem se engasgou foi eu.

— Você o quê?! — Camila vira pra mim muito irritada, meu deus alguém me tira daqui!

— Camz eu... É... não foi por querer tá, é que elas estavam transando e minha mochila estava dentro do quarto, eu pedi pra jogar pela janela, mas foi ela quem abriu a porta nua e jogou a mochila em mim!

Camila olha estupefata pra Lucy e quase voa em cima dela, Hanna tenta segurar ela e vero acreditem se quiser só faz rir.

— Você teve a audácia de ficar nua pra minha namorada! Sua safada! E ainda quer ver os peitos dela?! Quer morrer é?

Seguro ela pela cintura — Camz, calma!

É... Essa praia promete.


Notas Finais


E aí gente? Como vai ser essa praia em? Ahaujauaaj
Não esqueçam de falar se gostaram da capa. Bjs
Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...