1. Spirit Fanfics >
  2. .the boy in pink; nct dream na jaemin >
  3. Truth hurts

História .the boy in pink; nct dream na jaemin - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


mil desculpas pela demora pra atualizar a fic por favor nao desistam da minha escrita ou dela!!!!
eu estava por muito tempo com um bloqueio na criatividade e so consegui voltar a postar agora
sem mais enrolacoes fiquem com o cap de hojeeeeee
boa leitura <3

Capítulo 8 - Truth hurts


 

一 Bom dia 一 A voz num tom rouco e um tanto aveludado de Jaemin me despertou junto aos beijos que deixava na área de meu rosto, tentando me tirar de cima de seu peito para que acordasse 一 Precisamos no levantar, docinho, se lembra que ainda tem que ir na sala da diretora, certo?

一 Hmm, agora não, Jaemin... 一 Abraço o garoto com mais força enquanto ele se senta na cama, querendo se levantar para tomar um banho 一 Eu não quero ver aquela mocreia… 一 O mesmo me segurou, me levantando delicadamente para ficar em seu colo, puxando meu rosto para o seu, dando um beijo suave.

一 Quem? A diretora ou a Heeji? 一 Perguntou, com minha testa descansando sobre a sua enquanto ainda me encontrava cansada demais para abrir os olhos.

As duas… 

一 Vamos, pelo menos você vai perder um pouco da aula do Moon 一 Cuidadosamente me deixou em pé, me ajudando a tirar seu moletom de mim, me deixando apenas de calcinha, parando uns segundos para observar a área do meu abdômen, ainda cheia de machucados que latejavam mas fazia questão de não comentar sobre isso.

一 O que foi, nana?

一 Nada, só estava vendo o quão linda você  一 Deu um beijo entre os meus seios na tentativa de me fazer acordar, algo que não deu certo, por fim me ajudando a tirar a minha calcinha para que me colocasse dentro do box para que assim finalmente acordasse.

E foi o que aconteceu.

Assim que a água gelada entrou em contato com minha pele senti meus pelos eriçarem e abri meu olhos, vendo o Na que ria de mim enquanto passava o shampoo em seus cabelos rosados, agora um tanto mais desbotados. Passei a mão por dentro dos fios, sorrindo ao descobrir que o cheiro de morango que exalava deles vinha daquele shampoo que usava.

Sorriu colocando um pouco dele no topo de minha cabeça, fazendo espuma com o mesmo enquanto cantarolava uma música enquanto o admirava, em silêncio.

一 Jaemin 一 Chamei sua atenção, o fazendo parar com sua voz, impressionavelmente suave e melodiosa quando cantava.

一 Diga, docinho 一 Ele já havia percebido o quanto gostava de ser chamada assim pela maneira que pronunciou o apelido de maneira tão carinhosa.

一 Eu te amo.

Meu comentário o fez rir, sem jeito, enquanto permanecia fazendo espuma em minha cabeça lavando cada fio de cabelo que eu possuía. Ele parou o ato, tirando alguns fio de minha testa, deixando um selar e em seguida falou, olhando diretamente em meus olhos.

一 Eu também te amo, docinho.

[. . .]

Sigo o caminho até a sala da diretora de mãos dadas com o Na, que fez questão de passar o caminho todo conversando comigo. Percebia que havia muitas garotas olhando em nossa direção mas desde que nenhuma nos atrapalhasse continuaríamos na nossa, não estava afim de entrar em outra briga, estava sem paciência para isso. A única coisa que me fazia relaxar era o garoto ao meu lado, seu sorriso, sua voz, seu cheiro, seu beijo…

Parece que só assim conseguia descansar a minha cabeça.

一 Vou tentar te esperar aqui, boa sorte com as duas piranhas 一 Ri do seu comentário e por fim Jaemin me deu um beijo antes de entrar acompanhada de Doyoung, que ficaria junto com Jaehyun dentro da diretoria para que impedisse que algo novamente saia do controle.

Mostro uma cara relaxada quando a porta e aberta, podendo muito bem ver a baranga de cabelos escuros e óculos que olhava atentamente para a papelada em sua frente, não se importando comigo ou com a outra garota que já estava na sala, sentada em uma das cadeiras.

Me sento na cadeira vaga em seu lado, fazendo questão de não olhá-la nos olhos, sentindo a intensidade que Heeji olhava para mim, como se seus olhos pegassem fogo e tudo que a garota olhasse entraria em combustão.

一 Bom garotas, fiquei sabendo de um desentendimento que houve ontem, no horário da aula de educação física… 一 Guardou aqueles benditos papéis dentro de uma gaveta, finalmente parando os olhares sobre nos duas 一 E vocês duas deveriam saber que essa escola não apoia brigas.

A sala silenciou, a mulher de batom vermelho chamativo e mechas pretas longos olhou para cada um dos tutores com um olhar que os intimidou. Jogo minha cabeça para o lado cansada do draminha que aquela mulher fazia, ela poderia fazer aquela cara feia pra mim quantas vezes quisesse que não me afetaria de maneira alguma.

一 Nesse colégio também não apoiamos expulsões então quero que vocês duas saiam daqui avisadas que se houver uma próxima vez as coisas irão piorar 一 Se levantou de sua cadeira, com um sorriso falso no rosto 一 Entendido?

Levou o silêncio como uma resposta positiva, pendido para os tutores nos levarem para as nossas devidas salas, para ter certeza que não iríamos matar aula. Bom eu não sabia sobre o Jaehyun, mas eu sei que consigo fazer o que eu quiser na supervisão fraca de Doyoung.

一 Tudo bem, Doyoung, pode me deixar ir agora 一 Me afasto do homem, procurando por Jaemin vendo que o mesmo não se encontrava mais ali.

一 Mas a… 一 O interrompo enquanto tentava explicar, o deixando intimidado pelo meu tom de voz frio.

一 Doyoung, me deixa só.

Ando pelos corredores sem vontade nenhuma de entrar na minha sala, procurando um lugar em que pudesse ficar sozinha sem que ninguém me encontre e então uma luz brilha em minha cabeça.

Sorrio indo até os fundos da escola abrindo a porta da pequena salinha onde já havia ficado com Jaemin, entrando na mesma e pegando a caixa de cigarros que Jeno escondia entre os azulejos quebrados, colocando um na minha boca enquanto acendia o isqueiro.

Tomo um leve susto quando a porta é aberta com tudo, me surpreendendo com quem estava ali.

Você.

O que pareceu ser minutos de silêncio foi quebrado pela minha voz, confusa e irritada ao mesmo tempo.

一 Porque você fez aquilo? 一 Franzi as sobrancelhas, a minha voz quebrando no meio da frase, afastando cigarro da minha boca, soltando a fumaça propositalmente no rosta da garota 一 Porque você continua atrás do Jaemin, não percebeu que ele não tá mais na sua?

一 Ele não tá na de ninguém, entenda 一 Novamente usou uma resposta curta, ainda me olhando de cima a baixo.

一 O que você sabe dele, hein?! 一 Me levantei do chão, deixando a raiva me cegar mas paro antes de me aproximar mais da garota de cabelos curtos e gloss de cereja 

一 Aparentemente sei mais do que você sabe 一 Soltou um riso sem graça, se aproximando de mim, pegando o cigarro de minha mão, o levando a seus lábios tragando antes de falar e soltar a fumaça 一 Ele não te contou nada mesmo, né? 

一 Desembucha logo, porra 一 A apresso, pegando meu cigarro de volta, dando uma tragada rápida, ficando curiosa.

一 Eu conheço Na Jaemin desde que ele chegou aqui, parecia até um garoto inocente com os seus cabelos castanhos e hálito de bala de menta 一 Falou com um ar de nostalgia que pude sentir subindo pela minha espinha 一 Mas ele era de longe um garotinho inocente, afinal ele tinha entrado na porra de um internato, né? 一 Brincou, logo percebendo meu rosto irritado pelo jeito que demorava para chegar ao ponto, voltando a um tom mais sério 一 Seu irmão foi uma grande influência pra ele, sabia?

一 Por que Mark sempre precisa tá no meio dessas coisas? 一 Falo para mim mesma, com o cigarro entre os meus dedos.

一 Mark Lee e Na Jaemin eram apenas os garotos mais respeitados e desejados daqui, Mark até dava um pouco de bola pra as garotas, flertava, até dormia com algumas mas Jaemin não queria nada com ninguém, mesmo que parecesse que ele flertava até com a sua sombra 一 Mordeu a parte interna da sua bochechas parecendo chateada mas logo voltou a sua história 一 Um dia os dois tiveram uma super briga, bom, Mark perdeu, mas não demorou muito para ele voltar ao posto de garoto mais respeitado de driftwood depois de descobrirem um pouco mais de Jaemin, ele não passa de um garoto complicado que tem uma história complicada. 

一 Pode parar de enrolar tanto e me dizer porque ele está aqui?

一 Ele veio parar aqui no internato depois de ter sido acusado de matar o próprio pai.

O que?

一 Eu sei, louco, parece até mentira mais não e, talvez ele seja o único caso de homicídio dentro de driftwood.

一 C-como ele… 一 A minha voz havia quebrado, estava quase como um sussuro

一 O pai abusava ele desde os dez anos, Jaemin matou ele com treze  一 Comentou como se fosse algo comum, pegando denovo o cigarro de minha mão 一 Ele podia ser pequeno e nem tão forte assim mas as três marteladas na cabeça dele acho que foram o suficiente pra apagar o velho pra sempre 一 Deu uma longa tragada no mesmo 一 Conseguiu se safar daquela fugindo de casa mas acabou sendo pego quando já tinha quinze onde foi encontrado num clube que só maiores de idade eram permitidos e uma coisa levou a outra e descobriram do histórico dele 一 Soltou a fumaça propositalmente em meu rosto, mas não me importei estava muito atenta ao que ela dizia  一 A mãe era uma puta alcoólatra, não se importava com ele muito menos com o seu pai e o jogou aqui as custas do tio.

一 Como você sabe de tudo isso? 一 Desconfio da garota, até porque ela não gostava de mim e eu não gostava dela, não fazia sentido ela contar isso pra mim assim de graça.

一 Eu sei tudo de todo mundo nessa merda 一 Espero pela suas explicações 一 Gosto de entrar na sala da diretora escondida e dar uma lidinha nas anotações que foram feitas de cada aluno 一 Aproximou o cigarro de mim, como se me oferecesse.

Denovo o silêncio, mais esmagador do que antes.

一 Por que eu deveria acreditar em você? 一 Aceito o cigarro, dando uma longa tragada para que minha cabeça se acalmasse.

一 Por que eu talvez me sinta mal por ter desejado que as coisas que não deram certo comigo acontecessem com você 一 Deu de ombros, jogando a cabeça para o lado, fugindo do meu olhar 一 Eu vejo o quanto ele gosta de você, posso não deixar de ficar com ciúmes e tudo mais, mas o que posso fazer? 一 Declarou, me deixando surpresa pela sua honestidade naquelas palavras一 Sinceramente eu cansei de tentar fazer ele olhar pra mim como olhava

一 Vocês já tiveram alguma coisa, né? 一 Pergunto, me lembrando da primeira vez que vi a garota, não esquecida da semi discussão que tiveram por minha causa naquele dia.

一 Não foi bem “uma coisa”, eu só era a única garota que Jaemin não rejeitava 一 Olhava para suas unhas com glitter roxo 一 Mas eu meio que pisei que fudi com tudo, contei pro Mark sobre a história do Na, mas esqueci que eles estavam brigados, acabou que o internato inteiro acabou sabendo 一 Finalmente me olhou nos olhos, pegando o cigarro que a ofereci de volta, assim como fez comigo 一 Seu irmão foi bem escroto, pelo menos ele mudou 一 Deu a última tragada e o apagou o colocando no chão e o pisando com seus sapatos brancos como neve.

一 N-nossa 一 Ponho a mão sobre meu peito, sentindo um grande aperto nele

一 Eu sei, a verdade dói.

一 Então, nos meio que estamos bem? 一 Mudo de assunto olhando para a garota.

一 Não diga em voz alta 一 Olhou para os dois lados 一 Não quero que saibam disso, eu meio que gosto do fato de ninguém gostar de mim, já me acostumei 一 Falou em tom de piada rindo e deixei um leve sorriso escapar de meus lábios 一 Bom, a gente se esbarra por ai, tenho que ir.

Heeji deixou a pequena sala como se o que ela havia dito antes não passasse de uma história para criança dormir, me deixando sozinha em uma briga com meu pensamentos. Tentava não pensar mas era inevitável, como posso olhar para o rosto do meu namorado do mesmo jeito que antes sabendo o que aconteceu com ele? Ou pior pelo o que ele fez?

Era verdade que eu o amava, mas como lidaria com o fato do meu namorado ser um assassino?

[. . .]

一 (S/n)? Tá tudo bem? 一 A mão de Renjun que passa bem em frente ao meu campo de visão me faz parar de mexer em meus dedos, me virando para o mesmo que me chamava.

Olho para baixo novamente, percebendo que mexia tanto em meus dedos que acabei abrindo um pequeno ferimento neles, então escondo as minhas mãos ao ver que a atenção do restante também foi a eles.

一 Tá sim, Jun 一 Sorrio fino, olhando para o garoto com parte do cabelo claro na frente de seus olhos, voltando sua atenção a Jeno, voltando a conversar sobre alguma porcaria com ele.

一 Você não parece bem 一 Donghyuck se aproximou de mim, olhando para a bandeja que de almoço que peguei na cantina 一 Nem tocou na sua comida 一 Apontou para o purê de batatas e o arroz com verduras o qual nem me dei o trabalho de pensar em comer.

一 E nem comeu a gelatina de framboesa que você gosta, tem alguma coisa de errado com você 一 Mei franziu o cenho pegando o pequeno copinho onde continha a gelatina, e quando estava pronta para dar alguma desculpa fajuta senti as minhas mãos embaixo da mesa entrar em contato com algo.

Olhei para meu outro lado, vendo Jaemin que me deu uma piscadela e sorriu apertando um pouco mais a minha mão. Não disse nenhuma palavra mas sua presença já me fez relaxar um pouco, o que me fez dar um pequeno sorriso enquanto olhava para baixo, não percebendo que voltava a abrir o fermento em meus dedos com a unha. 

一 Que tal a gente se encontrar hoje no quartinho abandonado? 一Jeno comenta, chamando minha atenção 一Eu consegui esconder algumas coisinhas ali 一 Sorriu cutucando Chenle com o ombro. 

O chinês ainda estava meio estranho em relação ao Park e a Mei, mas podia ver que ele estava diferente, ele não fazia mais piadas como antes e sempre que acabava insultando alguém com elas ele instantaneamente se desculpava, mas também agora ele fuma e bebe como um condenado. 

一 As sete? 一 Mark pergunta, se levantando para colocar a bandeja encima do balcão onde elas eram eram lavadas. 

一 Perfeito. 

一 Vamos trocar de roupa, (S/n), o intervalo já vai acabar e a próxima aula é a da puta velha 一 A de cabelos vermelhos preso em um coque falou, pegando tanto a minha bandeja quanto a dela, e então olhou para minhas mãos. 

Olhei junto, percebendo que o ferimento agora sangrava, e o escondi atrás de meu corpo. 

一 (S/n)...? 一 Ela me chamou, me olhando confusa. 

一 Vamos logo para o vestiário 一 Digo, pegando as coisas em sua mão a colocando no balcão junto com as outras, seguindo em sua frente sabendo que ela conseguiria me alcançar. 

一 (S/n), para! 一 Ela me chama assim que chega dentro do espaço, que por sorte estava vazio no momento 一 O que ta acontecendo com você hoje? Parece tão distante de tudo... 

一 Não é nada, Mei, nao se preocupe 一 Comento abrindo encostando minhas costas na parede e a mesma segura em meu pulso, me fazendo virar em sua direção. 

一 Por que nao me conta o que está acontecendo? 一 Pegou a mão cujo o dedo estava machucado, pegando de dentro do seu armário um band-aid, o colocando encima da abertura que sangrava 一 Você sabe que eu posso te ajudar, nao precisa esconder... 

Quando estava prestes a explicar a garota a porta se abre, dando a visão de Heeji, que entrava na sala com um pirulito em sua boca. A mesma olhou para nos duas e percebi que havia uma marca roxa próxima ao seu olho, coisa que não percebi mais cedo. Ela me olhou de cima a baixo e soltou um riso soprado, abrindo o seu próprio armário enquanto tirava a sua própria blusa.

 一 Do que você tá rindo, porra?! 一Mei pergunta, notavelmente irritada com a presença da garota que acabara de chegar 

一 Calma, Mei, tá tudo bem, só vamos nos trocar 一Toquei em seu ombro, enquanto retirava a minhas roupas e já vestia o uniforme da educação física de forma rápida para que fugisse daquela situação. 

A chinesa dá uma última olhada para a Hee que, vestia sua roupa calmamente. 

Saímos na frente da garota, nos direcionado para a quadra onde ainda não havia muitas pessoas, já que a maioria gostava de matar a aula daquela professora. Me sento na arquibancada, junto à Renjun e Jisung que estavam por lá.

 Enquanto os três conversavam e riam entre si eu permanecia pensativa sobre as informações que descobri mais cedo. De repente sinto um braço passar pelos meus ombros, tomando um pequeno susto por não ter percebido que alguém se aproximava de mim. Fico aliviada ao ver que se tratava da cabeleira rosa, sorrindo ao garoto. 

一 Por que está tão tensa hoje? Aconteceu algo, docinho? 一 Indagou depositando beijos sobre a minha bochecha, com uma mão segurando meu rosto e a outra a minha cintura, o que me fez ri do seu ato. 

一 Estou bem, Jaemin 一 Seguro em seu rosto, lhe dando um selinho, sentindo que o mesmo sorria enquanto nossos lábios se encostavam. 

一 (S/n), ta melhor? 一 Jeno pergunta sentando ao meu outro lado, entrando na quadra junto a Mark e Donghyuck. 

一 To sim, Jen 一 Sorri, recebendo como resposta o seu eye smile, após me separar do Na.

一 Prestem atenção! 一  Revirei os olhos, mudando o olhar para a velha que havia acabado de chegar, encostando minha cabeça no ombro de Jaemin 一 Hoje eu quero a mesma dinâmica que fiz no primeiro dia, primeiro as meninas alongando enquanto os garotos jogam basquete e depois garotos alongando enquanto as garotas jogam queimado, não quero perder tempo!

一 Ótimo... 一 Levanto da arquibancada resmungando, arrumando o short que acabava entrando entre a minha bunda sendo seguida por Mei.

Me sentei sem vontade nenhuma de fazer algo, e então joguei meu tronco pra frente, encostando meu busto no chão enquanto observava as coisas ao meu redor. Meu olhar se encontra com um grupo de três garotas que cochichavam e sorriam enquanto alongavam os braços, e percebi do que elas falavam. Na verdade, de quem.

Olhei para Heeji, que fingiu não notar meu olhar, alongando sua perna direita ao mesmo tempo que olhava diretamente para as meninas. 

Suspiro fundo me levantando.

Eu não gostava dela, mas também não gostava das coisas que faziam com ela. O pior era perceber que isso me chateava mais do que a ela, que pelo que disse e percebi não fazia questão das pessoas não gostarem dela ou de rumores maldosos se espalharem.

Desci fazendo um espacate sem muita dificuldade, ainda a observando.

Não faz sentido para mim.

一 Você tá vendo como o Jaemin tá olhando pra você? 一 A de cabelos vermelhos sussurrou pra mim, tentando alcançar os seus pés enquanto estava sentada ao chão da quadra 一 Caramba, parece que os olhos dele tão vidrados em você. 

Viro para o que ela se referia, e meu olhar se encontra com o de cabelos rosados, que tinha o rosto com uma expressão que não consegui entender. Tinha um sorriso malicioso no rosto mas os olhos exalavam uma energia inocente, mas o que ele parecia olhar era completamente contraditório com o que os seus olhos pareciam dizer. Segui o seu olhar para saber o que tanto olhava em mim se não era o meu rosto mas ao decifrar o que era soltei uma risada.

一 É pra minha calcinha que ele tá olhando? 一 Perguntei rindo com a garota, não e dando trabalho de arrumar meu short, me virando para minha bunda e vendo a barra da calcinha de cor azul clara com bolinhas brancas que aparecia.

一 Não é só ele que tá olhando 一 Apontou pra o restante dos garotos que não estavam jogando.

Renjun, Jeno, Chenle, Donghyuck e Jaemin só faltavam babar sentados naquela arquibancada.

Eles são idiotas 一 Xiao continuou a falar com um sorriso no rosto, agora olhando para Jisung que acabará de fazer uma cesta, e decidi subir meu short, para poder ver a expressão que eles fariam.

A maioria mudou o olhar para outro lugar, ao ver que eu havia percebido aqueles olharem mas o um permaneceu em mim. Sorri olhando para seu rosto, o que o fez fazer o mesmo.

一 Os da arquibancada podem entrar agora! 一 A bruaca gritou, o que o fez mudar sua atenção junto com o restante dos garotos.

Olhou uma última vez para mim enquanto entrava na quadra, mexendo os lábios como se quisesse falar algo.

E não demorei muito para entender o que ele falou.

Eu te amo também, Nana 一 Falei baixo, mais para mim mesma, o vendo se preparar para o início da partida.

[. . .]

一 Vamos começar logo! 一 Xiao gritou, abrindo a garrafa de vodka que Jeno havia trazido consigo, com Jisung ao seu lado, com os braços sobre seu ombro descoberto pela blusa ombro a ombro que usava junto com o short jeans.

一 Vamos fazer verdade ou desafio denovo? 一 Mark perguntou, notavelmente não muito interessado na ideia, pegando a garrafa recém aberta pela garota e dando um gole. 

一 É isso já encheu o saco 一 Chenle concorda com o mais velho, com um cigarro entre os dedos.

一 Então vamos fazer “o que você prefere” 一 Jeno decide, se virando para o de cabelos verdes 一 Chenle, você prefere chupar o pau do Jisung por dez reais ou chupar o seu dedo do pé por cinquenta minutos por cinco reais?

As risadas ecoaram pelo pequeno espaço inclusive a de Chenle que ria desacreditado com o tipo de pergunta que o amigo lhe fez, lhe dando por fim o dedo do meio como resposta.

一 Então vão ficar os dois casais e a gente sem fazer porra nenhuma? 一 Renjun perguntou, o olhar morto e cansado de sempre, olhando em minha direção, aonde eu estava sentada entre as pernas de Jaemin e o mesmo acariciava minha cintura. 

一 O que quer fazer então, Renjun? 一 Perguntei, afastando meu rosto que descansava no ombro de Jaemin para próximo ao garoto do meu lado.

一 Eu disse, vamos fazer verdade ou desafio, mas pra mudar um pouco... 一 Mei repetiu, enquanto quase namorado lhe dava beijos suaves no pescoço, parando penstiva por cerca de segundos 一 Que tal só ter a opção de desafio?

一 Assim fica mais interessante 一 Donghyuck concorda com a sua ideia, deitado no chão com uma latinha de cerveja em sua mão direita 一 Desafio ou desafio, Renjun? 一 Pergunta, virando sua cabeça em direção ao chinês.

一 Mas a gente nem girou a garrafa 一 Jaemin ri do jeito do amigo.

Verdade.

一 Nem tem essa opção? 一 O Lee de cabelos preto ri, 

一 Desafio me beijar.

Tá bom 一 Renjun se levantou, deixado Hyuck de olhos arregalados.

De maneira calma ele se sentou ao seu lado e abaixou sua cabeça para que os lábios dos dois garotos se encontrassem.

一 Uh, okay, vamos continuar 一 Jeno olhou para os dois que continuavam e em seguida para mim 一 (S/n), desafio ou desafio?

一 Desafio! 一 O garoto que estava atrás de mim diz o que me fez rir, cedendo ao que ele escolheu pra mim.

一 Tira blusa 一 Sorriu junto a Jaemin que aparentemente havia o encorajado mentalmente para fazer aquilo.

一 Ya, Jaemin você disse a ele?! 一 Perguntou me virando para a figura do meu namorado, fingindo estar com raiva, mas o sorriso em meu rosto dizia o contrário.

一 O que ele disse? 一 Mei perguntou, olhando para Jeno que fingiu inocência.

一 Eu não disse nada 一 O de cabelo rosa aproximou o rosto de minha orelha deixando um leve sela ali.

一 Se você tirar eu tiro também 一 Jeno segurou a barra de sua camisa, sorrindo para mim.

Tirei a blusa resmungando, mostrando o sutiã rosa com pequenos desenhos da Hello Kitty junto com bolinhas azuis e amarelas. O garoto fez o mesmo sem dificuldade alguma, mostrando seus piercings no mamilo, o que tentei não olhar muito, enquanto Jeno olhava para meus peitos na cara dura.

Own, (S/n) 一 Jaemin brincou comigo, passando a mão pela minha barriga recém descoberta e senti um arrepio.

一 Vocês são podres 一 Mark comenta fazendo os dois garotos rirem não se importando com o que falou.

一 Desafio ou desafio, Jisung? 一 Renjun voltou ao jogo, aparentemente completamente neutro do que havia acabado de fazer, enquanto Donghyuck continuava deitado no chão com a mão sobre os próprios lábios.

一 Eu nem tenho escolha… 一 Sorriu, mudando o olhar da ruiva para o Huang.

一 Desafio você a perder a virgindade, agora 一 Sua face inexpressiva surpreendeu a todos com o tipo de pergunta que fez.

一 E-eu… 一 Olhou para a chinesa que o olhava de uma maneira inocente, esperando para ver a sua reação sobre aquele desafio 一 Hmm, a-aqui?

一 Vão no banheiro 一 Apontou para a porta um pouco afastada 一 Não é como se eu quisesse ver isso.

Ele se levantou meio sem jeito, coçando a sua nuca, mas pareceu relaxar quando a garota segurou em sua mão, o acompanhando para dentro do cômodo e o barulho da trava da porta mostrou que iriam demorar.

一 Finalmente o pirralho vai perder o cabaço 一 Zhong riu consigo mesmo, soltando a fumaça de sua boca.

一 Vocês não tinham brigado? 一 Donghyuck perguntou, se sentando agora, fugindo do olhar de Renjun que permanecia em si.

一 Talvez, mas eu não vou deixar de tá feliz por ele.

Isso foi gay.

一 Renjun quem beijou um cara hoje foi você 一 Respondeu o amigo.

一 Isso é uma cicatriz 一 Mudo minha atenção para a voz de Jeno que parece ser intencionada para mim.

Olho para ele, vendo que apontava para um pequeno risco mais claro que a cor de minha pele, ele que se encontrava próximo à pele que ficava perto do meu peito direito, que ficava à mostra pelo tipo de sutiã que eu usava. Mexo um pouco o tecido para ver com clareza do que ele falou então lembrando da história de como ganhei aquilo.

一 Aham, foi o Mark que me deu 一 A atenção dos dois garotos se vira pra o ais velho que parou de beber e olhou para nossa direção confuso.

一 Eu o que? 一 Perguntou, de cenho franzido.

一 Você fez isso 一 Apontei pro meu peito o que fez o garoto olhar para lá, mas então mudar o olhar 

Mark lee, na sua irmãzinha? 一 Jeno fez uma expressão surpresa enquanto Jaemin permanecia calado, apenas rindo do amigo.

一 Primeiramente, como ele fez isso 一 Jaemin analisou a marca, passando o dedo de maneira delicada 一 E segundamente se ele fizesse isso comigo eu matava ele.

Mesmo que o tom do Na fosse brincalhão eu sorriso se desmanchou lentamente, uma sensação que fez meu interior inteiro embrulhar. 

Não era medo, eu tinha certeza disso. Eu nunca teria medo de Jaemin, certo? 

Aqueles pensamentos não estar dentro de minha cabeça agora, eu aceitei vir aqui para esquecer de toda essa história que Heeji contou.

一 Acha que eu não fiquei com uma cicatriz por causa dela? 一 Apontou para mim e soltei um riso falso o vendo desabotoar a calça jeans, a descendo um pouco e mostrando pequenas marquinhas claras, um pouco acima da barra de sua cueca box cinza 一 Isso foi uma mordida.

Os dois meninos se viram pra mim surpresos.

一 Você que começou 一 Faço o bico ao vê-lo fazer um rosto confuso.

一 Por que as cicatrizes são por aí? Porra, vocês brigavam pelados? 一 Jeno pergunta indignado, passando a mão levemente pelo seu abdômen.

一 Por que quer saber? 一 Pergunto, deitando minha cabeça no colo de Jaemin, me encolhendo enquanto olhava para o rosto do Lee, e de repente havia esquecido de tudo que pensava, aproveitando o colo e as mãos do meu namorado que passavam por entre meus fios 一 Aquelas são as mais antigas, já comentou sobre o que fez ao passado Mark? 一 Me virei pra o garoto que arrumava sua calça de volta.

一 Esse eu juro que foi sem querer 一 Ele se defendeu enquanto me via retirar o short que eu usava.

一 Você literalmente arranhou a minha bunda, Mark Lee! 一 Mostro a marca que havia ficado em formato de coração no lado esquerdo da minha bunda, feitas pelas unhas do mais velho.

O seu sutiã combina com a calcinha 一 Renjun se vira pra mim, junto com os outros garotos dispersos de nossa conversa.

一 Renjun! 一 Mark briga com o amigo que vira para o outro lado, bebendo de sua latinha de cerveja fazendo Chele riu da maneira que meu irmão ficou.

Que foi? Eu achei fofo.

一 Não é pra vocês prestarem atenção nisso! Olhem bem aqui! 一 Apontei denovo para a pequena marca, vendo Donghyuck se aproximar e passar levemente o dedo na marca e em seguida Jaemin faz o mesmo.

一 Como isso aconteceu? 一 Jae perguntou, confuso mas também curioso.

一 Foi por que eu não deixei ela jogar no meu computador 一 Revirou os olhos e cruzei os braços em frente aos meus peitos, com um leve bico nos lábios 一 Aí ela pulou pra cima de mim mas eu sem querer arranhei ela, a (S/n) que gosta de dramatizar as coisas.

Os garotos riram em conjunto enquanto permanecia de braços cruzados. O tempo foi passando e quase todos estávamos bêbados, mas o clima havia ficado completamente entediante, e Jisung e Mei ainda estavam no banheiro.

一 Já vamos indo pro quarto 一 Mark se levantou, olhando o horário em seu relógio, provavelmente marcando as duas da manhã.

一 Quero continuar aqui 一 Sorri escutando o que Jun disse, enquanto fazia pequenas tranças no cabelo do mesmo que estava quase adormecendo em meu colo e Jaemin e Jeno competiam para ver quem bebia a latinha da cerveja pelo fundo mais rápido.

一 Renjun, vem logo 一 Donghyuck chamou o amigo que resmungou, se aconchegou o que me fez rir, finalizando a trancinha 一 Vai querer dormir no chão sujo? Hoje eu deixo dormir na minha cama.

一 É melhor do que dormir no chão 一 Se levantou, cambaleando pela bebida mas é segurado pelos dois Lees que agora dividiam o quarto com ele.

一 Acho que deveria voltar 一 Sorrio, me levantando e vestindo o short e a blusa com qual eu vim.

一 Tem certeza que não vai querer ficar comigo hoje noite? 一 Jaemin perguntou, me dando um beijo em seguida.

一 Acho que sim 一 Digo me separando dele.

一 A gente podia ficar abraçadinhos na minha cama 一 Fez uma voz manhosa, na tentativa de me fazer ir consigo até seu dormitório, fazendo com que minha cabeça encostasse em meu peito enquanto o abraçava.

Você vai esmagar ela, Jaemin 一 Jeno riu da nossa diferença de altura.

Engoli em seco, senti minhas mãos tremendo e então as escondi atrás de meu corpo, mexendo no band-aid encima do machucado que fiz mais cedo. Novamente estava pensando naquilo, puta que me pariu.

一 Cale a boca, idiota 一 Fingiu raiva, e então riu com o amigo logo saindo do cômodo.

Minhas pernas fraquejaram e voltei a me sentar no chão. Foi uma das coisas mais aterrorizantes que o tinha acontecido, como se subitamente pedras passassem sob meus pulmões, fazendo parecer que o ar que passava por eles fosse insuficiente. 

Chenle olhou em minha direção, lentamente se aproximando. Me estendeu a garrafa onde ele bebia, logo se virando para a porta, tendo certeza que ela estava fechada.

一 Você tá bem? Por que parece que você vai acabar chorando 一 Direcionou a pergunta para mim se sentando ao meu lado.

Encolho meu corpo, olhando para baixo. Ele não precisou falar nada que as lágrimas já desciam pela minha bochecha intrusamente e minha respiração estava trêmula. E Chenle percebeu.

一 Eu não sei lidar com pessoas chorando, então pare 一 Sua voz pareceu ficar mais amável, mas ainda não tinha coragem de olhá-lo nos olhos naquele estado 一 Por favor…?

Enxugo as lágrimas que se acumulavam em meus olhos, finalmente conseguindo olhar pra ele. 

Chenle continuava com o olhar vazio e as bolsas escuras embaixo deles, estava começando a lembrar a aparencia de Renjun e até a personalidade, mas Renjun parecia estar falando muito mais do que Chenle. Ele segurou em meu rosto o analisando e então o soltou delicadamente, se virando para acender um cigarro.

一 Vai me contar por que está chorando? 一 Perguntou, acendendo o cigarro em sua boca com apenas uma tentativa 一 Ou vai continuar chorando?

一 P-por que quer saber? 一 Falo entre soluços.

一 Por que você acha que eu quero saber?

O silêncio consumiu o espaço.

一 Eu sei que já fiz muita bosta, já perdi muitas pessoas e tudo mas eu queria aprender a ser legal as vezes… 一 Soltou a fumaça de sua boca, voltando a falar 一 É um saco quando todo mundo te vê como um escroto insensível, sabe?

一 Sei… 一 Me aproximo dele, pegando a garrafa que ele havia me estendido antes, dando um gole nela.

Sabe? 一 Levantou uma sobrancelha, surpreso, olhando para mim.

一 Sei como é quando as pessoas te veem como algo que você não é.

Não me acha um escroto insensível?

Não.

Novamente olhou pra mim, colocando o cigarro entre os dedos e em seguida olhou para o teto do pequeno quartinho.

一 Vai me dizer por que está assim?

一 Talvez.

一 É sobre o Jaemin, né?

一 Como sabia?!

一 Você parecia ficar assustada sempre que seu namorado fazia alguma coisa ou até falou com você 一 Deu de ombros, soltando a fumaça que havia dentro de sua boca 一 Se for ajudar, saiba que nem tudo é o que parece, o Jaemin parece ser um garoto delinquente daqueles filmes clichês que adora quebrar uns corações alheios e é problemático por que quer 一 Olhou com aqueles olhos sem vida para mim 一 Jaemin é um cara bom, talvez não 100% mas ele é 100% melhor do que ele era quando entrou aqui 一 Então um leve sorriso nasceu em seus lábios 一 E ele parece gostar muito de você, sempre que ele fala de você os olhos deles brilham.

一 Ele fala de mim pra vocês?

O tempo todo, porra.

O sorriso do garoto pareceu aumentar quando percebeu que eu tinha um leve sorriso nos lábios ao escutar o que ele disse.

一 Eu acho que deveria ir… 一 Me levanto, pegando minhas peças espalhadas pelo chão, me vestindo rapidamente.

一 Eu vou mais tarde, vou esperar o Jisung sai dali pra eu encher o saco dele 一 Apontou para a porta do banheiro que estava fechada a um bom tempo.

一 E Chenle 一 Chamo sua atenção para mim, antes de abrir a porta e seguir para meu dormitório 一 Você tá fazendo um bom trabalho, eu te acho uma pessoa legal 一 Vejo então pela primeira vez em um tempo seus olhos brilharem e um sorriso ladino surge em seu rosto.

Retribuo o sorriso passando pela porta e seguindo até meu quarto. Entro no domitório, me desfazendo de minhas oupas e vestindo um pijama para me manter aquecida naquela noite fria. Abracei meu proprio corpo fechando os meus olhos para conseguir adromecer.

Mas para que isso acontecesse o meu travesseiro já estava molhado novamente pelas lágrias intrusas.

É, como Heeji disse, a verdade dói, e muito.


Notas Finais


se gostam dessa historia vcs podiam por favor dar um olhadinha tbm nas outras que eu ja postei??? me ajuda muitooo
ate a prox atualizacao nao se esquecam de comnetar ideia e favoritar
love uuuuu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...