1. Spirit Fanfics >
  2. The brightest star in the sky - Lucas (Wayv) >
  3. I. Prólogo.

História The brightest star in the sky - Lucas (Wayv) - Capítulo 1


Escrita por: , RabbitCute e EXYEOL


Notas do Autor


Inspirado no dorama com o mesmo nome!
Espero que gostem, meus amores. Esse plot estava guardado há meses, aí decidimos desenvolver com o nosso Lucas Lindão. :)
Capítulo não betado. :v
Falhei com mais uma tentativa de comédia, mas pelo menos a capa é bonita.

Boa leitura, Galerinha do mal. ;)

Capítulo 1 - I. Prólogo.


S/n Point of view

Acordei super animada. Na verdade mal consegui dormir, hoje será meu primeiro dia no novo emprego, por isso acordei, e comecei a me arrumar bem cedo, não quero chegar atrasada e causar uma má impressão.

Depois de tanto procurar um emprego em qualquer área, eu consegui achar um, como assistente pessoal. Eu estava com medo de quem seria minha nova chefe!

Nas informações passadas, ela seria uma pessoa muito importante e influente, só isso foi o bastante pra me deixar com medo dela. Essa primeira semana eu estarei em "teste", se caso ela gostar de mim, poderei ficar definitivamente no cargo, e irei dormir um dia sim e o outro não em sua casa. Resumindo, cem por cento do meu tempo seria dedicado à ela. Isso é chato e cansativo, mas o salário me agrada muito, então vale a pena.

Eu andei pesquisando o endereço do apartamento aonde ela morava, e fiquei impressionada. O prédio ficava situado em um dos bairros com o custo de vida mais caro de toda Pequim. Haja dinheiro pra bancar esse luxo todo!

— Você está uma gata (S/N)! Eu te pegaria, sem dó nem piedade — Sussurro vendo minha imagem no espelho, que havia no quarto de Shuhua — Tenho que ter cuidado, pra minha nova chefe não se apaixonar por mim! — Sorrio safada, dando um tapinha em minhas nádegas.

 — Tá fazendo o que aí, com essa bunda pra cima? — Shuhua diz sonolenta, e se sentando na cama

—— Tá acordada é?

— Não! Tô dormindo ainda, pergunta mais besta!

— Aiin, para de ser grossa menina. Te fiz o que?

— Nada, só me acordou. O sol nem nasceu ainda, S/n!

— Quero ver você reclamar, quando eu chegar aqui em casa, cheia de dinheiro no bolso!

— Ai não tem como reclamar, que horas você vai sair daqui?

— Umas 5:30 eu pego o primeiro ônibus, pra chegar lá às 7:00hr em ponto!

— Boa sorte! — Joga um beijinho no ar, e volta à se deitar.

 — Obrigada, Yeh. — Saio do quarto fechando a porta e logo depois me sento na mesa

Shuhua e eu somos amigas desde o colegial, quando ela entrou era diariamente zombada pelas meninas ricas que estudavam lá, confesso que eu também já zombei da cara dela, mas já me desculpei. Me arrependo amargamente por ter feito isso com ela. E até hoje somos melhores amigas, graças a Deus conseguimos juntar dinheiro e viemos pra Pequim tentar uma nova vida. E quem sabe, encontrar um amor. Essa parte do amor, e pra ela e não pra mim.

— Asih! Nem são cinco hora ainda! — Falo indignada — Acho que vou passar na casa do Kris, ele já deve estar acordado! — Pego minha mochila e saio de casa.

A rua estava deserta, como já era esperado. As pessoas desse bairro não costumam acordar tão cedo, mas aposto que se acontecesse alguma coisa na rua, todos eles estariam acordados e filmando cada movimento de qualquer ser vivo que passasse por aqui

 — Bom dia senhorita. — Fala uma moça baixinha saindo de uma residência.

Sorri pra ela e continuamos andando lado a lado, até ela se afastar e eu seguir o meu caminho. Sinto meu bolso vibrar, olho ao meu redor pra ter certeza que não havia ninguém me vigiando antes que eu atendesse a ligação de um número desconhecido

— Alô? Quem tá falando? — Continuo andando em direção à casa de Kris, que ficava poucos quarteirões de onde eu estava.

— Você é a (S/N), certo? — A voz do outro lado falou sério, me fazendo proporcionar ouvir sua voz grossa e calma.

— Sim, e quem é você? — Mesmo sendo uma voz bonita, eu não reconheceria em lugar nenhum. Pra ser sincera, nunca havia à ouvido antes.

— Wong YukHei. — Ele só poderia estar zuando com a minha cara! Quem diabos é Wong Yukhei?

— Sério? Ajudou muito! — Falo irônica.

— Eu sou seu chefe, S/n. Você não deveria falar assim comigo!— A voz do outro lado da linha pareceu ter ficado furiosa, como se nunca tivesse tomado um fora antes.

Mas pera... Ele disse meu chefe?!

—M-meu chefe? Me desculpe! Sinto muito. — Engulo em seco. Mordendo meu lábio inferior por nervosismo.

— Tsc. Tanto faz! Eu quero que você venha para minha casa imediatamente.— Ordenou, bufando.

Quem ele pensa que é pra mandar em mim?

— Mas meu horário só começa a partir das sete horas, senhor!

— Eu não perguntei nada! Apenas venha, ou você não irá passar no teste.

Aê, ele é meu chefe!

— Tudo bem. Estarei aí em uma hora, sem falta, senhor.

— Venha logo.

A ligação foi finalizada, me fazendo bufar. Não acredito nisso!

— Mimimi, "venha logo". Que cara insuportável!— Resmungo, guardando meu celular. Mudando completamente minha rota.

Espera! Como assim meu chefe? Na descrição dela, estava me informando que era uma mulher. Só falta esse tal de " Yukhei" ser um bandido e querer abusar de mim. Se esse for o caso, ele terá que conhecer meus golpes de Kong fu!!!

Respiro fundo e vou até o ponto de ônibus mais próximo.

(...)

Depois de quase uma hora dentro do ônibus, finalmente chego ao prédio, que era muito mais bonito pessoalmente. E sem dúvidas nenhuma, daria uns sete apartamentos aonde eu moro!

— Isso sim é vida de verdade — Digo entrando no prédio pela área de serviço, encantada com toda a decoração do local.

— Você deve ser a S/n, certo? — Uma moça na faixa de vinte e sete anos, que estava sentada na recepção disse, olhando para mim sorrindo.

— Sou sim! — Sorri de volta. Me aproximando mais da bancada de recepção.

Lembresse, S/n, a gentileza encanta à todos! Certo?

— Aqui está o seu crachá. Precisará dele para passar pela portaria. Aqui também está algumas regrinhas que você deve seguir. Alguma dúvida? — A moça me entregou um crachá e uma pequena pasta, e então, sorriu.

— Na verdade, eu tenho sim! O meu chefe, e um homem ou uma mulher? Eu estou consfusa, na descrição que havia no aplicativo estava dizendo que era uma mulher, então um homem me ligou dizendo que era meu chefe!— Falo confusa, coçando minha nuca. A mulher riu, e para acompanhá-lá, ri também. Ri de nervosa.

— Ah! Yukhei! — A mulher sorriu, vendo a foto que a mostrei.

— Então é um homem? — Digo olhando para a loira, que concordou com a cabeça, me fazendo suspirar fundo.

Qual é, mundo?!

— Sim! Quero te tenha paciência com ele, e não deixe ele fazer nenhuma besteira! — A mulher falou, organizando alguns papeis ensina de sua própria mesa. — Ele é reservado, mas é uma boa pessoa.

— Eu posso tentar. — Sorri confiante, ajeitando minha postura e soltando uma piscadela para a mesma, que apenas riu.

— Que bom! Eu irei a farmácia comprar alguns chás, depois irei em casa. Você pode subir agora, o número do apartamento dele está nessa aqui. — Ela me entregou um papel em tamanho menor, sorrindo.

— Muito obrigada — Me curvo, sorrindo novamente. Indo até o elevador.

Eu já não fui com a cara daquela mulher! A voz dela me irrita, seu jeito nem se fala então. Espero que ela não fique enchendo meu saco, e falando o que eu devo fazer.

Vocês podem achar que eu tenha sido falsa, mas não! Apenas não quero perder o emprego que nem consegui ainda!

Saio do elevador, e sigo diretamente ao apartamento. O único apartamento do último andar. Bato na porta algumas vezes e nada de alguém atender.

Que cara folgado esse tal de Yukhei!

— Tem alguém em casa? — Falo com o rosto encostado na porta — Vou embora então! — Dou meia volta para voltar ao elevador, quando escuto o barulho da porta sendo aberta

— Entra logo! — Aquela voz não me era estranha. Deixe-me pensar... O cara do telefone, claro!

Me viro e vejo um homem alto, que mais parecia uma poste, com a cara fechada me olhando.

Pensei que não abriria nunca!

— Eu me chamo (S/N)! Tudo bem com você? — Sorri gentil, ao lembrar que quem pagaria meu salário era aquele poste com cabelos pretos.

Precisaria ser gentil para conseguir comer. Prioridades, amigas!

— Entra logo. Você fala demais, menina!

— Fala sério, me olhando com cara seria. Que cara insensível!

— Tá! — Isso que acontece com quem tenta ser gentil! Sorri forçado, entrando em seu apartamento. Ali dentro estava uma verdadeira zona de guerra, mas tirando isso, era uma bela moradia.

— Tá olhando o que? — Escuto ele atrás de mim, e o som do trinco ser fechado.

— Nada! — Me viro pra trás, e me deparo com a cena mais incomum de toda minha vida. Ele vestido com uma saia vermelha xadrez, tento segurar meu riso, mas era quase impossível controlar a vontade de sair rindo por todo esse apartamento.

— Nunca viu um homem de saia? É confortável sabia? Muito refrescante!

— Se defendeu, cruzando os braços em frente de seu corpo.

Respira, respira, S/n! Mas convenhamos, ele fica uma princesa de saia!

— Entendo! — Sorri, sem mostrar meus dentes.

— Foi você quem me ligou? — Olho para o mesmo confusa.

— Sim! E você foi muito grossa comigo. Você sabe quem eu sou? Wong Yukhei, o maior ator, cantor e dançarino que essa terra já teve! — Ele fala, todo orgulhoso, batendo no próprio peitoral.

— Nunca ouvi falar — Falo baixo, na intenção que apenas eu ouvisse. O que não aconteceu.

— Eu vou ignorar isso! — O homem bufou, atirando língua para mim.

Infantil!

— Faça o que quiser! — Falo, cruzando meus braços, olhando para o moreno.

— Foi grossa novamente! Arrume toda essa bagunça como punição — Ele ordena me fazendo bufar.

Como ele poderia fazer isso comigo em meu primeiro dia? Inferno de Yukhei! 


Notas Finais


Agradecimentos à @TAEKOOKAR pela capa maravilhosa! Sério, muito talentosa.
Espero que tenham gostado. :)
Imagine do Taeyong e Yuta; https://www.spiritfanfiction.com/historia/stupid-love-19869654


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...