História The Contract - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Marc Bartra, Marco Reus
Personagens Personagens Originais
Tags Bartra, Borussia, Bvb, Dortmund, Marc
Visualizações 308
Palavras 2.752
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Romance e Novela
Avisos: Álcool
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom dia meus amoressssss. Como vão? Depois da classificação do Flamengo ontem eu tô nas nuvens. Que time, meus amigos. Que time! ❤

De novo sem mídia pq realmente não consigo achar uma foto, mas o importante é que tem cap, certo?

Desculpa os erros e boa leitura! ❤

Capítulo 26 - Happy birthday... Mommy?!


20 de maio de 2017 – Dortmund, Alemanha.

— Mia... — Ouvi baixinho de longe — Mia.

Eu murmurei algo, indignada por Marc Bartra estar atrapalhando o meu sono depois da noite de ontem. Eu me sentia exausta, além de mesmo deitada e de olhos fechados, me sentir tonta.

— Amélia, amor. Acorda — Ele beijou leve meu pescoço, em seguida minha bochecha.

— Marc, me deixa dormir — Eu murmurei, ouvindo ele rir — Olha, hoje eu não tenho faculdade, você não tem treino depois da classificação de ontem e aposto que ainda é cedo.

— Mia, já passou da hora do almoço, amor — Ele disse rindo — E é o seu aniversário.

— Justamente por ser meu aniversário que você deveria me deixar dormir mais — Eu disse.

E eu ainda sequer havia aberto os olhos.

— Amor, você se esqueceu do jantar que marcou com seus amigos? — Ele perguntou.

— Exatamente, jantar, Marc. Ainda não chegamos nesse horário — Eu murmurei, agora abrindo os olhos e vende o espanhol com um pequeno bico nos lábios.

— Mas eu quero passar um tempo com você, cariño — Ele disse.

— Ok — Murmurei arrastada.

Eu me sentei na cama, ainda sentindo a leve tontura, então fechei os olhos novamente.

— Essa tontura de novo, Amélia? — Marc se aproximou mais.

— Vai passar — Eu sorri leve, pronta para me levantar — Eu volto em dez minutos, ok?

— Ok, cariño — Ele beijou minha bochecha.

Eu me levantei da cama e caminhei direto para o banheiro. Passei ali alguns minutos fazendo minhas higienes, aproveitei para tomar um banho curto e sai do banheiro com a toalha enrolada em meu corpo. Caminhei até o closet, notando que Marc não estava mais no quarto e lá, coloquei uma roupa confortável.

Sai do quarto minutos depois, descendo as escadas e encontrando Marc sentado no sofá. Ele esticou-se para pegar um buquê de flores em cima da mesinha de centro e caminhou em minha direção.

— Feliz aniversário, amor da minha vida — Ele disse estendendo o buquê — Eu te amo.

Eu sorri com aquilo, sentindo meu peito ainda mais aquecido, então peguei as flores da sua mão. O cheiro era incrível, assim como sua beleza. Eu fiquei na ponta dos pés, para lhe dar três longos selinhos.

— Obrigada, amor. Eu também te amo — Eu disse, vendo ele sorrir também.

Coloquei rapidamente as flores em um vaso, então eu e Marc seguimos para a cozinha.

— Bom dia, Lisa — Eu disse ao entrar.

— Bom dia, Mia. Feliz aniversário — A mais velha sorriu amigavel.

— Obrigada — Eu sorri também.

Olhei para a mesa, vendo um pequeno e lindo Naked Cake de frutas vermelhas e chantilly. Bastante chantilly, o que me fez querer comer metade dele na hora. Mas eu sorri, por que estava mesmo lindo.

— Esse é para tomarmos café. O seu bolo de verdade virá depois do jantar — Marc disse me abraçando por trás — Gostou?

— Ele é lindo, eu amei. Obrigada — Eu disse sorrindo.

— Ótimo — Ele beijou a minha bochecha.

Marc se afastou de mim, puxando uma das cadeiras para que eu me sentisse. Assim fiz, o agradecendo e vendo-o sentar-se em minha frente.

— Fiz um suco de abacaxi com hortelã, Mia. Os enjoos passaram? — Elizabeth perguntou.

— Não passaram, não, Beth! Mas Mia é teimosa — Marc disse.

— É claro que passaram. Eu só estou me sentindo tonta ultimamente, mas estou bem — Eu sorri.

— Você deveria ir ao médico, Amélia — Eliza disse.

— Eu estou bem — Voltei a afirmar.

— Só espera outro enjôo aquelas aparecer e eu mesmo levo você ao hospital — Marc disse, então eu ri leve.

— Ok — Concordei dando os ombros.

Os enjoos do início da semana não voltariam mesmo a acontecer.

Marc Pov's

Já fazia alguns dias que Mia estava passando mal. Tonturas, enjôos. Mas o principal motivo que me faz sorrir e desconfiar de tudo, era seu ciclo menstrual atrasado. Talvez Mia também desconfiasse que pudesse estar grávida e só estivesse com medo.

Essa possibilidade causava sensações incríveis dentro de mim. Felicidade, ansiedade, nervosismo, amor. Tudo se completava. Ser pai sempre foi algo que eu quis muito e com Mia seria ainda melhor. Mesmo que não tivesse nenhuma afirmação de que Mia pudesse estar mesmo grávida, aquilo era um plano para o nosso futuro.

Minutos depois do café da manhã, lá estava Mia de novo no banheiro do quarto colocando tudo para fora. Depois que eu a ajudei, saímos do banheiro e ela encostou-se na cama.

— Mia, você prometeu que da próxima vez iríamos ao hospital — Eu disse.

— Não é necessário, Marc — Ela disse baixinho, claramente fraca.

— Amor, você quase não consegue falar — Eu me sentei em sua frente — Você está com medo de ir ao hospital?

— Por que eu estaria com medo? — Ela ergueu as sobrancelhas.

— Você sabe do que estou falando — Eu as ergui também.

Mia vacilou o olhar, dobrando os joelhos e abraçando os mesmos, apoiando o queixo bem no topo, então suspirou.

— Você acha que isso é possível? — Ela perguntou.

— É uma possibilidade, amor. Tem dias que você está assim — Eu disse.

— Meu ciclo menstrual está atrasado — Ela disse baixinho — Me desculpa.

— Por que está pedindo desculpas, cariño? — Eu me aproximei mais.

— Por ter esse descuido — Ela disse.

— Mia, olhe para mim — Eu disse, tendo seus olhos âmbar nos meus em segundos — Você não faz nada sozinha. Não é como se fosse sua culpa e nem como fosse algo que não teríamos logo.

— Não acha muito cedo, Marc? Nós noivamos de verdade tem um mês — Ela disse.

— Nós já tínhamos algo há meses atrás, Mia. Nós só desistimos do contrato para tornar real — Eu disse, segurando uma de suas mãos — Vamos formar nossa família, lembra? Nunca vai ser cedo demais para dar qualquer passo ao seu lado, meu amor.

— Tem certeza disso? — Ela ergueu a cabeça.

— É óbvio. Eu te amo, e o que mais quero é você comigo pelo resto da vida. E com isso, de brinde vem nossos bebês — Eu disse, vendo um pequeno sorriso se formar em seu rosto.

— Você é incrível — Ela disse baixinho, desfazendo a posição que estava para sentar com as pernas cruzadas — Eu te amo.

Eu sorri também, vendo ela suspirar e relaxar os ombros, provavelmente mais confortável por tudo que eu disse. No fundo eu sabia que Mia estava insegura.

— Mas ainda não temos certeza se eu... Estou mesmo grávida — Ela disse.

Novamente eu sorria com aquela possibilidade.

— Você tem dúvidas, Mia? — Eu ri leve, vendo a morena dar os ombros — Já sei como acabar com essa dúvida. Eu vou comprar testes. Agora mesmo.

— Marc, não precisa disso — Ela sorriu leve.

— É melhor ter certeza do que ficar nessa dúvida, meu amor — Eu lhe dei um selinho — Mas se você quiser eu fico.

— Não — Ela suspirou — Compre.

— Eu volto em minutos — Eu disse.

Após beijar sua testa, me levantei pronto para ir até a primeira farmácia que eu encontrasse.

Amélia Pov's

Medo. Essa era a palavra que definida o que eu estava sentindo. O medo misturado com a ansiedade, nervosismo, felicidade e alguns outros sentimentos que no momento, eu não sabia descrever.

Eu jamais imaginaria que bem no dia em que eu estivesse completando vinte e três anos, eu estaria desconfiada uma possível gravidez minha. Não tem nada de errado sentir medo de algo totalmente novo, não é? Porque isso definitivamente é novo pra mim.

Desde que Marc saiu, eu ainda estava na cama aonde ele me deixou, pensando em como minha vida teria uma drástica mudança. Mas apesar disso, eu apenas conseguia sorrir. Ser mãe sempre foi um desejo, e mesmo achando cedo para isso, talvez fosse a hora certa para acontecer.

Minutos depois, escutei passos firmes no corredor e logo vi Marc entrar com um pacote de papel em mãos, provavelmente com o teste. Ele estendeu pra mim, então eu peguei, me levantando em seguida.

— Mia... — Ele segurou em minha mão — Não importa o que dê no resultado, nós estamos juntos, ok?

— Ok — Eu concordei sorrindo fechado — Obrigada.

Ele sorriu e me deu um breve selinho, então eu entrei no banheiro e fechei a porta atrás de mim. Não precisava ler nada para saber como usava aquele teste, é quase impossível uma garota não saber como funciona. Eu fiz o teste rapidamente, deixando-o em cima da pia de mármore, então sai do banheiro.

— Agora precisamos esperar — Eu disse.

Marc abriu os braços e eu fui até ele, enrolando meus braços finos em torno de sua cintura completamente definida. Marc tinha longa e grande mão pousada em minhas costas, passando-a ali de cima a baixo, enquanto meu rosto estava repousado em seu peito, ouvindo o seu coração acelerado. Não falamos nada, apenas estávamos apreensivos com o resultado que sairia em alguns minutos daquele teste de gravidez. Dependendo do resultado, nossas vidas tomariam um outro rumo e mudaria alguns planos.

Ainda sem dizer uma palavra, os minutos necessários para o resultado chegaram e até passaram um pouco disso. Eu continuei ali com ele, segurando firme em sua camisa e com medo do que poderia ver.

— Eu não sei se consigo ver, Marc — Eu disse baixinho, ainda abraçada nele.

— Está tudo bem em ter medo, Mia. Eu também estou — Ele disse e riu leve — Não posso negar que algo novo desse jeito me assusta. Mas sempre foi um sonho.

— Eu sei. Pra mim também — Eu disse.

— Quer que eu olhe? — Ele perguntou se afastando levemente.

— Faria isso? — Perguntei fitando suas íris verdes.

— É claro — Ele assentiu — Espere um minuto.

Eu concordei com a cabeça e afastei meu corpo do seu, vendo Marc passar por mim e entrar no banheiro. Os segundos em que ele ficou lá dentro me matavam por dentro, pela curiosidade e apreensão. Marc logo saiu de lá, com um sorriso no rosto.

— Aqui tem dois risquinhos rosas — Ele disse — Isso significa...

— Que eu estou grávida — Eu completei baixinho, rindo um pouco no final.

Ele riu também, deixando o teste de lado. Eu abri um enorme sorrindo vendo que ele também tinha um no rosto. Seus olhos verdes mais brilhantes, provavelmente lacrimejando. Como os meus. Eu estava feliz, e ele também. Isso era evidente e era o que bastava por enquanto.

Fui em sua direção, abraçando-o fortemente, tendo seus fortes braços em torno da minha cintura e seu rosto na curva do meu pescoço. Eu sentia ele sorrir, o que não deixava o meu sorriso sair do meu rosto. Seu coração batia rapidamente, o meu também. Era uma sensação indescritível, a nossa felicidade provavelmente poderia ser sentida do outro lado do mundo.

Estávamos formando nossa família. E estávamos felizes e satisfeitos com isso.

— Isso é incrível, cariño — Ele disse — Eu vou ser pai.

— Nós vamos ter um bebê — Eu murmurei me afastando dele, somente agora notando que algumas lágrimas desciam em meu rosto — Não diga que são os hormônios.

— Bem, pode ser. Mas isso também é felicidade — Ele limpou minhas lágrimas — Feliz aniversário, mamãe.

— Marc... — Eu chiei leve e rimos — Obrigada.

— Obrigado você por me fazer a pessoa mais feliz do mundo — Ele disse.

Após dizer isso, o moreno levou suas mãos até minha nuca e se inclinou para selar os nossos lábios. No nosso beijo, era possível sentir um misto de sensações diferentes, mas que sem dúvidas o tornava bom e demonstrava o quanto nos amávamos e estávamos felizes por tudo o que vinha acontecendo nas últimas semanas.

— Contaremos hoje para todos? — Eu perguntei quando nos separamos.

— Sem dúvidas — Ele sorriu.

••••

Eu conseguia ver minha mãe e a mãe de Marc conversando num canto da sala. Para a nossa surpresa, ela havia chegado junto com Eric. O pai de Marc precisou ficar na Espanha. Eles não chegaram apenas para o jantar do meu aniversário, mas junto dele também era o nosso jantar de noivado. Entre tantos compromissos de Marc com o BVB, precisamos deixar apenas para hoje.

Eric estava com os caras do BVB e Marc. Bea estava com Durm em um outro canto da sala – estes dois quase em um namoro sério –, Harry e Lou estavam junto comigo, assim como Scarlett, Sarah e Ann. A casa estava completamente cheia, mas todos conversavam e se davam bem, deixando o clima bem amistoso e confortável.

Eu conversava com todos, sempre sorrindo. Mas por dentro parecia que eu iria vomitar a qualquer momento pelo nervosismo em que me encontrava. Marc disse que poderia facilmente dar a notícia para todos, ele estava muito animado. Não que eu não estivesse também, eu só estava assustada. Isso era normal.

— Eu liguei o dia todo pra você — Scarlett murmurou.

— Eu estava um tanto ocupada — Eu ri leve — Pensando em algumas coisas.

— Pensando em algumas coisas no seu aniversário, Mia? — Sarah também riu levemente — Não deveria estar comemorando?

— Eu comemorei. Mas outra coisa inesperada aconteceu — Eu disse, não dando detalhes.

— Coisa inesperada? — Louis ergueu as sobrancelhas — Você quer compartilhar?

— Quero! Quero muito — Eu disse sorrindo — Mas não agora.

— Obrigada, Mia. Despertou minha curiosidade — Ann disse, então nós rimos.

— Ao menos é uma coisa boa? — Hazz perguntou.

— E incrível — Eu disse sem tirar o sorriso do rosto — Tenho quase certeza que vocês vão gostar.

— Ótimo, me deixou mais curiosa — Ann se pronunciou, nos fazendo rir de novo.

— Não se preocupem. Acho que chegou a hora — Eu disse ao ver Marc vir em minha direção.

Eu me levantei do sofá em que estava, ajeitando o meu vestido cor salmão e respirando fundo, enquanto Marc laçava os nossos dedos.

— Vai ficar tudo bem — Ele disse baixinho e me deu um longo selinho — Eu te amo.

— Ok. Eu também te amo — Eu sorri leve.

Eu e Marc caminhamos até a ponta da sala, em um lugar em que todos pudessem nos ver e nos escutar. Marc limpou a garganta fortemente e como o volume da conversa não era alta, obteve a atenção de todos com facilidade. Eu apertei sua mão um tanto insegura, sentindo ele apertar de volta logo em seguida.

— Primeiramente quero agradecer a todos vocês por estarem aqui. Se foram convidados, podem ter certeza que são importantes para mim e Mia que fizemos questão de convidá-los não só para o aniversário de Mia, mas também para o nosso noivado. Mesmo já casados, eu e Mia queremos efetivar isso em uma igreja, com um casamento bem clichê — Marc riu um pouco — Podem ter certeza que cada um de vocês também estarão no nosso casamento — Ele continuou — E bem, apesar de já ser um dia especial por si, hoje pela manhã ele se tornou ainda mais.

Marc suspirou apertando minha mão mais uma vez, então ele sorriu. Largo e iluminante.

— Mia está grávida — Ele disse.

No mesmo segundo, a sala tornou-se barulhenta pelos jogadores do BVB festejando. Principalmente Mario, o que fez todos nós gargalharmos. As meninas foram as primeiras a virem nos abraçar e desejar parabéns e felicidades. Os caras do BVB vieram em seguida, com Mario quase tirando-me do chão ao me abraçar. Marco também estava muito empolgado. Harry e Lou vieram junto com Bea logo depois, além de é claro, o irmão de Marc.

E por último, vieram Montse e minha mãe juntas. Ambas já estavam chorando, o que me fez rir leve com um nó formado em minha garganta.

— Parabéns, meu amor — Minha mãe me abraçou — E parabéns, Marc. Sempre soube que seria você que me daria um netinho com Mia.

— Obrigado, senhora Waller. Eu prometi cuidar de Mia e fazê-la feliz, e farei isso até o último dia de minha vida — Marc garantiu, então minha mãe o abraçou.

— Oh, Mia — Montse me abraçou — Você iluminou tanto a vida do meu filho. Não sabe como eu agradeço a Deus por ter colocado você na vida dele. E agora vai me dar um neto, obrigada, querida.

— Não tem que me agradecer, Mont. Montar uma família com Marc é o meu maior objetivo — Eu

sorri.

— Agora sim, podemos jantar. Minha noiva tem um bebê para alimentar — Marc disse laçando nossos dedos, fazendo todos rirem.

Inclusive eu, que não sabia de ria do que ele falará ou se chorava por tudo que ouvi antes. Esses hormônios ainda vão acabar comigo. 


Notas Finais


AAAAAAAAA VEM BABY AI MDS hdhzhzhx ❤❤❤

Espero que tenham gostado desse capítulo, amores. Eu acho ele bem fofinho ❤ esse é só o primeiro capítulo de hoje, não esqueçam que mais tarde tem mais um, uh?! Então comentem bastante nesse aqui, pode ser?

Muito obrigada pelos últimos comentários, amores. Love vocês demais, ok?

Até mais tarde nenês ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...