História The Cruel Beauty - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias 101 Dálmatas
Tags 101 Dálmatas, Cruello Devil, Disney, Princesas Disney
Visualizações 16
Palavras 6.912
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá leitores e leitoras!
Demorei bastante mas eis aqui mais um capítulo da fanfic! Peço desculpas pela imensa demora mas é que comecei a trabalhar e foi uma correria danada por ser uma área totalmente diferente da minha. Fora que também estive na correria com relação aos projetos de cosplay e ensaios fotográficos. Quando eu vi não só semanas, mas o mês havia se passado! O tempo tá correndo demais! @[email protected]
Agradeço aos que continuam acompanhando e apoiando a fanfic e espero que me perdoem pela demora em atualizar.
Esse capítulo foi particularmente bem difícil para mim mas era um capítulo que eu precisava inserir. Fazia tempo que queria colocar o Cruello-Devs de volta em flash-back e como todos adoramos a Cruella, nada mais justo do que mostrar um pouco a relação dos dois. Infelizmente não consegui mostrar tudo que eu queria mas quem sabe antes do final da fic eu não faça mais um flash-back? XD Eu agradeço imensamente ás minhas amigas Lari e Hime por me ajudarem nesse capítulo: sem elas ele nãoteria saído!
E acho que esse cappie foi o que precisei fazer acena mais triste até o momento. Não sei se ficou bom mas fiz o que pude. Queria ter colocado mais algumas cenas mas optei por descartar em prol do tamanho mesmo. Mas quem sabe utilize certas cenas em algum outro capítulo?
E fiquem atentos á minha Page! Eu e minha amiga fizemos um ensaio de Cruello e Cruella e estarei postando as fotos!
Enfim, chega de papo e vamos á leitura!

Capítulo 31 - Capitulo 31


10 Anos atrás

Devs subiu os infindáveis degraus da mansão Devil com rapidez. Ao chegar no topou parou, arfante, as mãos ns joelhos, recuperando o fôlego. Talvez devesse começar a pensar em praticar exercícios físicos já que abrir mão do cigarro estava totalmente fora de questão.

Pelo olhar de desagrado do mordomo que o esperava na entrada do corredor, concluiu que mesmo com a correria, seu moicano continuava de pé.

- Onde ela está?!
- ...no quarto...senhor.

O rapaz passou pelo mordomo e atravessou o longo corredor repleto de quadros de membros da familia Devil de ambos lados até chegar á uma porta escura. Respirou profundamente, a fim de controlar as emoções que teimavam em lhe aflorar. Havia tido um dia excelente mas como era de praxe em sua vida, alguma coisa tinha de acontecer. Ao receber a mensagem sobre o falecimento de sua tia - a unica parente viva que tinha - o desespero tomou conta de seu ser. O que seria a partir de agora?

Como conseguiria lidar com um mundo social ao qual não conhecia, não aceitava e não queria?

Abriu a porta com violência, preparado para se deparar com o corpo sem vida de Cruella Devil sobre a gigantesca cama de dossel.

- ESTÁ ATRASADO!!!

Cruello desviou da xícara que vinha em sua direção no último momento, fazendo a porcelana espatifar-se na parede. Olhou para a cama e o que viu o fez sentir-se em um misto de surpresa, pânico, alívio e irritação.

- Tia?! VOCÊ ESTÁ VIVA!
- Lógico que estou, seu embuste!
- Mas...mas...me disseram que...a senhora...
- Tive que pedir que o mordomo fizesse isso porque, aparentemente, a única forma de fazer você ter alguma responsabilidade que não seja arrumar esse cabelo de cacatua!
- Eu fiquei assustado! Pensei que a senhora tinha morrido! Então vim correndo!
- Ah! Queria ter certeza que eu morri para ficar com a herança, não é?!
- Não!
- Não se faça de cínico! Você é um Devil! Haja como tal!

Devs abriu a boca para retrucar mas Cruella já continuava.
- Eu preciso que você comece a lidar com os assuntos da Devil’s.
- Ah de novo esse papo, não! Já disse que não quero...
- CALADO! Como não pode querer?! Você tem noção do poder econômico da Devil’s?!
-Você não tem que querer! É sua herança, você é o único parente vivo que eu tenho! Não que eu esteja reclamando, graças a Hades não tive nenhum catarrento para infernizar minha vida.
- Você poderia adotar...fiquei sabendo que seus amigos Radcliffe têm uma neta.,..pode transformar ela em uma pessoa igual á você!

  Devs sentiu um arrepio percorrer seu corpo só de mencionar a possibilidade de haver mais uma pessoa como Cruella Devil.

-VOCÊ PERDEU O POUCO DE MASSA CEFÁLICA QUE AINDA TINHA? Deve ser esses produtos que anda passando no cabelo para parecer uma cacatua!  A menina deve cheirar a leite de vaca e chiqueiro, acho que algo assim pode estar ao nível de um Devil? NÃO, CRISTIAN! Você tem meu sangue nas veias. Em algum lugar dentro desse seu coração punkzinho tem um Devil querendo sair!

  Devs  bufou e parou na frente da cama em que a tia estava, abrindo os braços.

- Olha bem pra mim! - vociferou ele abrindo os braços. - Eu não tenho nada de glamour! Eu não tenho gosto por coisas caras, eu não sou consumista com necessidade de se mostrar para os ricos! Eu não gosto de ficar desenhando e criando roupas! Eu falo palavrão, eu arrumo briga na rua, eu tomo facada eu tenho ideais anarquistas e meus amigos são tudo gente pobre e estranha! Nunca que vou ser alguém para representar a empresa da familia!
-Você tem ideias anarquistas e anda com essa plebe baixa porque o meu dinheiro te sustenta! Vou te deixar dois meses sem mesada e ver você mudar de ideia. E tirar aquela sua moto cafona, que está no meu nome se você não se lembra.

Devs fechou os punhos com força.

- Esse dinheiro...esse dinheiro não é apenas seu! Também é dos meus pais!
- Que já viraram cinzas há muito tempo! E não me olhe com essa cara, já passou anos suficientes para você superar isso! -Cruella o fuzilou com  o olhar, ofegando por um momento antes de voltar a falar - E se presa tanto assim pelo patrimônio de seus pais, está mais do que na hora de começar a trabalhar por ele! Quando eu morrer, quem vai manter a Devil's? Vai deixar na mão dos advogados até eles sugarem seu ultimo centavo e destruir tudo que eu, seu pai e toda A linhagem Devil lutamos para manter de pé? Não sou eterna, Cristian! Está na hora de você cair em consciência disso!
- Não me chame de Christian!

  Ele suspirou, tencionando se sentar na cama, mas Cruello lhe deu um chute na bunda por debaixo das cobertas.

- Ai! Porque fez isso?!
- Vai saber que lugares imundos você sentou em Londres para passar bactérias na minha cama de lençóis de seda egípcias limpos?! Nunca! Vamos, pegue meu cigarro ali no aparador.
- ...o médico não te proibiu de fumar?!
-Proibiu sim, mas o que você tem haver com isso? Vai logo!

  Devs olhou feio para a tia mas fez o que ela pedia. Entregou o maço de cigarros. Notou então a quantidade de cartelas e vidros de remédio sobre o aparador. Assim que ele se sentou na poltrona ao lado, ela começou a falar.

- Ora Christian...você sabe que uma hora ou outra esse momento chegaria! Eu não te peguei para criar porque sou boa... Eu nunca quis um catarrento e de repente me trouxeram um! E NEM VENHA dizer que essa sua atitude de punk pseudo-anarquista rebelde sem causa é trauma - ela provocou com voz fina. - "por falta de atenção". Um Devil não precisa disso! 

  Cruella parou por um momento e recostou-se nos travesseiros, os olhos fechados, como se estivesse contendo uma sensação dolorosa. Ela respirou e após alguns minutos, abriu os olhos e Devs notou que ela parecia mais calma.

- Não quero que tudo isso seja perdido. Não é justo. A Devil's é uma empresa de gerações...eu dei a minha vida por ela, seus pais dariam a vida por ela. Você nunca se importou com sua família, poderia começar a fazer isso á partir de agora. 
- ..isso não é pra mim. Não gosto de administrar, não sou consumista, não gosto...
- Não gosta porque ainda não provou. - ela respirou pesadamente. - Vamos fazer um trato.
- ...um pacto do demônio?
- Não, seu idiota! - ela pegou a piteira e deu com força sobre a cabeça dele. – Você nunca teria capacidade de fazer um pacto com o demônio! É fraco demais para isso! Capaz de invocar  um espírito e se esquecer de mandá-lo de volta e  o encosto vai te perseguir! – ela acendeu o cigarro e deu uma longa tragada. – Nossa, como eu precisava disso...
Você deveria me agradecer por não ter que ir morar com a familia da sua mãe... Aqueles...- Cruella fez uma careta - Bem... O fato é... Agora você me deve tudo o que fiz por você! - os olhos escuros avaliavam Devs que fitava a tia indignado.

- Isso é um absurdo..e se eu não quiser herdar esse império Devil?! Vai fazer o quê? Me obrigar?!
-Vou mandar alguém te encher de porrada até colocar algum juizo na sua cabeça! Na verdade, quer saber? Me cansei! FORA DAQUI! E SEM MESADA ESSE MÊS PARA VOCÊ APRENDER A SE VIRAR SOZINHO ENTÃO JÁ QUE NÃO QUER HERDAR A DEVIL! VAMOS, FORA!
  Cruella sufocou um grito e recostou-se na cama, fechando os olhos. Devs percebeu que ela respirava com dificuldade, apertando a  própria cintura. Não falou nada, atento á expressão de dor no rosto cadavérico da tia e aos poucos ela pareceu relaxar e finalmente abriu os olhos.
  Devs tencionou tocar a tia nos ombros, mas Cruella deu um tapa em sua mão.
- Não preciso de ajuda ou consolo! Muito menos vindo de você! Já que não quer saber de ter responsabilidades com essa família, não tem que se preocupar comigo!
  Ela falava de forma pousada, os olhos arregalados. Ao dizer as últimas palavras, Devs pensou ter visto os olhos da tia marejarem.
- ...está com dor...?
- Uma dorzinha de nada! Logo passa!
  Mas não iria passar. Embora Cruella jamais admitisse, Devs sabia.
  Recentemente Cruella Devil descobrir estar com câncer maligno nos pulmões, e a situação se agravou de forma rápida. Porém, em nenhum momento Cruella Devil demonstrava fraqueza e a situação de sua saúde era algo que ela exigia manter em sigilo. Continuava trabalhando e visitando sua empresa, muito embora diminuísse o tempo que ficava nela e se afastara das festas e confraternizações com a alta sociedade. Não queria que todos soubessem que uma pessoa tão poderosa pudesse ter fragilidade. “Não é algo que um Devil faz” ela dissera.

   Cruella virara a cara em direção á janela, irritada demais para encarar o sobrinho. A noite seguia silenciosa áquela hora e o céu coberto de nuvens não deixava visível nem lua e nem estrelas. Devs achava estranho que Cruella, um exemplo de pessoa que adorava o glamour, o consumismo e o apreço por coisas urbanas repudiando tudo o que fosse simples e ligado á natureza, morasse longe dos centros urbanos e cercada por natureza de todos os lados. Claro que a mansão Devil era  literalmente um palácio luxuoso e meio macabro mas ele não conseguia entender a escolha da tia em ficar naquele casarão.

   Talvez fosse porque era a residência da família Devil á gerações e Cruella se orgulhava da linhagem da família ou talvez porque ali estava livre da perseguição da mídia e qualquer suspeito era visto á distância ou talvez ela produzisse melhor rodeada pela atmosfera da família Devil (aquele corredor de quadros retratando membros importantes da família lhe causava incômodo).

   Embora tivesse crescido naquela mansão, não gostava de viver ali, na calmaria e solidão. Era uma pessoa urbana, que apreciava a agitação e o ritmo louco da cidade: aquilo o fazia sentir-se vivo. Por isso assim que atingiu a maioridade comprou o apartamento bem no coração de Londres. Ao tomar tal decisão foi a primeira vez que Cruella Devil pareceu perceber a presença dele e quase acreditou que ela se importava, fazendo questão de pontuar o quanto o apartamento dele era péssimo e sua decoração e forma de vestir eram uma afronta ao requinte e bom gosto.

   Mas na verdade Cruella não se importava com ele pelo fato de ser seu único sobrinho e sim porque ele era o único Devil existente que tinha sangue mais próximo ao dela e logo, era a opção primordial para herdar o império Devil's. Ainda assim ele gostaria que...

 

- Ah, está bem! - rosnou Devs cruzando os braços. - Eu vou cuidar dos negócios da empresa.
- ...você não tem capacidade para isso.
- ...ei...eu estou aqui me dispondo a lidar com algo que não quero e não gosto e a senhora sequer...
- Eu vou ensiná-lo. - Cruella tirou o olhar da janela e fixou-o no rapaz. - Vou lhe ensinar tudo o que sei e te tornar igual á mim!

  Devs trincou.

- Eu não quero ser afetado, excêntrico e barraqueiro igual á você.
- O QUE DISSE?!
- ...n-nada...
- Deveria estar HONRADO de ter a oportunidade de ser treinado, digo, ensinado por mim! - ela se levantou com dificuldade, calçou os chinelos e se aproximou do sobrinho. - Muitos gostariam de estar no seu lugar, valorize isso e acho bom que se dedique a aprender tudo corretamente!
- ...senão  o quê? AIN!

  Cruella chutara violentamente o rapaz no meio das pernas, fazendo-o gemer e cair de joelhos aos seus pés.

- Se não se esforçar e obter resultados será punido. Está pensando que ser o rei da alta sociedade e herdeiro da Devil's é bagunça?
- Mas...precisava...fazer uso de violência física...?!
- "No pain, no gain", não é o que costumam dizer? Se continuar frouxo assim vou te deixar estéril antes que você tenha tempo de colocar seus genes no banco de esperma para gerar herdeiros em um momento propício! E a partir de segunda-feira terá início seu treinamento e processo de transição!

- Transição?
- De um punk medíocre comum á um rei do lacre social!
- ...hãn....podemos começar isso na segunda-feira? – o olhar demoníaco da tia o fez falar mais rápido. – É porque eu vim correndo e nem tive tempo de arrumar minha mochila ! Mas prometo que volto!
- ...estácerto. Acho bom. Agora se manda daqui porque preciso fazer uma lista de coisas que terei de ensinar á você! Vá!

   Devs se levantou enquanto Cruella voltava para a cama, onde pegou alguns remédios na cabeceira para ingerir. Ele pensou em falar algo mas desistiu. Disse um "boa noite", o qual não foi retribuído e saiu do quarto, trancando a porta atrás de si.
  Sozinho no corredor, ele suspirou. A decisão que tomara era loucura mas se voltasse atrás era bem capaz de Cruella capá-lo e deserdá-lo ali mesmo. Fora que embora ela se recusasse a dizer, seu estado de saúde era mais do que grave...era terminal.
  Quanto tempo? Anos, meses...não sabia.
   A única coisa que poderia fazer era procurar garantir á tia que  a empresa que ela tanta amava ficasse em boas mãos.

~*~

- ACORDE SEU VAGABUNDO!
  Devs acordou com água sendo tacada em seu rosto. Engasgou e se ergueu atônito.
- Mas que quarto horrível! – rosnou Cruella andando pelo aposento. Ao seu lado, o mordomo segurava uma bandeja com um jarro de água. – Quanta bagunça, mau-gosto, tem atmosfera de pobre aqui! E eu tenho horror á pobre!
  O rapaz olhou no relógio sobre a mesa de cabeceira.
- Tia...o ..o que você está fazendo na minha casa...e ás sete da manhã de domingo?!
  Ela tossiu e o mordomo tencionou se aproximar mas com um gesto ela sinalizou que estava bem e tornou a observar o quarto do sobrinho com desagrado.
- Você estava demorando para voltar...e eu pensei “ah ele deve estar vagabundeando...dito e feito! Chego aqui nessa choupana e encontro o quê?! Sujeira, garrafas vazia, restos de comida barata, roupas espalhadas por todo lugar!  Aposto que você fez uma orgia nessa choupana! E não foi sequer uma orgia com requinte e qualidade e sim uma orgia ralé onde ninguém se lembra de nada! E eu sei diferenciar isso!

  Devs afastou de sua mente a possibilidade de imaginar o que sua tia poderia ter feito no passado, seria traumático demais cogitar.

- Não teve orgia aqui...só Scarlet e Alfred que vieram aqui e ficamos comendo pizza com vodca e falando de nossas vidas...
- Pior ainda! Onde já se viu! Meu sobrinho, único herdeiro da Devil's saindo com a sobrinha da falida Medusa e com o filho do meu mordomo! - ela se virou para o empregado. - Nada pessoal.
- Perfeitamente senhora. Alfred me decepciona á cada novo centímetro de cabelo que deixa crescer...quando vou lavar o box do banheiro, é só fios de cabelo que tiro do ralo...
- Ainda não se levantou, Christian?! Vamos, de pé!
- ...como a senhora consegue ter tanta disposição...?
- Porque o tempo é curto! E você vai me dará muito trabalho para ser endireitado! - ela jogou no colo  na cama uma pasta cheia de documentos.
- O que é isso?!
- Suas matrículas! Está matriculado na faculdade de Moda e Administração. O matriculei também em cursos de Estilismo, Corte e Costura, Desenho, Contabilidade, Cabeleireiro, Designer de Jóias e Customização de Acessórios! Ah e consegui aulas particulares de árabe afinal, temos investidores e clientes importantes em Dubai.
- QUÊ?! Como acha que eu vou conseguir dar conta de estudar tudo isso?!
- Não sei como fará, mas irá fazer! E isso é só o começo, minha meta é em três anos te tornar altamente capacitado para começar a se equiparar á mim! Claro que jamais poderá me superar, mas não levando a empresa a falência e não colocando o nome de nossa família na lama já é o suficiente.
- Mas...mas...não tem como eu cursar tudo isso ao mesmo tempo! Principalmente as faculdades!
- Terá aulas a distância e aulas particulares! Já estou organizando uma agenda própria para você, a qual irá seguir á risca!

  Ela jogou sobre o colo dele um caderno grosso, cuja capa era de veludo vermelho.

" Como ela conseguiu fazer tudo isso em menos de um dia Será que já estava programando tudo com antecedência há meses porque sabia que conseguiria me convencer a aceitar?"

- E como fica meus rolês? Minhas peguetes? A minha vida social?
- NÃO TERÁ!
- ..impossível!
- CALADO! Terá muito tempo para isso depois que se tornar um Devil completo. No momento é importante focar na estabilidade da empresa e no futuro! Concluindo isso poderá comprar muito, se divertir muito, comer e dar muito! Mas SEMPRE com moderação para não sair perdendo! Mas as informações sobre como manter esse tipo de conduta estão no caderno.

   Devs sentiu a cabeça rodar. Se pudesse voltar no tempo iria se negar a herdar a empresa e até mesmo o nome da família. Responsabilidade não era algo que queria ter na vida.

- Agora chega de enrolação! Seu treinamento começa hoje e há muito para ser feito!
 

~*~

   Cruella adentrou no elegante estúdio de moda da Devils com o sobrinho ao lado. Que Cruella chamava atenção com seus saltos de salto altíssimos, maquiagem intensa, adornada em joias e sempre com algum casaco ou jaqueta de peles legítimas era fato. Devs, porventura,m chamava a atenção pelo seu estilo urbano, despojado e obviamente o grande moicano.
  Não gostava daqueles tipos de olhares avaliadores e negativos e por pouco não bateu nas costas de Cruella quando a tia parou abruptamente e se virou para ele. Nesse momento o rapaz agradeceu por ter herdado os genes da beleza afinal...Cruella conseguia ser medonha ás vezes.

“ Espero que quando eu envelhecer não fique assim...”

- Entre.
  Ela ordenou e ele obedeceu. Era uma espécie de salão de beleza e nele, além dos inúmeros aparelhos, havia alguns maquiadores, estilistas e cabeleireiros.
- Muito bem. Vamos dar um jeito nessa sua cara de rebelde. É hoje que vou transformar esse embuste que você é no lacre que será amanhã! Cortem o cabelo dele!
- O QUÊ?!- Devis gritou. – Ninguém toca no meu cabelo! Tia, isso eu não vou... 
   No momento que ele se virara, Cruella, avançou a mão contra o nariz do rapaz. Devs só teve tempo de perceber que a tia segurava um pano mas ao pressionar ele contra seu nariz sentiu seus sentidos se anuviarem e foi ao chão, inconsciente.
  Os funcionários olharam do rapaz caído no chão para Cruella Devil com surpresa e receio.
- Muito bem. Situações desesperadas requerem medidas desesperadas. O tempo é curto. Peguem ele, cortem esse cabelo, livrem-se desses trapos que ele chama de roupas e vistam-no com peças de luxo da Devils. Enfiem maquiagem nessa cara e o deixem apresentável. AGORA!
Vou descansar em minha sala, volto daqui meia hora.
= Mas...e se ele acordar...
- Deixem-no dopado até o fim do processo. – ela tirou da bolsa um frasco de clorofórmio e o entregou ao estilista. – Prendam-no na cadeira se for preciso, há tiras de couro nelas que devem servir.
- ...mas..ele pode ficar muito bravo...
- O que ele sente e pensa não importa! – ela respondeu ao comentário da maquiadora. – Ele está aqui para começar a ser um verdadeiro Devil! Se ele reclamar, avise que irei conversar com ele assim que eu voltar. Esse querem manter seus empregos,  tratem de deixá-lo  apresentável!
  Dizendo isso, ela saiu, batendo a porta com força.

~*~

   Devs olhou para si mesmo diante do imenso espelho em um misto de surpresa e contradição. A pessoa que via refletida ali não era ele. Não poderia ser ele.

   As roupas gastas, os coturnos, acessórios de bijuteria barata e a jaqueta de couro customizada haviam dado lugar a roupas sociais impecavelmente costuradas, gravata, relógio Rolex, perfume requintado, sapatos sociais e um espesso sobretudo feito com legítimas peles de raposa do ártico que lhe causavam uma sensação incômoda e uma tendência á espirrar, mas isso talvez fosse causada pela maquiagem que Cruella o obrigara a usar (tinha de admitir que sua pele parecia mais macia e uniforme). Mas nada lhe causava mais estranheza do que a ausência de seu moicano.

O moicano que levava horas para retocar a tintura, que hidratava semanalmente e que passava literalmente horas fixando e modelando com gel, pomada e  laquê para ir aos rolês e se tornara sua marca registrada, cedera lugar a um corte de cabelo comum, brilhoso e sedoso, típico de playboys ricos. A única coisa que tornava o novo corte único era a divisão correta de preto e branco. Era até um cabelo estiloso, mas não era algo que apreciava: o moicano fazia parte de sua personalidade.

- Ah, agora está muito melhor, finalmente apresentável e parecendo um verdadeiro Devil.

  Devs virou-se para a tia, os olhos azuis irradiando ódio.

- Como você pôde fazer isso comigo?! Eu não sou um boneco ou um empregado seu para você modelar e vestir do jeito que quiser!
- Ah cale á boca! Você precisava de um trato há tempos isso sim! Onde já se viu uma pessoa rica e de linhagem nobre como a sua usando metrô e roupas baratas?!
- Um trato?! Como você pôde me dopar e fazer com que seus escravos porque né, a rotina e o tanto de trabalhos que eles precisam exercer com os poucos beníficios que na certa a empresa oferece, pode quase ser configurado como trabalho escravo!
- Antes fosse trabalho escravo! A empresa produziria muito mais! É dar as costas que esses funcionários começam a morgar, enrolar, vagabundearem e fazer o que bem entendem! É preciso ter pulso firme e autoridade para regir uma empresa do porte e do renome da Devil's! Está pensando que ser comandante da Devil's é bagunça?!
- ...mas precisava me transformar assim?! Isso não combina comigo!
- CLARO QUE PRECISAVA! Acha mesmo que com aquele estilo de punk-rebelde-sem-causa iria conseguir impor autoridade e gerar respeito?! Você não vai lidar apenas com funcionários: vai lidar com estilistas, modelos, empresários, advogados, polícia...
- Polícia?
- Empresários, acionistas, sócios, compradores, contrabandistas, clientes...
- Contrabandistas?! Isso é uma empresa de mercado negro?
- Politicos, socialites, celebridades e árabes endinheirados! Então é obrigatório que seja inteligente, saiba boas maneiras e principalmente tenha uma aparência digna de representar um verdadeiro Devil! A aparência conta  e muito!
- Mas...
- Nada de mais! Pare de choramingar! Você é um Devil! Aprenda a lidar com as consequências e deveres de ter nascido um! Pôde curtir bem sua infância e adolescência do jeito que quis, com o dinheiro que quis mas agora chegou o momento de ter responsabilidades e seguir o caminho que sempre lhe foi destinado!

   Cruella empurrou até uma segunda sala, cujas paredes eram compostas inteiramente por espelhos. Estavam cercados por reflexos deles próprios e ela induziu o rapaz a olhar para si mesmo.

- Veja. Olhe para você. Olhe bem. - a voz de Cruella subitamente ficara mansa e levemente sensual. - Ficou muito melhor ao ter realçado tudo que deveria. A altura, o corpo forte pronto para ser modelado, a altivez, a pele sem imperfeições, ombros largos, os traços faciais harmonizados, boca bem desenhada, cabelos exóticos e bem tratados, andar e postura elegantes, carisma, personalidade ...e os olhos maravilhosos... Ah se não fosse meu sobrinho!

Ao dizer tais palavras, Cruello espalmou ambas mãos na bunda de Devs,fazendo o rapaz estremecer e encarar a mulher assustado.

- T-tia?!!!
- Que cara é essa?! Eu não  sou adepta de relações incestuosas muito embora tenhamos casos na linhagem de nossa família. – ela apontou o dedo para ele. -  Cultue muito bem esse corpo porque ele tem potencial! Irá começar a frequentar academia a partir de agora, precisa fortificar músculos e glúteos para não ficar flácido daqui alguns anos. Agora, pare de reclamar e me siga!
  Devs bufou mas obedeceu. Atravessaram uma vasta sala repleta de profissionais que desenhavam, modelavam e costuravam e todos ergueram sutilmente o olhar para observar os dois Devils que passavam. Pegaram o elevador e foram até o último andar e Devs se surpreendeu quando chegaram ao grande escritório de Cruella Devil.
- É aqui que um dia você irá ficar. O topo de uma pirâmide é sempre o local mais importante.
  Devs observou o local aturdido. Aquele lugar era de um requinte e limpeza extremos. Notou que em uma das paredes, estava exposto um gigantesco retrato de Cruella Devil . Ela vestia um enorme casaco de peles, joias e mantinha uma piteira  em uma das mãos e um sorriso soberbo nos lábios.
  Um tapa ardido estalou na sua nuca e ele se virou furioso.
- Carralho o que pensa que...PLAF aiiiiiiiiiiiiii!
   Cruella dera um tapa com a ponta do chicote de açoitar cavalo na mão do rapaz.
- Só não dou na tua cara porque um rosto bonito deve ser poupado! Aliás, essa é uma das 666 regras Devil: pode se meter em brigas e batalhas braçais mas se tiver beleza, nunca deixe que atinjam seu rosto!
- Não pode me disciplinar me dando chicotada.
- POSSO! Vai fazer o quê?! – ela ironizou. – Ir na polícia choramingar por maus-tratos? Olhe seu tamanho, seja homem! E pense bem...quanto mais fazer as coisas direito, menos vergão de açoite terá na sua pele. Eu não te eduquei direito quando era um catarrento e agora está mimado demais por isso vai entrar na linha! E aliás... – ela foi até a mesa, voltando com uma pasta. – Encontrei alguns desenhos seus quando investiguei, digo, vasculhei seu apartamento.
- ...hãn..eu desenho ás vezes...por hobby...
- Tem potencial. E isso é um tremendo elogio vindo de mim. Dedique-se á isso. Sente-se! Quero que faça um desenho.
- Aqui? Agora?
- Não...daqui um mês...LÓGICO QUE É AGORA SEU ENERGÚMENO! – ela o fez sentar-se, colocando uma folha e um lápis diante dele. – Muito bem, você tem cinco minutos. ME DESENHE!
  Devs a encarou aturdido. Com um suspiro fez o que a tia pedia. Cruella se aproximou ao fim de alguns minutos e o rapaz estremeceu quando sentiu ela atrás de si.
- Eu...eu fiz o melhor que pude...mas o tempo era curto...
-Está bom. -Cruella o cortou, acenando com a piteira -Pode melhorar, claro, sempre pode, nunca você deve se acomodar, mas está bom. Acho que, se você realmente se esforçar, tenho certeza que poderei torná-lo um Devil exemplar!
  Devs observou a tia se afastar, falando consigo mesma, como se estivesse absorta nos próprios pensamentos. Era a primeira vez, desde as últimas semanas, que Cruella demonstrava disposição com alguma coisa. Ainda que ela o ameaçasse e o obrigasse a aprender tudo que ela queria que aprendesse, aquilo parecia melhorar o ânimo dela. E, quem sabe, até melhorasse sua saúde? Era uma possibilidade que Devs, em seu íntimo, gostaria de apostar.
 

~*~

  Os dias foram passando. Depois as semanas. E então os meses. Devs fora impelido a se dedicar totalmente ás ordens de Cruella e por mais que odiasse aquilo, por alguma razão que ele não entendia, estava se esforçando para fazer o melhor que podia, dedicando-se dia e noite. E isso não era somente porque se errasse, levava chicotadas, e sim porque realmente queria mostrar para a tia que era capaz e não um inútil como ela parecia sempre prestes a frisar.

- Corrija a postura! Não, não! É para andar de forma orgulhosa e não feito um pombo com peito estufado!
  Ela colocou alguns livros sobre a cabeça e arrumou-o de forma correta
- Vamos, ande. Não, não! Ande direito, está parecendo uma pata chocadeira! Se continuar assim quando usar salto agulha vai ficar parecendo um Tiranossauro com câimbra!

 

- Ficou maluco?! Nunca que deve agir assim na mesa de jantar! Lembre-se que jantará com pessoas ricas e importantes! É preciso saber utilizar corretamente tudo que está á mesa!
- Mas é muita frescura desnecessá...AI!
- Você é  um empresário rico agora! Deve agir como uma pessoa rica!

 

- Mas isso é muito extravagante...
- Tem que ser extravagante! Sempre pontuado com bom gosto, estilo e originalidade!
- Mas eu não sou uma Drag Queen!
- Seria melhor se fosse! Nunca tivemos um drag na família..eu não conto! Embora muitos tenha pensado que eu era... tem certeza que não quer ser? Não há problema algum, daria ainda mais visibilidade para a Devil’s, chocando a família tradicional e enriquecendo o mundo da moda.
- Não! Eu admiro o trabalho delas mas estou satisfeito em continuar me vestindo como homem.
- ...certo .Então irei transformá-lo em um homem que não anda, que desfila! Que seja glamour,capa de revista! Para fazer os inimigos chorarem lágrimas de sangue ao te verem passar! – Cruella começou falar consigo mesma. – Mas será um diferenciado, afinal é um Devil! Vai usar tudo que é peça de roupa e ainda assim causar tesão em todos os gêneros!
- ...não sei... tá bom, tá bom! – ele gritou quando a tia ergueu o açoite, os olhos saltados da órbita.

 

- Não, não! Você deve costurar um casaco de pele DESSE JEITO! Se fizer de outra forma deixará defeitos na pelagem e estragará a beleza do resultado final! Corte direito!

FAÇA ISSO! FAÇA AQUILO! NÃO ESQUEÇA DISSO AQUI! NÃO NÃO! É DESSE JEITO!

 

Ela jogou um grande livro no colo dele.
- Ai está toda a relação de clientes da Devil’s! Estude sabiamente cada um deles, principalmente os que estão com a etiqueta vermelha...são os mais ricos e influentes. O com etiqueta preta é perigo, sempre tente agradá-los ou estará forrado de balas quando menos esperar. Os com etiqueta rosa são os mais ordinários, use de sua sensualidade e charme  para vender.

 

- E um dois, três...um, dois, três...pare, pare!!
  Cruella se desvencilhou dos braços de Devs. Estavam em um salão, treinando passos de dança. No canto, o mordomo parara de tocar a melodia no piano.
- Você consegue dançar aquelas músicas de rock, sabe descer até o chão no funk mas não consegue conduzir uma mulher em uma valsa?! Inútil!
- Estou fazendo o melhor que posso! – ele rebateu, ambas mãos na cintura. – E não é fácil dançar com esse sapato de salto fino!
- Vamos tentar de novo! Até seus pés sangrarem se for preciso! E salto faz parte! Um homem saber andar de salto irá se impor sobre todos no mundo da moda.
  Eles começaram a valsar e ao fim de alguns segundos, a feição agressiva de Cruella deu lugar ao que parecia a sombra de um sorriso.
- É impressão minha ou estou sendo aprovado?
  Cruella o encarou. O rapaz sorria de um jeito diferente. Era orgulhoso, provocativo e...sexy. Gostara daquilo.
- Não se gabe, ainda tem muito que aprender. E há, continue sorrindo assim, ficou bom em você.

  Quando não estava tendo aulas particulares infinitas com a tia, Devs se submetia a intensos estudos da faculdade de moda e dos cursos que Cruella exigira que aprendesse. Surpreendendo-se se até a si mesmo, percebera que gostava de estudar moda e colocar suas ideias em prática, ainda mais  quando recebia elogios dos professores e até uma aprovação silenciosa da tia. O mesmo com relação ao design de joias e maquiagem.
  Não gostava da parte administrativa envolvendo cálculos e coisas do tipo, mas procurava se esforçar para fazer o melhor possível
  Seus dias eram exaustivos e sentia falta de sair para se divertir sem preocupações. Mas percebia que, embora não transparecesse, Cruella não estava bem e era visível que se esforçava  para ter disposição dia após dia (nem que fosse para xingá-lo e lhe dar ordens).

- E deve segurar a piteira desse jeito. – explicou Cruella. – Dê uma longa tragada e solte a fumaça devagar, com elegância. A piteira é um item que só os mais requintados usam.
  Ela observou o sobrinho repetir o gesto e segurar a piteira de forma elegante.
- ..quanto tempo que não sinto o gosto do cigarro...
- ...tia, posso fazer uma pergunta.
- Seja rápido, Ainda temos muito para fazer.
- A senhora não quer mesmo fazer o tratamento? O médico disse que pode...
- Perda de tempo!  Ficar definhando com quimioterapia e o carralho á quatro?! DE JEITO NENHUM! Cruella Devil não vai definhar, ninguém me verá  fraca!  E nem tente continuar com esse assunto, não me fará mudar de ideia! Agora me obedeça, coloque a roupa que te falei, vá!

  Ele voltou poucos minutos depois. Cruella estava sentada em uma poltrona e abriu os olhos. Observou o sobrinho de cima á baixo, avaliando cada detalhe.
- Eu..acho que ficou bom. – ele falou, voltando-se para o  grande espelho. – Roupas sociais não é algo que eu gosto mas até que...não é tão ruim.
- Falta um detalhe.
  Ela se aproximou e colocou no sobrinho um casaco de peles. Era longo e felpudo, de um branco como neve.
- Esse é um dos meus melhores casacos. O casaco de Cruella Devil, como a mídia chamou uma vez.
  Ambos ficaram em silêncio, Cruella observou o sobrinho demoradamente e ela tinha uma expressão no olhar que o rapaz nãosoube definir.
- É... – a voz dela ecoou pela sala. – Até que ficou bom em você. É seu agora.
- Hein?! Como assim? ! Esse casaco é o seu preferido e...
- Cale a boca e aceite! Agora volte ao trabalho! Ainda existe mais quinze visuais para você  experimentar!

~* ~

  Uma semana depois.

   Devs abriu a porta dos aposentos particulares de Cruella com um estrondo. Vestia roupas sociais, uma bota de salto, luvas e gravata vermelhas e o ostentoso casaco de peles. Os trajes elegantes em contraste com seu cabelo moicano devidamente fixado com gel criavam um contraste inusitado mas não destituído de charme. Ele mantinha um sorriso orgulhoso no rosto enquanto desatava a falar.
- Tia! Olha só, eu atravessei o corredor, subi e desci as escadas de salto e não tropecei nenhuma vez! Acho que estou começando a me acostumar com isso e devo admitir que esse casaco é glamouroso! Olha como veste bem em...
  Ele parou, o sorriso morrendo aos poucos de seus lábios. O  quarto de Cruella sempre lhe causava uma sensação estranha, mas hoje a sensação estava diferente do normal.  Se aproximou da cama da tia em passos hesitantes, não pelo salto que usava, mas por alguma razão que  sua mente não desejava cogitar.
  Contornou a cama e se deparou com Cruella deitada, ainda em sono profundo.
- Ei tia, acorde! Veja como seu sobrinho está divino!
  Silêncio. Cruello  forçou um sorriso e sentiu seus olhos arderem.
- Tia, eu...adorei o casaco...
  Levou uma mão á boca, tentando conter o soluço enquanto as lágrimas caíam de seus olhos. Arfou, sentando-se na poltrona ao lado da cama, observando Cruella em sono profundo. O sono do qual ela não iria mais acordar.
  Devs chorou. Chorou sozinho naquele quarto como há muitos anos não chorava e nem ele bem entendia o motivo daquelas lágrimas. Cruella não gostava dele, só queria garantir um herdeiro para seu patrimônio. Desde que seus pais faleceram e tivera que morar com ela, Cruella sempre o negligenciou, matinha distância e era indiferente á sua presença ali.  Só nos últimos três meses que parecia ter notado o sobrinho. E foram apenas nesses três meses que Devs sentiu que tinha importância para a única pessoa que lhe sobrara na vida.
  Agora, já não havia mais ninguém.
- ...tia, acorda...ainda é cedo para você ir...por favor..eu não sei cuidar das coisas...eu não posso ficar com tudo sozinho...por favor...
   Passou uma das mãos no rosto já vermelho, sentindo raiva por estar chorando daquela maneira. Não iria pensar, não iria comparar o que sentia agora com o que havia sentido anos atrás.
  Notou, na mesa de cabeceira, uma pasta com papéis. Ao pegá-los, percebeu que era o testamento de Cruella. Trêmulo, folheou as folhas, mas não precisou ler tudo para saber que ela deixara não apenas a empresa, mas todos os pertences para ele.
  E as lágrimas desceram silenciosas.

“Você agora é um Devil e meu herdeiro! Precisa aprender a agir como tal! Eu aprendi sozinha, você ainda tem a dádiva de ter minha ajuda!
  Cuide de tudo, sei que é capaz e que fará um bom trabalho.
Você se mostrou um diamante que valeu á pena lapidar, ainda que eu tenha tido pouco tempo para isso. “

  Justo agora que estava começando a aceitar o seu dever mas que não se sentia nem um pouco preparado para tal. Talvez nunca estaria pronto. Se pudesse voltar no tempo, se as coisas pudessem ser diferentes, se Cruella continuasse ao seu lado, talvez tudo seria melhor e mais fácil. Mas agora teria de fazer tudo sozinho. Sozinho.

~*~

   Embora a morte de Cruella Devil fosse impossível de ser ocultada da mídia, sendo manchete de revistas e programas de tv que durante uma semana não cessavam de relembrar o sucesso da egocêntrica empresária, estilista e socialite que tornou a Devil's uma das marcas mais importantes e icônicas do mundo. Além do talento para a moda e sua marca luxuosa de roupas, calçados, joias e acessórios, Cruella Devil era famosa por suas excentricidades e polêmicas.

   A maior delas era sua defesa pelo uso de peles de animais como acessórios de moda, o que sempre causara grande revolta em muitas pessoas e nas organizações ativistas. Cruella porém, sempre ignorou os protestos fervorosos e contava com o apoio de investidores ricos e poderosos (em sua maioria empresários árabes atuantes nas mais diversas áreas da economia mundial) e muitos clientes que, assim como ela, tinham apreço pelo uso de peles de animais em suas roupas.
  Embora fosse sempre envolta em polêmicas envolvendo o mundo da moda e os direitos dos animais, nenhum caso repercutiu mais do que o sequestro de 99 filhotes de dálmatas para a confecção de um casaco  de peles acabou abalando muito a credibilidade da empresa perante o grande público. Mas Cruella Devil não se importava com isso e tal atitude fez muitos se distanciarem dela.

   Embora fosse famosa e rodeada por bajuladores, o velório de Cruella Devil foi solitário. Primeiro porque este havia sido um dos últimos pedidos dela e também que o velório e o enterro iriam ocorrer na propriedade Devil. como era a tradição da família. A verdade é que Cruella Devil não gozava de uma boa popularidade fora da Devil's. Suas excentricidades, descaso com o meio ambiente orgulho exacerbado que a faziam desprezar quase tudo e todos a tornavam uma figura, para muitos, do tipo que deveria ser evitada.

  A família Devil sempre fora uma família nobre e como tal, se recusava a misturar-se com os outros. Assim, os membros da familia, tinham, como tradição, um cemitério particular que se localizava nos limites da imensa fazenda pertencente á família.
  O velório e enterro de Cruella Devil aconteceu ali, em uma fria e chuvosa tarde de domingo. Poucas palavras foram ditas e os poucos presentes não se demoraram. Scarlet e Alfred foram até o local mas ao final do enterro, sabiam que Devs gostaria de ficar sozinho e se dirigiram silenciosamente para a mansão.
  Devs vestia um casaco de peles escuro, segurando o guarda-chuva preto sobre a cabeça, os olhos fixos no grande mausoléu em que agora jazia Cruella Devil. Quando pensou poder conhecer um lado diferente da tia, um lado que todos talvez desconhecessem, que teria alguém ao seu lado o ajudando a tomar decisões e gerenciando um empreendimento, que poderia sentir que era importante para alguém (ainda que fosse somente por um interesse egoísta de Cruella), isso havia sido perdido. E lhe sobrar apenas responsabilidades e um conhecimento básico, obrigando-o a lidar com tudo sozinho.
  Sabia que poderia contar com o apoio de Alfred e Scarlet mas eles não entendiam de moda e muito menos de lidar com a administração e burocracia da Devils; isso sem falar das partes contábeis, comerciais e judiciárias. Levaria tempo e estava em suas mãos o dever de conduzir tudo corretamente. Havia profissionais na Devil’s com os quais poderiam contar, mas ele precisava estar á frente, precisava conhecer tudo para não ser enganado, precisava ser um líder.

“ Um Devil deve conquistar e se manter sozinho. Tenha sempre em mente que a única pessoa que poderá te levar ao sucesso é você mesmo!  Um Devil sempre surge para reinar, por isso, reine!”

  As palavras que Cruella lhe dissera uma vez ecoavam em sua mente e ele se afastou do mausoléu, indo até uma lápide próxima. Mais modesta e sem a grandiosidade das outras. Ao que parece, somente os Devil’s que deixassem seus nomes registrados na história tinham direito á grandes jazigos. Cruella mandara construir aquele há anos, já consciente da própria grandeza. Mas eles nunca haviam pensado nisso. Do pouco que se lembrava, se exibir nunca fora do feitio deles.
   Seguira em frente uma vez. Seguiria de novo.
  Respirou profundamente, sentindo o cheiro da chuva e da terra molhada. Se fosse o que tinha que fazer, era o que faria. O Christian ficaria mais uma vez guardado dentro de si e chegara o momento de deixar Devs no passado. Precisava de um novo nome pelo qual seria conhecido.
  Caminhou em direção á mansão e parou, olhando para o mausoléu de Cruella Devil. Ela conseguira realizar o último desejo, ainda que não pudesse saber, ele faria mesmo assim. Não iria desistir da Devil’s.
  Não mesmo.

~*~


Notas Finais


Olá pessoal! Nem consigo acreditar que terminei o capítulo da fanfic! \o/
Foi difícil, cansativo...não sei se ficou bom, mas procurei fazer o melhor que pude, em vista que já estava demorando demais para atualizar ela (me desculpem novamente!)
Eu gostaria muito de poder ter abordado melhor o relacionamento de Cruello e Cruella, bem como mais flash-backs mostrando o treinamento do Devs (RS) e algumas situações que tinha em mente colocar mas não o fiz porque senão demorariam uito mais para atualizar. Mas quem sabe eu nãofaça mais um capitulo de flash-back antes de finalizar a fic? Se quiserem, posso fazer!
Acho que o mais difícil desse capitulo foi exatamente a carga emocional que tinha de colocar. Parando para pensar esse foi o capítulo mais dramático da história e até mexeu um pouco comigo XD.Mas enfim, perdoem o capitulo estar como está, mas procurei fazer o meu melhor...espero que tenham gostado!
E confiram meus demais trabalhos na minha Page!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...