1. Spirit Fanfics >
  2. The Cure >
  3. Capítulo Único: Sei que você não presta...

História The Cure - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


→ Zabes aqui. Quis mudar e escrevi minha primeira oneshot com o Stray Kids, meus bebês.
→ Oneshot curtíssima porém belíssima baseada na música "A Cura" do CPM22.
→ Christopher Bang Bang (bullet, bullet, bullet) infelizmente não me pertence, mas sua personalidade e características expostas aqui sim.
→ É a primeira vez que escrevo uma oneshot tão curtinha e no estilo de "cartas", então estou meio insegura mas vamoqvamo.
→ Todos os acontecimentos mostrados aqui são puramente fictícios, qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.
→ Plágio além de ser FEIO é CRIME. Portanto, não se inspire ou copie.
→ Shout out to my Inception Girls, porque eu amo elas e elas me apoiam em tudo que faço.
→ Agradecimentos especiais a @lalabay pela incrível capa e banner para essa fic. Eu amei demais.
→ Sem muito mais do que dizer, espero que curtam e não se esqueçam de deixar um comentário lindão para mim lá embaixo.

Capítulo 1 - Capítulo Único: Sei que você não presta...


Fanfic / Fanfiction The Cure - Capítulo 1 - Capítulo Único: Sei que você não presta...

CAPÍTULO ÚNICO: QUERIDA INNA, SEI QUE VOCÊ NÃO PRESTA…

 

“Incheon, 27 de Janeiro de 2019

 

Querida Inna, 

É irônico eu começar essa carta com “querida Inna”, não é? Já que você foi a minha própria ruína e já que essa carta nunca vai chegar de fato em suas mãos; Acho que isso é apenas só mais uma maneira que eu encontrei de me desestressar.

Hoje é dia 27 de Janeiro, ou seja, já fazem um ano desde que você me deu o maior pé na bunda já registrado no país inteiro, e quer saber de uma coisa? Mesmo depois de tanto tempo eu ainda consigo sentir sua falta nas noites escuras e vazias quando me deito na cama apenas para analisar como está o desenrolar desse enredo dramático, fracassado e maluco que eu chamo de vida.

É tão estranho pensar no fatídico dia que nos conhecemos… Quando eu ainda era apenas um garoto estrangeiro de 15 anos recém chegado no colégio totalmente perdido e quase que morrendo afogado em meus próprios demônios; E mesmo você, já sendo uma veterana prestes a se formar, achou – de certa forma – graça em mim.

Meu Deus Nam Inna, como você pôde jurar que estava apaixonada por mim naquela época? Quer dizer, hoje eu tenho plena consciência que foi tudo mentira e o que eu vivi foi apenas uma ilusão mas… Como você pôde? Você deu esperanças a um garotinho psicologicamente defeituoso e esse tipo de coisa não se faz!

Faz um ano que você simplesmente quebrou meu coração em tantos pedaços que sinceramente, toda vez que ando por aí ainda acho um pedacinho dele jogado pelo chão. A verdade é que você apenas me tirou do fundo da lama para me levantar e depois me afundar mais ainda, não é verdade? Ah sim, agora eu vejo tudo com mais clareza.

Mas sabe, não posso te dar toda a culpa; No final das contas eu também fui culpado.

Eu definitivamente não quero voltar no passado mas, desde que percebi que esse dia estava chegando pensei em te ligar.

Quem eu estou querendo enganar? Terça-feira eu deixei um recado na sua secretária eletrônica e eu disse “Olha, é bom a gente se falar agora que todo esse tempo já passou”. Me desculpe por isso, eu não sei onde estava com a cabeça quando achei que seria uma boa ideia ver até onde o meu coração aguenta.

Querida Inna, sei que você não presta e nem adianta negar, todos sabem, afinal, quem faz juras de amor para um garoto fodido como eu? Faz o acreditar na vida novamente, lhe dá perspectivas, sonhos e esperanças, lhe dá sorrisos para no final tirar-lhe tudo de uma forma vaga e dolorosa. 

Sei que você não presta mas como já disse antes, a culpa não é totalmente sua. A culpa também é minha, pois mesmo estando em depressão profunda, dentro de você eu procurei a cura, você sempre me pareceu ser tão segura e dentro de você eu procurei a cura para os meus problemas pessoais.

A verdade é que você não estava preparada para lidar com um garoto como eu sendo seu namorado. Na realidade, acho que ninguém jamais estará preparada para alguém como eu e disso eu aceito toda a culpa. Foi burrice da minha parte achar que os meus problemas seriam solucionados assim que me vi perdidamente apaixonado por você, aliás, os problemas só aumentaram depois que você se foi de maneira tão trágica e grosseira.

Vai se foder! Eu continuo um fodido do caralho! Foda-se essa merda! Espero que você, Nam Inna, esteja tão infeliz quanto eu aonde quiser que esteja! Espero que esteja tentando lutar contra a vontade de querer morrer todos os dias como eu!

Quer saber? Foda-se essa carta! Isso não vai mudar meus sentimentos.

A culpa é inteiramente minha!

Sabe os meus problemas pessoais? Eles não tem cura.”

 

O modo como Chan escrevia o final da carta, apertando a caneta com muita força entre seus dedos apenas mostrava a raiva que estava sentindo naquele momento.

Quem ele queria enganar? Tentara de milhares formas achar pretextos e desculpas que o fizessem acreditar que o motivo daquele  relacionamento ter chegado ao fim era puro e inteiramente dela; Tentava com todas as forças se agarrar na ideia de que era Nam Inna que não prestava, que não tinha coração e que tinha apenas brincando com o seu quando na verdade, Chan sabia que a garota por muito tempo havia tentado, por quase um três anos ela havia tentando ajudar Chan de todas as formas… Mas nada iria adiantar, ele não tinha cura.

Sua cabeça estava danificada demais para ser consertada ou restaurada, seus pensamentos já estavam obscuros demais para serem clareados.

Há exato um ano atrás, Inna simplesmente desistiu de tentar ajudar, de tentar ser a cura para os seus problemas pessoais.

O telefone tocava alto enquanto o Bang continuava a escrever a carta com fúria; Ele foi apenas soltar o lápis quando a ligação caiu na caixa postal e ele simplesmente congelou ao ouvir a voz robótica de Nam Inna ecoar pela sua sala de estar.

 

“Oi Chan, ouvi sua mensagem na minha secretária eletrônica. Me desculpe mas não quero falar com você. 

Mas espero que esteja bem… Você e seus problemas pessoais”.


Notas Finais


É isso. Espero que tenham gostado, do fundo do meu coração. Sei que é totalmente diferente das coisas que escrevo por aqui, mas eu também sou ligada num angst e saiu isso.
Se quiserem ouvir a música "A Cura", acessem aqui: https://www.youtube.com/watch?v=NqsrZDTOEL4, usei bastante da letra em si na carta.
Deixem suas opiniões nos comentários abaixo e, é isso...
Até uma próxima,
xZabes.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...