História The Curse - Capítulo 28


Escrita por:

Postado
Categorias A Bela e a Fera, Corte de Espinhos e Rosas, Harry Potter
Personagens Astoria Greengrass, Blásio Zabini, Colin Creevey, Córmaco Mclaggen, Daphne Greengrass, Draco Malfoy, Fred Weasley, Gina Weasley, Gregory Goyle, Harry Potter, Hermione Granger, Lilá Brown, Luna Lovegood, Mila Bulstrode, Molly Weasley, Neville Longbottom, Newton "Newt" Ártemis Fido Scamander, Padma Patil, Pansy Parkinson, Parvati Patil, Ronald Weasley, Theodore Nott, Vincent Crabbe
Tags Dramione, Gitt, Hansy, Obscurial, Obscuros, Rona, Veela
Visualizações 100
Palavras 1.138
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi pessoal!!!!!!!!!
Sei que demorei, mas final do semestre né...

Bom, preciso dizer: Esse capitulo não existia... Na verdade, nem esse nem os próximos 2!!!!!

Ou seja, lá estava eu cuidando da minha vida corrida de final de semestre, esperando meu pagamento do estagio sair e tentando arranjar um tempo para postar o cap. 28 que já estava escrito e revisado desde (sei lá...) muito tempo. E ai, num belo dia, quando desço na parada de ônibus perto da minha casa uma ideia surge! Bum! Na hora mandei msg para minha revisora linda e maravilhosa (Miss vc é meu anjo da guarda de fic's). Ela me incentivou e esse novo cap 28 surgiu, mas não foi só isso, um novo 29 surgiu e depois um novo 30!!!! E claro uma mudança pequenininha no inicio do 31...

Assim, com essas explicação enorme (e meio inútil) justifico minha demora! He he he...

Resuminho dos caps anteriores:
- Depois de reprimir sua magia por semanas, ser trancada contra sua vontade e obrigada a casar-se com o homem que detesta, Hermione se transforma naquilo que ela sempre manteve escondido. Magia, dor, sofrimento e ódio.
- Desesperada e inconscientemente, Hermione retorna para o ultimo lugar onde encontrou aqueles como ela. Assim a garota aceita a proposta de aprender magia com Draco.
- Ah e a Mi também ganhou uma varinha!!!!
- E começou a ter sentimentos um tanto quanto confusos quanto a Fera, que decide ajuda-la a combater o obscuros.

Dedicado à:
- OliverLestrange
- SophieMenson
- tata2035
- DanaDermont
- Gkhj
- BIIAHFAGUNDES
- juuhvargas
- Sepentnoir2
- Wheiny
- _unicorn_
- Megan__
- lanxs

Capítulo 28 - Gall.


Fanfic / Fanfiction The Curse - Capítulo 28 - Gall.

.

Draco colocou Hermione na cama entre os lençóis e estava pronto para passar a noite ao lado da garota quando o Bruxo mais velho o advertiu.

- Ela precisa lutar contra isso sozinha. - Falou sério. Draco relutou, mas ao se voltar para o Newt acenou concordando, os dois deixaram-na dormindo e foram se sentar perto da lareira do hall.

Pansy serviu um chá e depois voltou para a cozinha enquanto Theodore e Blaise permaneceram em silêncio em seus lugares no aparador. Draco observava as chamas, silencioso, quando ouviu a pergunta do mais velho.

- Ela não sabe que é sua companheira não é mesmo?

- Não.

- Por que não contou? Se me permite perguntar. Pois sei bastante sobre Veelas para ficar confuso com a sua decisão. - Continuou Newt enquanto apreciava o chá.

- Porque não quero prendê-la. - Suspirou. - Sei como ela se sente quanto a mim, me contento com sua amizade sabendo que ela terá os restos de seus dias para sorrir feliz e livre conhecer o mundo.

- Quanto tempo ainda lhe resta? Para os 21 anos e a maturidade?

- Um mês.

A conversa não continuou e por mais que o bruxo ancião se preocupasse com a decisão do outro não interferiria.

 

 

Cansada. Hermione estava tão cansada, sentia como se todas suas forças tivessem sido drenadas, mas não lembrava do por que sentia-se tão fraca.

A jovem abriu os olhos e piscou tentando acostumar-se com a pouca luz, não reconhecia onde estava e ao ergue-se tossiu com a poeira que se acumulava nos escombros de madeira a sua volta. Assim, a memória piscou em sua mente; uma porta trancada; um casamento indesejado; raiva e ódio incontrolável.

- Ele a trancou… - Uma voz sussurrou próxima ao seu ouvido assustando a jovem que virou-se tentando encontrar quem falava.

- Quem está ai?

- Você implorou e ele a trancou. - Falou novamente a voz.

- Apareça! - Exigiu assustada enquanto olhava entorno sem conseguir enxergar muito além dos escombros a sua volta.

- Ele devia protegê-la… - Continuou a voz fria vinda da escuridão que parecia se mover preguiçosamente. - Você o amava e ele a trancou… - Sussurrou tão próximo como se estivesse ao lado da garota, mas não havia ninguén ao lado de Hermione. Ela estava sozinha naquele quarto destruído e empoeirado.

- Quem? - Perguntou receosa.

A risada baixa e cruel dançou entorno da jovem, uma risada intima que fez calafrios subirem pelos braços da garota que se abraçou tentando aquecer-se inultimente, Hermione sentia tanto frio.

- Ora, você sabe quem, Hermione. Nós sabemos quem… Diga-me.

- Me-meu pai… - Gaguejou sem fôlego quando a compreensão a atingiu.

- Isso… - Aprovou a voz com deleite. - Você confiou nele e o que ele fez?

- Ele me trancou. - Disse, entre dentes, com raiva.

- Por quê? - Continuou e Hermione podia sentir a escuridão a sua volta, deslizando ao seu redor ansiosa.

- Ele queria que eu me casasse com Cormac! - Respondeu aumentando a voz. A revolta e indignação voltando a queimar-lhe o interior.

- E ele a trancou… E o que você fez?

- Implorei. - Sussurrou envergonhada com lágrimas amargas em seus olhos. Ela não queri chorar, sentia-se inútil, fraca e não queria derramar aquelas lágrimas.

- Não… - Respondeu a voz com sua risada cruel. Ali, no escuro, a garota sentiu a malícia antiga e fria quando o que quer que estivesse deslizando entorno de si, oculto nas sombras, voltou a falar. - O que Ele fez você fazer?

A cena ao seu redor mudou e ela viu a si mesma em frente do pai. “Não posso me casar com ele!” Sua voz soava tão frágil e quebrada. “...Pode e vai! Nem que eu tenha que arrastá-la para o altar!”. “ Não, papai eu imploro!”. Hermione viu quando seu outro eu foi tomada pelo desespero ao olhar nos olhos duros e decidido do pai, com a certeza que ele a obrigaria. Obrigaria sua filha a se casar com aquele homem detestável, ter filhos dele. O horror e medo que sentiu por ser trancada foram substituídos por ira e revolta.

- Ele me fez implorar! - Gritou para a escuridão a sua volta, no mesmo momento em que a Hermione da memória rasgou-se em escuridão estilhaçando e destruiu a casa. Agora ela reconhecia o cômodo, ela tinha feito isso e como a primeira vez sentia ódio bruto queimando em seu interior junto com raiva, mas diferente de sentir remorso deleitado-se com a destruição.

- Sim… Ele a fez implorar! Ele a fez reprimir sua magia…

- Fez com que eu me odiasse! - Gritou enquanto a voz a sua frente ria.

- Sim… E você o odeia por isso… odeia a todos! - Sussurrou. - Posso dar-lhe o poder de quebrar todas as prisões que eles lhe impuseram.

E ela o queria. Queria o poder de causar o mesmo sofrimento que foi lhe imposto por tantos anos, a solidão sem o carinho da mãe, a proteção sufocante de um pai ferido e a humilhação de não conhecer sua própria natureza e de não saber usar sua própria magia. Ela queria que todos sentissem a dor que ela sentiu, a raiva e o sofrimento que a tinham estilhaçado. Ela queria despedaçá-los com o mesmo poder que tinha feito aquele quarto ser reduzido a ruínas e depois que eles fossem esquecidos como a poeira soprada pelo vento.

Quando Hermione sentiu o toque deslizar possessivamente por seu corpo não se assustou, não lutou quando dedos frios acariciaram suas bochechas, a testa, os ombros. Não lutou quando viu a si mesma com um sorriso cruel e olhos brancos como a morte, a analisando e circundando predatória. Mas se encolheu quando sentiu o beijo molhado na curva de seu pescoço e percebeu que o resto de suas forças eram drenadas pela criatura que tinha assumido sua forma. Assim que sentiu o toque daqueles lábios frios em sua pele Hermione se perdeu nas memórias que piscaram em sua mente, uma a uma ela viu cada momento de dor, abandono e revolta, memórias que faziam seu ódio e raiva queimar em fúria, era disso que a criatura se alimentava. E mesmo sabendo disso ela não se importou.

Por que importar-se em ser consumida pelo ódio? Eles a tinham feito assim! Ele, seu pai ao trancafiá-la; ele. Cormac ao vê-la como sua propriedade; eles, seus ditos amigos que esbanjavam magia quando a ela tinha sido negado o direito de estudar; e aqueles que queimaram sua mãe viva por puro preconceito. Era culpa deles e ela os odiava!

E assim Hermione não lutou quando seu outro eu deu um sorriso cruel e desfazer-se em escuridão. Não lutou quando o vento de areia negra a envolveu por inteiro a arrastando para as profundezas.

.

 


Notas Finais


Eita!

Joga a bomba e sai correndo!!!!

Hj, diferente de quando sou eu a dar as sugestões. Na verdade, eu queria receber sugestões de vcs! Em especial para musicas que tenham haver com o cap... Quebrei a cabeça tentando pensar em alguma, mas não consegui...
Assim, por favor, vcs podem me sugerir uma trilha sonora para esse cap?

Bjs e mais bjs!!!
^3^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...