História The Cursed Blood (O Sangue Amaldiçoado) - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Eldarya
Tags Eldarya, Ezarel, Jamon, Kero, Leiftan, Miiko, Nevra, Personagem Original, Valkyon, Ykhar
Visualizações 5
Palavras 1.921
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem do capítulo <3
Não deixe de dizer o que acharam ^^ e até as notas finais ~

Capítulo 23 - A sala do Cristal


[Ezarel] 

 

Eu realmente tentei de tudo. Chamei uns amigos pra sair. Fiz relatórios até terminar todos os que tinham pendentes. Organizei cada pergaminho de alquimia por ordem alfabética. Até tentei ter uma conversa amigável com Alajéa. Tudo para me impedir de visitar a desastrada na enfermaria a cada trinta minutos. 

Me lembrava com nitidez de quando bateram na minha porta com frenesi. De início fiz questão de enrolar para ir atender, na esperança de que quem quer que fosse desistisse de falar comigo e fosse embora. Mas as pancadas se tornaram mais fortes e intensas, e quando escutei Valkyon me chamando parecendo alarmado, eu entendi na hora sobre o que era o assunto. 

-Acharam Micaela. - Foi só o que ele precisou dizer pra me convencer a vestir direito e segui-lo até o Salão das Portas 

-Como aquela desastrada está? - Ignorei o olhar reprovador que lançou a mim. Eu não podia evitar; se não tentasse parecer calmo e levar as coisas no sarcasmo eu sentia que ia correndo gritando até ela. E isso era uma atitude ridícula só de sequer ser considerada.  

-Se ela estiver viva, está muito mal. 

Talvez aquilo tenha feito eu me sentir culpado pelo tom maldoso que vinha usando. Parei por um instante onde estava.  

“Se estiver viva”. 

Foi o suficiente pra me fazer correr pelo corredor até onde um pequeno tumulto se formava. Nevra e Miiko estavam ali, Jamon parecia ocupado mandando outros membros da guarda para seus quartos. E eu mal sabia como deveria agir diante daquilo. 

-Ewelein ainda não foi chamada por quê? - perguntei empurrando um e outro para o canto, chegando até a maca onde colocaram o corpo inerte dela. 

E o estado da garota estava horrível. 

Afastei o cabelo sujo e úmido do rosto manchado dela, tomando cuidado para que não encostasse na pele do ferimento que quase parecia necrosada. Estava gelada, os lábios jã num tom arroxeado. 

-Foi um corte tão fundo assim? - murmurei comigo mesmo. Eu sabia que ela estava machucada, mas não sabia que era a esse ponto. Aquilo não era uma infecção normal, disso eu tinha certeza. 

Deveria ter prestado mais atenção quando decidi joga-la no Círculo. Era magia corrompida, claro que uma viagem por aquele portal pioraria qualquer coisa de errado com ela. 

-Talvez a lâmina estivesse envenenada? - Nevra sugeriu e ajudou os outros a transportarem a maca escadaria acima. Ewelein já estava na porta, preparando a enfermaria. 

-Pior. Amaldiçoada. - falou Miiko quase em transe, perdida em pensamentos tanto quanto eu, me fazendo trincar os dentes. 

“Só não morra, por favor”. Pensei repetidamente comigo mesmo. Era irracional e sem sentido todo aquele sentimentalismo pela Herdeira que acabaria morta até o final do ano, mas ainda assim... 

 

 

 

[Micaela] 

 

Assim que abri os olhos, a primeira coisa que senti foi a fome. 

Sempre odiei berinjela, tanto o gosto quando a textura e aparência daquele legume, mas naquele momento eu comeria um prato cheio dela, mesmo que crua. 

Sentei-me na cama, observando a sala ao meu redor, parecida com algo saído de um livro de fadas. Desde o vitral até as estantes entalhadas com desenhos ondulares, era tudo bonito demais para não achar suspeito. 

-Finalmente a bela adormecida acordou, e nem precisei ir atrás de um príncipe. - Amanda estava num canto distante do lugar, os braços cruzados e o sorriso parecendo zombar de meu estado. - Sério, você é muito fraquinha. A maldição daquela lâmina era tão simples que não consegui nem fazer um corte permanente no peitoral daquele chefe da guarda, e olha que acertei ele mais de duas vezes. Já você... 

Ela se aproximou sem pressa, mesmo que seus pés agora tocassem o chão, seus passos não emitiam som algum. - Eu só encostei a lâmina na mocinha, e olha o estrago que ficou. - Ela apontou para meu corpo todo. 

A fuzilei com o olhar, lembrando-me daquela noite e do estado febril em que fiquei. -Você quase me matou, Amanda, qual o seu problema? 

Ela suspirou – Meu problema nesse exato momento é saber que você é sangue do meu sangue, me matou, e ainda é uma fracote desse jeito. Sério, me sinto muito envergonhada. 

Balancei a cabeça, tendo a sensação de não estar escutando direito, ou de ainda estar tendo delírios. -Como assim “matei você”? Você enfia uma faca em mim e ainda tenta se por como a vítima? 

Ela riu de mim como um adulto ri de uma criança falando idiotices. - Não acreditaria em nem metade do que te contasse. 

-Micaela? - Chamam a porta e imediatamente me viro na direção da voz desconhecida. Uma mulher alta e de cabelos azuladas estava parada com algo que parecia ser uma prancheta em mãos - Com quem estava conversando? 

Franzi o cenho e me virei para Amanda, deparando-me com o vazio deixado em seu lugar. - Quem é você? 

Como resposta imediata recebi apenas um sorriso afável e a aproximação dela. - Preciso terminar de cuidar de você antes que Miiko possa responder suas perguntas. Vou buscar as poções. Um minuto. 

 

 

 

Um minuto foi exatamente o que esperei. Depois disso, afastei o lençol de seda das minhas pernas e pus-me de pé, percebendo pela primeira vez que não estava com as minhas roupas. Um vestido largo e marrom cobria meu corpo; algum tipo de tecido era usado como curativo para o corte, e percebi com alívio que o inchaço sumira por completo. 

Ao menos uma notícia boa: eu não morreria naquele dia. 

Sai pela porta que a mulher, descendo a escadaria sem me atrever a olhar para o salão dezenas de metros abaixo. Quem coloca uma enfermaria tão no alto daquele jeito? 

Quase fui arrastada pela multidão de... Criaturas que transitavam por ali. E quase aceitei de vez a ideia de que eu estava presa num delírio extremamente longo e real. 

Lobisomens, mulheres esbeltas com asas, animais falando e vestindo roupas humanas, híbridos de humanos e animais e tudo o mais que minha imaginação me permitisse idealizar. Tudo ali, diante de mim 

Não demorou muito e aquilo começou a me deixar enjoada e tonta. Talvez eu não estivesse tão bem recuperada quanto imaginei. Ou talvez não estava preparada para o choque de ver em primeira mão um centauro de quase dois metros de altura passar todo imponente diante de mim, literalmente bufando quando bati contra seu corpo animalesco. - Olhe por onde anda. - Pareceu rosnar para mim, soprando o ar com força pelas narinas infladas e me fazendo engolir em seco. 

Acho que murmurei um “Sinto muito” antes de sair correndo para qualquer direção que não fosse a mesma que a dele. Aquilo era loucura. 

-Psiu. - Escutei chamarem e logo depois um assobio. Era Amanda ao lado de uma porta apontando para dentro de um corredor de paredes alaranjadas e tapete vermelho. 

Eu não queria fazer o que ela queria, mas também não queria correr o risco de esbarrar em alguma criatura hostil outra vez. 

Gemi comigo mesma; deveria ter ficado na cama esperando aquela suposta médica voltar. 

Ainda assim fui até onde estava Amanda e ela se endireitou parecendo estar se divertindo com tudo aquilo. - Só seguir reto, estou logo atrás. 

Tentei parecer confiante quando passei por ela, só que devo ter parecido ridícula. 

-Vire o corredor, seu príncipe a espera. - Zombou ela, fazendo-me encara-la irritada e confusa um segundo antes de se esbarrarem contra mim. 
 
 
 

[Ezarel] 

 

Meu momento de alívio durou apenas um segundo, mas foi o suficiente para eu sentir que um peso havia sido tirado de meus ombros. Ela estava viva, e pelo encontro repentino, continuava desajeitada como sempre. 

-Se eu soubesse que continuaria se esbarrando em mim aqui, eu teria deixado aquela bruxa te levar. - Levantei-me e sorri para a garota que encarou-me com puro ódio. 

Os olhos dela eram lilases desde quando? 

-Você é um idiota. - Ela murmurou também pondo-se de pé, sacudindo a poeira inexistente da roupa. 

-Eles te vestiram com um saco de batatas ou o quê? - ri ao ver aquilo vestindo desajeitadamente o corpo dela, mas tive que desviar  olhar quando percebi que iria corar ao lembrar de todas as vezes em que o corpo dela esteve próximo demais. 

-Já que você está aqui, que tal me explicar o que está acontecendo aqui? - voltou a encarar-me seriamente, como se estivesse no controle da situação. Mas era perceptível o temor no fundo daquelas íris castanhas. 

Castanhas? 

-Espera. - Em dois passos largos e um puxão pelo braço a coloquei perto o suficiente para que eu sentisse sua respiração. 

Encarei-a fundo nos olhos e esperei, achando que mudariam de cor de novo. Mas quase um minuto depois nessa situação eu percebi que deveria ter sido apenas uma ilusão de ótica. 

-Seu louco. - Ela livrou-se bruscamente mim, fazendo-me piscar algumas vezes, voltando à realidade. 

-Se Ewelein já te liberou, Miiko quer falar com você. Agora. 

 

 

 

[...] 

 

 

Amanda controlou seus batimentos cardíacos. Os batimentos de Micaela. 

Precisava se lembrar de ser mais cuidadosa; não sabia até que ponto ia o poder daquele elfo. Mesmo não parecendo ser capaz de identificar muita coisa só pelos sentidos ela precisaria agir com cautela. 

Micaela estava ali de volta, a Guarda de Eel a seu alcance. Não poria nada a perder justo agora. 

Percebeu a garota assentindo com a cabeça e o elfo a guiou (as guiou) até em frente a sala do Cristal. Amanda sorriu, sentindo os músculos do rosto de Micaela fazerem o mesmo. 

Sentia as vibrações do cristal a circulando e entrando pela pele. Sentia aquilo arder quando entrou em contato com seu espírito, mas sabia que o Cristal a temia.

Ele sabia que ela estava ali, e sabia de suas intenções. 

-Miiko com pressa. - Um homem javali de mais de dois metros de altura saiu de dentro da sala, dirigindo-se rudemente a eles. 

-Anda. - Ordenou o elfo, indo na frente e mostrando o caminho. 

 

 

As vibrações aumentavam e tornavam-se mais desesperadas, como se tentassem expulsa-la dali. Como se tentassem avisar alguém de algo, mas ninguém ali além dela própria era tão sensível ao Cristal. 

Como num sinal de desafio, Amanda forçou o espírito de Micaela a recuar, deixando-a ocupar o controle do corpo. Aproximou-se do grande pedaço de Cristal no centro do salão. 

Não podia vê-lo, mas sentia o Oráculo lá de dentro remexer-se inquieto. 

“Eu voltei.” Pensou com um sorriso torto no rosto, e logo em seguida a forma espiritual do Cristal apareceu diante de Amanda. De Micaela. Apareceu apenas para ela, e mais ninguém. 

O olhar frio e expressão severa deixou bem claro o total desprezo pela presença dela, e o coração de Amanda (o coração de Micaela) se alegrou com aquilo. 

“Você causou isso quando ordenou minha morte. Agora vai ficar quietinho assistindo enquanto pagam o preço”.  

-Micaela? - a kitsune desprezível a chamou, interrompendo a diversão momentânea de Amanda. O Oráculo flutuou lentamente de volta para o Cristal, desaparecendo da vista, deixando para trás somente as vibrações mágicas carregadas de desespero e raiva. 

Amanda comandou ao corpo de Micaela que se virasse para os guardas ali presentes, dando uma boa olhada ao rosto de Miiko, desejando poder cortar a garganta dela ali mesmo. 

-Acho que temos muito o que conversar. 

Amanda sorriu. O corpo de Micaela obedeceu. 

-Temos sim. - Mas aquela não seria a hora dela. Precisava que Micaela recuperasse a força dela. Precisava que aquele corpo voltasse a hospedar o poder dos ancestrais delas. Quando o fizesse, daí sim Amanda e Miiko teriam muito o que conversar. 


Notas Finais


<3 Espero que tenham gostado ^^ até o próximo xD
e não esqueça de dizerem ai embaixo o que acharam


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...