História The Cycle (TC) - Camren - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


GENTE EU TÔ RINDO DEMAIS PORQUE EU ESCREVI ESSES CAPÍTULOS TODOS EM 2018, ENTÃO EU TAMBÉM FICO SURPRESA COM O QUE ACONTECE AQUI KSKKSKSKSSKSKSKSSKKSKSKKSKSKSKSKSK
BOM DIA
BEBAM ÁGUA E TENHAM UMA EXCELENTE LEITURA <3

NÃO DESISTAM DE MIM PLEASE

Capítulo 5 - Chapter V: Hailee and Vero.


Janeiro de 2020

Camila suspirou derrotada pela amiga e pela mulher que um dia fora tudo para si. Entrou no carro acompanhada por Vero, e Lauren foi direto para o volante.

— É... onde fica o seu...—

— Fica a quatro quadras da delegacia, Laur. Vai seguindo que eu falo.— Veronica a interrompeu e Camila não disse nada, até agradeceu mentalmente por não ter que falar com Lauren.

Lauren assentiu e começou a dirigir. O silêncio durante o caminho foi... estranho. Camila não pôde evitar em descansar sua cabeça no ombro da amiga ao seu lado, e talvez, por cinco minutos, tenha cochilado. Por sorte despertou antes mesmo que Lauren chegasse.

— Bom... obrigada, meninas.— Camila disse ainda desconfortável, e abriu a porta do carro. Sem que percebesse, Lauren e Veronica desceram também.

— Mila! Me dê um abraço, poxa...— Veronica pediu com um bico enorme e braços abertos, que logo foram preenchidos pelo corpo de Camila.— Vai ficar bem mesmo, não vai? Quero que descanse...— Vero pediu fazendo carinho em seu rosto.

— Já te falei que vou tomar o remédio e dormir... amanhã talvez eu nem apareça no trabalho.— Camila confessou um tanto sorridente.— E sabe que não irei ficar sozinha.— completou, e Lauren se perguntou o motivo de Vero ter revirado os olhos de uma forma tão... impaciente?

— Certo. Você não ficará sozinha.— Vero disse mais séria.

— Oh, não! Não é is...— Camila percebeu que Lauren estava quieta e impaciente.— Bom, eu te ligo se precisar, tudo bem?— perguntou tranquilizando Veronica pela milésima vez.

— Acho bom. Estarei esperando.— Veronica disse e deu um rápido abraço em Camila, que logo entrou em seu prédio.

— Porra, Vero! Se quiser ficar sabe que não tem problema.— Lauren disse impaciente.

— Laur? Calma! Desculpe por isso.— Veronica pediu sorrindo.

— Quase que eu servi um café para as moças.— Lauren disse emburrada.

Não fora ao hospital buscar Veronica! Muito menos chamá-la para jantar... e estava se praguejando.

(...)

— Hm... massa! Adoro.— Veronica disse assim que entraram no restaurante.

— Por isso escolhi este.— Lauren disse e Veronica a olhou.

— Anda, desembucha.— Veronica pediu e se sentou à mesa.

— O que?— Lauren perguntou, se sentando também.

— Você nunca lembra do que eu gosto!— Veronica alegou e Lauren se viu presa.— Confesse que foi ver Camila! Confesse que não para de pensar na sua e—

— Não diga ex namorada, Veronica! Não foi ela que disse isso?! Nunca mais se refira a nós de tal maneira.— Lauren disse áspera e fechou a mão.

Sua vontade era de esmurrar a mesa.

— Olhe o jeito que ela te deixa! Eu me recuso a ver isso novamente.— Veronica disse e olhou em volta.

— Isso...?— Lauren perguntou confusa.

— Essa porra de jogo de vocês! Camila mal consegue escutar seu nome, Lauren! E duvido que com você seja diferente... está armada para cima de mim por causa dela. Você percebeu isso? Percebeu o jeito que está me tratando?— Veronica perguntou, agora tão rude quanto Lauren há minutos atrás.

Lauren analisou tudo por uns cinco minutos e se encolheu na cadeira.

— Desculpe... não foi minha intenção, eu...—

— Você nunca tem intenção, Lauren. Diz que nunca quer machucar ninguém, e com esse discurso idiota, acaba machucando. Eu vou voltar para o apartamento dela antes que eu voe em seu pescoço. Boa noite, Lauren.— Veronica disse e tirou dinheiro do bolso, colocando sobre a mesa e se levantou em seguida.

— Vero...— Lauren tentou mas sabia que seria em vão. E agradeceu um pouco por isso.

-•-

A campainha de Camila soou umas três vezes, suficiente para levantar a morena com um humor pra lá de negativo. Havia acabado de pegar no sono, isso porque estava com dificuldades de o fazer.

— Vero?— olhou a amiga do outro lado. As duas com a cara fechada.

— Você estava dormindo...? Me desculpe, Mila, eu...

— Não se desculpe, entre.— Camila pediu e a pegou pela mão.

— A... a menina lá não está aqui?— Veronica perguntou e fechou a porta.

— Eu sinceramente acho que ela veio, mas eu capotei. Depois eu ligo e confirmo.— Camila disse e se sentou no sofá.— O que...?— perguntou ao ver o sorriso de Vero.

— Adoro você dando perdidos nela. Ai, Mila, você sabe... eu não suporto ela.— Veronica disse e se sentou ao seu lado, a puxando para seu peito.

— Por que todas as minhas relações com as minhas amigas parecem... relacionamentos estranhos?— Camila perguntou se aconchegando no peito de Veronica enquanto ela ria.

— Isso é um problema! Mas acho que... você é apaixonada por todos, sabe? Não no sentido de paixão de amor, mas... não sei, mas é bonito de ver.— Veronica disse e Camila sorriu.

— É um baita de um problema... você quer um café ou algo assim? Se quiser sabe que pode ir fazer...— Camila disse e bocejou.

— Nah... sabe que estou aqui a trabalho.— Vero disse e Camila continuou sorrindo, mas de olhos fechados.

(...)

No dia seguinte, Camila estava aparentemente melhor, pelo menos os sintomas haviam diminuído consideravelmente.

— Bom dia!— Camila se assustou ao ver Veronica ali tão cedo.— O que? Viu um fantasma?— a amiga perguntou com uma bandeja em mãos.

— Já disse como eu amo quando você está aqui? Mas sempre esqueço...— Camila disse sorrindo e se sentou lentamente em sua cama.

— Eu sei que cuido melhor de você do que qualquer uma.— Veronica se aproximou e deixou a bandeja em cima do criado mudo ao lado.

— Sim, você cuida muito melhor do que qualquer amiga minha, ou melhor dizendo, melhor que Dinah e Hailee.— Camila disse justamente para inflar o ego da amiga.

— Sei muito bem disso.— Veronica disse e se sentou na ponta da cama.— E caso não percebeu, é o seu café da manhã.— disse apontando para a bandeja.

— Garanto que percebi, mas confesso que não consigo fazer nada antes de tomar banho...— Camila sorriu de canto e se levantou.— Cinco minutinhos, já volto.— deu um beijo na bochecha da amiga e foi em direção ao banheiro.

Mas como se nada fosse tranquilo o bastante, a campainha soou.

— Eu atendo, não se preocupe!— Veronica disse alto e Camila agradeceu.

Ao chegar à porta, abriu e viu o que menos queria ali.

— Ah... é você.— Veronica disse sem animo, coisa que a outra já estava acostumada e não ligava.

— Camila está?— Hailee perguntou mas não a deixou responder.— Se bem que você está aqui, não? Licença.— disse e passou por Veronica, entrando.

— Quem é, Vero?— Camila perguntou ainda embaixo da água do chuveiro.

— O amor da sua vida.— Hailee disse e Camila sentiu seu corpo enrijecer.

— Pensei que... você ligaria ou algo assim...— disse e desligou o chuveiro.— Vou sair, me espere na sala.— pediu ao envolver a toalha em seu corpo.

— Não é nada que eu não tenha visto antes mas okay, estou na sala.— Hailee disse um tanto convencida.

Camila se secou e se vestiu às pressas, com medo do que poderia acontecer se aquelas duas ficassem sozinhas por muito tempo. Desceu as escadas e as encontrou. Veronica com uma carranca enorme e Hailee em seu celular.

— Bom dia novamente.— se pronunciou atraindo o olhar de ambas as mulheres.— Já vai?— perguntou ao estranhar as roupas de Veronica.

— Sim. Peguei essa camisa emprestada, se não se importa...— Veronica disse e se levantou do sofá.

— Não me importo.— Camila disse uns segundos depois.— Te acompanho até a porta.— disse e seguiu a amiga.

Veronica sequer teve um mísero ato de educação em relação a Hailee, não se despediu.

— Eu não gosto dela.— Veronica disse já do lado de fora, depois que Camila fechou a porta.

— E não disse isso na cara dela? Temos um avanço...— Camila brincou e ela revirou os olhos.— Pensei que não gostasse por conta das dores da Lauren, mas hoje vejo que não gosta mesmo.— confessou.

— Você sabe que houve um tempo em que tomei as dores da Lauren sim, isso até nos afastou, tolinha.— Veronica disse e pincelou o nariz de Camila com o dedo.— Mas... mesmo depois de tanto tempo eu ainda não suporto a Hailee, e não sei o motivo, de verdade. Penso que é ódio gratuito, e se for que se dane, sinceramente falando.— Veronica disse com a cara inexpressiva, o que fez Camila rir.

— Tudo bem, tudo bem... lidamos com isso há anos. Você vai por que precisa ou por que ela está aqui?— Camila perguntou e seu olhar pedia uma reposta sincera. Veronica suspirou.

— Sabe a resposta. Tenho que ir para o hospital daqui a pouco... pegar teus exames...— disse e Camila apenas assentiu.— Você vai ficar bem, não vai? Sabe que pode ligar a qualq—

— Vero! Esqueceu que tem uma médica lá dentro?— Camila disse apontando para seu apartamento.

— Eu me esqueço que ela é médica... nossa, não quero nem pensar se ela trabalhasse no mesmo lugar que eu. Seria catastrófico.— disse quase desesperada, como se aquilo jamais pudesse acontecer e Camila novamente começou a rir.

— Seria o fim do hospital, ou não, vocês são excelentes profissionais.— Camila disse novamente, adora inflar o ego de quem ama, mas na medida certa.

— Eu sou mil vezes melhor. Beijos, Mila. Te ligo mais tarde.— Veronica abraçou Camila e não esperou a resposta.

Camila entrou em seu apartamento e encontrou Hailee ainda no sofá.

— Dessa vez ela não fez questão de ficar e desaprovar tudo o que faço.— Hailee disse sem olhar Camila.

— Esse "não gostar" de vocês é tão infantil e... eu não gosto, você sabe muito bem disso.— disse e recebeu o olhar da amiga.

— Camila, tudo estava bem até a nossa segunda tentativa de namoro. Veronica parecia não me odiar tanto, mas agora... eu não ligo, sabe que acho essas suas amigas tudo puta.— Hailee disse e se levantou.— Ou elas têm inveja da nossa amizade? Não sei.— disse e Camila suspirou.

— Elas não são putas e não invejam a nossa amizade porque todas são especiais para mim, cada uma de um jeito.— Camila disse e se levantou também, indo para a cozinha.

— E você continua sempre defendendo!— Hailee disse e a seguiu.

— É normal. Defendo elas para você e você para elas...— disse e foi até a geladeira, pegando uma jarra de água.

— "Elas" você quer dizer Lauren e Veronica, não é? Já disse que não duvido nada que elas tenham se peg—

— Chega.— foi tudo o que Camila disse depois de engolir a água gelada.— Não é uma boa hora para você falar disso, e se esse for o assunto, eu sinceramente peço que vá embora.— disse sem a olhar.

— Você mal encontrou com ela e olha ai... eu não sei porque fico surpresa.— Hailee disse e Camila respirou fundo.

— Hailee, eu não estou agindo de forma diferente... encontrei Lauren sim, e daí? Eu não a amo mais, talvez nem tenha amado.— Camila disse calma e saiu da cozinha.

— O seu tom é rude, suas atitudes e palavras são duras. Digo que somente comigo. Estou errada?— Hailee perguntou a seguindo.

— Não, não está. Mas já parou para pensar que se eu estou te tratando assim é por que tem um motivo?! Você não para de voltar nesse assunto! Olhe a minha cara que quero falar disso, de Lauren, de Veronica, de nós. Olhe!— Camila disse mais exaltada.— Vá, por favor.— desviou os olhos da morena e apontou para a porta.

— Tudo bem. Caso aquelas duas te foderem novamente, eu estarei aqui. Como sempre estou.— Hailee disse antes de sair.

— Porra...— Camila suspirou e subiu para o seu quarto.

-•-

— Entre.— Lauren disse sem muito humor e viu uma mais sem humor ainda.— Não deveria estar no hospital agora?— perguntou e se endireitou na cadeira.

— Deveria sim, mas não gosto de ficar mal com você. Sabe que orgulho não leva a nada... não vim me desculpar, quero que fique claro.— Veronica disse e se serviu.

— Certo, Vero. Eu me desculpo, okay? Reconheço que ontem passei dos limites... não deveria ter te tratado daquele jeito.— Lauren cedeu e se levantou também.

— Ah, tudo bem, Laur! Sabe que eu nem ligo, só queria a confissão.— Veronica disse e em seguida soltou uma risada vitoriosa.

— Confissão?— Lauren perguntou sorrindo também, enquanto repetia os movimentos da amiga, se servindo com um pouco de café.

— Esqueça...— Veronica disse e bebeu um pouco do café, fazendo uma careta.— Esse café é, sem sombra de dúvida, o pior que já coloquei em minha boca.— disse e deixou o copo em cima da mesa de Lauren, que começou a rir.

— Tomo há tanto tempo que acostumei.— disse ainda sorrindo.— Quero te recompensar... me senti mal por ontem, o que acha de tomar café da manhã comigo amanhã?— Lauren perguntou animada e voltou a se sentar.— Sei que é sua folga.— completou.

— E... a sua adorada namorada não vai reclamar? Lembro-me muito bem de ouvi-la dizer que você parece namorar comigo e não com ela... sabe, acho que Charlotte não gosta muito de mim... assim como todas as namoradas de vocês.— Veronica disse e colocou a mão no queixo, em um ato pensante.

— Vocês?— Lauren perguntou confusa mas sorrindo.

— Ah... vocês, sabe? Eu sou grudenta com todas as minhas amigas, creio que...—

— "Vocês" eu e Camila. Entendi.— Lauren a cortou e o silêncio da amiga apenas confirmou o que ela havia dito.

— Voltando ao que interessa, sua namorada não gosta de mim, Laur... não acho que ficar saindo comigo assim seja bom para você.— Veronica disse e se encostou no encosto da cadeira.

— Ora! Ela que venha junto!— Lauren disse e Veronica revirou os olhos.

— Eu sei que você faz isso de propósito! E como sei que incomodo, eu aceito. E exijo que você a deixe informada.— Veronica disse e sentiu seu celular vibrar.— Eu já vou indo, meu trabalho me chama...— se levantou e Lauren fez o mesmo.

— Gostaria que tivesse alguém para cobrir seus horários... podiam contratar mais médicos.— Lauren disse fingindo estar emburrada.

— Seus desejos foram atendidos então. Estão para contratar uns cinco a mais, e vamos combinar que parece pouco mas ajuda muito.— Veronica disse e abraçou a amiga.

— Amanhã, as nove.— Lauren disse em seu ouvido.

— No lugar de sempre?— Veronica perguntou sorrindo.

— No lugar de sempre!— Lauren disse sorrindo largamente.

-•-

— Pronto, agora quero saber o que está afligindo a minha parceira.— Ally se sentou em frente a Camila, que segurava um copo cheio de café.

Não se segurou em casa e fora até a ICSR, estava agora em seu horário livre, já que não podia ficar muito em contado com o BDM. Aliás, ninguém podia.

— Hm... deixe-me ver... lembra quando eu te contei a maior bagunça da minha vida? Pois bem... ela está de volta.— Camila disse com um sorriso torto.

— L-Lauren Jauregui? Oh meu Deus! Como?— a baixinha pareceu ter recebido a melhor fofoca de todas.

— É... Greg esteve em meu apartamento com a Lorena, há dois dias atrás nós saímos de manhã, para um animado passeio em família...— disse fingindo animação e Ally sorriu.— Então a Lo decidiu que queria algodão doce, e eu disse que iria me sentar ali perto, assim, bem velha mesmo.— disse e dessa vez soltou uma risada.

— Ainda bem que sedentária não é mais...— Ally disse e a olhou com um pedido mudo para continuar.

— Eu parei para ver um prédio que tem ali em frente, ele é realmente bonito. Eu estava lá, o admirando até que senti alguém pegar na minha mão, e quando olhei para baixo vi uma menininha. Ela é tão lindinha, Ally...— Camila disse e um longo suspirou escapou de seus lábios.

— Mini Lauren?— a loira perguntou, o que fez o estômago de Camila se revirar.

— Sim...— disse num fio de voz.— Ela estava vendendo biscoitos, foi tão educadinha.— sorriu.— Eu me abaixei e comecei a conversar com ela, não resisti, até que uma voz brava surgiu. A menina se virou primeiro, tadinha, quase deixou o coração ali mesmo.— Camila disse rindo.— Então eu me levantei e... pah! Ela estava ali, parada na minha frente.— Camila disse e ao final, viu que Ally tinha um pequeno "O" em sua boca.

— Você deve ter petrificado ali.— disse divertida.

— Exatamente! Me recuperei quando Greg chegou, e isso nem é tudo.— suspirou.— Eu não tinha dinheiro na carteira para o tanto de biscoitos que havia pedido, então ela pediu que eu levasse o restante para ela, na delegacia.— Camila disse e tentou não rir com as caras e bocas que a amiga fazia a cada revelação.

— E você levou? Sozinha?— Ally perguntou e apoiou o rosto em suas mãos que nem uma criança.

— Eu não! Pedi a Jeremy...— Camila deu de ombros.

— Você abusa do sentimento do pobre rapaz, Mila.— Ally disse e as duas explodiram em uma risada gostosa.

— Fazer o que...— deu de ombros.— E ontem eu tive aquela dor de cabeça esquisita, fui ao hospital e Vero me atendeu, mas... na hora de ir embora, ela disse que Lauren estava lá e que iria nos levar embora. Eu tentei, Ally... tentei fugir mas não consegui. É isto.— Camila disse e se sentou melhor, já que estava curvada demais.

— Caralho... desculpa, não tem outra palavra... tipo, você se gostaram há anos, se machucaram e agora estão aqui... simplesmente caralho. Palmas pra vida e pro destino.— a menor fez um gesto baixinho de aplauso.

— Eu não a odeio, Ally... muito menos a amo como pensei que amava. Lauren foi meu segundo amor de verdade, e tristemente minha primeira ilusão. Eu entendo ambos os lados, sabe? Eu não estava em uma fase boa em casa, na escola... comigo mesma, não estava... eu necessitava de uma atenção, queria ser desejada e ela fez isso, mas não pôde aguentar por muito tempo. Eu sinto que nunca nos conhecemos de fato, entende? Bom, ela não me conhece... sequer teve a intenção de o fazer, isso me deixou magoada por um bom tempo, enquanto eu estava ao lado dela, ela parecia estar há 500000 anos-luz daqui, isso foi o fim.— Camila disse e Ally a encarou um pouco antes de perguntar:

— Eu nunca soube de tudo, é uma boa hora para falar já que eu estou mais perdida que cego em tiroteio... me perdoe, Deus...— disse olhando para cima, por conta da piada e Camila sorriu de canto.

— Acho que essa parte eu nunca te contei mesmo... bom, foi uma época em que a minha vida já estava uma bagunça, e não precisava de outra, não do tamanho dela. Eu morava com a minha mãe, mas passava muito mais tempo com o meu pai, em outra cidade. Ou seja... é bem mais fácil que admitir que morava com ele. Lauren era minha vizinha, ou melhor, vizinha da minha mãe. E... eu sempre vi nela uma coisa de não saber ficar sozinha, sabe? Em relação a namoro, coisa que eu sequer ligava na época. Tem isso também, ela foi a primeira que me atraiu de um jeito a mais.— Camila disse e chamou o garçom, pedindo uma água.— Bom, depois de um ano de pura enrolação, ela finalmente havia se dado uma chance, nos dado. A minha empolgação e alegria só não foi maior do dia em que ela revelou que era apaixonada por mim... mas enfim... sabe quando você entra no inferno sem saber? Pois é, Baixinha... eu mandei bom dia para o tio Lu todo dia e nem sabia, porque não era possível a Lauren ser outra coisa a não ser o próprio Lúcifer! Digo, eu a enxerguei dessa forma depois, hoje sei que não.— Camila disse e sua água chegou.

— Credo... mas por que?— Ally perguntou se controlando para não rir.

— Bom, quando começamos esse jogo de atração, ela se mostrava carinhosa, e essas coisas, o que foi totalmente diferente no namoro. Eu sequer chamo de namoro, porque pelo o que eu sei, quando namoramos, conhecemos a pessoa, e eu não a conheço até hoje. E também o ciúmes dela, ele me sufocou. Eu errei também, Ally, não sou santa e nunca vou ser. Eu errei sim, e sinceramente falando, apesar de tudo, o meu pior erro foi não ter tentado resolver quando ela disse que estava acabado. Porque... era difícil, sabe? Mas eu a amava, e faria de tudo por ela. Só que agi completamente ao contrário, lembro até hoje...—

Flashback — Julho de 2012

Camila estava sentada em um banco qualquer, de uma praça qualquer para encontrar Lauren, que mandou uma mensagem de última hora.

— Precisamos conversar.— Lauren disse assim, sem mais nem menos e se sentou ao seu lado.

— Ei... diga.— Camila sorrindo e a olhou.

— Eu sinto que não vamos a lugar algum... esse tempo que estamos aqui tentando só serviu para mostrar que não vai dar certo, Camila... e... eu não te amo mais como antes, me desculpa, mas eu quero terminar.— eita, direta ela. Delicada como uma rosa.

Com espinhos.

Camila pensou que um soco seria melhor, um tiro doeria bem menos.

— E-eu sou idiota, Lauren? Porra, olhe para mim!— pediu e assim Lauren fez, com sua feição aflita.

— Não, você não é, Camila... não tem volta, eu estou decidida.— Lauren disse firme a olhando.

— Eu não posso te obrigar a nada...— Camila falou negando com a cabeça e olhou para o lado oposto.

— Eu não suporto essa distância! Você a cada hora está em um lugar e eu... eu não consegui me adaptar a isso, tá bom? Não tem nada que eu possa fazer.— Lauren disse e se levantou.

— Ei! Lauren! Está tudo bem...— Camila disse após respirar fundo, e viu a de olhos verdes se virar com uma expressão confusa.

— Está?— Lauren perguntou e se virou completamente.

— Sim, eu... droga, eu... eu também queria terminar. Só... não... sabia como fazer isso.— Camila revelou e Lauren deixou seus ombros caírem.

— Isso... mesmo?— Lauren perguntou e Camila apenas sorriu de lado.

— Eu sei que isso seria um tiro no escuro... e que você é bem, digamos assim, imprevisível. Ou previsível demais? Não sei, mas... porra isso não é bom, mas aconteceria mais cedo ou mais tarde. Então... está tudo bem.— Camila disse e se levantou.— Somos melhores amigas do que namoradas, vamos combinar. E eu estarei aqui por você independente de amizade ou não, você sempre soube disso.— disse sorrindo, tentando descontrair aquele momento que se tornava constrangedor.

— Verdade!— Lauren disse sorrindo.— Vamos... vamos tomar um sorvete?— perguntou e Camila sorriu.

— Só se for agora!— respondeu e pegou na mão de Lauren, saindo rapidamente dali.

Atualidade — Janeiro de 2020

— Eu deveria ter lutado ai, sabe? Eu acho...— Camila disse e ficou encarando as gotículas de água em volta da garrafa que já não estava tão gelada assim.

— Você fez o que pode com a sanidade que tinha! Não se arrependa de nada, Mila... não pode comparar a sua cabeça hoje com a que você tinha há... oito anos atrás?— Ally disse gentilmente e pegou na mão da amiga.

— Que cabeça...? Eu não tinha. Talvez Lauren nunca tenha percebido... eu mesma demorei a perceber, Ally, eu estava em depressão e tudo parecia ser mil vezes mais forte do que realmente era. Lauren era ocupada e eu precisava da atenção dela, só ai já tem uma família de paranoia.— Camila disse rindo, mas uma risada sem humor algum.— Eu queria gritar e não podia... como falar que eu era apaixonada por uma menina? Minha mãe falaria a verdadeira Bíblia na minha orelha. Então tinha tudo isso acumulado, e eu não conseguia ver clareza em nada.— Camila comentou e ficou rodeando a borda do copo com o indicador.

— Como você conseguia se levantar assim? Tipo... e a escola?— Ally perguntou e ouviu uma estranha risada de Camila.

— Que escola, pequena...? Eu mal me levantava para comer. Perdi o ano letivo, e isso, somou com todo o resto. Eu não dava orgulho para a minha família, para Lauren e sequer uma gota de orgulho para mim mesma. Foi, sem duvidas, o pior ano da minha miserável existência. Depois eu corri atrás, dei um jeito como me instruíram e tudo deu certo, hoje sou muito bem formada.— Camila disse sorrindo, sentindo orgulho de si, finalmente.— Mas essa parte do orgulho para Lauren eu errei, ela não sabia. Não me lembro de ter contado, eu estava imensamente envergonhada. Lauren não sabe das coisas profundas, Lauren não me ajudou quando mais precisei dela, Lauren não esteve presente, e eu sempre me arrastando de volta... até o dia que brigamos e eu saí de vez da vida dela, e confesso que apesar da dor e do arrependimento, foi a melhor coisa que eu fiz para a minha saúde mental. Aprendi com ela, inclusive.— Camila disse sorrindo.

— Essa briga eu quero saber em outro cafezinho como esse, não esquece.— Ally disse e deu uma piscadela para Camila, que assentiu ainda sorrindo.


Notas Finais


DE NOVO: NÃO DESISTAM DE MIM!
COMENTEM, TALVEZ TENHA UMA SURPRESINHA :) :) :)
LOV U
ATÉ MAIS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...