1. Spirit Fanfics >
  2. The Dance Love- Dramione >
  3. Capítulo 9 - Halloween Part3

História The Dance Love- Dramione - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Acho que me empolguei um pouquinho.
Tive que dividir este capítulo. Me esqueci de acrescentar a outros capítulos, mas eu odeio capítulos pequenos.
Espero que gostem
Boa Leitura.

Capítulo 9 - Capítulo 9 - Halloween Part3


Fanfic / Fanfiction The Dance Love- Dramione - Capítulo 9 - Capítulo 9 - Halloween Part3

31 de Outubro

Londres, Inglaterra

Halloween

     Draco parecia estar nas nuvens, a sensação daquele pequeno corpo de baixo do seu, era tão satisfatório, o toque era correspondido por arrepios. Seus pensamentos eram impuros quando se tratava de Hermione Granger. Os beijos iam cessando, até que Draco se separou de Hermione, com muita dificuldade.
A mulher de baixo dele, tinha a respiração rápida, estava corada, os lábios inchados, seu corpo clamava por ela, desejava ela. A bebida ainda estava em seu sangue, ele queria continuar, desejava ir até o fim.
Mas Hermione parece ser tão pura, já tinha a certeza que ela jamais teria tido algo com alguém, aquela pureza era única dela.
Draco sentou no chão, puxando Hermione consigo, ele estava com as pernas abertas, dando espaço para Hermione ficar frente a ele.
- O que houve?- perguntou Hermione meio embriagada. Draco sorriu de canto, acariciou os longos cabelos castanhos dourado da menina e o cheirou. Hermione riu baixinho com o ato. - Você não me quer ?
- Quero, Mione ! Quero muito!- gemeu olhando Hermione na mesma posição que ele, estava tão fácil, era só por aquela maldita calcinha para o lado e rasgar a meia que já teria o alívio. Draco balançou a cabeça controlando-se e ignorando os pensamentos maliciosos. - Você está bêbada, tenho certeza de que vai se arrepender de ter sua primeira vez comigo e no meu escritório de trabalho.
- Tem razão. - concordou Hermione, Draco sentiu o peito murchar, esperava que ela negasse, mas então, ela continuou- Tem razão em eu não querer minha primeira vez em um escritório, mas eu não me arrependeria se fosse com você.
Draco olhou para ela um pouco mais satisfeito, ele tinha certeza de que ela queria algo mais especial, sabia que ela tinha que receber o melhor dele. Mas Hermione continuou a falar.
- Mas...- limpou a garganta se ajeitando, ficando de joelhos, deixando seu tronco inclinado aproximando mais o rosto de Draco ao teu. O loiro engoliu em seco, tentando manter todo o teu auto controle. - Eu sei que, não existe uma primeira vez perfeita, não sonho em ter minha primeira vez com velas e pétalas de rosas, é um sonho tão fútil, até para mim, mesmo não conhecendo nada sobre esse tipo de intimidade.
- O que quer dizer com isso ?- perguntou Draco gaguejando.
- Eu quero que meu corpo diga o que devo fazer ! E ele diz para continuar. - a sinceridade de Hermione era tanta, que provavelmente Hermione falaria sobre seus desejos mais profundo se permitisse. Draco prendeu a respiração. Ela estava dizendo para continuar.
- Não sei se tenho tanto alto controle, Hermione. E se você não quiser continuar e eu...
- Eu tenho certeza que vou querer continuar. - Hermione garantiu. Mas Draco ainda não parecia convencido. Hermione se aproximou mais e o beijou. Draco permaneceu em seu alto controle, então, uma ideia lhe surgiu. Draco a posicionou em seu colo, ajeitou seu membro de modo que o volume pudesse fazer contato com a intimidade de Hermione. Draco beijou o pescoço de Hermione e sentou Hermione em cima de seu membro, aproximou-se  de seu ouvido.
- Siga os movimentos de minha mão. - Hermione se arrepiou. Hermione o fez, a sensação do roçar do pênis de Draco era tão bom e extremamente excitante para ambos se praticado corretamente. Draco acelerou os movimentos com as mãos, um movimento forte apenas. Hermione podia sentir seu corpo comandar,  seu cérebro desligou da vergonha, e seus quadris tomaram conta própria de suas ações indo pra frente e para trás freneticamente. Hermione achava fácil, aquilo parecia uma dança, apenas com seu quadril se movendo. Draco gemeu baixo em seu ouvido, estava enlouquecendo com aquela mulher vestida de diaba em seu colo, rebolando como um perfeito Succubus, Draco apertou a bunda de Hermione intensificado os movimentos da menina que sentiu uma onde forte lhe invadir, um tremor na perna e quadril, um arrepio vindo da ponta de seus pé até o último fio de cabelo. Draco suspirou ao ver o grito que Hermione deu ao ver o primeiro orgasmo de Hermione. O loiro ainda não tinha chegado lá, a deitou vendo a menina ficar mole no chão, sorriu com o feito,  subindo novamente na menina, voltando a se esfregar na castanha que continuou a gemer e a dar pequeno saltos quando quando encostava em seu clitóris por conta da sensibilidade. Draco segurou as nádegas de Hermione empurrando seu corpo para mais perto de seu membro, movimentando mais rápido, até que um gemido forte saiu de sua garganta, o loiro liberou todo seu prazer. Mas como desejava que tivesse sido dentro daquela castanha. Draco deitou no peito de Hermione, ambos tinham a respiração ofegante.
Nunca tinha feito nada daquilo, foi novo para ambos, era mais provocativo, por não poder fazer algo a mais, mas ele não queria assustar a menina. Olhou para o relógio em seu pulso, eram sete da manhã. Ficaram bebendo por horas e sequer perceberam a hora passar. Hermione estava dormindo no chão, Draco sorriu, deveria estar cansada, o primeiro orgasmo era sempre o mais intenso, o corpo nunca está preparando para tantas sensações e quando explodia e liberava aquela excitação, parecia que todos os problemas tinham acabado, o cansaço você não podia controlar. Draco se levantou com dificuldade, a bebida já não fazia efeito, mas sabia que se dormisse, ia acordar de ressaca, mas precisava descansar para a noite de festa que teria naquela noite, era Halloween, e como não iriam caçar doces, eles iriam comemorar a vitória.
Draco pega Hermione nos braços e a leve para o carro, após verificar que a boate estivesse vazia e fechada, Draco voltou para o carro e foi para casa. A Mansão estava silenciosa. Como Astória deixava tudo mais barulhento enquanto Hermione apenas sossegava sua vida. Draco a colocou em sua cama, a admirando logo em seguida. Ele precisava se limpar, estava melado e fedendo ao seu próprio gozo.
- Quem diria...Draco Malfoy gozou nas próprias calças por causa de uma garota. - murmurou para si mesmo, Draco caminhou até o banheiro, precisava de um banho.
Hermione acordou, a cabeça estava rodando, doía. Notou que não estava em seu quarto, a sensação da ressaca batia com força, olhou mais atenta ao quarto. Era escuro, o que fazia Hermione agradecer, era muito grande, bem maior que seu quarto, não reclamava, até agradecia ao Draco. O cheiro de pimenta e hortelã misturados, deu um frascor, aliviando a sensação de vômito.
- Hermione ?- uma voz lhe chamou, Draco saia do banho com uma toalha envolta da cintura. - Está tudo bem?
- Minha cabeça dói...Cristo, Draco põe uma camisa. - Hermione arfou ao ver aquele lindo peitoral de fora.
- Não reclamou a algumas horas atrás , Hermione- Draco brincou. Hermione gemeu lembrando do que tinha feito. Não sentiu vergonha, afinal, ela pediu, ela se permitiu levar pela sensação deliciosa e única.
- Obrigada.
- Pelo que, exatamente?- perguntou Draco sorrindo e de aproximando de Hermione.
- De tudo... por não...fazer aquilo comigo ...e me fazer sentir-me bem.- ela não falava as palavras certas, mas Draco conseguiu compreender, rindo de Hermione.
- Você é um doce, Hermione. - Draco alisou a bochecha de Hermione com o indicador. Hermione fechou os olhos com o toque. - Eu que tenho que lhe agradecer.
- Pelo que?-perguntou curiosa abrindo os olhos cautelosamente para olhar para aqueles belos olhos azuis.
- Me proporcionar prazer. - Hermione olhou Draco sem compreender. - Terminei com Astória.
- Sim, mas...Você e Astória..?- Hermione sequer conseguia pronunciar as palavras, Draco por um lado, não podia dizer se era por inocência ou por não conhecer.
-A muito tempo que não temos nada. Astória mudou, deixou a pequena fama subir a cabeça dela. - Draco confessou. - Eu..nunca tive tanto alto controle na vida e nem sei te dizer como isto é bom.
Draco sorriu e deitou na cama, esticando os braços. Hermione suspirou. Tinha que admitir, foi bom, uma experiência para ambos. Draco tinha aquele sexo estranho com Astória, era sempre rápido, com poucas preliminares, poucos beijos, poucos toques, só buscavam alívio, e já fazia quase dois anos que não tocavam um no outro.
Draco chegou a pensar que Astória estava o traindo, mesmo sabendo que não tinha sentimentos mais pela loira, decidiu pedi-la em casamento, para tentar levar a relação para frente, mas de nada adiantou. Astória só ficou mais fútil e vazia.
Draco viu em Hermione, uma mulher doce, inocente, amiga, o loiro se sentia a vontade com a castanha, sentia que podia contar todos os seus problemas para ela. E foi exatamente o que ele fez, para distrair a ressaca que viria caso acabasse dormindo, começou a contar sua história,  do seu sonho, de onde Draco e Harry tiraram a idéia da boate.
Hermione conheceu um lado de Harry Potter e Draco Malfoy.
Amizades
Traições
Inimigos.
Hermione agora se sentia parte daquele grupo.
Harry Potter
Pansy Parkinson
e Draco Malfoy.
O loiro queria arrancar um pouco do passado de Hermione,  para fingir que tinha descoberto enfim,  que Harry e Hermione tinham uma pequena ligação.
...
- Hermione é irmã da Lily ?- perguntou Pansy quase gritando.
- Shiu- Harry pois o dedo indicador nos lábios de Pansy.
Harry e Pansy voltaram para a casa depois da pequena rapidinha no escritório, passando para pegar Lily na casa da empregada que estaria de folga da casa deles, mas sempre fazia questão de cuidar da pequena Lily de dez anos. Harry estava no quarto trocando de roupa, e Pansy estava no banho, que saiu logo em seguida após ouvir a revelação, saindo e ficando totalmente nua do banheiro. Agora estava os dois um de frente para o outro com o mesmo olhar chocado.
- Draco que juntou as peças.
- E por que decidiu me contar seu passado agora, Harry?- perguntou Pansy magoada.
- Eu tinha vergonha e confusão com meu passado. Estou lhe contando o que sei. - respondeu sincero. Odiava o fato de sua mãe ter sido uma prostituta, por conta da tentativa de aborto, causou problemas sérios em Lily, a menina tinha autismo e problemas de respiração.  Quando Lilian percebeu que não conseguiria realmente abortar, parou com os medicamentos e abriu a conversa com Harry, ocultando sua profissão.
Harry amava sua irmã, mas odiava o fato de sua mãe ter feito o que fez a um ser inocente. Pansy tentava assimilar tudo, até riu em saber como a vida era perfeita, trazendo Hermione de uma situação tão delicada e complicada para perto deles sem nem saber que tinha uma meia irmão.
- Eu senti que Hermione e eu tínhamos alguma ligação, Lily parece com ela.- confessou Harry para Pansy que soltou um micro sorriso.
- Talvez seja por isso que eu tenha me afeiçoado a ela de uma forma inexplicável. - confessou Pansy. A morena abraçou Harry puxando-o para mais perto de si. - Temos que contar a ela, Harry.
- Não podemos, nós...ainda não a conhecemos, quero que ela venha até mim e fale. Eu e Draco concordamos.
- Você espera que ela faça o que exatamente ?- perguntou Pansy se afastando um pouco mais de Harry. - Se vocês não perceberam, contrataram uma menina que não tinha CPF, Identidade ou qualquer registro. Ruby Rose chamou a nós duas para dançar pelo país com grandes influências pops,  como Hermione vai poder dançar, se nem registro direito tem a Hermione?
Harry parou imediatamente. Pansy estava certa, o plano demoraria vários anos se fosse com Hermione, a castanha era cabeça dura e irritante, não falaria sobre sua vida pessoal, seu passado, ou sobre os seus sentimentos englobando tudo isso. Pegou o celular, digitando uma mensagem de texto para Draco.
...
Hermione tinha acabado de sair do quarto. Estava exausta ainda, decidiu por fim tomar um banho, tirar aquela fantasia, pensando no que usaria a noite. A festa também seria a fantasia. Eles iriam curtir o início da noite de Halloween na boate Slydor, para a partir da meia noite, ir para uma outra boate. Precisava de alguma roupa e uma ideia de Pansy.
Draco no quarto, conversava com Harry, não entendia como alguém podia ter mudado de ideia tão rápido. Mas Harry estava certo. Hermione seria conhecida como uma dançarina. Draco decidiu dormir um pouco, afinal, eles sairiam apenas a noite. Depois iria resolver a história de Hermione com Harry.
Hermione tomou um banho aproveitando o tempo na banheira, estava sentindo a cabeça latejar, mas o sono pesava, e acabou por dormir na banheira. Acordando logo em seguida com o toque de um celular. Hermione franziu o cenho. Hermione pegou a toalha e viu Pansy Parkinson deitada em sua cama com um celular azulado em suas mãos.
- Draco disse que sua cor favorita é azul - murmurou Pansy sorrindo. - Te comprei um celular para te manter em contato conosco, principalmente agora que vamos trabalhar com grandes nomes da música pop. Não está animada ?- Pansy soltou tudo quando viu Hermione entrar no quarto. Hermione sorriu nervosa. - Vamos começar na terça feira.
- Por quanto tempo?- perguntou Hermione em um fio de voz.
- Um ano e meio Hermione. - murmurou Pansy. - Eu também estou com medo, um ano e meio ao lado de Ruby Rose,  é desesperador, não acha ? - Hermione concordou abraçando seus braços.- Vai da tudo certo, depois de um ano e meio, voltaremos para casa. E poderemos ajudar os meninos.
Hermione sorriu, adorava Harry e Draco, não conseguia mais se ver caminhando sem estar ao lado deles. Pansy comentou sobre sua documentação, mas como não existia, precisou de uma mão. Hermione passou seu nome e sobrenome para um papel, contando os nomes de seus pais apenas, o resto era com Pansy, mas que só seria feito na segunda-feira,  para que na terça-feira, ambas pudessem viajar sem turbulência.
-Venha, vou te fazer algo para ressaca e mais tarde, vai se arrumar para sairmos, vamos resolver toda a documentação amanhã, certo ?- perguntou Pansy a Hermione que concordou tudo em silêncio e seguiu Pansy até a cozinha da mansão.

...
Astória sentia que sua cabeça ia explodir de tanto barulho que o vizinho fazia, a sensação de vômito tomou conta de seu corpo ao sentir o gosto de vodka da noite, lembrou -se como estava entristecida com o término com Draco. Mas se orgulhava por não sentir raiva de Hermione.
Hermione mostrou ser uma menina doce, pura, amorosa e sem um pingo de maldade em suas atitudes o canalha foi Draco e a burra fora ela.
Espichou-se, sentindo um corpo ao seu lado, o pulo foi rápido. Sufocou um grito ao ver Ruby Rose nua em sua cama. A mulher estava com os seios expostos, um braço estava sob sua cabeça enquanto o outro estava por debaixo do travesseiro de Astória.
A loira buscou em sua mente ainda sobre o efeito do álcool o que poderia ter acontecido. Ruby ofereceu um ombro amigo, ouviu todas as suas mancadas com Draco, todo o seu desinteresse pela Slydor, dando total certeza a Ruby que tinha feito a coisa certa em aceitar em ajudar Slydor a ser uma Academia e não uma boate.
Lembrou do beijo.
Astória tremeu, nunca na vida tinha beijado uma mulher, e na primeira vez, tinha transado com ela ? As lembranças após o beijo, vieram como um flash, um sexo estranho e diferente. Astória foi sincera em nunca ter tocado em uma mulher, risonha com o efeito do álcool, e soltinha e a vontade para provar de sua fruta.
Ruby não era uma lésbica que queria ser mulher, ela queria ser homem, as atitudes na cama, foram parecidos como se estivesse com um homem.
Um homem com seios. - Pensou Astória com um pensamento risonho. - Até que foi gostoso, ela soube me dar prazer.
Ruby sabia do que gostava, e imaginava onde a mulher que estava, gostaria de ser tocada, Astória só ficava satisfeita assim, quando abriu oportunidade para um sexo mais longo com Draco, mas nós últimos anos estava tão entediada que se permitiu esquecer do sexo. Do verdadeiro sexo.
Levantou lentamente, caminhando até o banheiro,  estava precisando de uma ducha gelada. Ligou o chuveiro e rapidamente se enfiou de baixo da água quente, estava trêmula por ter dormido nua. Detestava não ter nada em seu corpo.
Sentiu um corpo atrás de si, um corpo alto e magro. Fechou os olhos, era Ruby. Astória se virou, criando coragem em acreditar que realmente tinha transado com uma mulher e que tinha gostado e simplesmente queria repetir aquela maldita dose.
-Soube que vai ter uma festa na Slydor, para comemorar. - Ruby comentou com um sorriso de canto ao ver Astória sem graça.
- Não quero ir. -respondeu apenas, deixando a água cair em seu rosto. Ruby puxou sua cintura invertendo a posição, jogando Astória para o outro lado do box que não tinha chuveiro. Ruby deixou a água cair com tudo sobre seu rosto.
- Não quer ver o Malfoy ?- perguntou Ruby ajeitando os cabelos na água para novamente se aproximar de Astória que assentiu com a pergunta. - Relaxa. Pelo que me disse ontem, foi até bom terminarem.
- Eu sei, mas eu ..não queria ser trocada, Rose. - resmungou Astória sem graça em estar comentando aquilo com uma total desconhecida, mas estranhamente confiava nela.
- Compreendo, Greengrass, eu já fui trocado também!- afirmou Ruby. Astória pegou seu shampoo colocando um pingado em sua mãe, Ruby esticou sua mão, Astoria sorriu e coloco um pouco do shampo na mão da mulher.-Depois que me tornei empresário, a menina decidiu correr atrás de mim.
- Por que se refere a si mesmo no masculino ?- perguntou Astória curiosa. Ruby sorriu.
- Estou criando coragem para ser um homem trans, não é uma decisão fácil, tenho 28 anos, passei quase que toda minha vida pensando em ser homem, agora que posso, estou praticando para ver se eu realmente quero isso.- Ruby esfregou o conteudo em seu xabelo.
- Você foi másculo comigo ontem !- respondeu Astória sem pensar, fazendo o mesmo que Ruby que ja tirava o conteúdo do cabelo, loira podia sentir que tinha um pouco de álcool em seu sangue. Ruby riu.
- Lembra de ontem ?- perguntou sedutora. - Que bom!Lembro de cada detalhe.
Ruby se aproximou mais tirando um pouco do shampoo do seu cabelo e voltando Astória para o lado do chuveiro só que de costas para ela. A loira fechou os olhos, o que estava sentindo? Desejo por uma mulher? Ela pouco estava se importando, principalmente quando olhava para aqueles lindos olhos azuis. Ruby tirou todo o conteúdo dos cabelos loiros de Astória. Ruby sorriu beijando suas costas. Astória suspirou com o contato frio dos lábios de Ruby em sua coluna.
-Percebi que gostava quando eu fazia isso. - murmurou. Astória relatava com seu eu interior o que estava pensando em fazer, perdendo totalmente os sentidos.
- Foda-se - murmurou virando para Ruby e a beijou fervorosamente. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...