1. Spirit Fanfics >
  2. The Dancer >
  3. Pedido de desculpas

História The Dancer - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Voltei! boa leitura <3

Capítulo 10 - Pedido de desculpas


POV EMMA



A claridade entrava janela e junto dela vinha a corrente de ar matinal. Abri os olhos preguiçosamente e alcancei o celular pra verificar o horário. Era cedo, na verdade era cedo até demais, 7:15am, e eu me lembrei de como minha mãe amava se levantar cedo pra fazer ioga para depois ir para seu consultório às 8am.



Espreguicei e me levantei para ir fazer minha rotina matinal. Primeiro me banhei, em segundo eu vesti umas jeans justas, regata branca, jaqueta vermelha, nos pés minha bota de cano alto e meu cabelo solto com ondulações nas pontas. Desci para a cozinha e preparei meu café da manhã, chocolate quente com creme e canela acompanhado de roscas e torradas. Sentei e ao mesmo tempo que degustava da comida eu respondia às mensagens de Ruby.



CHAT ON



Ruby {5:30pm}: Vou direta o ponto. Você e Regina precisam se resolver, não tem mais quinze anos pra fugir dos assuntos sérios. 



Ruby {5:31pm}: Se eu sei que alguma de vocês desistiu de resolver isso eu acabo com vocês! Não estou pra brincadeiras, chega de joguinhos, de artimanhas e de desculpas esfarrapadas. Chega de mentiras, de omissões, truques ou qualquer outra coisa.



Ruby {5:34pm}: Regina errou feio com você, tanto esse mês tanto quanto antes, mas sejamos sinceras que você também errou. Eu entendo seu lado, de verdade, eu entendo! Não é fácil descobrirmos uma mentira muito menos quando essa mentira foi escondida durante tanto tempo.



Ruby {5:35}: Espero que aceite se encontrar com Regina, espero que fiquem bem. Fica bem cisne, te amo <3



Emma {7:50am}: Bom dia, desculpa não ter respondido ontem loba. O dia foi corrido e eu cheguei cansada.



Emma {7:51am}: Eu aceitei sim ir, obrigada por ter compreendido meu lado. Nos vemos depois vou pra delegacia, te amo loba <3



CHAT OFF



Botei a loiça suja na banca pra depois lavar e me despedi de dona Ingrid que estava se preparando pra sair. Entrei no carro e dirigi até à delegacia. Como sempre faço antes de ir diretamente, eu fiz uma curta rota pela cidade pra verificar se estava tudo certo e somente depois disso segui pra delegacia.



Nesses últimos dias não tem ocorrido nada de mais, só umas multas por aí ou pequenos roubos de supermercado estilo criança de catorze anos. Acho que a ultima vez que teve algo mais sério foi no shopping. Duas lojas estavam simultaneamente em assalto e foi preciso chamar reforços, no final deu tudo certo, mas foi preciso várias estratégias. 



Cheguei na delegacia e cumprimentei meus colegas, cheguei em minha sala e me sentei apoiando as pernas sob a mesa. Estou agindo como se estivesse em casa? Sim. Alguém se importa? Não, essa é a minha sala mesmo. 



Hoje vai ser o dia em que eu e Regina vamos sentar e conversar e para ser sincera eu nem sei o que pensar dessa situação. Tanto pode dar certo e acabar bem como pode dar errado e terminar tudo pior do que já está. A gente errou, as duas errámos. Tanto ela por mentir, tanto eu por deixar a mentira rolar. Podemos voltar atrás? Não, o que está feito, está feito. Agora só podemos resolver isso na base de uma conversa.



Peguei meu celular e enviei mensagem de texto pra ela.



CHAT ON



Emma {9am}: Bom dia Regina. Como você está? Tudo confirmado pra hoje?



CHAT OFF



Enquanto ela não respondia, levantei e fui ver se alguém precisava da minha ajuda pra algo útil. Graham, meu superior, estava com um caso importante em mãos e ninguém da delegacia sabia sobre o que era. A única coisa que ele tinha dito foi "Esse caso é meu e apenas meu. Não vou contar mais detalhes pra não me arriscar a ficar dois passos atrás" , ninguém insistiu ou se atreveu a perguntar. Parecia ser um caso de extrema importância e isso só alimentava mais minha curiosidade. Foi preciso eu me convencer que não era nada comigo, no entanto, agora, ao passar pela porta de seu escritório e ouvir o nome de Henry a curiosidade só aumentou.



Seria possível ser o mesmo Henry que eu estava pensando?



Decidi voltar à minha sala e tentar não pensar muito sobre isso, afinal, o caso era de Graham e não cabia a mim saber a quem ele estava se referindo. Olhei meu celular e Mills já tinha confirmado.



CHAT ON



Regina {9:15am}: Sim, te encontro naquela sorveteria na hora de almoço.



Emma {9:30am}: Combinado, até.



Regina {9:32am}: Até Swan.



CHAT OFF



Peguei uns arquivos e comecei por os organizar em pastas. Isso me ocupou boa parte do tempo, saí da minha sala apenas porque me chamaram pra fazer as rotas pela cidade e pra algum questão sobre outros arquivos. Quando deu 12:30pm, eu sai da delegacia e segui caminho para a sorveteria. Não me surpreendi ao a ver me esperando, algo que Regina Mills não suporta é atrasos.



- Oi Regina.



- Oi Swan - nos sentamos - vou ser direta, não pretendo demorar muito.



- Tudo bem. Quer começar ou eu posso começar?



- Se for tudo bem pra você, eu começo.



- Tudo bem, esteja à vontade.



- Você está certa em ter toda essa raiva de mim, você tem todo esse direito, se fosse ao contrário eu também não ia gostar que mentissem pra mim.....- interrompo.



- Então, finalmente você em entende.



- Deixe eu terminar e não me interrompa - pede - Seu caso é diferente, você sabia da verdade, como sempre sabe e ainda assim você preferiu ficar calada, sem se expressar, sem dizer nada nem pra ninguém. Você preferiu me confrontar quando as coisas apertaram, pra meu lado. Qual era a intenção? Esperar até eu ficar em uma cena apertada e me confrontar ou simplesmente não contar nada? Me responde!



- Respondendo a suas perguntas, minha intenção era aguentar até você desistir de continuar essa mentira. Planejava ver até quando você aguentaria ser alguém que você não era realmente. Tenho que ser sincera, odiei não ter confrontado mais cedo, mas eu não esperava passar um mês e você ainda me mentindo. Quando você planejava contar pra mim? Quando você planejava ser sincera? - pergunto e ela se remexe na cadeira. Estava desconfortável.



- Eu planejava contar quando eu achasse ser a hora certa. 



Ou esperava ter coragem?



- Eu tinha coragem! 



- Então pra que essa mentira? Pra que se apresentar como Roni? Apresentar sua irmã como Kelly!



- Foi um ato de impulso, eu acho que senti medo. Medo de você me odiar pelos meus erros no passado, quando eu disse que meu nome era Roni eu vi uma oportunidade. De inicio pensei que não fosse mais te ver, entende? Mas quando me toquei que não seria assim, eu deixei a mentira rolar, eu vi que talvez aí eu pudesse ser sua amiga, pensei que você fosse me aceitar, você aceitou. Eu sabia que era errado, porém estava feliz. Zelena e Cora deram na minha cabeça pra te contar da verdade



- Sua mãe mentiu sobre seu nome.



- Ela fez isso por mim, porque ela sempre me pressionou pra ser sincera com você antes de da merda.



- E porque não o fez? - pergunto.



- Porque eu tinha medo de sua reação, medo que você fosse me xingar, voltasse pra Storybrooke, sei lá, tanta coisa Emma.



- Se você contasse pra mim eu ia ficar brava, e talvez demorasse mas eu ia te entender. Descobrir sozinha é pior, você podia ter contado.



- Como assim descobrir sozinha? - sua cara mostrava, especificamente, o estado de choque e surpresa com que ela estava - você descobriu sozinha? Como? Eu sou tão ruim a mentir? 



- Um pouco, mas eu descobri desde que te vi. Desde aquele assalto. 



- Como?! - franziu o cenho - me explica!



- Você pode ter crescido, você pode ter cortado seu cabelo, ganhado mais corpo, usar roupas mais femininas, mas eu nunca ia esquecer de você. Não ia esquecer do seu rosto, da sua boca, do seu olhar castanho cor de chocolate - inclino sobre a mesa e levo meu dedo em sua cicatriz - e eu nunca ia esquecer dessa cicatriz. Pra não referir que seria muito estranho Roni ou Renata ter uma irmã ruiva de olhos azuis e uma melhor amiga com o nome de Kristin, loira - explico.



- Então você soube mesmo desde o inicio - baixou a cabeça - quando você teve mesmo a certeza que era eu?



- No próprio dia que eu desconfiei.



- Isso é impossível, era preciso ser um génio - riu desacreditada.



- Você deu pra mim suco de morango. 



- Qualquer pessoa podia dar.



- Regina, em todas as vezes que eu peço "qualquer coisa" pra beber ou é café, ou é suco de laranja ou de maracujá. E você deu morango, o meu favorito.



- Tá, já deu pra entender.



Voltou a olhar pra mim e se recompôs, apoiou os cotovelos na mesa e juntou as mãos.



- Como você sempre descobre das coisas? Você descobriu de meu rolo com Kristin, descobriu tanta coisa. Descobriu até quando eu estava planejando montar minha sala de dança em casa, descobriu sempre que eu tentava fazer algo escondido.



- Eu não descobria sozinha. Sobre sua sala de dança, sua mãe comentou comigo, e você quando era mais jovem era péssima mentirosa quando era pra falar cara-a-cara.



- E sobre o rolo entre mim e Kristin? - questiona e eu, pela primeira vez naquela conversa, desvio o olhar do seu - Swan?



- Foi mais complicado. Na verdade nem foi preciso perguntar ou suspeitar, vieram contar pra mim. Tinham o seu ponto e souberam usar, quase deu certo.



- Quem contou? - pergunta ajeitando sua posição - fale Swan!



- Pra você saber disso vai ter que descobrir outra coisa que aconteceu quando fui pra Storybrooke.



- Você está me assustando Swan, seja direta! - pede.



- Foi Lilith quem contou pra mim.



- A prima de Kristin?! - abre a boca e fecha várias vezes - O quê? Porque ela fez isso?



- Ela queria separar você de mim, ela te amava e ia fazer de tudo pra ficar com você. Por isso, quando ela viu que nem isso nos separou ela foi pra Storybrooke.



- Ela...isso é sério?! Como ela foi capaz disso?! 



- Como eu disse, ela te amava.



- E o que isso tem a ver com você em Storybrooke? O que aconteceu por lá? Fale comigo Swan!



- Uns anos depois que eu fui pra Storybrooke viver com minha tia, eu a encontrei por lá. Você sabe, cidade pequena e todo mundo se conhece - gesticulo - eu não sei como aconteceu, só aconteceu, percebe?



- Aconteceu o que?



- A gente ficou - fui direta e ela me encarou de boca aberta em um enorme "O" - foi coisa de momento. Ficamos algumas noite, nada de especial.



- Você ficou com a garota que quase nos fez separar. A garota doida e psicopata que tentou arruinar nossa relação!? - elevou seu som e se levantou saindo da sorveteria - eu não acredito nisso Emma Swan, não acredito!



- Aconteceu à muito tempo atrás, eu tinha vinte anos, já não rola nada entre a gente faz tempo e além disso, não é como se você se importasse - respondo ao segui-la.



- Como se eu não me importasse? Você tem noção do que disse Emma? Você ficou com a garota que ten...



- Que tentou algo muitos anos antes! Não tem porque você ficar assim, eu fiquei com ela quinze anos atrás! - elevou meu som também.



- E você ficou do mesmo jeito quando soube sobre eu e Kristin! - acusa.



- É diferente! Vocês tinham ficado dois anos antes da gente namorar e você nem contou pra mim.



- Fui até sua casa pra contar! 



- E eu contei pra você! Eu fui sincera, pra que essa birra!? É como se você não tivesse seguido com sua vida!



- O que você quer dizer com isso!? 



- No jogo do eu nunca, perguntaram se não tínhamos ficado com outro alguém e tanto eu como você bebemos o shot! - exponho os factos.



- Você não sabe se eu falei a verdade!



- E porque você ia mentir?



- Não sei!



- É difícil de acreditar nisso. Você, claramente, seguiu em frente.



- Como você tem tanta certeza? 



- Não tinha porque você mentir Regina - tento encerrar o assunto e começo a seguir caminho para o carro.



- Não me de as costas Swan!



- Eu preciso voltar ao trabalho Mills, você também.



- Swan! - ouço seus passos atrás de mim - Swan, me ouça!



- A conversa terminou Mills - digo mais calma - já falamos sobre nossos assuntos.



- Não! Eu ainda não terminei! - o som de seus passos acaba e sinto ela me virar.


- O que falta você dizer?



- Desculpa.



- Como? - pergunto querendo rir.



Regina Mills pedindo desculpa era algo raro. Ela tinha um orgulho enorme igual eu, então, se ela estava pedindo desculpa era sincero.



- Desculpa, por ter começado errado, por te fazer "acreditar" - faz aspas - numa mentira e por não ter tido coragem de ter sido sincera, não ter assumido minha verdadeira personalidade. Eu gostaria que continuássemos sendo amigas. Henry gosta muito de você e eu gostei desse vinculo que criamos.



- É claro que podemos continuar sendo amigas - sorrio - e, eu também te quero pedir desculpa. Não só por isso mas por sempre ter surtado, por qualquer coisa.



- Que "qualquer coisa" você está se referindo? - dá um passo em frente.



- Você sabe - respondo não querendo abordar muito sobre o assunto.



- Não sei, me diga.


- Regina....



- Fala logo Emma! - insiste.



- Ugh chata! - reviro os olhos - desculpa por ter surtado quando eu descobri de seu rolo de quando eu surtei e fugi ao te ver dançando pra Kris em nossa mesversário e por ter te xingado esses dias.



- Não sabia que a grande Emma Swan sabia pedir perdão - provoca.



- E eu não sabia que a grande Regina Mills sabia disso também - retribuo.



- Você ta perdoada - sorriu - e eu?



- Você está sim - sorri e recebi um alerta.


"Emma Swan precisamos de você no parque agora! Dois criminosos fugindo após tentativa de homicídio"



- Eu preciso de ir agora.



- O que aconteceu? - pergunta assustada, provavelmente escutou.



- Dois criminosos fugiram eu preciso ir agora Regina.



- Você tá doida? Você nem está equipada! - segura meu pulso.



- Não há tempo pra isso agora! - solto de sua mão e corro até meu carro - Regina!



Elevo meu som ao ver que ela está na frente do carro.



- Me leva com você, eu não vou ficar tranquila se não souber como você vai ficar depois!



- Regina é perigoso pra você! - aviso - eu não quero que você se machuque!



- E eu não quero o mesmo com você! - espalma as mãos no capo.



Bufei. Quando queria, ela sabia ser bem exigente e convincente.



- Entra no carro, mas você não vai sair segundo algum! - ordeno firmemente.



- Certo chefe - entra no carro e coloca o cinto.



Liguei e seguimos com máxima velocidade até ao parque. Ao chegar avistei Killian, August e Jefferson cercando o parque. Olhei em volta e observei cada saída e entrada, ao ver que tinha mais duas saídas possíveis comuniquei com Jefferson.



- Jefferson cubra essa entrada e mande Killian pra a saída do sul do parque e August para a saída este. Eu vou pra saída norte junto de você.



Saí do carro, mas antes olhei pra Regina.



- Não saia daqui, se algo de ruim acontecer com você eu nunca vou me perdoar - fiz um carinho em sua bochecha e corri até August.



POV REGINA



Já fazia muito tempo que Emma tinha saído do carro. Eram agora 4pm e eu estava bastante preocupada com o que podia estar acontecendo lá fora. Eu me aguentei muito pra não sair, mas só de pensar que podia estar tudo dando errado, não me aguentei e saí.



Eu lembrava que Emma disse que ia para o portão norte do parque, o principal. Não hesitei e sai correndo pra lá, o parque estava praticamente vazio e não tinha sinal de ninguém. Continuei o caminho para o portão do norte e foi possível ver o que estava acontecendo.



Aparentemente, Killian e August tiveram que voltar para essa entrada pois estavam em uma cilada. Não eram dois e sim três homens. Não fazia muita diferença se eles não estivessem com o revolver direcionado na cabeça de cada um dos agentes. Emma tentava  controlar a cena mas estava difícil.



 Tudo piorou quando ela me avistou. 



Corri até ela mesmo ela me repreendendo com o olhar e fiquei de frente com os bandidos.



- Eu ordenei que você ficasse no carro Regina!



- Sim, e? Você estava demorando! 



- Quem é essa? 


- Ninguém que interesse pra você! Soltem os delegados e não se atrevam a usar nenhum esquema - ela ordenou.



Vi um deles sussurrar alguma coisa e me aproximei mais do corpo de Emma. EU estava com medo, às vezes é bom obedecer.



- Tá bom, nos rendemos - empurraram Killian e August e os mesmos os agarraram.



O terceiro homem, ainda apreensivo soltou Jefferson, fazendo com que o mesmo o algemasse. 



- Vocês realmente pensaram que seria fácil assim? - escutamos uma voz atrás da gente e avistamos um quarto homem de arma posicionada pra Emma.



Nossa, não pode nem ter um segundo se alivio?


- Ai parceiro seus colegas já foram, se entregue - Emma disse.



- Não, não - negou - porque você trouxe a dançarina??



- Ela apareceu não era pra estar aqui. Ei! Esse não é o ponto!



- Se não era pra estar aqui, pode não estar mais - mirou a arma pra mim e eu me senti nervosa.



Na próxima, Regina, fica no carro!



- Baixe a arma ou vai se arrepender - mirou a sua nele.



Killian, Jefferson e August levaram os outros algemados para o carro e somente Jefferson voltou mirando sua arma para o criminoso.



- Vou sair a perder mas vai valer a pena - não deu nem tempo pra assimilar a frase e eu senti algo em meu ombro.



De seguida, Jefferson e Swan atiraram nele acertando, ambos, em seu pescoço. Ele estava morto.  Meu ombro estava doendo bastante e eu me deixei cair de joelhos no chão.



- Regina - Jefferson correu até mim e me segurou - ela precisa de ir pra o hospital!



- Droga! - Swan esbraveja e vem até mim - eu cuido dela. Pode ir, avise os outros eu fui para o hospital com essa espertinha.



Passou meu braço por seu pescoço e me ajudou a levantar.



- Isso tá doendo? - perguntou.


- Muito - faço careta.



- Droga Regina! - fecho os olhos pela dor e sinto ela me pegar.





***





Eu já estava no hospital, os médicos já tinham feito tudo o que era preciso e eu estava bem, foi apenas de lado e eu ia ficar bem. Estava deitada na cama e observava Emma no lado de fora do quarto falando com a médica.



Ela me olhou e eu desviei. Era notável que ela estava brava e com razão. Ouvi a porta se abrir.



- Pode olhar pra mim - disse - como você está se sentindo?



- Um pouco de dor mas vai passar - sorrio fraco.



O silencio se instaurou e o clima tenso também. Emma sentou na cadeira que tinha do lado e baixou a cabeça. Estava se sentindo culpada.



- Desculpa eu ter saído do carro.



- Não era pra você ter saído! Você viu o que te aconteceu? Imagina que acontecia algo mais grave? 



- Eu fiquei preocupada com você Swan! - me defendo.



- E olha onde isso te levou! - revira os olhos - na próxima vez, por favor, siga minhas ordens! 



- Tá bom - brinco com as minhas mãos - você está brava comigo?



- Estou.



- Muito brava? - sinto meus olhos arder das lágrimas.



- Não tanto, só não volte a fazer isso Regina - olhou pra mim e segurou minha mãos, olhou em meus olhos e ergueu meu queixo - eu fiquei preocupada com você, de verdade.



- Fui ignorante, desculpa.



- Só quero que você fique bem, okay?



- Uhum - fungo e seco as lágrimas - fica comigo aqui? 



- Pode ser - sorrio - chega pra lá - pediu e o fiz.



Se deitou do meu lado e eu me aconcheguei em seu corpo. Dei um beijo na sua bochecha e a ouvi rir.



- Que foi? - arqueio a sobrancelha.



- Foi exatamente assim que ficamos quando eu soube que você ficou com Kristin.



Olhei nossos posições e confirmei.



- Foram bons tempos - comento.



- Foram sim.



Notas Finais


Demorei mas voltei!! Como vocês estão??

twitter: sswenxx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...