História The Dark Side Of Red - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias One Direction, Taylor Marie Hill, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags One Direction, Taylor Hill, Zayn Malik
Visualizações 117
Palavras 4.278
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oi oi

Demorei porque eu estou muito ocupada com a minha faculdade, tipo muito mesmo, mas consegui uma brecha agora! Então mil perdões, meus amores!

Boa leitura :)

Capítulo 27 - Vestido vermelho


Fanfic / Fanfiction The Dark Side Of Red - Capítulo 27 - Vestido vermelho

*Summer* 

 

— Meu Deus, eu ainda não acredito! — O sorriso no meu rosto se recusava a sair dali tão cedo enquanto eu encarava aquele anel, a única coisa que me fazia acreditar que aquilo não foi um sonho, com os meus olhos brilhando. 

 

— Nos deixa ver! — Phoebe gritou, me obrigando a parar no meio do caminho, nos bastidores atrás das cortinas apenas para poder analisar a pedra gigante colada no anel de ouro branco em minha mão. Várias modelos se acumularam ao redor da minha mão, assim como Phoebe, e seus olhos brilhavam ao olhar para a joia. Pareciam que estavam vendo um milagre aconteceu. 

 

Bem, Zayn Malik casar um dia até para mim parecia milagre. A mídia sim deve estar enlouquecendo para postar em tudo que é lugar que o solteiro mais cobiçado do mundo já tinha dona, e essa dona é uma das modelos mais relevantes da Red atualmente. 

 

Wow! 

 

— Meu Deus, olha o tamanho nessa pedra! Deve valer mais que o meu carro! — Ouvi a voz de uma das meninas ali e ri. 

 

— Está sendo modesta, né? Zayn Malik ganha o valor desse anel e muito mais a cada quinze minutos, Ally. — Anastasia, que também estava ali, analisando o meu anel, diz, mas então ergue o olhar para mim, e seus olhos grandes e azuis me julgam. — Vai ver é por isso mesmo que a Summer está com ele. 

 

Senti o meu sangue ferver em minhas veias em uma questão de segundos. Tinha certeza que de repente eu estava com uma carranca, não só eu como algumas das minhas amigas ali. 

 

Ela acabou de insinuar que eu estou com Zayn por dinheiro?! 

 

— Você não pode estar falando sério. — Foi tudo que eu consegui dizer depois de vasculhar todo o meu cérebro por uma resposta decente. 

 

— Ah, se toca, garota! — Sara não se controlou, fazendo uma careta, assim como Phoebe. 

 

— Como se Summer precisasse de dinheiro, Anastasia! — Laura também me defendeu. 

 

— Você só não quer admitir que ela é melhor que você em todos os sentidos possíveis! — Foi a vez de Josephine. Eu amava tanto as minhas amigas! 

 

— Quer mesmo que eu conte porquê, Summer? Na frente de todas essas meninas aqui? — Eu engoli em seco. Sabia que ela tinha uma carta na manga, mas não fazia ideia de qual era. Recebendo o meu silêncio, ela voltou a falar. — Meninas, vocês acreditam que Zayn Malik ainda paga o tratamento da doença que a Summer tem? Isso mesmo, ela tem lúpus!

 

Quando a maioria das modelos ali se viraram para mim, sentindo pena, eu senti o meu mundo girar e eu sabia que estava passando mal. O meu pior pesadelo estava acontecendo. Não, eu nunca espalhei para todos sobre a minha doença, mas não porque tenho vergonha dela como Anastasia acha que eu tenho, porque afinal, eu sobrevivi. Eu só não queria que eles sentissem pena, e é isso que está acontecendo justamente agora. 

 

— E você tem algum problema com isso, Anastasia? — Acordei de meu transe quando ouvi a voz de Zayn surgir por trás de todas elas, e só então percebi os meus olhos molhados. Droga, eu estava chorando! 

 

A loira se assustou com a presença do moreno e abriu a boca várias vezes para dizer algo, mas no fim gaguejou um monte. 

 

— N.não, não é isso, Zayn, é que...

 

— Pois pareceu. — Ele chegou mais perto dela, com um semblante sério e raivoso, e as garotas até se afastaram um pouco mais pelo desconforto que a situação causava. — Eu não quero ouvir nunca mais você se dirigindo à minha noiva desse jeito, Gregoriev. Ela merece respeito, ainda mais agora que está comigo, e eu não aceito que você ou qualquer outra pessoa fale assim com ela. — Vi a loira engolir em seco, olhando para baixo. — Estamos entendidos? 

 

— Sim, senhor. — Ela sussurrou.

 

Cada uma ali voltou para as suas funções, já que a Afterparty já tinha começado e nós precisávamos trocar de roupa e estarmos prontas em breve. 

 

— Você está bem? — Zayn perguntou enquanto andava em minha direção. 

 

— Ah, sim. — Eu menti, limpando os meus olhos molhados com as mãos. Eu não estava bem. 

 

— Por favor, não se sinta mal pelo que ela disse, princesa. — Zayn segurou o meu rosto com as duas mãos, olhando em meus olhos que pareciam não querer parar de derramar lágrimas pelas minhas bochechas. 

 

— Ela insinuou que eu estou com você por interesse, Zayn. — As palavras saíram baixas por causa do nó em minha garganta. — E se as pessoas acreditarem? E se...e se você acreditasse...

 

— Ei, ei, ei... — Ele me interrompeu. — Nós sabemos que é mentira. É isso que importa, não acha? — Um pequeno sorriso fofo nasceu em seu rosto e eu me senti um pouco melhor de repente, apenas por isso. — Eu te amo, futura senhora Malik. — Eu não aguentei e sorri pelas suas palavras, o que fez um sorriso maior ainda brotar no rosto do moreno. 

 

— Eu te amo. — Eu sussurrei, e era impressionante como dizer aquilo ainda fazia os olhos de Zayn brilharem. Seu olhar caiu de meus olhos para a minha boca, e como eu esperava, depois de poucos segundos ele estava me beijando, me renovando por inteira. — Eu preciso ir. — Continuei sussurrando, dessa vez por estar sem ar, e Zayn continuou sorrindo. 

 

— Vou te esperar lá fora, amor. — Eu assenti levemente e o assisti dar as costas para mim e sair. 

 

— O que está fazendo aí parada, Summer? Precisa estar pronta logo, você é a estrela da festa! — Não deu nem tempo de bufar direito e logo Sara já estava me puxando pelo braço até o meu camarim, o que me fez rir. 

 

— Só porque fui pedida em casamento? 

 

— Não, porque foi pedida em casamento por Zayn Malik. Isso faz uma diferença absurda. — Ela arregalou os olhos, dando ênfase na frase, e fechou a porta do meu camarim assim que entramos. Eu me senti no sofá, cansada, e ela logo foi atrás do vestido preto que eu usaria hoje à noite, sumindo pelo meu camarim. — Cadê o seu vestido, hein? 

 

— Eu sei lá. Deve estar aí. — Dei de ombros enquanto olhava as minhas unhas. O acontecimento com Anastasia havia abalado a minha animação um pouco, o que é péssimo já que eu deveria estar pulando de felicidade por ter sido pedida em casamento. Acredite, eu estou muito feliz, mas os olhares de pena que vi da maioria das modelos agora pouco escondia isso de mim. 

 

— Ele sumiu! — Ela voltou do camarim, frustrada, o que também me preocupou. 

 

— Você procurou direito? — Me levantei do sofá e fui procurar nos cabides em que ela estava segundos atrás. 

 

— É claro que procurei. Não está aí. 

 

— Mas é o único vestido que eu tenho para hoje. — A olhei, assustada. — E eu já estou atrasada. 

 

— Merda. — Ela praguejou enquanto olhava para o chão, talvez tentando pensar em alguma solução. — Eu vou chamar a minha mãe. 

 

...

 

— Hm. — Sara e Adele falaram juntas assim que eu apareci com o vestido vermelho extremamente justo que a loira conseguiu achar por aqui. Tão justo que ele parecia fundir na minha pele, apesar da malha ser fina e elástica. 

 

— E então? — Eu dei uma voltinha, fazendo uma careta no final porque sabia que talvez fosse passar vergonha esta noite. 

 

— O Malik vai pirar de ciúme hoje. — Sara disse, não tirando os olhos do meu corpo, pensativa. 

 

— Não está muito vulgar? — Implorei para que a resposta fosse “não”. Era o único vestido que me restava. 

 

— Não, não está, querida. É só que ele foi feito para uma pessoa mais magra que você. — Senhora Adele deu de ombros, com um sorriso que me consolou um pouco. 

 

Eu me olhei no espelho, e Deus, realmente estava muito justo! Ele ia até um pouco antes dos meus joelhos, não era tão curto, o tecido era liso e fino, preso apenas por duas alças finas também vermelhas em meus ombros, e a pessoa que usou aquele vestido claramente não tinha tanto peito como eu, porque apesar de não possuir um decote muito revelador, eu parecia que tinha acabado de pôr silicone. 

 

— A minha bunda parece três vezes maior do que ela é. — Fiz uma careta, assustada. 

 

— Isso não é de todo ruim, né? — Sara sorriu e suspirou, batendo algumas palmas. — Vou chamar o Jimmy pra passar um batom vermelho em você e fazer algo rápido no seu cabelo. Vai ficar um arraso, garota! 

 

[...]

 

*Zayn*

 

— Parabéns, Malik, você é um homem de sorte! — Eu agradeci a mais um cliente com um aceno de cabeça e um sorriso, às vezes com uma batidinha no ombro. Confesso que era bom ouvir várias vezes de várias pessoas que Summer será oficialmente minha em algum tempo. Isso inflava o meu peito de felicidade e fazia com que eu me sentisse o homem mais sortudo do mundo por tê-la ao meu lado todos os dias da minha vida. E eu a amo tanto a ponto de ignorar tudo que eu já havia pensado sobre ficar a vida inteira “preso” com alguém, e tudo que se passava na minha cabeça era que eu queria casar com ela. Queria acordar todos os dias e ver aquele sorriso sincero sem segundos intenções. Queria ver Summer dormindo ao meu lado e ter certeza que ela é só minha. Queria apenas conviver com ela porque ela me faz feliz, e não há nada na minha vida que eu queira mais que fazer ela feliz, assim como ela faz comigo. E eu iria cumprir isso. Cada célula do meu corpo sabia o quanto eu queria isso. 

 

— E aí vem ela! 

 

Ouvi a voz de alguém desconhecido e me virei para a escada principal do local, e de repente o meu mundo pareceu parar. Minha boca se entreabriu e eu segurei a taça de champanhe em minhas mãos com mais força para ter certeza que eu não derrubaria aquilo. Minha garganta parecia seca então eu engoli em seco, mas não adiantou muito. 

 

Droga de vestidinho vermelho minúsculo! 

 

A peça de roupa que ela usava estava grudado no corpo dela, de um jeito que as suas coxas pareciam grudar uma nas outras ao andar de uma maneira deliciosa. E droga, eu nem precisava falar daquele decote. Porra, ela iria me pagar por me fazer ficar duro justamente agora! 

 

Pisco algumas vezes, tentando me recompor. Por um momento chego a me convencer de que estou tendo uma alucinação, já que ela está mais sexy e absurdamente linda do que eu jamais imaginei. 

 

Minha admiração ainda não estava completa, mas comecei a me preocupar com os olhares que ela recebia. Os garçons dali claramente olhavam para ela com segundas intenções, talvez com os olhos brilhando, e não, eu não gostei nada daquilo. Mas não deixei que aquilo me abalasse, apesar da carranca. Quer dizer, até tentei não parecer tão puto com a situação de estarem claramente desejando o que é meu, ainda mais quando um garçom passa lentamente na perto da escada, olhando para ela com a boca entreaberta, e logo depois derruba a bandeja. 

 

Novamente, maldito vestidinho vermelho! 

 

Mas aquilo nem sequer chamou a atenção de todas as pessoas que a observavam descer as escadas, tão encantadas quanto eu. 

 

Pus um sorriso no rosto e deixei a minha taça de lado, caminhando até o fim da escada para a receber ali. Mesmo que nada daquilo fosse planejado, as pessoas a aplaudiram e eu sorri, encantado ao ver as suas bochechas ruborizando aos poucos enquanto ela colocava um sorriso sem jeito e ao mesmo tempo grato no rosto. 

 

Deus, como eu fui tão sortudo à ponto de tê-la só para mim? 

 

Ela sorriu ainda mais para mim e aceitou a minha mão entendida para ela, e logo estava ao meu lado. Levei a sua mão até os meus lábios, deixando um beijo ali sem deixar de olhar em seus lindos olhos verdes em hora alguma. Meu Deus, ela é ainda mais linda de perto. 

 

— Sabe o que eu disse uma vez pra você que não acreditava em amor à primeira vista? — Ela assentiu, enquanto caminhávamos até o centro e as pessoas iam abrindo caminho para nós. — Esqueça. Acabei de perceber que eu me apaixono mais por você cada vez que te olho. Na primeira vista, na segunda, na terceira e assim vai. 

 

Ela sorriu para mim de um jeito lindo, com os olhos brilhando, e eu também sorri. Ela logo colocou os braços ao redor do meu pescoço e deixou um beijo breve em meus lábios, e apenas por sentir o seu corpo colar no meu daquela maneira, eu precisei me segurar para não agarrar ela ali e agora, não me importando com a platéia. Ela estava tão irresistível e eu não sabia se aguentaria até o final da noite para jogar ela na minha cama, e, bem, fazer o que fazemos de melhor. 

 

— Senhoras e senhores, gostaria de um minuto de atenção de todos. — A conversa foi se dissipando aos poucos, até que zerou. — Há algum tempo tive a sorte de conhecer essa mulher incrível, e logo percebi que era com ela que eu queria dividir a minha vida, então a pedi em casamento. E ela disse sim, como vocês sabem. — A comemoração por lá era gigantesca, como se ninguém ali conseguia se controlar por mais que tivessem visto tudo ao vivo horas atrás. 

 

Não demorou muito para a festa começar logo depois que fizemos os brindes. O meu braço não sabia da cintura de Summer, por pura proteção, porque tinha medo de a soltar por aí e alguém chegar nela. Pode chamar de ciúmes ou insegurança, mas ela é minha e eu não vou deixar ninguém tirá-la de mim. 

 

Apenas tive que a soltar quando ela precisou tirar fotos com as outras modelos e algumas sozinhas. É claro que também pediram fotos com nós dois e eu não recusei, é claro, mas os malucos queriam Summer em tudo que é lugar e eu já estava me irritando. Acho que tudo piorava ainda mais porque o maldito volume nas minhas calças não queria me deixar em paz. Eu assistia ela passar de um lado para o outro, ocupada, rebolando aquela bunda enquanto andava, sem nem saber que era alvo do meu olhar. Tentava prestar atenção nas conversas de vários empresários que tentavam chamar a minha atenção com dinheiro, mas não consegui ficar nem um segundo a mais quando a vi sozinha perto da mesa dos aperitivos. 

 

Pedi licença para o homem sem nem ficar para ver a sua reação e caminhei rapidamente até Summer, sabendo que não aguentaria chegar em casa. Essa festa demoraria para acabar e eu não tinha a mínima paciência com esse vestido maldito. 

 

Eu sorri com malícia assim que a peguei desprevenida. Ela estava de costas e eu não demorei para colar os nossos corpos bruscamente, a prensando contra a mesa, o que a fez soltar um suspiro alto, assustada, soltar a comida que estava em suas mãos e se apoiar na mesma, apertando o tampo, de repente sem fôlego ao olhar de relance para mim com os lábios vermelhos entreabertos. 

 

— Com fome, senhorita Stewart? — Sussurrei perto de seu ouvido e a ouvi suspirar novamente, fechando os olhos. Ela engoliu em seco e os abriu novamente, abrindo a boca, e para acabar com o resto de sanidade que me restava, rebolou levemente em mim. 

 

Faminta

 

Ela olhou para mim e eu enxerguei o duplo sentido e a malícia em sua frase, e então mordi os lábios e pendi a cabeça para trás um pouco. Minhas mãos escorregaram até o seu quadril já que ela ainda rebolava discretamente em mim e a segurei com firmeza, parando os seus movimentos, mas apertando o seu corpo ainda mais para perto do meu. E eu sorri um pouco por vê-la arfar sem se importar se estava sendo discreta. 

 

— Venha comigo. — Não esperei a sua resposta e segurei a sua cintura com rapidez, a guiando pelos corredores da sede da Red até chegar no banheiro. 

 

— Zayn, nós não podemos... 

 

Summer até tentou, mas não conseguiu me impedir. Assim que nós dois estávamos dentro do banheiro, eu a prensei contra a porta que se fechou no mesmo momento com um estrondo. Ela arfou novamente quando eu a beijei de uma forma que me enlouquecia a cada vez mais, enquanto segurava o seu rosto. Mas eu soube que ela estava tão desesperada quanto eu quando suas mãos voaram para os meus cabelos, os puxando, e foi a minha vez de arfar. A prensei ainda mais contra a porta, não me importando se o barulho do corpo dela contra a madeira fazia um estrondo muito alto, aliás, aquilo era a última coisa com que nos importávamos. 

 

Minhas mãos desceram até a barrado seu vestido e eu ergui o tecido justo e fino até a sua barriga bruscamente, o que a assustou um pouco. Toquei as suas coxas agora nuas e ela mesma deu o impulso e foi parar em meu colo, ainda sem partir o beijo. 

 

A coloquei sentada na bancada da pia rapidamente, porque nós dois estávamos claramente desesperados. Eu percebia isso pela maneira que ela me beijava, pelo modo como suas mãos percorriam os meus ombros, meu peito e as minhas costas. 

 

Quando ficamos sem ar e separamos as nossas bocas, me perdi na cena de seus olhos brilhando por desespero, e de sua boca entreaberta. O batom vermelho estava borrado de uma maneira sexy em seus lábios, e seu peito subia e descia conforme sua respiração acelerada. Pelo caminho, o penteado nada muito formal já estava solto pela metade, e seu cabelo levemente bagunçado daquela maneira a deixou ainda mais irresistível aos meus olhos, enquanto ela me olhava, esperando a minha próxima ação impacientemente. 

 

Vai ficar só olhando?

 

Eu sorri pela provocação dela, tentando esconder de mim mesmo o quanto eu estava excitado e o quão desesperado eu estava para estar dentro dela. 

 

*Summer* 

 

Eu sabia que estava brincando com fogo e que consequentemente iria me queimar. Mas eu mesma sentia que estava queimando de desejo por dentro e não aguentava mais esperar um segundo que fosse e as palavras simplesmente pularam da minha boca. E eu sabia que estava ferrada quando Zayn me olhou daquela forma, com a camada grossa de cílios por cima de seus olhos castanhos que pareciam mais escuros agora, e sorriu de maneira perversa. 

 

Suas mãos me puxaram para a beirada da pia de forma ágil e eu me apoiei com as mãos para trás de meu próprio corpo, assistindo Zayn se abaixar na altura dos meus joelhos. Eu arfei alto quando senti os seus beijos subindo pela minha perna de forma lenta, e então mordi os meus lábios, fechando os meus olhos, desfrutando daquela sensação. 

 

Quando ele ficou muito próximo da “zona perigosa” e eu estava quase cheirando à beira da loucura pela sua lentidão e também pelo ótimo uso dos lábios pela minha pele, eu não resisti e minhas mãos procuraram pelo zíper da sua calça social de forma desesperada. Meus dedos pareciam se embolar uns nos outros de forma desastrosa ao tentar abrir a mesma e ele sorriu por isso, e para me deixar ainda mais sem jeito, voltou a me beijar se forma lenta, vasculhando cada canto da minha boca com a sua língua. Quando finalmente abri a peça de roupa e a abaixei, ele separou as nossas bocas, segurou as alças finas da minha calcinha preta e arrancou a mesma do meu corpo com uma brutalidade que arrancou um suspiro alto de mim, e logo depois mordi os meus lábios com força, pelo hábito. Caramba, eu estava tão excitada! 

 

— Você vai aprender a não morder os lábios desse jeito perto de mim. — Sua voz parecia ainda mais grossa enquanto ele sussurrava as palavras lentamente no pé da minha orelha com seu sotaque britânico irresistível, que me fez arrepiar de cima a baixo. E tenho certeza que ele percebeu. — Pronta? 

 

— Uhm, uhum... — Assenti com a cabeça, murmurando algo que nem eu entendi em sinal de concordância enquanto fechava os meus olhos, apenas esperando por aquela sensação indescritível que eu já estava acostumada a receber de Zayn, por mais que toda vez fosse diferente de um jeito ainda melhor. 

 

— Olha pra mim. — Ele sussurrou, e assim que eu abri os meus olhos e foquei nos dele, eu o senti finalmente entrar por inteiro dentro de mim, de uma vez só. Eu não aguentei e abri a minha boca, fechei os meus olhos e pendi a minha cabeça para trás, segurando firme na nuca de Zayn enquanto ele entrava e saía de dentro de mim criando o ritmo mais gostoso do mundo. — Sum...olha pra mim, porra. — O moreno urrou, e com muito esforço eu voltei a abrir os meus olhos e me obriguei a olhar nos dele assim como ele queria. 

 

Eu sabia que ele queria assistir a cada reação minha olhando dentro dos meus olhos, mas eu não conseguia me concentrar em nada a não ser naquela sensação maravilhosa e aguentei por apenas alguns segundos. Depois disso, meus olhos se reviraram e eu apoiei o meu rosto em seu ombro, abraçando ainda mais o seu pescoço. 

 

Zayn segurou as minhas coxas com mais firmeza e eu entrelacei o seu quadril com as minhas pernas, cruzando os meus pés que ainda estavam com os saltos altíssimos nos mesmos. Ele urrou novamente pelo meu movimento e seus dedos pareciam fincar em minha pele, e o encontro de nossa pele parecia nos queimar pela temperatura elevada no ambiente. Ele aproveitou para beijar o meu pescoço como só ele sabia e eu jurava que podia sentir correntes elétricas passando por todo meu corpo, me enlouquecendo por completo. Deus, como eu amo esse homem! 

 

Eu sabia que talvez estávamos demorando muito e que eu talvez estivesse nada controlada e que alguns sons altos acabavam saindo da minha boca, mas nós simplesmente não conseguíamos nos conter. Não, não agora.

 

Trocávamos beijos o tempo todo, às vezes ele levava os lábios ao meu pescoço, as vezes até o meu peito, ou arfava baixinho em meu ouvido, enquanto eu puxava os seus cabelos, mordia os seus lábios e apertava os seus braços, até porque não podia o arranhar como tenho o costume porque ele estava usando, como sempre, o seu terno inconfundível, sua marca registrada. 

 

— Zayn... — Sussurrei baixinho mas de forma manhosa, o que fez ele abrir os olhos e me olhar. Minha expressão deve ter sido bem clara porque ele sorriu de forma maliciosa e apenas aumentou a velocidade dos movimentos, e eu precisei morder os meus lábios com força para não gritar. 

 

E enfim, quando nós dois não conseguíamos mais aguentar um segundo sequer, chegamos ao ápice juntos enquanto ele aproveitava para calar a minha boca me beijando. Acho que devo agradecer isso à ele mais tarde. 

 

Quando tudo se acalmou, eu estava completamente ofegante, de olhos fechados, tentando fazer a minha respiração voltar ao normal, assim como Zayn. Porém, percebi quando ele separou as nossas testas e começou a me observar, até que um sorriso fofo e discreto surgiu em seu rosto. 

 

— O que foi? — Minha voz saiu completamente exausta, assim como eu estava inteiramente. 

 

— Você está vermelha aqui... — Ele tocou as minhas bochechas. Bem que eu sentia que estava pegando fogo mesmo. — ...e aqui. — Seus dedos desceram até a parte de cima de meus seios, e pelo que consegui ver, eu estava mesmo. — É tão linda. — Ele sorriu ainda mais ao pronunciar as palavras.

 

O meu sorriso sem jeito com certeza serviu de agradecimento para ele, mas para reforçar, abracei o seu pescoço com os meus braços e beijei os seus lábios com delicadeza e lentidão, totalmente diferente do desespero com o qual estávamos habituados antes.  

 

— Acho que não consigo ficar de pé. — Sussurrei, ainda com as nossas bocas coladas, mas Zayn nos separou, rindo. 

 

— Vamos ver. — Ele fechou a sua calça enquanto ainda olhava para mim. 

 

Zayn achou a minha calcinha em algum lugar do chão do banheiro, e a respiração dele já havia voltado ao normal. Graças aos meus pulmões de araque, eu ainda estava ofegante. O moreno enlaçou a minha cintura com apenas um braço e me deixou de pé novamente, e é claro que os meus joelhos quase falharam e por pouco eu não caí. Ele mesmo fez o favor de vestir a calcinha em mim novamente e abaixou a barra do vestido que estava acima da minha cintura. 

 

— E lá vamos nós de novo falar com os empresários riquinhos de merda. — Foi tudo que eu consegui dizer antes de ouvir a risada de Zayn ao meu lado. 

 

[...]

 

 — Levanta essa bunda linda daí. — Zayn disse assim que eu me joguei no sofá da sala, completamente exausta. 

 

— Não. — Eu murmurei, manhosa. 

 

— Quer mesmo que eu te carregue até o quarto? 

 

— Você não vai fazer isso. — Eu disse, convicta. 

 

Mas segundos depois que disse aquilo, senti os seus braços me tirando do sofá e em segundos eu estava encima dos ombros dele, o que me fez reclamar, mas não aguentei e acabei rindo. 

 

— Acho que bebi muito. — Eu solucei e logo depois ri ainda mais. 

 

— Ah é? E eu tenho certeza. — Zayn me deitou na cama e ficou por cima de mim, tirando a franja dos meus olhos. 

 

— Ainda não te agradeci. — Sussurrei depois de alguns segundos em silêncio em que ele apenas me olhava profundamente. 

 

— Pelo que? 

 

— Por me pedir em casamento. — Eu sorri e ele fez o mesmo, quase fechando os lindos olhos claros ao fazer isso. — Sério, Z, eu me sinto...completa. Feliz inteiramente, pela primeira vez na vida. E é por sua causa. 

 

— Eu me sinto exatamente assim. — Ele sussurrou assim como eu, contornando os meus lábios com o dedo. — E eu quero passar o resto da minha vida inteira ao seu lado. Eu amo você, Sum.

 


Notas Finais


Espero que estejam gostando! Só queria dizer que ainda tem muuuitas coisas para acontecer! Logo logo elas aparecem!

Digam sempre o que estão achando! E obrigada por tudo!

Beijinhosss ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...