História The Darkiside - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Star Wars
Personagens Chewbacca, Finn, General Hux, Kylo Ren, Leia Organa, Luke Skywalker, Personagens Originais, Poe Dameron, Rey
Tags Ben Solo, Dark, Kylo Ren, Rey, Reylo, Star Wars
Visualizações 32
Palavras 1.410
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Literatura Feminina, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E o primeiro capítulo. S2 Espero que gostem, ainda ta no comecinho, mas é de coração.

Capítulo 2 - Capítulo I


Fanfic / Fanfiction The Darkiside - Capítulo 2 - Capítulo I

  A Millenium Falcon sobrevoou vários planetas diferentes e saltou em diferentes sistemas solares, a resistência não tinha mais um lar exato para onde voltar, eles eram a  última chance que possuía  para ir e luta contra a Primeira Ordem, honrar aos Jedis, a Han Solo, a Padmé Amidala, a Luke Skywalker e até mesmo ao jovem Anakin.

  O combustível já escasso acabou fazendo com que eles tenham de pousar para reabastecer. Ironicamente, o planeta mais próximo era o mesmo que dois anos antes tinha abandonado. Jakku com seus desertos de dias escaldantes e noites congelantes, com o povo escravizado ou presos a miséria de serem nômades, com poucos com poder, repletos por soberba e corrupção.

  Rey sentiu o estômago embrulhar quando pousaram, Poe estava pilotando a nave, afinal era o melhor piloto dali e precisavam de toda sua habilidade se a Primeira Ordem os rastreasse de novo. Ao pisar, sentiu o peso do passado se apossar de seus ombros, caminhando com mais vagareza que o habitual, tinham pousado bem perto da cidade, isto era perigoso e ela sabia, afinal para roubarem a nave era apenas um pequeno descuido. Por isto informou para eles sobre o perigo e acharam melhor apenas um pequeno grupo irem a cidade e o resto guardar com segurança a nave.

  O grupo era composto por ela, afinal ali era seu planeta natal, Poe, Finn e Rose, esta última tinha melhorado poucos dias depois de embarcaram na nave, Rey sentiu empatia por ela, afinal lhe parecia muito corajosa e determinada. Estava feliz por ver como a garota era destemida, esperando estar sempre ao lado dela nas lutas e por um momento, um mísero descuido seu, imaginou se a garota poderia se juntar ao lado negro. Se repreendeu no mesmo momento, mas conseguiu vislumbrar o sorriso de Kylo antes de barrar a comunicação, não conseguiria disfarçar caso ele começa-se a falar, afinal sempre o respondia e a única exceção foi quando fechou sua nave e fugiu com a resistência rebelde.

  Arrastou os pés pela areia e se viu desanimada, não queria ter de voltar aquele planeta tão cedo, as marcas dolorosas do abandono de seus ainda era viva, por mais que tivesse mantido o mesmo penteado e o mesmo estilo de vestes desde que fora deixada ali, raramente mudando e quando o fazia eram apenas por meros minutos. Tinha sim a esperança de reencontra-los e perguntar o porque de a abandonarem naquele planeta, mas também sentia dor, ressentimento e magoa.

  Adentrou a cidade junto aos outros três, sugeriu a Poe que não levasse a BB-8 e explicou que já tentaram comprar ele dela e certamente teria confusão caso voltasse a aparecer por ali. Caminharam por ruas e vielas, até encontrar uma oficina que oferecia combustível, deixou que Finn e  Poe resolvessem essa parte e foi com Rose para pegar algumas porções de comida, afinal a da nave estava já escassa. Odiava passar por aquilo novamente, mas sabia que era necessário.

— Sucateira! Achei que já tinha morrido. — Aquele mesmo espécime que a atormentou nos anos em que estava morando ali, sempre cobrando caro pela comida, apenas pelo prazer de subjulgar aos desfavorecidos, lhe falou, cuspindo logo após, de forma enojada. — Mas a escória sempre volta para cá. O que trouxe para trocas?

  O nojo e a raiva eram fortes em si, mas não poderia fazer nada, pelo menos não quando dependiam dos alimentos, daquelas porções. Assim decidiu não responder para não xinga-lo, entregando um dos dispositivos que lhe foi entregue para trocar, este lhe rendeu uma boa quantidade de rações, mas ainda insuficiente, por isto trocou uma outra peça, sabia que tinha mais delas, porem achou prudente não desperdiçar em um único planeta, até porque aquelas que já possuía eram o suficiente para passarem por mais algum tempo, até mesmo um mês se fosse bem distribuído.  

  Ignorou Rose, mesmo vendo que ela iria falar alguma coisa, após pegarem as porções e as guardar muito bem, afinal ali o roubo também era comum. Se encontraram com Finn e Poe, este último parecia ter apanhado e Rey franziu o cenho com esta constatação, não era sábio arranjarem confusão em um planeta onde seu próprio habitat era perigoso.

— Poe apanhou para pagar o combustível, digamos que o mecânico era sádico e propôs isto a trocas. Ele aceitou e bem, ganhamos combustível a mais por conta da resistência dele.

  Finn respondeu após o olhar interrogativo de Rey, apontando para Poe ao final, sorrindo bravamente. A garota não duvidava em nada daquelas palavras, afinal aquele planeta tinha todo tipo de gente. Saíram rápido da cidade, a garota correndo até mais rápido que os demais, demonstrando seu incômodo de estar ali para eles e ignorando com ferocidade qualquer tentativa de diálogo que envolvesse explicar sua relutância em permanecerem mais tempo por ali.

  Um suspiro pesado tomou conta dos lábios de Rey e se viu relaxar assim que saíram da órbita de Jakku e deram um salto para longe daquela podridão que um dia foi sua casa. Observou as estrelas através da janela da cabine, todos estavam se acomodando da forma que conseguiam por ali e ela tinha ficado na cabine onde um dia fora o quarto de Han Solo, junto de si, rose, Leia e mais duas garotas, que serviam a resistência.

   Mas naquele momento estava sozinha, Rose tinha ido conversar com Finn, Leia traçava estratégias com Poe e as outras duas garotas tinham sumido por ai. Saiu da janela e se sentou na beirada da cama, ficando em silêncio e quieta por apenas um minuto, antes de se virar para o lado e observar com calma a figura a sua frente.

— Olá Kylo.

 Falou em um tom baixo, incapaz de ser ouvido do lado de fora, não tinha coragem de falar mais alto e alguém a escuta-se, afinal ele ainda era o inimigo, pior do que Snoch tinha sido, mais cruel e sanguinário. E estranhamente uma paz para Rey, este último fato ela tentava ignorar e desmentir para si mesma.

— Rey.

   Kylo falou e a mulher pode observar um pequeno sorriso de canto no rosto dele, revelando pequenas covinhas, foi incapaz de não retribuí-lo, parecia até mesmo um atentado a força se negasse o sorriso. Ele estava mais majestoso do que se lembrava, a roupa negra caia como uma luva nele, perfeita e trazia um vazio abismal as íris negras do Sith.

— A que devo sua visita? — Ela o perguntou e depois acabou deixando escapar por seus lábios uma frase inapropriada e punível aos olhos de qualquer membro da resistência, com exceção talvez de Leia. — Senti sua falta.

— Também senti a sua, querida Rey. — Ren respondeu, sorrindo ainda mais, porem de forma lasciva desta vez, algo que passou despercebido pelos olhos inocentes da menina. — Senti um distúrbio vindo de você e a força me trouxe aqui.

— Eu so... — Se conteve por um breve segundo, avaliando se falava ou não. — Odiei ter parado em Jakku, aquele planeta me da repulsa, por mais que tenha sido meu lar por longos anos. Parece errado estar minimamente perto daquele lugar.

  Deixou-se levar pelos sentimentos, revelando inconscientemente a ele um dos lugares onde aquela nave passou, para sua sorte já estavam a várias galáxias de distancia do planeta. Kylo observou novamente a garota, dando alguns passos a frente, para observar melhor, porem não ousou a tocar ou ao menos estender sua mão, este tinha sido um ponto de dor anteriormente.

— Eu entendo como se sente, sinto isto em relação a resistência, não é mais correto estar perto de minha mãe e do lado da luz. Mas Rey, saiba que eu não teria a levado até Jakku, se tivesse ao meu lado, estaríamos reconstruindo o império.

  Ele a falou, com cordialidade e certo desprezo ao começo, ao se referir a resistência, uma pontada de melancolia ao falar da mãe e por fim a ambição, a soberba e o poder ao falar de reconstruir o império, neste ponto um calafrio correu as costas da garota e uma fagulha se acendeu no coração dela, uma fagulha de ambição, que se formou das brasas que tinha nascido junto a ela quando estava a presença de Snoch e quando foi tentada por Kylo.

— Desculpe Kylo, mas precisa ir.

  Ela falou para ele, desviando sua visão a porta, em segundos Rose adentrou ao recinto e para o alívio de Rey, o rapaz já tinha sumido e nem mesmo o melhor mestre Jedi saberia que ele esteve ali segundos antes, tentando-a e conseguindo extrair dela informações.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, se alguém quiser sugerir algo, estou as ordens. S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...