História The daughter of the delegate 2 - Capítulo 59


Escrita por:

Postado
Categorias Anahí, David Beckham, Justin Bieber
Personagens Jeremy Bieber, Justin Bieber, Pattie Mallette
Tags Anahi, Drama, Justin, Violencia
Visualizações 21
Palavras 2.466
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura!!

Capítulo 59 - Eu dei a minha palavra


                       Justin


- O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AQUI? - o delegado gritou no momento em que eu sai de dentro do carro. Chegamos praticamente ao mesmo instante , eu so não sabia que era ele quem dirigia o carro.

No momento os gritos dele eram como se fosse um nada pra mim, chegar nesse lugar totalmente deserto e nao encontrar a Melany me deixou completamente sem ação e sem chao. - CADÊ A MINHA FILHA? - ele gritou empurrando o meu corpo contra o meu carro e eu passei a mao no rosto sentindo as minhas pernas trêmulas. - ME FALA! - gritou mais uma vez e nesse momento a Julia passou na minha frente. 

- Calma senhor James, o foco é a Melany. Vamos procurar ela. - ela disse desesperada. - A gente precisa  ...

- MELANY ! AI MEU DEUS, PAI ! -Alicia gritou e o delegado virou rapidamente para olhar pra ela, eu nao fiz diferente. - ELA ESTA BE-BEM ALI. - a mesma apontou para a frente e já foi correndo, eu nao perdi tempo e fiz o mesmo. 

- MEU DEUS, NAO! - Julia se ajoelhou e o delegado fez o mesmo já chorando. - Mel por favor fala comigo. - o delegado levantou rapidamente e tirou o celular do bolso discando algum numero. 

- A MINHA IRMA NÃO. - Alicia disse chorando andando de um lado para outro , ja eu me ajoelhei no meio de todo aquele sangue.  - Quem po-pode ter feito uma maldade dessas!

- Melany, meu amor por favor fala comigo. Acorda por favor. - disse desesperado enquanto dava tapas de leve no seu rosto na tentativa de acorda-la. - Você nao pode me deixar, acorda por favor.  - nao sei por quanto tempo fiquei ali, mas fiquei ate o momento em que a ambulância chegou e a tirou de mim.


3 horas depois ....


- Eu trouxe uma agua pra voce. - Chris chamou a minha atenção e eu agradeci, mas nao peguei o copo. Eu estava a tres horas sem notícias dela ou do meu filho, o médico que estava cuidando dela nao disse nada aos familiares e assim que a mae da Melany veio para o hospital me expulsou da sala de espera. Eu sinceramente só sai porque nem força eu tinha para bater boca com ela. - Ela é forte. Vai ficar tudo bem.

- Eu vou matar quem fez isso e vou acabar com Ryan por ter feito ela passar por essa situacao. - limpei o rosto - Eu nao vou perdoar quem fez isso Chris, não vou mesmo.


                      James


Eu so queria que tudo isso fosse apenas um pesadelo. Ou se eu pudesse escolher que fosse eu no lugar dela. 

Respirei fundo diversas vezes e pedi a Deus que livrasse os dois, pedi que ele me levasse mas que deixasse a minha filha e o meu neto vivos. Rezei em silêncio, chorei ... até que chegou um ponto que eu nao sabia mais o que eu poderia fazer. Eu vi ela jogada no chao toda torta , com uma  poça enorme de sangue no lugar onde ela estava. Pela imagem que eu presenciei me doeu bastante porque eu nao tinha certeza se ela iria sair bem dessa. 

Como policial eu ja presenciei muitas cenas parecidas e nenhumas delas terminaram muito bem. O meu lado policial dizia que eu teria que ser forte, mas o meu lado humano pediu que eu apenas colocasse nas maos de Deus que ele iria saber o que fazer.


A unica certeza que eu tinha no momento era de que se a minha filha ou o meu nao sobrevivessem eu jamais iria me perdoar.


- Pai. - Alicia me chamou com os olhos vermelhos e tocou em meu ombro.

- O medico foi ate a sala de espera e falou que infelizmente ....

- O-O que? - cambaleei e ela respirou fundo. 

- Ele falou que infelizmente so poderia salvar um. - fechei os e cai sentado em uma cadeira - A Monalisa mandou ele tirar o bebe e salvar a Melany.


                       Justin


- Eu sinto muito cara. - Chris tocou em meu ombro e eu continuei de cabeça baixa com as lagrimas descendo pelos cantos do meu rosto. 

- Me deixa sozinho. - disse simples e ele assentiu 

- Eu vou ligar pra sua mãe para falar do que aconteceu. Qualquer coisa me chama. - assenti.

- Valeu.


Como eu nao pude entrar o Chris foi no meu lugar e ficou sabendo que somente um poderia ser salvo. Não me importava o que as pessoas pensavam ou pensariam sobre mim ou no amor que eu tinha por essa criança. Somente eu sabia o quanto o amava, eu seria capaz de da minha vida pelo meu filho, acho que de todos os momentos da minha vida esse com certeza me deixou sem forcas para viver.


Acabou. O meu filho nao iria mais nascer e tudo por culpa minha.


Ouvi alguns passos se aproximando e virei assim que ele terminou de falar a primeira frase.


- Você vai se afastar dela. - ele disse com os olhos úmidos. - Eu nao sei quem fez isso, mas  tenho certeza que foi o relacionamento de vocês que causou toda essa tragédia.

- Me prenda. - disse simples e ele negou - Você tem provas contra mim, apenas me prenda e vamos acabar com toda essa porra. 

- Eu nao posso prende-lo agora. - ri debochado.

- Você quer a verdade delegado? Pois então eu vou dizer, meu plano sempre foi foder com a sua vida por achar que você tinha matado o meu pai e tentado jogar a culpa nas minhas costas. Eu me juntei ao Alex e sim, eu queria engravidar a Melany para depois te destruir. A criança nao iria ficar viva, mas o louco nisso é que depois de conviver com a sua filha eu acabei me apaixonando por ela. - ri sem humor - Depois disso o meu único objetivo era apenas protege-la, a Melany se tornou tudo o que eu nunca pensei que se tornaria. Quando ela me falou que estava gravida ... mesmo com algumas pessoas me odiando e odiando o meu filho eu o amei muito. Nao importa o que você ache, eu amo a sua filha e com ela tudo sempre foi de verdade desde o momento em que eu falei que amava até o momento em que eu falei que queria construir uma familia com ela.

- Você sabe que isso nunca seria possível.

- Agora eu sei. É por isso que estou me entregando, eu to fazendo isso por ela e pelo meu filho.

- Eu sempre desejei o melhor pra ela e com certeza o melhor pra ela nunca foi ou será você.

- Não precisa me falar o que eu já sei. Eu quero vê ela, pelo menos so quando ela acordar.

- Se eu tiver a garantia de que você se afastará dela ... - demorei mas acabei assentindo.

- Farei isso. 

- Mas antes disso acontecer a gente vai ter que conversar.


                     Melany


Ouvi um barulho repetitivo e abri os olhos lentamente, sorri ao ve o meu pai ali bem na minha frente.


- Pai. - sussurrei e ele se aproximou tocando no meu rosto.

- Ei! Com esta se sentindo? Sente alguma dor? - perguntou e eu tentei me mover, mas o meu corpo estava totalmente dolorido. 

- Acho que vou ficar bem. - sorri e a porta foi aberta.

- Graças a Deus você acordou, minha filha. Eu pensei que nunca mais acordaria. - vi a minha mae vim na minha direção.

- Monalisa ela acordou agora, depois conversamos sobre isso. - ele repreendeu a minha mae com o olhar e alisou a minha cabeça.

- O que aconteceu?

- Depois conversamos. - ele forçou um riso e beijou a minha testa.- É melhor você descansar.

- Por que eu estou aqui? - pensei um pouco e lembrei do acidente. De um carro preto vindo com toda velociade na minha direcao - O acidente ... - disse lembrando do que havia acontecido e tentei levantar, mas o meu corpo me traiu.

- Ei filha, descansa. - minha mae sorriu e segurou na minha mao. - Escuta o seu pai.

-  O Justin ja sabe que eu estou aqui? Sei que o senhor o odeia, mas eu quero falar com ele.

- Não. Ele não sabe e nem precisa saber. - ela respondeu seria. - Sei que voce não está em condições de ouvir sermões agora , mas você ficara longe desse homem pelo resto da sua vida. Nem que eu tenha que te prender no seu quarto. 

- Ele sabe. - me surpreendi ao ouvir o meu pai me dizer isso e olhei pra ele. - O Justin está aqui no hospital.

- O que voce pensa que ta fazendo? - ela disse entredentes e eu umedeci os meus labios que estavam secos. - Esse homem causou tudo isso.  A minha filha ficou dois dias desacordada por causa dele você nao pode deixar ele entrar neste quarto.

- Eu vou liberar a entrada dele apenas se você quiser. - franzi a testa e continuei olhando pra ele em busca de algo que justificasse o " sim pro Justin " do meu pai mas nada apareceu.

- Eu quero sim.

- Isso é loucura James. Isso tudo so acoteceu ...

- Eu vou chama-lo. - assenti confusa e ele saiu do quarto arrastando a minha mãe.


Minutos que se pareceram horas se passaram e logo depois o Justin abriu a porta do meu quarto.


- Você pediu que eu viesse? -

- Como esta se sentindo? - perguntou se aproximando.

- So sinto umas dores, mas estou bem. - ele assentiu e os seus olhos foram direto para a minha barriga.  - Me desculpa por não ter acreditado em você, Justin. - disse sentindo todo o meu corpo fraco. 

- Desculpa pelo que?

- Por ter colocado o vida do nosso filho em risco. Agora eu percebo que isso pode ter sido tramado por alguem que quis nos separar. - estendi a mao e ele segurou a mesma. - Eu tenho certeza que a pessoa que estava naquele carro foi certa para me acertar. Eu fui muito burra.

- Não vamos falar sobre isso agora, eu quero te ver bem. - sorri e ganhei um beijo na testa.

- Como está o nosso bebe? - coloquei a mao na barriga.

- Ele ... ele está bem. - suspirei aliviada, confesso que cheguei a imaginar o pior assim que acordei.

- Graças a Deus ! - sorri mais uma vez. - Se algo tivesse acontecido com ele eu jamais me perdoaria. 

- Ja pode sair. - minha mae disse invadindo o quarto e o Justin tavou o maxilar se afastando. 

- Eu quero que ele fique. - disse e o meu pai entrou no quarto. 

- Ficar pra quê? Meu Deus, eu nao aguento mais essa vida de riscos. Não foi isso que eu planejei para você !

- Você sabe que ela não pode se estressar, para Monalisa. - meu pai disse e ela riu.

- James você ... pelo amor de Deus , você é um delegado ! O que está esperando para prende- lo? Você realmente acha que isso que aconteceu com ela nao foi culpa dele? Essa gravidez so foi parte do plano dele em acabar com você e minha filha.

- Se a senhora quer falar qualquer coisa contra mim peço que vamos la pra fora. - Justin disse indo na direção dela. 

- Eu nao sei o que voce fez, mas eu nao vou cair no seu papo. O maior erro da minha vida foi ter te colocado na minha casa e o pior, ter deixado você engravidar ela.

- Quantas vezes eu vou ter que dizer que nao sou nenhuma criança? Eu amo o Justin nada do que você me falar vai mudar alguma coisa. E eu quis ficar com ele não foi nada forçado.

- VOCÊ ESTÁ LOUCA, MELANY. E O PIOR É QUE TANTO VOCÊ QUANTO O SEU PAI ESTAO CEGOS. É JUSTAMENTE POR ISSO QUE VOCÊ GOSTA DELE, PORQUE ELE FAZ TUDO O QUE VOCÊ QUER.

- JA CHEGA MONALISA. - meu pai disse alto.

- Hoje graças a Deus eu tive uma escolha, mas até quando será assim ? Você nao vai engravidar dele, nem que eu te tranque no seu quarto ou te mande embora com o seu verdadeiro pai.

- Pra fazer isso você terá que passar por cima de mim. - meu pai me defendeu, mas eu nao entendi de que escolha ela estava falando.

- Que escolha você teve? - perguntei sentindo um nó na garganta e ela respirou fundo antes de soltar a pior notícia da minha vida.

- Ou você ou a criança. - neguei com a cabeça.

- Você ... você não fez isso.

- Fiz. E se quer saber nao me arrependido. 

- SAI DAQUI. - gritei e ela me encarou. - EU ODEIO VOCÊ. - disse entre as lágrimas. - ISSO TUDO É CULPA SUA. VOCÊ SEMPRE DESEJOU O MAL AO MEU BEBE, NAO SEI COMO MAS ESSA NAO É A MINHA MAE.

- EU FIZ ISSO PRA TE SALVAR. ISSO QUE VOCÊ VIVE COM ESSE HOMEM NÃO É ROMANCE E SIM UM INFERNO. ABRA OS OLHOS, ELE NÃO  AMA VOCÊ. 

- Vem comigo. - meu pai arrastou ela pra fora e o Justin voltou a olhar pra mim. 

- Me perdoa por favor, Justin. Isso tudo foi culpa mim, eu matei o nosso filho. - disse entre os soluços enquanto ele se aproximava de mim.

- Nao foi culpa sua e eu já vou descobrir quem fez isso com ele. 

- Eu não consigo acreditar que isso aconteceu, eu jamais vou me perdoar por isso. Jamais.


                     Justin


Fiquei o tempo que eu havia combinado com o pai da Melany e depois sai do quarto.


- Você falou alguma coisa pra ela? - ele perguntou se referindo a nossa última conversa e eu neguei. Como é que eu ia ter coragem de falar para a Melany que eu iria me afastar dela com ela no estado que ta? 

- Não tive coragem. Graças a sua ex mulher ela ficou do jeito que você viu, nao quero que ela pense que vou abandona-la. - cocei a nuca. 

- De certa forma é isso que vai acontecer. - travei o maxilar. - Você já sabe o que tem que fazer nao é? - perguntou e eu respirei fundo.

- Eu dei a minha palavra, mas ..

- Nao existe um mas, Justin. Nos conversamos e chegamos a um acordo, mesmo te odiando eu estou fazendo isso pelo meu neto e por ela. Eu nao vou perder a minha filha por sua causa.

- Eu quero ter mais uma conversa com ela amanhã, pelo menos para me despedi.

- O combinado nao era esse.

- Eu sei o que combinamos, e eu ja dei a minha palavra. Vou me afastar dela e tentar encontrar provas que possam colocar o meu pai atrás da grades depois disso eu posso ir tranquilo.




Notas Finais


Até o próximo capítulo ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...