História The deal - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Blackpink, Fromis 9 (fromis_9)
Personagens Jang Gyu-ri, Jennie, Jisoo, Roh Ji-sun
Tags Gyulsun, Jensoo
Visualizações 49
Palavras 3.682
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção, Fluffy, LGBT, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Vou deixar nas notas finais o link da versão de what do you de 1985
A que a Gyul estava ouvindo no carro.
Boa leitura 😆

Capítulo 3 - What do you mean?


Fanfic / Fanfiction The deal - Capítulo 3 - What do you mean?

[3] w h a t      d o     y o u    m e a n  ?

Assim que Gyuri estacionou na frente da casa dos Kim, uma garota surgiu da porta da frente correndo e pulou em Jisoo assim que ela saltou do banco do carona. 

O casal beijava-se apaixonadamente e Gyuri apenas ignorou, seguindo até a porta da casa. Logo Jennie e Jisoo a seguiram e jogaram-se no sofá da sala voltando a trocar beijos. Gyuri suspirou já se sentindo constrangida. 

- Ah... Gyul? - Jennie chamou ofegante enquanto Jisoo distribuía beijos por seu rosto. - A Jisun tá te esperando lá em cima. 

- Tudo bem. - Gyuri falou saindo de lá o mais rápido possível e subindo as escadas da casa. Parou num corredor e deduziu que a última porta dele era o quarto de Jisun.

- Gyul? - Ouviu a voz da garota menor lhe chamar assim que se aproximou da porta. - Ah Oi. Você chegou. - Sorriu e Gyuri sentiu seu coração errar uma batida. 

- Oi. Eu trouxe alguns livros que acho que pode te ajudar. - Jisun sorriu novamente e Gyuri suspirou vendo que era possível que ela não saísse viva daquela casa. 

Duas horas se passaram e Jisun finalmente estava entendendo aquele assunto chato. Química realmente não era pra ela mas Gyuri achava divertido. 

- Então Sigma e pi serão o que? - Gyuri explicava de acordo com o estava escrito no livro. As duas estavam deitadas de bruços na cama da menor enquanto a mais velha explicava o assunto de forma tão segura que praticamente tinha esquecido que Jisun estava bem ao seu lado de tão concentrada que estava. Mas enquanto a atenção de Gyuri estava no livro a de Jisun estava em Gyuri. - São os nomes dados a toda ligação simples dentro da química orgânica, consegue entender? - Dessa vez ela se virou pra olhar a mais nova e seus olhos estavam tão intensos que aquilo estasiou Gyuri. 

Ela estava perto demais. 

Foi o pensamento que surgiu na mente de Gyuri e ela teve certeza que seu rosto ficou completamente vermelho. 

Jisun sorriu fracamente soltando um leve riso também e seus olhos migraram prós lábios da garota maior. 

Foi questão de segundos, a lacuna existente entre as duas se fechou fazendo com que os lábios se tocassem num beijo simples. Os primeiros segundos foi apenas o toque mas logo os lábios de Jisun se moveram impulsionando os de Gyuri a se moverem também. Encaixaram-ss de forma tão segura, como se fossem feitos para aquilo enquanto continuavam movendo-se em completa sincronia.

Gyuri suspirou contra os lábios da menor, sentindo a necessidade de um contato maior mas na busca daquilo na posição em que estavam as fizeram quebrar o beijo. 

Os olhos de Gyuri foram pro livro, e ela sentiu as bochechas esquentarem. 

Jisun sorriu achando tudo aquilo extremamente fofo. Na verdade desde o dia que conheceu Gyuri, achava tudo nela fofo. O sorriso que fazia seus olhos se fecharem, o jeito exitante em falar com ela, a timidez, o beicinho que ela fazia quando ficava tímida. Era inevitável não perceber a semelhança com Jisoo mas pra Jisun, os traços de Gyuri era delicados e fofos e os de Jisoo eram irritantes, como ela. Mesmo que fossem semelhantes. 

Era engraçado pensar daquela forma e ela sabia que se dissesse algo assim pra sua irmã, a mesma nunca concordaria. 

- Quer comer alguma coisa? - A pergunta de Jisun soou pelo quarto subitamente na intenção de quebrar a timidez da outra garota presente.

- O que? - Perguntou confusa. 

- Estudamos por horas, você deve estar faminta. Bem, pelo menos eu estou. Eu posso fazer uns sanduíches pra nós. 

- Ah, okay ... - Falou nervosamente. - Certo,eu aceito. 

Novamente aquele sorriso bobo e tímido fez o coração da garota menor derreter. 

- Tudo bem. 

Logo a mais nova levantou-se, sendo seguida por Gyuri, saindo do quarto e desceu as escadas. Logo avistou uma cena que a fez revirar os olhos. 

Jennie e Jisoo praticamente se engoliam no sofá. Jisoo já tinha uma mão boba passeando pelas pernas nuas da mais nova, consequência do short que usava. 

- Jennie! - Jisun a chamou alto fazendo ambas se assustarem e se separarem imediatamente o que ocasionou a risada das duas garotas no fim da escada. 

- Ah, sua gnomo. - Jisoo protestou. - Não faça essas coisas, eu pensei que fosse seu pai. - Disse mas Jisun apenas ria acompanhada de Gyuri. - Nossa, quase infartei. 

- Se eu fosse vocês tinham mais atenção. Assim como fomos nós, poderia ser meu pai chegando, Jang Jisoo. - Falou e Jisoo apenas revirou os olhos. - Vem Gyul. - Pegou a mão de Gyuri a guiando até a cozinha. 

Jisun preparou sanduíches pra ela e Gyuri, bem, e pea Jisoo e Jennie também que entraram na cozinha e comeram com elas sem nem ao menos terem sido convidadas. 

Cono ja esperado, seus sanduíches foram muito bem alogiados pelas irmãs Jang, ainda mais por Gyuri que nunca havia comido nada preparado pela Kim mais nova. 

Quando terminaram de comer e Jisoo lavou a louça por pura e espontânea obrigação exigida por Jisun, as duas mais novas das garotas ali voltaram ao andar de cima para concluir seus estudos. 

Diferente de como estava quando saiu de lá, o clima estava mais leve quando voltaram ao quarto. Gyuri voltou a explicar animadamente química orgânica para a mais nova enquanto ela tentava se concentrar no assunto e não nos lábios rosados de Gyuri se movendo enquanto as palavras escapavam de lá. 

Quando as 16:30 da tarde chegou, e o sol já se preparou pra ocupar o canto do céu, Gyuri suspirou percebendo que estava ficando perigoso. 

- Acho que está na minha hora. - Falou de forma lenta. - Daqui a pouco seu pai chega e se ele encontra a Jisoo naquela agarração com a a Jennie lá embaixo e ainda por cima descobre que eu estou aqui em seu quarto... Acho que ele some com a existência dos Jangs. - Riram de forma boba. - Bom, vamos lá. 

Levantaram-se e Gyuri ajudou Jisun a quadra os materiais que estavam usando nas atividades sobre o assuntos que estavam fazendo . - Você conseguiu entender? 

- Sim, muito melhor do que quando o professor explica. - Gyuri sorriu com aquela resposta enquanto caminhavam na direção da escada. - Gyul? 

- Hum? - Gyuri se virou ao ouvir seu nome ser chamado mas se surpreendeu ao sentir as mãos da menor em seus ombros e os lábios dela tocarem os seus de forma doce rápida mas ainda assim, doce. 

Gyuri sorriu levemente ainda confusa pra Kim mais nova quando o beijo foi quebrado. 

- Vamos? - A mais nova perguntou e ela concordou antes de descerem escada a baixo em seguida. 

- Jisoo, hora de ir. - Falou pra irmã que estava no sofá com Jennie, na mesma situação e posição que estavam a horas atrás. 

- Ah mas... Verdade, já está quase a noite. - Levantou-se do sofá. - Amanhã nos vemos, okay? - Jennie concordou. - Vou tentar te ligar hoje a noite. 

- Certo. - Beijaram-se e logo as quatros garotas caminharam até a porta da casa, despediram-se e as Jang seguiram dando partida no carro. 

- Quanto grude, Jisoo. - Gyuri falou colocando o cinto de segurança quando adentraram o carro. - Vocês ficaram se agarrando a tarde inteira, não foi o suficiente? 

Jisoo riu de forma irônica. 

- Claro que não foi suficiente, Gyul. Nunca é o suficiente. Um dia você vai entender isso.

Gyuri estreitou os olhos, e logo em sua mente veio Jisun. Foi impossível não sorrir de forma boba, as memórias de poucos minutos atrás rondavam sua cabeça. 

- Gyul? - A voz de Jisoo soou a tirando do transe. 

- Ahn? O que? 

- Porque você está olhando pra um ponto fixo no meio do nada e sorrindo sozinha como uma idiota? 

- Ah... Eu...

- Está. - Um sorriso malicioso surgiu nos lábios de Jisoo. - Vai me dizer que... Aha! Eu não sou a única que voltou com o maxilar dolorido hoje... 

Guiuri suspirou já prevendo o que viria e ela estava certa. 

- Ela... Me beijou. - Falou depois que a irmã parou com a dancinha e a risada exagerada. - Não sei, acho... Que estamos começando algo né ? 

- Hum... Parece que sim. Se a diabinha for como a Jennie você tá feita na vida, irmãzinha. 

- Há, você só fala disso. - Jisoo riu. 

- Você é inocente, pequena Gyul. 

- A pequena e inocente Gyul é mais alta que você. - O rosto de Jisoo mudou pra uma falsa indignação. 

- Você nem me respeita. - Falou e Gyuri riu. - Bom..  primeiro, tome sempre cuidado com os sentimentos, não pule de cabeça, vá com calma e tenha certeza do que você quer e o que você sente. Segunda coisa, não se expresse tanto, não fique demonstrando tanto, sempre se certifique de como ela se sente. 

- Por que você está falando tão seriamente, nem parece ser a minha irmã. 

Jisoo riu. 

- Acredite, não quero que se machuque. Você tem todo esse tamanho mas é um bebê inocente e isso não é como um joelho ralado, dói milhões de vezes pior. - Jisoo falava de uma forma tão séria que nem sua própria irmã lhe reconhecia. 

Quando chegaram em casa, foram recebidas pelo pequeno cachorro peludo que não parava de pular em ambas. 

- Você tá precisando de um banho, garoto. - Jisoo falou pegando o cachorro no colo. - Dalgom, se acalme. 

- Gyul, Soo... Daqui a pouco o jantar estará pronto. - A mãe de ambas disse vindo da cozinha. - Seu pai está fazendo aquela costela bovina. 

- Oh, aqui mesmo estou. - Jisoo disse correndo com o pequeno Dalgom no colo até a cozinha. 

- Eu já volto, mãe. Vou colocar essas coisas no meu quarto. - A mais nova das duas disse se referindo aos livros que ainda tinha nas mãos. 

- Não demore. - Sua mãe respondeu. 

Gyuri subiu as escadas da casa, adentrando seu quarto, colocou os livros na mesa de estudos e jogou-se na sua cama. Lembrou automaticamente da tarde que havia tido aquele dia e teimosamente um sorriso apareceu em seu rosto. Se sentiu uma idiota de novo e então sua conversa com sua irmã, no carro, a poucos minutos atrás lhe vieram a mente. 

Ela não devia se entregar, havia entendido isso. 

 

[...] 

 

Duas semanas depois.

 

 

 

Gyuri estava a quase uma hora chorando, sentada no banco do carro. No rádio tocava "What do you mean?" uma música lançada no ano de 1985 por um cantor não tão velho assim.

 

You're so indecisive of what I'm saying

Você é tão indecisa com o que estou dizendo

Trying to catch the beat make up your heart

Tentando pegar a batida que faz o seu coração

 

Don't know if you're happy or complaining

Não sei se você está feliz ou reclamando

 

Don't want us to end where do I start

Não quero que a gente acabe, por onde eu começo?

 

 

First you wanna go to the left and you want to turn right

Primeiro você quer ir para à esquerda mas você quer virar à direita

 

Wanna argue all day make love all night

Quer discutir o dia todo e fazer amor a noite inteira

 

First you up and you're down and then between

Primeiro você está bem, depois está para baixo, e em seguida, entre

 

Ohh I really want to know

Oh, eu realmente quero saber

 

 

O volante do carro já era um rio e ela nem entendia porque doía tanto. 

Jisoo caminhou pra fora da casa, na direção do carro, puxou mangueira do jardim, desfazendo os nos nela. Iria lavar o Logus mas a cena que viu pelos vidros claros do mesmo, lhe entrigou. 

 

What do you mean?

O que você quer dizer?

 

Ohh ohh when you nod your head yes

Quando balança a cabeça que sim

 

But you wanna say no

Mas você quer dizer não

 

What do you mean?

O que você quer dizer?

 

Hey yeah when you don't want me to move

Quando você não quer que eu saia

 

But you tell me to go

Mas me diz para ir embora

 

What do you mean?

O que você quer dizer?

 

Ohh what do you mean?

O que você quer dizer?

 

Said we're running out of time

Diz que estamos correndo contra o tempo

 

What do you mean?

O que você quer dizer?

 

Ohh ohh ohh what do you mean?

O que você quer dizer?

 

Better make up your mind

É melhor você se decidir

 

What do you mean?

O que você quer dizer?

 

 

 

- Gyul, o que foi? - Falou ao adentrar o carro pelo banco do carona. 

Sua irmã estava aos prantos. E pelo que Jisoo se lembrava, ela nunca chorava. 

- Nada, eu só... Sou muito idiota. - Limpou as lágrimas. 

- O que você fez? Você não atropelou um cachorrinho, né? 

- Não, não foi isso, eu... 

- Ah, entendi. - Jisoo disso entre suspiros ao avistar uma foto de Jisun colada no painel do carro. Assim que Gyuri seguiu os olhos de sua irmã mais nova, seu choro piorou. - Fala o que aconteceu. 

- Nada, nada aconteceu. Eu que sou uma idiota. É que... - Limpou as lágrimas. - Eu fiquei na expectativa de vê-la hoje de manhã,mas ela nem falou comigo, nem ao menos quis me ver e eu não sei porque, o que eu fiz? Eu só me sinto mal e... 

- Gyul? Para. - Jisoo a interrompeu.

- Não, Jisoo. Eu devo ter feito algo. Talvez eu seja muito idiota mesmo e ela só se cansou de mim. 

- Gyul, para. Ela não tá brava com você. 

- Não?

- Não! Mas devo admitir que você é idiota. 

- É, disso eu já sabia. 

- Oh, céus. Eu falei pra você ir com calma mas, ela: "a" e você já está em prantos.  Bem... Me deixe explicar. Hoje é o aniversário de morte da mãe dela e da Jennie. É um dia onde a Jennie fica muito sensível e nostálgica também e uma vez ela comentou comigo que esse dia é ainda mais difícil pra Jisun porque a mãe delas acabou falecendo no parto da Jisun que foi muito complicado e mesmo ela e o pai deixando claro pra Jisun que não foi culpa dela, de alguma forma ela ainda se culpa. 

Quando Jisoo terminou de falar os olhos de Gyuri encaravam um ponto fixo no meio do nada. 

- Soo, eu... Eu já volto. - Falou ligando o carro e Jisoo apenas suspirou profundamente abrindo a porta do carona. 

 

What do you mean. Ooohhhh 

 

A música ainda soava do rádio do carro chamando a atenção de Jisoo. 

- Vê se desliga isso. - Falou saindo do carro. - E quando você voltar você que vai lavar ele. 

- Tudo bem. 

- Boa sorte. - Falou se referindo a Jisun vendo a irmã assentir logo em seguida. 

Gyuri arrancou o Logus na direção da casa das Kim que ficava a algumas ruas do bairro calmo onde viviam. Logo estacionou na frente da casa e mal saiu do carro que ouviu uma vez a chamar. 

- Gyuri? - A voz de Jisoo lhe chamou atraindo sua atenção. Gyuri suspirou ao vez a menor. Ela estava mais adorável que o casual. Usava um short jeans, all star e seu cabelo preso em Maria Chiquinhas a deixava ainda mais linda. 

Gyuri suspirou antes de caminhar até a mais nova que molhava as plantas do jardim. 

- Oi, Jisun. Eu... Será que... Você não quer dar uma volta comigo? 

A mais nova sorriu de forma doce. Um sorriso pequeno mas que encheu o coração de Gyuri só de vê-lo no meio daquela expressão triste. 

- Tudo bem. - Fechou a alavanca da mangueira fazendo a água parar. - Eu vou só avisar a Jennie. 

Gyuri assentiu e caminhou até o carro adentrando o mesmo em seguida. Encarou a rua com um sorriso idiota nos lábios e logo a menor adentrou o carro a assustando. 

- Podemos ir? - Perguntou a vendo assentir em seguida. 

Gyuri passou a dirigir pelas ruas de San Francisco tranquilamente mas a preocupação com a menor ainda era grande. Ela encarava a  rua passando por elas pela janela, com a bochecha encostada em seu braço e um olhar distante. Gyuri não quis tirá-la de seu momento, só queria que ela estivesse bem. 

Logo estacionou no McDonald's, saltando do carro rapidamente e deixando a menor confusa. Mas logo ela voltou com um milkshake de Baunilha e uma porção de batatas fritas nas mãos. Adentrou o carro novamente, recebendo um pequeno sorriso em agradecimento quando entregou os lanches pra mais nova. 

- Você gosta de Baunilha, hum? 

Jisun assentiu. 

- Você lembrou. - Sorriu. A mais velha devolveu o sorriso, ligando o carro. 

Parecia algo bobo mas aquilo realmente mexeu com a garota menor. 

Logo Gyuri estacionou novamente o carro, na frente da praia que ficava não muito longe dali. 

Desligou a chave, tirando o cinco de segurança e suspirou, virando - se pra Jisun. 

- Você está bem? - Perguntou seriamente. 

Novamente um flash se passou em sua mente. 

Naquele mesmo dia, o dia do "encontro" com Jennie e Jisoo, Gyuri havia a trazido para a praia em seu pedido. A mais velha se lembrou disso e deduziu que ela gostava da praia. Gyuri sabia que hoje era um dia difícil pra ela e por isso estava fazendo aquilo. 

Se dá conta daquilo fez algo dentro da Kim mais nova derreter. 

- Bem melhor agora. - Respondeu quando, involuntariamente um sorriso bobo apareceu em seu rosto. 

Gyuri lhe devolveu com um sorriso pequeno e um suspiro se encostando no banco do motorista e a olhando melhor. 

Jisun saboreava seu milkshake de Baunilha, hora ou outra colocando uma batata frita na boca de Gyuri que aceitava de bom grado. A calma, o vento e a brisa da praia adentravam o carro pela janela aberta lhe alcançando. Aquilo realmente estava lhe deixando melhor. 

- Obrigada por isso Gyul. 

- Você não tem que me agradecer. 

- Sim, eu tenho. - Se aproximou da menor. - Você se importou comigo e isso realmente é importante. - A Jang mais nova apenas sorriu antes de ter os lábios da menor colados aos seus num beijo calmo e doce mas, ainda assim, intenso. - Gyul? - Jisun a chamou quebrando o beijo entre selinhos.

- Hm?

- Porque tem uma foto minha colada no painel do carro? - A boca de Gyuri se abriu várias vezes mas nenhuma palavra saiu de lá. Seu rosto queimou e a aquela altura já estava mais vermelho que um tomate maduro. 

Jisun achou aquilo realmente fofo e foi impossível não rir antes beijar os lábios rosados da maior a sua frente. Quando se separaram o rosto de Gyuri ainda tinha uma forte coloração. 

- Tudo bem. - A mais nova falou. - Eu acho que sei. - Sorriu. 

 

[...]

 

- Soo? - Jennie chamou entre um beijo e outro que dava na namorada. 

- Hum? - Resmungou de volta.

- Tem algo acontecendo entre nossas irmãs? - Essa pergunta fez Jisoo parar de uma vez e encará-la. Não tinha mais pra onde correr, estava na hora de contar a verdade pra Jennie. 

Jisoo suspirou e pensou na melhor forma de começar sem expor tanto sua irmã. 

- Bem... A Gyul tá apaixonada por ela. Super. Caidinha. - O rosto de Jennie ganhou uma expressão surpresa mas ainda sim tinha um sorriso enorme em seu rosto. 

- Isso é sério?

- Sim. Bem... Eu estou tentando conversar com ela e fazer ela ir com calma. É a primeira vez que ela tem esses sentimentos e acaba se jogando de cabeça. Mas no demais ela está bem, devem estar trocando salivas agora. 

- Credo, Soo. - Fez uma expressão de nojo fazendo a mais velha rir. - Mas isso é ótimo. A Jisun não me conta nada, ela é super fechada e guardada. Dificilmente ela me conta como se sente ou algo que acontece com ela mas pelo que percebi.  Desde a última vez que ela e a Gyul estiveram juntas ela tem estado um pouco mais calma e carinhosa com todos. Ficou até mais boba que o comum. As vezes noundo da lua. Talvez seja isso, Soo. Ela estar doida pela Gyul também. 

Riram.

- Não poderíamos estar em situação melhor. - A Jang disse e riram antes de voltarem a se beijar no carro do Sr. Jang que nem sabia que sua filha havia lhe furtado pra ir ver a namorada.

 

[...] 

 

O sol se pôs de uma vez e tudo o que havia, era um tom alaranjado no céu quase escuro na direção onde ele havia partido. As duas garotas andavam de mão dadas pela areia da praia. Os pés descalços, o vento quase frio que batia em ambas fazendo seus cabelos dançarem. 

Gyuri sentiu que aquele momento era perfeito. Parou um pouco ao lado da menor que a olhou de forma doce. A iluminação quase indo embora, tudo o que Gyuri conseguia ver eram "silhuetas" dos traços de seu rosto. Mas claro, seu inconfundível sorriso. 

- Jisun... - Tentou achar as palavras mas só então se deu conta do que estava prestes a fazer, engrenado em desespero e sentindo seu rosto queimar. 

Por sorte estava escuro suficiente pra que a menor em sua frente não notasse. - Bem... - Continuou. - Eu nunca fiz isso antes então me si tô um pouco sem jeito. Bom... Esse tempo que eu passei com você, esses últimos dias foram incríveis pra mim, você realmente me faz muito bem e não nem ao menos consigo explicar o que acontece. Eu só sinto vontade de estar com você sempre. Eu sei que parece bem cedo pra isso mas.. eu queria saber se você aceita ser a minha namorada. 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...