1. Spirit Fanfics >
  2. The Debt - Imagine Mark Lee >
  3. Capítulo XI

História The Debt - Imagine Mark Lee - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


oii amorecos
resolvi fazer um pouco diferente hj.. esse capitulo vai ser povs do Y.N.
vcs vao ficar meio chocados kskskkjk
enjoy :))

Capítulo 12 - Capítulo XI


Y.N.

Aquela melodia tocada pelos meus fones de ouvido me acalmavam completamente, desde o ocorrido mais cedo eu teria que me vingar, não somente de Park Joohyun que estragou completamente os meus planos de sequestro e contrabando me mulheres. Entrar nesse ramo nunca foi muito meu estilo, mas apenas pelo fato de render uma boa grana e conseguir me bancar nesse país de forma que sobre muito dinheiro para meu uso pessoal e pagar meus subordinados, eu continuava nele sem ressentimento algum já que a maioria das mulheres que eu escolhia queriam participar. Porém com a Joohyun era diferente. Ela não teria a opção de escolha, eu apenas me sentia na necessidade de lucrar em cima dela, mas a garota não facilitava nem um pouco para o meu lado, ela era insuportável e todos que andavam com ela não se escapavam disso. Investiguei ela por uma semana e nesse pouco tempo eu já tinha informações o suficiente dela, e meu pensamento de que ela iria me render uma boa grana estava correto. Park Joohyun não era de se jogar fora. Depois eu comecei a executar meu plano, fui me aproximando aos poucos da garota e isso não foi difícil já que ela era extrovertida o suficiente para não pensar uma segunda vez antes de falar com um desconhecido, era mais correto chamá-la de burra.

O que me deixou um pouco comovido era o fato da garota conhecer Mark Lee e isso ter passado de forma despercebida perante meus olhos, eu com certeza iria culpar e dar uma sentença pesada para quem deixou esse canadense de merda passar batido. Fugi do meu país por ser procurado após uma sequência bem longa de crimes, me escondi na China por três anos mas um traficante me denunciou por não conseguir negócios, e minha ultima opção foi o Canadá. Se eu pudesse voltar no tempo, desejaria nunca ter conhecido o filho da puta do Mark Lee. Ele é da gangue dos Lee, mais especificamente, ele era filho do Sr. Lee, o garoto parecia inofensivo, estava no Canadá para tentar fugir das garras do pai mas ele me pareceu que era uma brecha perfeita para rebaixar a gangue dele no ranking de popularidade e fazer a minha gangue subir em um nível absurdo. Eu o usei o máximo que pude, mas no final saí perdendo, o que eu poderia se esperar de um dos Lee? Enquanto eu investia em meu pensamento de usá-lo contra os próprios Lee's sem que ele soubesse, o garoto já havia descoberto todo o meu esquema, e passou quase minha fortuna inteira para seu nome, além de ter zerado todos os contrabandos que eu tinha e ter me denunciado no país. Era o terceiro país que eu estava sendo procurado e eu tive que me foragir na Coreia do Sul, achei novos subordinados e foi a coisa mais difícil até agora que eu tive que fazer, voltei meus comércios aos poucos e felizmente tudo estava dando certo, me disfarcei em meio aos coreanos como "O Imigrante", como o pessoal que tem minha idade, usei um pouco do meu dinheiro parar fazer uma faculdade, que era apenas fachada, eu não precisaria realmente estudar.

Eu não tinha uma história bonita, eu não tinha amigos e muito menos uma família ou alguém para considerar como se fizesse parte dela. Eu sempre fui um homem de negócios, sempre fui "solitário" mas nunca fui infeliz por viver assim, porém sempre quando alguém queria se intrometer na minha vida eu ficava desconfortável, e os que descobriam demais acabavam mortos, isso é apenas para minha segurança. Desliguei a música dos meus fones assim que cheguei em meu apartamento, coloquei meu celular comum para carregar e peguei o "verdadeiro", no qual usava para falar sobre meus negócios.

UnAnonimous1
Y.N.
Plano 5B executado.
Entreguei para Joohyun o celular com o rastreador e gravador.

TherealYN
Certo.

UnAnonimous1
Ela perguntou sobre a mãe dela.
Mas eu não disse nada.
Provavelmente deve pensar que estamos envolvidos.

TherealYN
Ok. 

UnAnonimous1
Ela também me deu um tiro.
Parecia saber do que fazia.
Estou no hospital.

TherealYN
Continue seu trabalho.
Mantenha-me informado.

Aquela garota não tinha nada de lerda, porém não era eu que estava relacionado ao caso do sumiço da Sra. Park mas com certeza seria alguns dos Lee. A única parte boa de ter andado com o Mark foi saber os podres que essa família tinha, porém nenhum deles chegou perto do que eu fui capaz e fiz contra alguns, Um velho com o sobrenome Park tentou juntar sua família ao poder que os Lee tinham por conta do grande lucro com os contrabandos nunca revelados, ele ficou próximo do Sr. Lee - avô de Mark - e eles dividiram entre si a fortuna que o outro lucrava, porém Lee mexia no sistema para transferir mais dinheiro para ele do que para o Lee, e isso resultou em uma dívida enorme, que o Sr. Park pagou com a vida depois do vencimento do prazo. Mark era contra os esquemas da família e por isso fugiu para o Canadá, ele disse que isso havia sido o que o motivou a se afastou dos familiares, continuou mantendo contato apenas com seu irmão Donghyuck. Eu me sentia ansioso apenas de pensar na possibilidade de contar tudo isso para Joohyun, que seu 'melhor amigo' havia sido responsável pelo assassinato do seu querido avô.

Peguei meu celular comum e abri o chat, como esperado a garota não havia respondido minhas mensagens, era compreensível ela não querer mais falar comigo por conta do ocorrido mais cedo, porém ela demorava tanto que chegava a ser exaustivo. Liguei meu notebook e conectei meu fones, eu havia instalado escutas naquele telefone velho que entregara para Joohyun e talvez o certo agora fosse ver o que estaria acontecendo com ela. 

"Não acha melhor faltar amanhã na faculdade? Podemos analisar isso com cuidado depois, hoje está tarde e não te fará bem dormir fora do horário." Era a voz de uma velha, provavelmente a velha que cuida da Park.

"Certo. Irei tomar um banho e depois me deitar, qualquer coisa estou no meu quarto." Não parece que vai ter algo importante de se ouvir, acho melhor colocar algum subordinado para escutar isso, vai tomar todo o meu tempo.

Aquilo estava realmente entediante, acabei cochilando um pouco enquanto ouvia a conversa inútil da Joohyun com aquela velha, e depois o barulho do chuveiro, ela tinha uma vida normal depois para uma neta de um ladão, talvez a mãe dela ainda não tenha contado, é uma pena. Continuei escutando o som  das coisas que ela fazia, quando me estressei, ela não iria fazer nada? Peguei meu celular que usava para os negócios e telefonei para o número do aparelho que agora estava com ela. Ouvi passos se aproximarem e ela pegar o telefone, mas depois disso tudo ficou em silêncio e ela desligou a chamada logo depois, voltando para aquele silêncio insuportável, eu estava quase ligando novamente.

"Filho da puta." Escutei, e um pouco curioso me levantei, encarando o computador que mostrara o áudio rodando em tempo real.

Novamente o silêncio, que irritante.

"Aproveite, Y.N." Me engasguei, o que eu estava ouvindo? Depois disso não se pode ouvir mais nada, como se o aparelho estivesse quebrado.

Ela o quebrou.

— Desgraçada! — Xinguei começando a mexer no computador, a localização dela ainda era compartilhada, mas a escuta estava inativa. — Ela realmente quebrou? — Ri nervoso, estava ficando com raiva.

Peguei meu celular de negócios novamente, eu iria tirar uma satisfação sobre isso, e se eu não gostar da resposta me preocupo com o que vai acontecer a quem deixou isso acontecer, sem mais demora liguei para o subordinado encarregado de deixar o maldito telefone nas mãos da garota.

— Chefe? — Ele atendeu. — Boa noite, Y.N.

— Seu merda! Como Joohyun ficou sabendo que eu sou o Y.N.? 

— Ah... Sobre isso... — Ele estava enrolando, eu iria matar ele. — Ela me deu um tiro e eu tive que contar, mas não disse nada que irá prejudicá-lo.

— Apenas o fato dela saber que sou o Y.N. já me prejudica, caralho. Por acaso você quer morrer?

— Não chefe. — Ele me respondeu um pouco trêmulo.

— Concerte isso em uma semana. — Respondi ao meio de um suspiro enquanto caminhava até a cozinha e fazia um chá de ervas para me acalmar. 

— Uma semana? O senhor não pode me dar um mês? — Ele parecia indignado. Devia ser bipolar.

— Uma semana. — Reafirmei enquanto esquentava a água para o chá. — Você já sabe o que vai acontecer senão conseguir realizar isso durante esse tempo, certo?

— Sim, chefe.

— Ótimo. Então estamos conversados. — Eu  estava pronto para desligar a chamada.

— Espera! — Escutei e logo voltei o telefone para perto da minha orelha.

— O que é dessa vez? — Revirei os olhos enquanto colocava os sachês na água quente. — Se for sobre o tiro que Joohyun lhe deu. Não se preocupe, irei reembolsar todos os danos. Em relação ao dinheiro, vou me responsabilizar e pagar tudo.

— Não é isso. Por que se preocupa tanto se a Joohyun não sabe ainda que é Yuta Nakamoto?


Notas Finais


geeeente
tentei passar minhas ideias da forma mais clara possivel nesse capitulo, ok??
se alguem ficou confuso ou com duvida em alguma coisa comenta aqui e eu explico !


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...