História The Doctor - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga
Visualizações 4
Palavras 1.414
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oieeee
Espero que gostem \^^/

Capítulo 1 - Conhecendo


Havia acabado a primeira semana de novembro e junto com ela, minha primeira semana morando na Coréia, realizando meu sonho de infância. Meu pequeno apartamento não era localizado no melhor bairro e menos ainda luxuoso, mas estava feliz com minha nova vida. Passei a maior parte da semana indo em loja de decoração comprando cada objeto que trouxesse um ar diferente ao meu solitário lar, mas é claro que reservei um tempo para ir uma agência de empregos, afinal o dinheiro que tinha em algum momento acabaria e antes é melhor procurar um emprego. Estava tão perdida em pensamentos que não havia notado meu celular toca descontrolamente em minha mão, olhei para a tela e sorri ao reconhecer o número de casa.

- Alô.-Atendi.

- Filha! - Meu pai exclamou.-Tudo bem? Como está seu dia?

-Está tudo bem, pai.-Respondi sorridente.-E aí, como estão as coisas?

-Sua mãe ainda está meio tristonha, mas vai passar.-Me tranquilizou.-Ela entendeu que não adiantava ir contra a correnteza chamada Athena Park.

-Obrigada por me considera uma correnteza feroz.-Falei com ironia.- Ainda não me retornaram da agência.

-Meu anjo, você entregou seu currículo não tem nem 72 horas.-Meu pai riu.-Você tem que ter paciência.

-Olha quem fala, você acha que herdei de quem essa impaciência toda em, senhor Jack Park?-Acusei.

-Ok! Fui pego.-Se rendeu.-Estou indo dormir, sua mãe ja está dormindo, fique bem e qualquer coisa nos avise imediatamente.

- Boa noite, pai. - Desliguei a ligação.

Ainda sentia um grande aperto no coração por esta longe de casa, sem os ataques explosivos de minha mãe, Zara e a sensação de paz que meu trazia. Com uma sensação de vazio fui para a cozinha preparar o almoço, quando estava abrindo a porta da geladeira o telefone na sala de estar tocou, caminhei até o mesmo e atendi.

- Alô? - Perguntei em coreano

- Athena Park? - Uma voz masculina respondeu igualmente coreano.

- Sim. - Respondi.

- Aqui é da agência de empregos, nos recebemos seu currículo recente e estávamos selecionando anúncios que condizente ao seu currículo. - Pigarreio. - Bem, recebemos um anúncio urgente para uma ótima vaga de emprego e gostaríamos e saber se é de seu interesse.

- Ah sim! Claro! - Respondi imediatamente.

- É para psicóloga de uma empresa, eles têm urgência em ocupar a vaga, você poderia ir hoje mesmo para uma entrevista? - Perguntou.

- Claro, qual o endereço? - Perguntei animada.

- O endereço e o horário da entrevista deram enviados para seu e-mail imediatamente. - Respondeu. - Boa sorte, senhorita Park.

- Obrigada e bom dia. - Desliguei o telefone ainda em êxtase.

Corri para o computador, o atualizei pelo menos 20 vezes até o e-mail da agência chegar.

"Big Hit Entertainmet, Cheong-gu Builiding 4F, 16:00."

Finalmente teria meu primeiro emprego na Coréia do Sul!

.

O prédio onde era a Big Hit era bem discreto, diferente do que eu esperava de um prédio onde saíam estrelas, segundo minhas pesquisas antes de sair de casa. Assim que entrei fui até o balcão onde estavam duas recepcionistas muito bonitas, uma com o cabelo bem curto e a outra com o cabelo preso em um coque.

-Boa tarde, a agência de empregos me mandou, vim para uma entrevista.-Informei.

-Para Big Hit sim?-Perguntou a de cablo curto com um sorriso simpático.

-Sim.-Confirmei.

- l4 andar.-Me entregou um crachá de visitante. - O elevador é por ali, boa sorte.

-Obrigada.-Agradeci mesmo estranhando o "Boa sorte".

Fui até a direção indicada onde estava o elevador, enquanto esperava chegar em meu andar, me auto analisei. Saia preta um centímetro acima do joelho, camisa social vinho, blazer preto e sapatos scarpin também preto, estava bem agradável para uma entrevista, infelizmente isso não significava que estava confortável. Quando o elevador chegou, como sempre, hesitei um pouco em entrar, desde a infância elevadores me deixam assustada por mais que nunca tenha ficado presa em um, so essa idéia ja me deixa em pânico. Em alguns segundos desci no quarto andar, soltei o ar que não sabia que estava prendendo, olhei em volta e encontrei uma recepção bem semelhante a primeira, porém atrás do balcão estava um rapaz.

- Olá! -Se levantou para me cumprimentar, seu corpo era bem franzino, mas sei rosto era muito bonito. - Veio para a entrevista sim?

- Sim. -Dei um sorriso.

- O Senhor Bang Si-Hyuk ira recebe-la pessoalmente. - Me explicou. -Ele é o diretor da Big Hit.

- Nossa! Que honra. -Me surpreendi.

- Por aqui. -Me indicou um caminho até uma porta grande, a abriu e me deu passagem. - Boa Sorte.

Segunda vez, que estranho.

Assim que entrei um homem de óculos, um pouco roliço e de aparência um pouco cansada.

- Boa Tarde, meu nome é Athena Park, a agência de trabalho me mandou. -Fiz uma leve reverência, não estava muito acostumada aquilo, mas sabia que aquele homem era importante e merecia respeito.

- Você não é coreana? -Perguntou sem rodeios, admito que senti vontade de rir de sua sinceridade.

- Não, senhor. Meu pai é coreano, mas atualmente reside no Brasil. -Expliquei.

- Ah sim, pode sentar-se. - Apontou para a cadeira a frente a sua mesa.

- Obrigada. - Sentei o mais confortável que pude.

- Você mais nova do que eu pensava. - Falou pensativo.

- Me formei faz mais de um ano. - Falei. - Trabalhei em um hospital em meu país de origem, o senhor pode conferir a carta de recomendação, porém minha vontade foi sempre morar na Coréia, quando tiver a oportunidade não a desperdicei.

- Admito que não tive tempo de ver seu currículo, por isso minha surpresa. - Falou envergonhado. - Você tem quantos anos?

- 23 anos. - Falei lentamente.

- Meu Deus, você é bastante nova para ja ter formado. - Falou sem esconder a surpresa.

- Fui adiantada alguns anos na escola. - Falei com orgulho.

- Hum... - Recostou em sua cadeira. - Como pode ver, rodeios não fazem parte de mim, então serei direto. Não sei como entrevistar uma psicóloga, por isso lhe contarei a situação para que possa me dizer se aceita o emprego, aviso de antecipadamente que a senhorita ja é a terceira psicóloga que ocupa essa vaga.

- Terceira? O que aconteceu com os outros? -Perguntei sem controlar minha curiosidade.

- Não conseguiram aguentar a pressão desse cargo. -Falou com cautela.

- É que cargo seria esse? - Perguntei receosa.

- Acho que a senhorita conhece o grupo BTS? - Falou seriamente.

- B o quê? - Perguntei confusa.

- Você não conhece o maior grupo da nossa agência?! - Perguntou com os olhos arregalados.

- Ja ouvi falar, mas não decorei o nome. - Falei com sinceridade.

- Bem, o grupo BTS é formado por 7 garotos. - Me informou. - O cargo é de psicóloga do grupo.

- Nao me parece algo tão complicado. - Falei sem entender.

- Acredite, é mais complicado do que você imagina. - Soltou um suspiro. - Os garotos estão passando por uma fase difícil, de uns três mesas para cá eles estão incontroláveis, faltam aos ensaios, as composições não são entregues, vivem saindo escondidos.

- Acho que você quer uma babá, não uma psicóloga. - Falei sem hesitar.

- Eles não estão bem. - A preocupação eram óbvia em suas palavras. - Eles sempre foram garotos focados e agora parece que perderam toda motivação, eu sei que algo aconteceu ou está acontecendo, mas eles não me deixam ajudar, os outros psicólogos tentaram descobrir, porém eles reagiram mal.

- Sim... E como seria meus horários? - Perguntei.

- Gostaria que você tivesse conversas diárias com eles, em grupo e individualmente, todos os dias. - Falou.

- As inicias seriam longas, ja que eles seram relutantes em se abrir. - Pensei alto.

- Provavelmente. - Confirmou mais pensamentos.

- Aceito. - Falei tentado transparecer segurança.

- Que bom! - Um leve sorriso apareceu em seu rosto. - Você pode conhecer os garotos hoje, eles estão na sala de ensaio, fazendo tudo menos ensaiando.

- Senhor, vou retribuir sua sinceridade sendo sincera, eu vou tentar fazer e tudo para ajudar, porém eu tenho pouca paciência com falta de maturidade. - Falei seriamente.

- Entendo. - Concordou.

- Onde fica a sala de ensaio? - Perguntei me levantando.

- Eu a levarei até la. - Se levantou e assim como o recepcionista, abriu e me deu passagem.

- Gleen, vou apresentar a senhorita Park aos garotos. - Informou.

- Sim, senhor. - Concordou com uma reverência.

Caminhamos por um corredor de paredes cinza.

- Talvez os garotos não tenham uma boa reação, como não tiveram como os psicólogos anteriores. - Comentou. - Pode ser que como voce seja mulher eles peguem mais leve ou...

- Ou o quê? - Perguntei desconfiada quando paramos em frente uma porta branca.

- Mais pesado. - Abriu a porta e entrou me deixando paralisada.

Em que barco furado estou me enfiando?


Notas Finais


Beijosss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...