História A Guerra dos Sete Reinos. - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Crônicas De Gelo e Fogo (Game of Thrones)
Personagens Arya Stark, Brandon "Bran" Stark, Brienne de Tarth, Cersei Lannister, Daenerys Targaryen, Gendry, Jaime Lannister, Jon Snow, Jorah Mormont, Melisandre, Petyr Baelish, Samwell Tarly, Sansa Stark, Theon Greyjoy, Yara Greyjoy
Tags Arya Stark, Asoiaf, Bran Stark, Cersei Lannister, Daenerys, Daenerys Targaryen, Davos, Dragonstone, Euron Greyjoy, Game Of Thrones, Guerra Dos Tronos, Jaime Lannister, Jogo Dos Tronos, Jon, Jon Snow, Jonerys, Jorah, Missandei, Sansa Stark, Theon Greyjoy, Tyrion
Visualizações 273
Palavras 1.288
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem desse capítulo. Demorarei para postar o próximo, pois estou atrasado em algumas matérias, mas deixarei a história atualizada. Nos próximos capítulos terá os outros personagens da história.

Capítulo 4 - A viagem - Parte 2.


Fanfic / Fanfiction A Guerra dos Sete Reinos. - Capítulo 4 - A viagem - Parte 2.

O vento era forte e rápido, mas não como Drogon e Rhaegal, as asas pretas e esverdeadas rodopiavam pelo céu do Vale. Quando se aproximou ao chão, Dany conseguira ser a cidade portuária de Vila Gaivota. Sabia que estava no lugar certo. Então seguiu para o interior do Vale. Suas mãos estavam abraçadas com os grossos espinhos de Drogon, suas coxas estavam fixas ao logo da região onde o pescoço do dragão se encontrava com o resto de seu corpo sombrio. Dany estava feliz, voando com seus dragões em sua casa. Nunca desejou tanto por esse momento. Só queria que a Grande Guerra acabasse para poder percorrer todo território com eles, como fez Aegon Targaryen.

  Ao chegar nos pés das montanhas, avistou uma pequena vila, parte dela estava consumida por cinzas. Dany sabia que se chegasse com os dragões provocaria uma grande confusão, mas precisava mostrar que veio para ajudar. Drogon percorreu por cima da vila até pousar as enormes patas traseiras no chão, próxima a uma torre simples de pedra. O dragão preto encostou seu peito no chão para que a rainha pudesse descer. Quando Daenerys desceu, no pequeno monte onde Drogon pousara, avistou um camponês simples, de meia idade, com barba e cabelos claros. Provavelmente seria o líder da vila.

  - Por favor, minha rainha, não nos queime. – suplicou o camponês gritando. Uma multidão de pessoas se aproximara próximo a ele. Estavam sujos, com fome, desesperados. Homens, mulheres, crianças e velhos suplicavam a rainha por misericórdia.

  Daenerys se aproximou para perto do camponês. – Eu não estou aqui para ser a rainha das cinzas. Eu sou Daenerys, Nascida na Tormenta, da Casa Targaryen, Rainha legítima do Trono de Ferro, Rainha legítima dos Ândalos e dos Primeiros Homens, Protetora dos Sete Reinos, Mãe dos Dragões, Khalisse do Grande Mar de Grama, a Não Queimada, Destruidora de Correntes. – Proclamou Dany a todos que estavam ali.

  “A rainha”, “É a rainha”, “A Filha dos Dragões” “Filha do Rei Doido” Vozes saíram da grande multidão se se alojava próximo de Daenerys.

  - Não sou como meu pai. - disse Daenerys em um tom triste. – Eu vim ajudá-los. – Dany conseguira sentir o medo deles em sua própria pele. Estavam apavorados ao vê-la. – Eu trouxe sementes e grãos.

  Daenerys caminhou até Rhaegal. A multidão se assustara, pensavam que a rainha iria queima-los. Dany desamarrou os nós das sacolas de pano, que estavam presos aos chifres e espinhos do dragão verde. Colocou as sacolas repletas de alimentos no chão, e seguiu em direção ao líder da vila.

  - Por favor, peguem. São seus. – Exclamou Dany para a vila. Ninguém reagiu a ordem da rainha. – Fale com eles, entenda eu quero ajudar. – disse Dany, com uma voz suave e dócil ao camponês.

  O camponês não disse nenhuma palavra, apenas olhou para trás e mexeu a cabeça. Cinco camponeses vieram para pegar as sacolas. Dany esbouçou um sorriso, juntou as mãos e acompanhou os camponeses até os dragões.

  - Não tenha medo, estou aqui com vocês. – disse Dany, com uma voz reconfortante.

  Os camponeses olharam dentro das sacolas e viram os alimentos, queriam se jogar nos pães e grão. Passaram fome por duas quinzenas. Além de sofrerem por um saque de cavalheiros. Os homens vestidos de blusas sujas, couro velho e sem botas pegaram todas as sacolas.

  - Porque está fazendo isso? – perguntou o líder de olhos verdes.

  - Já disse, quero ajuda-los. – respondeu Dany, olhando para toda aquela população de camponeses. - Quem fizera isso? Quem saqueou vocês?

  - Os Lannister, Vossa Graça.

  A pele de Daenerys queimara de raiva, queria botar um fim a eles. “Como podem” Pensou a rainha.

  -Onde estão os cavalheiros do Vale?

  -Muitos no Norte, outros vigiam o Ninho. 

  - O inverno já chegou, prepare sua vila para o pior. Se os Lannister voltarem, vá até Dragonstone e me informe. – disse Daenerys com toda raiva.

  - Você voltará para nos ajudar? – perguntou o camponês, com uma expressão de assustado.

  - Sempre. – disse Dany com toda paz. Os olhos violetas reluziam a luz do dia. Daenerys caminhou e foi em direção a Drogon, quando chegou a seus pés, virou-se e viu o mar de pessoas ajoelhas. O vento trouxe a paz para aquele vilarejo. Todos ali se sentiam seguros com a rainha Targaryen. O simples líder camponês dobrou os joelhos dizendo: Minha Rainha. 

  Daenerys ficara emocionada. A bravura corria em seu sangue. Gotas de lagrimas caíra sobre as botas de Dany. E então se lembrou de quando libertou os escravos e fora carregada pelos ombros em Essos. Seus olhos se encheram de paixão e felicidade por seu povo.  Eles a amavam, e ela também. O povo de Westeros se tornaram os novos filhos da rainha. O Vale reconhecera a sua rainha.

  Feliz, mas também triste por não poder ajudar mais, Daenerys voltara para Dragonstone. O dia estava pela metade quando Drogon e Rhaegal pousaram em terra firme. Os ventos traziam notícias boas com a chegada da rainha em casa. Dany se despediu de seus filhos e eles voltaram a voar no céu. Gritaram anunciando a chegada da rainha. Seus gritos eram tão altos, que poderiam ser escutados no continente.

   A rainha caminhou de volta para a Fortaleza, quando viu Jon Snow sentado no banco de pedra, logo na descida do penhasco onde pousara. Ele a viu, pois escutara os grunhidos, que mais se pareciam com rugidos, dos dragões. Jon então se levantou. Daenerys desceu as escadas de pedras, até chegar onde Jon estava. Os dois se encontraram naquela área onde era usada para a observação do mar e descanso dos reis e rainhas que habitaram Dragonstone.

  - Como foi a viagem, Vossa Graça? – perguntou Jon, sua voz saíra grossa. Jon mapeou cada parte do corpo de Daenerys, ainda não havia superado o beijo que ela lhe deu a duas noites atrás. As tranças de Dany estavam intactas. A luz vinda do sol, que escapava das nuvens que o cobrira, fazia que seus cabelos brilhassem como diamantes e safiras.

  - Estou contente Jon Snow, mas triste por não ajudar mais. – declarou Daenerys. Jon estava usando uma linda capa preta com uma pele de urso por cima. A cor da pele era uma mistura de marfim e marrom. Dany queria sentir aquela pele que caíra sobre os ombros largos de Jon. Não era a única coisa que queria sentir. Queria sentir seus lábios em sua boca de novo, por mais tempo, queria sentir suas mãos grossas e pesadas pelo seu corpo.

  - Mais, minha rainha? Existe muitas pessoas que já salvara só por aceitar em lutar contra os Caminhantes Brancos. – disse Jon, mordendo os lábios com os dentes, olhando para o horizonte. Jon esboçou um leve sorriso ao terminar de dizer.

  - Você tem fé, Jon Snow?

  - Nos deuses antigos, talvez.

  - Não fé em deuses. Fé em vencer. – disse Daenerys ao nortenho.

  - Minha fé aumentara quando decidi lutar ao seu lado e você ao meu. – As palavras simples saíram da boca de Jon.

  Daenerys olhou para dentro de seus olhos, assim como ele a olhara.

   - É bom escutar isso.

  - Minha rainha perdão, mas, você tem dois grandes dragões e um vasto exército. Não entendo porque você ainda não foi a King’s Landing com eles. Venceria na hora. – Jon perguntou o que estava entalado em sua garganta desde que chegou em Dragonstone.

  - Se eu quisesse, eu faria. Mas quero salvar o máximo de pessoas que puder para governar o meu país. Uma vez, uma querida pessoa me disse “Você é um Dragão, seja um Dragão” – respondeu a Jon, que ficara em silencio. – Tenho que ir agora. Nos encontramos ao entardecer para o embarque.

  - Até, Dany. – disse Jon, um sorriso se formara quando Dany a olhou de volta.


Notas Finais


Obrigado por me acompanharem. Queria lembrar, que essa história é como eu desejaria que o desenvolvimento de jonerys fosse. Além também de dar continuidade a série, logo que ela só voltará em 2019
A Grande Guerra está próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...