História The Eleventh Floor - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Personagens Originais, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Eleventh Floor, Exo
Visualizações 23
Palavras 2.113
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Fluffy, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Postando quase meia noite

Não façam isso pessoas.

Anyway, aqui está mais um capítulo dessa linda história, aproveitem.
Boa leitura!

Capítulo 8 - A tristeza que infiltrou


Foram sete meses, os mais felizes da vida de Oh Sehun até agora.

Sete meses ao lado de Choi Kyunghee.

Sete meses cuja felicidade agora só estava gravada no celular de Sehun em forma de fotos de vários momentos com Kyunghee.

Ele se martirizava pelo que aconteceu, achava que era culpa sua, que foi um péssimo namorado ou algo assim, mas ele não podia estar mais errado. Era culpa total e unicamente dos pensamentos, medos e dúvidas de Kyunghee.

Ela fez o que fez pelo bem dele, ou pelo menos achava isso.

O fato é que duas semanas atrás Kyunghee terminou com Sehun. A lembrança é recente e terrível para o rapaz, ele havia ido até a casa dela em uma tarde de sábado porque ela lhe mandou uma mensagem dizendo que eles precisavam conversar, quando chegou no apartamento Kyunghee já estava na porta.

E ela já estava chorando.

- Hee-ya? O que houve? – Ele questionou preocupado enquanto se aproximava dela, segurou seu rosto procurando por um machucado ou algo assim. – Porque está chorando? Aconteceu alguma coisa?

Kyunghee negou com a cabeça sem conseguir parar de lagrimar, ela pôs as mãos no rosto de Sehun e o olhou atentamente, como se estivesse gravando cada detalhe do rapaz.

- Kyunghee, o que está acontecend--

Ela o impediu de continuar porque lhe deu um beijo, parecia um beijo triste e um tanto amargo, como se fosse uma despedida. Sehun retribuiu, mas logo ela se afastou, deixando o rapaz sem entender nada. Ele ia perguntar mais uma vez o que estava acontecendo, entretanto ela falou antes que ele dissesse qualquer coisa.

- Vamos terminar.

Sehun travou.

- O que? – Ele não entendeu aquilo, algo não parecia certo. – Como assim terminar? Kyunghee, o que houve? Pode me contar, seja lá o que for a gente dá um jeito.

- Não. Vamos terminar. – Ela repetiu, com a voz chorosa, se afastando ainda mais dele em direção a entrada de seu apartamento. – É para o seu próprio bem, Sehun. Não me procure mais, não venha atrás de mim, finja que eu não existi na sua vida, ok?

- Quer que eu apague tudo o que passei com você nos últimos meses? Acha que eu posso simplesmente fingir que você não mudou a minha vida?! – Sehun replicou, um pouco irritado com a situação. – Kyunghee, não dá. Sabe que não dá pra fazer isso, não posso, não consigo fazer isso.

- Consegue sim, vai doer no começo, mas você vai conseguir. – Ela começou a chorar ainda mais e Sehun percebia que havia algo muito errado acontecendo. – Eu vou tentar fazer o mesmo, ok? Só entenda, por favor, é para o seu próprio bem. Me desculpe, Sehun, sinto muito por ter aparecido, sinto muito por ter te perguntado aquilo há tempos atrás, eu... Sinto muito por tudo.

Sehun não conseguia encontrar resposta alguma para aquilo tudo, só conseguia ver o quanto Kyunghee estava sofrendo a cada palavra que proferia.

- Mas obrigado por ter me feito feliz nos últimos tempos.

Foi tudo que ela disse antes de entrar em seu apartamento e fechar a porta, Sehun ainda bateu lá várias vezes pedindo que ela abrisse para que pudessem conversar devidamente, mas desistiu depois de alguns minutos. Se concentrou um pouco e pode escutar som fraco do choro que vinha do lado de dentro do lugar, sabia que Kyunghee estava sofrendo por algum motivo, porém não fazia ideia do que poderia ser.

Aquilo estava acabando com ele.

Seus amigos ficaram assustados com o que aconteceu, e mais assustados ainda quando Sehun se trancou em seu quarto e passou o resto da tarde chorando pelo que acontecera. Nenhum deles conseguia entender o motivo do término, todos resolveram dar tempo ao tempo, eles até se revezavam para – de certa forma – cuidar de Sehun. Ele ficou tão abatido que chamou a atenção dos olhares atentos dos tabloides de celebridades, muitos se perguntavam o que estava acontecendo com o maknae do EXO.

E até ele mesmo queria entender o que estava acontecendo.

~x~

Foi uma coisa simples, um medo que entrou na cabeça de Kyunghee e acabou por destruir seu relacionamento com Sehun.

Uma noite há poucos meses atrás ele a chamou para sair. Como sempre ela recusou, tinha medo de sair com ele e alguém acabar reconhecendo-o, porque tecnicamente eles não podiam estar namorando. Não queria trazer problemas para Sehun de maneira alguma, mas ele insistiu com a justificativa de que estava de noite e eles não iriam a um lugar com muito movimento.

Ela acabou aceitando no fim das contas.

O plano de Sehun era realmente simples, eles iriam simplesmente andar pelo bairro e comer alguma coisa qualquer. Ele a encontrou no saguão do prédio e logo saíram para andar por aí, por sugestão dela foram até uma loja de conveniência não muito longe para comprar doces (era o segredo deles, porque Sehun não deveria comer muitos doces). E todo o problema começou lá.

Kyunghee estava andando por um dos corredores, seguindo Sehun até a parte dos doces, quando, sem querer, esbarrou em uma adolescente. Automaticamente Kyunghee pediu desculpas, mas a garota a sua frente lhe deu um empurrão e exclamou:

- Olha por onde anda, negrinh--

Kyunghee não pode ouvir o resto, porque Sehun lhe puxou contra seu corpo e a abraçou, tampando seus ouvidos. Ela agarrou a camisa dele e fechou os olhos, descansando o rosto contra o peito do rapaz. Ela sabia o que do que a garota lhe chamou, as lembranças de quando era uma aluna nova naquela escola ali na Coréia vieram à tona e não eram nada boas. Não ousou abrir os olhos, apenas se deixou ser guiada por Sehun.

- Já pode abrir os olhos. – Ouviu ele sussurrar e abriu os olhos por fim, mas não soltou Sehun. – Está tudo bem, estou aqui com você.

Eles estavam fora do estabelecimento, perto do parque onde algumas crianças brincavam e pessoas passeavam. Sehun passava a mão pelos cabelos dela, tentando tranquiliza-la, mas Kyunghee ainda parecia assustada e Sehun notou isso.

- Kyunghee, não ligue para o que ouviu, ok? Você é linda e eu simplesmente amo a cor da sua pele. – Sehun comentou, beijando o topo de sua cabeça e sentindo as mãos da moça apertarem o tecido de sua camisa nas costas. -  Não se deixe levar por esse tipo de comentário, por favor.

Kyunghee não respondeu, queria muito chorar naquele momento, então entrou em pânico ao notar uma coisa.

- Ela reconheceu você? – A moça questionou, um pouco aflita.

- Não, ela me mandou ir se ferrar. – Ele respondeu bem-humorado, mas Kyunghee ainda não estava tranquila. Sehun a abraçou novamente, passando a mão em suas costas. – Está tudo bem, Hee-ya. Me desculpe por ter feito você passar por isso.

- Não foi sua culpa. – Respondeu Kyunghee, sentindo lágrimas escapando de seus olhos, mas não queria chorar. – Podemos ir para casa, por favor?

Sehun concordou, mas exigiu que ela deixasse que ele a carregasse. No fim das contas eles seguiram para casa, sendo que Kyunghee estava indo confortavelmente nas costas de Sehun, abraçando o pescoço dele e aproveitando o passeio.

Só que, infelizmente, o acontecido não saiu da cabeça dela por um bom tempo. E um dia lhe ocorreu o seguinte pensamento:

“Se descobrirem que Sehun está namorando vai ser ruim, se descobrirem que ele está namorando com uma garota com o meu tom de pele vai ser pior ainda”

Seria terrível para Kyunghee se, de alguma forma, ela viesse a prejudicar a carreira de Sehun. E foi por conta disso que tomou a decisão de terminar com ele, mesmo sabendo o quanto ambos sofreriam por isso. Foi nesse momento que notou que amava Oh Sehun.

E justamente por ama-lo que faria aquilo.

Ela chorou antecipadamente pelo que iria fazer e piorou ao vê-lo chegar, cada frase que disse a ele naquele sábado à tarde fez seu coração doer e ficou entristecida ao ter que lhe beijar uma última vez. Sentiria falta de tudo, de cada momento, de cada carinho, de cada gesto que Sehun fizera com ela, mas se lembrava de que era tudo para o bem dele.

Podia até ser para o bem dele, entretanto estava acabando com ela. E Kyunghee contava a si mesma a mentira de que iria passar e um dia tudo ficaria bem. Seus pais ficaram entristecidos com a decisão dela, e Lara Kim quis lhe bater pelo celular ao saber daquilo, mas todos deram a ela espaço e tempo para melhorar.

Só que tudo só estava piorando. Para Sehun e para ela.

~x~

Kyungsoo não queria se meter, mas decidiu que era hora de fazer algo a respeito.

Dois meses se passaram e nada estava melhorando, Sehun parecia cada vez mais triste, assim como Kyunghee. Xiumin até tentou conversar com ela sobre o motivo do término, mas ela se recusou a dizer, não só para ele, todos eles tentaram conversar com ela sobre aquilo e ela sempre escapava da história.

Então Do Kyungsoo tomou as rédeas da situação de vez.

Ele tocou a campainha do apartamento 221 em uma noite de quarta e esperou, foi atendido pela senhora Choi. Kyungsoo a cumprimentou e disse claramente que estava lá para arrancar a verdade da filha dela, a senhora Choi indicou o quarto de Kyunghee e deu a Dyo toda a liberdade para fazer o que tinha que ser feito. O rapaz sorriu agradecido e foi até o quarto de sua amiga, bateu na porta e a ouviu dizer que podia entrar.

Kyunghee ficou um pouco surpresa ao ver Kyungsoo ali em seu quarto, ele olhou ao redor do lugar e deu um sorriso.

- Seu quarto é legal. – Disse enquanto fechava a porta atrás de si. – Precisamos conversar.

- Se é sobre Sehun, você já sabe a resposta. – Ela replicou de sua cama onde estava sentada segurando uma revista em quadrinhos. – Já cansei de dizer que tive meus motivos para...

- Não é sobre isso, Hee. – Dyo se sentou à frente dela, observando a dúvida nos olhos da moça. – É sobre mim. Aliás, pijama bonito.

Kyunghee não havia notado que usava seu pijama estampado com cupcakes, acabou rindo de si mesma.

- Eu sou uma ridícula, já deveria estar acostumado.

- Já estou acostumado, agora me escuta. – Kyungsoo se arrumou na cama e encostou na parede. – Vou te contar uma coisa que só 6 pessoas nesse mundo sabem.

Sua amiga deixou a revista de lado e prestou atenção ao que ele iria dizer.

- Há algum tempo atrás eu caí de amores por uma mulher. Era sinceramente a mulher da minha vida, a morena mais linda, inteligente, gentil e gostosa do universo inteiro. Sério, o sexo com ela era... o que foi? – Ele questionou ao ver a expressão de confusão no rosto de Kyunghee.

- Não preciso saber dos detalhes da sua vida sexual, Kyung. – Explicou Hee e ele concordou.

- Desculpe, onde eu estava? Ah sim, eu caí de amores por ela. Meus pais viviam me dizendo que eu deveria fazer algo a respeito, diziam que eu não deveria deixar ela escapar. Mas...

- Deixa eu adivinhar, você deixou ela escapar.

- Ela voltou para a França. – Ele explicou, passando as mãos no rosto, frustrado consigo mesmo. – Mas disse que ficaria sem pensar duas vezes se eu pedisse.

- E porque não disse a ela como se sentia? – Kyunghee questionou, interessada na história.

- Porque tive medo, fui um idiota. – Confessou Soo, dando um sorriso entristecido. – Ela me disse com todas as letras que me amava, e eu ainda a amo na verdade. Olha, não sei o que houve entre você e Sehun, mas se realmente o ama, e tenho certeza disso, não deveria deixa-lo escapar.

Kyunghee tirou seus óculos, esfregando os olhos e suspirando. Ela se jogou na cama, sendo observada por Dyo.

- Quer saber porque eu terminei com Sehun?

Então ela lhe contou o que aconteceu naquele fatídico dia há meses atrás, o que resultou em um Kyungsoo muito irritado com uma garota que nem conhecia e uma Kyunghee aliviada por ter finalmente contado a verdade para alguém.

- Hee, você vai mesmo deixar esse pensamento no caminho do seu amor pelo Sehun? – Soo questionou, cutucando a perna dela. – Manda todo mundo pro espaço e corre atrás do seu amor, mulher.

- Eu amo os conselhos que você me dá, Soo. – Kyunghee disse antes de se jogar sobre seu amigo e lhe dar um abraço, fazendo-o rir.

- Por favor, só volte com Sehun, ele está triste, carente e insuportável. – O rapaz pediu após soltar Kyunghee. – Acho que ele realmente te ama.

Por fim ela acabou se decidindo, iria correr atrás de seu amor.

E dane-se o mundo!

~x~


Notas Finais


Chegou longe assim? Pessoa boa você é uma.
Me conte se gostou, sim? Agradeço desde já.

Até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...