História The End of My Dear World - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Comedia, Romance, Terror, Violencia, Zumbis
Visualizações 4
Palavras 1.098
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Drabble, Drabs, Ecchi, Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Lemon, LGBT, Lírica, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Aaah não!


Fanfic / Fanfiction The End of My Dear World - Capítulo 2 - Aaah não!

A Janela fez um estrondo, a mãe do Arthur que eu ainda não sei o nome, puxou a glock e apontou pra janela, eu já estava tremendo com medo de ser algum bicho. Quando percebi, ERA UMA NINHADA INTEIRA DELES! A mãe do Arthur começou a atirar nos que entravam, enquanto o pai dele correu pelos corredores. Arthur seguiu pra outro corredor, A O QUE TA ACONTECENDO! 
   —  Arianna, siga o meu esposo! Ele te dará algo para defesa própria! — eu fiz o que ela falou, quando eu seguia correndo, um desses bichos entrou e me puxou pela perna, antes que eu notasse, sua boca ja estava quase encostando no meu tornozelo... eu vou morrer. 
   Fechei meus olhos com a total noção de que agora eu morreria... é o fim. 
   De repente ouço um som de tiro muito alto, e sinto o bicho que estava me agarrando se arrastar ao chão. 
  —  Isso foram anos de CS... hhehe! — O pai de Arthur começou a atirar nos zumbis próximos. —  Vamos, garota! Levanta daí! Tem uma bolsa cheia de armas e munição na próxima sala, escolhe la e vem! —  Ele me disse disfarçando seu medo, acho que ele tava segurando tanto que saiu umas gotas de suor, vish. 
  Corri pra cozinha, também morrendo de medo, vi um facão artesanal. Peguei ele e corri pra lá. Vi Arthur batendo nos bichos com um taco de baseball. Todos aqui atacam principalmente a cabeça, então... acho que é pra eu atacar também né? Eu nunca assisti muito aquelas séries e filmes de terror onde têm zumbis, então não tenho noção de nada. Sai metendo aquela faca GIGANTE e PESADA nas cabeças verdes alheias. Confesso que fiquei um pouco excitada nisso tudo. Quando vimos, os números eram infinitos e não parava de entrar Zumbi. Então, a mãe de Arthur decidiu subir pro andar superior junto conosco e fugir pulando de telhado em telhado. Mas, a Sra. Mãe do Arthur morre de medo, diferente do pai dele. Que estranho! 
   — AAAH EU NÃO VOU PULAR ISSO DE JEITO NENHUM! EU VOU CAIR E MORRER! NÃO VOU! —  gritou ela com medo.
   —  vai logo! Eu não aguento pular com você nos braços! —  Disse o marido. 
    Arthur e o pai pularam pro outro telhado, a mãe do Arthur pulou de olhos fechados. Bem, eu pulei meio receiada mas pulei, ou eu pulava ou eu morria. Pulei e pisei de mal jeito na telha, o que me fez torcer um pouco meu tornozelo, mas nada grave, dá pra andar. Corremos pulando de telhado em telhado, até que eu quase caí. Arthur me segurou, eu juro que saí do mundo de caos por poucos segundos após olhar diretamente nos olhos dele. Ele era tão... encantador. Quando voltei e vi minha situação, acabei dando um chute na parede e despedaçando o reboco mal feito. Pelo menos uma coisa boa na má qualidade de construção brasileira né. Usei disso pra escalar o tijolo. 
   — Eu shippo eles, Semore. — Disse a louca.
   — Parecem a gente no inicio, negava e era tão fofo, hahaha! — Concordou o Alto.
   Eu tô sendo shippada pelos pais do meu crush pra ficar com o meu crush? AH! Que incrível, que as outras garotas apaixonadas se fodam. Eu tô aqui pra ficar com ele. Até confirmaram... MINHA FUTURA SOGRA CONFIRMO-
   — Eu não gosto da Arianna. — ele afirmou isso em curtas e grossas palavras, ai, doeu. 
   — Eu também falava isso pra sua mãe, filho. E olha só, hoje somos o casal mais grudado do mundo. — Disse o pai dele soltando um sorriso de canto. 
   Olhando o Sr. Sogrão, suas roupas escuras de tons avermelhados e azulados, e seus all stars vermelhos... ele parece ser legal. Além de ter um cabelo de mesma altura que a mãe do Arthur, um pouco acima do pescoço e solto. Seus olhos castanhos mel são tão chamativos quanto os olhos avermelhados da dona Miss Goth. Pera... analisando melhor o rosto desse cara... ELE É UM RAPPER! LEMBREI! ISSO, ISSO! Eu esqueci o nome dele... mas sei que é um rapper famoso, é provavelmente por isso que a família do Arthur é rica... eu lembro que esse rapper era famoso por ser casado com uma multgarota. Mãe do Arthur é várias coisas ao mesmo tempo né? Incrivel, me pergunto qual a habilidade do Arthur além de ser um arrogante lerdo....
   Depois de correr e matar alguns zumbis, chegamos no topo de um apartamento. Daqui de cima dava pra ver a cidade destruída, alguns lugares até tinham pessoas vivas, mas as vi morrer. A cara séria dos membros dessa família. Eu me sinto triste de estar com ela. 
    Peguei meu celular e comecei a floodar os chats de conversa de meus pais. Ninguém respondia, mas eles recebiam e viam. Eu me pergunto se já estão mortos. Provavelmente. Apenas quero que a Luise esteja bem. Será que os tantos anos de séries e filmes de zumbis à ajudaram? Sei lá, talvez não. 


    Q.D.T


Depois de um tempo estavamos dentro de um caminhão, na parte que vai as coisas, sabe? Estavámos carregando as armas, pegando medicina (coincidentemente um caminhão que ia pra farmácia), e descansando depois de matar tanto. Confesso que Arthur consegue ser lindo ainda... 
  — Thu, eu e seu pai vamos ficar um pouco sozinhos aqui. Poderia sair pra tomar ar com a Anna? Qualquer coisa, jogue uma pedra no caminhão que nós iremos. — ela quer que ele saia comigo... ah... 
  Ele acenou com a cabeça confirmando e me puxou pela mão para fora do caminhão. Sentamos a beira de um lago, esse céu estrelado, e a grande lua. De onde será que saíram esses bichos?
  Pelo clima, decidi que depois de três anos apaixonada, me confessaria! Bem... mas... como? O que eu posso dizer? Hum... "Arthur... já faz três anos que eu tô apaixonada por ti!" não,.... dramatico demais. "Arthur, eu te amo" meloso demais. "Arthur, bora se comer?" safado demais, mas eu.. VOU USAR VAI!
   — Hey Arthur... 
   — diga. — Ele me olhou com a mesma cara de cu...
  — É... é... vocÊ viu como céu estrelado tá bonito? É lindo né, haha...hahaha.... — A EU NÃO CONSEGUIq
  — Fale o que quer Arianna. — que grosso.
  — bora... se comer?
  — como assim? — AH NÃO! ELE É MUITO LERDO!
  — Eu... gosto de você. Já faz três anos. 
  — Hum.. legal. Que péssima escolha, eu não tô nem aí pra você. Te conheci ontem. — HEEEEEIN? Ah não, ah não, não não, eu acabei de tomar um fora, nããããão!!!
   Fiquei triste e sem graça. Fiquei girando meus dedos uns nos outros. Queria saber mais sobre o porquê de o Arthur ser tão... assim.

 Depois disso acho que minha curiosidade bateu...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...