História The end of the road - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Arrependimentos, Assassinato, Erros, Estrada, Psicológico, Scary, Tortura, Vingança
Visualizações 4
Palavras 1.655
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oioioiiii
Mais um capítulo apos um ano kkkkkkk
Enfim, espero que aproveitem.
→ Playlist pra escutar enquanto está lendo:
YouTube - https://www.youtube.com/playlist?list=PLNvmMpZ-tePx_YhqxS7wi5ohZ3UwnsHR2
Spotify - https://open.spotify.com/user/tia_suguinha/playlist/2XgFkhck9NG7wkZR6ExXMR?si=CfPVHCT0T0KgbdXDr-G9Jg

Capítulo 2 - Capítulo 2


-James, seu maldito!

Kirisame cerrou os punhos, tendo os olhos cheios de lágrimas e o corpo completamente enrijecido. O sangue de ambos os corpos, possuidores de um vermelho fechado, se misturava e espalhava por todo o piso, sujando o tapete no centro da sala. O rapaz se levantou, dando uma risada histérica ao ver Kirisame daquele jeito.

-Parece que o clube de teatro ajudou bastante você, não é mesmo?-James passou a andar calmamente em nossa direção, parando a poucos centímetros de nós, segurando meu rosto e o aproximando do dele.-A sua amiguinha ainda não sabe quem você é de verdade?

-Não toca nela...-Logo, aquele Kirisame que estava abalado pela morte de seus pais sumiu em um piscar de olhos, dando lugar para um ser tranquilo e de face neutra.-Como você disse, ela ainda não sabe de nada.

-Ah, entendo...-Ele me olhou fixamente, dando um sorriso perverso com o canto dos lábios ao ver o espanto estampado em minha face.-Se bem que... Eu não tenho tanta certeza disso.

James retirou um celular do bolso, o desbloqueando rapidamente e direcionando a tela para nós. Uma imagem que eu reconheceria de longe, se não fosse pela má qualidade, surgiu junto ao brilho forte, era o dia em que eu matei Steve. Meus batimentos se aceleraram, sentindo meu sangue esquentar por conta do medo que se tornava cada vez maior, qual aumentou por completo ao ter minha mão segurada, mas me tranquilizando ao ver que pertencia a Kiri.

-Fui eu quem pedi para que ela fizesse, a culpa é toda minha.

-Nada disso.-James deu uma risada rápida, tomando novamente a seriedade em seu rosto.-A culpa é dos dois.

James direcionou a arma para nós, passando a mão por seus cabelos negros. Logo ele se afastou um pouco mais, inclinando levemente a cabeça para o lado.

-Que tal um joguinho? Hun? Eu adoro jogos.-Ele se sentou no braço do sofá, colocando uma perna sobre a outra enquanto recarregava a arma.-Eu irei dar um tempo para vocês pegarem algumas coisas, depois disso vocês irão se mandar daqui, mas sabendo que terá alguém atrás de vocês.

-Por que ta fazendo isso? Por que não me mata logo?!-Kirisame gritou, me fazendo dar um pequeno pulo e finalmente sentir uma lágrima correndo pelo meu rosto.

-Você quer estragar a diversão? Tortura psicológica é a melhor coisa que existe!-O rapaz se levantou, passando a andar de um lado ao outro enquanto mexia em seu relógio.-Vocês têm no total cinco minutos, é melhor vocês correrem.

Ele clicou em um botão do relógio, iniciando a contagem sem mais nem menos. Tanto enquanto Kirisame corremos para o andar superior, mas logo fui interrompida ao ser puxada por ele.

-Fique aqui e escute o nome de quem vai nos seguir.-Kiri sussurrou enquanto mantinha uma das mãos sobre minha boca, em seguida voltando a correr.

Permaneci alí por um tempo, até finalmente outros vir o nome "Michael", então andando nas pontas dos pés até onde Kirisame estava.

-Parece que é um tal de Michael..

-Se ele disse que vai ser o Michael, então provavelmente vai ser o Jason.-Kirisame indagou enquanto jogava o resto de uma corda para fora da janela, puxando com força para ver se estava realmente seguro.-Pronto, pega a mochila e vamos.

-Faltam dois minutos!-A voz de James ressurgiu, rompendo o que sobrava de silêncio.

Corri até a cama, pegando a mochila e o entregando, em seguida me arrepiando por completo ao perceber que era para descer primeiro pela corda. Sim, eu já tinha feito aquilo várias vezes com ele, mas naquele momento eu estava sob pressão, com um imenso medo percorrendo por todo meu corpo, seria realmente difícil descer daquele jeito. Por mais que estivesse insegura, me segurei na corda e passei a descer, chegando ao chão mais rápido do que achei que chegaria. Em seguida Kiri também desceu, me segurando pela mão e me puxando para dentro do carro, dando partida e arrancando com tudo.

Eu estava completamente assustada para dizer alguma coisa, apenas fiquei encarando o que se passava ao lado de fora do carro, sentindo cada vez mais lágrimas rolando por minha pele.

-Fica calma, eu vou cuidar de você.

-Seria melhor se não precisasse!-Gritei com ele, virando meu rosto para a janela.-Seria melhor se eu não tivesse matado ninguém, se eu tivesse dito não pra aquele pedido idiota teu!

-Doll, eu tinha um bom motivo pra..

-Sua ex? Aquela vadia?!-Retorno a olhar para ele, qual estava com o maxilar rígido.-Acha que eu não ia descobrir que você só tava querendo defender ela?! Sinceramente, você caiu mesmo no papo dela de que foi estuprada? Todo mundo naquele colégio sabia que aquela garota não passava de uma puta que te traia com os professores e vários outros alunos!

Kiri parou o carro num lugar calmo, fechando os olhos e respirando fundo, apertando com força o volante. Me contolei para não gritar mais com ele, queria guardar tudo para um momento em que ele não pudesse simplesmente capotar o carro comigo dentro. Ele se virou e pegou a mochila, qual estava jogada sobre os bancos do fundo, retirando de dentro um chaveiro, abrindo a porta do carro e saindo em silêncio.

O segui com os olhos, percebendo que ele abria o portão enferrujado de uma garagem, voltando em passos rápidos para o carro. Kirisame passou a macha carro, o dirigindo até dentro da garagem, em seguida o desliga e olhando para mim.

-Se você sabia, por que não me contou?-Ele voltou a direcionar o rosto para o parabrisa, observando a neve que passava a cair lentamente.

-Você parecia tão feliz com ela, não queria estragar a tua falsa felicidade.-Dei um suspiro, olhando a casa em que estávamos.-E, que lugar é esse?

A construção tinha uma aparência antiga mas estava bem cuidada, parecia com aquelas casas da época vitoriana e tinha quatro andares. Várias janelas se faziam presentes nas paredes, todas elas com vidros completamente sujos, porém nenhum danificado, e junto a elas, várias plantas se faziam presentes sobre os tijolos avermelhados.

-Apenas uma precaução pra caso algo do tipo acontecesse.-Kirisame abriu mais uma vez a porta do carro e saiu, me esperando fazer o mesmo para que então pegasse a mochila e se direcionasse até uma porta lateral.

-Espera, então você já tinha ideia de que isso aconteceria?

-Claro que sim. Eu me meti em várias coisas, Doll... Mas não me arrependo nem um pouco, até mesmo se o preço que eu tiver que pagar custe minha vida.-Kiri entrou na casa, segurando minha mão e me fazendo entrar.

O lugar estava bagunçado e completamente empoeirado, mas nada que uma pequena faxina não resolvesse. Os detalhes nas paredes e nos corrimões das escadas eram lindos, com certeza o tipo de casa que eu adoraria morar se não fosse nessa situação. Dei um leve suspiro, levando a mão para minha cabeça e batendo levemente.

-Olha Kiri, eu te amo e tudo mais... Mas eu não posso simplesmente ficar aqui. Eu..

Antes que eu pudesse completar, Kirisame apontou uma arma para mim, dando um leve suspiro e fechando a porta.

-Se eles não te matarem, eu mesmo mato, entendeu?

Senti meu coração quando quase sair pela boca, ouvindo em seguida a risada de Kiri ao me ver daquele jeito.

-Você não acha que eu faria mesmo isso, acha?

-Depois do que você me pediu para fazer, sinceramente, acho que você é capaz de qualquer coisa..

-Bonequinha...-Ele se inclinou levemente na minha direção, pondo uma de suas mãos sobre minha face.-Eu nunca te machucaria...-Seus olhos encontraram os meus, praticamente me prendendo a ele.

-Você promete...?

-Claro que prometo... De coração...-Kirisame aproximou seu rosto um pouco mais do meu, desferindo um rápido beijo sobre meus lábios.

Eu não entendia o porque de estar confiando nele, depois de tudo o que ele fez... Eu nem sabia se ele tinha matado mais pessoas, se tinha feito coisa pior... Aquelas palavras do James... "A sua amiguinha ainda não sabe quem você é de verdade?". Repetir aquilo várias vezes na minha mente só me torturava cada vez mais. Enfim, como se uma magia fosse quebrada, direciono meu rosto para o lado, me afastando pouco a pouco dele.

-Mas, e aquilo que o James falou? Sobre eu não saber quem você realmente é...

-Ah, isso..-Kirisame revirou  os olhos, voltando a ter um semblante sério em sua face.-Bem, você vai descobrir com o tempo.

-Eu convivo com você faz dezoito anos e ainda não descobri, acha que agora vou?

Ele não disse mais nada, apenas saiu e me deixou sozinha na sala. Dei um longo suspiro, passando a andar pela casa a fim de conhecer o lugar melhor. A casa em si era linda, mas algo nela me deixava arrepiada, com medo, insegura... Talvez a mistura da antiguidade com a falta de iluminação? Ou o extremo silêncio que apenas se quebrava com o leve soprar do vento? Eram tantas coisas para listar...

Subi as escadas vagarosamente, observando o lado de fora através das janelas, observando a neve cair mais intensamente a cada momento. Ao chegar no quarto e último andar me deparo com Kirisame em uma sacada, sentado no parapeito enquanto ouvia alguma coisa em seus fones de ouvido.

-Kiri, sai daí, não é um lugar muito seguro.

-Idaí se não é seguro?-Kirisame permaneceu olhando para frente, tendo seu corpo atingido pela neve diversas vezes.

-Eu to falando sério, se você cair daí você vai morrer.

Kirisame riu, ficando em pé sobre o parapeito e se virando para mim.

-Doll... Para nascer novamente precisarei cair...

E sem mais nem menos, ele abriu os braços e se jogou, sumindo da minha vista rapidamente enquanto seu corpo caia deitado junto com a neve. Apenas um pequeno barulho, isso foi o que anunciou que seu corpo finalmente tocaria o chão branco, que seu sangue provavelmente estaria se espalhando pela neve, igual a aquele dia.


Notas Finais


Bem, espero que tenham gostado. Até o próximo ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...