História The Evolution - Interativa - Capítulo 3


Escrita por: e Beaurifu

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Escola, Interativa, Magia, Romance, Sobrenatural
Visualizações 32
Palavras 2.321
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Ecchi, Fantasia, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Orange, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oiii anjos
Hoje temos mais um capítulo saindo direto do forno.
Não vou tomar muito o tempo de vocês aqui, vejo cada um nas notas finais
PS: Leia as notas finais.

Capítulo 3 - 01.02 - NIghtmare


Fanfic / Fanfiction The Evolution - Interativa - Capítulo 3 - 01.02 - NIghtmare

Ponto de vista Amélia

Os pássaros cantavam do outro lado da janela, anunciando o recolhimento deles para seus lares, finalmente. Conseguia ver o sol se pondo e pintando o céu em tons rosas e laranjas, agora é o melhor momento para uma vampira, como eu, fazer uma viagem; ainda mais uma relativamente longa como eu faria. Passar o dia todo em volta de outros vampiros que nunca vi na vida e ouvindo todo tipo de coisa foi pior do que pude imaginar, pelo menos com a filha de Angela, pude me distrair Iria sentir falta daqueles lábios… eu acho, mesmo que eu gostasse dela e de sua companhia, não irá para frente, é indiferente de qualquer forma.

Lutar contra o inevitável foi algo que não fiz, apenas aceitei e curti aqueles últimos minutos com quem estava na mansão, mas todos já foram embora, tirando Angela; ir para aquela cidadezinha, famigerada Bruxelas, e voltar ao colégio, claramente não era algo que eu realmente queria, ter que aturar outros adolescentes e jovens todos os dias, não estava nem de longe na minha lista de objetivos de vida, e eu sou imortal. Tudo por conta do objetivo de unificar e resolver nossos problemas com as outras espécies, será um saco com certeza.

“A noite é uma criança” como meu pai sempre diz, mas eu não tenho toda a noite para chegar  na escolinha e me hospedar nos quartos ou onde quer que eles fossem colocar as cobaias dessa ideia maluca. Claro que me pareceu insanidade todo o projeto quando Angela e meu pai vieram me contar sobre. Mas essa é a chance única que me foi dada e irei mostrar o meu valor para os outros vampiros e para dar orgulho aos meus pais, novamente é claro.

- Filha, querida, você já arrumou a suas coisas? - Minha mãe surgiu na porta da minha suite, dava para ver que ela não concordava com a minha partida, mesmo que o dia todo ela tivesse dito que me apoiava agora, no fundo ela ainda queria que eu ficasse em casa. 

- Sim mãe, já arrumei as minhas malas desde ontem elas estão prontas- Me sentei na cama e não precisou nem mesmo eu bater no espaço ao meu lado para que a loira viesse se sentar ao meu lado usando a sua super velocidade.

- Ai meu tesouro, você sabe que eu não concordo em nada com isso - Eu deitei minha cabeça em seu ombro para a confortar.

- Mãe, eu sei disso…  ouvi você e papa discutirem muito desde que ele me indicou para ir. Você precisa aceitar o que está feito, eu vou e irei provar que é possível - Ela começou a acariciar meu cabelo.

- Eu sei tesouro, e se tem alguém com a capacidade de encontrar um meio termo e de conversar com as outras espécies é você ... - Ela acariciou o meu nariz com seu dedo gelado e deu um leve sorriso, que acabou mostrando um pouco dos caninos -  Mas, eu só fico preocupada com a sua segurança no meio daquele monte de animais selvagens. E se você ficar com um lobo no quarto? Ou com um elfo? Eu não tolerarei deixarem o meu tesouro dividir quarto com um selvagem, e…

- Mãe, você precisa relaxar um pouco sabe? - Sorri para ela - Eu vou ficar bem. É mais fácil eu colocar os cãezinhos para correr do que eles me intimidarem. Além do mais eu preciso ir pois um dia irei liderar essa federação, e mesmo que pareça um absurdo total, essa ideia da escola pode dar certo.

- Tudo pronto solzinho? - Meu pai surgiu dizendo - O Bugatti já está abastecido.

- Amélia já contatei o senhor Lee e o avisei que estará saindo daqui a pouco - Angela também apareceu na porta - Acredito que ele irá te esperar ou algo do gênero.

- Tudo certo pai, as malas estão prontas já. - Apontei para um canto do quarto onde tinha duas enormes malas roxas escuras, elas eram bem pesadas, mas meu pai as pegou e carregou sem dificuldade alguma - Ah e obrigada Angela, eu não irei te decepcionar.

- Eu sei que não Mel, se algo der errado você pode voltar, e deixe comigo que resolvo o resto com aqueles animais. - Me levantei soltando a mão de minha mãe e andei em direção a líder.

- Certo Angela, eu volto se algo der muito errado, mas eu acho que é mais fácil eu os fazê-los correr - O sorriso maldoso dela surgiu e ela me abraçou os ombros.

- É por isso que é você que está indo, minhas filhas não dariam conta, eu as amo mas não tem como negar o seu talento querida.

- Obrigada Angela, vindo de você é muito importante para mim. 

Eu sempre soube que esse dia chegaria e passei grande parte do meu tempo com os meus pais ou amigos, e claro me preparando psicologicamente para o que estava por vir. Caminhamos lentamente e em silêncio atrás de meu pai, que não queria demonstrar suas preocupações para mim, como ele sempre fez e faz ainda. Eu sei que ele se arriscou ao me colocar no cargo e isso poderia custar muito caro, e por isso eu darei o meu melhor, para o orgulhar.

- Pai você sabe que eu posso levar minhas malas, não sou mais uma garotinha - Sorri para ele quando o mesmo virou levemente o rosto para me olhar.

- Eu sei, mas deixe o seu velho cuidar de você uma ultima vez, nunca se sabe o que pode acontecer - Ele riu ao olhar a cara da minha mãe, o que me fez rir também, deixar ela mais pilhada não era uma boa ideia, 

Fora algumas piadinhas ocasionais do meu pai ou de Angela para distrair minha mãe que não me largava mais, tudo foi silencioso, e em alguns momentos pude ouvir o som de alguns pássaros ou morcegos ao longe, nunca sei reconhecer um do outro apenas ouvindo. Olhei para todas os outros vampiros que me serviram durante todos esses anos, seria estranho não os ter mais por perto para me obedecer e servir.

Do lado de fora, no jardim oval estava meu Bugatti Chiron preto, aquela belezura foi, e ainda é, um dos carros mais rápidos que existiram no mundo antes da guerra. Observei cada um lentamente e parecia uma pintura vitoriana… se não me engano. Mesmo sendo mimada, pois eu sei muito bem disso, eu dava valor para aqueles que me serviam. Meus pais podem ter me dado tudo que sempre quis, mas em troca tinha que ser educada, na maior parte dos casos, e dar o meu máximo em tudo.

- Bem… Muito obrigada, a todos vocês. Eu sou grata por tudo, mas deixe apenas entre nós isso, os outros vampiros não podem saber que eu tenho coração… Será que tenho mesmo? - Vi sorrisos e não pude evitar sorrir junto - Mãe, pai… não irei desonrar o nome da nossa família, eu os orgulharei.

- Você já orgulha tesouro- Os braços dela me rodearam tão rápido e logo após senti meu pai do outro lado.

- É verdade solzinho, você já um orgulho para nós, e eu estou muito contente que você está se propondo a dar um passo a mais nas relações internacionais da Federação. 

Os dois me soltaram e vi os olhos de Sabrina e Nicole vermelhos, as filhas da líder me encaravam, claro que os de Sabrina estavam mais pois ela era minha namorada ou amante ou ficante, nenhuma de nós duas sabia o que éramos na realidade.

- Angela eu honrarei o nome da nossa federação, pode ter certeza disso, não irei te decepcionar - Foi estranho receber uma demonstração de afeto dela em público, ainda mais um abraço, mas eu não negaria isso a ela; quero viver.

- Eu sei que vai Mel, é por isso que estou enviando vocês, não as bocós das minhas filhas, não sei o que fiz de errado? - Ela brincou e tirou risos das duas, claro que não era verdade, Angela só queria brincar e descontrair o clima, as filhas dela eram perfeitamente capacitadas, mas não para o cargo de líder e ambas sabiam disso.

- Eu irei sentir sua falta Mel - Começou Sabrina, a loira veio mais perto de mim e quando eu ia a responder a mesma apenas me beijou na frente de todo mundo, essa família está me surpreendendo hoje - Se cuida garota, e tenha juízo nessa cabecinha.

- Pode deixar, eu terei. E…. não espere por mim Brina - A mesma assentiu e voltou ao lado da irmã que sussurrou um “Eu sempre soube, aquela piranha” o que me fez reprimir um sorrisinho Olhei uma ultima vez para minha família, minha casa - Bem isso é um até logo, não adeus - Sorri tentando passar tranquilidade e não sei se deu certo - Eu espero…

Adentrei no meu lindo carro e parti para o meu destino, e em nenhum momento eu olhei para trás, aquilo tornaria mais difícil. Agora um novo capítulo viria e eu ansiava para rever velhos rostos e conhecer novas bocas. A noite já havia caído e no céu muitas estrelas brilhavam havia apenas eu naquela pista, sozinha e ouvindo “Helena” do My Chemical Romance. Ao ter recebido o carro um objeto pequeno veio junto meu avô disse que esse objeto se chama Pen-drive e que muitas pessoas tinham antigamente. 

A viagem não demorou tanto quanto imaginei e eu tive bastante tempo para pensar,  mesmo que eu tivesse mais cantado no meu show particular do que realmente feito um planejamento ou alguma estratégia. 

Ao cruzar as fronteiras entre as duas nações, que são vizinhas, senti um leve cansaço, essa a barreira que meu pai havia dito quando voltou daquela viagem secreta, e realmente, quanto mais perto fui chegando do destino mais senti o poder da barreira. Eles não haviam brincado quando disseram que tomaram providencias sobre os poderes, isso facilitaria a vida dos elfos e centauros certamente, malditos não usuários de magia.

Quando finalmente vi a construção da instituição crescer e ficar maior, ainda era de noite não devia passar das 22 horas, e eu ainda teria muito tempo para arrumar as minhas coisas no quarto que irei dividir com alguém; o que está me deixando pilhada. Ao estacionar o carro, vi duas silhuetas chegando perto, o som de cascos no asfalto era nítido mas os passos leves do diretor raposa quase foram imperceptíveis. 

- Olá senhorita LeBlanc estávamos a sua espera, meu nome é George Ang Lee - O meio raposa estendeu a mão para mim e ao segurá-la senti uma onda energética rápida passar pelo meu corpo. 

- É um prazer conhecer o senhor, Sr. Lee. Meu pai falou de você quando voltou para Paris - Sorri para ele olhando em seus olhos, tentando a todo custo não olhar para suas caudas que pareciam tão fofinhas e macias, o que foi em vão.

- Se a senhorita quiser tocar nessa cauda terá que ser rápida - O centauro falou me fazendo olhar para cima, o homem era grande e mesmo com o ar de sério ele transmitia uma aura carismática.

- O senhor deve ser o professor Alexandre Magna, certo? 

- Sim, em carne, osso e sangue - Ele sorri para mim por conta da piadinha, que apenas dei uma revirada de olhos rápida.

- É um prazer conhecê-lo, senhor Magna - Estendi a mão para ele que a segurou com firmeza, não demonstrando medo e nem mesmo seus batimentos estavam acelerados, pelo que pude sentir.

- Pode me chamar de Alexandre, senhorita LeBlanc.

- Certo, Alexandre eu lhe concedo a honra de me chamar de Amélia, é apenas para quem eu realmente gosto - Eu brinquei com ele que colocou a mão no peito.

- Bem Amélia, irei lhe mostrar onde ficam os dormitórios, acho que você deve ser uma das primeiras a chegar então poderá escolher o quarto que lhe agradar - O diretor falou e começou a andar em direção ao local. Quando fui pegar as malas no chão vi o cavalo às pegar e começar a andar junto ao senhor de cabelos branco. 

- Eu posso levar as malas Alexandre, eu sou um vampiro, tenho super força. 

- Eu sei disso,, mas é bom ser hospitaleiro com nossos alunos, ainda mais os que chegam tão cedo, ou deveria dizer tarde? - Ele sorriu e tive que deixar ele as levar, pois pelo jeito ele não iria desistir.

Andamos durante alguns minutos, as luzes já estavam acesas, assim pude observar todo o local que o Senhor Lee explicava durante o trajeto; ele parecia orgulhoso da construção e da arquitetura,  era de tirar o chapéu mesmo. 

- Bem e aqui chegamos ao fim do Tour exclusivo. -  Foi apenas o centauro colocar as minhas coisas no chão que eu as peguei e pus ao meu lado, pronta para ir ao meu quarto

- E o senhor quer que eu mostre aos outros alunos a escola quando eles chegarem certo? É por isso que me contou tudo nos mínimos detalhes. 

- Sim, seu pai me contou que a senhorita tem uma memória muito bom e é muito eloquente, então que oportunidade melhor do que essa?

- Tudo bem, sem problemas… - olhei rapidamente ao redor - Se não se importarem que eu suba, ainda não me acostumei com a sensação da barreira.

Assim nos despedimos e eu subi para os quartos rapidamente, olhei um a um para saber qual eu iria ficar, precisava de um espaçoso e que eu pudesse dividir com o menor número possível de pessoas. Aquele seria o meu canto por longos dias, claro que, não se comparava ao meu quarto, que foi projetado exclusivamente para mim, com tudo o que eu gostava e queria, mas daria para o gasto.

 


Notas Finais


Primeiramente, a 1º leva foi fechada e em breve iremos revelar as nossas avaliações, não é como se fossemos mandar vocês mudarem tudo é apenas o que achamos sobre. Enfim em acredito que essa semana irá sair esse documento.
E para aqueles que não entregaram antes do prazo da primeira leva, não se preocupe iremos ter outra leva.

Sobre os líderes das federações, ainda estamos trabalhando nisso.

E por fim mas não menos importante, na real o mais kkk, o que acharam da Amélia? Nos digam nos comentários por favor. ∾∾ Amaya


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...