História The ex Nerd and Me - Capítulo 49


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bangtan Boys, Bts, Kim Taehyung
Visualizações 397
Palavras 2.389
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Ficção Adolescente, Harem, Hentai, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 49 - Reconciliação e lembranças.


(S/N) POVS  

Acordei meio atordoada e me sentei, vendo estar em uma cama, mais precisamente, no quarto de Taehyung. Estava sozinha e me lembrei do ocorrido de mais cedo, sentindo um nó voltar a se formar em minha garganta. Me levantei, abrindo o guarda-roupa, pegando minha mala. A abri, colocando algumas roupas ali com pressa, enquanto meus olhos ficavam marejados. A porta se abriu, porém eu não me dei o trabalho de olhar, continuando com o que fazia.  

— Amor, por favor, para com isso. Vamos conversar, me deixa te explicar. — se aproximou e eu continuei o ignorando. — (S/N)... — colocou sua mão em cima da minha delicadamente e eu parei, o encarando. — Eu fui na sala de figurinos pra pegar meu celular que tinha esquecido lá. Quando entrei, vi que Nari tinha enroscado a botão da sua camisa em uma das peças do cabide e que estava desesperada, tentando tirar. Até perguntei se precisava de ajuda, mas ela negou. Quando eu ia sair da sala, percebi que tinha puxado a peça enroscada com muita força, tentando desprender do botão e acabou perdendo o equilíbrio. Ia cair e então eu a puxei, tentando ajudar mas acabei caindo junto. Ela estava prestes a se levantar quando você entrou na sala e entendeu tudo errado. — colocou uma mecha de meu cabelo para trás de minha orelha.  
— Háh. — ri debochada — Você acha que eu vou acreditar nisso? Quanto tempo você passou planejando essa mentira, hein? — me afastei.  — Tinha uma mulher seminua no seu colo, o que você esperou que eu fosse pensar?!  
— Já falei, os botões dela estavam presos numa peça de roupa, quando ela puxou, eles abriram! Acred... — fui sair do quarto, mas ele fechou a porta, parando em frente à mesma. — Droga, (S/N). Eu te amo! — me abraçou. — Quando eu te abraço, é pra valer. Quando eu te beijo... — beijou meu pescoço e eu me arrepiei, fechando os olhos — É verdadeiro. Você sabe disso, sente isso. Quando eu toco cada parte do seu corpo, você sente. Eu sei que sim.  
— Taehyung... — falei seu nome sem pensar e ele segurou minha mão, colocando em seu peito.  
— Meu coração acelera como louco quando você diz meu nome assim. — sussurrou. — Acha que é uma mentira ainda?  

Entrelaçou nossas mãos me olhando nos olhos e me beijou. Sentia algumas lágrimas ainda escorrerem pelo meu rosto. Eu não conseguia mais duvidar dele, no fundo sabia que não mentiria pra mim. Queria aquele beijo mais do que nunca, não conseguia mais me imaginar sem ele em minha vida.  

Me deixei levar por aquele sentimento, aquela sensação quente que dominava meu corpo. Suas mãos grandes retiravam cada peça de roupa que eu vestia, seus lábios úmidos beijavam cada pedaço de minha pele que despia, me deixando louca.  Mal conseguia raciocinar, minha mente repetia para mim mesma: "Ele não mentiria pra mim, eu o amo. Eu o quero."  

Já completamente nua, passei a despi-lo também, retirando cada peça de roupa que o mesmo usava, ouvindo-o suspirar. O empurrei, fazendo com que se sentasse na cama e me abaixei, ficando na altura de seu membro. O olhei nos olhos, acariciando-o sem pressa.  

Ver o que eu causava em seu corpo, me deliciava. Massajei suas bolas, subindo até seu falo. Segurei seu membro e pressionei minha língua sobre a glande, lambendo ali com vontade, vendo-o tombar a cabeça para trás. O provoquei um pouco mais, até colocar o que podia em minha boca, masturbando o que sobrava com as mãos. Seus grunhidos aumentavam e eu amava ouvir cada som que ele fazia. Suas mãos foram para os meus cabelos quando sentiu que estaria próximo de seu auge, acariciando os fios. Continuei até que ele gozasse, bebendo todo o líquido que despejava.  

Sorriu, sentando-se no centro da cama com pernas de índio, me chamando para seu colo e assim o fiz. Sentia seu membro pulsar de excitação dentro de mim e gemi, entrelaçando minhas pernas em volta do mesmo. Taehyung me olhou nos olhos, beijando cada parte de meu rosto carinhosamente, até chegar em meus lábios. Nos beijamos demonstrando todos os nossos sentimentos, nos sentindo amados. Os últimos raios de sol do entardecer adentravam a janela, iluminando os nossos corpos unidos naquela cama espaçosa.  

Paramos de nos beijar apenas por falta de ar e eu o abracei, sentindo suas mãos acariciarem minhas costas. Eu dava beijos suaves em seu pescoço, sentindo-o dentro de mim. Estávamos parados, apenas aproveitando as carícias um do outro, como se aquela fosse a última vez. Como se fosse o último toque.  

— Hah... — suspirou em minha orelha, me causando um arrepio que se espalhou por todo o meu corpo. — Eu te amo, (S/N).  
— Eu também te amo, Tae.  

Nossas respirações voltaram a ficar descompassadas e eu me movimentei, rebolando em seu colo. Vi o mesmo apoiar as mãos na cama, mordiscando os lábios me encarando. Rebolei mais ainda, sentindo meu interior se contrair, o sugando para ainda mais fundo. Continuei os movimentos, sentindo o prazer tomar conta de meus sentidos.  

— Taehyungie, hmm... — ele sorriu, colando os nossos corpos novamente. Arranhei suas costas com certa força quando senti meu corpo estremecer e me desfiz, chegando em meu limite ao mesmo tempo que ele.  

Nos deitamos na cama soados, sorrindo um para o outro. Ao contrário do que algumas pessoas diziam sobre transar depois de uma reconciliação, não havia sido algo selvagem e cheio de raiva. Dessa vez, percebi que não havíamos apenas transado, era diferente. Era como se a partir daquele gesto tivéssemos demonstrado todo o afeto e amor guardados dentro de nossos corações, era como se tudo transbordasse em um ato de carinho.  

— Isso... — se deitou de lado, me encarando e eu fiz o mesmo. — Foi incrível. — sorriu retangular e selei seus lábios, respondendo:  
— Sim, foi... Me desculpa por ter desconfiado de você. Pensar que você poderia estar me traindo me deixou cega, eu sei que você não mentiria pra mim. 
— Claro que eu te desculpo, amor. Mas... Pode me chamar daquele jeito fofo de novo?  
— Como? — me aproximei mais do mesmo — Taehyungie? — concordou — Taehyungie, TaeTae, V, Kim Taehyung, Alien estranho, eu te amo.  

[...]

Já no serviço, depois de alguns dias evitando a nova funcionária Nari por causa do acontecido passado, acabei por entrar em um dos estúdios, onde ela também estava. Não que eu tivesse algo contra ela, afinal, como meu próprio namorado havia dito, tinha sido um mal entendido. Porém eu não podia mentir, aquela cena mexeu comigo. Não é como se eu conseguisse enxergar a minha colega de trabalho da mesma maneira depois de ter visto ela em cima do meu namorado, mas eu teria que agir normalmente.  

Fui mexer em minhas coisas normalmente, quando ela se aproximou.  

— É... Sobre aquele dia, eu gostaria de pedir desculpas pela situação que causei entre vocês. Na verdade, nem sabia que estavam namorando. Minha intenção não foi prejudicar vocês ou algo do gênero, me desculpe.  
— Tudo bem. Foi sem querer, acontece. Você não tem culpa. — sorri sem mostrar os dentes.  

Mudamos de assunto, o que me ajudou a esquecer o que aconteceu. Olhei para o relógio notando que já eram quase 19h e peguei minhas coisas em meu camarim, quando Taehyung se aproximava, me abraçando por trás.  

— Vamos? — perguntou.  
— Onde?  
— Ir embora. Pedi pra sair mais cedo, tenho uma surpresa pra você. — peguei minha bolsa e saímos de mãos dadas. 

A essa altura, todos que passavam por nós percebiam finalmente o que estava acontecendo e eu já não ia mais negar que estávamos namorando.  Fomos até o carro e a todo momento V me olhava. Eu não o questionei, sabia que não me contaria e para tentar disfarçar minha ansiedade, apenas puxei assunto aleatórios com ele que respondia normalmente.  

[...] 

Só me dei conta que acabei cochilando quando Taehyung me acordou, dizendo que já havíamos chegado. Cocei os olhos sonolenta e pouco tempo depois a porta do carro era aberta por ele e eu descia, vendo um sorriso estampado em seu rosto. Antes que eu pudesse ver onde estávamos, Taehyung colocava uma venda em meus olhos, me guiando pela mão.  

Perguntei curiosa e apenas ouvi uma risadinha sapeca do mesmo que minutos depois descobria meus olhos. Estávamos na praia. numa parte dela onde haviam poucas pessoas por já estar escurecendo. O encarei curiosa, vendo-o ficar em minha frente, segurando ambas as minhas mãos.  

— Bom, eu não podia te levar pro Havaí, então eu escolhi a praia Eurwangni. — sorriu — Sabe... A praia me traz boas lembranças. Como quando voltamos a conversar como amigos novamente, o nosso beijo sentados na areia e a nossa primeira noite juntos depois de muito tempo... Quer dizer, talvez a gente estivesse um pouquinho bêbado. — rimos — Mas aqui ambos estamos sóbrios e agora, somos namorados. A única coisa que estava faltando era o símbolo do nosso compromisso. Eu queria que fosse especial.  

Retirou uma caixinha do bolso e a abriu, mostrando dois anéis prateados. No meu havia uma pedra de brilhante exposta e no dele também, só que cravada ali.  

— Eu nunca pensei que fosse o tipo romântica, mas... Eu te amo e pra mim, tudo o o que vem de você é perfeito... Olha só! Falei algo tão meloso...  

Riu iu e colocou o anel em meu dedo. Peguei o dele, fazendo o mesmo. Um sorriso se formou em nossos rostos e nos abraçamos.  

— Ah, tem mais uma coisa. Ficaremos hospedados num hotel daqui por uma noite. Não se preocupe com as roupas ou coisas assim, já que amanhã voltaremos.  

Caminhamos um pouco pela praia e até molhamos os nossos pés. Estávamos felizes e eu esperava que aquele momento durasse por muito tempo. Eu só conseguia pensar em como era sortuda e em como ele tinha a incrível capacidade de me surpreender.  

Jantamos em um restaurante e depois fomos até o hotel onde passaríamos a noite. Taehyung disse o nosso nome ao recepcionista que nos entregou a chave de nosso quarto.  

Entramos em uma suíte bonita e muito bem organizado. Olhei mais adiante, vendo que assim como na suíte que ficamos no Havaí, também tinha uma janela com vista para o mar. Olhei para o mesmo admirada.  

— Eu pensei em tudo. — disse fazendo um V com os dedos, em frente ao olho direito.  
— Por que eu não namorei com você antes, hein?  

Fui até a cama, me sentando ali, vendo ele ligar a televisão e fazer o mesmo. Depositei minha cabeça em seu ombro e passamos a assistir juntos. 

Depois de mais ou menos uma hora de filme, percebi que a mão de Taehyung descia pela minha barriga e ignorei, continuando a assistir, até sentir a ponta de seus dedos adentrarem o short que usava. Olhei para ele encabulada, que continuou focado no filme, como se não estivesse fazendo nada.  

Seus dedos deslizaram até a minha calcinha e eu tirei sua mão de lá. O que não mudou em nada, já que minutos depois sua mão adentrava a mesma novamente. Vi um sorriso vitorioso se formar em seus lábios, enquanto ele ainda olhava para a televisão e bufei, tentando cruzar as pernas. "Isso não vai dar certo..."  

Seus dedos alcançaram minha calcinha novamente, onde ele passou a friccionar minha intimidade, acariciando ali. Tentei controlar minha respiração que ficava alta e vendo isso, afastou o fino tecido, tocando ali diretamente. Arranhei o braço do mesmo como forma de reprovação.  

Tocou o meu clítoris e tentei fingir que não me importava e nem sentia nada, assistindo a televisão normalmente, o que se tornava cada vez mais impossível. Ele massageava ali com cautela, descendo a ponta dos dedos até minha entrada que pouco a pouco se lubrificava, fazendo-o rir soprado. Um grunhido escapou de minha boca e minhas pernas se contorceram involuntariamente, quando seu dedo indicador foi levado para dentro de mim repentinamente.  

Olhei para baixo, vendo sua mão se movimentar dentro de meu shorts. Cerrei os lábios impedindo sons estranhos e com a mão livre, Taehyung pegou o controle abaixando o volume da televisão. Adicionou mais um dedo e eu arqueei as costas. Agora eu já podia ouvir o barulho de minha respiração e de seus dedos em contato com os fluidos daquela parte.  

Em um movimento rápido, os retirou dali, ajoelhando-se em minha frente na cama, afastando meus joelhos. Inclinou-se em minha direção, apoiando uma de suas mãos ao meu lado, me beijando enquanto a outra adentrava minhas roupas novamente, penetrando me interior. Meus gemidos foram abafados pelo beijo e em um momento de consciência, o afastei ofegante.  

— Taehyung, nós... Fizemos ontem. — o empurrei para o lado na cama, me levantando ainda com as pernas meio bambas. — Eu vou tomar banho.  

Me despi no banheiro ofegante, colocando a mão em meu peito, sentindo meu coração acelerado. "Tudo bem que nós somos namorados, mas... Será que ele me acha muito fácil? Nós sempre fazemos. Se ele se cansar algum dia? Cansar de mim?"  

— Vim tomar banho também. — levei um susto e ao olhá-lo vi que usava apenas cueca. — Uau, tem banheira aqui. Vamos entrar! — sorriu empolgado, enchendo a mesma. "Ele não vai tentar nada... Certo?" Tomou um banho rápido e me olhou animado — Vem, (S/N). —  se sentou na banheira e eu concordei.  

Me sentei em seu colo, sentindo o tecido de sua boxer em minha pele desnuda. Fiquei constrangida, era a primeira vez que estávamos praticamente nus e tão próximos sem fazer nada.  

Resolvi relaxar e encostei minhas costas em seu peitoral, sentindo seu queixo apoiado em meu ombro. Tudo ia bem, até sua mão boba entrar em ação, percorrendo meu corpo. Elas iam de meus ombros até minhas mãos, passando em seguida para as minhas coxas, subindo vagarosamente pela minha barriga e seios, me fazendo suspirar.  

— Taehyu... 
— Calma. — me interrompeu. — Eu não vou fazer nada, se você não quiser. Minhas mãos só vão te tocar onde você permitir. — disse normalmente.  

Fechei os meus olhos, sentindo seus toques deslizarem suavemente pelo meu corpo, alisando minha pele. Em questão de segundos meus mamilos ficavam mais rijos, me mostrando sinal de perigo. "Não é possível que o problema seja comigo. Malditos hormônios!" Sua mão deslizou por minha coxa, colocando uma de minhas pernas apoiada na banheira, fazendo com que esta ficasse levemente arqueada. Sua mão desceu pela minha barriga devagar e meus batimentos aumentaram, esperando ansiosamente que ele me tocasse lá, o que ele não fez.  

— Me diga, Moon (S/N). Você quer que eu te toque aqui?  


Notas Finais


Esse menino tá ousado, né não? Hihihi


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...