1. Spirit Fanfics >
  2. The Fairly Oddparents - stanbrough au! >
  3. O Conselho é corrupto sim!

História The Fairly Oddparents - stanbrough au! - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Hey, trevozineos! Tudo bem?

Por incrível que possa parecer, o bloqueio criativo não me atingiu ainda, então to aproveitando pra atualizar essa fanfic flopada que eu amo tanto.

A inspiração bateu tão forte que to criando uma playlist pra que vocês possam acompanhar cada capítulo com alguma musiquinha diferente e para você renovar a sua playlist. Menos se a gente tiver o mesmo gosto musical, nesse caso a gente só surta de amor pelas nossas bandas. Vou tentar colocar a listinha ainda hoje nos outros capítulos que já saíram.

Enfim, espero que vocês gostem ❤ Boa leitura, galerinha!

Músicas do capítulo:
— Sugar, sugar - The Archies
— Don't Stop (Colors on the wall) - Foster the People
— The way you are - Tears for Fears

Capítulo 3 - O Conselho é corrupto sim!


The fairly oddparents

Capítulo três

"O Conselho é corrupto sim"

 Conselho das Fadas. O lugar mais passivo-agressivo da face da Terra - se é que eles ainda estavam na Terra, Stan tinha lá suas dúvidas. Richie, Eddie e ele estavam exatamente em frente à grande porta dupla roxa pastel com maçanetas de ouro. Stan suspirou olhando para o chão.

— Talvez não seja nada demais, não é? - Eddie disse tentando tranquilizar seu protegido, mas a sua voz falhada não o ajudou muito. Richie deu um sorriso amarelo.

— Talvez seja para nos parabenizar pelo sétimo aniversário que estamos juntos.

— Ainda falta um mês pra isso - Stan lembrou sem olhar para eles. O aniversário era sempre uma ocasião especial, pois era o dia em que ele poderia fazer qualquer desejo apenas mordendo um cupcake decorado com glacê cor-de-rosa e salpicado de estrelinhas crocantes coloridas. Era simplesmente delicioso demais e de um sabor que Stan nem sabia descrever. Parecia todos os sabores do mundo sem nem se misturarem. Não fazia sentido nenhum. Era tão delicioso que em um dos aniversários ele pediu uma caixa com doze deles. E ele jamais se arrependeu.

Stan sempre estava atento aos aniversários. Porém, mesmo que a data estivesse perto, ele não achava que o Conselho das Fadas iria os chamar para cantar parabéns. - Só vamos entrar de uma vez.

— Tudo bem. - Eddie disse e então virou-se para Richie. Eddie parecia preocupado. - Eu conduzo, ok?

— O quê? Por quê? - perguntou ele inconformado e cruzando os braços. Eddie revirou os olhos. 

— Porque você sempre fala alguma coisa que só complica a gente depois! 

— Que absurdo, Eds! Quando eu fiz isso?

Eddie o olhou embasbacado. 

— Perdão? Isso é brincadeira? Da última vez que estivemos aqui você insinuou que o Conselho era corrupto.

— Mas o Conselho é corrupto sim! Ou você acha que aquela brecha Nas Regras é justo?

— Ei. - Stan tentou chamar a atenção deles já cansado de ouvir os dois discutindo.

— Richie. - Eddie fez uma careta ao choramingar. - Deixa eu conduzir.

— Por que você nunca me deixa conduzir?

— EI - Stan gritou e os dois olharam para ele. - Eu não sei o que deu em vocês nesses últimos tempos e o porquê de estarem tão tensos, mas será que nós podemos entrar e resolver isso de uma vez? Eu não quero passar o resto da tarde nesse algodão doce! 

Richie e Eddie se entreolharam envergonhados. Eddie suspirou e deu de ombros e Richie deu um beijo na testa dele, o qual ele fez uma careta ao receber. Ajeitou sua gravata, estufou o peito e então abriu a porta com as duas mãos.

Ao ver o Conselho todo sentado à mesa horizontal cheia de nuvenzinhas a decorando, Richie fez o que sempre fazia:

— E AÍ, CAMBADA? 

 Eddie bateu a mão no rosto. 

***

— INADMISSÍVEL! - Stan pulou da cadeira onde estava sentado ao ouvir a voz fina e estridente de uma das fadas gritar. Seu cabelo era loiro e faziam pequenos rolinhos para cima, lembrando-o de leve a Dona Florinda de Chaves. Stan já não aguentava mais aquele lugar. Só queria poder ir para casa para se jogar no quarto, escutar suas músicas e poder surtar sozinho com os momentos que tivera com Bill naquele dia. - Vocês não podem deixar um tigre sair!

— Nós não deixamos, vossa-

— Richie, deixa que eu falo. - Eddie disse e então forçou um sorriso para a fada ali que o olhava com uma mistura de ódio e nojo. Richie entortou a boca e cruzou os braços. - Deve ter havido um grande mal entendido. Não deixamos nenhum tigre sair. Era o Richie.

— Nós sabemos muito bem que era ele! O problema é que o grupo que vocês espantaram foi correndo contar às autoridades que um tigre estava solto na cidade de Derry.

Eddie uniu as sobrancelhas, confuso.

— Okay, mas eles não tem credibilidade nenhuma. São um bando de delinquentes e encrenqueiros, isso não vai afet-

— Sabemos disso também. - a mulher disse com tédio.

— Então fala logo o problema! - Richie exaltou-se encarando a fada que o encarou de volta com sangue nos olhos. 

— Richie! - Eddie rangeu os dentes. 

— O quê? Eu quero saber! 

— O problema, meus caros - uma outra voz dias. Os três procuraram a voz para ver se era de alguma das fadas, mas nenhuma delas abriu a boca. Stan sentiu como se a voz estivesse entrando na mesma vibração do corpo dele. Era uma voz tão calma, parecia um vídeo de ASMR. - é as possíveis consequências. Vocês não sabem, mas o Mundo das Fadas tem sido colocado em risco por algumas outras fadas. Então um evento isolado pode ser o estopim para que todos os humanos tenham conhecimento do mundo mágico e isso poria nossa existência em risco.

Stan não entendia como aquilo funcionava. Eles não eram mágicos? Ora, como isso poderia colocar tudo em risco? Ao mesmo tempo que pensava isso, a voz o acalmou tanto que Stan nem se importava mais. Afinal, eles não seriam punidos, certo?

— Este é apenas um aviso. Tentem redobrar o cuidado com os pedidos. Mesmo que estes estejam permitidos nas regras, toda ação tem suas consequências e algo que pode parecer inofensivo pode transformar-se em algo muito ruim. Pense antes de pedir algo, Stanley Uris.

Um arrepio percorreu seu corpo ao ouvir seu nome.

— S-Sim. - gaguejou ele e novamente a imagem de Bill veio à sua cabeça. Sentiu seu coração esquentar. - Terei cuidado.

— Ótimo.

— Sortudos… - a fada Dona Florinda resmungou. Eddie a olhou com uma careta de descrença a qual expressava "qual é o seu problema, desgraça?". - O quê? Vocês deram sorte dela atender vocês.

— Sorte. - Richie riu. - Tá zoando, Mariah?

— É MYRA! 

— EU NÃO LIGO! - Richie disse. Stan estava segurando um riso de sua cadeira. Aquela era a primeira vez que ele presenciava uma briga daquelas no mundo das fadas, parecia até as que rolavam no mundo dos humanos nos debates em época de eleição. Enquanto isso, Eddie olhava para aquela situação com desespero nos olhos e com as duas mãos em seu rosto. Edvard Munch ficaria emocionado com a reprodução de sua tela para a vida real. - Enfim, se já não tem mais nada pra falar, será que nós podemos levar o nosso protegido?

— Claro, Richard. - disse ela. - Mas antes quero lembrar sobre a última reunião que tivemos.

Richie e Eddie se entreolharam com uma expressão que Stan não conseguiu identificar. 

— Já estão fazendo os preparativos?

— Isso não é da sua conta, Myra. - Eddie disse. 

— Claro que é, Eddie! - ela disse num tom mais alto e rápido. - Só cuidem disso logo antes que o Conselho faça por vocês! 

Richie revirou os olhos antes de se virar e os três saírem.

— O que foi aquilo? - Stan perguntou. 

Eddie deu de ombros.

— Ela é minha ex-namorada - explicou ele. - e ela e o Richie se odeiam.

— Ok, mas do que ela tava falando lá dentro.

— Depois explicamos, Stanny. - Richie disse. - Vamos embora.

***

Eram oito e meia da noite quando chegaram em casa e o clima não poderia estar mais péssimo. Stan sabia que Richie e Eddie estavam fazendo de tudo para esconder a briga que estavam tendo dentro de seu castelo. Mesmo seus pais estando juntos, ele sentia-se como se estivesse passando pelo divórcio. 

Colocou seus fones de ouvido e estava pronto para escutar o álbum Songs from the Big Chair do Tears for Fears, quando recebeu uma mensagem de Beverly, a qual dizia:

Tá afim de sorvete de chocolate? 

Stan comprimiu os lábios. "Ela não colocou menta" pensou ele. Beverly, Mike e ele tinham aquela mania de sempre se comunicar por códigos quando estavam mal. Era algo que tinham em comum. Disse a ela que chegaria na sorveteria em pelo menos dez minutos. Stan trocou de roupa e deixou um recadinho para Richie e Eddie, caso eles dessem falta dele no meio daquela discussão. 

Seus pais nem ao menos notaram que ele saíra pela porta da frente para pegar sua bicicleta. Era melhor assim, ele pensou, afinal, menos coisas para explicar. 

Assim que chegou à sorveteria encontrou Beverly sentada com uma expressão de tédio estampada no rosto.

E, ao lado dela, Henry Bowers.

 


Notas Finais


Me conta o que você achou ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...